BIOENERGIA ENERGIA CONSCIENCIAL OU PESSOAL FONTES

  • View
    218

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of BIOENERGIA ENERGIA CONSCIENCIAL OU PESSOAL FONTES

  • BIOENERGIA

    ENERGIA CONSCIENCIAL OU PESSOAL

    a energia csmica que a conscincia absorve e emprega nas suas manifestaes gerais. Essa energia consciencial chamada em geral de energia anmica ou magnetismo pessoal. Ao ser metabolizada pela conscincia, a energia csmica deixa de ser impessoal e assume as caractersticas pesoais da criatura.

    FONTES BSICAS DE ENERGIA VITAL

    Alimentao de slidos e lquidos, atravs do aparelho digestivo. Ar atmosfrico, atravs do aparelho respirtorio e da pele. Absoro de energia pelos chakras. Sono, atravs da descoincidncia dos veculos de manifestaes da conscincia. Projeo da conscincia, atravs da absoro energtica no plano astral.

    ENERGIAS VIBRACIONAIS

    A nossa energia pode apresentar trs polaridades diferentes: positiva, negativa ou neutra. A energia de uma pessoa algo particular, sendo identificada como

  • positiva ou negativa para si mesma e devendo ser novamente identificada por cada pessoa, podendo ser avaliada de modo diferente para cada uma. Assim, voc pode ter energia positiva para voc prprio e negativa para seu irmo e vice-versa, ou positiva ou negativa para os dois. Se a sua energia negativa para seu irmo, no significa, obrigatoriamente, que a dele tambm seja negativa para voc. Para se identificar qual o tipo de energia de uma pessoa, faz-se o teste pelo tato. Toque nesta pessoa e perceba que sensao lhe traz. Se for uma sensao gostosa, de atrao, se sentir a pele quente, a energia positiva para voc. Se o toque causar certa repulsa de pele, se sentir um formigamento em sua mo ou se sentir a pele da pessoa fria, a energia negativa para voc. Se voc no sentir nada pelo toque ou pelo olhar, significa que a energia neutra. As energias contrrias - positiva para um e negativa para o outro - indicam uma compatibilidade energtica. Segue-se a regra dos opostos que se atraem, pois estamos falando de energia. No caso de amor primeira vista, por exemplo, h que existir esta compatibilidade, seno no haver atrao no primeiro encontro entre as pessoas. Energias iguais se repelem, ento, num encontro como este voc sentiria uma repul-sa pela outra pessoa, uma certa antipatia, desconfiana ou algo menos agressivo. Atrao somente fsica entre duas pessoas, requer energias iguais. Por uma pessoa que voc sinta amor ou profundo carinho, supe-se ter energia compatvel com a sua (energias opostas). Para o desenvolvimento de energias vibracionais importante que a pessoa tenha energia compatvel com a sua, pois isto facilitar enormemente um processo de energizao para cura, a simples transmisso de energia ou mesmo de telepatia.

    Uma energia, no entanto, pode ser alterada. Para tornar a energia de duas pessoas compatveis, pode-se proceder inverso energtica. Esta compatibilidade pode ser desejada, por exemplo, entre o curador e seu paciente, para facilitar os processos de tratamento, ou entre casais, para resolver divergncias srias.

    ALIMENTAO NATURAL

    Ns somos o que comemos

    "O corpo fsico sadio possibilita o fluxo livre da energia obtida atravs dos alimentos e da respirao, estabelecendo um canal aberto com o corpo espiritual para a atuao da energia csmica. O ato de nos alimentarmos muito mais importante e complexo do que simplesmente colocarmos alimento na boca. Este alimento deve ser visto como "uma parte de ns". Deste modo, uma alimentao sadia e equilibrada traz harmonia e equilbrio para o corpo fsico." Como os alimentos so digeridos Contedo nutricional dos alimentos: Protenas, carboidratos, vitaminas, fibras, gorduras Mel, gelia real, prpolis e plen Vegetarianismo

  • Mecanismo da Digesto

    Inicialmente , na boca, o alimento deve ser muito bem mastigado para facilitar a ao das secrees salivares e o posterior trabalho do nosso estmago. Assim, cuide bem dos seus dentes e mastigue, mastigue bastante. O alimento triturado e misturado com a saliva desce pelo esfago e chega ao estmago, onde misturado ao suco gstrico, cheio de enzimas, iniciando-se a digesto das protenas. O quimo sai do estmago, passa pelo piloro e chega ao intestino delgado, recebendo na poro inicial deste , a ao do suco pancretico, liberado pelo pncreas, e da bile, produzida pelo fgado, responsveis pela digesto de carboidratos, protenas e gorduras. A mucosa do intestino delgado secreta enzimas para a digesto final dos carboidratos em glicose, protenas em aminocidos, e gorduras em cidos graxos, que so absorvidos pelo intestino delgado juntamente com ons como Na, K, Ca, Fe, etc. A glicose vai ser responsvel pela produo e reserva de energia, atravs do glicognio. Os aminocidos formam protenas e so construtores, e os cidos graxos vo formar gorduras e, no fgado, colesterol e fosfolipdeos. O bolo alimentar segue para o intestino grosso, onde grande parte da gua ser absorvida e, finalmente movimentada por peristaltismo intestinal at o nus, onde ser excretada. Este processo fica mais fcil quando ingerimos muitas fibras vegetais.

