Click here to load reader

Aula 10 - Apresentação Aula Teórica 10

  • View
    24

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of Aula 10 - Apresentação Aula Teórica 10

  • Metodologias da Pesquisa Cientfica, do

    Desenvolvimento Tecnolgico e da

    Inovao

  • Aula 10 - Mtodo e Pesquisa

  • Os mtodos cientficos nas

    concepes atuais

  • Qualquer que seja o mtodo cientfico, a investigao deve cumprir algumas

    etapas:

  • a. descobrimento do problema ou lacuna em um conjunto de conhecimentos;

    b. colocao precisa do problema ou ainda recolocao de um velho problema luz de novos conhecimentos;

    c. procura de conhecimentos ou instrumentos relevantes do problema (dados empricos, teorias, aparelhos de medio, tcnica de medio etc).

  • d) tentativa de uma soluo exata ou aproximada do problema (com auxlio de instrumento conceitual ou emprico disponvel)e) investigao da consequncia da soluo obtidaf) prova (comprovao da soluo, isto , confronto da soluo com a totalidade das teorias e das informaes empricas pertinentes

  • g) correo das hipteses, teorias, procedimentos ou dados empregados na obteno da soluo incorreta.

  • Os processos dos mtodos cientficos

  • Os processos dos mtodos cientficos

    Observao

  • Observar aplicar atentamente os sentidos a um objeto para dele adquirir

    conhecimento claro e preciso. A observao deve ser exata, completa,

    sucessiva e metdica.

  • O bom observador aquele que possui pacincia e coragem para resistir s nsias

    materiais de precipitao que todo ser humano tem em relao a concluses

    rpidas. A imparcialidade tambm um elemento necessrio na observao dos

    fenmenos.

  • Quando podemos classificar a observao como cientfica, uma vez que a observao

    cientfica surge para complementar e enriquecer a observao comum ou vulgar?

  • Os processos dos mtodos cientficos

    ObservaoFormas de classificao da observao

  • A observao cientfica pode ser classificada segundo critrios de estruturao,

    participao do observador, nmero de observadores e local de realizao da

    tcnica.

  • Quanto estruturao, temos:a. Observao assistemtica - tambm

    denominada observao no estruturada, sem controle anteriormente elaborado e sem instrumental apropriado. Nas cincias humanas constitui-se, muitas vezes, na nica oportunidade de estudar determinados fenmenos.

  • b) Observao sistemtica - tambm chamada observao planejada ou controlada. Caracteriza-se por ser estruturada e realizada em condies controladas, tendo em vista objetivos e propsitos predefinidos. Utiliza normalmente um instrumento adequado para sua efetivao, alm de indicar e delimitar a rea a ser observada, requerendo um planejamento prvio para seu desenvolvimento.

  • Em qualquer processo de observao sistemtica, devem-se considerar os

    seguintes aspectos ou elementos:a. Por que observar?b. Para que observar?c. Como observar?d. O que observar?e. Quem observar?

  • Segundo o critrios de participao do observador, temos os seguintes tipos de

    observao:a. Observao no participante - tipo de

    observao em que o observadorpermanece fora da realidade a estudar. A observao feita sem que haja interferncia ou envolvimento do observador na situao. O observador tem o papel de espectador.

  • b) Observao participante - o pesquisador participa da situao estudada, sem que os demais elementos envolvidos percebam sua posio de participante. O observador se incorpora natural ou artificialmente ao grupo ou comunidade pesquisados - natural, quando j elemento do grupo investigado.

  • A observao participante as vezes criticada quando utilizada nas investigaes cientficas, por se considerar muito difcil assegurar a objetividade da observao.

  • Quando a observao realizada por um s pesquisador, temos a chamada observao individual, quando por vrios observao em equipe.

  • A observao pode ser feita sobre os fenmenos encontrados na realidade social, no local de ocorrncia do evento. Ou, ento, as situaes problemas podem ser artificialmente criadas em laboratrios para que se observe a situao da varivel experimental. No primeiro caso, temos a observao em campo, no segundo, a observao em laboratrio.

  • Os processos dos mtodos cientficos

    Induo

  • A induo e a deduo so formas de raciocnio ou de argumentao, isto , formas de reflexo. O raciocnio algo ordenado, coerente, lgico e pode ser dedutivo ou indutivo.

  • Induo um processo mental, por intermdio do qual, partindo de dados particulares suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal no contida nas partes examinadas.

  • Tanto o argumento indutivo como o dedutivo fundamentam-se em premissas. O propsito bsico desses argumentos obter concluses verdadeiras a partir de premissas verdadeiras. Assim, quando as premissas so verdadeiras, o melhor que se pode dizer que a sua concluso provavelmente verdadeira.

