of 35/35
Pet Food Brasil Pet Food Brasil Revista Ano 4 / Edição 22 / Set-Out de 2012 / www.editorastilo.com.br Palatabilizantes

CAPA ed 22.pdf 1 04/10/12 12:19 Pet Food Brasil · A Tortuga vai fortalecer a presença da DSM em suplementos nutricionais e aditivos para ruminantes e é esperada a aceleração

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of CAPA ed 22.pdf 1 04/10/12 12:19 Pet Food Brasil · A Tortuga vai fortalecer a presença da DSM em...

  • Pet Food BrasilPet Food BrasilRevista

    Ano 4 / Edio 22 / Set-Out de 2012 / www.editorastilo.com.br

    Palatabilizantes

    C

    M

    Y

    CM

    MY

    CY

    CMY

    K

    CAPA ed 22.pdf 1 04/10/12 12:19

  • 2 3Editorial

    Edio 22Setembro/Outubro 2012

    Prezado Leitor

    Um setor dinmico, vinculado s tendncias do segmento de alimentao

    para os animais de companhia, que visa agregar atratividade ao pet food e

    est empenhado em apresentar constantes inovaes. Estas so algumas das

    caractersticas que definem o mercado de palatabilizantes, um dos assuntos

    abordados neste ms na Revista Pet Food Brasil.

    O Brasil est totalmente alinhado com o mais alto nvel mundial em

    termos de palatabilidade. O que j era esperado para quem ocupa atualmente

    o segundo maior mercado de pet food do mundo, sendo responsvel por 9% da

    produo global.

    A indstria voltada para este segmento trabalha para superar limites da

    performance e neste sentido, alguns aspectos mostram-se mais evidentes

    como, por exemplo, a humanizao, que promove a aproximao do pet food

    aos conceitos da alimentao humana e assim permite levar funcionalidades

    ao palatabilizante. Tambm contamos com solues que possibilitam alcanar

    melhores resultados na aparncia f inal de snacks e ossinhos, propiciando uma

    boa aceitao do produto.

    O uso de corantes na alimentao animal outro destaque nesta

    edio. Considerados aditivos sensoriais, assim como os aromatizantes,

    palatabilizantes, f lavorizantes e pigmentantes, eles so usados na alimentao

    para melhorar ou modificar as caractersticas visuais dos alimentos ou as

    propriedades organolpticas (como a cor, o brilho, o paladar, o odor etc).

    Embora tenha um custo mais elevado, os corantes naturais vm ganhando

    destaque, como observaram os executivos das empresas pesquisadas, Vogler e

    Doce Aroma.

    Mdica veterinria e atual consultora nas reas comercial e de marketing

    para empresas do setor pet, Mariana Galvo que contabiliza passagens em

    importantes companhias como Kemin, Basf, Merial e Granfood a nossa

    entrevistada do ms. A especialista expe a sua opinio sobre o segmento de

    nutrio animal, aponta as tendncias, enumera os gargalhos deste setor e

    destaca as particularidades do nosso mercado.

    Boa Leitura!

    Daniel Geraldes

    Pet Food BrasilPet Food BrasilRevista

    Ano 4 / Edio 22 / Set-Out de 2012 / www.editorastilo.com.br

    Palatabilizantes

    C

    M

    Y

    CM

    MY

    CY

    CMY

    K

    CAPA ed 22.pdf 1 04/10/12 12:19

  • 4 5

    DiretorDaniel Geraldes

    Editor Chefe

    Daniel Geraldes MTB [email protected]

    Jornalista Colaboradora

    Lia Freire - MTB 30222

    [email protected]

    Direo de Arte e ProduoLeonardo Piva

    Denise [email protected]

    Conselho Editorial

    Aulus CarciofiClaudio MathiasDaniel GeraldesEverton Krabbe

    Flavia SaadJos Roberto Sartori

    Vildes M. Scussel

    Fontes Seo Notcias Anfal Pet, Pet Food Industry, Sindiraes, Valor Econmico, Gazeta Mercantil, Agncia Estado,

    Cepea/Esalq, Engormix, CBNA

    Impresso Intergraf Ind.Grfica Ltda

    DistribuioACF Alfonso Bovero

    Editora StiloRua Sampaio Viana, 167 - Conj. 61 So Paulo (SP) - Cep: 04004-000

    Fone: (11) 2384-0047

    A Revista Pet Food Brasil uma publicao bimestral da Editora Stilo que tem como pblico-alvo empresas

    dos seguintes mercados: Indstrias de Pet Food, Fbricas de Rao Animal, Fornecedores de Mquinas e Equipamentos, Fornecedores de Insumos e Matrias

    Primas, Frigorficos, Graxarias, Palatabilizantes, Aditivos, Anti-Oxidante, Embalagens, Vitaminas, Minerais,

    Corantes, Veterinrios e Zootecnistas, Farmacologia, Pet Shops, Distribuidores, Informtica/Automao

    Industrial, Prestadores de Servios, Equipamentos de Segurana, Entidades da cadeia produtiva, Cmaras de

    Comrcio, Centros de Pesquisas e Universidades, Escolas Tcnicas, com tiragem de 10.400 exemplares.Distribuda entre as empresas nos setores de

    engenharia, projetos, manuteno, compras, diretoria, gerentes. enviada aos executivos e especificadores

    destes segmentos.Os artigos assinados so de responsabilidade de seus

    autores e no necessariamente refletem as opinies da revista. No permitida a reproduo total ou parcial

    das matrias sem expressa autorizao da Editora.

