BOA VONTADE 202

Embed Size (px)

Text of BOA VONTADE 202

Estive algumas vezes em Portugal. Pas lindo, de gente acolhedora. Terra da nostlgica Amlia Ro-drigues(1920-1999),queFoi Deus* quem levou, faz pouco tempo. Sempre gostei de ouvi-la cantando esse fado, ao som de guitarras afnadssimas echorosas.Porsinal,contamque,in-fuenciada por amigos, no iria grav-lo. Entretanto, reconsiderou, e seu sucesso foiimenso.Sortepara Amlia,sorte para ns. Isso me lembra outra histria, adequealgunsartistasfamososde Hollywood se negaram a interpretar o papel principal de nada mais nada me-nos que Casablanca. Sorte para Hum-phrey Bogart e para ns tambm.Umadessasviagensdeu-seem novembrode1994,depoisqueoDr. Jos AparecidodeOliveira*,ento EmbaixadordoBrasilnaquelanao-irm,ligandolparacasa,fraternal-mente convocou-me para assistir, na capital lusitana, ao lanamento da pedra fundamental da sede da Fundao Luso-Brasileira do Mundo de Lngua Portu-guesa.Presenteestava,entrediversas personalidadesdePortugal,dafrica e do Brasil, o eminente arquiteto Oscar Niemeyer, com sua voz calma e afetuosa e seu corao grande e apaixonado pelas causas sociais.Apsasolenidade,oEmbaixador apresentou-meoDr.JorgeSampaio, que, naquela ocasio, presidia a Cma-raMunicipaldeLisboa.Hoje,eleo PresidentedaRepblica.Emseguida, houve uma recepo na casa do amigo Aparecido, sob a batuta de sua distinta esposa,DonaLeonor.Somomentos decariciosalembrana,quandofui gentilmente convidado a assinar com os Jos de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor, Presidente das Instituies da Boa Vontade.Amlia RodriguesGersMuro deEspelho do Gers, localizado na Serra de mesmo nome, em terras lusitanas.Alziro de PaivaReproduo BVEditorialRevista Boa Vontade 4demaisumprotocolo dedoaodemonu-mental pintura de Nos-saSenhora Aparecida (obradoarquitetoe artista plstico Joo de Souza Arajo) famo-sa Baslica dedicada Me de Jesus, naquele tempo sob o comando do estimado D. Geraldo Maria de Moraes Penido (1918-2002), seusaudoso ArcebispoEmrito.Em 1989,visitou-menaLegiodaBoa Vontade etive a honra de ser recebido, juntamente com minha famlia, em sua residncia,numatardememorvel, tendo ao lado sua bondosa irm Dona Geralda,tambmhojefalecida.Que DeuseternamenteosguardeemSeu Seio de Misericrdia. (Na atualidade, a grande Catedral tem a direo do ilustre Dom Raymundo Damasceno Assis.)Oscar NiemeyerHumphrey Bogart e Ingrid Bergman, nos papis centrais de Rick e Ilsa em Casablanca, um estrondoso sucesso de Hollywood, considerado o segundo melhor flme americano. Em cenas de Casablanca, que reproduz um caf ame-ricano, Sam, personagem interpretado pelo ator Dooley Wilson, toca enquanto Humphrey Bogart o observa.H alguns anos, durante um evento em Lisboa, confraternizaram o atual Presidente de Portugal, Dr. Jorge Sampaio (E), o ex-Embaixador do Brasil em Portugal, Dr. Jos Aparecido de Oliveira (C), e o Diretor-Presidente da LBV, Jos de Paiva Netto (D).Torre de Belm, um dos mais famosos monumentos de Lisboa/Portugal, situa-se na margem direita do Rio Tejo.Julio AlmeidaEm 1989, Dom Geraldo Maria de Moraes Penido (D), ento Arcebispo de Aparecida/SP, visitou a Sede Mundial da LBV, em So Paulo/SP, onde foi fraternalmente recepcionado pelo escritor Paiva Netto.Celso RomeroDom Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo de Aparecida.Arquivo BVPhotoDiscRevista Boa VontadeNa estrada de