of 13 /13
AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

Embed Size (px)

Citation preview

Page 1: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

AVALIAÇÃO CLÍNICADO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

Page 2: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

Pé diabético é a situação de infecção, ulceração e/ou também a destruição de tecidos profundos dos pés, associados com anormalidades neurológicas e vários graus de doença vascular periférica nos membros inferiores. (OMS).

Conceito

Page 3: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

O Diabetes Mellitus atinge:Vasos sanguíneos: Vasculopatia - Doença Vascular Periférica (DVP)O pé com falta de circulação é geralmente, frio, seco, atrófico, sem pelos, com unhas secas e quebradiças, mau nutrido e freqüentemente tem rachaduras no tornozelo ou atrás da cabeça do metatarso. Os pulsos periféricos estão diminuídos e/ou ausentes.

Nervos:A neuropatia diabética periférica causa a diminuição da sensibilidade dolorosa e térmica da região. Essa diminuição da sensibilidade é o principal fator no desenvolvimento de úlceras e deformações articulares. (dedos em garra, dedos em martelo, proeminências das cabeças dos metatarsos, joanetes). Nos nervos do sistema nervoso autônomo a doença gera ressecamentos, rachaduras cutâneas, lesões nas unhas e osteoporose.

Introdução

Page 4: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

DEFORMIDADES DAS FALANGES

Introdução

Dedos sobrepostos

Dedos em garra

Dedo em martelo

Dedo em taco de golfe

Page 5: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

O diabetes mellitus pode ser considerada como um problema de saúde universal.Conforme dados da OMS, o Brasil, com cerca de 10 milhões de diabéticos, é o 6º país do mundo em prevalência.50% desconhecem o diagnóstico. 24% não fazem qualquer tipo de tratamento. 40% das amputações são em diabéticos.

Justificativa

Page 6: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

•Criação de equipe multiprofissional e multidisciplinar.

•Sensibilizar os profissionais de saúde

•Detectar as manifestações precoces com riscos de complicações do pé em pacientes diabéticos.

•Classificar o paciente quanto ao grau de risco.

•Evitar complicações e redução das hospitalizações.

Objetivos

Page 7: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

SENSIBILIDADE TÁTIL

Teste de Avaliação NeurológicaAVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE

PROTETORA

Algodão Monofilamento de nylon Semmes-Weistein

Page 8: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA

Teste de Avaliação Neurológica

SENSIBILIDADE TÉRMICA

Diapasão graduado a 128HZ

SENSIBILIDADEDOLOROSA

Page 9: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

SENSIBILIDADE MOTORA

Teste de Avaliação Neurológica

FORÇA MUSCULAR

Page 10: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

AVALIAÇÃO VASCULAR DOS PÉS

Teste de Avaliação Vascular

Presença de pulso pedioso Presença de pulso tibial posterior

Page 11: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

ENCHIMENTO CAPILAR

Teste de Avaliação Vascular

AVALIAÇÃO DAS UNHAS

Normal / Encravada

Page 12: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

Manifestações clínicas Grau de risco Abordagem

Neuropatia ausente Risco 0 •Educação terapêutica.•Avaliação anual.

Neuropatia presente.Sem deformidades. Risco 1

•Educação terapêutica.•Uso de calçados adequados.•Avaliação semestral.

Neuropatia presente.Deformidades e/ou doença vascular periférica

Risco 2

•Educação terapêutica.•Uso de calçados adequados e especiais, palmilhas e órteses. •Avaliação trimestral.

Úlcera/amputação prévia Risco 3 •Idem ao risco 2.•Avaliação bimestral.

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DO RISCO

Page 13: AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PÉ DIABÉTICO Autores: Ten Cel BM QOS / Med / 86 José 2º Ten. BM/QOS/Enf./08/ Luciana Lana

Os pacientes diabéticos devem ser submetidos a um controle rigoroso, através de suporte multidisciplinar contínuo, a fim de prevenir complicações microvasculares e macrovasculares.O controle ambulatorial adequado representa um menor número de internações e redução de custos, contribuindo para melhoria da qualidade de vida destes pacientes.

Conclusão