ASSÉDIO MORAL NAS RELAÇÕES DE TRABALHO - sfiec.org.br Moral... · Assédio Moral nas Relações…

Embed Size (px)

Text of ASSÉDIO MORAL NAS RELAÇÕES DE TRABALHO - sfiec.org.br Moral... · Assédio Moral nas...

  • ASSDIO MORAL NAS

    RELAES DE TRABALHO

    C O S I N

  • Assdio ???

    Assediar, segundo o dicionrio

    Aurlio, :

    "perseguir com insistncia,

    importunar, molestar, com

    perguntas ou pretenses

    insistentes"

  • Relaes interpessoais

  • Assdio Moral nas Relaes de Trabalho

    Generalidades Conceito Elementos caracterizadores Espcies Consequncias Judicializao Indenizao Exemplos Concluso

  • Generalidades

    Sem legislao especfica Vnculo empregatcio Terror psicolgico Condutas abusivas reiteradas Agressor e vtima Danos Indenizao

  • * Estudo cientfico nascido no mbito da

    psicologia e no do direito Precursores Estrangeiros HEINZ LEMMAN (Psiclogo que em 1984

    identificou pela primeira vez o fenmeno) MARIE-FRANCE HIRIGOYEN (Psiquiatra que

    desenvolveu estudos sobre o tema e publicou em 1998 seu primeiro livro Assdio Moral)

    Primeiras Leis NORUEGA 1977 (assdio em geral) SUCIA 1993 BLGICA 2000 (violncia no trabalho) FRANA 2002

  • * Dissertao de Mestrado da Dra. Margarida

    Barreto

  • Conceito

    a exposio dos trabalhadores a situaes humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exerccio de suas funes, sendo mais comuns em relaes hierrquicas autoritrias e assimtricas, em que predominam condutas negativas, relaes desumanas e aticas de longa durao, de um ou mais chefes dirigidas a um ou mais subordinado (s), desestabilizando a relao da vtima com o ambiente de trabalho e a organizao, forando-a a desistir do emprego. *BARRETO, Maria. Uma Jornada de Humilhaes. 2000.

  • qualquer conduta abusiva que

    atente, por sua repetio, contra a

    dignidade ou integridade psquica

    ou fsica de uma pessoa,

    ameaando seu emprego ou

    degradando o clima de trabalho.

    * HIRIGOYEN, Marie -France.

  • Detalhando o Assdio Moral

    Qualquer atitude abusiva e repetitiva de um superior ou mesmo de um colega contra um empregado.

    Esses comportamentos podem se manifestar por meio de palavras, atos, gestos, escritos, de forma maliciosa, no sexual e no racial, com o fim de afastar o indivduo das relaes profissionais, por boatos, intimidaes, humilhaes, descrdito e isolamento.

  • Assdio moral sexual

    No assdio sexual o autor pratica o assdio com o intuito de obter uma vantagem de natureza sexual, utilizando-se de sua posio profissional

    Art. 216-A do CP - Constranger algum com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condio de superior hierrquico ou ascendncia inerentes ao exerccio deemprego, cargo ou funo.

    Pena deteno, de 1 (um) a 2 (dois) anos.

    No assdio moral o objetivo unicamente atingir a dignidade do assediado

  • Dano moral

    O dano moral a consequncia de um ato lesivo que atinge os direitos personalssimos dos indivduos, os bens de foro ntimo da pessoa, como a honra, a liberdade, a intimidade e a imagem.

  • a) Sujeitos (ativo e passivo) - Empregador - Empregado - Colega de trabalho - terceiros

    b) Conduta abusiva e dolosa c) Reiterao - repetitivas d) Ocorrncia de danos e) Finalidade de excluso

    Elementos caracterizadores

  • Um chefe de personalidade exigente, meticulosa, que exige a excelncia do trabalho ou um determinado comportamento profissional, no pode ser visto como agressor, porquanto sua conduta insere-se dentre as prerrogativas de seu poder diretivo e disciplinar. A cobrana de metas de todos os subordinados O exerccio do poder diretivo pelos prepostos da empresa Uma exploso repentina de raiva O estresse no ambiente de trabalho O conflito no ambiente de trabalho A gesto por injria As agresses pontuais As ms condies de trabalho

    * Outras condutas que no configuram assdio moral

  • Um ato isolado de humilhao no assdio moral. O assdio moral pressupe:

    1. repetio sistemtica

    2. intencionalidade (forar o outro a abrir mo do emprego)

    3. direcionalidade (uma pessoa do grupo escolhida como bode expiatrio)

    4. temporalidade (durante a jornada, por dias e meses)

    5. degradao deliberada das condies de trabalho

    Fonte: http://www.assediomoral.org

    Em resumo

  • a) Assdio Moral vertical a.1. Assdio Moral vertical descendente a.2. Assdio Moral vertical ascendente b) Assdio Moral horizontal c) Assdio Moral misto

    Espcies de Assdio Moral

  • 0% 20% 40% 60% 80%

    Subordinado

    Colegas

    Diversas pessoas (incluindo colegas)

    Hierarquia

    Fonte: HIRIGOYEN, Marie -France. Mal estar no trabalho

    redefinindo o assdio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002, p. 123, 124.