    Sumrio

    Notcias

    Caderno Cientfico

    Capa

    Entrevista

    Informe Tcnico

    Em Foco 1

    Em Foco 2

    Em Foco 3

    Segurana Alimentar

    Pet Food Online

    Pet Market

    Caderno Tcnico1

    Caderno Tcnico2

    Caderno Tcnico3

    32

    30

    28

    22

    26

    14

    16

    06

    36

    46

    44

    42

    54

    60

  • 6 7Notcias

    Formula Foods inicia produo com secador Manzoni msc-4000

    A empresa Formula Foods, indstria de rao para ces e gatos e fabricante da marca registrada Premiatta,

    sediada em Campinas-SP, colocou em operao o secador Manzoni de 4 ton/h da linha MSC-4000.

    Visando atender as exigncias de um processo rigoroso, a fim de manter um constante controle de qualidade

    na performance e rendimento dos produtos e sempre levando em conta a BPF (Boas Prticas de Fabricao),

    optaram pela Manzoni devido confiabilidade, qualidade dos equipamentos, estabilidade dada ao processo e

    um suporte tcnico presente e disponvel.

    O secador permitiu um aproveitamento melhor da rea produtiva, pois se trata de um equipamento vertical.

    A rao passou a ter uma maior uniformidade com a estabilidade da umidade, gerando um produto com uma

    qualidade superior. Alm da facilidade de operao do secador atravs do monitor touch screen, o software de

    controle do equipamento facilitou o treinamento e operao por parte dos funcionrios, afirma Marcos Roberto

    Nicoletti, diretor da Premiatta.

    A Premiatta uma empresa formada por ideias inovadoras que proporcionam aos clientes e parceiros

    vantagens visveis.

    Compartilhando da mesma filosofia, de respeito ao cliente, a Manzoni Industrial consolida mais uma parceria

    e se fortalece como uma das principais fabricantes de mquinas para a indstria de rao do mercado brasileiro.

    Para contatar a Premiatta, acesse o site www.premiatta.com.br

    Biorigin apresenta resultados positivos sobre a incluso de betaglucanos nas dietas de ces

    A Biorigin divulga novos estudos que comprovam os benefcios do MacroGard - beta 1,3/1,6 glucanos purificados, na sade de ces

    quando includo na dieta.

    Felipe Horta, Especialista Tcnico da Biorigin comenta: Aps comprovar eficcia do MacroGard em minimizar sinais clnicos e a melhorar

    a qualidade de vida de ces acometidos por afeces crnicas como osteoartrite e atopia, tambm obtivemos excelentes resultados em gatos

    com doena periodontal, onde observouse reduo de perda ssea e um melhor equilbrio de citocinas em animais alimentados com o

    produto. Buscando explicar as bases desses efeitos, em um primeiro estudo, notou-se uma maior atividade de neutrfilos em ces tratados

    com betaglucanos e, em um segundo estudo, um aumento da fagocitose de leuccitos e da produo de anticorpos em ces alimentados

    com MacroGard mecanismos fundamentais para o suporte de ces acometidos mas tambm de susceptveis a afeces semelhantes e para

    manuteno da resistncia, sade e bem estar a animais saudveis em suas atividades dirias.

    A Biorigin, reforando ainda mais os investimentos na gerao de informaes que possam beneficiar todo o mercado pet, est fortalecendo

    parcerias com importantes centros de referncia em pesquisa clnica, nutrio pet e fisiologia, como a UNESP Jaboticabal, a Universidade Livre

    de Berlim (Alemanha) e Universidade de Louisville (EUA). O principal foco dos investimentos ampliar ainda mais os conhecimentos a respeito

    dos benefcios do uso de betaglucanos purificados MacroGard em ces.

    Segundo Lineu Padovese, Gerente de Produtos, em breve traremos novidades sobre os benefcios do consumo de MacroGard durante

    perodos pr e ps vacinal e na composio de dietas especiais e teraputicas, entre outras situaes, constituindo um novo e promissor

    horizonte para a sade e bem estar dos animais de companhia.

    MacroGard composto por beta 1,3/1,6 glucanos purificados, produzidos a partir de uma cepa especialmente selecionada de Saccharomyces

    cerevisiae, sendo a fonte de betaglucanos mais estudada do mundo.

    Sobre a Biorigin

    Comprometida com o aumento do valor agregado dos produtos de seus clientes, a Biorigin desenvolve e produz, atravs de processos

    biotecnolgicos, ingredientes 100% naturais para sade e nutrio dos animais. Com Centro de Pesquisa e Desenvolvimento prprio e controle

    total da cadeia produtiva, a Biorigin garante a segurana e qualidade de seus produtos, atravs das certificaes ISO 9001:2008, ISO 22000:2005,

    PDV, Kosher e Halal.

