Biofisica Seminrio Audi§£o

  • View
    614

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Biofisica Seminrio Audi§£o

Figura 1: A vibrao do ar traduz-se em zonas de condensao e rarefao das partculas.

medida que a onda se propaga as partculas do meio vibram de forma a produzir variaes de presso e densidade segundo a direo de propagao.

Estas alteraes resultam numa srie de regies de altas e baixas presses chamadas de condensaes e rarefaes respectivamente.

A vibrao do ar o som. Essa vibrao tem de ter uma fonte, uma origem. a fonte sonora. a fonte sonora que fora o ar a vibrar. Pode ser um alto falante ou a laringe, atravs da passagem do ar pelas cordas vocais.

No caso do alto falante a membrana que vibra e fora as molculas do ar a entrar tambm em vibrao.

No caso da voz, a passagem do ar pelas cordas vocais, localizadas na laringe, que origina a sua vibrao e a transmisso dessa vibrao ao ar. Depois de originado na fonte e propagado pelo meio material, o som recebido por um elemento receptor.

Esse elemento receptor tem a capacidade de transformar as ondas sonoras em algum outro tipo de sinal que possamos processar.

, portanto um elemento transdutor. No caso do ouvido, as vibraes do ar so convertidas em vibraes mecnicas e, em ltima anlise, em impulsos eltricos que so processados pelo nosso crebro.

Propagao do SomComo isso acontece? As ondas sonoras se propagam no ar e em outros meios materiais. Elas no se propagam no vcuo, j que se transmitem atravs de vibraes moleculares e as molculas precisam estar prximas, o que no vcuo no acontece.

O som se propaga mais rpido em slidos que em lquidos e nestes ltimos, mais rpido que nos gases.

Novamente porque as molculas nos slidos esto mais juntas que nos lquidos e da em diante.

Em lquidos e em gases a velocidade do som tambm pode variar com a temperatura, outro fator que interfere na separao e agitao dos tomos. Aps pesquisar um pouco mais sobre o assunto, algumas dvidas surgiram e me fizeram pesquisar para achar as respostas

Umas de minhas perguntas eram: "O som se propaga em diferentes direes, alcanando sempre a mesma distncia?"

A resposta para essa pergunta vem de um dos fenmenos sonoros, a DIFRAO.

Que ocorre quando a onda sonora transpe obstculos esses obstculos "enfraquecem" as ondas sonoras... ... fazendo com que elas no percorram as mesmas distncias em diferentes direes.Vejam no prximo slide ...

Velocidade de propagao em diferentes materiais

Borracha: 54 m/s gua: 1.400 m/s Ferro: 5.100 m/s Granito: 6.000 m/s Ao: 5.900 m/s

SONARSONARES: a sigla em ingls de Sound ou Navigation "navegao And e Ranging,

determinao da distncia pelo som". um instrumento auxiliar da navegao martima.

Este

sistema na

inicialmente localizao

era de

empregado

submarinos (em guerras), mas hoje em dia tambm usado no estudo e pesquisa dos oceanos (determinao de profundidades ou de depresses) e na pesca, para a localizao de cardumes.

O

princpio

bsico

de

FUNCIONAMENTO DO SONAR a emisso de ultra-sons (ondas mecnicas de alta frequncia) por um aparelho colocado nos navios, acoplado a um receptor de som.

O som emitido propaga-se na gua, reflete-se no fundo dos oceanos ou nos objetos (peixes), retorna e captado pelo receptor, que registra a variao de tempo entre a emisso e a recepo do som, fazendo clculos ele determina a distncia e a velocidade do objeto.

ECOLOCALIZAOEcolocalizao ou Biosonar um sentido, uma sofisticada capacidade BIOLGICA de detectar a posio e/ou distncia de objetos (obstculos no ambiente)...

... ou animais atravs de emisso de ondas ultra-snicas, no ar ou na gua, e anlise ou cronometragem do tempo gasto para essas ondas serem emitidas, refletirem no alvo e voltarem fonte sobre a forma de eco (ondas refletidas).

ECOLOCALIZAO

Para

diversos

mamferos,

morcegos, golfinhos e baleias, essa capacidade de importncia crucial em condies onde a viso insuficiente, de noite no caso dos morcegos...

... ou em guas escuras ou turvas para presas. os golfinhos, ou para seja captura para de locomoo

O

pssaro e

do

petrleo tipo

ou de

Gucharo sul-americano (Steatornis caripensis) certo do ANDORINHO gnero

Aerodramus (Formerly collocalia)...

... ou swiftlets das cavernas SO AS NICAS AVES conhecidas que tambm podem ecolocalizar e voar na escurido absoluta.

O rgo responsvel pela audio a ORELHA (antigamente denominado ouvido), tambm chamada RGO VESTBULO-COCLEAR ou estatoacstico. A maior parte da orelha fica no osso temporal, que se localiza na caixa craniana. Alm da funo de ouvir, o ouvido tambm responsvel pelo equilbrio.

A ORELHA est dividida em trs partes: Orelhas externa, mdia e interna(antigamente denominadas ouvido externo, ouvido mdio e ouvido interno).

