of 136 /136
UO: SENAI DENDEZEIROS DR: BA

Avaliação Senai€¦ · Percentual Percentual Senai

  • Author
    others

  • View
    8

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Avaliação Senai€¦ · Percentual Percentual Senai

  • UO: SENAI DENDEZEIROSDR: BA

  • Relatório da Unidade Operacional

  • CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA – CNI

    Robson Braga de AndradePresidente

    DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA – DIRET

    Rafael Esmeraldo Lucchesi RamacciottiDiretor de Educação e Tecnologia

    SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL – SENAI

    Conselho Nacional

    Robson Braga de AndradePresidente

    SENAI – Departamento Nacional

    Rafael Esmeraldo Lucchesi RamacciottiDiretor Geral

    Gustavo Leal Sales FilhoDiretor de Operações

  • SUMÁRIO

    1. Introdução...................................................................................

    2. A Avaliação de Desempenho dos Estudantes............................

    3. Metodologia da Avaliação...........................................................

    4. Cursos Avaliados ........................................................................

    5. Resultados da Unidade Operacional.........................................

    pág. 05

    pág. 07

    pág. 09

    pág. 15

    pág. 102

  • 1. INTRODUÇÃO

    Prezado(a) Gestor(a),

    ao longo das discussões que tivemos acerca das Diretrizes Curriculares da Educação Prossional e Tecnológica, ponderamos que a formação do estudante deve compreender a relação entre a produção e o meio social, além de sua capacidade de ser autônomo e crítico em seu trabalho. Entendemos, também, que a formação não pode ser direcionada apenas para a empregabilidade, isto é, a formação desses estudantes não deve ser uma condição voltada exclusivamente para o ingresso e permanência no mercado de trabalho.

    Alinhado com as políticas públicas e exigências do setor industrial e considerando a importância da avaliação para alimentar os processos educacionais, o Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) implantou o Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), com a nalidade de vericar a ecácia e a efetividade da oferta educacional e também implementar melhorias nos processos de ensino e aprendizagem.

    Diferentemente dos processos tradicionais, que valorizam a avaliação apenas de conteúdos, a proposta do SAEP é avaliar o desempenho do estudante e suas competências previstas nos pers prossionais nacionais dos cursos. Em outras palavras, o objetivo é investigar, através da avaliação dos estudantes concluintes, o grau de desenvolvimento das capacidades básicas, técnicas e de gestão, além de aferir o alcance das competências necessárias ao desempenho da ocupação do estudante/prossional egresso, conforme preconiza a Metodologia SENAI de Educação Prossional.

    Nesse sentido, oferecemos como um dos produtos da avaliação o Relatório da Unidade Operacional (UO). Neste, os resultados são apresentados para que seja possível a você, gestor da UO, avaliar a concepção dos projetos e planos de cursos, sua implantação e desenvolvimento quanto à atuação do corpo docente, à infraestrutura e à gestão escolar. Além desses, são apresentados a análise das competências e das capacidades/habilidades dos estudantes dos cursos avaliados a m de cumprir dois objetivos principais: referenciar a elaboração de estratégias pedagógicas e de gestão e orientar a elaboração de seu planejamento.

    Além disso, são apresentados os resultados das prociências dos cursos de sua Unidade Operacional comparada ao desempenho obtido pelos estudantes do SENAI em todo o Brasil e dentro do Departamento Regional (DR) que você está inserido. Assim, por exemplo, você verá o resultado do curso técnico de sua UO, a média de prociência do resultado do mesmo curso no DR e a média da prociência de todos os estudantes desse curso no Brasil. Dessa forma, oferecemos mais uma ferramenta para que você possa acompanhar não somente o desenvolvimento organizacional dos cursos de sua Unidade Operacional como também o processo de ensino-aprendizagem das mesmas.

    Sendo assim, esta publicação traz informações sobre o delineamento da pesquisa (capítulos 1 a 4), as prociências e os percentuais de acerto alcançadas pelos estudantes nos testes cognitivos (capítulo 5). Enviamos, também, o Caderno de Matrizes, onde são apresentadas as matrizes de referência de cada um dos 10 cursos avaliados pelo SAEP – 2012.

    05

  • 06

    Como compreender os resultados dos testes cognitivos?

    Caro gestor: apresentamos aqui um roteiro para que você possa compreender melhor os resultados de sua UO. Compreendemos que você, que possui o conhecimento cotidiano de sua Unidade Operacional, poderá se apropriar de tais resultados e trabalhá-los de maneira mais eciente e coerente com sua realidade. Vejamos um “passo a passo”.

    Tenha em mãos o Caderno de Matrizes. Veja que ele apresenta uma matriz especíca para cada curso avaliado no SAEP 2012.

    Tomemos, como exemplo, a matriz de referência do Curso Técnico em Vestuário. Observe que nela se apresenta, no canto superior à esquerda, a competência geral que se exige de um estudante egresso do curso. Nesse caso: “Implementar e supervisionar o processo produtivo do vestuário e participar do processo de desenvolvimento do produto, de acordo com os padrões estabelecidos pela empresa, seguindo normas técnicas, de saúde e segurança do trabalho, princípios de gestão da qualidade e de preservação ambiental”. Ou seja, um prossional formado no curso técnico em Vestuário deverá ter noção desses itens gerais.

    Ao lado direito da descrição da Competência Geral, no alto da Matriz, há a apresentação das Capacidades, que são aptidões que os estudantes devem desenvolver durante sua formação. Elas se dividem em capacidades básicas, técnicas e de gestão.

    Como exemplo de leitura dos resultados, vamos analisar o item VE181TEC do teste cognitivo, que está apresentado neste relatório (na descrição dos padrões de desempenho do curso técnico em Vestuário, no padrão Adequado).

    Observe que esse item diz respeito à Capacidade “C10 - 3.2”. Na Matriz de referência, C10 diz respeito à seguinte capacidade Técnica: “Otimizar os métodos das operações nos setores produtivos”.

    E o que signica o 3.2? Observe que, na Matriz, existem 3 Unidades de Competência (descritas no canto esquerdo da Matriz). Assim, na descrição da Unidade de Competência 3 (UC3), espera-se que o técnico em Vestuário seja capaz de: “Participar do processo de desenvolvimento do produto, de acordo com os padrões estabelecidos pela empresa, seguindo normas técnicas, de saúde e segurança do trabalho, princípios de gestão da qualidade e de preservação ambiental”.

    Dentro dessa Unidade de Competência (UC3), são apresentadas na coluna subseqüente (à direita da coluna das Unidades de Competência) os Elementos de Competência, que são descrições mais especícas das habilidades que se espera que um técnico em Vestuário consiga desempenhar. Assim, o Elemento de Competência 3.2 se refere a: “Viabilizar a execução do protótipo”.

    O que signica dizer, então, que o item VE181TEC do teste cognitivo diz respeito à Capacidade “C10 - 3.2”?

    Quer dizer que o estudante avaliado no teste, que respondeu corretamente a letra “A” nesse item, possui a Capacidade Técnica de otimizar os métodos das operações nos setores produtivos, por exemplo, viabilizando a execução do protótipo.

  • 07

    2. A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES

    A Avaliação de Desempenho do Estudante, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), foi concebida para avaliar, em âmbito nacional, os cursos de educação prossional oferecidos pelo SENAI. Esta ação avalia o desempenho de estudantes concluintes, com o objetivo de aferir as competências necessárias ao desempenho da ocupação. Além disso, deve também subsidiar a manutenção ou o redirecionamento de ações pedagógico-institucionais adequadas aos seus contextos locais, contribuir para mudanças no processo de ensino-aprendizagem e de gestão educacional necessárias ao contínuo avanço da educação prossional, proporcionar maior transparência à educação prossional e tecnológica do SENAI e contribuir para o levantamento de indicadores de qualidade educacional.

    Por meio desta ação, prevê-se a construção de uma série histórica das avaliações, visando a um diagnóstico do perl de saída do estudante, permitindo uma análise da efetividade do processo de ensino-aprendizagem e de suas relações com fatores externos. A análise dos resultados possibilitará a identicação das necessidades, demandas e problemas do processo formativo, considerando-se as exigências de competitividade da indústria, assim como os princípios expressos nas políticas do Ministério da Educação e nas diretrizes do SENAI para a educação prossional.

    OBJETIVOS Avaliar consiste, essencialmente, em determinar em que medida os objetivos

    previstos estão sendo realmente alcançados. Por meio da Avaliação de Desempenho do Estudante, pretende-se:

    ∙ contribuir para o levantamento de indicadores de qualidade educacional;

    ∙ contribuir para mudanças no processo de ensino-aprendizagem e de gestão educacional necessárias ao contínuo avanço da educação prossional;

    ∙ proporcionar maior transparência à educação prossional e tecnológica do SENAI;

    ∙ subsidiar a manutenção ou o redirecionamento de ações pedagógico- institucionais adequadas aos seus contextos locais;

    ∙ produzir referenciais de qualidade de desempenho; e

    ∙ promover a cultura da avaliação e criar uma rede de boas práticas.

    Para o cumprimento das metas de melhoria da educação, propostas para a formação prossional do SENAI, as ações de monitoramento precisam contar com instrumentos de divulgação que informem, da melhor maneira possível, os resultados alcançados. É preciso assegurar que esses resultados sejam apropriados pelos gestores, docentes e estudantes como indicativos da qualidade educacional. A apropriação, de forma crítica e autônoma, permite a esses agentes a utilização dos resultados para aperfeiçoar o próprio sistema. É importante reforçar que os resultados não devem motivar a distribuição de sanções ou prêmios ou estimular a construção de rankings, mas que sejam utilizados para estabelecer metas de desempenho, assim como constituir referenciais que permitam a denição de ações voltadas para melhoria da qualidade dos cursos.

