Boa Vista, 24 de agosto de 2017 ANO XX - EDIÇÃO ."Mandado de Segurança - Fornecimento de medicamento

  • View
    223

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Boa Vista, 24 de agosto de 2017 ANO XX - EDIÇÃO ."Mandado de Segurança - Fornecimento de...

  • Boa Vista, 24 de agosto de 2017 ANO XX - EDIO 6043Disponibilizado s 20:19 de 23/08/2017

  • Boa Vista, 24 de agosto de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6043 002/105

    http://www.tjrr.jus.br/index.php/servidor

  • SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO Expediente de 23/08/2017 PUBLICAO DE DECISO MANDADO DE SEGURANA N. 0000.17.001976-4. IMPETRANTE: KARINA TAMARA SANTOS CORREA. DEFENSOR PBLICO: DR. JANURIO MIRANDA LACERDA (OAB/RR 254-B). IMPETRADO: SECRETRIO DE SADE DO ESTADO DE RORAIMA. RELATOR: DESEMBARGADOR RICARDO OLIVEIRA. DECISO Trata-se de mandado de segurana, com pedido de liminar, impetrado por KARINA TAMARA SANTOS CORREA, contra ato do SECRETRIO DE SADE DO ESTADO DE RORAIMA, em virtude de negativa de fornecimento de frmacos e materiais mdico-hospitalares, todos imprescindveis ao seu tratamento mdico. A impetrante alega que possui paraplegia traumtica (CID 10.G.82.1/N.31.9/K59.2/T91.3), com diagnstico de bexiga e intestino neurognicos e espasticidade, necessitando do uso contnuo dos seguintes medicamentos: Baclofeno 10mg (120 comprimidos por ms) e Retemic 5mg (cloridrato de oxibutinina, 150 comprimidos por ms). Narra que, devido a seu quadro neurolgico irreversvel, necessita realizar procedimento de cateterismo intermitente e precisa dos seguintes materiais: Laxenol leo mineral de 100ml (03 frascos por ms); luvas de procedimento tamanho M (01 caixa por ms); sonda uretral n. 12 (180 unidades por ms); saco coletor de urina (180 unidades por ms); gua boricada (20 frascos por ms); e compressa Cremer estril 9F 7,5 x 7,5 (500 unidades por ms). Sustenta que, tendo em vista o elevado valor da medicao e dos materiais (R$ 753,89 mensais), tentou obt-los atravs da SESAU (Secretaria de Estado da Sade), mas no logrou xito (fls. 22/23). Esclarece que necessita do uso dos remdios bem como dos materiais mdico-hospitalares, por ser a nica forma adequada de tratamento para seu caso. Requer, assim, o deferimento de liminar, para determinar que a autoridade coatora providencie imediatamente os medicamentos e os materiais mencionados ou, alternativamente, disponibilize a quantia necessria para a sua compra, por tempo indeterminado. No mrito, requer a concesso definitiva da segurana. Juntou documentos (fls. 16/23). o sucinto relato. Decido. Defiro a gratuidade da justia. Considero relevante a fundamentao do pedido, pois, em princpio, a negativa do fornecimento da medicao e dos materiais indispensveis ao tratamento da impetrante fere o direito sade, de carter fundamental, a teor do art. 196 da CF: "Art. 196. A sade direito de todos e dever do Estado, garantido mediante polticas sociais e econmicas que visem reduo do risco de doena e de outros agravos e ao acesso universal e igualitrio s aes e servios para sua promoo, proteo e recuperao".

