Busca e Salvamento Capitulo 1

  • View
    215

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

matas e cerrados

Text of Busca e Salvamento Capitulo 1

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 3

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    1.1 APRESENTAO

    O Bombeiro Militar, ao se deslocar para misses em rea de campo precisa se atentar para alguns aspectos que no so comuns nas ocorrncias urbanas, posto que no ter acesso a alguns recursos normalmente disponveis. Para conseguir cumprir sua misso ter que prever, definir e selecionar, de maneira otimizada, uma relao de itens de materiais e equipamentos (KIT`S) necessrios para o atendimento da ocorrncia, pois, na falta de algum item, ter dificuldade para consegui-lo quando estiver no local. Por outro lado, uma quantidade muito grande de materiais e equipamentos dificulta o deslocamento, devido ao peso, resistncia, tamanho e espao da carga a ser transportada, portanto a seguinte regra dever ser observada para a montagem e aquisio de KIT`s: L I R P (Leve, Impermevel, Resistente e Pequeno). Devendo ser levado somente o estritamente necessrio.

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    OBJETIVOS

    Entender a importncia da higiene individual e coletiva para a proteo da integridade fsica do Bombeiro Militar, nos deslocamentos em rea de campo;

    Proteger-se contra possveis ferimentos decorrentes do deslocamento em rea de campo;

    Aprender procedimentos que aumentam o conforto individual, nos deslocamentos em rea de campo;

    Aprender a montar um Kit`s de materiais, para deslocamento em rea de campo.

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 4

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    Alm do material necessrio para o cumprimento da misso, outra preocupao dever ser com a segurana individual e sade do Bombeiro Militar durante a execuo dos trabalhos, que deve ser constante e prevista desde o planejamento, ou seja, antes do deslocamento, pois a no preocupao com este quesito, poder o Bombeiro Militar passar de socorrista para vtima, prejudicando os trabalhos de socorro. Logo, procedimentos como postura adequada de trabalho, utilizao de EPI`s, forma mais adequada de se utilizar o uniforme (coturno, meias, farda, acondicionamento da mochila, etc.), tipos de materiais e ainda, medidas de higiene individual e coletiva so indispensveis para previr doenas ocupacionais, acidentes no trabalho, a fim de garantir um servio com um RISCO CONTROLADO. Para tanto, neste captulo sero explicitadas noes bsicas sobre higiene individual e coletiva e as medidas preventivas contra doenas que podem se originar nos deslocamentos em uma rea de campo.

    Toda caminhada...

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 5

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    1.2 REGRAS BSICAS DE HIGIENE PESSOAL

    1.2.1 ASSEIO CORPORAL Os cuidados bsicos so os seguintes:

    A) BANHO DIRIO - Tomar banho diariamente, lavando-se bem com sabonete ou sabo, dando especial ateno limpeza das dobras do corpo. Se no houver meios para o banho, o corpo deve ser esfregado com um pano mido, de preferncia com um pouco de lcool;

    B) CABELOS Devem ser mantidos aparados e limpos, devendo ser lavados com gua, sabo (ou xampu) a cada trs ou quatro dias. A barba dever ser raspada diariamente;

    C) MOS Devem ser lavadas com gua e sabo aps trabalhos manuais, necessidades fisiolgicas e antes das refeies. Devem-se manter as unhas limpas e aparadas e nunca ro-las. O hbito de limpar o nariz com o dedo deve ser evitado.

    D) HIGIENE ORAL Sempre que for possvel, limpar a boca e os dentes, removendo os resduos de alimentos com palitos ou fio dental e escovando os dentes com escova dental e pasta de dente aps cada refeio ou pelo menos uma vez por dia, sendo recomendvel o uso de anti-sptico bucal. No dispondo de meios adequados, podem-se escovar os dentes somente com gua e utilizar palitos improvisados ou linha de costura para a retirada de detritos alimentares entre os dentes. Na falta de escova, friccionar vigorosamente as gengivas com o dedo limpo.

    E) VIRILHA uma parte do corpo que pode provocar assaduras, decorrentes do atrito entre as partes internas das coxas, em longos deslocamentos. Um dos cuidados bsicos para se evitar assaduras nesta regio passar pomada Hipogls ou vaselina em gel, a fim de evitar o atrito e/ou ainda utilizar uma bermuda trmica de lycra, por baixo da cala.

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 6

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    1.2.2 CUIDADO COM OS PS

    Os ps, devido a se encontrarem expostos umidade do solo, da lama, dos rios e banhados e mesmo da prpria transpirao, devem receber cuidados especiais, a fim de prevenir doenas comuns, que, no entanto podem vir a ter conseqncias graves.