  • 8 9

    DSM vai adquirir a Tortuga para fortalecer o negcio de nutrio animal A Royal DSM, empresa global de Cincias da Vida e Cincias dos Materiais, anunciou hoje que celebrou um acordo definitivo para adquirir a Tortuga

    Companhia Zootcnica Agrria (Tortuga). Sujeita s condies usuais, a transao dever ser concluda no 1 trimestre de 2013. A Tortuga, uma empresa

    privada brasileira, lder em suplementos nutricionais com foco em ruminantes. A empresa tem sede em So Paulo, Brasil e cerca de 1.200 funcionrios.

    A Tortuga tem trs fbricas no Brasil.

    Fundamentao estratgica

    O gado de corte e de leite criado em pastagens passa uma parte significativa da vida se alimentando de vegetao natural, o que significa que,

    com frequncia, carecem de minerais para compor uma boa dieta. Portanto, so necessrios suplementos nutricionais para melhorar o desempenho

    zootcnico e a sade do animal. O tamanho do mercado global de suplementos nutricionais para ruminantes est estimado em aproximadamente

    4 bilhes, crescendo cerca de 3% ao ano e com crescimento significativamente mais forte (7-10%) em minerais orgnicos (quelatos). A Tortuga uma

    das lderes globais em minerais orgnicos (quelatos), apesar de at agora s operar ativamente na Amrica Latina.

    A aquisio da Tortuga permite que a DSM agregue valor com a sua grande presena na cadeia de valor com um portflio abrangente de

    ingredientes nutricionais para nutrio animal, aproveitando sua forte posio internacional. Mais especificamente, o valor ser criado atravs das

    sinergias de receita, introduzindo os ingredientes da DSM nos produtos e premixes da Tortuga e em seus canais de distribuio para ruminantes, como

    tambm levando os produtos exclusivos da Tortuga, especialmente o portflio completo de produtos com minerais orgnicos (quelatos), para clientes

    de nutrio animal da DSM do mundo inteiro. A aquisio tambm fortalecer a capacidade da DSM para oferecer solues nutricionais integradas,

    capturando valores crescentes a partir do conhecimento tcnico e servios de consultoria em nutrio animal.

    A aquisio da Tortuga ampliar o portflio de ingredientes da DSM por incluir os minerais orgnicos (quelatos) e permitir que a DSM se torne

    um completo provedor de solues em nutrio animal. A Tortuga vai fortalecer a presena da DSM em suplementos nutricionais e aditivos para

    ruminantes e esperada a acelerao do crescimento da receita, atravs da alavancagem do know-how e da forte posio da Tortuga na suplementao

    de ruminantes, em outros mercados na Amrica Latina e no mundo.

    A DSM poder tambm utilizar a forte posio da Tortuga em minerais orgnicos (quelatos) em outros segmentos do mercado global como soluo

    nutricional para produtores de sunos e aves.

    A operao tambm fortalecer a presena da DSM no Brasil, maior produtor e exportador global de carne bovina com um atrativo crescimento

    esperado, e disponibilizar DSM canais de vendas adicionais no mercado brasileiro. A aquisio tambm consistente com o foco global da DSM em

    economias de alto crescimento, um dos quatro pilares da estratgia de crescimento da DSM.

    A DSM espera que a transao gere imediato aumento do lucro por ao. Eficincias operacionais usuais tambm sero obtidas no processo de integrao.

    A aquisio da Tortuga a stima aquisio na diviso de Nutrio desde que a DSM divulgou sua estratgia corporativa DSM in motion: driving

    focused growth (DSM em movimento: impulsionando o crescimento focado) em setembro de 2010. Essas aquisies so parte integrante da estratgia

    da DSM para sua diviso de Nutrio e contribuiro para o crescimento atual e futuro do atrativo portflio da DSM em Sade, Nutrio e Materiais.

    Feike Sijbesma, CEO e Presidente do Conselho de Administrao da DSM, disse: Com a aquisio da Tortuga, anunciamos 2,2 bilhes em

    aquisies para reforo do nosso crescimento, dos quais 1,8 bilho na nossa diviso de Nutrio desde que iniciamos com o nosso atual plano

    estratgico, h menos de dois anos. Aps a concluso das aquisies anunciadas, a diviso de Nutrio da DSM dever, em termos pro forma, superar

    4 bilhes em vendas lquidas anualmente, resultando em crescimento mais forte e estvel, e maior lucratividade para a DSM como um todo. Esta

    aquisio se ajusta integralmente estratgia da DSM medida que continuamos a gerar valor para todas as partes interessadas, fornecendo solues

    inovadoras e sustentveis para os maiores desafios mundiais da atualidade e futuros.

    Leendert Staal, Presidente e CEO da DSM Nutritional Products, comentou: A aquisio da Tortuga um marco muito importante para a DSM.

    Ela fortalecer a nossa posio em suplementos e aditivos nutricionais para ruminantes e a nossa presena no Brasil, um dos maiores mercados para

    ruminantes no mundo. A Tortuga tambm amplia o nosso portflio de ingredientes de nutrio animal com os minerais orgnicos e oferece muitas

    sinergias para gerao de valor. Ser um prazer receber na DSM a altamente qualificada equipe de funcionrios da Tortuga.

