Brasilia em debate

  • View
    15

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista sobre a situação social, econômica e politica do DF.

Text of Brasilia em debate

ndiceCarta ao leitor

5 7

Entrevista - Aldo Paviani

O emprego do turismo no DF e o perfil da mo de obra um retrato e instrumentos para anlise

13 19

Superao da misria no Distrito Federal

Desafios ao planejamento e gesto territorial integrada da rea Metropolitana de Braslia

23 31 33

Idecon-DF

Catadores tm renda satisfatria

Distrito Federal referncia na formalizao de empreendedores

39

Perspectivas para o desenvolvimento da rea Metropolitana de Braslia

41

Braslia em debate - Ano 2012 - n 1 - Dezembro 1.Economia Planejamento Territorial Distrito Federal (Brasil) ISSN - 2316-820XCOMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL

Desigualdade marca fosso socioeconmico entre regies do DF

43

Braslia em Debate

3

ApresentaoCOMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL

Carta ao leitorEm apenas 52 anos de existncia, Braslia se transformou na 7 maior metrpole brasileira, com estimados 3,65 milhes de habitantes em 2012, sendo 2,7 milhes no DF e 950 mil na sua periferia metropolitana, mais conhecida como Entorno Metropolitano. Trata-se, ainda, da unidade federativa de maior PIB per capita, de maior renda domiciliar per capita e de maior IDH. Seu mercado consumidor o 3 maior do Pas, somente superado pelos das regies metropolitanas de So Paulo e Rio de Janeiro. dependncia do mercado de trabalho do DF, da baixa capacidade de arrecadao das administraes municipais e da pobreza da maioria de sua populao.

Braslia em DebateDezembro - 2012 Ano 2012 n 1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Agnelo Queiroz Governador Nelson Tadeu Filippelli Vice-Governador SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E ORAMENTO DO DISTRITO FEDERAL SEPLAN Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto Secretrio COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL CODEPLAN Jlio Miragaya Presidente DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS SOCIOECONMICAS Jlio Miragaya Diretor DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Salviano Antnio Guimaraes Borges Diretor DIRETORIA DE ESTUDOS E POLTICAS SOCIAIS Osvaldo Russo de Azevedo Diretor DIRETORIA DE ESTUDOS URBANOS E AMBIENTAIS Wilson Ferreira de Lima - Diretor SECRETARIA GERAL Edivan Batista Carvalho Secretrio CONSELHO EDITORIAL Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto Jlio Miragaya Osvaldo Russo Aldo Paviani Ana Maria Nogales Dcio Munhz Roberto Piscitelli Jusanio Souza Iraci Peixoto Chefe da Assessoria de Comunicao Social Mariana Mainenti Jornalista Responsvel Valda Queiroz Reg.prof. 426-DF Editorao Eletrnica Mauro Moncaio Capa Wilson Dias/Agncia Brasil Braslia - Lixo da Estrutural Fotos Toninho Leite Apoio Nilva Rios, Eliane Menezes, Maurcio Suda, Laerte Gouveia, Cleusa Rocha, Vania Galvo, Heloisa Herdy, Thayanne Tavares Obs.: * Os artigos assinados so de inteira responsabilidade dos autores * Permitida a reproduo total ou parcial desde que citada a fonte Ed. Sede CODEPLAN SAM Projeo H CEP: 70620-000 - Braslia-DF Fone: (0xx61) 3342-1021 www.codeplan.df.gov.br codeplan@codeplan.df.gov.br Impresso: Grfica Saturno Pr-impresso: Colorpress

Braslia em Debate com periodicidade trimestral,substitui, numa dimenso mais elevada, a Revista de Indicadores Conjunturais, editada pela Codeplan, de forma descontnua, desde 1974. Nesta primeira edio apresentamos em destaque uma sntese da Pesquisa Distrital por Amostra de Domiclios do Distrito Federal (PDAD/DF-2011), com enfoque na desigualdade, destacando o fosso entre as regies administrativas de alta e de baixa renda. Ainda nesta linha, reportagem aborda a questo do lixo no DF, sob o aspecto socioeconmico. O entrevistado de nossa primeira edio o gegrafo e professor da UnB Aldo Paviani, exmio conhecedor da nossa realidade socioeconmica e que discorre sobre os problemas que atingem nossa rea metropolitana e formula propostas. Tambm o artigo do arquiteto e professor da UnB, Benny Schvasberg, trata da rea metropolitana, em especial a sua necessria gesto integrada. J a engenheira Margarida Hatem aborda a questo do mercado de trabalho na rea de turismo no Distrito Federal, tema pouco explorado em nossa cidade e o diretor de Estudos e Polticas Sociais da Codeplan, Osvaldo Russo, discorre sobre os desafios de superar a misria na Capital Federal, analisando as relaes entre a desigualdade e a pobreza. Entre as reportagens destaca-se o seminrio Perspectivas para o Desenvolvimento da rea Metropolitana de Braslia, realizado em 19 e 20 de novembro, em Braslia, que se props debater com a sociedade civil os principais desafios enfrentados pela regio na busca de um planejamento integrado entre o Distrito Federal e o Entorno. O Sebrae/DF, parceiro da Codeplan em diversas reas, inclusive na iniciativa de criao da Braslia em Debate, publica reportagem em que mostra o Distrito Federal como referncia na formalizao de empreendedores individuais. Por fim, criamos a coluna fixa Idecon-DF que apresenta o desempenho da economia do DF a cada trimestre.