    *

    A) LIMPEZA DOS PS Lavar e enxugar completamente os ps, principalmente entre os dedos, diariamente. Para diminuir os efeitos da transpirao, aconselhvel a utilizao de p anti-sptico. Na impossibilidade de lav-lo diariamente, os ps devem ser descalados e massageados para estimular a circulao. Se estiverem molhados devem ser secos, utilizando uma roupa, ou pano qualquer usada e em seguida devem-se trocar as meias por outras secas e limpas. Porm, caso os ps fiquem molhados constantemente, convm passar entre os dedos e em toda superfcie dos ps pomada Hipogls ou genrico, que possui vitaminas e protege contra frieira, ou na falta desta, ainda vaselina lquida, a fim de evitar o atrito entre os dedos, o que causa bolhas.

    B) CALADOS E MEIAS Os calados devem ser bem ajustados, nem muito

    justos nem muito folgados. A bota de couro, paga pelo CBM-MS para ser utilizado com o uniforme 5 B no o calado mais adequado quando se vai se deslocar em grandes distncias a p, sendo o ideal o uso de coturno, ou botas tticas, algumas com sistema DRY que impermeabilizam o p. Convm

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 7

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    manter sempre seco um par de calados para muda. As meias precisam ser trocadas e lavadas diariamente. Deve-se tambm ter sempre em mos um par de meias secas para muda. importante que as meias sejam de tamanho adequado, evitando-se assim que prendam a circulao no caso de serem muito justas, ou que fiquem com dobras, se forem muito folgadas.

    C) ALTERAES COMUNS NOS PS: 1. BOLHAS So causadas por calados ou meias inadequadas. O uso de

    pomada Hipogls ou vaselina em gel entre os dedos e na sola do p, ajuda a evitar bolhas, pois evita o atrito. As mesmas no podem ser estouradas, pois o ferimento estar exposto s infeces. Porm, caso a bolha venha a estourar, lave com gua de limpa at. Cubra com uma gaze ou com um pano limpo e enfaixe sem apertar muito. Existe um curativo padro para bolhas estouradas em farmcias, que voc deve inclu-lo em seu kit primeiros socorros. Quando o ferimento est muito sujo e voc vai demorar para encontrar um mdico, pode diluir um comprimido de 100 mg de permanganato de potssio em 01 (um) litro de gua e limpar a ferida lavando abundantemente com a soluo. Suas mos vo ficar roxas, e a parte "lavada" tambm, porm esta colorao normal. Outro procedimento para facilitar a cicatrizao do ferimento a aplicao de um spray anti-sptico (recomenda-se ANDOLBA aerossol).

    2. CALOS NO devem ser cortadas ou estouradas. Proteg-los para no estourar.

    * 3. UNHAS ENCRAVADAS Podem ser evitadas cortando-as retas, sem arredond-

    las nos cantos. 4. P-DE-ATLETA o nome vulgar de infeco provocada por um fungo muito

    comum. Pode ser evitado mantendo os ps limpos e secos. 5. P DE IMERSO causado pela permanncia dos ps imersos ou molhados

    por mais de 48 horas. A sola dos ps torna-se branca e enrugada, e sobrevm fortes dores que chegam a deixar a vtima fora de ao. Esta doena pode ser prevenida, evitando-se a prolongada imerso e secando-se os ps durante os perodos de repouso.

  • CAPTULO I

    CONSERVAO DA SADE EM REA DE CAMPO

    Pg. 8

    PARA USO EXCLUSIVO EM TREINAMENTO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

    1.2.3 FARDAMENTO Os fardamentos (uniformes) precisam ser folgados e adequados ao clima, a fim de facilitarem os movimentos e no dificultarem a circulao. conveniente a utilizao de camiseta e cueca (ou suti e calcinha), com a finalidade de absorver o suor do corpo. Essas roupas de baixo devem ser trocadas, se possvel, diariamente. As externas devem ser lavadas, quando sujas, ou, se isso no for vivel, sacudidas e escovadas para retirar os excessos de sujeira e expostas ao sol e ao ar livre por 02 (duas) horas, a fim de eliminar os germes nelas encontrados; Recomenda-se a utilizao de uma bermuda trmica de lycra, em baixo da cala do uniforme 5 B (prontido), o que evita assaduras decorrentes do atrito entre as partes internas da coxa do Bombeiro Militar em grandes caminhadas, bem como, uma sobressalente de muda, para substituio conforme roupas de baixo.

    1.2.4 DETRITOS Os detritos e restos de alimento devero ser enterrados. No caso da guarnio permanecer por perodos prolongados em determinadas regies, devero ser abertas fossas onde sero lanados os detritos. Esta providencia evitar a proliferao de moscas, mosquitos, ratos e baratas, bem como animais peonhentos em busca destes animais. De todos os tipos de detritos, o excremento humano o maior transmissor de doenas intestinais. Portanto essencial enterrar sempre as fezes.

    1.3 ALIMENTAO E CONSUMO DE GUA

    1.3.1 HIGIENE DOS ALIMENTOS Os alimentos, fonte de energia para o homem, podem causar doenas, se estiverem contaminados. Essa contaminao pode resultar da inobservncia de prticas higinicas no manuseio e armazenamento ou pelo contato dos alimentos com insetos e outros animais nocivos. necessrio, portanto, que o pessoal qu