Avaliação Somatotipo

Embed Size (px)

Text of Avaliação Somatotipo

1

TEXTO 6

AVALIAO DO SOMATTIPOA anlise do somattipo constitui-se em um recurso extremamente til direcionado deteco e ao acompanhamento das repercusses associadas variao da forma corporal que podem surgir em razo dos processos de crescimento fsico e de maturao biolgica e na monitorao das adaptaes de cunho morfolgico provenientes de intervenes dietticas e de programas de exerccios fsicos. Em linhas gerais, o somattipo caracteriza-se como tcnica derivada da rea biotipolgica voltada descrio e interpretao da configurao morfolgica exterior ou da complexo fsica apresentada pelo avaliado na classificao de seu tipo fsico.

Correntes biotipolgicasO interesse e a necessidade em classificar o tipo fsico de acordo com a forma corporal vm desde dos tempos da Grcia Antiga. A primeira proposta de classificao do tipo fsico de que se tem conhecimento parece ter sido apresentada por Hipcrates (460 - 370 a.C.) sob duas denominaes bsicas: habitus ptisicus (sujeito magro, com predominncia do eixo longitudinal, de cor plida e com tendncia introverso) e habitus apopleticus (sujeito com formas de predomnio do eixo transversal, tronco em propores iguais ou maiores que os membros, musculoso, de cor avermelhada e com comportamento ativo e extrovertido. As classificaes dos tipos fsicos eram aliceradas em observaes e conceitos baseados em pressupostos filosficos em que predominava o empirismo tpico da poca). Desde ento, a preocupao em classificar biotipologicamente o corpo humano tem despertado enorme ateno dos estudiosos da rea. Contudo, somente no incio do sculo XX surgiram as primeiras definies cientficas voltadas distino dos diferentes tipos fsicos. Nessa poca, de acordo com os indicadores utilizados na classificao do tipo fsico (anatmico, somtico, psquico ou somtico-psquico) podem-se identificar diferentes correntes de classificao biotipolgica. Em razo da nacionalidade de seus idealizadores, estas correntes biotipolgicas tambm so denominadas por escola francesa, escola italiana e escola alem. A corrente biotipolgica com base em elementos anatmicos foi desenvolvida por volta de 1910 pelo francs Sigaud e procura descrever quatro tipos bsicos, determinados pelo predomnio das regies ceflica, torcica ou abdominal a escola francesa: Tipo respiratrio: trax dominando o abdome, com predominncia da poro mdia da face; Tipo digestivo: abdome dominando o trax e maior projeo da poro inferior da face; Tipo muscular: tronco e face proporcionalmente desenvolvidos; e Tipo cerebral: predomnio dos membros, da caixa craniana e da poro superior da face. Baseando-se em eventuais associaes entre as incidncias e os agravos de disfunes psquicas e a forma do corpo, o psiquiatra alemo Ernst Kretschmer, em 1926, sugeriu nova classificao do tipo fsico como resultado da observao dos hbitos e do carter psquico dos pacientes a escola alem. Inicialmente sua classificao contemplava trs tipos fsicos:

2

Leptossnico: elevada estatura, magro, ombros estreitos, temperamento introvertido, distante da realidade, metafsico, com tendncia esquizofrenia; Pcnico: elevado peso corporal, musculatura flcida, trax e abdome largos e profundos, temperamento extrovertido, realista, espontneo, com tendncia psicose manaco-depressiva; e Atltico: tipo fsico harmoniosamente proporcional, esqueleto bem desenvolvido, musculoso, com temperamento que tende a evoluir para a epilepsia. Na seqncia, passou-se a aceitar um quarto tipo fsico, considerado patolgico: Displsico: sujeito atpico, disforme, temperamento com tendncia oligofrenia. A terceira corrente biotipolgica, surgida em 1933 e fundamentada em medidas antropomtricas, tem como principal representante o pesquisador italiano Viola. Por este mtodo, tendo como referncia a estatura, desenvolvem-se anlises comparativas entre as dimenses antropomtricas associadas ao tronco e aos membros e definem-se trs tipos morfolgicos a escola italiana: Normolneo: desenvolvimento harmnico entre as dimenses do tronco e dos membros; Brevilneo: predomnio das dimenses do tronco sobre as dos membros; e Longilneo: predomnio das dimenses dos membros sobre as do tronco. Com base em adaptaes nos mtodos propostos por Viola, Nicola Pende, outro estudioso italiano, criou novo mtodo antropomtrico de classificao do tipo fsico. Por este mtodo, admite-se que a forma corporal resultado de componentes genticos (herana morfolgica, fisiolgica e psicolgica) associados ao ambiente, dos quais surgem quatro grupos de tipos fsicos fundamentais: Longilneo estnico: estatura e peso corporal discretamente inferiores mdia, magro, esqueleto e musculatura desenvolvida, predomnio das dimenses do tronco sobre as dos membros, crnio mesocfalo ou braquicfalo; Longilneo astnico: estatura superior ou inferior mdia, peso corporal deficiente, msculos e esqueleto frgeis, predomnio das dimenses dos membros (sobretudo dos membros inferiores, sobre as do tronco), trax e abdome achatados; Brevilneo estnico: estatura inferior mdia, peso corporal elevado, esqueleto e musculatura desenvolvidos, tronco largo e macio, membros inferiores curtos; e Brevilneo astnico: estatura superior ou inferior mdia, peso corporal elevado, menores dimenses dos membros inferiores, tronco curto, abdome grande, tecido adiposo abundante, flcido, atnico.