  • 08

    Com esse propósito, o SENAI, em parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF), apresenta uma ampla política de divulgação e apropriação dos resultados do Avaliação de Desempenho dos Estudantes. Os produtos da divulgação foram elaborados sob três importantes princípios: o de informar os resultados da avaliação, o de subsidiar as ações de intervenção pedagógica e o de fornecer indicadores para a elaboração de ações estratégicas a nível gerencial. Com essa ação o SENAI presta contas à sociedade acerca da qualidade dos serviços educacionais desenvolvidos em sua rede de ensino.

    Assim, além do Relatório de Unidade Operacional que ora divulgamos, serão apresentados outros três documentos, que trazem os resultados da avaliação dos cursos de formação prossional do SENAI. São eles:

    Relatório Geral: oferece informações gerais sobre a participação dos estudantes na avaliação. Apresenta de modo sintético, os resultados da avaliação, o perl dos estudantes e docentes avaliados, além de discussões sobre o ensino prossional no Brasil.

    Relatório do Departamento Regional: oferece informações gerais sobre a participação dos estudantes na avaliação e os resultados alcançados por cada Departamento Regional (DR). Apresenta de modo sintético, os padrões de desempenho estudantil denidos pelo SENAI, o perl dos estudantes e docentes avaliados, além de discussões sobre o ensino prossional no Brasil.

    Caderno de Matrizes: apresenta as matrizes com as Unidades de Competência, Elementos de Competência e Capacidades dos Cursos avaliados em 2012.

    A partir desse diagnóstico será possível uma dupla orientação: referenciar, por parte do SENAI, a elaboração de estratégias pedagógicas para todo o sistema educacional e, por parte dos Departamentos Regionais, orientar a elaboração de seu planejamento.

  • 09

    3. METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO

    Avaliar os conhecimentos e capacidades dos estudantes por meio de uma prova objetiva requer clareza de que se está avaliando algo abstrato e que não é passível de ser medido de forma direta. Para conhecer os objetos de caráter abstrato, traço latente, a Psicometria usa símbolos que apresentam parâmetros de avaliação. Esses parâmetros necessitam alcançar uma denição substantiva, não sendo suciente seu entendimento em termos puramente estatísticos. Em Psicometria, duas vertentes apresentam contribuições no estudo de instrumentos de avaliação: a Teoria Clássica dos Testes (TCT), em que os parâmetros envolvidos são comportamentos e refletem as ações dos indivíduos; e a Teoria de Resposta ao Item (TRI) uma teoria mais moderna, cujos parâmetros referem-se também aos traços latentes.

    TEORIA CLÁSSICA DOS TESTES

    Na avaliação interna, realizada em sala de aula, o docente, com base no planejamento pedagógico, pode utilizar vários instrumentos para avaliar o processo de aprendizagem dos estudantes. Em geral, a nota atribuída a cada estudante resulta dos acertos e erros às questões propostas. Esse procedimento é próprio do que se denomina Teoria Clássica dos Testes (TCT). A TCT é uma representação simbólica dos fatores que influenciam as respostas dos indivíduos aos instrumentos de avaliação. Na TCT, há parâmetros que descrevem a distribuição das respostas dos indivíduos por meio de dois indicadores: diculdade e discriminação.

    TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

    A Teoria de Resposta ao Item (TRI) corresponde a outra forma de explicar as respostas dos indivíduos aos instrumentos de avaliação. Diferentemente da TCT, a TRI sugere formas de representar a probabilidade de um indivíduo dar uma resposta correta a um item em função da sua habilidade e das características do item. Dessa maneira, na TRI, cada item é considerado individualmente, sendo indicados os fatores que afetam a probabilidade de cada item ser respondido de maneira correta (PASQUALI, 2004). Tem-se, portanto, o modelo de TRI com três parâmetros “a, b e c”:

    Discriminação (a): capacidade do item de discriminar, entre os estudantes, aqueles que desenvolveram habilidades e os que não desenvolveram.

    Diculdade (b): o grau de diculdade dos itens: fáceis, médios ou difíceis. Os itens estão distribuídos de forma equânime entre os diferentes cadernos de testes, possibilitando a criação de diversos cadernos com o mesmo grau de diculdade.

    Probabilidade de Acerto ao Acaso (c): a análise das respostas do estudante para vericar aleatoriedade nas respostas: se for constatado que ele errou muitos itens de baixo grau de diculdade e acertou outros de grau elevado – o que é estatisticamente improvável – o modelo deduz que ele respondeu aleatoriamente às questões.

  • 10

    Podemos destacar ainda duas das principais características dessa metodologia, que a tornaram tão empregada na área educacional:

    1. Construção da escala de conhecimento: após a aplicação de testes, as respostas dos estudantes aos itens são processadas de forma a constituir uma base de dados. Através desta base de dados e a utilização da TRI, são calculados, através de softwares especícos, as características matemáticas dos itens ou parâmetros e as prociências dos estudantes. Em seguida, são realizados procedimentos matemáticos, denominados equalizações, de forma a colocar as prociências dos estudantes e parâmetros dos itens em determinada escala.

    2. Interpretação da escala de conhecimento: o processo de interpretação da escala de conhecimento é a tradução dos resultados da medida da habilidade em termos de seu signicado cognitivo e educacional. Desta forma, especialistas das áreas avaliadas, utilizando as prociências dos estudantes e os parâmetros dos itens, interpretam o que signica pedagogicamente estar em determinadas categorias de desempenho. Ou seja, o que os estudantes, cujas prociências localizam-se em cada nível, são capazes de fazer. Isso envolve a produção de textos adequados aos principais interessados nos resultados, tendo como leitores prioritários os educadores, mas dirigidos, também, a gestores, especialistas, dentre outros. Essa etapa de comunicação e publicidade dos resultados é de fundamental importância, para que a escala cumpra seus objetivos principais. Portanto, a escala deve estar organizada e disposta de modo a refletir os desaos de cada etapa da aprendizagem, de cada habilidade avaliada, de cada etapa do desenvolvimento cognitivo típico do conteúdo (dimensão) que avalia.

    CARACTERÍSTICAS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES

    Para avaliação dos cursos técnicos do SENAI, foram aplicados testes cognitivos elaborados com base na Matriz de Referência estabelecida nacionalmente para cada um dos cursos. Os resultados desses testes foram alocados em uma escala de prociência que varia de 0 a 1000, com média 500 e desvio padrão 100, confeccionada a partir da TRI.

    O QUE É MATRIZ DE REFERÊNCIA?

    Nas avaliações em larga escala, as matrizes de referência apresentam o objeto dos testes. A proposta adotada pelo SENAI, com a implantação da Avaliação de Desempenho do Estudante, é uma avaliação com foco no desenvolvimento de competências, em conformidade com os pers prossionais de conclusão dos cursos avaliados. Segundo Le Boterf (2003) e Zarian (2003), competência é a capacidade de o sujeito agir diante de situações-problema inusitadas, a partir da mobilização dos recursos (cognitivos, sociais e afetivos) necessários à sua resolução. A competência não reside nos recursos a mobilizar, mas na sua mobilização e articulação para que seja possível tomar decisões e fazer encaminhamentos adequados e úteis ao enfrentamento de situações, como a resolução de um problema ou a tomada de uma decisão. Em síntese, a competência pertence à ordem do “saber mobilizar”. Assim, o desenvolvimento de competências pressupõe que o indivíduo não somente adquira recursos — como conhecimentos, habilidades, atitudes e valores —, mas construa, a partir deles, combinações apropriadas à ação. Desse modo, conhecimentos, habilidades, valores e atitudes são elementos constitutivos das competências, mas não se confundem com elas.

  • 11

    Assume-se que o desenvolvimento de competências é um processo contínuo e, assim, não faz sentido dizer que um indivíduo tem ou não determinada competência, mas sim, estabelecer o grau de desenvolvimento daquela competência no momento em que for feita a avaliação. Nesse sentido, a construção de uma escala de prociência com níveis de desenvolvimento torna-se bastante adequada ao propósito de uma avaliação de competências. É nesse ponto que a utilização das teorias de medida, em especial a teoria de resposta ao item (TRI), tem muito a contribuir para que sejam feitas as inferências adequadas acerca do desempenho dos participantes no processo de avaliação. Isso é feito, após a aplicação dos instrumentos, também com o auxílio da matriz de referência, que subsidiará a interpretação dos resultados.

    Essa abordagem conceitual de competência impõe que os itens elaborados devem privilegiar contextos vivenciados pelos estudantes durante sua formação prossional, pois são as situações dessa natureza que mais se aproximam do modo como as competências são desenvolvidas. Dessa forma, o foco da avaliação deve ser a análise de situação-problema, para a qual o estudante deve mobilizar saberes teórico-conceituais, práticos e éticos para a sua resolução. A aprendizagem é, portanto, destacada com referência à autonomia intelectual do sujeito ao nal da educação prossional, mediada pelos princípios da cidadania e do trabalho. A construção dos itens foi embasada em unidades menores denominadas Unidades de Competências (UC), Elementos de Competências (EC) e Capacidades (C). Cada capacidade representa uma habilidade especíca e, a partir das respostas dos estudantes, verica-se o que eles sabem e conseguem fazer.

    Em geral, a matriz de referência apresenta as descrições de forma bastante sucinta, o que acaba por estabelecer a necessidade de uma orientação para torná-las claras e compreensivas para os usuários da matriz, principalmente os elaboradores de itens, a m de não deixar margem de erro no momento de interpretação. Essa orientação inclui a denição constitutiva de cada construto ou traço latente e a denição operacional. Na primeira, faz-se uma descrição conceitual detalhada e precisa do signicado do construto a ser medido e, na segunda, elencam-se as diferentes formas de manifestação do construto, isto é, como ele pode ser avaliado. Isso será uma orientação fundamental no momento de criação dos itens, pois a ausência de uma denição clara pode causar confusão e sobreposição no uso dos termos estabelecidos.

