Aula 2 Geofsica Mtodos Eltricos

  • View
    22

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Aula 2 Geofsica Mtodos Eltricos

GeofsicaMtodos Eltricos (ou Geoeltricos)Prof. Henrique Csar (DGAE) henriquecsilva@ige.unicamp.br

2a Parte

Materiais para estudo

Apostila do Colorado School of Mines (PDF ou online) Apostila da Unesp de Rio Claro (Prof. Antonio Celso O. Braga) Apostila do Berkeley Course (PDF ou online) Materiais extras (slide-show, applets) Livros: Telford, Mares, Parasnis Artigos

Mtodos Geoeltricos

Eletrorresistividade (DC)

Resistividade eltricaVariao de V em funo de t Potencial natural Condutividade Constante dieltrica/permissividade

Polarizao induzida (IP)Potencial espontneo (SP)

Eletromagntico (EM)Radar de penetrao (GPR) Magnetotelrico

Mtodo da Polarizao Induzida (IP)

Medio de variaes de voltagem em funo do tempo ou frequncia Origem em fenmenos fsico-qumicos muito complexos

Vide apostila de Braga (Unesp), p. 15

Mtodo da Polarizao Induzida (IP)

Duas origens possveis Polarizao metlica ou eletrnica

Mais intenso quanto menor a continuidade eltrica entre os gros minerais

Polarizao de membranaRochas carentes de substncias metlicas Diferena de mobilidade entre + e Presena de minerais de argila

Vide imagens na apostila de Braga (Unesp), p. 15

Mtodo da Polarizao Induzida (IP)

Parmentro medido em IP (tempo) = cargabilidade M expressa em (mV/V)Devido heterogeneidade do solo temos a cargabilidade aparente Ma

Vide imagens na apostila de Braga (Unesp), p. 15

Mtodo do Potencial Espontneo (SP)

Heterogeneidades condutoras no subsolo se polarizam e criam pilhas que originam correntes Causas (eletroqumicas ou mecnicas): Presena de corpos metlicos Contatos entre rochas (dif. condutiv.) Atividade bioltrica de mat. Orgnicos Gradientes trmicos Presso nos fluidos

Lembrando...

MTODOS TCNICAS

(SEV e CE)

ARRANJOS (Schlumberger, Wenner, dipolo-dipolo etc.)

Tcnica do caminhamento eltrico

Vide imagens na apostila de Braga (Unesp), p. 32

Arranjo Dipolo-Dipolo

vide PDF - Campos (2004), p. 40-44; 50-56

Interpretao

1a etapa modelo morfolgico Qualitativo identificao das camadas pelo jeito da curva de campo

2a etapa modelo geoeltrico inicial quantitativo identificao dos valores no grfico

2a etapa modelo geoeltrico inicial

2 mtodos Superposio e ponto auxiliar Inverso automtica (uso de softwares) Ajustes de ensaio e erros partindo de um modelo inicial

Exemplo

Vide fig. P. 19 anexo A apostila da Unesp

Resumindo: Achar os pontos de inflexo Achar os valores correspondentes de resistividade e profundidade terica (AB/2/2) Depois, partindo desses valores iniciais utilizar um software para refinamento

Softwares

Disponveis na minha pgina: Simples: SEV Complexo : IPI2win

Sugesto:

baixar os softwares e brincar com eles Dados podem ser encontrados na minha homepage

Software SEV

Software SEV

Onde encontrar?http://web.usal.es/~javisan/hidro/Com plementos/SEV/varios_SEV.htm

Software IPI2win

Onde encontrar? Universidade de Moscou

http://geophys.geol.msu.ru/rec_lab3.htm

Comentrios

Aps o refinamento utilizando-se os softwares chega-se ao Modelo Geoeltrico Final Problema: ambigidade1. Supresso de camadas 2. equivalncia

Comentrios

Supresso de camadasEquivalncia Vide figuras apostila da Unesp p. 21 do anexo A

Minimizao do erro na interpretao

Conhecimento geolgico da rea Experincia do intrprete Mnimo de SEVs que devem ser executadas Execuo da SEV de calibrao

Interpretao final

Zona saturada: Ordem crescente dos valores de resistividade

argilito

arenito

basalto

granito

Zona no-saturada: 1 < 2 > 3 > 4 evapotranspirao; reteno, capilar, saturao

Interpretao final

Vide exemplo Apostila Unesp anexo A, p. 24

Recommended

View more >