O PIB conjunto dos municpios da periferia metropolitana corresponde a apenas 4% do PIB metropolitano total, enquanto nas demais regies metropolitanas do pas esta participao varia entre 25% e 50%. Sete dos dez municpios metropolitanos tm renda mdia domiciliar inferior das 29 RAs do DF, superior apenas da estrutural. A soma dos oramentos Mas a prspera sociedade construda em Braslia municipais de nossa periferia, previsto para 2013, no nesses 52 anos tambm a que apresenta o maior chega a R$ 1,5 bilho, mais de 20 vezes menor que os coeficiente de desigualdade do Brasil, tanto em termos R$ 32 bilhes do oramento previsto para o DF. sociais - com 24% das pessoas residindo em domiclios Outra grande distoro em nossa sociedade a forte com rendimento mdio mensal de at 2 salrios mnimos concentrao dos postos de trabalho na RA 1 Braslia, (metade do necessrio para o sustento de uma famlia, segundo o Dieese) e 26% residindo em domiclios com que com apenas 8% da populao do DF, responde por rendimento superior a 10 salrios mnimos quanto 48% dos postos de trabalho existentes. Trata-se de uma RA com pouco mais de 200 mil moradores, mas onde espaciais, pois enquanto no Lago trabalham cerca de 650 mil, vindos Sul, 92% das famlias tm renda das outras 29 RAs e dos municpios acima de 10 SM e apenas 1,5% at 5 SM, na Estrutural, nfimos 0,2% tem A prspera sociedade construda vizinhos. E o mais grave que a populao cresce nas RAs onde no renda acima de 10 SM e 92% tm so gerados os empregos. em Braslia nesses 52 anos renda de at 5 SM (sendo que 54% at 2 SM). Duas estratgias so imperiosas: tambm a que apresenta o maior diversificar nossa estrutura A extrema desigualdade revelaprodutiva (com foco na atividade coeficiente de desigualdade do se, ainda, no grau de escolaridade, industrial) e desconcentrar as na medida em que no Lago Sul e Brasil, tanto em termos sociais atividades econmicas, no somente Lago Norte, 85% dos chefes de no DF, mas de forma articulada com domiclios possuem nvel superior quanto espaciais. os municpios metropolitanos, tendo completo, enquanto na Estrutural e como pressupostos para a atrao de Itapo, a proporo de pouco mais novos investimentos a ampliao de 1%. Em contraste, nessas RAs, e melhoria da infraestrutura os chefes de domiclios analfabetos ou que apenas econmica, objeto do PAC do DF e Entorno. Essas possuem o nvel fundamental incompleto, somam quase estratgias vm sendo implementadas pelo GDF, mas 70%, sendo apenas 1% nas RAs de renda elevada. deve-se ressaltar que ambas so de consecuo de A base de tamanha assimetria a estrutura longo prazo. produtiva existente no DF, cuja economia fortemente Todas so questes que a Codeplan vem, nesses dependente do setor pblico (55% do PIB), embora este ltimos dois anos, colocando na ordem-do-dia, gere pouco mais de 20% das ocupaes. O rendimento mdio dos assalariados do setor pblico quase 4,5 extrapolando mesmo a sua misso que a de produzir vezes maior que nas demais ocupaes. No por acaso, e disseminar informaes, promovendo e provocando a os assalariados na administrao e servios pblicos reflexo sobre as distores construdas nesses 52 anos so mais de 40% dos ocupados no Sudoeste/Octogonal, e sugerindo alternativas. O lanamento de Braslia em Lago Norte, Braslia e Jardim Botnico, percentual que Debate vem coroar este processo, instigando o debate, tornando-se um espao para especialistas, acadmicos, na Estrutural e em Itapo no alcana 3%. lideranas de entidades empresariais, sindicais e dos O DF se caracteriza pela baixa diversificao da movimentos sociais debaterem temas fundamentais sua estrutura produtiva, j na periferia metropolitana, para o futuro do Distrito Federal e veiculando propostas a atividade econmica ineficiente, razo da forte para a superao de nossos maiores problemas.Desejamos boa leitura a todos e um Feliz 2013! Jlio Miragaya Presidente da CodeplanBraslia em Debate

5

Entrevista - Aldo Paviani

Radiografia da rea Metropolitana de Braslia-AMBbusca de solues para os problemas do Distrito FederalDF e do territrio que o cerca uma constante preocupao do professor emrito e titular da Universidade de Braslia, Aldo Paviani, pesquisador associado do Departamento de Geografia e do NEUR/CEAM/UnB. Participa ativamente de discusses, em seminrios, congressos, afetas mobilidade da populao, emprego, desemprego e centralizao de atividades na AMB. Pesquisa e recolhe experincias em outros pases que possam contribuir para resolver nossos entraves urbanos. Para o professor, a capital federal requer cuidados diferentes de outras capitais estaduais, as quais no tm a mesma importncia. O congestionamento e problemticas urbanas de Braslia podem ter reflexos em todo o pas, especialmente na AMB. Paviani explica que no DF o polinucleamento ocorreu pela segregao da populao que morava em acampamentos provisrios, prximas ao Plano Piloto, que foram disconstitudas sem nenhum critrio. Para ele a AMB abrange dois territrios, DF e Gois, mas funcionalmente, trata-se de rea geo