    Creuza Fabiani, presidente da Tortuga, comentou: Aps quase 60 anos de atividades, a Tortuga ainda apresenta um enorme potencial de

    crescimento e tem muito a oferecer para o setor de produo de protenas animais. A DSM far esse papel e dar continuidade ao que construmos

    at aqui. A DSM foi cuidadosamente escolhida por mim por ter uma operao que no conflita com a da Tortuga no mercado brasileiro e pelo grande

    sinergismo das duas empresas, que oferecer oportunidade de crescimento a toda equipe da Tortuga.

    Fonte: Assessoria de Imprensa DSM

    Notcias

  • 10 11

    Gatos patrocinados pela Royal Canin so favoritos na disputa pelo ttulo mundial da FIFe World Cat Show 2012 A Royal Canin do Brasil, empresa especialista na alimentao de ces e gatos,

    levar 4 felinos para a disputa da prxima edio do FIFe World Cat Show, a maior

    competio de gatos de raa do mundo. O evento, que acontecer nos dias 27 e 28

    de outubro de 2012 na Crocia, rene criadores de 32 pases e o mais conceituado

    do gnero, levando cerca de 1500 gatos anualmente.

    Nesta edio, gatis patrocinados pela Royal Canin representam o Brasil no mundial como a filhote persa Tequila, que busca seu primeiro ttulo, e o gato persa

    Bon Jovi, vencedor do ltimo mundial na categoria Melhor Macho Persa Adulto, do gatil Garfiel Cat Home. Alm disso, a empresa est patrocinando a presena dos

    felinos Tigerlilly e Excalibur. Ambos so do Gatil Triunfo, criadores da Maine Coon Diana Ross, vencedora em 2011 na categoria Melhor Maine Coon Fmea Neutra.

    Mariana Rocha, Gerente de Produtos para Criadores da Royal Canin do Brasil, afirma que a presena dos felinos no mundial representa o compromisso

    da empresa com os criadores de gatos no Pas. A Royal Canin acredita no potencial dos criadores parceiros. Este pblico sempre colaborou com o

    desenvolvimento de alimentos para felinos e, para ns, motivo de orgulho patrocinar gatos que so exemplos de beleza e, ainda mais importante, de

    sade, mostrando a relevncia de oferecer alimentos com alta preciso nutricional s suas criaes.

    Para os criadores, a parceria com a Royal Canin de extrema importncia para o crescimento da participao brasileira em campeonatos

    internacionais. A vitria do Bon Jovi, como Melhor Macho Persa Adulto no mundial do ano passado, consagrou a primeira conquista de um

    ttulo mundial por um pas latino e, nesta edio, ele um dos favoritos, o que lhe daria o bicampeonato. Isso mostra que criadores brasileiros

    de felinos so to qualificados quanto os europeus e americanos, que tm mais tradio. Isso se deve, em grande parte, aos cuidados dirios de

    alimentao e sade que temos, conta Dayan Pereira, do Gatil Garfiel Cat Home.

    Hugo Cavalheiro, do Gatil Triunfo, destaca a visibilidade trazida pelo evento para um nmero maior de raas. A raa Maine Coon vem

    progredindo desde 2005, quando tnhamos apenas quatro gatos dessa espcie no Brasil. Hoje, j so mais de 60. Por causa da competio, os

    criadores esto mais antenados e buscam mais qualidade. Exemplo disso que, ano passado, fomos vencedores na categoria Melhor Maine

    Coon Fmea Neutra com a Diana Ross. Este ano, levaremos dois gatos da raa Maine Coon para o Mundial, explica.

    O FIFe World Cat Show realizado pela Federao Internacional de Felinos (Fdration Internationale Fline FIFe). Neste ano, a Royal Canin estar

    presente nos dois dias de evento com um estande exclusivo, trazendo diversas informaes sobre nutrio felina. Saiba mais sobre a competio pelo

    site www.worldcatshow2012.com.

    Fonte: Royal Canin | LVBA Comunicao

    Ferraz monta fbrica Evialis em Gois

    A Ferraz Mquinas (www.ferrazmaquinas.com.br) foi responsvel pela linha de montagem da fbrica da Evialis em Inhumas,

    Gois. Segundo Angelo Vezzozo, do Departamento de Projetos da Ferraz, a nova linha de produo de raes extrusadas da Evialis

    tem capacidade de 10t/h, e ser utilizada para produo de raes para peixes. O grupo Evialis, de origem francesa, um dos

    maiores fabricantes de rao animal do mundo, com 9 fbricas no Brasil. A fbrica de Inhumas atender principalmente os estados

    da Regio Centro Oeste e Nor deste.