3

Surgimento e evoluo do somattipoGrande avano na rea da biotipologia humana ocorreu na dcada de 1940, quando Sheldon e sua equipe propuseram nova classificao do tipo fsico com base na origem embrionria dos tecidos. Esta nova proposta surgiu de estudos que visavam a classificar grande nmero de sujeitos nos tipos fsicos sugeridos pelas escolas alem e italiana. Destes, aps o tratamento recomendado das informaes, no foi possvel classificar mais que um pequeno nmero de sujeitos como pertencentes nitidamente a determinado tipo fsico. Na grande maioria dos sujeitos analisados constatou-se grande miscelnea de caractersticas atribudas aos diferentes tipos fsicos at ento preconizados. Em vista disso, prontamente levantou-se a hiptese de que, embora possam existir tipos fsicos bsicos, um mesmo sujeito pode apresentar simultaneamente quantidades variadas ou caractersticas comuns aos diferentes tipos fsicos 16. Essas evidncias permitiram estabelecer o conceito de que enquadrar qualquer sujeito em determinado tipo fsico especfico pode ocasionar graves deturpaes de classificao. Em assim sendo, na tentativa de minimizar eventuais distores de interpretao recomendou-se a utilizao de uma escala de medida na identificao de cada um dos tipos fsicos. Com base nesses novos conhecimentos surgiu o termo somattipo a princpio como quantificao dos trs componentes primrios, voltados determinao da estrutura morfolgica do sujeito expresso em uma srie seqencial de trs numerais em uma mesma ordem e separados por hfen, em que o primeiro refere-se endomorfia, o segundo mesomorfia, e o terceiro ectomorfia. A denominao dos trs componentes primrios na determinao do somattipo foi derivada das trs camadas do embrio: endoderme, mesoderme e ectoderme. A endomorfia relaciona-se participao da adiposidade no estabelecimento do tipo fsico, a mesomorfia reflete a influncia do desenvolvimento msculo-esqueltico e a ectomorfia traduz o envolvimento do aspecto de linearidade relativa do tipo fsico. Originalmente, admitia-se a existncia de relao entre a tendncia comportamental e os componentes primrios, mas nenhuma influncia de atributos associados ao ambiente no perfil somatotipolgico. O surgimento do somattipo tornou disponvel nova opo de classificao do tipo fsico por meio de uma escala numrica contnua, o que, at ento, era realizado por intermdio de julgamento emprico. Conseqentemente, os alicerces da tcnica do somattipo baseiam-se no quanto cada avaliado apresenta de endomorfismo, mesomorfismo e ectomorfismo. Por exemplo: admitindo um somattipo equivalente seqncia numrica 4-3-1, as caractersticas morfolgicas associadas endomorfia (4) tornam-se predominantes e acompanhadas das caractersticas morfolgicas relacionadas mesomorfia (3) e ectomorfia (1). A maior inovao na proposta do somattipo refere-se, de maneira contrria ao que as tcnicas anteriores sugeriam, ao fato de que de seus procedimentos no resultam de categorias mutuamente exclusivas. Neste caso, cada avaliado classificado nos trs componentes simultaneamente, porm com intensidade de participao varivel de cada um deles. Assim sendo, o numeral equivalente a um componente apresentado isoladamente no informa as caractersticas do somattipo, por isso necessrio obter os trs numerais para conhecer e interpretar a morfologia do avaliado. O mtodo proposto pela equipe de Sheldon para determinao do somattipo consiste em fotografar o avaliado com a tcnica definida em trs planos: frontal, dorsal e lateral. Depois, com os negativos das fotos procede-se diviso do corpo em cinco

4

regies (cabea e pescoo, trax, membros superiores, abdome e membros inferiores) e estabelecem-se 17 medidas expressas em porcentagem da estatura. Este conjunto de procedimentos fotoscpico denomina-se de somatoscopia. Para a interpretao dos resultados busca-se pontuar cada um dos componentes com uma escala de medida que oscila entre valores inteiros de 1 a 7, conforme sua predominncia, limitando-se a soma dos trs componentes a uma variao entre 9 e 12 pontos com base nos modelos contidos em um atlas de tipos fsicos idealizado pelos autores da proposta. Deste modo, com fulcro nas combinaes dos valores atribudos a cada um dos componentes do somattipo torna-se possvel identificar o tipo fsico que mais proximamente atende s formas corpreas apresentadas pelo avaliado. A figura 6.63 procura ilustrar dois modelos de somattipos contidos no atlas de tipo fsico:

INSERIR FIGURA 6.63Figura 6.63 "!#%$&'(!#)'021)354 tipo 2-1-7 (A) e 1-7-1 (B) contidos no atlas do tipo fsico. Adaptado de Sheldon 16 A proposio do atlas de tipos fsicos, o que se denominou Atlas Humano, baseia-se em levantamento fotoscpico realizad