Gerspara Braga,existem muitos muros velhos...Mas h umantigo,especialmente antigo,bem na curva,que alma afaga...Antigo como o Amore como as dores...To pequeno...mas nos faz sorriraos favoresde nos abrir, alma triste,um prazer amplo,de descobrir,no seio do campo,a beleza divinal das fores.Enquanto outros grandes!... no tm a expressocom que,na sua pequenez,fala ao corao.Sim,porque, se esteno o maior dos rgosdo corpo,tudo sentee tudo v,porque tudo ve tudo sente...Eis seu escopo.Oh! Muro pequeno,pequeno Muro,to carregado de Vida!Vida!Vida!como a heraque cobre os teus lados,feitos de pedra amolecidae humanizada pelos anos,muitos anos...Ah! Muro Antigo!de pedra antiga...A quanta histria assististe!...E do muito que ouviste,conta-me um pouco.E tas escutarei,no de ouvido mouco,de tanto viajante,que por aqui passa,e no te v...Pois loucos laoslhe turbam a mente...E que oportunidadeperde,pois no te senteo canto dos sculosacerantes.Sim, porque a rodaroda...E o que foi,retorna adiante...E, talvez,Muro Antigo,antigo Muro,os que so cegospara no ver-te,e surdospara no ouvir-te,tenham aprendido,fnalmente,que,para escutaro lamento ou o cantarda prpria pedra, to preciso,morta a regra,amar todos os amoresdo Amor Divinosem rancores.A um Muro AntigoTrecho do muro de Gers, que inspirou os versos de Paiva Netto.Serra do Gers

Emoutraocasio,fuilevadoa umlocalencantador, Amares,onde passamos algumas horas respirando arpuro,coisacadavezmaisrara, conversando com pessoas da comuni-dade, alm das que tambm visitavam o lugar.Na volta, a caminho de Braga, de-liciando-me com a paisagem da Serra do Gers, pude observar a seqncia de muros de pedra, o que comum na regio. Uns eram pomposos, ou-trosmaissingelos.Atquesurgiu aquele, gracioso, bem na curva, mas que,detopequeno,quasenose dava a perceber. Estava l, contudo, frme, cumprindo a sua funo de no permitir que, num estreito espao no preenchido,algumdistraidamente, talvezmesmoumacrianaouum idoso, casse no precipcio profundo. E quis, ento, prestar-lhe uma home-nagem, como a uma pessoa humilde, desconhecidanasuamodstia,que nemporissodeixade,porAmor, cumprir o seu dever. E, ainda no au-tocarro, ousei, perdoem-me, sem ser poeta,osseguintesversinhos,para music-los depois. (Ao lado)Qual o recado do pequeno Muro?Este: em que menor que um rei aquele que no foge sua responsabi-lidade? Merece de todos ns o apoio e a distino por persistir, com honra, At que surgiu aquele, gracioso, bem na curva, mas que, de to pequeno, quase no podia ser visto. Estava l, contudo, frme, cumprindo a sua funo de no permitir que, num estreito espao no preenchido, algum distraidamente, talvez mesmo uma criana ou um idoso, casse no precipcio profundo.Arquivo BVRevista Boa Vontade Editorial,Sentimuitaalegriaaosaberque anossaqueridaNlidaPion conquistou, neste ms de junho, oPrmioPrncipede Astrias das Letras, que jamais fora conferido a uma escritora nascida em nosso pas (Leia entrevista da escritora na pgina 18).Elafoiaprimeiramulheradiri-gira AcademiaBrasileiradeLetras (ABL), no perodo das comemoraes do centenrio da Casa de Machado de Assis. Ocupa a cadeira de nmero 30, cujo patrono o jornalista e romancista, nascidoemBag/RS,JooCarlosde MedeirosPardalMallet(1864-1894). umatenazbatalhadoradosDireitos Humanos, destacadamente os das mu-lheres. Para Nlida, o nosso carinho e respeito. E um grande beijo no corao. (Paiva