Aspectos Introdutórios de Orçamento Público - .Aspectos Introdutórios de Orçamento Público

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Aspectos Introdutórios de Orçamento Público - .Aspectos Introdutórios de Orçamento Público

  • 1

    ASPECTOS INTRODUTRIOS DE

    ORAMENTO PBLICO

    Flvio GEORGE Rocha

    Contador da Fazenda Estadual

    Gerente de Estudos e Normatizao Contbil

  • Aspectos Introdutrios de Oramento Pblico

    2

    Este mdulo permitir conhecer o processo oramentriobrasileiro, abrangendo:- Receita Pblica;- Despesa Pblica.

    Metodologia: aulas expositiva com resoluo de exercciosdebates em sala de aula.

  • Aspectos Introdutrios de Oramento Pblico

    3

  • Aspectos Introdutrios de Oramento Pblico

    4

    Contedo - 1 Momento (09h00 s 10h20):

    Conceitos e Princpios Oramentrios Conceito de Receita Pblica Fases da Receita Pblica Recursos Vinculados e desvinculados Receitas Prprias e demais receitas

    Contedo - 2 Momento: (10h30min s 12h00)

    Conceito de Despesa Pblica Classificao da Despesa Pblica Fases da Despesa Pblica Restos a Pagar

  • Princpios Oramentrios

    5

    So considerados Princpios Oramentrios: Unidade; Universalidade; Anualidade; Exclusividade; Oramento Bruto;

    No-Vinculao da Receita de Impostos.

  • Princpios Oramentrios

    6

    Unidade. Previsto no art. 2 da lei 4.320, tem como premissa que cada ente daFederao ter um nico oramento.

    Esta veda a realizao de oramentos mltiplos ou paralelos. Cada entecontm uma nica lei oramentria.

    Pode ainda ser dividido em 3 peas:

    a) Oramento fiscal,

    b) Oramento da seguridade social, e

    c) Oramento de investimentos das empresas estatais.

    Universalidade. Tambm previsto no mesmo artigo da mesma lei, e conjugadocom os art.. 3 e 4, vem consagrar a concepo do oramento pblico contertodas as receitas e despesas necessrias as aes governamentais.

  • Princpios Oramentrios

    7

    Anualidade Ainda no art. 2 da lei 4.320/64 cita o princpio da anualidade.Este estabelece que o oramento pblico tem vigncia de um ano, ou seja, umexerccio financeiro. A referida lei determina que o exerccio financeirocoincide como o ano civil (art. 34).

    Exclusividade Conforme regra a Constituio federal (art. 165, 8), a leioramentria no deve conter matria estranha ao oramento, onde devetratar exclusivamente de receita prevista e da despesa fixada.

    Tal disposio constitucional prev duas excees:

    a) A autorizao para abertura de crdito suplementares, e

    b) A autorizao para operaes de crdito.

  • Princpios Oramentrios

    8

    Oramento Bruto o art. 6 de lei 4.320 prev que as receitas e despesasprecisam constar no oramento pelos valores brutos, vedadas quaisquerdedues.

    No-Vinculao da Receita de Impostos a Carta Magna (CF art. 167, inciso IV)veda a vinculao dos impostos a rgos, fundo ou despesa, salvo as exceesprevistas na prpria constituio federal a saber:

    a) repartio dos impostos (FPE; FPM; FNO; FNE; FCO),

    b) destinao para sade e manuteno do ensino e

    c) para a prestao de garantia ou contra garantia Unio.

  • 9

    TERMOS COMUNS EMPREGADOS NA EXECUO DO ORAMENTO

    Unidade Oramentria (UO) : rgo ou entidade que a LOA consignou

    dotao oramentria.

    Unidade Administrativa (UA) : rgo ao qual a LOA no consignou dotao

    oramentria.

    Unidade Gestora (UG) : rgo com capacidade de gerir recursos

    oramentrios prprios ou descentralizados.

  • 10

    CICLO DO ORAMENTO

    Setoriais de Planejamento: elabora sua proposta oramentria

    Unidade Central de Planejamento: consolida as propostas oramentrias e

    elabora o PLOA

    Chefe do Poder Executivo: encaminha o PLOA ao Poder Legislativo

    Poder Legislativo: aprova o PLOA e devolve ao executivo

    Chefe do Poder Executivo: sanciona e publica a LOA

  • 11

    CICLO DO ORAMENTO

    Unidade Central de Planejamento: elabora o detalhamento da despesa e

    lana o crdito oramentrio inicial

    Unidade Central de Programao Financeira: elabora o decreto de

    programao financeira

    Unidades Gestoras: executa o oramento (receita e despesa)

    Controle Interno: acompanhamento e avaliao

    Controle Externo: emite Parecer Prvio e julga as contas dos ordenadores de

    despesa.

  • 12

    RECEITA ORAMENTRIA

    A receita oramentria compreende os recursos financeiros que so arrecadadospela administrao pblica com a finalidade de financiar as aes estatais.

    INGRESSO DE RECURSOS NOS COFRES PBLICOS

    RECEITA ORAMENTRIA

    INGRESSO EXTRAORAMENTRIO

  • 13

    RECEITA ORAMENTRIA - CLASSIFICAO

    Sob aspecto Contbil, podemos classificar a receita oramentria quanto ao seuimpacto no patrimnio, podendo ser:

    Efetiva ou No Efetiva.

    A receita oramentria efetiva:

    aquela que causa modificao da situao lquida patrimonial.

    A receita oramentria no efetiva:

    So aquelas receitas oramentrias decorrentes de fatos permutativos, ou seja,no alteram a situao lquida patrimonial.

