Click here to load reader

AS VANGUARDAS EUROPEIAS

  • View
    14

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

AS VANGUARDAS EUROPEIAS. - PowerPoint PPT Presentation

Text of AS VANGUARDAS EUROPEIAS

Slide 1

AS VANGUARDAS EUROPEIASAo se iniciarem os anos de 1900, a Europa enfrentava a herana do final do sculo XIX, caracterizada basicamente por duas situaes opostas, mas complementares: a grande euforia gerada pelos avanos tcnicos - cientficos e o pessimismo ocasionado pelas consequncias desse avano no processo burgus-industrial.AS VANGUARDAS EUROPEIASAo se iniciarem os anos de 1900, a Europa enfrentava a herana do final do sculo XIX, caracterizada basicamente por duas situaes opostas, mas complementares: a grande euforia gerada pelos avanos tcnicos - cientficos e o pessimismo ocasionado pelas conseqncias desse avano no processo burgus-industrial.Tal antagonismo origina um clima propcio para a efervescncia artstica. Preocupadas em dar uma nova interpretao para a realidade, surgem ento, vrias tendncias artsticas de vanguarda.

AS VANGUARDAS EUROPEIASA literatura de vanguarda surge na Europa e Estados Unidos para romper com toda a concepo literria at ento vigente. O mundo todo em meio a revolues e guerras e os avanos das teorias psicanalistas criam o ambiente para a propagao de novas idias e formas de expresso. Em 1918, so publicados os poemas visuais ou caligramas do italiano Guillaume Apollinaire (1880-1918). Seus poemas rompem com as estruturas tradicionais de linguagem. o estopim de uma revoluo cultural que ainda no terminou.FUTURISMOO primeiro manifesto futurista foi assinado por Filippo Tommaso Marinetti e publicado em 1909. Apresentava como pontos fundamentais a exaltao da vida moderna, da mquina, da eletricidade, do automvel, da velocidade e uma inevitvel ruptura com os modelos do passado.FUTURISMOAs principais manifestaes ocorrem na poesia italiana. A literatura futurista exigia a abolio das estruturas da frase e formas poticas tradicionais. Sempre a servio de causas polticas, a primeira antologia sai em 1912. O texto marcado pela destruio da sintaxe, dos conectivos e da pontuao, substituda por smbolos matemticos e musicais. A linguagem espontnea e as frases so fragmentadas para expressar velocidade. FUTURISMOOs autores abolem os temas lricos e incorporam poesia palavras ligadas tecnologia. As idias de Marinetti, mais atuante como terico do que como poeta, influenciam o poeta cubista francs Guillaume Apollinaire (1880-1918).Na Rssia, o futurismo expressa-se principalmente na literatura. Mas, enquanto os autores italianos se identificam com o fascismo, os russos aliam-se esquerda. Vladmir Maiakvski (1893-1930), o poeta da Revoluo Russa, aproxima a poesia do povo. Outro poeta de destaque Viktor Khlbnikov (1885-1922).

A esttica da destruio (Trechos do Manifesto Futurista)Ns queremos cantar o amor ao perigo, o hbito energia e temeridade.Os elementos essncias de nossa poesia sero a coragem, a audcia e a revolta.Tendo a literatura at aqui enaltecido a imobilidade pensativa, o xtase e o sono, ns queremos exaltar o movimento agressivo, a insnia febril, o passo ginstico, o salto perigoso, a bofetada e o soco.

Ns queremos glorificar a guerra nica higiene do mundo - , o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos anarquistas, as belas idias de quem matam, e o menosprezo mulher.A esttica da destruio (Trechos do Manifesto Futurista)

Umberto Boccioni, Carga de lanceiros, 1914-1915. Tmpera e colagem sobre papelo, 32x50 cm.FUTURISMOCUBISMONascido a partir das experincias artsticas de Pablo Picasso e de Georges Braque, por volta de 1907, o Cubismo desenvolveu-se inicialmente na pintura, valorizando as formas geomtricas (cones, esferas, cilindros, etc.) e revelando um objeto em seus mltiplos ngulos.

CUBISMOCUBISMONa literatura cubista, os escritores se preocupam com a construo do texto e sua disposio no papel, mostram uma linguagem simples, palavras soltas, escritas na vertical, sem se importar com a rima ou harmonia, um verso livre; seu principal representante o francs Guillaume Apollinaire.hpicaSaltos recordsCavalos da PenhaCorrem jqueis de HigienpolisOs magnatasAs meninasE a orquestra tocaChNa sala de cocktails.(ANDRADE, Oswald de. Poesias reunidas. Obras completas. Rio de Janeiro: Civilizao Brasileira, 1974. v. 7, p. 129).CUBISMOEXPRESSIONISMOO movimento expressionista surgiu em 1910, na Alemanha, trazendo uma forte influncia da arte do final do sculo XIX, preocupada com as manifestaes do mundo interior e com a forma de express-las. Da a importncia da expresso, ou seja, da materializao, numa tela ou numa folha de papel, de imagens nascidas em nosso mundo interior, pouco importando os conceitos ento vigentes de belo e feio.

