Click here to load reader

AUTORAS - zoetis.com.br · Fuzil ou chaira 1 peça Manutenção do ... a colheita de material e a solicitação dos exames complementares. ... Ao final do procedimento, utilize medidas

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of AUTORAS - zoetis.com.br · Fuzil ou chaira 1 peça Manutenção do ... a colheita de material e a...

  • AUTORAS

    Profa. Dra. Moema Pacheco Chediak MatosMdica Veterinria

    Departamento de Medicina Veterinria - Setor de Patologia AnimalEscola de Veterinria e Zootecnia - Universidade Federal de Gois

    Goinia - GO

    Profa. Dra. Veridiana Maria Brianezi Dignani de MouraMdica Veterinria

    Departamento de Medicina Veterinria - Setor de Patologia AnimalEscola de Veterinria e Zootecnia - Universidade Federal de Gois

    Goinia - GO

    COLABORADORES

    Danilo Rezende e SilvaMdico Veterinrio

    Mestrando do Curso de Ps-Graduao em Cincia AnimalEscola de Veterinria e Zootecnia - Universidade Federal de Gois

    Goinia - GO

    Mariana Batista Rodrigues FaleiroMdica Veterinria

    Doutoranda do Curso de Ps-Graduao em Cincia AnimalEscola de Veterinria e Zootecnia - Universidade Federal de Gois

    Goinia - GO

    MANUAL DE NECROPSIA, COLHEITA E ENVIO DE AMOSTRAS PARA DIAGNSTICO LABORATORIAL DE ENFERMIDADES DE BOVINOS

  • APRESENTAO

    Dentre os sistemas de produo animal, a bovinocultura compreende atividade de destaque

    nacional e mundial. Nesse cenrio, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE),

    o Brasil possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, com mais de 190 milhes de cabeas.

    Focando nas demandas desta cadeia de produo, especialmente aquelas relacionadas sanidade

    animal, este manual foi elaborado para auxiliar de forma prtica os profissionais que militam na rea

    da criao de bovinos a realizar um exame anatomopatolgico completo e sistematizado. Desta

    forma, o mximo de informaes do cadver bovino ser aproveitado, para que se possa definir

    o diagnstico e seguir com aes preventivas e curativas destinadas a solucionar o problema em

    questo, que pode envolver apenas o indivduo ou o rebanho.

    Veridiana Maria Brianezi Dignani de MouraGoinia (GO), 2013.

  • NDICE1. Necropsia e colheita de amostras .....................................................................................................................................................................................................................................62. Paramentao ........................................................................................................................................................................................................................................................................63. Material de necropsia e colheita de amostras para exames ....................................................................................................................................................................................64. Procedimentos gerais antes do exame necroscpico ...............................................................................................................................................................................................85. Princpios e variveis da avaliao macroscpica .......................................................................................................................................................................................................86. Exame necroscpico .......................................................................................................................................................................................................................................................... 10 6.1. Exame externo do cadver ......................................................................................................................................................................................................................................10 6.2. Abertura do cadver ................................................................................................................................................................................................................................................10 6.3. Exame das vsceras ...................................................................................................................................................................................................................................................13 6.3.1. Lngua e esfago ...........................................................................................................................................................................................................................................13 6.3.2. Traqueia e pulmo........................................................................................................................................................................................................................................14 6.3.3. Corao ...........................................................................................................................................................................................................................................................14 6.3.4. Diafragma, bao e linfonodos ..................................................................................................................................................................................................................14 6.3.5. Fgado ..............................................................................................................................................................................................................................................................15 6.3.6. Rins ...................................................................................................................................................................................................................................................................15 6.3.7. Pr-estmagos, estmago e intestino ....................................................................................................................................................................................................15 6.3.8. Bexiga, uretra e ampola retal ...................................................................................................................................................................................................................16 6.3.9. Sistema reprodutor feminino e masculino ............................................................................................................................................................................................16 6.3.10. Msculos, ossos e articulaes ...............................................................................................................................................................................................................16 6.3.11. Sistema nervoso central (SNC) ................................................................................................................................................................................................................177. Colheita padronizada de amostras do SNC de bovinos ...........................................................................................................................................................................................188. Princpios de colheita e envio de amostras para exames ........................................................................................................................................................................................19 8.1. Exame histopatolgico .............................................................................................................................................................................................................................................19 8.2. Exame microbiolgico ........................................................................................................................................................................................................................................... 20 8.3. Exame toxicolgico ..................................................................................................................................................................................................................................................21 8.4. Exame parasitolgico .............................................................................................................................................................................................................................................229. Principais enfermidades de bovinos .............................................................................................................................................................................................................................22 9.1. Raiva ..............................................................................................................................................................................................................................................................................22 9.2. Listeriose .................................................................................................................................................................................................................................................................... 23 9.3. Meningoencefalite Herptica ............................................................................................................................................................................................................................... 23 9.4. Botulismo ................................................................................................................................................................................................................................................................... 24 9.5. Enterotoxemia por Clostridium Perfringens Tipo D ...................................................................................................................................................................................... 25 9.6. Mannheimiose Bovina (Febre do Embarque) ................................................................................................................................................................................................. 25 9.7. Miosites por Clostrdios .......................................................................................................................................................................................................................................... 26 9.7.1. Carbnculo Sintomtico ............................................................................................................................................................................................................................ 26 9.7.2. Gangrena Gasosa (Edema Maligno) ...................................................................................................................................................................................................... 26 9.8. Abortos ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 27 9.8.1. Rinotraquete Infecciosa Bovina (IBR) .................................................................................................................................................................................................. 27 9.8.2. Diarreia Viral Bovina (BVD) ..................................................................................................................................................................................................................... 27 9.8.3. Neospora....................................................................................................................................................................................................................................................... 28 9.8.4. Leptospirose ................................................................................................................................................................................................................................................ 2810. Relatrio de necropsia .................................................................................................................................................................................................................................................... 3011. Destino dos despojos e desinfeco de ambientes ................................................................................................................................................................................................ 3012. Consideraes finais ........................................................................................................................................................................................................................................................ 3013. Agradecimentos ..................................................................................................................................................................................................................................................................3114. Bibliografia de Referncia ...............................................................................................................................................................................................................................................31ANEXO1. Modelo para relatrio de necropsiaANEXO2. Formulrio nico de requisio de exames para sndrome neurolgica (MAPA)

  • MANUAL DE NECROPSIA6

    1. Necropsia e colheita de amostras

    Necropsia o termo adequado para se referir seco de um cadver, com o objetivo de verificar as alteraes que resultaram em sua morte. Recomenda-se a execuo do procedimento necroscpico completo, que inclui o exame cuidadoso de todos os rgos para estabelecer, aps estudo, a enfermidade principal, a causa mortis, e os achados relacionados. Durante o exame necroscpico possvel obter informaes diretas enfermidade principal e material para outros exames de auxlio diagnstico (histopatolgico, bacteriolgico, virolgico, micolgico, toxicolgico e imunoistoqumico).

    2. Paramentao

    A utilizao de vestimentas adequadas de fundamental importncia na segurana do mdico veterinrio e auxiliares, durante um exame necroscpico. So necessrios macaco, luvas de ltex e botas de borracha (Figura 1). importante utilizar mscara, gorro e culos acrlico de segurana quando h suspeita ou diagnstico clnico de zoonoses ou enfermidades infectocontagiosas. Recomenda-se prender cabelos longos e retirar relgio, pulseiras, correntes, anis ou qualquer adorno que possa incomodar durante o procedimento ou servir como fonte de contaminao.

    Figura 1 - Paramentos adequados ao profissional necropsista e auxiliares. culos de segurana, macaco, luvas de ltex e botas de borracha cano longo.

    3. Material de necropsia e colheita de amostras para exames

    Para realizar o procedimento necroscpico e a colheita de material para exames complementares so necessrios itens bsicos (Figura 2). Nos quadros 1 e 2 consta o material bsico para a realizao do procedimento necroscpico e a colheita de amostras para exames laboratoriais, respectivamente. Vale ressaltar que um exame necroscpico individual, especfico e nico, no sendo possvel reaver perdas por falta de material adequado.

    Figura 2 - Material bsico para a realizao do procedimento necroscpico e da colheita de material para exames laboratoriais. Facas curva e reta, tesouras, pinas, fuzil, arco de serra, machadinha, frasco de vidro grande com formol a 10%, frasco coletor universal, trena, caixa isotrmica, gelo reciclvel, sacos plsticos para a colheita de amostras, caneta e fita adesiva.

  • MANUAL DE NECROPSIA 7

    Quadro 1 Material bsico para o procedimento necroscpico

    Item Quantidade Utilidade

    Arco de serra manual 30 cm 1 pea Corte de estruturas sseas

    Botas de borracha 1 par Proteo do profissional

    Caixa plstica grande 1 pea Acomodao do material de necropsia e colheita

    Faca de rgos (reta) 2 peas Abertura e exame das vsceras

    Faca magarefe (curva) 2 peas Abertura do cadver, desarticulaes e esfolas

    Fuzil ou chaira 1 pea Manuteno do corte das facas durante o exame

    Luvas de ltex 1 caixa Proteo do profissional

    Machado mdio 1 pea Corte de estruturas sseas

    Macaco 1 pea Proteo do profissional

    Papel e caneta Vrios Descrio do relatrio de necropsia

    Pina anatmica 2 peas Fixao de vsceras durante abertura e exame

    Pina dente de rato 2 peas Fixao de vsceras durante abertura e exame

    Tesoura romba fina curva 2 peas Abertura e exame de vsceras

    Tesoura romba fina reta 2 peas Abertura e exame de vsceras

    Quadro 2 Material bsico para a colheita de amostras

    Item Quantidade Utilidade

    Cabo e lminas de bisturi 1 pea/1 caixa Cortar estruturas pequenas e colher material

    Caixa de isopor mdia 1 pea Acondicionar material destinado a exames

    Etiqueta/esparadrapo/caneta Vrios Identificar material colhido

    Formol a 10% 1 Litro Fixar material destinado a exame histopatolgico

    Frasco de vidro (100 e 500 mL) 2 peas Acondicionar material para exame histopatolgico