    Em síntese, o passo a passo de elaboração de uma matriz de referência de competências, para avaliação de larga escala dos cursos do SENAI, pode ser assim esquematizado:

    ∙ leitura e análise detalhada do perl prossional e do desenho curricular;

    ∙ escolha das unidades de competência e de seus respectivos elementos de competência que serão objeto de avaliação;

    ∙ escolha dos padrões de desempenho que se relacionam com cada elemento de competência, considerando o tipo de instrumento de avaliação que será utilizado;

    ∙ inserção das unidades de competência, dos elementos de competência e dos padrões de desempenho nas primeiras colunas da matriz;

    ∙ listagem das capacidades básicas, técnicas e de gestão que compõem cada elemento de competência, que devem listadas na linha superior da matriz;

    ∙ escolha das capacidades fundamentais a serem avaliadas, considerando também o tipo de instrumento que será utilizado;

    ∙ análise acurada das capacidades, eliminando aqueles que já estão inseridas na avaliação de outras listadas;

  • 12

    ∙ preenchimento do “X” da célula, em duas etapas: primeiro, analisando-se cada elemento de competência e escolhendo quais as capacidades necessárias à avaliação desse elemento; segundo, analisando-se a matriz por coluna, ou seja, a transversalidade de cada capacidade em relação a todos os elementos de competência listados;

    ∙ escolha dos objetos de conhecimento a partir do desenho curricular, devendo ser listados e numerados na ordem em que se julgar mais conveniente;

    ∙ substituição de cada “X” da matriz pelos números dos objetos de conhecimento que serão utilizados como meio para avaliação do desenvolvimento da respectiva capacidade para se atingir o elemento de competência a ela relacionado;

    ∙ detalhamento da Matriz - Redação da denição constitutiva e operacional de cada construto a ser avaliado;

    ∙ validação semântica da matriz;

    ∙ revisão e reestruturação da matriz, se necessário.

    ESCALAS DE PROFICIÊNCIA

    Nas avaliações educacionais em grande escala, a prociência é uma medida que representa um determinado traço latente (aptidão) de um estudante. Podemos dizer que o conhecimento de um estudante em determinado conteúdo é um traço latente que pode ser medido através de instrumentos compostos por itens elaborados a partir de uma matriz de referência. Estes itens e as prociências dos estudantes avaliados são alocados em um mesmo contínuo, uma “régua” elaborada com valores arbitrariamente escolhidos, mas com intervalos equidistantes. No caso da Avaliação de Desempenho dos Estudantes optou por estabelecer a média e o desvio padrão de todos os cursos, respectivamente, em 500 e 100.

    Usualmente, nos Programas de Avaliação Educacional em Larga Escala no Brasil, a construção da escala de prociência envolve dois procedimentos básicos: (i) identicação de itens âncora, (ii) interpretação pedagógica desses itens. Esses procedimentos se refletem na produção de escalas de prociência, nas quais se distribuem níveis ordinais de prociência. Para um item ser considerado âncora, é necessário que seja respondido corretamente por uma grande proporção de indivíduos (pelo menos 65%) com esse nível de habilidade e por uma proporção de indivíduos (no máximo 50%) com nível de habilidade imediatamente anterior. Além disso, a diferença entre a proporção de indivíduos com esses níveis de habilidade que acertam o item deve ser de pelo menos 30%. Assim, para um item ser âncora, ele deve ser um item típico daquele nível, ou seja, bastante acertado por indivíduos com aquele nível de prociência e pouco acertado por indivíduos com um nível de habilidade imediatamente inferior (Brasil, 1999).

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    A partir dos fundamentos utilizados para construir a escala de prociência e das informações fornecidas por cada item são elaborados pontos de corte. Os itens ancorados em determinado intervalo da escala trazem a identicação das capacidades avaliadas e com isso é possível descrever o que os estudantes ali classicados desenvolveram. Esses intervalos são usualmente denominados Padrões de

  • Desempenho, eles fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Nesta edição da Avaliação de Desempenho dos Estudantes do SENAI os pontos de corte são iguais para todos os cursos avaliados, porém cada curso possui uma descrição especíca, as quais serão apresentadas adiante. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    Abaixo do básico – até 350

    Os estudantes que apresentam esse padrão de desempenho revelam ter desenvolvido competências e habilidades muito aquém do que seria esperado para o seu desempenho técnico e/ou prossional.

    Básico – de 350 a 450

    Os estudantes que apresentam esse padrão de desempenho demonstram já terem começado um processo de sistematização e domínio das habilidades consideradas básicas e essenciais ao bom desempenho técnico e prossional.

    Adequado – de 450 a 650

    Os estudantes que apresentam esse padrão de desempenho demonstram já ter ampliado o leque de capacidades tanto no que diz respeito à quantidade quanto no que se refere à complexidade dessas, as quais exigem um maior renamento do processo cognitivo nelas envolvidos, gerando com isso um desempenho técnico e prossional almejado pela instituição formadora.

    Avançado – acima de 650

    Os estudantes que apresentam esse padrão de desempenho revelam ser capazes de realizar tarefas que exigem habilidades e técnicas mais sosticadas. Eles desenvolveram habilidades que superam aquelas esperadas para um desempenho prossional adequado. No padrão avançado, há uma peculiaridade no SENAI: os estudantes neste padrão também são aqueles cujo DR já está avançado na implantação do itinerário.

    13

  • 15

    4. CURSOS AVALIADOS

    CALÇADOSEDIFICAÇÕES

    ELETRÔNICAMANUTENÇÃO AUTOMOTIVA

    MECATRÔNICA

    MEIO AMBIENTE

    METALURGIA

    MINERAÇÃOSEGURANÇA DO TRABALHO

    VESTUÁRIO

  • 16

    CALÇADOS

    Esta seção apresenta os principais dados da Avaliação de Desempenho dos Estudantes, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), constituídos por meio dos testes cognitivos e questionários contextuais aplicados aos estudantes e docentes do curso técnicos em Calçados. Este curso está distribuído em 4 Unidades Operacionais pertencentes a 3 Departamentos Regionais. Dos 127 estudantes previstos, 103 estudantes participaram do teste cognitivo (81,1%) e, dentre esses, 102 responderam ao questionário contextual.

  • 17

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    Uma vez que o posicionamento dos itens norteia a descrição dos níveis da escala, para melhor compreensão dos resultados foram agrupados alguns níveis em intervalos maiores assim denominados Padrões de Desempenho, que apresentados fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    ABAIXO DO BÁSICO

    Até 350

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho demonstra capacidade inicial de conhecer as etapas do processo de fabricação de calçados e as respectivas máquinas e equipamentos.

    Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção

    A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    CA045TEC

    C2 -

    1.2

    B

    0%

    97,1%

    2,9%

    0%

    0% 0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores? A) Incorreta.

    Porque tem a função de fixação da agulha segurando-a em posição adequada auxiliando a

    costura.

    B) Gabarito.

    Porque é o calcador ou o rodízio que apoia

    sustentando a peça auxiliando no transporte do material.

    C) Incorreta.

    Porque tem a função de transmitir o movimento de giro do motor para o volante, acionando em movimento os elementos da máquina.

    D) Incorreta.

    Porque tem a função de fornecer a quantidade exata da linha à agulha durante a formação do ponto.

    E) Incorreta.

    Porque uma vez acionado transmite apenas o movimento aos demais elementos mecânicos da máquina.

  • 18

    BÁSICO

    350 a 450

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho consegue reconhecer princípios básicos da modelagem técnica e inicia o processo de compreensão da documentação técnica.

    Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    CA016TEC

    C2 -

    1.4

    A

    77,1%

    8,6%

    0%

    0% 14,3%

    0%

    RESOLUÇÃO O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Gabarito. O aluno considerou que o descarte de materiais contaminados com produtos químicos como solventes devem ser incinerados para não contaminarem a água.

    B) Incorreta. O aluno não considerou a possibilidade de contaminação do lixo orgânico que pode ser reaproveitado.

    C) Incorreta. O aluno não considerou a contaminação dos papeis que podem ser reciclados.

    D) Incorreta. O aluno não considerou que os produtos tóxicos devem ser armazenados separadamente.

    E) Incorreta. O aluno não considerou que os produtos tóxicos devem ser armazenados separadamente.

  • 19

    ADEQUADO

    450 a 650

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho consegue executar processos de confecção de calçados e desenvolve modelagem técnica. Além disso, ele seleciona materiais, elabora e interpreta documentos técnicos, desenvolve sequências operacionais, dimensiona capacidades produtivas e recursos necessários, utiliza ferramentas de qualidade e apura consumo de materiais. Esse aluno também demonstra conhecer a destinação correta de resíduos e a utilização correta de equipamentos de proteção.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    CA032TEC

    C5 -

    2.1

    B

    17,6%

    55,9%

    17,6%

    2,9%

    5,9%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O aluno considerou etapas do processo de montagem do solado no cabedal.

    B) Gabarito. O aluno compreendeu a sequência operacional do calçado durante ao processo de costura.

    C) Incorreta. O aluno considerou etapas do processo de preparação do solado.

    D) Incorreta. O aluno considerou etapas do processo de montagem do cabedal na forma.

    E) Incorreta. O aluno considerou etapas do processo de preparação do cabedal para receber o solado.