    SICOJURR - 00058235

    Y7+

    0/92

    vmN

    5rj7

    ezO

    fMvF

    iU/J

    Q0=

    Trib

    unal

    Ple

    no -

    Trib

    unal

    Ple

    no

    Boa Vista, 24 de agosto de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6043 003/105

  • Ademais, restou plausvel o seu direito lquido e certo, pois se observa dos documentos juntados aos autos que os medicamentos e o materiais, prescritos por mdico do SUS, so imprescindveis aos cuidados de sua sade. Gize-se, por oportuno, que o perigo da demora evidente, j que a descontinuidade do tratamento poder ocasionar a "reteno urinria com alterao do trato urinrio superior e perda da funo renal" (fl. 14). Sobre o tema: "Mandado de Segurana - Fornecimento de medicamentos prescritos a portador de 'paraparesia espstica' - Admissibilidade - Dever do Estado - Artigo 196 da Constituio Federal - Precedentes - Sentena concessiva da ordem - Desprovimento dos recursos" (TJ-SP - REEX: 990103300718 SP, Relator: Osvaldo Magalhes, Data de Julgamento: 08/11/2010, 4. Cmara de Direito Pblico, Data de Publicao: 25/11/2010). ISTO POSTO, defiro a liminar, para determinar que a autoridade coatora ou quem suas vezes fizer proceda ao imediato fornecimento dos seguintes medicamentos e materiais mdico-cirrgicos, enquanto perdurar o tratamento da impetrante: Baclofeno 10mg (120 comprimidos por ms); Retemic 5mg (cloridrato de oxibutinina, 150 comprimidos por ms); Laxenol leo mineral de 100ml (03 frascos por ms); luvas de procedimento tamanho M (01 caixa por ms); sonda uretral n. 12 (180 unidades por ms); saco coletor de urina (180 unidades por ms); gua boricada (20 frascos por ms); e compressa Cremer estril 9F 7,5 x 7,5 (500 unidades por ms). Notifique-se a autoridade apontada como coatora para prestar as informaes de estilo, no prazo de 10 (dez) dias. Intime-se, por mandado, o Procurador-Geral do Estado, nos termos do art. 7., II, da Lei n. 12.016/09. Aps, voltem-me os autos conclusos. Publique-se e cumpra-se. Boa Vista, 22 de agosto de 2017.

    Des. RICARDO OLIVEIRA Relator

    MANDADO DE SEGURANA N. 0000.17.001084-7 IMPETRANTE: MARCELO GEBER DA SILVA ADVOGADOS: DR DENISE ABREU CAVALCANTI CALIL (OAB/RR 171-B) IMPETRADO: DESEMBARGADOR CRISTVO SUTER RELATOR: DESEMBARGADOR LEONARDO CUPELLO DECISO Trata-se de Mandado de Segurana em face do ato de aplicao de multa pela Cmara Cvel, em desfavor do Impetrante, quando do julgamento de agravo interno que fora interposto em face de denegao de liminar em agravo de instrumento. Aps despacho considerando cota Ministerial para citao dos demais membros da Turma Cvel, julgadores do acrdo, o Impetrante juntou petio informando a desistncia da ao (fls. 94). Vieram-me os autos conclusos. DECIDO. Prev o CPC/2015 que o juiz no resolver o mrito quando homologar desistncia da ao (art. 485, inc. VIII). E ainda, que oferecida a contestao, o autor no poder desistir da ao sem o consentimento do ru, bem como, que a desistncia pode ser apresentada at a sentena. (4 e 5).

    SICOJURR - 00058235

    Y7+

    0/92

    vmN

    5rj7

    ezO

    fMvF

    iU/J

    Q0=

    Trib

    unal

    Ple

    no -

    Trib

    unal

    Ple

    no

    Boa Vista, 24 de agosto de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6043 004/105