    Frasco coletor universal 2 peas Acondicionar material destinado a exames

    Gelo reciclvel 4 peas Manter a temperatura durante o transporte

    Lminas histolgicas 1 caixa Amostras para exame (impresso e raspado)

    Lamparina/chama 1 pea Flambar utenslios de colheita de material

    Linha grossa ou barbante 1 rolo Amarrar rgos ocos e tubulares para colheita

    Saco plstico (30 x 30 cm) Vrios Acondicionar material destinado a exames

    Seringa descartvel Vrios Colheita de lquidos. 10 20 mL

    Agulhas hipodrmicas Vrios Punes e colheita de lquidos. 30 x 7 e 40 x 10 mm

    Swab estril descartvel Vrios Colheita de material para exames microbiolgicos

    Tubo ensaio com e sem EDTA Vrios Acondicionar sangue destinado a exames

  • MANUAL DE NECROPSIA8

    4. Procedimentos gerais antes do exame necroscpico

    Antes de iniciar o exame necroscpico certifique-se quanto autorizao do proprietrio ou responsvel, ou no caso de animal segurado, solicite a aplice. Obtenha informaes sobre a rotina da propriedade e os fenmenos que antecederam a morte. Verifique raa, idade, sexo, peso, condies de manejo, alimentao, densidade populacional, sintomas, tempo de durao da doena, sobre outros animais que adoeceram ou morreram, aspectos de flora e fauna, localizao e tipo de aguadas, topografia da rea, tipo de solo e atividades agrcolas e/ou industriais nas redondezas. Quanto mais informaes, mais fcil ser a compreenso dos achados de necropsia, a colheita de material e a solicitao dos exames complementares.

    Para evitar a contaminao do solo e/ou disseminao de agentes biolgicos ao ambiente e outros animais, quando em campo, escolha um local isolado, sombra, com boa iluminao, e procure forrar o solo com plstico, lona ou similar. Ao final do procedimento, utilize medidas sanitrias bsicas para enterrar ou descartar os despojos. gua um item importante durante o exame necroscpico. Entretanto, para evitar contaminao, no realize o exame junto a nascentes, rios, crregos e audes. Quando possvel, realize o procedimento em local com estrutura de gua, luz, esgoto e mesa para apoiar o cadver, bem como janelas e portas para evitar as moscas.

    5. Princpios e variveis da avaliao macroscpica

    O objetivo da avaliao necroscpica reconhecer leses, explicar como e porque essas ocorreram e assim determinar o diagnstico. Desta forma, a ferramenta de grande utilidade avaliao macroscpica a observao minuciosa. A descrio detalhada favorece a interpretao correta, facilitando o raciocnio patolgico e a concluso do diagnstico. De modo geral, as alteraes macroscpicas so descritas considerando diferentes variveis (localizao, tamanho, cor, forma, consistncia, nmero, extenso, superfcie, corte, contedo, distribuio e odor), que se aplicam s leses e aos rgos (ver alguns exemplos nas figuras 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9).

    Figura 3 - Pulmo lateral esquerdo bovino:A) Aspecto macroscpico normal. B) Opacidade de pleura visceral e hemorragia multifocal no lobo pulmonar diafragmtico esquerdo (linha tracejada).

    Figura 4 - Linfonodo bovino: A) Aspecto macroscpico normal superfcie de corte.

    B) Linfadenomegalia devido a acmulo de exsudato purulento.

    A B

    A B

  • MANUAL DE NECROPSIA 9

    Figura 5 - Mucosa ocular bovina: A) Colorao normal. B) Mucosa ictrica.

    A B

    Figura 6 - Cavidades torcica e abdominal do bovino:

    A) Colorao normal de rgos e superfcie serosa.

    B) rgos e superfcie serosa ictricos e com impregnao hemoglobnica esplnica e na serosa adjacente ao bao.

    A B

    Figura 7 - Corao bovino: A) Corao bovino normal.B) Corao com superfcie pericrdica irregular devido ao acmulo de grande quantidade de exsudato fibrinoso (pericardite fibrinosa).

    A B

    Figura 8 - Trato respiratrio superior e inferior bovino com alteraes:

    A) Grande quantidade de contedo espumoso na traqueia (edema pulmonar agudo).

    B) Superfcie de corte pulmonar de aspecto brilhante, com contedo lquido e espumoso, focos de hemorragia (equimoses) e acmulo de exsudato purulento (brocopneumonia).

    A B

  • MANUAL DE NECROPSIA10

    Figura 9 - Fgado bovino: A) Fgado bovino normal. B) Abscesso heptico nico.

    A B

    6. Exame necroscpico

    A tcnica de necropsia um conjunto de procedimentos mecnicos destinados a expor, de maneira ordenada, as diversas partes do organismo para anlise. Pode ser realizada de inmeras formas, no entanto, independente do mtodo, a avaliao necroscpica inclui trs momentos: o exame externo, a abertura e o exame interno do cadver. A tcnica apresentada neste manual refere-se abertura em decbito lateral, com a retirada das vsceras em trs conjuntos, mas que pode ser adaptada conforme a necessidade, mantendo a premissa de se obter o mximo de informaes a partir do exame macroscpico pormenorizado. A fotodocumentao uma ferramenta de grande utilidade, pois registra a sequncia e os detalhes, permite que as anotaes sejam realizadas aps o procedimento e ilustra a descrio das leses no relatrio.

    6.1 Exame externo do cadver

    O exame externo do cadver inicia-se pela observao do local onde o animal morreu. Avaliar ambos os lados e o estado geral do cadver. Durante este exame possvel colher material para diferentes exames laboratoriais como, por exemplo, fezes, fragmentos de pele e secrees junto aos orifcios naturais.

    6.2 Abertura do cadver

    Considerando a localizao anatmica do rmen, posicione o cadver em decbito lateral direito (quando possvel, molhe e elimine sujidades da superfcie corprea). Com a faca curva, retire o membro anterior esquerdo, contornando a escpula e a axila. Para retirar o membro posterior esquerdo, sustente-o em posio de abduo e corte a pele, a musculatura da regio inguinal, a articulao coxofemoral e a musculatura adjacente at a retirada completa do membro e exposio da fossa do acetbulo (Figura 10).

    Figura 10 - Sequncia de abertura: A) Animal em decbito lateral direito.B) Remoo dos membros anterior e posterior direitos.

    A B

  • MANUAL DE NECROPSIA 11

    A B

    C D

    Com a faca curva, contorne as cavidades torcica e abdominal, cortando e rebatendo a pele e a musculatura abdominal at expor as vsceras abdominais para a avaliao in situ e observao de possveis contedos livres no espao abdominal (transudatos, exsudatos, sangue, urina, fezes e linfa). Avalie com cuidado as estruturas do umbigo em animais jovens (infeces com acmulo de pus). Seccione o diafragma junto a sua insero costal e serre o gradil costal esquerdo, costela a costela, na sua poro dorsal e ventral, obtendo a exposio das vsceras e do espao torcico semelhana do descrito para o abdmen. Nesse momento possvel a visualizao topogrfica dos rgos torcicos e abdominais (Figura 11) e tambm a colheita de material, especialmente para exame microbiolgico (Figura 12), que deve ser realizada o mais breve e com o mnimo de contaminao.

    Figura 11 - Sequncia de abertura: A) Abertura da cavidade abdominal (exposio do rmen).

    B) e C) Abertura da cavidade torcica com o auxlio da serra.

    D) Vista topogrfica dos rgos das cavidades torcica e abdominal (exposio do pulmo, bao e rmen).

    A B

    C D

    Figura 12 - Colheita de material para exame microbiolgico durante o exame necroscpico:

    A), B) e C) Obteno de fragmento pulmonar, acondicionamento em saco plstico e identificao.

    D) Amostra de segmento de intestino delgado (extremidades amarradas para manter o contedo intestinal).

  • MANUAL DE NECROPSIA12

    Para a retirada do primeiro conjunto, na regio submandibular, a partir do lbio inferior, rebata a pele, o tecido subcutneo e a musculatura, at o incio da cavidade torcica. Realize duas incises na face interna dos ramos laterais da mandbula, seccione a musculatura local, tracione a lngua para fora da cavidade oral e siga com uma inciso junto insero dos palatos. Mantenha a trao e corte as estruturas cervicais dorsalmente at a entrada do trax, para a liberao do conjunto lngua, esfago e traqueia. Continue o corte na linha dorsal da cavidade torcica, junto s vrtebras, at a insero do diafragma. Neste ponto, seccione a aorta, a cava e o esfago, de modo a liberar o primeiro conjunto, composto por lngua, traqueia, esfago, pulmes e corao (Figura 13).

    A B

    C D

    Figura 13 - Sequncia de abertura: A) Retirada da pele e musculatura das regies submandibular e cervical.

    B) Retirada da lngua, orofaringe, traqueia e esfago.

    C) Seco na linha dorsal do trax, aorta, cava e esfago (remoo do primeiro conjunto).

    D) Vista do primeiro conjunto removido.

    O segundo conjunto, composto pelas vsceras abdominais, retirado a partir da seco do diafragma junto ao gradil costal direito. Em seguida, tracione as vsceras no sentido exterior ao abdmen e corte as estruturas na altura da linha dorsal, junto s vrtebras lombares, at o incio da cavidade plvica, finalizando com o corte do reto e remoo do conjunto abdominal (Figura 14).

    A B

    Figura 14 - Sequncia de abertura: A) Corte na linha dorsal do abdmen, do diafragma junto ao gradil costal direito e seco do reto.

    B) Vista geral do cadver aps a remoo do segundo conjunto.

  • MANUAL DE NECROPSIA 13

    Para acessar as estruturas do canal plvico, que compem o terceiro conjunto, serre e remova a poro esquerda dos ossos do coxal, de modo a expor as estruturas do canal (Figura 15). Nessa etapa possvel colher urina para exames complementares, sendo realizada por puno, utilizando seringa e agulha. Para remover o conjunto, tracione a bexiga para o exterior da carcaa e contorne a cavidade plvica internamente com a faca curva, bem como o nus e a genitlia externa. O conjunto composto por bexiga, reto, nus, testculos e pnis nos machos, ou tero, vagina e vulva nas fmeas.