  • Por exemplo:O professor 1 competente.O professor 2 competente.O professor 3 competente.O professor N competente.Logo, TODO professor competente.

  • Para que as concluses indutivas sejam verdadeiras o mais frequentemente possvel e tenham, consequentemente, maior grau de sustentao, pode-se realizar acrscimo de evidncias adicionais ao argumento sob a forma de novas premissas.

  • A induo e a deduo so processos que se complementam.

  • Devemos considerar trs elementos para toda induo:a. Observao dos fenmenos - pesquisa de

    suas causas.b. Descoberta da relao entre eles -

    aproximao dos fatos relacionados.c. Generalizao da relao - elaborao de leis

    ou funes.

  • Os processos dos mtodos cientficos

    InduoFormas de induo

  • a. Induo formal ou completa (de Aritteles)

    b. Induo incompleta ou cientfica (criada por Galileu a melhorada por Bacon)

  • a. Induo formal ou completa (de Aritteles) - seria o inverso da deduo. Ela no induz de alguns casos, mas de todos os casos de uma espcie ou de um gnero.

  • a. Induo formal ou completa (de Aritteles) - Nesse tipo de induo, h uma simples substituio de uma coleo de termos particulares por um equivalente.

  • a. Induo formal ou completa (de Aritteles)

    Por exemplo:Os corpos A, B, C e D se aquecemOs corpos A, B, C e D so todos metaisLogo, os metais se aquecem

  • b. Induo incompleta ou cientfica (criada por Galileu a melhorada por Bacon) - fundamenta-se na causa ou na lei que rege o fato ou fenmeno, constatada em um nmero significativo de casos, mas no de todos.

  • b. Induo incompleta ou cientfica (criada por Galileu a melhorada por Bacon) - Esta induo a alma das cincias experimentais.

  • b. Induo incompleta ou cientfica (criada por Galileu a melhorada por Bacon) - Este tipo de induo no deriva de seus elementos inferiores ou provados pela experincia, mas permite induzir de algum caso adequadamente observado em circunstncias diferentes da que se pode dizer dos restantes dos elementos da mesma categoria.

  • Os processos dos mtodos cientficos

    InduoRegras de induo imcompleta

  • a. Os casos particulares devem ser provados e experimentados, na quantidade suficiente, para que possam afirmar ou negar tudo o que ser legitimamente afirmado sobre a espcie, o gnero, categoria, etc.

    b. Com a finalidade de poder afirmar com certeza que a prpria natureza da coisa (fato ou fenmeno) que provoca a sua propriedade (ou ao), alm de grande quantidade de observaes e experincias, tambm necessrio analisar (e descobrir) a possibilidade de variaes provocadas por circunstncias acidentais.

  • Os processos dos mtodos cientficos

    Deduo

  • A deduo consiste em um recurso metodolgico em que a racionalizao ou a combinao de ideias em sentido interpretativo vale mais que a experimentao de caso por caso.

  • Em termos mais simples, pode-se dizer que o raciocnio que caminha do geral para o particular.

  • Cractersticas bsicas que distinguem os argumentos dedutivos dos indutivos so:

    Dedutivos: Se todas as premissas so

    verdadeiras, a concluso deve ser verdadeira.

    Toda a informao do contedo factual da concluso j estava pelo menos implicitamente nas premissas.

    Indutivos: Se todas as premissas so

    verdadeiras, a concluso provavelmente verdadeira.

    A concluso encerra informaes que no estavam implicitamente nas premissas.

  • Os dois tipos de argumento tm finalidades especficas. O dedutivo tem o propsito de explicar o contedo das premissas; o indutivo tem a finalidade de ampliar o alcance dos conhecimentos.

  • Para a metodologia, importante entender que no modelo dedutivo a necessidade de explicao no reside nas premissas, mas na relao entre as premissas e a concluso.

  • O processo dedutivo de alcance limitado, pois a concluso no pode assumir contedos que excedam o das premissas. No se pode, porm, desprezar esse tipo de processo em considerao a essa crtica.

  • Para desfazer tal impresso, necessrio analisar o procedimento matemtico. Os seus argumentos so, na maior parte das vezes, dedutivos. Os teoremas so demonstrados a partir de axiomas e postulados (premissas).

  • Exemplo dedutivo:

    Todo mamfero tem corao.Todos os ces so mamferos.Logo, todos oa ces tm corao.

  • Outra crtica que encontramos ao mtodo dedutivo que a deduo no condio suficiente de explicao, como tambm no condio necessria, pois muitas so as explicaes que no tm nenhuma lei como premissa.

  • A descrio dos fatos ou fenmenos pode ser feita externamente de um ponto de vista especial, sendo que essa descrio serve de explicao sem necessariamente se processar deduo alguma.

  • Os processos dos mtodos cientficos

    Experimentao

  • A exper