  • In casu, houve a realizao de notificao e intimao de praxe de apenas um dos Impetrados, portanto, a desistncia anterior defesa de todas as autoridades. Sendo assim, cabvel a homologao de pronto da desistncia e decreto de extino da ao. Ademais as Cortes Superiores j vm decidindo que possvel a desistncia de mandado de segurana mesmo aps a deciso de mrito, destaco: RECURSO EXTRAORDINRIO. REPERCUSSO GERAL ADMITIDA. PROCESSO CIVIL. MANDADO DE SEGURANA. PEDIDO DE DESISTNCIA DEDUZIDO APS A PROLAO DE SENTENA. ADMISSIBILIDADE. " lcito ao impetrante desistir da ao de mandado de segurana, independentemente de aquiescncia da autoridade apontada como coatora ou da entidade estatal interessada ou, ainda, quando for o caso, dos litisconsortes passivos necessrios" (MS 26.890-AgR/DF, Pleno, Ministro Celso de Mello, DJe de 23.10.2009), "a qualquer momento antes do trmino do julgamento" (MS 24.584-AgR/DF, Pleno, Ministro Ricardo Lewandowski, DJe de 20.6.2008), "mesmo aps eventual sentena concessiva do 'writ' constitucional, () no se aplicando, em tal hiptese, a norma inscrita no art. 267, 4, do CPC" (RE 255.837-AgR/PR, 2 Turma, Ministro Celso de Mello, DJe de 27.11.2009). Jurisprudncia desta Suprema Corte reiterada em repercusso geral (Tema 530 - Desistncia em mandado de segurana, sem aquiescncia da parte contrria, aps prolao de sentena de mrito, ainda que favorvel ao impetrante). Recurso extraordinrio provido. (STF. RE 666367 rj, Min. Rosa Weber, Rep.Geral, 30/10/2014) (grifo nosso) DIREITO PROCESSUAL CIVIL. DESISTNCIA DE MANDADO DE SEGURANA. O impetrante pode desistir de mandado de segurana sem a anuncia do impetrado mesmo aps a prolao da sentena de mrito. Esse entendimento foi definido como plenamente admissvel pelo STF. De fato, por ser o mandado de segurana uma garantia conferida pela CF ao particular, indeferir o pedido de desistncia para supostamente preservar interesses do Estado contra o prprio destinatrio da garantia constitucional configuraria patente desvirtuamento do instituto. Essa a razo por que no se aplica, ao processo de mandado de segurana, o que dispe o art. 267, 4, do CPC ("Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor no poder, sem o consentimento do ru, desistir da ao."). Precedentes citados do STF: RE 669.367-RJ, Pleno, DJe 9/8/2012; e RE-AgR 550.258-PR, Primeira Turma, DJe 26/8/2013. (STJ. REsp 1.405.532-SP, Rel. Min. Eliana Calmon, julgado em 10/12/2013) (grifo nosso) Por todo o exposto, homologo a desistncia do Impetrante e extingo a ao sem resoluo do mrito, nos termos do art. 485, inc. VIII, do CPC. D-se cincia a Autoridade Impetrada (fls. 79). Custas pelo autor. Publique-se. Cumpra-se. Arquive-se. Boa Vista (RR), em 22 de agosto de 2017.

    Leonardo Cupello Desembargador

    Relator PUBLICAO DE DESPACHO MANDADO DE SEGURANA N. 0000.17.001923-6 IMPETRANTE: ELENILDE DE SOUZA SILVA ADVOGADA: DR. NATLIA PAIVA DE OLIVEIRA (OAB/RR 1174) IMPETRADA: GOVERNADORA DO ESTADO DE RORAIMA RELATOR: DESEMBARGADOR MAURO CAMPELLO DESPACHO Reservo a apreciao do pedido liminar posteriormente s informaes da autoridade apontada como coatora, devendo constar do ofcio dirigido Impetrada se a vaga pleiteada pela impetrante j se encontra preenchida por outro candidato no aludido concurso pblico.

    SICOJURR - 00058235

    Y7+

    0/92

    vmN

    5rj7

    ezO

    fMvF

    iU/J

    Q0=

    Trib

    unal

    Ple

    no -

    Trib

    unal

    Ple

    no

    Boa Vista, 24 de agosto de 2017 Dirio da Justia Eletrnico ANO XX - EDIO 6043 005/105

  • Aps as informaes, voltem-me conclusos para a deciso liminar. Boa Vista, 23 de agosto de 2017.

    Des. MAURO CAMPELLO - Relator MANDADO DE SEGURANA N. 0000.14.002212-0 IMPETRANTE: VALRIA VIANA DO VALE DEFENSORA PBLICA: DR. TERESINHA LOPES