    Figura 15 - Sequncia de abertura: A) e B) Corte dos ossos do coxal para o acesso s estruturas do terceiro conjunto.

    6.3 Exame das vsceras

    Aps a retirada dos 3 conjuntos, siga com o exame pormenorizado das vsceras, estruturas osteomusculares e do sistema nervoso central (SNC). Realize o exame das vsceras em sequncia anatmica, seguindo as estruturas do primeiro (lngua, esfago, traqueia, pulmes e corao), segundo (aorta, bao, fgado, pncreas, rins, pr-estmagos, estmago e intestinos) e terceiro conjuntos (bexiga, reto e estruturas do aparelho reprodutor). O exame da cabea e da carcaa compreende a ltima etapa da avaliao morfolgica.

    A recomendao dessa ordem leva em conta possveis alteraes nas vsceras durante o procedimento necroscpico, como ocorre nos pulmes, que em contato com o ar, tendem a apresentar tonalidades escuras de vermelho, podendo resultar em interpretao falha de um processo congestivo. Alm disso, aps a abertura da cavidade torcica, o parnquima pulmonar evolui ao colabamento. Por isso, examine-os ao incio da avaliao macroscpica.

    Por outro lado, o estmago e os intestinos podem ser analisados mais ao final do procedimento em virtude do odor ofensivo e do contedo intestinal sujar demasiadamente o material e o local da necropsia. Entretanto, a depender do histrico e da suspeita diagnstica, pode ser necessria uma inverso na sequncia de avaliao, especialmente quando preciso colher material para exame microbiolgico. Nesses casos, a prioridade a colheita de material, que deve ser conduzida at mesmo antes da remoo dos rgos internos, ou seja, logo abertura das cavidades torcica ou abdominal, e da forma mais assptica possvel, utilizando tcnica e instrumental adequados.

    fundamental a avaliao da carcaa e das vsceras desde o momento de sua visualizao, mas o trabalho sequenciado assegura a vistoria completa do cadver e a obteno de informaes e material valiosos composio do diagnstico.

    6.3.1 Lngua e esfago - Examine a superfcie da lngua e realize corte longitudinal para verificar a musculatura (Figura 16), que pode apresentar, por exemplo, inmeros cisticercos.

    A B

    Figura 16 - Exame da lngua, orofaringe e tero proximal de esfago e traqueia.

  • MANUAL DE NECROPSIA14

    6.3.2 Traqueia e pulmo - Com o auxlio de uma tesoura, corte a traqueia em seu comprimento total e verifique possveis contedos e aspectos da mucosa. comum observar contedo espumoso, que caracteriza edema pulmonar agudo. Ao exame dos pulmes, abra os brnquios principais dos lobos craniais e caudais e adentre o tecido pulmonar. Com o auxlio da faca reta, siga o exame pulmonar com cortes transversais ao longo dos lobos. Tambm realize cortes ao longo das bordas dos lobos e pressione a superfcie pulmonar para verificar possveis parasitas do gnero Dictyocaulus (Figura 17).

    A B

    Figura 17 - Exame da traqueia e do pulmo bovino:

    A) Traqueia repleta de contedo espumoso (edema pulmonar agudo).

    B) Corte do bordo pulmonar para avaliar quanto presena de parasitas.

    6.3.3 Corao - Inicie o exame com a abertura do saco pericrdio e observe se h acmulos de contedo. Conduzir a abertura das cmaras cardacas em corte longitudinal e com o auxlio da faca reta, com inciso muscular da base ao pice do corao, o que permite examinar o lmen das cmaras e o endocrdio, bem como as vlvulas cardacas, especialmente as atrioventriculares, e as cordas tendneas (Figuras 18). Internamente, avalie o corao quanto espessura das paredes e tamanho da luz das cmaras. A musculatura cardaca pode exibir leses de origem circulatria (hemorragias), muito comuns devido alta densidade vascular do rgo, alm de degenerao e necrose, esta ltima de causas isqumicas e no isqumicas.

    A B

    Figura 18 - Corao bovino: A) Superfcie epicrdica de aspecto normal.

    B) Cmaras cardacas, vlvulas e cordas tendneas apresentando morfologia normal.

    6.3.4 Diafragma, bao e linfonodos - Avalie o diafragma quanto a sua integridade, observando ambos os lados do msculo. O bao compreende rgo hemolinftico muito susceptvel s alteraes de volume, sendo observadas desde atrofia at esplenomegalia. Assim, inicie a avaliao esplnica antes mesmo que se realizem os cortes da superfcie ao parnquima (Figura 19). Os linfonodos e tambm os ndulos hemolinfoides so rgos relacionados ao sistema de defesa e so analisados assim como o bao, com destaque avaliao do tamanho e presena de tumoraes, por exemplo, de origem inflamatria. A linfoadenomegalia pode estar relacionada leucose.

    A BFigura 19 - Exame do bao:A) e B) Superfcie e corte do bao bovino apresentando morfologia normal.

  • MANUAL DE NECROPSIA 15

    6.3.5 Fgado - Observe o fgado quanto s alteraes de volume, irregularidades e opacidade na superfcie, nodulaes, modificaes na cor e parnquima, realizando cortes transversais seriados em toda a extenso heptica (Figura 20).

    Figura 20 - Exame do fgado bovino: avalie a superfcie e realize cortes para acessar o parnquima.

    6.3.6 Rins - Examine os rins externamente e avalie o parnquima internamente (corte longitudinal nico ao longo da curvatura maior at alcanar o hilo, removendo a cpsula). Observe possveis alteraes nas regies cortical, medular e plvica (Figura 21).

    A B

    Figura 21 - Exame dos rins bovino:A) Superfcie e corte normais. B) Superfcie irregular e com pontos esbranquiados de distribuio difusa (microabscessos e reas de necrose - nefrite emblica e reas de infarto renal).

    6.3.7 Pr-estmagos, estmago e intestino - Observe o posicionamento gstrico abertura da cavidade abdominal, tendo em vista que o timpanismo e os deslocamentos so alteraes comuns. Siga com a abertura das cmaras a partir de suas curvaturas, examinando o contedo e a mucosa do rmen, retculo, omaso e abomaso (Figura 22). Manipule o mnimo possvel a mucosa antes de realizar a colheita de material para exames. Nos pilares do rmen de bovinos confinados, so comuns as lceras decorrentes da dieta rica em carboidratos. Outras alteraes no rmen e retculo incluem cicatriz de lceras ou de perfuraes por corpos estranhos pontiagudos. A serosa e a mucosa do abomaso podem exibir parasitoses como haemoncose e ostertagiose. O intestino de grande extenso e pode exibir ampla variedade de enfermidades e leses. Por esta razo, procure distender as alas intestinais desde o duodeno at a poro final do clon. Sugere-se o posicionamento em desenho de onda para facilitar a abertura e avaliao (Figura 23).

    A B C D

    Figura 22 - Exame dos pr-estmagos, estmago e intestino: A) e B) Superfcie serosa e contedo luminal normais do rmen, retculo, omaso e abomaso.C) Superfcie serosa do intestino e D) Contedo do intestino delgado de consistncia pastosa e colorao clara.

  • MANUAL DE NECROPSIA16

    6.3.8 Bexiga, uretra e ampola retal - Avalie a bexiga j vista da serosa e, aps abertura da parede, internamente no que diz respeito ao contedo, mucosa e espessura da parede (Figura 24). Neste conjunto de rgos tambm se encontra a poro final do clon (intestino grosso), representada pela ampola retal, que deve ser aberta e avaliada especialmente quanto aos aspectos da mucosa.

    A B

    Figura 23 - Exame do intestino: A) Serosa intestinal hemorrgica e timpanismo intestinal.

    B) Exsudato hemorrgico no lmen intestinal (enterite hemorrgica).

    Figura 24 - Exame da bexiga: Superfcie serosa e urina, ambas de aspecto normal.

    6.3.9 Sistema reprodutor feminino e masculino - Nas fmeas o exame inicia-se com a abertura da vulva, na sua poro dorsal, seguindo o corte ao longo do canal vaginal at a crvix e em direo aos cornos, avaliando a mucosa e alteraes de contedo no lmen uterino. Em seguida, realize cortes longitudinais em ambos os ovrios e tambm avalie a glndula mamria (Figura 25). Nos machos, abra a bolsa escrotal, exteriorize os testculos e realize corte longitudinal nico ao longo da linha oposta ao epiddimo em cada testculo.

    A B

    Figura 25 - Exame do tero e glndula mamria:

    A) Restos placentrios junto s carnculas uterinas.

    B) Mastite purulenta difusa e acentuada.

    6.3.10 Msculos, ossos e articulaes - Podem ocorrer laceraes musculares, fraturas e aumento de volume nico ou mltiplo, envolvendo articulaes, ossos ou msculos (Figura 26). Examine a carcaa por meio da palpao e do corte dessas estruturas.

  • MANUAL DE NECROPSIA 17

    A B

    Figura 26 - Exame da carcaa: A) e B) Extensa rea de miosite com hemorragia, edema e acmulo de exsudato sero-hemorrgico em um caso de miosite por clotrdios (edema maligno).

