ASSISTENTE ADMINISTRATIVO final - s3.· - Mas hoje ainda tem ... aí você já está indo fundo demais

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ASSISTENTE ADMINISTRATIVO final - s3.· - Mas hoje ainda tem ... aí você já está indo fundo...

  • PROVA OBJETIVA

    ORGANIZADOR

    1

    CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - CREFITO

    PROVA OBJETIVA - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO I

    LNGUA PORTUGUESA

    O Lixo

    (Lus Fernando Verssimo)

    Encontram-se na rea de servio. Cada um com seu pacote de lixo. a primeira vez que se falam.

    - Bom dia... - Bom dia. - A senhora do 610. - E o senhor do 612 - . - Eu ainda no lhe conhecia pessoalmente... - Pois ... - Desculpe a minha indiscrio, mas tenho visto o seu lixo... - O meu qu? - O seu lixo. - Ah... - Reparei que nunca muito. Sua famlia deve ser pequena... - Na verdade sou s eu. - Mmmm. Notei tambm que o senhor usa muito comida em lata. - que eu tenho que fazer minha prpria comida. E como no sei cozinhar... - Entendo. - A senhora tambm... - Me chame de voc. - Voc tambm perdoe a minha indiscrio, mas tenho visto alguns restos de comida em seu lixo. Champignons, coisas assim... - que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes. Mas, como moro sozinha, s vezes sobra... - A senhora... Voc no tem famlia? - Tenho, mas no aqui. - No Esprito Santo. - Como que voc sabe? - Vejo uns envelopes no seu lixo. Do Esprito Santo. - . Mame escreve todas as semanas. - Ela professora? - Isso incrvel! Como foi que voc adivinhou? - Pela letra no envelope. Achei que era letra de professora. - O senhor no recebe muitas cartas. A julgar pelo seu lixo. - Pois ... - No outro dia tinha um envelope de telegrama amassado. - . - Ms notcias? - Meu pai. Morreu. - Sinto muito. - Ele j estava bem velhinho. L no Sul. H tempos no nos vamos.

  • PROVA OBJETIVA

    ORGANIZADOR

    2

    CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - CREFITO

    PROVA OBJETIVA - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO I

    - Foi por isso que voc recomeou a fumar? - Como que voc sabe? - De um dia para o outro comearam a aparecer carteiras de cigarro amassadas no seu lixo. - verdade. Mas consegui parar outra vez. - Eu, graas a Deus, nunca fumei. - Eu sei. Mas tenho visto uns vidrinhos de comprimido no seu lixo... - Tranquilizantes. Foi uma fase. J passou.

    - Voc brigou com o namorado, certo? - Isso voc tambm descobriu no lixo? - Primeiro o buqu de flores, com o cartozinho, jogado fora. Depois, muito leno de papel. - , chorei bastante, mas j passou. - Mas hoje ainda tem uns lencinhos... - que eu estou com um pouco de coriza. - Ah. - Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo. - . Sim. Bem. Eu fico muito em casa. No saio muito. Sabe como . - Namorada? - No. - Mas h uns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo. At bonitinha. - Eu estava limpando umas gavetas. Coisa antiga. - Voc no rasgou a fotografia. Isso significa que, no fundo, voc quer que ela volte. - Voc j est analisando o meu lixo! - No posso negar que o seu lixo me interessou. - Engraado. Quando examinei o seu lixo, decidi que gostaria de conhec-la. Acho que foi a poesia. - No! Voc viu meus poemas? - Vi e gostei muito. - Mas so muito ruins! - Se voc achasse eles ruins mesmo, teria rasgado. Eles s estavam dobrados. - Se eu soubesse que voc ia ler... - S no fiquei com eles porque, afinal, estaria roubando. Se bem que, no sei: o lixo da pessoa ainda

    propriedade dela?

    - Acho que no. Lixo domnio pblico. - Voc tem razo. Atravs do lixo, o particular se torna pblico. O que sobra da nossa vida privada se

    integra com a sobra dos outros. O lixo comunitrio. a nossa parte mais social. Ser isso?

    - Bom, a voc j est indo fundo demais no lixo. Acho que... - Ontem, no seu lixo... - O qu? - Me enganei, ou eram cascas de camaro? - Acertou. Comprei uns camares grados e descasquei. - Eu adoro camaro. - Descasquei, mas ainda no comi. Quem sabe a gente pode... - Jantar juntos?

  • PROVA OBJETIVA

    ORGANIZADOR

    3

    CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - CREFITO

    PROVA OBJETIVA - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO I

    - . - No quero dar trabalho. - Trabalho nenhum. - Vai sujar a sua cozinha? - Nada. Num instante se limpa tudo e pe os restos fora. - No seu lixo ou no meu?

    1) possvel observar na crnica de Lus Fernando Verssimo um fato inusitado que se traduz em: a) duas pessoas saberem detalhes da vida uma da outra com base no lixo que cada uma delas produz b) homens e mulheres desenvolverem um relacionamento amoroso na rea de servio do prdio c) vizinhos poderem estabelecer entre si uma relao positiva, sem desavenas e discusses

    infundadas d) mulheres serem extremamente atenciosas enquanto homens, mais desligados em relao ao

    cotidiano 2) A funo da linguagem predominante no texto de Lus Fernando Verssimo :

    a) ftica b) conativa c) referencial d) metalingustica

    3) ... Se voc achasse eles ruins mesmo, teria rasgado... A conjuno sublinhada apresenta valor semntico de:

    a) causa b) condio c) concesso d) consequncia

    4) .. o particular se torna pblico... Na passagem em destaque, o predicado da orao tem igual classificao em:

    a) ... Ele j estava bem velhinho... b) ... Vejo uns envelopes no seu lixo... c) ... Eu, graas a Deus, nunca fumei... d) ... Comprei uns camares grados...