  • TERRORISMO Patro x trabalhador FRATRICDIO Trabalhador x trabalhador MOTIM Trabalhador x patro

  • Fonte: HIRIGOYEN, Marie -France. Mal estar no trabalho redefinindo o assdio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002, p. 123, 124.

  • Fonte: HIRIGOYEN, Marie -France. Mal estar no trabalho redefinindo o assdio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002, p. 123, 124.

  • 1. Motivos religiosos

    2.Opo sexual

    3.Racismo

    4.Doena

    5.Gravidez

    6.Representao sindical

    7.Revista pessoal

    8.Maus tratos

  • Tipos de chefes

    1.Pit-Bull 2.Profeta 3.Troglodita 4.Tigro 5.Grande irmo 6.Garganta 7.Mala-babo 8.Tasea

    Fonte: www.assediomoral.org

  • Do ponto de vista da vtima (assediado):

    - Sequelas Fsicas e Psicolgicas

    - Prejuzo no convvio familiar e social

    - Baixa auto-estima pessoal e profissional

    - Aumento ou queda da produtividade

    - Pedido de demisso

    Consequncias do Assdio Moral

  • Sintomas Mulheres (%) Homens (%)

    Crises de choro 100 -

    Dores generalizadas 80 80

    Palpitaes, tremores 80 40

    Sentimento de inutilidade 72 40

    Insnia ou sonolncia

    excessiva 69,6 63,6

    Depresso 60 70

    Diminuio da libido 60 15

    Sede de vingana 50 100

    Aumento da presso

    arterial 40 51,6

    Dor de cabea 40 33,2

    Distrbios digestivos 40 15

    Tonturas 22,3 3,2

    Idia de suicdio 16,2 100

    Falta de apetite 13,6 2,1

    Falta de ar 10 30

    Passa a beber 5 63

    Tentativa de suicdio - 18,3

    Fonte: www.assediomoral.org

  • Do ponto de vista do assediador: - Justa causa - Responsabilidade patrimonial - Consequncias criminais

    Consequncias do Assdio Moral

  • Do ponto de vista do empregador:

    - Despedida indireta

    - Custo do absentesmo

    - Doenas profissionais

    - Queda de produtividade

    - Rotatividade da mo-de-obra

    - Responsabilidade Civil

    - Acidentes de trabalho

    - Danos a equipamentos

    - Abalo na reputao da Empresa * Direito de regresso do empregador

    Consequncias do Assdio Moral

  • - Competncia para julgar

    Art. 114 - Compete Justia do Trabalho processar e

    julgar: ... VI - as aes de indenizao por dano moral ou

    patrimonial, decorrentes da relao de trabalho; - Prova do assdio moral e do dano - fatos - imprescindvel - danos - prescindvel

    Judicializao

  • Consolidao das Leis do Trabalho - CLT Art. 818. A prova das alegaes incumbe parte que as fizer. Cdigo de Processo Civil - CPC Art. 333 - O nus da prova incumbe: I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; II - ao ru, quanto existncia de fato impeditivo, modificativo ou

    extintivo do direito do autor.

  • Ementa ASSDIO MORAL. AUSNCIA DE PROVAS CONTUDENTES -

    INDENIZAAO INDEVIDA.. Era da reclamante o nus processual relativo comprovao de que foi submetida a assdio moral, a teor dos artigos 818 da CLT e 333, I, do CPC. Todavia, de tal desiderato no se desvencilhou, restando indevidas, neste contexto, as verbas oriundas da despedida imotivada (resciso indireta), bem como a correspondente indenizao por danos morais. Recursos ordinrios conhecidos. Parcialmente provido o da reclamada e improvido o da reclamante.

    Julgado: 19/11/2012 - Publicado: 30/11/2012 - Fonte DEJT Processo n 0205200-57.2009.5.07.0005: Recurso Ordinrio

  • Constituio Federal:

    Art. 5 ()

    V assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, alm da indenizao por dano material, moral ou imagem;

    Cdigo Civil:

    Art. 186 Aquele que, por ao ou omisso voluntria, negligncia ou imprudncia, violar direito e causar dano a algum, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilcito.

    Art. 927 Aquele que, por ato ilcito, causar dano a outrem, fica obrigado a repar-lo.

    Pargrafo nico. Haver obrigao de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, riscos para o direito de outrem.

  • Indenizao - reparao dos danos Danos materiais - perda do emprego - despesas mdicas Danos morais - honra - boa fama - autoestima - autorespeito - sade psquica e fsica

    Indenizao

  • Ementa 1. JUSTA CAUSA DA RECLAMANTE. FALTA GRAVE. DESDIA. COMPROVAO.

    INEXISTNCIA. A desdia, enquanto motivo ensejador da dispensa por justa