    6.3.11 Sistema nervoso central (SNC) - Inicialmente remova a cabea do cadver, seccionando a articulao atlanto-occipital, musculatura e pele adjacentes. Fazem parte deste sistema a medula espinhal e o encfalo. A medula espinhal acessada a partir de corte sseo longitudinal ao longo das vrtebras e removida do canal espinhal em trs segmentos, cervical, torcico e lombar, tendo em vista a sua longa extenso e as ramificaes nervosas. Para acessar o encfalo, remova a pele e a musculatura na poro dorsal da cabea, expondo a superfcie ssea da calota craniana. Posicione a serra ou o machado transversalmente a aproximadamente 5 cm acima das rbitas oculares e corte em sentido ltero-lateral. Prossiga com mais duas linhas de corte sseo laterais, sempre seguindo a face interna dos cndilos occipitais, fazendo com que as mesmas encontrem o corte transversal primrio. Em seguida, remova a calota craniana e as meninges. Posicione a cabea em orientao dorso ventral e, com a tesoura curva, corte os nervos cranianos e remova o encfalo inteiro da caixa craniana, avaliando o encfalo e o interior da caixa craniana. Com o auxlio de um bisturi, remova o monobloco, estrutura localizada na base do crnio, que abriga a hipfise, o hipotlamo e o hipocampo (Figura 27).

    A

    B C D

    Figura 27 - Abertura da cabea para exame do encfalo: A) Linhas de corte, uma transversal, aproximadamente 5 cm acima das rbitas oculares, e duas laterais. B) Exposio do encfalo aps remoo da calota craniana e das meninges. C) Vista do interior da caixa craniana aps a remoo do encfalo. D) Linhas de corte na base do crnio para a remoo do monobloco.

    IMPORTANTE: como o encfalo apresenta consistncia macia e est sujeito a perdas teciduais decorrentes do tempo de morte e manipulao inadequada, procure realizar o exame to logo a morte ocorra empregando tcnica adequada. Cuidado adicional deve ser tomado durante todo o procedimento de abertura da cabea e remoo do encfalo, j que pontas sseas podem perfurar as luvas ou atingir a face, levando material com potencial contaminante ao contato do profissional. Nesse sentido, o uso de luvas duplas e de culos representa uma alternativa para maior segurana.

  • MANUAL DE NECROPSIA18

    7. Colheita padronizada de amostras do SNC

    A sequncia de cortes do SNC de ruminantes de que trata este item, compreende procedimento padronizado pelo Ministrio da Agricultura Pecuria e Abastecimento (MAPA), para a colheita e o envio de amostras destinadas ao exame da raiva e monitoramento da encefalopatia espongiforme bovina (EEB ou doena da vaca louca). Contudo, o procedimento padronizado pode ser realizado rotineiramente, sendo til para o envio de amostras destinadas aos exames histopatolgico, microbiolgico e toxicolgico.

    A colheita de amostras do SNC de ruminantes inicia-se com a abertura do crnio e remoo do encfalo e do monobloco da caixa craniana. Em seguida, seccione o pedculo cerebelar e o tlamo, ambos em dupla lateralidade, de modo a obter as trs pores anatmicas do conjunto enceflico (Figura 28).

    A

    Figura 28 - Colheita padronizada do SNC de bovinos:

    A) Encfalo ntegro.B) Separao do cerebelo por meio de corte junto aos pedculos cerebelares (setas).

    C) Separao do telencfalo e tronco enceflico a partir de corte diagonal no tlamo, em dupla lateralidade (estrelas), obtendo trs segmentos enceflicos (T - telencfalo; TE - tronco enceflico e C - cerebelo).

    Dos trs segmentos anatmicos enceflicos obtenha quatro fragmentos. No telencfalo, realize corte transversal na regio medial de um dos hemisfrios cerebrais, separando caudal do crebro. Do cerebelo, obtenha uma fatia da poro central a partir de dois cortes sagitais. Das extremidades do tronco enceflico remova duas fatias, uma da medula oblonga e uma de um dos lados do tlamo (Figura 29).

    A

    Figura 29 - Colheita padronizada do SNC de bovinos:

    A) Corte de caudal de um dos hemisfrios cerebrais.

    B) Fatia da poro central do cerebelo (ce).C) Corte de uma fatia do tlamo (ta) e uma da medula oblonga (mo).

    Ao final dos cortes, so obtidos dois conjuntos de amostras: um destinado ao diagnstico da raiva e testes biolgicos diferenciais, e outro ao monitoramento da EEB e diagnstico diferencial de outras enfermidades do SNC de ruminantes (Figura 30).

    Figura 30 - Colheita padronizada do SNC de bovinos: A) Diagnstico da raiva e testes biolgicos diferenciais ( caudal de telencfalo - HC; fatia de cerebelo - ce; fatia de medula oblonga - mo; e fatia de tlamo - ta) - enviadas refrigeradas ao laboratrio.

    B) Diagnstico de EEB e diferencial (monobloco - M, cerebelo - C, telencfalo T e tronco enceflico TE) enviadas em formalina a 10%.

    B C

    T

    TE

    C

    Bce

    C

    ta

    mo

    A

    ta

    mo ce

    HC

    B

    C C

    T

    TE

    M

  • MANUAL DE NECROPSIA 19

    O primeiro conjunto de amostras do SNC para o diagnstico de raiva deve ser acondicionado em saco plstico identificado dentro de uma caixa isotrmica com gelo reciclvel. Deve ser devidamente tampada, lacrada, identificada e enviada em at 48 horas ao laboratrio. O segundo conjunto deve ser acondicionado em frasco de boca larga, com tampa de boa vedao e contendo formalina a 10% em volume at duas vezes maior em relao ao volume das amostras (Figura 31).

    Figura 31 - Colheita padronizada do SNC de bovinos: acondicionamento e envio de amostras ao laboratrio (imagem esquerda - amostras para diagnstico de raiva e imagem direita - amostras para diagnstico da EEB e diferencial).

    IMPORTANTE: as amostras para diagnstico da raiva e testes biolgicos diferenciais devem ser enviadas refrigeradas. Entretanto, quando a estimativa de chegada ao laboratrio for superior a 48 horas, as mesmas podero ser congeladas. J as amostras fixadas em formalina devem ser encaminhadas em temperatura ambiente, considerando que qualquer material formolizado no deve ser refrigerado ou congelado. Enviar junto com as amostras o Formulrio nico de Requisio de Exames para Sndrome Neurolgica (vide modelo).

    8. Princpios de colheita e envio de amostras para exames

    8.1 Exame histopatolgico

    Toda e qualquer amostra destinada avaliao histopatolgica deve ser fixada em formalina a 10% e mantida temperatura ambiente. A amostra deve ser colhida o mais rpido possvel aps a morte do animal, contendo pores dos tecidos (lesado e adjacente) e evitando reas compostas apenas por necrose (Figura 32).

    Figura 32 - Colheita de amostras para exame histopatolgico:

    A) Pneumonia em fase de hepatizao vermelha (local adequado para a colheita - rea pontilhada, incluindo rea de tecido normal e alterado).

    B) Evite colher reas de necrose (X).A B

  • MANUAL DE NECROPSIA20

    Utilize frascos de boca larga e tampa com boa vedao. A relao entre o volume da pea e do fixador varia de 1:10 a 1:20. Obtenha fragmentos de at 3 cm3, identificando o frasco com dados do animal e das amostras colhidas (Figura 33).

    Figura 33 - Exemplo de colheita, acondicionamento e envio de amostras destinadas a exame histopatolgico.

    Aps a colheita e os procedimentos de fixao e identificao, o material pode ser remetido ao laboratrio ou aguardar a ocasio oportuna, j que materiais fixados em formalina so preservados ad eternum.

    Soluo de Formalina a 10%24 horas - tempo mdio de fixao para fragmentos de at 3 cm3

    Formol comercial (37%) - 100 mLgua destilada ou filtrada - 900 mL

    8.2 Exame microbiolgico

    A colheita de amostras para exames microbiolgicos, visando o isolamento e a identificao de bactrias, vrus e fungos, pode ser realizada, em mdia, at seis horas aps a morte. Quanto maior o tempo de morte, mais difcil a interpretao da real ao dos agentes bacterianos isolados na amostra, considerando a contaminao bacteriana relacionada ao processo de autlise.

    Manipule o mnimo possvel os rgos e tecidos que sero colhidos e d preferncia aos segmentos que possivelmente contenham o agente a ser isolado. Quando da colheita de fluidos, utilize seringas estreis. O contedo de rgos ocos, como o contedo intestinal, deve ser colhido dentro da ala. Para isto, amarre as extremidades de um segmento de 10 a 20 cm de comprimento, seccione e siga com o acondicionamento e a identificao. Para a realizao do exame bacteriolgico em diarreias, sempre utilizar swab estril diretamente da ampola retal e acondicionado em tubo estril com meio de transporte adequado.

    Acondicione as amostras em um recipiente primrio (sacos plsticos novos, placas de petri, frascos coletores e seringas estreis, swab, etc). Em seguida, insira o conjunto amostra/recipiente primrio em um saco plstico com vedao hermtica e, na sequncia, coloque em uma caixa isotrmica e preencha os espaos vazios com gelo reciclvel.

    As amostras devem ser remetidas ao laboratrio preferencialmente resfriadas, entre 2 - 8 oC, e em at 48 horas. Entretanto, se a chegada do material ao laboratrio estiver prevista em tempo superior a 48 horas aps a colheita, encaminhar o material congelado, lembrando que para alguns tipos de isolamento e identificao isso pode representar fator limitante quanto ao resultado do exame. Para o diagnstico bacteriano e viral pode-se usar material resfriado: (isolamento em cultura e identificao por PCR) ou congelado (somente identificao por PCR).

  • MANUAL DE NECROPSIA 21

    A

    Figura 34 - Exemplo de colheita, acondicionamento e envio de amostras para exame microbiolgico:

    A) Acondicione as amostras em local adequado conforme o tipo de material (sacos plsticos, seringas, frascos coletores, etc).

    B) Acomode as amostras em caixa isotrmica contendo gelo reciclvel e identificao

    C) Smbolo das Naes Unidas (amostras biolgicas).

    Para o transporte, na tampa ou laterais da caixa isotrmica, afixe a requisio de exame, devidamente preenchida e inserida em um saco plstico transparente. Alm disso, a embalagem terciria deve conter nome, endereo e telefone do remetente e destinatrio, bem como telefone de emergncia e o smbolo referente classificao das Naes Unidas para amostras biolgicas destinadas a diagnstico (Figura 34).