  • 12 13NotciasGuabi marca presena na maior feira russa voltada para o segmento pet O Grupo Guabi um dos maiores produtores de raes e suplementos do pas

    estar presente em St. Petersburg (Rssia), entre os dias 11 e 13 de outubro, na

    Zoosphere - maior feira do segmento pet do pas. A Empresa levar ao cenrio

    internacional seu portflio de produtos voltados para ces e gatos: linhas Guabi

    Natural e Sabor & Vida. a quarta vez que a Guabi estar presente na Zoosphere

    para buscar novas oportunidades de negcios e consolidar a imagem da Empresa no

    ramo de nutrio animal. A Rssia um importante mercado para as exportaes

    do Grupo e h uma demanda crescente por produtos premium e super premium,

    ressalta Robson Fonseca, gerente de comrcio exterior da Guabi.

    A alimentao saudvel uma tendncia mundial que tem sido transferida para os animais de estimao. Os produtos Guabi Natural

    possuem em sua composio ingredientes nobres (carne e fgado fresco de frango), conservantes naturais (extrato de alecrim, vitamina E

    e cido ctrico), fontes de protena e carboidratos integrais como o arroz. A esta formulao foram adicionados ingredientes funcionais

    para oferecer mais benefcios aos pets. Para combater os radicais livres foram includos antioxidantes - beta caroteno, vitamina C e E e

    taurina, j para a reduo de odores foi adicionado o extrato de yucca. Para facilitar a eliminao das bolas de pelos dos gatos foram

    acrescentados fibras especiais como polpa de beterraba e psyllium. A condroitina e glucosamina garantem articulaes mais saudveis,

    enquanto o leo de peixe, linhaa e canola, fontes de mega 3 e 6 essenciais, proporcionam pelagem mais saudvel e bonita.

    A linha Guabi Natural foi desenvolvida em parceria com a Universidade Estadual Paulista Jlio de Mesquita Filho (Unesp) de

    Jaboticabal, onde a Empresa mantm parceria desde 1999 para analisar a influncia da nutrio como mtodo coadjuvante no tratamento

    de doenas. Atravs destes estudos foi possvel chegar tambm a linhas que auxiliam no tratamento de diabetes e de obesidade em ces

    e gatos.

    A linha Sabor & Vida possui tambm ingredientes selecionados, ricos em protena e fibras. Para garantir que o animal continue ativo e

    jovial as raes contm vitamina C e E, zinco e selnio, que atuam como antioxidantes do organismo amenizando os efeitos dos radicais

    livres. Para os gatos, a frmula balanceada dos nutrientes e minerais ajuda a formao de uma urina com o pH adequado para auxiliar na

    sade do trato urinrio. A verso Sabor & Vida Ces Snior indicada para animais a partir dos sete anos, com ingredientes equilibrados

    que mantm a composio corporal e ajudam a aumentar a longevidade e a qualidade de vida.

    Com 38 anos no mercado, o Grupo Guabi hoje um dos maiores produtores de raes e suplementos do pas e conta com oito

    unidades fabris localizadas em Campinas (SP), Bastos (SP), Sales Oliveira (SP), Par de Minas (MG), Anpolis (GO), Alm Paraba (MG),

    Goiana (PE) e So Gonalo do Amarante (CE).

    Fonte: LN Comunicao

    Governo anunciar Plano Safra do Peixe Foi lanado pelo governo o plano safra para a rea do pescado, que dever destinar R$ 6 bilhes para estmulo produo,

    capacitao e comercializao de peixes. O anncio foi feito nesta segunda, dia 3, pelo ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo

    Crivella. O objetivo que o Brasil deixe de ser importador de pescados para se tornar exportador. Segundo Crivella, nos pases

    desenvolvidos o peixe a carne mais consumida, enquanto que no Brasil est em ltimo lugar. Acompanhado pelo governador

    Agnelo Queiroz, o ministro participou do lanamento da Semana do Peixe em Braslia, que, em sua nona edio, divulga o slogan

    Pescado: d gua na boca e faz bem para a sade. O Distrito Federal uma das unidades da federao onde mais se consome

    pescado no pas, chegando a 12kg por pessoa ao ano, enquanto que a mdia nacional de nove quilos no perodo. A Semana do

    Peixe uma temporada de promoes para despertar o interesse da populao pelo alimento. O ministro Marcelo Crivella destaca

    que a carne de peixe pode ser feita de diversas maneiras e tem a vantagem de apresentar baixo teor de gordura e contm mega

    3, que muito bom para a sade.

    Fonte: Agncia Brasil

    Centro de pesquisas em sade animal WALTHAM lana novo site O Centro de Pesquisas WALTHAM, iniciativa da Mars, Incorporated que, h quase 50 anos, fornece suporte cientfico a marcas como PEDIGREE

    e ROYAL CANIN, lanou em 05 de setembro o seu novo site www.waltham.com, totalmente reformulado para atender ainda melhor comunidade

    cientfica e veterinria. Entre os destaques, esto um tour virtual pelas instalaes de WALTHAM Centre for Pet Nutrition, que fica em Londres

    (Inglaterra), uma seo de recursos em que possvel fazer download de publicaes e pesquisas desenvolvidas por WALTHAM e uma rea dedicada

    s notcias e eventos mais recentes relacionados ao tema.

    Compatvel com dispositivos mveis, como smartphones, o novo site de WALTHAM oferece as informaes mais atuais sobre pesquisas, conferncias

    e eventos, alm de dados sobre a abordagem de cincia compassiva, subsdios e o financiamento instituio, afirmando a liderana de WALTHAM

    no campo de cuidados e nutrio de animais de estimao.

