Boa Vista, 14 de julho de 2017 ANO XX - EDIÇÃO .desordem no funcionamento do Tribunal de Contas,

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Boa Vista, 14 de julho de 2017 ANO XX - EDIÇÃO .desordem no funcionamento do Tribunal de Contas,

Boa Vista, 14 de julho de 2017 ANO XX - EDIO 6015Disponibilizado s 20:00 de 13/07/2017

Boa Vista, 14 de julho de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6015 002/113

http://www.tjrr.jus.br/index.php/servidor

SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO Expediente de 13/07/2017 PUBLICAO DE DECISO MANDADO DE SEGURANA: N 0000.17.000178-8 IMPETRANTE: TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA PROCURADORA: DR. ROSA LEOMIR BENEDITTI GONALVES - OAB/RR N 561 IMPETRADO: ESSEN PINHEIRO FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR JEFFERSON FERNANDES DA SILVA DECISO Trata-se de Mandado de Segurana impetrado, com pedido de liminar, contra ato do Conselheiro Corregedor do Tribunal de Contas do Estado de Roraima, consistente em notificar os chefes e diretores de unidades daquela Corte e o Banco do Brasil, para que no cumpram as ordens provenientes do Conselheiro Henrique Machado, na condio de Presidente, em razo de deciso do STF que determinou o afastamento do Conselheiro Henrique Machado do cargo ocupado. A parte Impetrante alegou que, no dia 21 de dezembro de 2016, o impetrante foi surpreendido pelo encaminhamento do OFCIO N 004/2016-GAB/CORREG/TCE-RR, por meio do qual o Corregedor do TCE/RR, Conselheiro Essen Pinheiro Filho encaminhou cpia de suposto fax transmitido pelo Supremo Tribunal Federal, referente Ao Cautelar n 3675, de autoria do impetrante, cujo teor contm informao deciso proferida naqueles autos. Afirmou que fora surpreendido por diversos atos materializados pelo impetrado por meio dos OFCIOS N 016/2016, 019/2016, 017/2016, 024/2016, destinados aos diretores do Tribunal, dando conhecimento da deciso do STF e compelindo-os a se absterem de praticar qualquer ato a partir do recebimento do referido documento, sob as ordens do impetrante, sob pena de responsabilizao administrativa, cvel e criminal. Aduziu que os atos praticados pelo corregedor esto totalmente sem amparo legal, causando verdadeira desordem no funcionamento do Tribunal de Contas, trazendo prejuzos irreparveis. Concluiu que o fundamento para este ato descabido foi o suposto afastamento do Presidente do cargo que ocupa em razo de revogao de medida liminar que permitia a sua permanncia no cargo, porm, o Excelentssimo Presidente no foi notificado da deciso, tampouco esta foi publicada por meio oficial, conforme preceitua os artigos 236 e 269, do CPC. Asseverou, em arremate, que enquanto no houver cumprimento de mandado intimatrio, o Impetrante tem legitimidade para ocupar o cargo de conselheiro, atualmente na funo de presidente, durante o mandato que findar em 31 de dezembro de 2016, at que sobrevenha a intimao de que no mais pode faz-lo, sob pena de afronta aos princpios do devido processo legal e seus corolrios, contraditrio e ampla defesa. Ao final, requereu medida liminar para suspender os atos praticados pelo Corregedor do TCE/RR, consistentes em determinar aos servidores do TCE/RR e ao Banco do Brasil que no cumpram ordens oriundas do Impetrante, na qualidade de Presidente, bem como, que o Conselheiro Corregedor abstenha-se de praticar qualquer ato de competncia do Impetrante, na qualidade de Presidente do TCE/RR, at que seja formalmente intimado da deciso do STF. No mrito, requereu a concesso definitiva da segurana, para fins de confirmao da liminar. Facultada a emenda da inicial, a parte Impetrante manifestou-se tempestivamente s fls. 53, no apresentando preparo. Deferida a liminar pleiteada s fls. 55/57. Prestadas informaes pela autoridade apontada como coatora s fls. 62/85.

SICOJURR - 00057660

sr1u

f5F

DC

Rj2

gKyv

vsxy

ZX

BO

xKY

=T

ribun

al P

leno

- T

ribun

al P

leno

Boa Vista, 14 de julho de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6015 003/113

s fls. 90/92, a Procuradoria-Geral do Estado, requereu a denegao da segurana pleiteada, em razo da perda superveniente do interesse de agir uma vez que ocorrera o trmino do mandato de presidente do TCE do impetrante. s fls. 108/109 a douta Procuradoria-Geral de Justia se manifestou pela extino do feito, sem resoluo do mrito, nos termos do artigo 485,VI do NCPC. vista de eventual perda de objeto, s fls. 111, este relator determinou a intimao das partes para se manifestarem no prazo de 05 dias, bem como cincia ao Impetrante do adiamento do pagamento das custas iniciais para o final do processo. Vieram os Autos conclusos. o sucinto relato. DECIDO. O mandado de segurana visa proteger direito lquido e certo no amparado por habeas corpus ou habeas data contra ato de qualquer autoridade pblica ou agente de pessoa jurdica no exerccio de atividades manifestamente pblicas, eivado de ilegalidade ou abuso de poder (CF/88: art. 5, inc. LXIX). Por sua vez, a Lei n 12.016/09 (que disciplina o mandado de segurana individual e coletivo e d outras providncias), em seu artigo 7, inciso III, estabelece que, ao despachar a inicial, o juiz ordenar que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando for relevante o fundamento e o ato impugnado puder resultar a ineficcia da medida, caso seja finalmente deferida. Compulsando os autos, constato que o objeto do mandado de segurana era suspender os atos praticados pelo Corregedor do TCE/RR, bem como se abster de praticar qualquer ato de competncia do Impetrante, na qualidade de Presidente do TCE/RR, at a intimao formal da deciso do STF. Em razo do trmino do mandato do impetrante na presidncia da Corte Estadual de Contas, tendo havido, inclusive, nova eleio para os cargos da administrao superior e posse dos novos dirigentes para o binio 2017/2019, conforme noticiado pelo Procuradoria de Justia s fls. 108, verifico a perda de interesse recursal do impetrante, uma vez que o objeto do presente writ era suspender os atos praticados pelo ento Corregedor do TCE/RR, bem como para que o mesmo se abstivesse de praticar qualquer ato de competncia do Impetrante, na qualidade de Presidente do TCE/RR. Sendo assim, considerando a perda do interesse de agir do impetrante, a extino presente do feito, sem resoluo do mrito, medida que se impe. Diante do exposto, julgo extinto o feito, sem resoluo do mrito, nos termos do art. 485, VI, do CPC. Na forma do despacho de fls.111, condeno a parte impetrante ao pagamento das custas processuais. Em sendo pagas, d-se baixa e arquive-se. Publique-se. Intimem-se. Cumpra-se. Boa Vista (RR), em 13 de julho de 2017.

