AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO .processos de Coagulação, Floculação e Sedimentação;

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO .processos de Coagulação, Floculação e...

AVALIAO DA EFICINCIA DO COAGULANTE SULFATO FRRICO,EM

DIFERENTES TEMPERATURAS

Abner Figueiredo NetoFernanda Posch RiosPaulo Srgio Scalize

Introduo

gua bruta; Remoo de impurezas: Coagulao Floculao Sedimentao Flotao Filtrao

Coagulao Fenmeno qumico: Formao de espcies hidrolizadas

Fenmeno fsico: Transporte para que haja contato

Utiliza-se de sais de alumnio ou de ferro, ou depolmeros que alteram a fora inica do meio esua eficincia depende da concentrao do metale do pH final da mistura.

A coagulao proveniente de quatro mecanismos distintos: Compresso da camada difusa Adsoro e neutralizao Varredura Adsoro e formao de ponte

Condies de coagulao/floculao

Para determinao em Estao de Tratamento degua (ETA) ou de efluentes industriais soutilizados Jarteste, ou Teste de Jarros.

Determinao da eficincia.

Dosagem tima.

possvel medir a qualidade da gua tratadaaps a separao dos slidos floculados, apssedimentao ou filtrao.

- Jar-Test

Temperatura A temperatura tem efeito significativo nos

processos de Coagulao, Floculao e Sedimentao;

provoca viscosidade da gua: formao de espcies hidrolisadas do metal presente no coagulante.

Objetivos Neste estudo procurou-se identificar a influncia da

variao da temperatura na concentrao docoagulante a ser dosado nos ensaios, o que podegerar uma minimizao de sua utilizao econsequentemente da produo de lodo de ETA

O teste de bancada com ensaio de jarros teve oobjetivo de avaliar a eficincia do coagulante sulfatofrrico ((Fe2 (SO4)3) submetendo as amostras degua bruta s temperaturas diferentes.

Metodologia AS INSTALAES E A AMOSTRA:

As anlises foram realizadas no Laboratrio deSaneamento da Escola de Engenharia Civil-UFG.

Os parmetros analisados foram cor aparente, pH eturbidez.

Ribeiro Joo Leite ETA Jaime Cmara, localizada emGoinia- GO, a uma altitude de 749m. Produoabastece 55% da populao goiana, com uma vazomdia mensal de 4.200.000m3.ms-1.

Regio Metropolitana de Goinia:

engloba treze municpios;

ocupa uma rea de 5.800 km.

a regio mais expressiva do

estado de Gois, contm cerca de:

35% de sua populao total, com

um pouco mais de 2 milhes de

pessoas;

TRINDADE

GUAP

BELA VISTA DE GOIS

HIDROLNDIAARAGOINIA

GOINIA

SENADOR CANEDO

APARECIDA DE GOINIA

NERPOLIS

ABADIA

GOIANPOLIS

SANTO ANTONIO DE GOIS

GOIANIRA

COM REDE E COM ETE

COM REDE SEM ETE

SEM REDE SEM ETE

Equipamentos utilizados:

O equipamento de teste de jarros do modelo 218 Nova tica, com seis jarros e medidas externasde 1.200(l) x 510 (p) x 540 (h).

pHmetro pH MeterTec-2 Tecnal, Turbidmetro eEspectrofotmetro da Hach, modelo DR 890.

- Colormetro / Turbidmetro

COAGULANTE SULFATO FRRICO

Foram usados 06 jarros com diferentes dosagens do coagulante

A mistura rpida foi realizada durante 1 minuto comgradiente de velocidade mdio de 700 .s-1

O tempo de floculao ocorreu em 20 minutos comgradiente de velocidade mdio de 40 s-1

A coleta da amostra de gua decantada foi realizadadepois de um intervalo de 10 minutos (com o aparelhodesligado)

Dosagens e Temperaturas: Dosagens: 16 mg/L 18 mg/L 20 mg/L 22 mg/L 24 mg/L 26 mg/L

Temperaturas: 16C 20C 22C 24C 26C 28C 30C

Resultados e discusso

Quanto maior a temperatura maior a dosagem do coagulante necessrio para obter gua com turbidez ou cor remanescente menor, ou seja qualidade melhor.

20,0

30,0

40,0

50,0

60,0

16C 20C 22C 24C 26C 28C 30C

%

% de Remoo de COR

16 mg/L

18 mg/L

20 mg/L

22 mg/L

24 mg/L

26 mg/L

50,0

55,0

60,0

65,0

70,0

75,0

80,0

85,0

90,0

16C 20C 22C 24C 26C 28C 30C

%

% de Remoo de Turbidez

16 mg/L

18 mg/L

20 mg/L

22 mg/L

24 mg/L

26 mg/L

20,00

40,00

60,00

80,00

100,00

120,00

140,00

16C 20C 22C 24C 26C 28C 30C

Co

r (P

tCo

)

Cor versus Temperatura

16 mg/L

18 mg/L

20 mg/L

22 mg/L

24 mg/L

26 mg/L

1,00

1,50

2,00

2,50

3,00

3,50

16C 20C 22C 24C 26C 28C 30C

Tu

rbid

ez

(UN

T)

Turbidez versus Temperatura

16 mg/L

18 mg/L

20 mg/L

22 mg/L

24 mg/L

26 mg/L

Em locais onde a variao da temperatura entre odia e noite, podem estar gastando maiscoagulante e obtendo gua de pior qualidade.

Realizao de ensaios jar teste (in loco) durante anoite (com temperaturas menores), com oobjetivo em se adequar a dosagem, gerando osseguintes benefcios: - reduo da dosagem de coagulante; - menor volume de resduo de decantador; - gua decantada de melhor qualidade refletindo em

uma maior durao da carreira de filtrao, gerando menos resduo durante as lavagens dos filtros.

Obrigado!!

AVALIAO DA EFICINCIA DO COAGULANTE SULFATO FRRICO,EMDIFERENTES TEMPERATURASIntroduoCoagulaoSlide Number 4Condies de coagulao/floculao- Jar-TestTemperaturaObjetivosMetodologiaSlide Number 10Slide Number 11- Colormetro / TurbidmetroSlide Number 13Slide Number 14Dosagens e Temperaturas:Resultados e discussoSlide Number 17Slide Number 18Slide Number 19Slide Number 20Slide Number 21Obrigado!!