EXPRESSIONISMONa literatura, as principais caractersticas desse movimento foramComposies abstratasAssim como na pintura, os escritores expressionistas tambm gostavam de deformaes abstratas do real.SubjetivismoO artista expressionista desejava a expresso violenta do subjetivo, das emoes, do mundo interior.IlogismoUma vez que tudo era expresso no havia a preocupao com a lgica do mundo exterior como nas estticas anteriores.

EXPRESSIONISMOPsicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amonaco,Monstro de escurido e rutilncia,Sofro, desde a epignesis da infncia,A influncia m dos signos do zodaco.Profundissimamente hipocondraco,Este ambiente me causa repugnnciaSobe-me boca uma nsia anloga nsia

(ANJOS, Augusto dos. Toda a poesia de Augusto dos Anjos. 2. ed.Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978)EXPRESSIONISMOQue se escapa da boca de um cardaco.J o verme este operrio das runas -Que o sangue podre das carnificinasCome, e vida em geral declara guerra,Anda a espreitar meus olhos para ro-los,E h de deixar-me apenas os cabelos,Na frialdade inorgnica da terra!DADASMOEm 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, o romeno Tristan Tzara espanta o mundo com mais uma vanguarda: o Dadasmo, ou Dad, a mais radical de todas as vanguardas.Negando o passado, o presente e o futuro, o Dadasmo a total falta de perspectiva diante da guerra; da ser contra as teorias, as ordenaes lgicas, pouco se importando com o leitor. Necessrio era criar palavras pela sonoridade, quebrando as barreiras do significado. Importante era o grito, o urro contra o capitalismo burgus e o mundo em guerra.

DADASMODADASMONa literatura, o dadasmo considerado por muitos, o mais radical de todos os movimentos da Vanguarda Europia. Ele era a negao de todos os valores culturais existentes h sculos. O dadasmo a esttica do absurdo, do incoerente, do ilgico, a comear pelo prprio nome.Quando indagado sobre o significado da palavra dada, Tristan Tzara, o criador do Dadasmo, afirma que dada no significava nada, que ele encontrou essa palavra ao acaso, abrindo um dicionrio. Os dadastas estavam preocupados em ridicularizar, em negar tudo e todos.

Pegue um jornal.Pegue a tesoura.Escolha no jornal um artigo do tamanho que voc deseja dar a seupoema.Recorte o artigo.Recorte em seguida com ateno algumas palavras que formamesse artigo e meta-as num saco.Agite suavemente.Tire em seguida cada pedao um aps o outro.Copie conscienciosamente na ordem em que elas so tiradas dosaco.O poema se parecer com voc.E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidadegraciosa, ainda que incompreendido do pblico.(TZARA, Tristan. In: TELES, Gilberto de Mendona. Vanguardaeuropia e modernismo brasileiro. 9 ed. Petroplis: Vozes, 1986.p.132 fragmento)DADASMOSURREALISMOO Manifesto Surrealista foi lanado em Paris, em 1924, por Andr Breton (1896-1970). Trata-se de um movimento de vanguarda iniciado no perodo entre guerras, ou seja, foi criado sobre as cinzas da Primeira Guerra Mundial e sobre a experincia acumulada de todos os outros movimentos. Entretanto suas origens esto mais prximas do Expressionismo e da sondagem do mundo interior, em busca do homem primitivo, da liberao do inconsciente, da valorizao do sonho.

Le Blanc-Seing, 1965SURREALISMOSURREALISMONa literatura, os escritores surrealistas, influenciados pelos estudos de Freud,mostraram grande interesse pelo inconsciente humano e pelo sonho,considerado a expresso mxima da liberdade humana. Atravs do sonho o homem estava livre de toda crtica, de toda censura e principalmente da lgica.

O mar soprava sinosos sinos secavam as floresas flores eram cabeas de santosMinha memria cheia de palavrasmeus pensamentos procurando fantasmasmeus pesadelos atrasados de muitas noitesDe madrugada, meus pensamentos soltosvoaram como telegramase nas janelas acesas toda a noiteo retrato da mortafez esforos desesperados para fugir.

(MELO NETO, Joo Cabral de. Joo Cabral de Melo Neto Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995).SURREALISMOA HERANA BRASILEIRA DASVANGUARDASConforme Maria Luiza Abaurre, a principal herana das vanguardas europias para a literatura brasileira, alm da influncia localizada que algumas delas exerceram sobre certos poetas e escritores, o impulso de destruir os modelos arcaicos, desafiar o gosto estabelecido e propor um olhar inovador para o mundo. Ruptura e transformao: dois termos que definem bem o esprito da primeira gerao modernista.