  • 20

    AVANÇADO

    Acima de 650

    O aluno que se encontra neste padrão, além das habilidades presentes nos outros padrões de desempenho, consegue calcular custos de produção, efetuar planejamento e programação de produção, aplicar ferramentas de gestão, coordenar grupos de trabalho. Além disso, ele analisa indicadores, participa na resolução de problemas e elabora leiautes de produção.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    CA180TEC

    C12 -

    3.2

    D

    12,5%

    34,4%

    15,6%

    37,5%

    0%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O aluno considerou somente as causas do evento.

    B) Incorreta. O aluno considerou o fluxo citado no enunciado

    C) Incorreta.

    O aluno analisou somente a frequência dos eventos

    D) Gabarito. O gráfico de Pareto permite priorizar esses eventos, identificando os 20% mais importantes.

    E) Incorreta. O aluno considerou a classificação dos eventos, mas não considerou a coleta de dados.

  • 21

    RESULTADOS GERAIS DO SEU CURSO

    A matriz de avaliação do Curso Técnico em Calçados do SENAI apresenta capacidades que os alunos devem desenvolver durante o curso. Com base nessa matriz foi elaborada uma prova objetiva de prociência em Calçados contendo itens construídos a partir das Unidades de Competências (UC), Elementos de Competências (EC) e Capacidades. As capacidades são organizadas em capacidades básicas (conhecimento/ saber), capacidades técnicas (habilidades/ saber fazer) e capacidades de gestão (atitude/ ser). A partir das respostas dos alunos, vericou--se o grau de alcance do perl prossional do curso.

    Apresentamos, a seguir, os dados coletados dessas provas, buscando elucidar o desenvolvimento dos estudantes em cada uma das competências e capacidades contidas na matriz de avaliação do curso.

    A Unidade de Competência 1 obteve o maior percentual de acerto enquanto a UC 3 cou com o menor, com uma amplitude de 12 pontos percentuais. A partir desses resultados é possível dizer que os responsáveis por esse curso nas unidades devem car atentos à Unidade de Competência que trata da gestão do processo produtivo de calçados, relativamente ela é a mais decitária.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA % de

    acerto Unidade de Competência 1: Produzir calçados, respeitando procedimentos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e de meio ambiente.

    54,8

    Unidade de Competência 2: Modelar calçados, respeitando procedimentos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e de meio ambiente.

    46,7

    Unidade de Competência 3: Gerir a produção de calçados, respeitando procedimentos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e de meio ambiente.

    42,8

    Total 48,0

  • 22

    A amplitude entre os Elementos de Competência é maior, 25,3 pontos percentuais, sendo que o menor percentual cou com o EC2 da Unidade de Competência 3 e o maior percentual com o EC4 da UC1. Os Elementos de Competências que tratam do controle e otimização da produção devem ser trabalhados mais amiúde com os estudantes do curso. Tanto no que se refere às Unidades, quanto aos Elementos, nenhuma das competências ultrapassa a barreira dos 66% de acerto, por isso não é possível descuidar de qualquer que seja. As competências referentes aos processos de gestão obtiveram os piores resultados e essa informação é consistente com os resultados apresentados para as capacidades.

    A capacidade ligada à gestão obteve o pior resultado, junto dela estão as Capacidades 11 e 12 que tratam do planejamento da produção e análise dos indicadores referentes ao processo produtivo, capacidades técnicas muito importantes no embasamento das decisões dos gestores.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA

    ELEMENTOS DE COMPETÊNCIA

    % de acerto

    Unidade de Competência 1

    Elemento de Competência 1: Processos de corte.

    42,6

    Elemento de Competência 2: Preparação e costura de calçados.

    61,7

    Elemento de Competência 3: Produção de solados e palmilhas

    51,5

    Elemento de Competência 4: Montagem e acabamento de calçados

    65,6

    Unidade de Competência 2

    Elemento de Competência 1: Modelagem de calçados.

    44,4

    Elemento de Competência 2: Confecção de protótipos.

    52,9

    Unidade de Competência 3

    Elemento de Competência 1: Planejamento da produção.

    46,3

    Elemento de Competência 2: Controle da produção.

    40,3

    Elemento de Competência 3: Otimização da produção.

    40,8

    Total 48,0

  • 23

    As capacidades com o maior percentual de acerto são, respectivamente: C02, que diz respeito ao conhecimento do processo de fabricação de calçados; C06, trata da elaboração de documentos; e C05, esta versa sobre técnicas de modelagem a partir da avaliação de critérios técnicos. Com base nos dados apresentados, é possível dizer que investimentos devem ser feitos no desenvolvimento de todas as competências e capacidades dos estudantes do referido curso, especialmente naquelas que se referem à gestão. Entretanto, isso não expressa que ações para as demais competências e capacidades não devam ser realizadas, pois ainda nota-se uma deciência no desenvolvimento dessas visto que o percentual de acerto, em média, não supera a metade.

    CAPACIDADES % de

    acerto

    BÁSICAS

    C01: Reconhecer princípios básicos de modelagem técnica.

    52,1

    C02: Conhecer o processo de fabricação de calçados.

    61,5

    TÉCNICAS

    C03: Selecionar materiais. 48,9

    C04: Executar processo produtivo, operando máquinas e sistemas.

    47,8

    C05: Desenvolver a modelagem, avaliando critérios técnicos.

    52,3

    C06: Elaborar documentos, comunicando -se verbalmente e por escrito.

    57,6

    C07: Desenvolver sequência operacional, reconhecendo a lógica do processo produtivo.

    39,8

    C08: Dimensionar a capacidade produtiva, prevendo recursos.

    39,7

    C09: Calcular custos de produção. 46,7

    C10: Controlar qualidade, aplicando ferramentas de gestão.

    40,8

    C11: Programar a produção. 35,8

    C12: Analisar indicadores. 38,3

    GESTÃO C13: Coordenar grupos de trabalho, atuando como multiplicador de tecnologias.

    31,7

    Total 48,0

  • EDIFICAÇÕES

    Esta seção apresenta os principais dados da Avaliação de Desempenho dos Estudantes, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), constituídos por meio dos testes cognitivos e questionários contextuais aplicados aos estudantes e docentes do curso técnicos em Edicações. Este curso está distribuído em 14 Unidades Operacionais pertencentes a 12 Departamentos Regionais. Dos 608 estudantes previstos, 418 estudantes participaram do teste cognitivo (68,8%) e, dentre esses, 406 responderam ao questionário contextual.

    24

  • 25

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    Uma vez que o posicionamento dos itens norteia a descrição dos níveis da escala, para melhor compreensão dos resultados foram agrupados alguns níveis em intervalos maiores assim denominados Padrões de Desempenho, que apresentados fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    ABAIXO DO BÁSICO

    Até 350

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho demonstra capacidade inicial de compreender e aplicar princípios de qualidade e segurança, além de reconhecer os níveis hierárquicos de responsabilidade técnica de uma obra.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    ED156TEC

    C8 -

    1.1

    D

    0% 0%

    0%

    99,1%

    0,9%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    O custo e o tempo gasto no plano de logística não inviabiliza o custo final, pois o ganho é maior do que o gasto.

    B) Incorreta.

    O aumento de produção não é necessariamente aumento de acidente e não retrata um bom planejamento.

    C) Incorreta.

    Aumenta o tempo de planejamento.

    D) Gabarito.

    Um bom plano de logística resulta em melhoras no processo produtivo, pois diminui o deslocamento e otimiza o uso dos espaços físicos.

    E) Incorreta.

    As atividades de canteiros tem ser planejada e trabalha ordenada com a

    edificação.

  • 26

    BÁSICO

    350 a 450

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho consegue utilizar normas técnicas da legislação no desenvolvimento gráco nos projetos de edicações; reconhece os diversos tipos de materiais de construção; além de ser capaz de ler e interpretar projetos e levantamentos topográcos.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    ED166TEC

    C8 -

    1.1

    C

    5,0%

    8,9%

    73,3%

    11,9%

    1,0%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    Segurança em serviços de eletricidade.

    B) Incorreta.

    Atividades e operações insalubres.

    C) Gabarito.

    Se refere a segurança em serviços de edificações.

    D) Incorreta.

    Normas gerais de eletricidade em baixa tensão.

    E) Incorreta.

    Proteção de estruturas contra descarga atmosférica.

  • 27

    ADEQUADO

    450 a 650

    O aluno que se encontra neste padrão de desempenho consegue interpretar aspectos relativos a solo; elaborar documentação técnica com auxílio de software especíco; elaborar orçamentos; entender etapas e sistemas construtivos; além de entender a logística de canteiro e gestão ambiental, bem como coordenar equipes de serviços e aplicar controle tecnológico de materiais.

    Exemplo de Item

    Item Capacidade Gabarito Opção A Opção

    B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    ED179TEC

    C1 -

    1.1

    E

    1,9% 8,3%

    14,8%

    22,2%

    52,8%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    Dispositivo de manobra obsoleto.

    B) Incorreta.

    Dispositivo de proteção obsoleto usado em alguns casos na industria.

    C) Incorreta.

    Nomenclatura errada do disjuntor termomagnético.

    D) Incorreta.

    Dispositivo de proteção de circuitos elétricos insuficiente

    para proteção humana.

    E) Gabarito.

    Dispositivo de proteção de circuito que também atua por corrente de fuga, dando maior proteção humana.

  • 28

    AVANÇADO

    Acima de 650

    O aluno que se encontra neste padrão, além das habilidades presentes nos outros padrões de desempenho, consegue planejar recursos e serviços, especialmente aqueles que se referem a solo, estrutura, projetos, instalações prediais; gerenciar pessoas e controle da produção.