Jefferson Fernandes da Silva Desembargador Relator

TERMO CIRCUNSTANCIADO N. 0000 16 001165-6 RU: GIDEON SOARES DE CASTRO VITIMA: NILO ANTNIO TOLEDO RELATOR: DESEMBARGADOR JEFFERSON FERNANDES DA SILVA DECISO

SICOJURR - 00057660

sr1u

f5F

DC

Rj2

gKyv

vsxy

ZX

BO

xKY

=T

ribun

al P

leno

- T

ribun

al P

leno

Boa Vista, 14 de julho de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6015 004/113

Trata-se de Termo Circunstanciado de Ocorrncia em desfavor de Gideon Soares de Castro, vereador no municpio de So Joo da Baliza, pela prtica, em tese, do delito previsto no artigo 147 do Cdigo Penal Brasileiro. Todavia, em consulta ao site do TRE/RR, verifiquei que o Autor do Fato no fora reeleito na ltima eleio municipal, acarretando a consequente perda da prerrogativa de foro em razo do cargo. Encaminhados os Autos douta Procuradoria de Justia, esta pugnou pelo declnio de competncia ao juzo da Comarca de So Luiz do Anau, uma vez cessada a prerrogativa de foro do Autor do Fato. Eis o breve relatrio. Decido. Com efeito, pacfico o entendimento doutrinrio e jurisprudencial que cessa a competncia por prerrogativa de funo quando encerrado o exerccio funcional que a justificava, vejamos: AO PENAL. DEPUTADO ESTADUAL. PROCESSO CRIMINAL. FORO PRIVILEGIADO POR PRERROGATIVA DE FUNO. COMPETNCIA CONSTITUCIONAL DO RGO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIA DO ESTADO. TRMINO DO MANDATO PARLAMENTAR ESTADUAL. AUSNCIA DE REGISTRO DE NOVA CANDIDATURA. PERDA DA PRERROGATIVA DE FORO EM RAZO DO CARGO. COMPETNCIA DO PRIMEIRO GRAU DE JURISDIO PARA O PROCESSO. DECLINAO DE COMPETNCIA. REMESSA DOS AUTOS AO JUZO PREVENTO. COMPETNCIA DECLINADA. UNNIME. (Ao Penal - Procedimento Ordinrio N 70029469947, Tribunal Pleno, Tribunal de Justia do RS, Relator: Aymor Roque Pottes... (TJ-RS - AP: 70029469947 RS, Relator: Aymor Roque Pottes de Mello, Data de Julgamento: 08/08/2011, Tribunal Pleno, Data de Publicao: Dirio da Justia do dia 17/08/2011). Dessa forma, em razo da cessao de investidura no mandato de vereador do Autor do fato, em consonncia com o parecer Ministerial, declino a competncia em favor ao juzo da Comarca de So Luiz do Anau. P.R.I Boa Vista (RR), em 13 de julho de 2017.

Jefferson Fernandes da Silva Desembargador Relator

PUBLICAO DE ATO ORDINATRIO RECURSO ESPECIAL NO AGRAVO INTERNO N. 0000.16.001808-1 RECORRENTE: ESTADO DE RORAIMA PROCURADORA DO ESTADO: DR DANIELLA TORRES MELO BEZERRA (OAB/RR 215-B) RECORRIDO: ROVEL - RORAIMA VECULOS LTDA E OUTROS ADVOGADO: DR. DR. BERNARDINO DIAS DE SOUZA CRUZ NETO (OAB/RR 178-N) E OUTRA FINALIDADE: Intimao da parte recorrida para apresentar contrarrazes no prazo legal.

SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO, BOA VISTA-RR, 13 DE JULHO DE 2017.

MAURCIO ROCHA DO AMARAL Diretor de Secretaria em exerccio

SICOJURR - 00057660

sr1u

f5F

DC

Rj2

gKyv

vsxy

ZX

BO

xKY

=T

ribun

al P

leno

- T

ribun

al P

leno

Boa Vista, 14 de julho de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6015 005/113

SECRETARIA DAS CMARAS REUNIDAS Expediente de 13/07/2017 PUBLICAO DE PAUTA DE JULGAMENTO O Senhor Desembargador Presidente da Cmara Criminal, do Tribunal de Justia do Estado de Roraima, torna pblico para cin