    8.3 Exame toxicolgico

    Exames toxicolgicos so realizados em laboratrios especializados, que empregam sistemas de isolamento especficos e de custo elevado. Portanto, a suspeita deve ser direcionada para evitar gastos desnecessrios. Ainda, diferente dos demais exames complementares, as amostras destinadas anlise toxicolgica podem ser colhidas tardiamente, mesmo que rgos e tecidos j apresentem sinais avanados de autlise, visto que, comumente, a substncia alvo (toxina) mantida nos tecidos por longos perodos.

    De modo geral, para exames toxicolgicos, colha amostras de fgado, rim e contedo estomacal; mas, a depender do local de ao da toxina, pode ser necessria a colheita direcionada de rgos, como SNC, pele e pulmo. Recomenda-se a colheita de 50 a 100 gramas de cada amostra, considerando que muitas vezes so realizadas provas e contraprovas. O material colhido deve ser acondicionado de forma semelhante descrita para aquele destinado a exames microbiolgicos, podendo ser remetido em temperatura ambiente, resfriado ou congelado (Figura 35).

    Figura 35 - Amostras de contedo ruminal, fgado e intestino para identificao da toxina botulnica.

    IMPORTANTE: alm da colheita de secrees, rgos e tecidos, poder ser til tambm a colheita de alimentos, como rao, gros, forragens secas, restos de cultura, palhadas e suplementos. Neste material podem ser realizadas anlises qumicas e pesquisa de agentes relacionados enfermidade do animal. Nos quadros txicos em que a via de acesso ao organismo a digestiva e o animal apresenta vmito, o contedo deste tambm representa amostra til para anlise e identificao e/ou quantificao do agente.

    CB

  • MANUAL DE NECROPSIA22

    8.4 Exame parasitolgico

    Os exames parasitolgicos permitem a identificao de ovos, larvas, proglotes e parasitas adultos, a partir de amostras de fezes, urina e esfregao sanguneo. Para exame coproparasitolgico, colha entre 10 20 g de fezes da poro final do intestino com o auxlio de uma esptula plstica, coloque em um frasco coletor universal e, em seguida, insira o frasco em um saco plstico de lacre hermtico. Identifique a amostra e encaminhe ao laboratrio, em caixa isotrmica com gelo, em at 12 horas. No congelar a amostra, pois o congelamento destri os ovos e impossibilita a contagem (ovos por grama - opg) e a cultura at a fase de larvas (identificao do gnero). Sempre retirar tambm o mximo de ar de dentro do saco plstico (oxignio necessrio para a eclodibilidade).

    Parasitas adultos podem ser encontrados em diferentes locais, especialmente no trato digestrio. Nesses casos, colha alguns parasitas ntegros e armazene-os em frasco de boca larga, com tampa de boa vedao e contendo lcool 70 como fixador, seguindo a proporo de 1:10 e mantendo a embalagem em temperatura ambiente at o envio ao laboratrio. Este mesmo procedimento pode ser utilizado para a identificao de ectoparasitas.

    Hemoparasitas como Babesia sp e Anaplasma sp podem ser identificados em amostras sanguneas obtidas no exame necroscpico, desde que logo nas primeiras horas aps o bito, tendo em vista o fenmeno da coagulao sangunea post mortem, que limita a colheita. Para isso, colha duas amostras: uma de sangue perifrico e outra de sangue central. Para obter sangue perifrico, corte a pele da orelha ou da cauda e realize a impresso do sangue sobre uma lmina histolgica com extremidade fosca e identificada. Ainda, o sangue drenado do corte pode ser colhido com o auxlio de uma agulha, disposto sobre a lmina e distendido em esfregao para a distribuio homognea e delgada da amostra. A colheita de sangue central segue os mesmos princpios, mas de amostra adquirida da cmara cardaca ou de vsceras como o bao. As lminas contendo os esfregaos devem secar em temperatura ambiente, sendo ento fixadas em lcool metlico durante cinco minutos, acondicionadas em frasco apropriado e encaminhadas ao laboratrio.

    9. Principais enfermidades de bovinos

    9.1 Raiva

    Zoonose causada por um vrus RNA da famlia Rhabdoviridae, gnero Lyssavirus. No Brasil ocorrem duas variantes desse vrus: uma isolada em bovinos e no morcego hematfago Desmodus rotundus, seu principal transmissor, e outra isolada de ces. A enfermidade caracteriza-se por encefalomielite letal e gera importantes perdas sade pblica e pecuria, uma vez que a enfermidade infecciosa viral de maior prevalncia do sistema nervoso central dos bovinos.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - H grande variao quanto aos sinais clnicos da raiva, j que o vrus causa leses nas diferentes estruturas do sistema nervoso, incluindo crebro, cerebelo, tronco enceflico e medula espinhal. Assim, a localizao das leses determina duas formas clnicas: a raiva furiosa, na qual predominam leses cerebrais, e a paraltica, com leses no tronco enceflico e medula espinhal. A forma paraltica mais frequente em herbvoros e os sinais clnicos incluem incoordenao, paresia dos membros plvicos, torcicos e cauda, bem como dificuldade de defecao, decbito esternal, lateral e morte. Leses no tronco enceflico podem causar flacidez da lngua/mandbula, dificuldade de deglutio, paralisia do maxilar, trismo mandibular, nistagmo e diminuio dos reflexos pupilar e palpebral. Sinais como depresso, agressividade, cegueira, movimentos involuntrios da cabea, bruxismo e mugidos roucos e frequentes predominam nos animais com leses cerebrais. Alguns animais apresentam salivao e prurido intensos e parecem estar engasgados. Bovinos acometidos geralmente morrem entre quatro e seis dias aps o incio dos sintomas. Na raiva no h leses macroscpicas relevantes, mas alguns achados podem sugerir a doena, como bexiga urinria repleta, ampola retal distendida, ferimentos/automutilao e a presena de corpos estranhos no estmago.

    Diagnstico - Os sinais clnicos da raiva so inespecficos e variados, o que torna indispensvel o diagnstico laboratorial.

  • MANUAL DE NECROPSIA 23

    Amostras

    Para imunofluorescncia direta (IFD) e ensaio biolgico com inoculao intracerebral em camundongos: amostras refrigeradas de SNC conforme colheita padronizada para bovinos.

    Para histopatologia e imunoistoqumica: amostras em formalina a 10% de SNC conforme colheita padronizada para bovinos.

    9.2 Listeriose

    Enfermidade infecciosa que afeta diversas espcies animais, sendo os ruminantes os mais susceptveis. causada pela bactria Listeria monocytogenes, encontrada no solo, na superfcie da gua, nas plantas, silagens, paredes de instalaes e fezes. divida em trs formas: a septicmica, em que so observados abscessos no fgado, bao e outras vsceras, principalmente em bezerros; a que causa aborto, metrite e placentite, que acomete fmeas bovinas e ovinas; e a meningoencefalite, forma mais frequente da doena nos ruminantes e que se desenvolve a partir de leses na mucosa oral, que servem como porta de entrada para a bactria, que posteriormente invade o nervo trigmeo e o tronco enceflico.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Os sinais clnicos da forma menigoenceflica em ruminantes incluem movimentos em crculo, desvio lateral do corpo e cabea, flacidez da lngua e lbios, dificuldade de apreenso de alimentos, perda de equilbrio, nistagmo, depresso, incoordenao motora, quedas, paralisia e decbito. Macroscopicamente, na forma enceflica pode ocorrer aumento do lquor, na septicmica observam-se reas necrticas no fgado, bao e corao e, na que envolve o trato reprodutor, observa-se placentite e endometrite.

    Diagnstico - Baseia-se nos sinais clnicos, dados epidemiolgicos e isolamento do agente.

    Amostras

    Para cultivo e isolamento do agente: amostras refrigeradas de tronco enceflico conforme colheita padronizada para bovinos.

    Para histopatologia: amostras em formalina a 10% de SNC conforme colheita padronizada para bovinos.

    9.3 Meningoencefalite Herptica

    Refere-se a infeco pelo Herpesvrus bovino tipo 5 (BoHV 5), importante patgeno de bovinos jovens e adultos, que apresenta tropismo pelo SNC e produz enfermidade neurolgica que cursa com baixa morbidade e alta letalidade. Os bovinos se infectam pela via intranasal e, por transporte axonal retrogrado via neural (nervo trigmeo e olfatrio), o vrus alcana o SNC.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Bovinos infectados e que desenvolvem quadro neurolgico apresentam sinais como: anorexia, corrimento nasal e ocular, sialorreia, tremores musculares, andar em crculos, incoordenao, opisttono, nistagmo, bruxismo, convulses, quedas, presso da cabea contra obstculos, perda de reflexos visual, auditivo ou cutneo, dificuldade para a apreenso de alimentos e ingesto de gua, e paralisia da lngua. Na fase terminal permanecem em decbito e podem apresentar movimentos de pedalagem ou tetania. O curso da enfermidade varia de quatro a quatorze dias, sendo geralmente fatal. A faixa etria dos bovinos acometidos varia de trs meses a trs anos. A presena de leses no SNC ao exame macroscpico varivel, podendo ser observada colorao amarelo acinzentada no crtex cerebral, que por vezes pode conter reas deprimidas ou cavitaes na substncia cinzenta, que caracterizam malcia, quando a evoluo for igual ou superior a trs dias.

    Diagnstico - Deve ser confirmado por exames laboratoriais, j que no h sinais clnicos caractersticos da doena e pela necessidade de diagnstico diferencial com outras enfermidades que cursam com sintomatologia nervosa, como raiva e listeriose.

  • MANUAL DE NECROPSIA24

    Amostras

    Para cultivo e isolamento do agente, imunofluorescncia, virusneutralizao e PCR: amostras refrigeradas de SNC conforme colheita padronizada para bovinos. A PCR pode ainda ser utilizada em amostras de tecidos e swabs de secrees respiratrias e vaginais para a identificao dos stios de latncia do BoHV-5.

    Para sorologia: enviar 5 mL de soro sanguneo (resfriado ou congelado). Este mtodo possui valor limitado no diagnstico indireto, pois no diferencia BoHV-1 de BoHV-5.