    Para obter mais informaes sobre o novo site de WALTHAM acesse www.waltham.com

    Sobre o Centro de Pesquisas WALTHAM

    O Centro de Pesquisas WALTHAM a Maior Autoridade Mundial no Cuidado e Nutrio dos Animais de Estimao e vem avanando as fronteiras da

    pesquisa cientfica sobre nutrio e sade de animais de estimao h quase 50 anos. Localizado em Leicestershire, na Inglaterra, o renomado instituto

    cientfico de ltima gerao concentra seu foco nas necessidades nutricionais e comportamentais dos animais de estimao e em seus benefcios para

    os humanos, o que permite o desenvolvimento de produtos inovadores que atendem de maneira prtica a tais necessidades. WALTHAM foi pioneiro

    de muitos importantes progressos revolucionrios em termos de nutrio de animais de estimao e, em colaborao com os institutos cientficos mais

    proeminentes do mundo, oferece embasamento cientfico s principais marcas da Mars, como PEDIGREE, WHISKAS e ROYAL CANIN entre outras.

  • 14 15Caderno Cientfico

    s valores de necessidade energtica de

    manuteno para gatos descritos na literatura variam

    de 20-100 kcal de energia metabolizvel por kilograma

    de peso corporal por dia (kcal/kg/dia). Esta ampla

    variao depende de fatores como castrao, idade, sexo,

    condio corporal, atividade fsica, entre outros, alm de

    fatores individuais. De acordo com as recomendaes

    do National Research Council (2006), atualmente

    so empregadas duas equaes para necessidades

    energticas de manuteno (NEM) para gatos adultos,

    sendo 100*peso0,67 kcal/dia para gatos com peso ideal

    ou abaixo do peso e 130*peso0,4 kcal/dia para gatos

    acima do peso. Apesar da recomendao destas equaes,

    considerando apenas a condio corporal, independente

    dos fatores inerentes ao sexo e condio sexual, pode-

    se verificar no prprio NRC (2006) que parece haver

    Necessidades energticas em gatos adultos

    OPor: Ricardo Souza Vasconcellos

    uma diferena de acordo com o status sexual, em gatos

    castrados (machos 50,1 kcal/kg, n=4 e fmeas 49,6

    kcal/kg, n=3 estudos) e inteiros (machos 56,2 kcal/kg,

    n=5 e fmeas 57,2 kcal/kg, n=4 estudos). Com relao

    ao sexo e outros fatores, estas diferenas ainda so pouco

    estudadas, embora alguns estudos tenham sugeridos

    diferenas entre machos e fmeas. No entanto,

    semelhana de seres humanos, em gatos e ces, os fatores

    sexuais, raciais, etrios, entre outros, embora ainda

    pouco pesquisados, possivelmente sero considerado na

    elaborao de futuras equaes de predio para estas

    espcies, tornando-as cada vez mais exatas.

    Considerando a necessidade de pesquisas nesta

    rea, devido literatura escassa sobre o assunto e a

    atualidade do tema, nesta edio foram selecionados

    dois artigos sobre NEM em gatos.

    EnErgy rEquirEmEnt and food intakE bEhaviour in young adult intact malE cats with and without

    prEdisposition to ovErwEight.

    Resumo: Obesidade um problema comum em gatos. No Instituto de Nutrio Animal,

    a famlia de gatos epxperimentais apresenta um fentipo magro e outro fentipo de

    gatos com predisposio ao ganho de peso. O objetivo deste estudo foi investigar as

    necessidades energticas e padro de ingesto alimentar de gatos machos intactos de

    diferentes fentipos, seis gatos normais (GL) e seis gatos com sobrepeso (GO). No incio

    do estudo todos os gatos tiveram o escore de condio corporal 5, considerado ideal.

    A necessidade energtica dos gatos foi determinada usando a cmara respiratria,

    na qual a quantidade e frequncia da alimentao foi medida usando um sistema

    automtico. A necessidade energtica para manter o peso, baseando-se na massa

    magra, foi significativamente menor (p=0,02) nos gatos com sobrepeso (162,6 kJ/kg

    de massa magra/ dia) do que nos gatos magros (246 kJ/kg de massa magra/dia). Os

    gatos GO tambm apresentaram maior ingesto de alimentos (34,5 gramas de matria

    seca/kg0,67) quando comparados aos gatos magros (24,0 gramas de matria seca/

    kg0,67). Como concluso, foram encontradas diferenas quantificveis na ingesto de

    alimentos e comportamento de gatos predispostos obesidade quando comparados aos

    gatos magros.

    The scientific World Journal, 2012, p.2-8, 2012.

    Autores: Brigitta Wickert, Julia Trossen, Daniel Uebelhart, Marcel Wanner, Sonja Hartnack.

    nEcEssidadE EnErgtica Em gatos adultos.

