As consequências da morte de cristo (charles haddon spurgeon)

  • View
    313

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of As consequências da morte de cristo (charles haddon spurgeon)

  • 1. As Consequncias daMorte de CristoC. H. Spurgeon

2. As Consequncias daMorte de CristoN 2338Sermo pregado na noite de Domingo de 6 de Outubro de 1889,Por Charles Haddon SpurgeonNo Tabernculo Metropolitano, Newington, Londres.E lido no Domingo, 10 de Dezembro de 1893.Agora o juzo deste mundo; agora ser expulso o prncipe destemundo. E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mimJoo 12: 31-33Nosso Senhor participou de uma espcie de ensaio de Sua paixo antes queacontecesse. Quando viu a esses gregos que se aproximaram de Felipe, e quelogo Andr e ele trouxeram para Ele, Seu corao se encheu de alegria. Essedevia ser o resultado de Sua morte: que os gentios fossem congregados a Ele.Esse pensamento lhe recordou sua morte prxima. Estava muito prxima.S passariam uns quantos dias e ento morreria na cruz. Em antecipao doCalvrio, Sua alma estava muito perturbada. No foi assim porque temesse amorte, mas Sua morte ia ser muito peculiar. Ia morrer o Justo pelosinjustos. Levaria Ele mesmo nossos pecados em Seu corpo sobre o madeiro,e Sua alma pura e santa rejeitava todo contato com o pecado. Perturbava-lheocupar o lugar do pecador e suportar a ira de Seu Pai. Seu corao estavamuito alterado e clamou: E que direi? Pai, Me salva dessa hora? Mas paraisso eu vim a essa hora. Pai, glorifica teu nome. Sem uma malignadebilidade, demonstrou quo verdadeiramente humano era; sem nenhumaqueixa pecaminosa diante da vontade de Seu Pai, contemplou que terrvelera essa vontade, e estremeceu-se ao ver tudo o que ela inclua. Isso foi umaespcie de ensaio do Getsmani. Era dar um gole dessa taa da queposteriormente beberia, at que Seu suor se convertesse em grandes gotasde sangue sobre a terra, enquanto Sua alma inteira elevava a angustiantepetio: Meu Pai, se possvel, passe de mim esse clice; mas no seja feitoo que eu quero, mas sim como tu queres.Enquanto nosso Senhor experimentava essa grande perturbao de mente,antecipando os terrveis sofrimentos que logo suportaria, Seu Pai lhe falou.Quando voc se encontrar submerso em sua mais horrenda angstia, Deusfalar contigo. Se voc Seu filho, quando a debilidade de sua carne esteja aponto de prevalecer sobre seu esprito, voc tambm, da mesma forma queseu Senhor, ouvir uma voz tranquilizadora proveniente da glria excelente.Ele se recuperou de imediato, e recobrando nimo, alegrou Seu corao comuma viso do glorioso fruto de Sua morte. Ento, expressou as bem-aventuradaspalavras nas quais iremos meditar hoje, nas que resumiu asconsequncias de Sua morte nesses trs pontos: Agora o juzo deste 3. mundo; agora ser expulso o prncipe deste mundo. E eu, quando forlevantado da terra, todos atrairei a mim.Hoje, primeiro, consideremos o triplo resultado da morte de Cristo; e quandotenhamos feito isso, refletiremos na morte de Cristo segundo est descrita emnosso texto.I. Primeiro, CONSIDEREMOS O TRIPLO RESULTADO DA MORTE DECRISTO.Temos, primeiro, o juzo desse mundo: Agora o juzo deste mundo. Sepreferirem, podem l-lo como crise, pois essa a palavra grega utilizadaaqui: Agora a crise desse mundo. O mundo est enfermo, e s piora. Omdico diz que seu mal chegou a um ponto crtico, que se trata de um casode vida ou morte. Houve uma crise na doena do mundo, e essa crise seapresentou quando Cristo morreu. Sua morte foi o ponto decisivo, o piv dahistria do mundo. J houve muitos eixos na histria; cada nao tem seuprprio ponto decisivo em sua histria: a cruz de Cristo foi o principalgancho da histria do mundo, o ponto que marcou sua crise. Dou graas aDeus porque a morte de Cristo foi a morte futura do pecado. Quando Elemorreu, o arqui-inimigo recebeu seu golpe mortal. Essa morte foi a ferida nocalcanhar de Cristo, mas nessa morte, Ele feriu a cabea da serpente antiga.Agora h esperana para o mundo. Sua crise passou. Agora caram osdeuses dos pagos; agora a negra ignorncia dos homens dar espao para aLuz do mundo.Depois dessa crise, viro novos cus e nova terra, nas quais mora a justia;pois a primeira vinda de Cristo uma fiana de Sua segunda vinda, na qualexterminar o pecado, e far que o deserto e o ermo floresam como a rosa.Assim poderamos traduzir as palavras de nosso Senhor: Agora a crisedesse mundo, o ponto decisivo, o eixo principal do qual pende toda suahistria. Apesar disso, eu prefiro muito mais aderir a nossa antiga verso,que uma traduo, enquanto que a minha somente um emprstimo dapalavra original.Agora o juzo deste mundo. Isso significa que, quando Cristo morreu, omundo inteiro que estava sob o maligno, todo o mundo mpio foi julgadonesse sentido: primeiro, foi convicto de ser o pior dos culpados. Atrevo-me adizer que vocs ouviram que as pessoas usam frases bonitas sobre adignidade da natureza humana, e assim sucessivamente. So frasesmentirosas, pois a natureza humana no pode ser mais depravada. Se vocsnecessitam da prova dessa afirmativa, considerem como Deus mesmo veioaqui entre os homens, a virtude mesma encarnada coberta de amor! Poracaso os homens lhe amaram? Acaso se prostraram diante Dele e lherenderam homenagens? A homenagem do mundo foi: Crucifica-o, Crucifica-o!O mundo odeia a virtude. No pode suportar a perfeio. Pode tolerar abenevolncia, mas no suporta a pureza absoluta e a justia, e diz: fora comelas. Seus instintos inatos so malvados. Os homens no se encaminhampara a luz, do suas costas ao sol e viajam para as densas trevas. 