    Exemplo de Item

    Item Capacidade Gabarito Opção A Opção

    B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    ED207TEC

    C1 -

    2.3

    D

    22,7%

    7,2%

    6,2%

    3,1%

    60,8%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O aluno confundirá o procedimento ao ser constatado qualquer irregularidade com o EPI. Diz a Norma que a comunicação deverá ser feita ao MTE de qualquer irregularidade observada e não ao fabricante.

    B) Incorreta. O aluno poderá confundir, a responsabilidade de guarda e conservação será do empregado e não do empregador. Este deverá responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica.

    C) Incorreta. O aluno poderá confundir a comunicação quando um EPI se tornar impróprio para o uso deverá ser do empregado e não do empregador. Este deverá responsabilizar-se pela sua imediata substituição, quando danificado ou extraviado.

    D) Gabarito. O aluno afirmará que a Comunicação deverá ser feita ao TEM, no que se refere a qualquer irregularidade observada.

    E) Incorreta. O aluno confundirá, pois o cumprimento das determinações sobre o uso adequado é obrigação do empregado e não do empregador. A determinação segundo a Norma dentre outras ao empregador é exigir seu uso.

  • 29

    RESULTADOS DO SEU CURSO

    A matriz de avaliação do Curso Técnico em Edicações do SENAI apresenta capacidades que os alunos devem desenvolver durante o curso. Com base nessa matriz foi elaborada uma prova objetiva de prociência em Vestuário contendo itens construídos a partir das Unidades de Competências (UC), Elementos de Competências (EC) e Capacidades. As capacidades são organizadas em capacidades básicas (conhecimento/ saber), capacidades técnicas (habilidades/ saber fazer) e capacidades de gestão (atitude/ ser). A partir das respostas dos alunos, vericou--se o grau de alcance do perl prossional do curso.

    Apresentamos, a seguir, os dados coletados dessas provas, buscando elucidar o desenvolvimento dos estudantes em cada uma das competências e capacidades contidas na matriz de avaliação do curso.

    A Unidade de Competência 1 obteve o maior percentual de acerto enquanto a UC 3 cou com o menor, com uma amplitude de 5,9 pontos percentuais. A partir desses resultados é possível dizer que os responsáveis por esse curso nas unidades devem car atentos à Unidade de Competência que trata do planejamento de obras, já que as questões sobre as normas de segurança e saúde do trabalho, bem como, as legislações especícas foram relativamente bem avaliadas em termos de capacidades.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA % de

    acerto Unidade de Competência 1: Desenvolver graficamente projetos de edificações, considerando as normas técnicas, de segurança e saúde do trabalho e legislações específicas.

    45,7

    Unidade de Competência 2: Supervisionar a execução de edificações, considerando as normas de segurança e saúde do trabalho e legislações específicas.

    45,4

    Unidade de Competência 3: Planejar obras, considerando as normas de segurança e saúde do trabalho e legislações específicas.

    39,8

    Total 44,1

  • 30

    A amplitude entre os Elementos de Competência é bem maior, 21,3 pontos percentuais, sendo que o menor percentual cou com o EC1 da Unidade de Competência 3 e o maior percentual com o EC4 da UC1. O Elemento de Competência que trata da elaboração de orçamento deve ser trabalhado mais amiúde com os estudantes do curso. Tanto no que se refere às Unidades, quanto aos Elementos, nenhuma das competências ultrapassa a barreira dos 59% de acerto, por isso não é possível dizer que determinadas competências estão sedimentadas e por isso exigem menor atenção.

    Em geral as capacidades técnicas obtiveram os piores resultados. A capacidade de levantar quantitativo e custos, interpretar levantamentos topográcos e aspectos relativos a solos obtiveram os piores resultados.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA

    ELEMENTOS DE COMPETÊNCIA

    % de acerto

    Unidade de Competência 1

    Elemento de Competência 1: Coletar dados de entrada para a elaboração de projetos.

    44,7

    Elemento de Competência 2: Elaborar graficamente projetos de edificações.

    46,2

    Elemento de Competência 3: Compatibilizar os projetos de edificações.

    50,0

    Elemento de Competência 4: Aprovar projetos de edificações.

    58,1

    Unidade de Competência 2

    Elemento de Competência 1: Coordenar equipes de serviços.

    46,8

    Elemento de Competência 2: Coordenar o manuseio, o armazenamento, preparo e uso dos materiais, equipamentos e ferramentas.

    50,1

    Elemento de Competência 3: Coordenar a execução do processo construtivo.

    41,9

    Unidade de Competência 3

    Elemento de Competência 1: Elaborar orçamento.

    36,8

    Elemento de Competência 2: Programar a execução de serviços.

    42,0

    Total 44,1

  • 31

    Em termos de capacidades, essa unidade básica para cada um dos cursos técnicos, a barreira dos 60% de acerto quase não é superada. As capacidades com o maior percentual de acerto são, respectivamente: C02, que trata da utilização das normas técnicas e legislação; C03, versa sobre o gerenciamento do controle da produção; e C08, referente à logística de canteiro e gestão ambiental.

    Com base nos dados apresentados, é possível dizer que investimentos devem ser feitos no desenvolvimento de todas as competências e capacidades dos estudantes do referido curso, especialmente naquelas que se referem à análise de dados mais complexos. Entretanto, isso não expressa que ações para as demais competências e capacidades não devam ser realizadas, pois ainda nota-se uma deciência no desenvolvimento dessas visto que o percentual de acerto, em média, quase não supera a metade.

    CAPACIDADES % de

    acerto

    BÁSICAS

    C01: Aplicar princípios de qualidade e segurança.

    39,9

    C02: Utilizar normas técnicas e legislação. 60,1

    TÉCNICAS

    C03: Interpretar levantamentos topográficos. 33,3

    C04: Interpretar aspectos relativos a solos. 33,3

    C05: Interpretar projetos. 49,0

    C06: Elaborar documentação técnica. 48,2

    C07: Entender etapas e sistemas construtivos. 47,7

    C08: Entender logística de canteiro e gestão ambiental.

    51,1

    C09: Aplicar controle tecnológico de materiais. 38,3

    C10: Levantar quantitativos e custos. 28,3

    GESTÃO

    C11: Planejar recursos e serviços. 47,4

    C12: Gerenciar pessoas. 44,9

    C13: Gerenciar controle da produção. 53,3

    Total 44,1

  • 32

    ELETRÔNICA

    Esta seção apresenta os principais dados da Avaliação de Desempenho dos Estudantes, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), constituídos por meio dos testes cognitivos e questionários contextuais aplicados aos estudantes e docentes do curso técnicos em Eletrônica. Este curso está distribuído em 23 Unidades Operacionais pertencentes a 6 Departamentos Regionais. Dos 688 estudantes previstos, 588 estudantes participaram do teste cognitivo (85,5%) e, dentre esses, 572 responderam ao questionário contextual.

  • 33

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    Uma vez que o posicionamento dos itens norteia a descrição dos níveis da escala, para melhor compreensão dos resultados foram agrupados alguns níveis em intervalos maiores assim denominados Padrões de Desempenho, que apresentados fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    ABAIXO DO BÁSICO

    Até 350

    Os alunos presentes nesse padrão de desempenho encontram-se muito aquém do esperado para um técnico em Eletrônica. Constata-se que esses alunos conseguem apenas analisar o encapsulamento dos componentes eletrônicos para montagem de circuito impresso e identicar a documentação necessária para manutenção de sistema eletrônico.

    Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    EL127TEC

    C4 -

    1.2

    D

    2,1%

    2,1%

    3,1%

    92,2%

    0,5%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O aluno considerou o encapsulamento SOT23 que é utilizado para transistores de tecnologia SMD.

    B) Incorreta. O aluno considerou o encapsulamento

    TO-66 que é utilizado para transistores com

    tecnologia PTH de dois terminais com pads arredondados distribuídos em linha.

    C) Incorreta. O aluno considerou o encapsulamento TO92/18 que é utilizado para transistores de tecnologia PTH de pads arredondados distribuídos em triângulo.

    D) Gabarito. O aluno considerou o encapsulamento TO220 que é utilizado para transistores de tecnologia PTH de pads retangulares.

    E) Incorreta. O aluno considerou o encapsulamento TO18 que é utilizado em transistores de metal com

    tecnologia PTH de pads arredondados.

  • 34

    BÁSICO

    350 a 450

    Os alunos presentes neste padrão de desempenho apresentam um grau de desenvolvimento maior que do padrão anterior, mas ainda se encontram abaixo do que seria esperado para um Técnico em Eletrônica, constata-se que esses alunos resolvem problemas associados a cálculos de grandezas elétricas tais como: resistência, tensão, corrente e potência aplicando princípios da lei de OHM e KIRCHHOFF além de serem capazes de realizar medições elétricas utilizando multímetros.

    Exemplo de Item

    Item Capacidade Gabarito Opção

    A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    EL102TEC C11 - 3.1 E 8,9% 4,5% 5,9% 7,4% 72,8% 0,5%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    Condição insegura.

    B) Incorreta.

    Perigo.

    C) Incorreta.

    Ato inseguro.

    D) Incorreta.

    Controle de perdas.

    E) Gabarito.

    Análise preliminar de risco.

  • 35

    ADEQUADO

    450 a 650

    Os alunos presentes neste padrão apresentam as habilidades esperadas para um técnico de eletrônica desempenhar suas atividades. Conseguem analisar circuitos eletrônicos implementados com diodos, transistores, amplicadores operacionais, SCR, TRIAC, DIAC, sensores de temperatura e optoacopladores. Realizam medições e interpretam resultados com auxílio do osciloscópio e desenvolvem aplicações de pequeno porte com microcontroladores programados em linguagem C.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    EL015TEC

    C1 -

    1.1

    D

    3,6% 8,2%

    13,9%

    65,5%

    8,8%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A)

    Incorreta –

    1,5 mm² -

    O aluno não realizou cálculos, escolhendo este condutor por se tratar de circuito monofásico.