    Para histopatologia e imunoistoqumica: amostras em formalina a 10% de SNC conforme colheita padronizada para bovinos.

    9.4 Botulismo

    Enfermidade causada pela ingesto de uma neurotoxina produzida pela bactria Clostridium botulinum, cujos esporos so encontrados no solo, na gua ou no trato digestrio de diversas espcies animais. uma intoxicao no febril e geralmente fatal, caracterizada por paresia e paralisia flcida parcial ou completa da musculatura esqueltica, e importante causa de mortalidade em bovinos. As neurotoxinas C ou D so previamente formadas na matria orgnica vegetal ou animal em decomposio, como carcaas decompostas, alimentos armazenados de forma inadequada (milho, silagem, feno e rao), cama de frango e guas paradas (cacimbas). Regies de solo pobre em fsforo, com suplementao mineral inadequada e com cadveres nas pastagens so predispostas a ocorrncia de surtos da doena, pela ingesto de ossos e carcaas pelos bovinos.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Os sinais clnicos relacionam-se susceptibilidade do animal e quantidade de toxina ingerida, que determina o perodo de incubao e a evoluo clnica. Assim, quanto maior a quantidade de toxina ingerida, menor o perodo de incubao e mais rpida a evoluo clnica. A dificuldade de locomoo o principal sinal clnico, devido a paralisia muscular, que afeta primeiramente o quarto posterior do animal e progride para membros anteriores, pescoo e cabea. A posio mais frequente dos animais afetados o decbito esternal, com a cabea apoiada no solo. A percepo sensorial normal. Outros sinais incluem flacidez da lngua, da mandbula e da cauda, alm de dificuldade na apreenso, mastigao e deglutio de alimentos, com consequentes hipotonia ruminal e desidratao. A respirao dispneica e diafragmtica associada bradicardia. Na fase terminal os animais permanecem em decbito lateral, sem movimentos de pedalagem e o bito ocorre em perodos variveis. Os sinais aparecem entre 1 a 17 dias aps a ingesto da toxina e a evoluo clnica pode ser superaguda, aguda, subaguda e crnica. No h leses macroscpicas, entretanto, a presena de ossos no rmen pode ser indcio de osteofagia, o que sugere, mas no significa necessariamente botulismo.

    Diagnstico - Baseia-se nos sinais clnicos, histrico, ausncia de leses necropsia e a no vacinao dos animais. Entre os exames laboratoriais, destacam-se o ensaio biolgico, que especfico, mas de pouca sensibilidade toxicolgica; o ensaio imunoenzimtico (ELISA), utilizado como mtodo de triagem rpido, mas com limitaes de sensibilidade; e a tcnica de microfixao do complemento, de excelente desempenho no diagnstico e tipificao da toxina.

    Amostras

    Para ensaio biolgico por inoculao intraperitoneal em camundongos: amostras refrigeradas de sangue, fgado, contedo ruminal ou intestino.

    Para a deteco da toxina: 5 mL de soro sanguneo, 250 gramas de fgado, contedo ruminal e fragmento de intestino delgado com contedo (amostras resfriadas ou congeladas).

    Nota: visando o diagnstico diferencial de enfermidades que evoluem com sinais clnicos semelhantes, vlido tambm enviar amostras para exame histopatolgico, incluindo aquelas obtidas na colheita padronizada do SNC.

  • MANUAL DE NECROPSIA 25

    9.5 Enterotoxemia por Clostridium Perfringens Tipo D

    Enfermidade causada pelo Clostridium perfringens, agente comensal do trato intestinal de ruminantes (habitante natural da flora). Afeta ovinos, caprinos e bovinos, principalmente jovens, na faixa etria de trs dias a seis meses de idade, no entanto, h relatos em animais adultos. A doena se estabelece quando ocorre proliferao do agente, com produo da toxina psilon no intestino delgado. Alteraes bruscas na dieta, como ingesto de nveis elevados de carboidratos e protenas, so referidas como fator desencadeante, pois modificam o microambiente intestinal e favorecem a proliferao da bactria e a produo de toxinas.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - A evoluo da doena se caracteriza por mortalidade inesperada (morte sbita) ou algumas vezes precedida de sinais como cegueira, cambaleamento, anorexia, diarreia, desidratao, ataxia e prostrao. Macroscopicamente observam-se hemorragia multissistmica, principalmente nas serosas, efuso abdominal e pericrdica, congesto heptica e edema pulmonar. Na poro distal do intestino delgado podem ocorrer petquias, e equimoses, alm de edema e contedo amarelo escuro.

    Diagnstico - O isolamento do Clostridium perfringens tipo D no possui valor diagnstico, sendo necessria a deteco da toxina psilon no intestino delgado.

    Amostras

    Para a deteco da toxina psilon: enviar segmento refrigerado de intestino delgado, medindo aproximadamente 15 cm de comprimento, colhido com contedo e amarrado nas extremidades. Uma alternativa a adio de uma gota de clorofrmio para cada 10 mL de contedo intestinal para conservar a toxina por at 30 dias.

    Nota: existem tambm outros tipos de Clostridium perfringens (tipo A, B e C), habitantes naturais da microbiota dos ruminantes, que podem produzir diferentes toxinas (alfa e beta), nas condies acima descritas. Para o correto diagnstico, deve-se levar em considerao os sinais clnicos, histrico, vacinao e deteco da toxina nos orgos alvo. O isolamento ou a identificao do agente possui apenas carter sugestivo, j que estes agentes so comensais do trato digestrio de bovinos.

    9.6 Mannheimiose Bovina (Febre do Embarque)

    Doena caracterizada por broncopneumonia fibrinosa grave, com bito geralmente em estgio agudo. Enfermidade de grande importncia em bovinos confinados, submetidos a situaes estressantes como transportes, feiras, aglomeraes, mudanas bruscas de temperatura, fadiga, desmame, mistura de animais de diferentes origens, inanio temporria e infeces virais (BoHV-1, PI-3 e BRSV). causada pela bactria Mannheimia haemolytca biotipo A sorotipo 1, que comumente encontrada na cavidade nasal de bovinos sadios e esporadicamente causa a doena, especialmente quando os mecanismos de defesa so danificados, propiciando a colonizao do pulmo.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Febre, depresso, anorexia, crostas nas narinas, exsudato nasal mucopurulento, tosse produtiva e respirao superficial so sinais clnicos mais frequentes. macroscopia observam-se pleurite fibrinosa, efuso pleural, aspecto marmorizado da superfcie pleural, septos pulmonares com edema e colorao variando do branco ao amarelo. Na traqueia e brnquios h exsudato serossanguinolento.

    Diagnstico - Fundamentado nos achados macroscpicos, no isolamento bacteriano e nas alteraes histolgicas.

    Amostras

    Para cultivo e isolamento do agente: fragmentos refrigerados de pulmo acondicionados conforme padro de rotina para exame microbiolgico.

    Para histopatologia: fragmentos de pulmo em formalina a 10%.

  • MANUAL DE NECROPSIA26

    9.7 Miosites por Clostrdios

    9.7.1 Carbnculo Sintomtico

    Doena causada pelo Clostridium chauvoei, tambm conhecida como manqueira ou peste de ano. Acomete bovinos entre seis meses e dois anos de idade, apresenta curso rpido, entre 12 e 36 horas, e bito devido toxemia. A bactria possui esporos que se mantm por longos perodos no meio ambiente, especialmente no solo e nos dejetos fecais, o que favorece a ingesto pelos bovinos. No intestino, os esporos so fagocitados e distribudos pelo organismo, incluindo a musculatura, onde permanecem em latncia. Quando um pequeno foco hemorrgico intramuscular ou trauma por exerccio forado determinam condies favorveis de anaerobiose, os esporos se ativam e as bactrias se multiplicam, produzindo toxinas que provocam danos parede capilar, gerando hemorragia, edema e necrose das miofibrilas.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Os animais enfermos apresentam claudicao, aumento de volume de alguns msculos, alm de hipertermia, depresso e anorexia. Pelo rpido curso da doena, muitas vezes os animais so encontrados mortos na pastagem. Como os processos autolticos se estabelecem rapidamente, macroscopia nota-se acentuado timpanismo ps-morte, alm de exsudao de lquido sanguinolento pelas cavidades naturais, hemorragia conjuntiva, edema subcutneo e miosite hemorrgica, com grandes grupos musculares aumentados de volume e crepitantes palpao devido a presena de gs. As fibras musculares necrosadas apresentam colorao vermelho escuro a enegrecidas. Um aspecto interessante que a leso exala odor butrico, que adocicado e lembra manteiga ranosa.

    Diagnstico - O curso da doena, histrico de vacinao, manejo, sinais clnicos de tumefao e crepitao muscular, idade dos animais acometidos, bem como leses caractersticas necropsia so dados importantes para o diagnstico.

    Amostras

    Para isolamento do agente, imunofluorescncia direta e ensaio biolgico: fragmentos refrigerados de msculos com leso.

    Para histopatologia e imunoistoqumica: fragmentos de msculos com leso em formalina a 10%.

    9.7.2 Gangrena Gasosa (Edema Maligno)

    Compreende miosite que se estabelece a partir de feridas profundas contaminadas por um grupo de clostrdios (Clostridium septicum, Clostridium novyi e Clostridium sordellii), que atuam em conjunto a outros anaerbios ou aerbios saprfitos com propriedades proteolticas e putrefativas. Os casos da doena ocorrem esporadicamente e os surtos deflagram na dependncia de traumatismo coletivo em situaes de manejo como castrao, tosquia, vacinaes com agulha contaminada, traumas nas vias genitais durante o parto, entre outros.

    Sinais clnicos e achados macroscpicos - Os sinais clnicos da gangrena gasosa aparecem 24 horas aps a infeco e destacam-se: anorexia, depresso, hipertermia, alm do rubor da pele que recobre o msculo lesado, acentuado edema, crepitao, toxemia, colapso circulatrio e morte. Macroscopicamente observa-se celulite grave, caracterizada por acentuado acmulo de exsudato sero-hemorrgico no tecido subcutneo. A morte pode ser to rpida de tal forma que as leses musculares no se desenvolvem ou so discretas.