4. E alm disso, o mundo foi convicto do monstruoso crime de assassinar aoFilho de Deus. No o chamarei de regicdio, mas sim de Deicdio; e esse opior crime de todos. Verdadeiramente o mundo foi culpado de tudo o que oacusaram os profetas, e muito mais. Quando os homens depravadosmataram o Prncipe da Vida, o Santo e Justo, ali se demonstrou que omundo ateu de corao, que odeia a Deus, e que mataria ao mesmo Deusse estivesse a seu alcance. Assim os homens imolaram ao Deus encarnadoquando se submeteu a seu poder. No precisamos falar das virtudes domundo. Ele sacrificou ao Cristo, e isso suficiente para mais conden-lo.No necessitamos de nenhuma outra prova de sua culpabilidade. No sepode acrescentar uma evidncia mais completa e esmagadora: mataram aoSenhor da vida e da glria, e disseram entre si: Esse o herdeiro; vinde, omatemos para que a herana seja nossa.Ademais, a morte de Cristo foi o juzo desse mundo ao sentenciar o mundo;pois se Cristo, que era perfeitamente inocente, deveria morrer quando secolocou no lugar do pecador, por acaso vocs pensam, homens culpados,que no morrero tambm? Se o Amado do cu, que s carregava com umaculpa imputada, com pecados que no eram Seus, devia ser golpeado porDeus e ser afligido, e devia escutar a voz: espada, desperta-te contra omeu pastor, e contra o homem que o meu companheiro, diz o SENHOR dosExrcitos (Zacarias 13:7). Se Ele devia morrer nesse cruel madeiro, se Eledevia clamar: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?, ento,voc pode estar certo disso, que existe ira armazenada para o dia da ira, enenhum ser humano que faa o mal ser absolvido. No existe um Deus que o Juiz de toda a terra e que deve fazer o justo? Se justo que se fira aoInocente porque assumiu o lugar do culpado, tambm deve serverdadeiramente justo que o verdadeiro culpado seja castigado com morte:A Alma que pecar, essa morrer. Assim que, no houve s um veredito deculpabilidade, mas tambm uma sentena contra o mundo, quando Jesusmorreu.E mais que isso, o juzo ter chegado a seu fim quando o mundo rejeite aCristo. Enquanto estejam aqui, queridos leitores, e Cristo lhes seja pregado,existe esperana para vocs; mas naquele dia quando rejeitem a Cristofinalmente, e no queiram saber nada Dele, quando clamem: Fora, fora! Noqueremos ser lavados em Seu sangue, e no queremos ser vestidos em Suajustia; naquele dia selaro sua condenao, e no haver mais esperanapara vocs. Existe uma janela no cu, e a luz da vida flui por essa janela;mas se essa janela se fecha, nenhuma outra ser jamais aberta. E emnenhum outro h salvao, porque tambm debaixo do cu nenhum outronome h, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. Se vocsrepudiaram a Cristo pela ltima vez, se terminaram por completo com Ele,teriam esgotado sua liberdade condicional, teriam concludo com seu juzo,teriam apagado a ltima vela, estariam condenados para sempre. QuandoCristo rejeitado de tal forma que o eliminam efetivamente, como quandoEle pendeu da cruz, ento o juzo desse mundo.Eu desejaria contar com o tempo suficiente para fazer uma pausa aqui ereforar esses pontos para os que pertencem ao mundo. S existem dois 5. partidos: o mundo e a Igreja de Deus. Se vocs no pertencem Igreja deDeus, ento pertencem ao mundo, e o mundo julgado pela morte de Cristo.Se vocs no so cristos, ento so membros dessa grande corporaochamada mundo. Os homens falam algumas vezes de um mundo cristo ede um mundo no cristo, um mundo religioso e um mundo no religioso,um mundo divertido, um mundo que ri, um mundo que rouba, um mundoque negocia; mas tudo o que realmente do mundo est fora dos limites daIgreja de Deus.O que cr em Cristo tem escapado do mundo. No so do mundo, comotampouco eu sou do mundo, disse Cristo em relao a Seus discpulos; masaos judeus incrdulos disse: Vs so de baixo, eu sou de cima; vs soisdesse mundo, eu no sou desse mundo.Assim, vocs podem ver que, como primeiro resultado da morte de Cristo, omundo julgado, o mundo encontrado culpado, e o mundo sentenciadopor sua rejeio de Cristo. Um mundo que rejeita a Cristo um mundocondenado. Que nenhum de vocs pertena a esse mundo!O segundo resultado da morte de Cristo a expulso de Satans: Agoraser expulso o prncipe deste mundo. Aquele que tem poder sobre o mundoagora perder seu trono. O prncipe deste mundo Satans, o arqui-inimigode Deus e do homem; mas ele nem sempre ir reinar como prncipe dapotestade do ar, o lder dos governadores das trevas deste sculo. Ele serlanado de seus presentes domnios.Pela morte de Cristo, as acusaes de Satans contra os crentes sorespondidas. Uma das prticas em que o diabo mais se deleita a de acusaro povo de Deus; e,