    B)

    Incorreta –

    2,5 mm²

    -

    O aluno não realizou cálculos utilizando este condutor pelo fato de ser o mais comum nos circuitos de cargas de baixa tensão.

    C)

    Incorreta –

    4,0 mm². O aluno dividiu a potência pela tensão e verificou que a corrente era igual ou inferior na tabela.

    D)

    Gabarito –

    6,0 mm². O aluno dividiu a potência pela tensão e verificou que a corrente era igual ou superior na tabela.

    E)

    Incorreta –

    10,0 mm². O aluno dividiu a potência pela tensão e acrescentou 30% de corrente e verificou que a corrente era igual ou superior na tabela.

  • 36

    AVANÇADO

    Acima de 650

    Os alunos presentes neste padrão apresentam alto nível de raciocínio lógico e capacidade para desenvolver aplicações de médio e grande porte utilizando microcontroladores em linguagem C. Apresentam conhecimento mais renado no que se refere a dispositivos de eletrônica de potência, instalações elétricas industriais e capacidade de elaborar projetos integradores.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    EL048TEC

    C1 -

    2.1

    B

    6,4% 28,2%

    7,9%

    3,0%

    53,5%

    1,0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O aluno entendeu que como o relé citado no enunciado supervisa redes monofásicas e trifásicas, o mesmo seria o sequência de fase que destina-se à proteção de instalações contra inversão de fase.

    B) Gabarito. O aluno entendeu que o relé de mínima e máxima tensão é usado para proteção de equipamentos elétricos que não podem operar quando sua tensão de alimentação estiver acima e/ou abaixo de seu valor nominal.

    C) Incorreta. O aluno entendeu que como se trata de alimentação monofásica, o relé de falta de fase com neutro protegerá contra falta de fase e/ou neutro.

    D) Incorreta. O aluno entendeu que como o relé permite o acionamento d e alarmes, seria com base no tempo, então o relé controlaria o acionamento de alarmes.

    E) Incorreta. O aluno entendeu que as variações de tensão promovem excesso de temperatura e o relé de proteção PTC protege o motor contra elevação de temperatura.

  • 37

    RESULTADOS DO SEU CURSO

    A matriz de avaliação do Curso Técnico em Eletrônica do SENAI apresenta capacidades que os alunos devem desenvolver durante o curso. Com base nessa matriz foi elaborada uma prova objetiva de prociência em Vestuário contendo itens construídos a partir das Unidades de Competências (UC), Elementos de Competências (EC) e Capacidades. As capacidades são organizadas em capacidades básicas (conhecimento/ saber), capacidades técnicas (habilidades/ saber fazer) e capacidades de gestão (atitude/ ser). A partir das respostas dos alunos, vericou--se o grau de alcance do perl prossional do curso.

    Apresentamos, a seguir, os dados coletados dessas provas, buscando elucidar o desenvolvimento dos estudantes em cada uma das competências e capacidades contidas na matriz de avaliação do curso.

    A Unidade de Competência 3 obteve o maior percentual de acerto enquanto a UC 2 cou com o menor, com uma amplitude de 12,7 pontos percentuais. A partir desses resultados é possível dizer que os responsáveis por esse curso nas unidades devem car atentos à Unidade de Competência que tem por objetivo integrar sistemas eletrônicos, seguindo normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA % de

    acerto Unidade de Competência 1: Desenvolver circuitos eletrônicos seguindo normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

    34,6

    Unidade de Competência 2: Integrar sistemas eletrônicos, seguindo normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

    32,1

    Unidade de Competência 3: Realizar a manutenção de circuitos e sistemas eletrônicos, seguindo normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

    44,8

    Total 37,9

  • 38

    A amplitude entre os Elementos de Competência é maior, 45 pontos percentuais, sendo que o menor percentual cou com o EC1 da Unidade de Competência 2 e o maior percentual com o EC2 da UC1. O Elemento de Competência que tem por objetivo planejar a integração de sistemas eletrônicos deve ser trabalhado mais amiúde com os estudantes do curso. No que diz respeito às Unidades e aos Elementos, duas competências ultrapassam a barreira dos 60% de acerto. As competências técnicas obtiveram os piores resultados e essa informação é consistente com os resultados apresentados para as capacidades.

    As capacidades técnicas obtiveram os piores resultados e, junto delas, estão as C05 e C07, que tratam, respectivamente, da habilidade de dimensionar Circuitos Eletrônicos através de cálculos matemáticos e integrar sistemas eletro eletrônicos, elementos cruciais para a execução das tarefas mais básicas.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA

    ELEMENTOS DE COMPETÊNCIA

    % de acerto

    Unidade de Competência 1

    Elemento de Competência 1: Projetar circuitos eletrônicos.

    34,9

    Elemento de Competência 2: Montar circuitos eletrônicos.

    69,9

    Elemento de Competência 3: Validar circuitos eletrônicos.

    27,1

    Unidade de Competência 2

    Elemento de Competência 1: Planejar a integração de sistemas eletrônicos.

    24,9

    Elemento de Competência 2: Montar sistemas eletrônicos.

    37,3

    Elemento de Competência 3: Validar sistemas eletrônicos.

    39,7

    Unidade de Competência 3

    Elemento de Competência 1: Planejar a manutenção em circuitos e sistemas eletrônicos.

    60,6

    Elemento de Competência 2: Diagnosticar falhas, defeitos e suas possíveis causas em circuitos e Sistemas eletrônicos.

    36,7

    Elemento de Competência 3: Executar a manutenção em Circuitos e sistemas eletrônicos

    37,5

    Total 37,9

  • 39

    Em termos de capacidades, essa unidade básica para cada um dos cursos técnicos, a barreira dos 50% de acerto é superada. As capacidades com o maior percentual de acerto são, respectivamente: C08, que trata da Aplicação de técnicas de manutenção; C03, que versa sobre trabalho em equipe e C01, referente à interpretação de textos técnicos.

    Com base nos dados apresentados, é possível dizer que investimentos devem ser feitos no desenvolvimento de todas as competências e capacidades dos estudantes do referido curso, especialmente naquelas que se referem à técnica. Entretanto, isso não expressa que ações para as demais competências e capacidades não devam ser realizadas, pois ainda nota-se uma deciência no desenvolvimento dessas visto que o percentual de acerto, em média, quase não supera a metade.

    CAPACIDADES % de

    acerto

    BÁSICAS

    C01: Interpretar documentos técnicos. 43,6

    C02: Interpretar o funcionamento de circuitos eletrônicos.

    37,7

    C03: Analisar parâmetros elétricos. 37,7

    C04: Desenvolver o raciocínio lógico. 39,6

    TÉCNICAS

    C05: Dimensionar Circuitos Eletrônicos através de cálculos matemáticos

    27,9

    C06: Analisar o funcionamento de circuitos eletrônicos

    30,0

    C07: Integrar sistemas eletro eletrônicos 27,8

    C08: Aplicar técnicas de manutenção 53,0

    C09: Verificar o funcionamento dos componentes e sistemas eletrônicos

    31,3

    GESTÃO C10: Trabalhar em equipe. 49,7

    C11: Realizar serviços de acordo com as normas de higiene e segurança no trabalho

    41,0

    Total 37,9

  • 40

    MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA

    Esta seção apresenta os principais dados da Avaliação de Desempenho dos Estudantes, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), constituídos por meio dos testes cognitivos e questionários contextuais aplicados aos estudantes e docentes do curso técnicos em Manutenção Automotiva. Este curso está distribuído em 16 Unidades Operacionais pertencentes a 9 Departamentos Regionais. Dos 612 estudantes previstos, 513 estudantes participaram do teste cognitivo (83,8%) e, dentre esses, 507 responderam ao questionário contextual.

  • 41

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    Uma vez que o posicionamento dos itens norteia a descrição dos níveis da escala, para melhor compreensão dos resultados foram agrupados alguns níveis em intervalos maiores assim denominados Padrões de Desempenho, que apresentados fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    ABAIXO DO BÁSICO

    Até 350

    Os estudantes que se encontram neste padrão de desempenho apresentam o desenvolvimento de habilidades primárias relacionadas ao curso técnico em Mecânica Automotiva, porque desenvolveram habilidades pontuais como, interpretar documentação técnica monitorar o processo de manutenção, prestar suporte técnico coordenando atividades de reparação prevenindo riscos ambientais, executar controle de qualidade na manutenção do sistema de suspensão, demonstrando estar aquém do esperado para um cursista na etapa avaliada.

    Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    AU027TEC

    C2 -

    2.4

    A

    96,7%

    0%

    0%

    2,2%

    1,1%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Gabarito.

    O Aluno identificou corretamente o componente do sistema elétrico do veículo

    B) Incorreta.

    O aluno confundiu o dínamo, que é um gerador de energia contínua com o alternador que é gerador de energia alternada.

    C) Incorreta.

    O aluno não conhece o componente, confundindo com o distribuidor, que é do sistema de ignição.

    D) Incorreta. O aluno confundiu o alternador com o motor de partida

    E) Incorreta. O aluno não conhece o componente, confundindo com o rotor que é do sistema de ignição.