    Diagnstico - O histrico de manejo que possa envolver leso recente e leses caractersticas necropsia e ao exame histopatolgico so importantes para o diagnstico. Atentar para o diferencial com carbnculo sintomtico, especialmente em bovinos jovens sem histrico de traumatismo ou ferimentos.

  • MANUAL DE NECROPSIA 27

    Amostras

    Para isolamento do agente e imunofluorescncia direta: fragmentos refrigerados do local da leso, que comumente envolve subcutneo e msculo.

    Para histopatologia e imunoistoqumica: fragmentos em formalina a 10% do local da leso, que comumente envolve subcutneo e msculo.

    9.8 Abortos

    Sinais clnicos reprodutivos e achados macroscpicos abortos em diferentes fases de gestao, reteno da placenta, metrite, reabsoro fetal, mumificao, natimortalidade e nascimento de bezerros doentes ou clinicamente normais, mas com infeco crnica.

    9.8.1 Rinotraquete Infecciosa Bovina (IBR)

    A infeco pelo Herpesvrus bovino tipo 1 (BoHV-1) associa-se a quadros de rinotraquete, vulvovaginite, balanopostite e conjuntivite em animais adultos, bem como os sinais clnicos reprodutivos j citados. Transmitida pela via de aerossis, contato direto e forma venrea, possui caracterstica de que animais infectados, mesmo sem doena aparente, sero portadores durante toda a vida, visto que o vrus estabelece infeco latente nos gnglios nervosos sensoriais, que pode ser reativada em situaes de estresse.

    9.8.2 Diarreia Viral Bovina (BVD)

    A infeco pelo Pestivrus (tipo 1 ou 2, citopatognico ou no citopatognico) associa-se a quadros de rinotraquete, pneumonia, leses e eroses na pele e mucosa, descarga culo-nasal, diarreia escura (muco ou sangue) e m formaes nervosas. Alm destes, tambm temos a formao dos bezerros persistentemente infectados e os sinais clnicos reprodutivos j citados. Transmitida pela via de aerossis, contato direto e forma venrea, possui caracterstica de formao de animais persistentemente infectados, a principal forma de manuteno da enfermidade dentro de um rebanho. Estes animais sempre sero portadores e fontes constantes de infeco, podendo se apresentar clinicamente normais ou no.

    Diagnstico - Baseia-se na associao dos sinais clnicos e diagnstico laboratorial. O melhor mtodo o isolamento do vrus em cultivo de clulas bovinas, seguido da identificao viral por imunofluorescncia ou virusneutralizao. Outras tcnicas de diagnstico incluem PCR, imunoperoxidase, soroneutralizao, ELISA e Western blot.

    Amostras

    Para isolamento viral (amostra refrigerada) ou identificao (amostra congelada): fragmentos da placenta e do feto, incluindo pulmo, fgado, rim e abomaso. Se o feto for pequeno (estgios iniciais de gestao) pode-se enviar o feto inteiro.

    Para sorologia: enviar amostra de 5 mL de soro sanguneo (amostras refrigeradas ou congeladas).

    Para exame histopatolgico: amostras em formalina a 10% de pulmo, fgado, rim, bao, linfonodos e abomaso.

  • MANUAL DE NECROPSIA28

    9.8.3 Neospora

    Enfermidade causada pelo protozorio Neospora caninum. Os sintomas clnicos associados a esta doena so os reprodutivos anteriormente citados. Candeos domsticos e silvestres so hospedeiros definitivos e eliminam oocistos em suas fezes. Muitos animais figuram como hospedeiro intermedirio, incluindo equinos, ovinos, caprinos, bovinos e os prprios ces. A transmisso ocorre pela ingesto de alimentos e gua contaminados pelos oocistos provenientes das fezes dos ces, bem como de resduos biolgicos provenientes dos abortos decorrentes da doena. A transmisso transplacentria considerada a principal forma de disseminao da enfermidade, principalmente nos rebanhos leiteiros.

    Diagnstico - Deve se suspeitar de neosporose quando da presena de aborto e outras alteraes reprodutivas, sendo necessrio o diagnstico laboratorial para a confirmao da enfermidade.

    Amostras

    Para provas sorolgicas, incluindo imunofluorescncia indireta (RIFI), ELISA e teste de aglutinao direta: fluidos corporais e soro sanguneo (amostras refrigeradas ou congeladas).

    Para histopatologia e imunoistoqumica: amostras de feto e placenta em formalina a 10%. Do feto so necessrios crebro, corao, fgado, medula espinhal e msculo esqueltico. Se o feto for pequeno (estgios iniciais de gestao) pode-se enviar o feto inteiro.

    9.8.4 Leptospirose

    Zoonose de curso agudo ou crnico, causada por bactrias do gnero Leptospira. Apresenta alta prevalncia em clima tropical a subtropical, principalmente nos perodos de chuva, j que o agente aprecia ambientes midos, aumentando a possibilidade de exposio e contgio dos animais susceptveis. Na bovinocultura sua relevncia de ordem econmica, pelos prejuzos decorrentes de falhas reprodutivas, queda na produo (carne e leite) e outros sintomas como anorexia, mastite, necrose tubular e anemia. Apresentam grande importncia a Leptospira interogans sorotipo hardjo, responsvel por casos de aborto e infertilidade. Este sorotipo o mais adaptado aos bovinos e possui baixa patogenicidade, determinando doena crnica com quadro reprodutivo. Apesar disso, sorotipos como wolffi, bratislava, pomona, autumnalis, australis, canicola e tarassovi tambm j foram descritos em bovinos.

    Diagnstico - Faz-se necessrio o diagnstico diferencial com outras enfermidades que cursam com distrbios reprodutivos e aborto. Para isso, podem ser realizados exames como microscopia de campo escuro, sorologia, imunofluorescncia, isolamento do agente, PCR e histopatolgico. A sorologia a principal prova diagnstica, sendo realizada a tcnica de soroaglutinao microscpica (SAM).

    Amostras

    Para sorologia: enviar 5 mL de soro sanguneo (amostras refrigeradas ou congeladas) de 10% de animais escolhidos aleatoriamente ou apenas dos animais com sinais da doena.

    Para isolamento do agente (amostra refrigerada), imunofluorescncia e PCR (amostra refrigerada ou congelada): amostras de feto (rim, fgado e bao), placenta, urina, e contedo estomacal. Se o feto for pequeno (estgios iniciais de gestao) pode-se enviar o feto inteiro.

    Para histopatologia: amostras de feto abortado e placenta (acima citados) em formalina a 10%.

  • MANUAL DE NECROPSIA 29

    Doena Material Acondicionamento

    RaivaFatia de cerebelo, de medula oblonga, de tlamo e 1/4 caudal do telencfalo

    Amostras refrigeradas e fixadas em formol

    Listeriose Monobloco, cerebelo, telencfalo e tronco enceflicoAmostras refrigeradas e fixadas em formol

    Meningoencefalite Herptica (IBR tipo 5)Monobloco, cerebelo, telencfalo, tronco enceflico esoro bovino

    Amostras refrigeradas e fixadas em formol e soro refrigerado ou congelado

    Botulismo (toxinas C e D) Sangue, fgado, contedo ruminal e intestinal e soro bovinoAmostras refrigeradas e soro refrigerado ou congelado

    Enterotoxemia Intestino delgado Amostra refrigerada

    Carbnculo Sintomtico (Manqueira) Msculo Amostra refrigerada e fixada em formol

    Gangrena Gasosa (Edema Maligno) Msculo e tecido subcutneo Amostra refrigerada e fixada em formol

    Febre do Embarque (Mannheimiose) Pulmo Amostra refrigerada e fixada em formol

    Diarreia NeonatalBacteriana Fezes (swab e tubo estril) Amostra refrigerada (isolamento) ou congelada (identificao)

    Viral Fezes Amostra refrigerada (isolamento) ou congelada (identificao)

    Exame de fezesopg Fezes Amostra refrigerada

    Cultura (L3) Fezes Amostra refrigerada

    Aborto

    IBR e BVD

    Feto grande (placenta, pulmo, fgado, rim, abomaso, bao e linfonodo), feto pequeno (inteiro)e soro bovino

    Amostras refrigeradas (isolamento) ou congeladas (identificao) e fixadas em formol e soro resfriado ou congelado

    Leptospirose

    Feto grande (placenta, fgadorim, bao, urina e contedo estomacal), feto pequeno (inteiro) e soro bovino

    Amostras refrigeradas (isolamento) ou congeladas (identificao) e fixadas em formol e soro resfriado ou congelado

    Neospora

    Feto grande (placenta, crebro, corao, fgado, medula espinhal e msculo), feto pequeno (inteiro) e soro bovino

    Amostras fixadas em formole soro refrigerado ou congelado

  • MANUAL DE NECROPSIA30

    10. Relatrio de necropsia A necropsia nos revela uma gama de informaes que podem ser esquecidas aps um lapso de tempo, limitando a possibilidade do diagnstico. Ainda, o procedimento necroscpico possvel uma nica vez por animal, perdendo-se todo material colhido quando o procedimento incorreto. Portanto, a conservao de uma memria documentada sobre cada caso resolvido de fundamental importncia. Para facilitar, recomenda-se a fotodocumentao do procedimento, com imagens do local e cadver, das etapas do exame e dos despojos e, em seguida, a elaborao do relatrio de necropsia.

    O relatrio de necropsia, em seu aspecto legal, um documento hbil para demandas jurdicas, periciais e justificativas da responsabilidade profissional. Alm disso, sempre acompanha as amostras destinadas a exames laboratoriais. Por isso, tambm representa um trabalho realizado de forma consciente.

    O relatrio uma descrio detalhada da atividade da necropsia, com linguagem e contedo claros, para que algum que no tenha participado do procedimento possa assisti-la por meio desta descrio. Para isso, um relatrio de necropsia inclui tpicos como cabealho, histrico do caso, achados de necropsia, diagnstico presuntivo ou definitivo e descrio do material colhido para exames complementares (vide modelo para relatrio de necropsia).

