aula 8 EXTENSÕES DA ANÁLISE MENDELIANA

  • View
    272

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of aula 8 EXTENSÕES DA ANÁLISE MENDELIANA

EXTENSES DA ANLISE MENDELIANA

A maioria das caractersticas determinada por conjuntos de genes que interagem uns com os outros e com o ambiente. Propores monohbridas modificadas revelam interaes allicas Propores dihbridas modificadas revelam interaes gnicas A relao entre: genes x ambiente gentico genes e o meio ambiente Pleiotropia fenmeno quando uma simples mutao acaba afetando muitos outros aspectos que aparentemente no estavam relacionados.

Tipos de HeranaDominncia Completa x Recessividade:Quando a

presena de um alelo (o dominante) suficiente para a expresso normal do fentipo e mascara por completo a existncia do outro (o recessivo) tornando tanto o homozigoto como o heterozigoto fenotipicamente semelhantes. O recessivo s expresso na sua forma homozigota Proporo FENOTPICA da F2 de 3:1

Dominncia Incompleta (ou Semidominncia, Dominncia parcial): Quando o fentipo do heterozigoto intermedirio ao dos arentais.Ex. : cor da flor em boca-de-leo e maravilha (Mirabilis jalapa) AA prpura Aa rosa aa branca Proporo FENOTPICA da F2 de 1:2:1

Codominncia: Quando o fentipo de ambos os alelos expressado. Ex. Tipo sangneo AB

Proporo da F2 de 1:2:1 Obs. O IA o IB so dominantes sobre o Ii IA o IB so codominantes

Sobredominncia: Quando o valor do heterozigoto maior do que odo homozigoto (raro para poucos genes)

Letais: Quando o homozigoto no tem chances de sobreviverEx.: Galinhas rastejantes C _ Pernas curtas e tortas CC Letal Cc x CcC c

C CC (LETAL) Cc

c Cc cc

Proporo da F2 de 2:1 2 rastejantes : 1 normal No cruzamento teste tem-se 1 normal : 1 rastejante Cc x ccC c c Cc Cc c cc cc

Sub-Letais: Em um cruzamento do tipo Aa x aa espera-se 50% A_ e 50% aa, mas com freq. observa-se com freqncia uma variao nesta proporo p. ex. 55%: 45% ou 60%: 40%

INTERAO GNICA E PROPORES DIHBRIDAS

Interao gnica: Quando a expresso de um alelo de um gene altera a expresso de um ou mais alelos de um segundo gene no allico Ex. Crista da galinha

Quatro tipos de cristas em galinhas

Dissecao gentica da Interao gnica RR pp x rr PP (Parentais) (rosa) (ervilha) F1 RrPp (todas noz) F2RP Rp rP rp

RP RRPP (noz) RRPp (noz) RrPP (noz) RrPp (noz)

Rp RRPp (noz) RRpp (rosa) RrPp (noz) Rrpp (rosa)

rP RrPP (noz) RrPp (noz) rrPP( ervilha) rrPp( ervilha)

rp RrPp (noz) Rrpp (rosa) rrPp (ervilha) rrpp (lisa)

Proporo da F2 de 9: 3: 3: 1 9 R_P_ noz (no expressos nos parentais) 3 rrP_ ervilhas 3 R_ pp rosas 1 rrpp lisa (no expressos nos parentais)

Obs: 1- Na F1 o fentipo era diferente de ambos os parentais 2- Crista noz e crista simples no estavam expressos nos progenitores originais, mas aparecem na F2 3- Os genes no allicos se interagem para formar um segundo fentipo

INTERAO GNICA E PROPORES DIHBRIDAS COMO RESULTADO DE DIFERENTES TIPOS DE EPISTASIA

Epistasia: Quando ocorre interao funcional de diferentes genes no allicos. Qualquer gene que mascare a expresso de um outro gene no allico, episttico a este gene. Quando dois genes no allicos codificam enzimas que so capazes de catalisar a mesma reao

Ex.: forma do fruto (corao ou afilada) em bolsa-de-pastor. A1A1a2a2 x a1a1A2A2 (corao) (corao) F1 A1a1A2a2 (produz ambas as enzimas) todas em forma de corao

Proporo da F2 de 15:1

9 com ambas as enzimas (A1_ A2_) (corao) 3 s com a enzima A1 (A1_ a2a2) (corao) 3 s com a enzima A2 (a1a1 A2_) (corao) 1 sem ambas as enzimas a1a1a2a2 (alongada)

Quando dois genes no allicos codificam enzimas que so necessrios para catalisar etapas de uma mesma reao

Exemplos: a cor roxa da ervilha-de-cheiro (Lathyrus odoratus) (Bateson & Punnett) e do milho CC pp x cc PP (todas brancas) F1 CcPp (todas roxas)

Proporo da F2 de 9: 7 9 roxas C_P_ 7 brancas 3 cc P_; 3 C_ pp; 1 cc pp

Alelos mltiplos Em um organismo diplide podem ocorrer no mximo 2 formas de um gene, mas na populao podem ocorrer muito mais Ex. II: Gene C na pelagem de coelhos