  • PROVA OBJETIVA

    ORGANIZADOR

    4

    CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - CREFITO

    PROVA OBJETIVA - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO I

    5) ... Achei que era letra de professora...

    A expresso sublinhada exerce igual funo sinttica do termo destacado em:

    a) ... No saio muito... b) ... Eu adoro camaro... c) .... Sua famlia deve ser pequena... d) ... Mame escreve todas as semanas...

    6) Das passagens a seguir, aquela em que podemos perceber trao de linguagem informal :

    a) ... , chorei bastante, mas j passou..." b) ... No posso negar que o seu lixo me interessou... c) ... Notei tambm que o senhor usa muito comida em lata... d) ... Mas h uns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo...

    O Homem Nu (Fernando Sabino)

    Ao acordar, disse para a mulher: Escuta, minha filha: hoje dia de pagar a prestao da televiso, vem a o sujeito com a conta, na certa. Mas acontece que ontem eu no trouxe dinheiro da cidade, estou a nenhum. Explique isso ao homem ponderou a mulher. No gosto dessas coisas. D um ar de vigarice, gosto de cumprir rigorosamente as minhas obrigaes. Escuta: quando ele vier a gente fica quieto aqui dentro, no faz barulho, para ele pensar que no tem ningum. Deixa ele bater at cansar amanh eu pago. Pouco depois, tendo despido o pijama, dirigiu-se ao banheiro para tomar um banho, mas a mulher j se trancara l dentro. Enquanto esperava, resolveu fazer um caf. Ps a gua a ferver e abriu a porta de servio para apanhar o po. Como estivesse completamente nu, olhou com cautela para um lado e para outro antes de arriscar-se a dar dois passos at o embrulhinho deixado pelo padeiro sobre o mrmore do parapeito. Ainda era muito cedo, no poderia aparecer ningum. Mal seus dedos, porm, tocavam o po, a porta atrs de si fechou-se com estrondo, impulsionada pelo vento. Aterrorizado, precipitou-se at a campainha e, depois de toc-la, ficou espera, olhando ansiosamente ao redor. Ouviu l dentro o rudo da gua do chuveiro interromper-se de sbito, mas ningum veio abrir. Na certa a mulher pensava que j era o sujeito da televiso. Bateu com o n dos dedos: Maria! Abre a, Maria. Sou eu chamou, em voz baixa. Quanto mais batia, mais silncio fazia l dentro. Enquanto isso, ouvia l embaixo a porta do elevador fechar-se, viu o ponteiro subir lentamente os andares... Desta vez, era o homem da televiso!

  • PROVA OBJETIVA

    ORGANIZADOR

    5

    CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - CREFITO

    PROVA OBJETIVA - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO I

    No era. Refugiado no lano da escada entre os andares, esperou que o elevador passasse, e voltou para a porta de seu apartamento, sempre a segurar nas mos nervosas o embrulho de po: Maria, por favor! Sou eu! Desta vez no teve tempo de insistir: ouviu passos na escada, lentos, regulares, vindos l de baixo... Tomado de pnico, olhou ao redor, fazendo uma pirueta, e assim despido, embrulho na mo, parecia executar um ballet grotesco e mal ensaiado. Os passos na escada se aproximavam, e ele sem onde se esconder. Correu para o elevador, apertou o boto. Foi o tempo de abrir a porta e entrar, e a empregada passava, vagarosa, encetando a subida de mais um lano de escada. Ele respirou aliviado, enxugando o suor da testa com o embrulho do po. Mas eis que a porta interna do elevador se fecha e ele comea a descer. Ah, isso que no! fez o homem nu, sobressaltado. E agora? Algum l embaixo abriria a porta do elevador e daria com ele ali, em plo, podia mesmo ser algum vizinho conhecido... Percebeu, desorientado, que estava sendo levado cada vez para mais longe de seu apartamento, comeava a viver um verdadeiro pesadelo de Kafka, instaurava-se naquele momento o mais autntico e desvairado Regime do Terror! Isso que no repetiu, furioso. Agarrou-se porta do elevador e abriu-a com fora entre os andares, obrigando-o a parar. Respirou fundo, fechando os olhos, para ter a momentnea iluso de que sonhava. Depois experimentou apertar o boto do seu andar. L embaixo continuavam a chamar o elevador. Antes de mais nada: "Emergncia: parar". Muito bem. E agora? Iria subir ou descer? Com cautela desligou a parada de emergncia, largou a porta, enquanto insistia em fazer o elevador subir. O elevador subiu. Maria! Abre esta porta! gritava, desta vez esmurrando a porta, j sem nenhuma cautela. Ouviu que outra porta se abria atrs de si. Voltou-se, acuado, apoiando o traseiro no batente e tentando inutilmente cobrir-se com o embrulho de po. Era a velha do apartamen