  • 14

    RECEITA ORAMENTRIA - CLASSIFICAO

    Sob aspectos doutrinrios, ainda se dividem a receita oramentria de acordo coma coercitividade, podendo ser: originria ou derivada.

    A receita originria:

    aquela que tem a sua origem na explorao do patrimnio pblico, tambmconhecido como receita de direito privado, pois nesses casos, o estado age emcondies de relativa igualdade com o particular.

    A receita derivada:

    Regulada pelo direito pblico, o ingresso do recurso nasce do poder do estado detributar o particular. Em suma, deriva do poder constitucional ou legal do estadoarrecadar para fazer frente s suas necessidades.

    Segundo o MCASP, a receita oramentria pode ser classificada de acordo com oscritrios abaixo:

    Natureza de receita; Fonte/Destinao de Recursos; Indicador de resultado primrio.

  • 15

    CLASSIFICAO - QUANTO A Natureza da Receita PblicaClassificao utilizada de forma padronizada por todos os entes da Federaoque tem como objetivo identificar a receita de acordo com a sua origem, ouseja, o seu fato gerador.

    A classificao formada por cdigo numrico composto por 8 dgitos,subdividido em 6 nveis da seguinte maneira:

    1 dgito Categoria Econmica

    2 dgito

    3 dgito

    4 dgito

    5 e 6 dgitos

    7 e 8 dgitos

    Origem

    Espcie

    Rubrica

    Alnea

    Subalnea

  • 16

    CLASSIFICAO - QUANTO A Natureza da Receita PblicaAbaixo segue exemplo de codificao da receita oramentria de acordo com anatureza:

    1. 1. 1. 2. 04. 10

    RECEITA CORRENTE

    TRIBUTRIA

    IMPOSTOS

    IMPOSTOS SOBRE O PATRIMNIO E A RENDA

    IMPOSTOS SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

    PESSOAS FSICAS

  • 17

    RECEITA ORAMENTRIA CLASSIFICAO E CDIGOS

    De acordo com a categoria econmica a receita oramentria pode ser de dois tipos:a) Receitas Correntes so as receitas arrecadadas pela atividade estatal no seu dia a dia, ou

    seja, de forma ordinria. Considerada ingresso de disponibilidades tem impacto positivo nopatrimnio pblico. Segundo a lei 4.320, art. 11, 4, tm as seguintes origens: tributria,de contribuies, patrimonial, agropecuria, industrial, de servios, transfernciascorrentes e outras receitas correntes.

    b) Receitas de Capital so as receitas arrecadadas pela atividade estatal, mas que o ingressoda disponibilidade, via de regra, no tem impacto quantitativo no patrimnio pblico. Soexemplos de receitas de capital as operaes de crdito, as alienaes de bens, conversode bens e direitos em espcies, etc.

    Receitas Intraoramentrias:podem ser corrente ou de capital e decorrem de operaes entre unidades pertencentes aooramento fiscal e da seguridade social

    Pela codificao da natureza da receita, segunda a MCASP, temos o seguinte: Cdigo 1 : Receitas Correntes Cdigo 2 : Receitas de Capital Cdigo 7 : Receitas Intraoramentrias Correntes Cdigo 8 : Receitas Intraoramentrias de Capital

  • 18

    RECEITA ORAMENTRIA CLASSIFICAO E CDIGOS

    O segundo cdigo da receita oramentria identifica a origem. A origemrepresenta o detalhamento da categoria econmica e identifica a procednciada receita oramentria no momento da arrecadao.

    A ilustrao abaixo identifica os cdigos de origem da receita oramentria:

    1 Receita Corrente

    1.1 Receita Tributria

    1.2 Receita de Contribuies

    1.3 Receita Patrimonial

    1.4 Receita Agropecuria

    1.5 Receita Industrial

    1.6 Receita de Servios

    1.7 Transferncias Correntes

    1.9 Outras Receitas Correntes

    2. Receitas de Capital

    2.1 Operaes de Crdito

    2.2 Alienao de Bens

    2.3 Amortizao de Emprstimos

    2.4 Transferncias de Capital

    2.5 Outras Receitas de Capital

  • 19

    RECEITA ORAMENTRIA CLASSIFICAO E CDIGOS

    O terceiro dgito na codificao da receita oramentria de acordo com anatureza significa a espcie. A espcie vincula-se diretamente a origem e tem afuno de melhor detalhar o fato gerador da receita.

    A rubrica, quarto dgito da receita oramentria, agrega as espcies, cujascaractersticas sejam semelhantes. Em suma, representa um detalhamento daespcie.

    A alnea (5 e 6 dgitos) e a subalnea (7 e 8 dgitos) representam o nvelmais detalhada da classificao oramentria da receita. Servem para nominara receita oramentria.

  • 20

    RECEITA ORAMENTRIA CLASSIFICAO E CDIGOS

    Para fins didticos, vamos exemplificar a receita oramentria at o nvel de espcie.Categoria Econmica Origem Espcie

    1. Correntes

    1. Tributria

    1. Impostos

    2. Taxas

    3. Contribuies de Melhoria

    2. Contribuies

    2.1 Contribuies Sociais

    2.2 Econmicas

    3. Patrimonial

    1. Imobilirias

    2. Valores Mobilirios

    3. Concesses e Permisses

    4. Compensaes Financeiras

    5. Explorao de Bens Pblicos

    6. Cesso de Direitos

    9. Outras

    4. Agropecuria

    1. Produo Vegetal

    2. Produo Animal

    9.