    11. Destino de despojos e desinfeco de ambientes

    Aps a necropsia, restam a carcaa e as vsceras em partes, cujo destino importante e, no caso de bovinos, os despojos costumam ser incinerados ou enterrados. A incinerao representa o melhor destino para os resduos de um procedimento necroscpico, pois elimina os agentes biolgicos e reduz grandes contedos a cinzas. O emprego do mtodo por meio de incineradores industriais apropriados no representa a realidade no campo, mas possvel incinerar grandes animais na propriedade colocando os resduos biolgicos sobre madeira, para que a parte inferior tambm seja queimada, considerando que o fogo deve consumir toda a matria orgnica.

    O enterramento requer a abertura de um buraco, este fundo o suficiente para que uma lmina de um metro de terra possa cobrir o cadver, e distante pelo menos 1,5 m acima do nvel do lenol subterrneo de gua para evitar contaminao. Recomenda-se o enterramento isolado do sistema digestrio, evitando o contato direto com a carcaa e a contaminao por clostrdios. Esse mtodo simples e econmico, mas no representa soluo definitiva para a eliminao do resduo biolgico, uma vez que animais como o tatu podem penetrar as valas e trazer resduos superfcie, mantendo o risco de contaminao.

    A associao de ambos os mtodos, com incinerao dos despojos acomodados sobre a madeira no interior da vala, seguida da cobertura com terra, representa soluo eficiente, pois elimina agentes biolgicos e odores que atraem animais como ces e gatos. Ainda, quando a morte ocorre em local fechado e a causa uma enfermidade infectocontagiosa, recomenda-se realizar a desinfeco do ambiente. Os procedimentos mais comuns so o lana-chamas e a fumigao. O uso do lana-chamas inclui precauo em relao aos materiais combustveis ou comburentes, e a chama deve ser suficiente para queimar a matria orgnica das superfcies e frestas. A fumigao utilizada em ambientes fechados, empregando-se 150 mL de formalina a 25%, adicionada de 75 gramas de permanganato de potssio para cada 2,5 m3 de rea do ambiente.

    12. Consideraes finais As informaes solicitadas no formulrio de requisio de exame de cada laboratrio devem ser as mais completas possveis. Considere que o resultado pode ser prejudicado mediante a falta de informaes, j que o material enviado nem sempre revela por si aquilo que no foi possvel constatar durante o exame macroscpico. Se houver necropsia, alm do histrico, envie as observaes ao laboratrio por meio do relatrio de necropsia, pois so da maior importncia para o exame microscpico. A popularizao da imagem digital trouxe grande vantagem aos profissionais que colhem e enviam amostras para anlise, pois as imagens enriquecem o relatrio e, muitas vezes, dizem mais que a prpria descrio.

    O laboratrio que presta servios de auxlio diagnstico muitas vezes pode confirmar a suspeita clnica, entretanto, em outras

  • MANUAL DE NECROPSIA 31

    poucas poder diagnosticar uma doena no suspeitada clinicamente. Se ao terminar uma necropsia o mdico veterinrio no conseguir estabelecer suspeitas porque o histrico e as alteraes macroscpicas foram incipientes, conferindo uma necropsia branca terminologia dos patologistas, o diagnstico histopatolgico excepcionalmente poder elucidar o caso. Por isso, nessas situaes, recomenda-se colher amostra da maior parte dos rgos, para que se possam investigar microscopicamente eventuais alteraes, auxiliando na composio de um raciocnio que remeta a um diagnstico, seja este morfolgico ou etiolgico.

    A remessa de material patolgico por transporte pblico envolve o risco de contaminao pessoal e/ou ambiental. Por esta razo, o acondicionamento deste deve ser realizado de forma a evitar a quebra de vidros e/ou extravasamento de lquidos. Ainda, quando do envio, inclua as informaes do remetente, como telefones e e-mail, para evitar extravios.

    Quando necessitar de exames complementares para definir um diagnstico, procure seguir as instrues de manuais especficos como este, para que seu trabalho produza resultados altura de sua expectativa. Muitas amostras que chegam aos laboratrios de auxlio diagnstico no apresentam condies de anlise por no serem indicadas para o exame pretendido ou por colheita e/ou conservao inadequadas. No caso de dvidas, procure informaes junto ao laboratrio para o qual deseja enviar o material.

    13. Agradecimentos As autoras agradecem a Zoetis e aos mdicos veterinrios Fernando do Amaral Braga, Elci Rincn Ferreira e Elio Moro, pela iniciativa de subsidiar a elaborao de um material tcnico destinado aos profissionais de campo com ferramentas prticas e utis ao bom exerccio da medicina veterinria.

    14. Bibliografia de Referncia BARROS, C.S.L.; LEMOS, R.A.A.; CAVALLRO, J.C.M. Manual de procedimentos para diagnstico histolgico diferencial da encefalopatia espongiforme bovina. Editora Lemos, So Paulo, 2001, 56p.

    BARROS, C.S.L.; MARQUES, G.H.F. Procedimentos para o diagnstico das doenas do sistema nervoso central de bovinos. Lid Grfica Editora, Braslia, 2003, 50p.

    CLAUS, M.P.; ALFIERI, A.F.; ALFIERI, A.A. Herpesvrus Bovino Tipo 5 e Meningoencefalite Herptica Bovina. Semina: Cincias Agrrias, Londrina, v. 23, n. 1, p. 131-141, jan./jun. 2002.

    ESMERALDINO, A.T.; RODRIGUES, N.C. Necropsia em ces: descrio da tcnica atravs de imagens. Editora da ULBRA, 2008, 78p.

    FIGUEIREDO A.O. ; PELLEGRIN, A.O. ; GONALVES, V.S.P.; FREITAS, E.B.; MONTEIRO, L.A. R.C.; OLIVEIRA, J.M.; OSRIO, A.L.A.R. Prevalncia e fatores de risco para a leptospirose em bovinos de Mato Grosso do Sul. Pesquisa Veterinria Brasileira. v.29, n.5, p.375-381, 2009.

    FISCHER, P.; BRITO, L.A.B. Tcnica de necropsia. Publicao de circulao interna (apostila). Departamento de Patologia da Escola de Veterinria da UFG, 1989, 22p.

    FOSCULO, C.D. Guia Prtico de Veterinria (manual tcnico). Hermes Pardini Veterinria, 2012, 76p.

    FURLAN, F.H.; AMORIM, T.M.; JUSTO, R.V.; MENDES, E.R.S.; ZILIO, M.G.; COSTA, F.L.; NAKAZATO, L.; COLODEL, E.M. Febre catarral maligna em bovinos no norte de Mato Grosso Brasil. Acta Scientiae Veterinariae. v.40, n.2, p.1043.

    HOFFMANN, RP. Diagnstico de parasitismo veterinrio. Editora Sulina, Porto Alegre, 1987, 156p.

    JUBB, K.V.V.F., KENNEDY, P.C., PALMER, N.C. Pathology of Domestic Animals. 3 vols. 5. Ed., Edinburgh: Saunders Elsevier, 2007.

    KING, J.M.; ROTH-JOHNSON, L.; NEWSON, M.E. The necropsy book: a guide for veterinary students, residents, clinicians, pathologists, and biological researchers. Charles Louis Davis, DVM Foundation Publisher, 5 ed., 2007, 251p.

    LOBATO, F.C.F.; ASSIS, R.A.; ABREU, V.L.V.; SOUZA JR., M.F.; LIMA, C.G.R.D.; SALVARANI, F.M. Enterotoxemia em bovino. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.5, p.952-954, 2006.

    MARTINS, E.O.; ZEZZA NETO, L. Tcnica de necropsia para os animais domsticos: marcha da tcnica de necropsia (apostila). Universidade de Marlia, 1992, 27p.

    McGAVIN, M.D. ; ZACHARY, J.F. Bases da Patologia em Veterinria. 4. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

    Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento - MAPA. Manual Veterinrio de colheita e envio de amostras: manual tcnico. Cooperao Tcnica MAPA/OPAS-PANAFTOSA para o fortalecimento dos programas de sade animal do Brasil, Rio de Janeiro: PANAFTOSA - OPAS/OMS, 2010, 218p.

    QUEVEDO, P.S.; LADEIRA; S.R.L.; SOARES, M.P.; MARCOLONGO-PEREIRA, C.; SALLIS, E.S.V.; GRECCO, F.B.; ESTIMA-SILVA, P.; SCHILD, A.L. Ttano em bovinos no sul do Rio Grande do Sul: estudo de 24 surtos. Pesquisa Veterinria Brasileira. v.31, n.12, p.1066-1070, 2011.

    RIET-CORREA, F; SCHILD, A.L; LEMOS, R. A. A.; Borges, J. R. Doenas de ruminantes e equdeos. Santa Maria: Pallotti, 2007, v.2, 1466p.

    SILVEIRA, D; SOBESTIANSKY, J. Tcnica de necropsia em sunos: coleta e remessa de material para laboratrio. Art Trs Impressos Especiais, Goinia, 1997, 112p.

    SOBESTIANSKY, J.; BARCELLOS, D.; MORENO, A.M.; SOBESTIANSKY, A. POLEZE, E. Sunos: coleta e remessa de materiais para laboratrios para fins de diagnstico. Grfica Art Trs, Goinia, 2005, 122p.

    WERNER, P.R. Patologia Geral Veterinria Aplicada. Editora Roca, So Paulo, 2010, 525p.

  • SAC: 0800 011 19 19 | www.zoetis.com.br

    Copy

    right

    Zoe

    tis In

    dst

    ria d

    e Pr

    odut

    os V

    eter

    inr

    ios

    Ltda

    . Tod

    os o

    s di

    reito

    s re

    serv

    ados

    . Mat

    eria

    l Pro

    duzi

    do S

    ET/2

    014.

    Cd

    .: ZO

    EMM

    N017

    .