    Nutrientes

    Protenas / Carboidratos / Vitaminas / Sais Minerais / Gorduras / Fibras

    Protenas

    As protenas so compostos orgnicos indispensveis para o bom funcionamento do organismo. Estas so formadas por cerca de 20 aminocidos (aas), dos quais 8 so essenciais e devem ser ingeridos pelo homem. So encontradas nas carnes, aves, peixes, sementes, gros, cereais, produtos da soja, ovos e laticnios. A mulher necessita de cerca de 45 g de protena por dia, o homem, de cerca de 55 g; atravs de uma alimentao vegetariana equilibrada, pode se chegar a valores mdios de 98 g de protenas / dia. O consumo excessivo de carnes, incluindo aves e peixes, tem sido associado a infeces, doenas coronrias, reumatismo, gota e cncer por diversos especialistas em todo o mundo. As carnes ricas em toxinas e cido rico, so normalmente adicionados produtos qumicos, antibiticos e hormnios, os quais ao serem ingeridos passam em grande parte para a circulao sangunea do homem. Em relao aos derivados do leite, durante o processo de pasteurizao, bactrias benficas e enzimas so eliminadas, podendo causar doenas. O iogurte e a coalhada caseiros so mais benficos, pois contm uma cultura vive de bactris e enzimas, que auxiliam na digesto. A ricota e o queijo branco so boas fontes de protenas e clcio, se consumidos em pequenas quantidades. Caso voc se alimente de ovos, prefira os galados e produzidos em criaes de regime aberto. Mas se voc for adepto do vegetarianismo, saiba que atravs de uma dieta equilibrada, pode obter todas as protenas necessrias, evitando diversos males associados ingesto de protenas de origem animal.

    Carboidratos

  • Principal fonte energtica dos alimentos. Presente nas frutas frescas e secas, mel, melado escuro, acar, cereais (arroz, aveia, cevada e centeio), vegetais. Evite o acar refinado, pois no contm fibras, vitaminas e sais minerais, e pode ser responsvel por vrias doenas.

    Vitaminas

    As vitaminas so compostos qumicos essenciais vida e vitais manuteno, sade e crescimento do organismo humano.O ser humano sadio adulto necessita diariamente das seguintes vitaminas: (Guyton, 1988)

    Vitamina A ......... 5000UI Vitamina B1 ..... 1,5 mg Vitamina B2 ..... 1,8 mg Niacina .............. 20 mg cido Flico....... 0,4 mg B6 ..................... 2 mg B5 ...................... desconhecida B12.......... 3 g C ........................... 45 mg D ........................ 400UI E ..................... 15UI K .......................... nenhuma

    * UI: unidades internacionais

    Vitamina A: Essencial para o crescimento e manuteno da sade das estruturas epiteliais do corpo, como pele, olhos, mucosa intestinal, ovrios e testculos, ossos, dentes e unhas. Retarda o processo de envelhecimento. Presente no espinafre, couve, folhas de mostarda, beterraba, chicria, cenoura, abbora, brcolis, damasco, salsa, leite e derivados.

    Vitaminas do Complexo B B1 - Tiamina: sistema nervoso, corao e sistema gastro intestinal. Germe de trigo, levedura de cerveja, feijo fradinho, trigo integral, arroz integral, nozes, castanhas, soja, gema de ovo.

    B2 - Riboflavina: oxidao dos alimentos e produo de energia. Queijo, leite, amndoas, amendoim, ovos, feijo, galinha, gros, brcolis, folhas verdes, abacate, germe de trigo, levedo de cerveja.

    Niacina: Galinha, levedura de cerveja, trigo, soja, peixe, feijo, aspargos.

    B5 - cido Pantotnico: metabolismo do corpo. Levedura de cerveja, pimento, folhas verdes, leite, ovos.

    B6 - Piridoxina: sntese dos aminocidos. Leite, cereais, levedura de cerveja, melado.

    B12 e cido Flico: medula ssea para a produo de glbulos vermelhos. Leite, derivados do leite, castanha-do-par, ovos.

    Vitamina C - cido Ascrbico: Atua no tecido conjuntivo, matriz ssea, dentina dos dentes, cicatrizao de ferimentos, constituindo um antibitico natural. Esta vitamina hidrossolvel se deteriora muito facilmente, assim os sucos devem ser preparados imediatamente antes de serem consumidos, para se evitar a perda de seus nutrientes. Frutas ctricas, caju, mamo,

  • goiaba, manga, morango, tomate, agrio, uva, fruta-do-conde, pimento, couve, couve-flor, repolho, aspargos, peixe, salsa, kiwi, acerola, salsinha.

    Vitamina D: Atua na formao dos ossos e dentes pelo controle do teor de Ca no sangue. Elaborada a partir da exposio aos raios solares; leite, queijo e gorduras.

    Vitamina E: Responsvel pela sade das clulas, fertilidade e retarda o processo de envelhecimento. Deve ser associada vitamina C para atuar efetivamente no combate aos radicais livres. Germe de trigo, leo de gergelim, soja, milho, linhaa, amendoim, sementes de girassol, folhas de legumes verde escuros, ovos.

    Vitamina K: Essencial para a coagulao sangunea. Vegetais de folhas verdes, alfafa, espinafre, repolho, couve-flor.

    Sais Minerais

    Os sais minerais so substncias vitais de que se compe uma boa parte do nosso tecido corporal. So encontrados em fru