ANATOMIA DO OUVIDO

ORELHA EXTERNA formada pelo Pavilho Auditivo (antigamente denominado orelha) e pelo canal auditivo externo ou meato auditivo. Todo o pavilho auditivo (exceto o lobo ou lbulo) constitudo por tecido cartilaginoso recoberto por pele.

Tendo como funo captar e canalizar os sons para a orelha mdia. O canal auditivo externo estabelece a comunicao entre a orelha mdia e o meio externo, tem cerca de trs centmetros de comprimento e est escavado em nosso osso temporal.

revestido internamente por plos e glndulas, que fabricam uma substncia gordurosa e amarelada, denominada CERUME OU CERA. Tanto os plos como o cerume retm poeira e micrbios que normalmente existem no ar e eventualmente entram nos ouvidos.

O CANAL AUDITIVO EXTERNO termina numa delicada membrana TMPANO ou membrana timpnica firmemente fixada ao conduto auditivo externo por um anel de tecido fibroso, chamado anel TIMPNICO.

ORELHA MDIAComea na membrana timpnica e consiste, em sua totalidade, de um espao areo a cavidade timpnica no osso temporal.

Dentro dela esto trs ossculos articulados entre si, cujos nomes descrevem sua forma: martelo, bigorna e estribo. Esses ossculos encontram-se suspensos na orelha mdia, atravs de ligamentos.

ORELHA INTERNAChamada LABIRINTO, formada por escavaes no osso temporal, revestidas por membrana e preenchidas por lquido. Limita-se com a orelha mdia pelas janelas oval e redonda.

O labirinto apresenta uma parte anterior, A CCLEA OU CARACOL relacionada com a audio, e uma parte posterior relacionada com o equilbrio e constituda pelo VESTBULO E PELOS CANAIS SEMICIRCULARES.

ORELHA INTERNA

Esquema representando a audio humana. (Azul: ondas sonoras; Vermelho: tmpano; Amarelo: cclea; Verde: Clulas receptoras de som; Prpura: espectro de freqncias da resposta da audio; Laranja: Potencial de ao do nervo.

DECIBEL"Decibel'o( uma dB) uma unidade logartmica que indica a proporo de quantidade fsica (geralmente energia ou [Intensidade [(fsica) | Intensidade]]) em relao a um nvel de referncia ...

... especificado ou implcita. Uma relao em decibis DEZ VEZES o logaritmo de base 10 da razo entre duas quantidades de energia. A decibel um dcimo de um bel, uma unidade raramente usados.

EXEMPLO

DE

ALGUNS

SONS

considerados como rudos simples do nosso dia-a-dia e seu nvel sonoro em decibis (dB).

O rudo de uma sala de estar chega Um grupo de amigos conversando O rudo de um escritrio chega a Um caminho pesado em circulao

a 40dB;

em tom normal chega a 55dB;

quase 64dB;

chega a 74dB;

Em creches os nveis de rudo O trfego de uma avenida de

superiores a 75dB;

grande movimento pode chegar aos 85dB;

Trios eltricos num carnaval fora

de poca tem em mdia de 110dB;

O trfego de uma avenida com

grande movimento em obras com britadeiras at 120dB;

Discoteca a intensidade sonora Um Estdio cheio de vuvuzelas

chega at 130dB.

pode chegar at 140dB.

A partir do nvel de presso sonora de 85 dB so potencialmente danosos aos ouvidos, se o contacto com esses sons, sejam eles ruidosos ou no, durar mais de 480 MINUTOS (8 HORAS):

POLUIO SONORAA poluio sonora o efeito provocado pela difuso do som num tom demasiado alto, sendo o mesmo muito acima do tolervel pelos organismos vivos, no meio ambiente. Dependendo da sua intensidade ...

... causa danos irreversveis nos seres humanos. Fala-se de rudo na comunicao quando existe qualquer factor externo fonte emissora e receptora que prejudique a compreenso de uma mensagem.

POLUIO SONORA crime ambiental e pode dar cadeia!

A poluio sonora ocorre quando em

um ambiente o som altera a condio normal de audio, ou seja, som excessivo das indstrias, obras, transporte, reas de recreao, etc.

Pessoas expostas a esses rudos passam no a sofrer efeitos negativos alm de causados por eles, como problemas sistema auditivo, provocar alteraes comportamentais e orgnicas.

A OMS (Organizao Mundial de Sade) considera que um som deve ficar em at 50 db, para no causar prejuzos pessoa. A partir de 50 decibis, longo prazo. os efeitos negativos comeam, e podem ser a curto e

Hoje

em

dia

esse

tipo

de

comportamento caracterizado pelo delito da Lei 9.605/98 (Lei dos Crimes Ambientais), com pena de recluso de 1 a 4 anos e multa, podendo flagrante. levar at priso em

Com a apreenso do veculo e do equipamento de som, sem contar o prejuzo com a multa administrativa que varia entre 5 mil a 5 milhes. Havendo, ainda contraveno de perturbao da tranqilidade prevista no artigo 42 da Lei de Contravenes Penais Decreto 3648/41

A

Em FORTALEZA, onde DENUNCIAR casos de POLUIO SONORA!populao pode denncia ou pelo

colaborar telefone do site

registrando 3452-6923

atravs

www.fortaleza.ce.gov.br/semam, no link "