  • 42

    BÁSICO

    350 a 450

    Além das habilidades primárias, o estudante que se encontra nesse padrão de desempenho, demonstra ter se apropriado de outros conhecimentos. O estudante alocado no padrão básico apresenta um maior repertório de habilidades desenvolvidas em relação ao padrão anterior, mas ainda não apresenta um desempenho esperado para alunos que se encontram concluindo o curso de técnico em Mecânica Automotiva. Essas habilidades básicas relacionam-se a três eixos: Coordenar processos de manutenção, Manter sistemas automotivos mecânicos e eletroeletrônicos, Coordenar a manutenção do sistema estrutural automotivo. Coordenando processos de manutenção, esse estudante monitora processos os sistemas eletroeletrônicos, presta suporte técnico na manutenção dos sistemas mecânicos, planeja as atividades coordenando a reparação. Na manutenção dos sistemas automotivos mecânicos e eletroeletrônicos, realiza a manutenção do sistema de suspensão, direção e freios, transmissão, sinalização, iluminação e segurança, executando o processo com higiene e segurança no trabalho, identica alguns sistemas mecânicos, interpreta documentação técnica impressa ou digital. Coordenado a manutenção do sistema estrutural automotivo, orientando o processo de remoção, instalação de tapeçaria e vidraçaria automotiva, efetua diagnósticos de inconvenientes, orienta o processo de funilaria e pintura executando os procedimentos com higiene e segurança no trabalho, prevenindo riscos ambientais.

  • Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção

    A

    Opção

    B

    Opção

    C

    Opção

    D

    Opção

    E

    Branco/

    Nulo

    AU132TEC

    C5 -

    1.2

    E

    10,9%

    6,5%

    7,6%

    2,2%

    72,8%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores? A) Incorreta. O

    estudante

    confundiu o sistema de controle do motor que é representado pelas letras

    “ECM” com o de carroceria que é representado pelas letras “BCM”. B) Incorreta.

    O

    estudante

    não conseguiu identificar pelo esquema e “indicações” nele apresentadas qual sistema o mesmo representa, pois o sistema de controle eletrônico da direção é representado pelas letras “EPS”.

    C) Incorreta.

    O

    estudante

    não conseguiu identificar pelo esquema e “indicações” nele apresentadas qual sistema o mesmo representa, pois o sistema de controle eletrônico da transmissão é representado pelas letras “TCM”.

    D) Incorreta. O

    estudante

    não conseguiu identificar pelo esquema e “indicações” nele apresentadas qual sistema o mesmo representa, pois o sistema de controle eletrônico da transmissão é representado pelas letras “ABS”.

    E) Gabarito.

    O estudante

    identificou corretamente o esquema do Sistema Eletrônico de Controle do Motor “ECM”.

    43

  • 44

    ADEQUADO

    450 a 650

    O estudante que se encontra neste padrão de desempenho demonstra adequação quanto ao nível de conhecimento esperado ao término de sua formação técnica, porque apresenta um maior número de competências e habilidades já desenvolvidas. Em relação a coordenar processos de manutenção ele planeja as atividades de reparos de anomalias nos sistemas eletromecânicos automotivos, monitora o processo de manutenção e instalação de acessórios automotivos, presta suporte técnico na manutenção identicando os sistemas eletroeletrônicos, efetua diagnósticos de anomalias nos sistemas eletromecânicos automotivos na carroceria. Realizar a manutenção de sistemas automotivos mecânicos e eletroeletrônicos, da suspensão, direção, freios, transmissão, do gerenciamento eletrônico do veículo, de partida, carga, recarga, conforto, conveniência e entretenimento, de sinalização, iluminação e de segurança, interpretar documentação técnica impressa ou digital, identica os sistemas mecânicos, eletroeletrônicos, efetuar diagnósticos de anomalias nos sistemas eletromecânicos e de carroceria, executando o trabalho com higiene e segurança no trabalho e prevenindo riscos ambientais. Coordenar a manutenção do sistema estrutural automotivo, orienta o processo de remoção e instalação de tapeçaria e vidraçaria automotiva executando com higiene e segurança no trabalho.

    Exemplo de Item

    Item Capacidade Gabarito Opção

    A Opção

    B Opção

    C Opção

    D Opção

    E Branco/

    Nulo

    AU081TEC C8 - 2.3 B 12,5% 65,6% 12,5% 9,4% 0% 0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    O estudante

    não conhece o princípio de funcionamento do componente a ser testado e nem as ferramentas utilizadas para este teste.

    B) Gabarito.

    O estudante

    consegue relacionar e selecionar corretamente os instrumentos para o diagnostico assim como a grandeza física e conhece o princípio de funcionamento do sensor a ser testado.

    C) Incorreta.

    O estudante

    não conhece o princípio de funcionamento do componente

    a ser testado e nem as ferramentas utilizadas para este teste.

    D) Incorreta.

    O estudante

    não conhece o princípio de funcionamento do componente a ser testado e nem as ferramentas utilizadas para este teste.

    E) Incorreta.

    O estudante

    não conhece o princí pio de funcionamento do componente a ser testado e nem as ferramentas utilizadas para este teste.

  • 45

    AVANÇADO

    Acima de 650

    Os estudantes, no padrão avançado, além das habilidades mínimas esperadas para um técnico em fase de conclusão de curso, já mostra indícios de desenvolvimento de habilidades mais sosticadas e que requerem a conjugação de todas as competências e habilidades desenvolvidas por ele ao longo de sua formação técnica. O conhecimento desse estudante está para planejar atividades, interpretar documentação técnica impressa ou digital, diagnosticar inconvenientes nos sistemas de carroceria e eletromecânicos automotivos, instalar acessórios, administrar de forma racional e conjunta os aspectos técnicos, sociais e econômicos aplicados, monitorar o processo de manutenção, identicar os sistemas mecânicos, eletroeletrônicos, prestar suporte técnico na manutenção, reparar anomalias nos sistemas eletromecânicos, gerenciamento eletrônico do motor, partida, carga, recarga, conforto, conveniência, entretenimento e de segurança automotivo.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    AU114TEC

    C8 -

    1.3

    B

    37,8%

    14,4%

    12,2%

    1,1%

    33,3%

    1,1%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    O aluno desconhece a necessidade do procedimento de aprendizagem de um módulo de controle, esse tipo de procedimento só se faz quando se substitui vários componentes do sistema inclusive o módulo de controle.

    B) Gabarito.

    O

    aluno conhece o p rocedimento para resolver problemas de mal contato nos circuitos elétricos, pois a grade maioria dos problemas nos sistemas eletromecânicos se dá devido a falhas intermitentes causados: por vibrações, temperatura, poeira etc.. se resolve com limpeza do con ector e fixando para não mais vibrar.

    C) Incorreta.

    O

    aluno desconhece a sequência de diagnósticos em um sistema eletroeletrônico pois só se deve substituir o módulo após esgotar todas as alternativas para se resolver o problema, até porque é um componente elétrico de preço elevado

    D) Incorreta.

    O

    aluno desconhece a sequência de diagnósticos em um sistema eletroeletrônico , pois as vezes nessas situações seja necessário substituir o motor elétrico, mas não se trata do problema em questão. A falha interna

    do motor faz o sistema não mais operar.

    E)

    Incorreta.

    O aluno conhece os procedimentos de diagnósticos em falhas intermitentes nos sistemas eletroeletrônicos pois a falha na conexão de massa, poderá provocar o problema, mas para a solução, além do reaperto, deve-se fazer a limpeza.

  • 46

    RESULTADOS DO SEU CURSO

    A matriz de avaliação do Curso Técnico em Manutenção Automotiva do SENAI apresenta capacidades que os alunos devem desenvolver durante o curso. Com base nessa matriz foi elaborada uma prova objetiva de prociência em Vestuário contendo itens construídos a partir das Unidades de Competências (UC), Elementos de Competências (EC) e Capacidades. As capacidades são organizadas em capacidades básicas (conhecimento/ saber), capacidades técnicas (habilidades/ saber fazer) e capacidades de gestão (atitude/ ser). A partir das respostas dos alunos, vericou--se o grau de alcance do perl prossional do curso.

    Apresentamos, a seguir, os dados coletados dessas provas, buscando elucidar o desenvolvimento dos estudantes em cada uma das competências e capacidades contidas na matriz de avaliação do curso.

    A Unidade de Competência 3 obteve o maior percentual de acerto enquanto a UC 2 cou com o menor, com uma amplitude de 11,7 pontos percentuais. A partir desses resultados é possível dizer que os responsáveis por esse curso nas unidades devem car atentos à Unidade de Competência que trata da manutenção de sistemas automotivos mecânicos e eletroeletrônicos.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA % de

    acerto Unidade de Competência 1: Coordenar processos de manutenção, planejando seu trabalho, seguindo normas e procedimentos técnicos, de qualidade, de produtividade, de preservação ambiental e de saúde e segurança no trabalho.

    53,9

    Unidade de Competência 2: Manter sistemas automotivos mecânicos e eletroeletrônicos, planejando seu trabalho, seguindo normas e procedimentos técnicos, de qualidade, de produtividade, de preservação ambiental e de saúde e segurança no trabalho.

    52,4

    Unidade de Competência 3: Coordenar a manutenção do sistema estrutural automotivo, planejando seu trabalho, seguindo normas e procedimentos técnicos, de qualidade, de produtividade, de preservação ambiental e de saúde e segurança no trabalho.

    64,1

    Total 53,4

  • 47

    A amplitude entre os Elementos de Competência é maior, 32,4 pontos percentuais, sendo que o menor percentual cou com o EC1 da Unidade de Competência 1 e o maior percentual com o EC1 da UC3. O Elemento de Competência que trata do planejamento de atividades deve ser trabalhado mais amiúde com os estudantes do curso. As competências referentes aos processos de manutenção e as referentes ao planejamento obtiveram os piores resultados.

    As capacidades ligadas às técnicas obtiveram os piores resultados. Nela, se encontram a C09, que trata sobre a instalação de acessórios automotivos, e a C10, que trata sobre a execução do controle de qualidade.