    Resumo: Uma meta-anlise foi conduzida com o propsito de se estabelecer as

    necessidades energticas de gatos adultos. Publicaes nas quais foi identificado o peso

    corporal de gatos foram usadas para gerar relaes alomtricas entre necessidades

    energticas e peso corporal em gatos adultos, usando regresso log-log linear. As

    necessidades energticas foram expressas em kcal/kg de peso corporal para serem

    compatveis com aquelas reportadas pelo NRC. A necessidade energtica mdia de

    manuteno foi 55,11,2 kcal/kg (115 grupos de animais). Trs equaes alomtricas

    foram identificadas para predizer as exigncias energticas para a manuteno do

    peso corporal em gatos: magros (53,7*peso1,061 kcal/dia); peso ideal (46,8*peso1,115

    kcal/kg) e acima do peso (131,8*peso0,366). Quando expressa pela massa magra, a

    equao alomtrica revelou uma necessidade de manuteno de 58,4*massa magra1,14

    (36 estudos, R2= 0,697). A presente reviso sugere que equaes de necessidade

    energtica de manuteno somente baseadas no peso corporal podem no ser exatas

    na predio e informaes mais detalhadas sobre sexo, idade, condio sexual, peso e

    composio corporal podem melhorar a habilidade destas equaes em interpretar as

    necessidades energticas de manuteno para gatos.

    British Journal of Nutrition, 103(8): 1083-1093,2010.Autores: Emma N. Bermingham, David G. Thomas, Penelope J. Morris, Amanda J. Hawthorne.

  • 16 17

    PalatabilizantesAgregando valor ao pet food

    Capa

    PalatabilizantesAgregando valor ao pet food

    Um setor dinmico, vinculado s tendncias do mercado de alimentao pet e empenhado em

    apresentar constantes inovaes

    conceito do palatabilizante agregar atratividade ao pet

    food atravs da soluo que melhor se adequa sua matriz, expectativa

    de performance, limitaes de custo e recursos disponveis para sua

    aplicao industrial. O Brasil est totalmente alinhado com o mais alto

    nvel mundial em termos de palatabilidade. O que j era esperado para

    quem ocupa atualmente o segundo maior mercado de pet food do mundo,

    sendo responsvel por 9% da produo global.

    A indstria voltada para este segmento trabalha para superar limites

    de performance e acompanhar as tendncias que so apontadas pelo setor

    de alimentao animal. Neste sentido, algumas caractersticas mostram-

    se mais evidentes, como por exemplo, a humanizao, que promove a

    aproximao do pet food aos conceitos da alimentao humana e assim

    permite levar funcionalidades ao palatabilizante. Tambm contamos com

    solues que permitem alcanar melhores resultados na aparncia final

    de snacks e ossinhos, propiciando uma boa aceitao do produto, no s

    por parte do animal de estimao, como tambm de seu proprietrio.

    Com a crescente demanda por produtos que beneficiem a sade de

    ces e gatos, a funcionalidade do pet food se tornou um importante fator

    de sucesso na conquista do market share. Desta forma, apelos de claims

    voltados para a sade e o bem-estar se tornaram valores importantes

    e defendidos pelos fabricantes de pet food. Marcas que so capazes de

    oferecer benefcios precisos, eficientes e compreensveis para o pet e seu

    dono, acabam se sobressaindo neste mercado.

    O Brasil tem sido o principal foco de crescimento para a Kemin,

    que continua a aumentar as suas vendas e presena no mercado de

    palatabilizantes. Desde que os animais domsticos se tornaram parte

    integrante das vidas das pessoas, o relacionamento entre animais e

    seus donos agora cruza todas as fronteiras culturais e regionais. Como

    tal, o prazer que um animal tem com seu alimento uma preocupao

    primria para seus donos, fazendo com que a palatabilidade seja uma

    parte essencial do alimento, observa Barb Howe, Ph.D.,P.A.S., gerente

    comercial senior Amrica do Sul da Kemin.

    As pesquisas conduzidas pela equipe da Kemin Research &

    Development so lideradas pelo Dr. Gordon Hering, que passou a

    integrar o time da companhia em maio de 2012.

    Sob o seu comando e guiado pelo seu prprio know how em tcnicas

    de sabores, a Kemin est preparada para maximizar os sabores em

    qualidade e desempenho, com novos produtos que conduziro a indstria

    a novos conceitos em palatabilizantes. Estes novos produtos traro

    solues que resultaro no apenas em questo de palatabilidade, como

    tambm em funcionalidade, destaca Barb.

    A executiva lembra que neste ano, a crise global de protenas

    desafiou os produtores de alimentos para animais e os fornecedores

    de ingredientes a atingirem altos quesitos de qualidade. Este

    desafio no atemorizou a Kemin, como tem demonstrado a

    competncia de nossos cientistas e pesquisadores, entregando aos

    nossos clientes produtos da mais alta qualidade. As expectativas

    para 2013 so as melhores. Estamos preparados para expandir

    parcerias na indstria de alimentos para animais domsticos, tanto

    no Brasil como em todo o mundo.

    tEcnologia E alta pErformancE No Brasil, a AFB International, companhia que est presente no

    pas desde 2003, segue as diretrizes do seu posicionamento global,

    ou seja, investir forte em alta tecnologia e performance de seus

    palatabilizantes. Aliado a isso, atender as necessidades especficas de

    cada cliente, desenvolvendo solues personalizadas so prioridades

    para a empresa, que contabiliza o ano de 2012 como muito bom para

    os seus negcios. Embora tivssemos que enfrentar as dificuldades

    do mercado, como por exemplo, o aumento dos preos das matrias-

    primas, usamos a nosso favor todo o know how e tecnologia que

    dispomos para desenvolver novas matrias-primas, reaes qumicas

    e processos, resultando em novos palatabilizantes, competitivos

    comercialmente. A partir desta nossa expertise as expectativas

    de negcios que projetamos para 2013 so bastante otimistas,

    continuaremos investindo em tecnologia e conhecimento, afirma

    Marcelo Beraldo da Costa, gerente da operao no Brasil.