Netto)A escritora e acadmica Nlida Pion e Paiva Netto, num momento de descon-trao.NlidaJ Soares lanou no dia 9 de ju-nho,na ABL,seumaisrecente romance,AssassinatosnaAca-demiaBrasileiradeLetras.A histria do livro se passa em 1924 e o cenrio o Rio de Janeiro antigo, emquealgunsacadmicosfctcios aparecem mortos nos mais diversos e famosos pontos de visitao cario-ca, tais como: o Copacabana Palace, oPetitTrianon,asededaABL,o Estdio do Fluminense, a Estrada de Ferro do Corcovado, a Candelria e outros. O autor enfatiza que a obra uma maneira de se retornar aos bons tempos,emqueaspessoaspodiam andar despreocupadaspelas ruasda cidade. O advogado Pedro de Paiva pres-tigiouolanamentoe,naocasio, J Soares lana livro na Academiarepresentouseupai,odirigenteda LBV,JosdePaivaNetto,tendoa oportunidadedecumprimentardi-versosacadmicos como oSenador MarcoMacielquerelembroua visita que fez ao Templo da Boa Von-tade, em Braslia/DF , e tambm o acadmico Ivan Junqueira, Presidente da ABL. O Dr. Pedro foi recebido com mui-to carinho por J Soares, que mandou um beijo para o Lder da Legio da BoaVontade,almdeencaminhar aobraautografadacomaseguinte mensagem: Paiva Netto, um beijo do gordo. J Soares. 09/06/05. E Paiva Netto,aoreceberolivro,declarou: AoJ,que,comsuaverve,torna anossavidamaisinteressante,um beijotambm. (Simone Barreto)em viver a sua dignidade.A elite de um pas o seu Povo.________________*1 Foi Deus Este fado de Alberto FialhoJanesfoiimortalizadopela divaAmliaRodrigues(1920-1999).*2JosAparecidodeOliveira Homemdevastaculturaepo-lticodegrandeinfluncia,que serviuoBrasilcomoMinistrodas Relaes Exteriores, foi o primeiro MinistrodaCulturaeEmbaixador emPortugal,entreoutroscargos emsuaextensavidapblica.Ele tambm foi o propositor da criao daComunidadedosPasesdeLn-gua Portuguesa (CPLP) e integra o ConselhodaOrdemdoMritoda FraternidadeEcumnica,doParla-Mundi da LBV. O escritor e apresentador J Soares e o Dr. Pedro de PaivaCidade do Porto, Portugal.Arquivo BVJorge AlexandreDivulgaoRevista Boa VontadeCartasStatus da Mulher da ONUVenhopara-benizar a revista BOAVONTA-DEpelarepor-tagemStatus da Mulher nas NaesUni-das (Editorial de Paiva Netto), conten-do a mensagem encaminhada pela LBV 49aSessodaComissodoStatus da Mulher, nas Naes Unidas, Nova York, EUA. muito importante que sejam di-vulgados continuamente para todas as classes sociais os avanos conseguidos pelas mulheres nas suas lutas polticas, culturais, cientfcas e flosfcas, para aconquistadaigualdadedegnero, conforme consta na Declarao Uni-versal dos Direitos Humanos. OInstitutodePesquisaseEnsino da Cultura Esprita (IPECE), com sede em So Paulo, no Itaim Bibi, tambm desenvolve, no seu mbito de ao, pro-grama de trabalho no sentido de divulgar diretrizesdeorientaoparaamulher brasileira conscientizar-se a respeito de seu real papel a ser desempenhado na prpria Humanidade. Como cita o escritor Paiva Netto, comrelaoigualdadedegne-ros: Valorizar a Mulher dignifca o Homem.(ClaudineTchekmeniam Carneiro Diretora de Divulgao do IPECE)ArevistaBOAVONTADEest passoapassomaravilhosa,doprinc-pioaofm,incluindoaapresentao, comcoloridoforteevibrante.Todos osassuntosestomuitobem-escritos, acomearpelodacapa:AForada Mulher nas Naes Unidas, passando ao Alerta Verde, Estatuto do Idoso e o grande sucesso do lanamento, na BienaldoRio,dolivroAsProfecias sem Mistrio. (Argenclia Cndida dos Santos So Paulo