    UNIDADES DE COMPETÊNCIA

    ELEMENTOS DE COMPETÊNCIA

    % de acerto

    Unidade de Competência 1

    Elemento de Competência 1: Planejar as atividades.

    40,8

    Elemento de Competência 2: Monitorar o processo de manutenção.

    58,6

    Elemento de Competência 3: Prestar suporte técnico na manutenção.

    55,4

    Unidade de Competência 2

    Elemento de Competência 1: Realizar a manutenção do sistema de suspensão, direção e freios

    56,4

    Elemento de Competência 2: Realizar a manutenção do sistema de motores e transmissão.

    63,8

    Elemento de Competência 3: Realizar a manutenção do sistema de gerenciamento eletrônico do veículo.

    45,1

    Elemento de Competência 4: Realizar a manutenção do sistema de partida, carga e recarga

    55,4

    Elemento de Competência 5: Realizar a manutenção do sistema de conforto, conveniência e entretenimento.

    41,8

    Elemento de Competência 6: Realizar a manutenção do sistema de sinalização e iluminação.

    50,6

    Elemento de Competência 7: Realizar a manutenção dos sistemas de segurança.

    55,2

    Unidade de Competência 3

    Elemento de Competência 1: Orientar o processo de remoção e instalação de tapeçaria e vidraçaria automotiva

    73,2

    Elemento de Competência 2: Orientar o processo de funilaria e pintura

    59,5

    Total 53,4

  • 48

    As capacidades com o maior percentual de acerto são, respectivamente: C04, que trata da prevenção de riscos ambientais; C03, que versa sobre a execução da higiene e segurança no trabalho; e C11, referente à coordenação das atividades de reparação e manutenção.

    Com base nos dados apresentados, é possível dizer que investimentos devem ser feitos no desenvolvimento de todas as competências e capacidades dos estudantes do referido curso, especialmente naquelas que se referem às técnicas. Entretanto, isso não expressa que ações para as demais competências e capacidades não devam ser realizadas, pois ainda nota-se uma deciência, por exemplo, no desenvolvimento de aspectos de gestão (como saber administrar de forma racional e conjunta os aspectos técnicos, sociais e econômicos aplicados).

    CAPACIDADES % de

    acerto

    BÁSICAS

    C01:Identificar os sistemas mecânicos. 56,3

    C02: Identificar os sistemas eletroeletrônicos. 53,1

    C03: Executar higiene e segurança no trabalho.

    65,1

    C04: Prevenir riscos ambientais 67,1

    TÉCNICAS

    C05: Interpretar documentação técnica impressa e/ou digital.

    54,0

    C06: Diagnosticar anomalias no sistemas Eletromecânicos automotivos.

    49,0

    C07: Diagnosticar inconvenientes nos sistemas de carroceria automotivos.

    41,5

    C08: Reparar anomalias nos sistemas eletromecânicos automotivos.

    50,1

    C09: instalar acessórios automotivos. 43,5

    C10: Executar controle de qualidade. 46,1

    GESTÃO

    C11: Coordenar atividades de reparação e manutenção.

    62,3

    C12: Administrar de forma racional e conjunta os aspectos técnicos, sociais e econômicos aplicados.

    48,6

    Total 53,4

  • 49

    MECATRÔNICA

    Esta seção apresenta os principais dados da Avaliação de Desempenho dos Estudantes, uma das ações do Sistema de Avaliação da Educação Prossional e Tecnológica (SAEP), constituídos por meio dos testes cognitivos e questionários contextuais aplicados aos estudantes e docentes do curso técnicos em Mecatrônica. Este curso está distribuído em 18 Unidades Operacionais pertencentes a 9 Departamentos Regionais. Dos 846 estudantes previstos, 726 estudantes participaram do teste cognitivo (85,8%) e, dentre esses, 714 responderam ao questionário contextual.

  • 50

    PADRÕES DE DESEMPENHO

    Uma vez que o posicionamento dos itens norteia a descrição dos níveis da escala, para melhor compreensão dos resultados foram agrupados alguns níveis em intervalos maiores assim denominados Padrões de Desempenho, que apresentados fornecem uma imagem pedagógica da escala de prociência. É importante destacar que o termo Padrão de Desempenho aqui descrito não é uma referência aos padrões de desempenho do Itinerário Nacional. Abaixo apresentamos os cortes e uma descrição padrão para cada um dos níveis criados para os padrões.

    ABAIXO DO BÁSICO

    Até 350

    Os estudantes que se encontram neste padrão de desempenho estão aquém do que é esperado para um técnico em Mecatrônica, apresentando habilidades básicas e rudimentares, como reconhecer elementos básicos de máquinas industriais, bem como a utilização adequada de equipamentos de proteção individual e coletivo a m de garantir sua integridade física e de seus companheiros de atividade. Esses estudantes reconhecem, ainda, a partir do desenho técnico, os elementos e componentes básicos de automação industrial.

    Exemplo de Item

    Item

    Capacidade

    Gabarito

    Opção A

    Opção

    B

    Opção

    C

    Opção

    D

    Opção

    E

    Branco/

    Nulo

    MC114TEC

    C2 -

    1.1

    A

    91,1%

    7,0%

    0,6%

    1,3%

    0%

    0%

    RESOLUÇÃO O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Gabarito. Foi multiplicado corretamente as horas e a potência de cada aparelho, encontrando o maior valor de consumo no ar condicionado.

    B) Incorreta. O estudante

    desconsiderou a multiplicação dos demais itens.

    C) Incorreta. O estudante

    desconsiderou a multiplicação dos demais itens.

    D) Incorreta. O estudante

    observou apenas as horas de utilização.

    E) Incorreta. O estudante

    desconsiderou a multiplicação dos demais itens.

  • 51

    BÁSICO

    350 a 450

    Além das habilidades apresentadas no padrão anterior, os estudantes que se encontram neste padrão de desempenho revelam encontrar-se em estágio inicial do desenvolvimento de habilidades esperadas para um técnico em Mecatrônica. Neste padrão, eles desenvolveram habilidades como a identicação de funções de comando em linguagem de programação C, conexões de entrada e saída de dispositivos e também funções de comandos básicos em software CAD. Eles ainda analisam sequência lógica combinacional e demonstram utilizar grandezas de medidas relacionadas à automação como, por exemplo, a conversão polegada em milímetro para cálculo de ajuste mecânico, além de estarem em estágio inicial de interpretação das simbologias de elementos hidráulicos ou pneumáticos.

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    MC077TEC

    C6 -

    2.1

    E

    3,1%

    6,3%

    8,2%

    2,5% 79,2%

    0,6%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta. O estudante

    desconsiderou que aporta estará aberta na presença do porteiro

    B) Incorreta. O estudante

    desconsiderou que aporta somente abre na presença do porteiro

    C) Incorreta. O estudante

    desconsiderou que aporta abrirá somente se a porta 3 estiver fechada

    D) Incorreta. A porta 2 abrirá somente se a porta 3 estiver fechada

    E) Gabarito. O estudante

    reconhece o princípio lógico de um comando de intertravamento.

  • 52

    ADEQUADO

    450 a 650

    Os estudantes que se encontram neste padrão de desempenho encontram-se em estágio adequado do desenvolvimento de habilidades esperadas para um técnico em Mecatrônica. Neste padrão, eles desenvolveram habilidades como: identicar o funcionamento de portas lógicas com auxílio de diagramas eletrônicos; interpretar o funcionamento de dispositivos eletropneumáticos e acionamentos de motores com base em diagramas mistos; calcular e interpretar resultados relacionados à corrente, tensão e potência em um circuito elétrico. Além disso, desenvolvem soluções de projeto e manutenção para determinadas situações problema relacionadas a sistemas automatizados e técnicas de programação CNC (Comado Numérico Computadorizado) para usinagem de elementos mecânicos. São capazes, ainda, de entender a correlação entre os diversos dispositivos da manufatura integrada (Robôs, Controladores Lógicos, Sensores, etc..), aplicar e seguir normas relacionadas ao SGQ (Sistemas de Gestão da Qualidade) e SGA (Sistemas de Gestão Ambiental).

    Exemplo de Item Item Capacidade Gabarito

    Opção A

    Opção B

    Opção C

    Opção D

    Opção E

    Branco/Nulo

    MC032TEC

    C2 -

    2.1

    D

    6,4%

    7,0%

    4,5%

    64,3% 17,8%

    0%

    RESOLUÇÃO

    O que sugerem a resposta correta e os distratores?

    A) Incorreta.

    Incorreta por aumentar ainda mais o problema.

    B) Incorreta.

    A rotação de funcionários não alterará a demanda de energia.

    C) Incorreta.

    A questão não permite redução da produção.

    D) Gabarito.

    O aluno reconhece que a função de um banco de capacitores é ajustar o fator de potência do sistema elétrico.

    E) Incorreta.

    Medir a demanda não corrige o problema.

  • 53

    AVANÇADO

    Acima de 650

    Os estudantes que se encontram neste padrão de desempenho demonstram, além das habilidades apresentadas nos padrões anteriores, um perl avançado de desenvolvimento de habilidades esperadas para um técnico em Mecatrônica. Neste padrão, os estudantes demonstram habilidades na área de desenvolvimento de projetos para sistemas mecatrônicos de usinagem e sistemas automatizados, expressam capacidades de gestão de processos utilizando ferramentas da qualidade. Realiza atividades relacionadas às habilidades de liderança tendo como base a relação interpessoal e intergrupal de seus companheiros de atividade. Além disso, identicam a funcionalidade da ferramenta de carregamento e descarregamento (AS/RS) de peças em um sistema de manu