    O executivo da AFB afirma que ao longo dos anos o

    conceito dos palatabilizantes no se alterou, mas a viso sobre a

    palatabilidade sim. Tenho notado que na busca por uma melhor

    palatabilidade ou para manter uma determinada palatabilidade, as

    empresas de raes esto sendo muito mais rigorosas na escolha

    das matrias-primas, nos processos produtivos e ao adquirirem

    equipamentos de melhor desempenho, resultando em produtos

    finais melhores. A palatabilidade de um alimento no diz respeito

    apenas ao palatabilizante, mas um conjunto de fatores e os nossos

    clientes perceberam isso e tm trabalhado muito forte os aspectos

    relacionados aos processos e aplicaes, opina Beraldo.

    Beraldo tambm comenta que o aumento das matrias-primas

    e a alta competitividade esto forando as empresas do segmento

    pet a discutirem sobre planejamento estratgico. As companhias

    esto percebendo que aqueles que tm planejamento, compram

    mercadorias de alta qualidade por um preo mais baixo ao longo

    do ano e com menos trabalho operacional e financeiro para atingir

    o objetivo definido. To importante quanto o planejamento a

    execuo, pois implementar o que foi planejado crucial para o

    sucesso financeiro. Particularmente, sou um grande crtico do

    excesso, seja de planejamento ou execuo, porm na dose certa

    uma ferramenta altamente lucrativa. Considero ainda no ser

    difcil verificar se uma reunio de planejamento foi excessiva ou

    no: os participantes tm que sair com tarefas bem definidas e

    no com a sensao de que graas a Deus terminou. Correes

    de curso no planejamento central durante a execuo so

    necessrias, porm sem perder o foco no objetivo definido e de

    maneira ordenada, todos devem correr com a mesma magnitude

    e direo. Tambm no enxergo como algo negativo quando um

    planejamento efetuado no atingiu plenamente seus objetivos,

    embora a execuo tenha sido impecvel. Muitas vezes, temos

    que fazer mais com menos para atingir o mesmo resultado e,

    acreditem; sem planejamento, trabalharamos ainda mais ou o

    resultado no seria satisfatrio.

    O

    Por: Lia Freire

  • 18 19

    ingrEdiEntE nobrE E Estratgico De acordo com Charles Boisson, diretor da SPF do Brasil,

    empresa do Grupo francs Diana, uma das principais companhias a

    produzir palatabilizantes, a funo deste ingrediente aumentar a

    atratividade do alimento e o desejo nos animais em ingeri-lo. Assim,

    o ingrediente objetiva garantir a aceitao do pet food pelo animal

    e, consequentemente, propiciar ao proprietrio a satisfao perante

    o produto adquirido. Este vnculo entre a aceitao do alimento

    pelo pet e a satisfao do proprietrio faz do palatabilizante um

    ingrediente nobre e estratgico. Podemos concluir desta forma que

    este ingrediente constitui-se um item de diferenciao para o mercado

    pet food, permitindo ao fabricante utiliz-lo de forma estratgica na

    busca por uma maior participao em determinado segmento, ou

    mesmo, de forma defensiva, buscando manter sua atual posio atravs

    deste diferencial. Trata-se, portanto, de um ingrediente de alto valor

    agregado uma vez que a palatabilidade est diretamente relacionada

    com a percepo de valor do consumidor com relao ao produto e marca.

    O gerente de marketing do Grupo Diana, George Ben Josef,

    acrescenta que a palatabilidade no alcanada exclusivamente com

    a utilizao de um intensificador de palatabilidade (ou palatabilizante).

    Pesquisas desenvolvidas pelos centros de P&D da SPF demonstram

    que a melhor palatabilidade alcanada atravs da sinergia de um

    conjunto de fatores, que inclui o resultado de interaes entre as

    matrias-primas, variveis no processo de fabricao, a estrutura do

    kibble (extrusado), o palatabilizante propriamente dito e, finalmente,

    a sua correta utilizao no processo produtivo. Alm disso, outros

    aspectos como diferentes incluses de palatabilizantes ou mesmo

    a combinao correta entre as vrias opes de produto podem

    melhorar significativamente a performance do pet food. Dessa forma,

    conclumos que uma abordagem sistmica nos permite entender

    Investimos forte em alta tecnologia e performance dos palatabilizantes, oferecendo solues customizadas, Marcelo Beraldo da Costa, da AFB International.

    Desenvolvemos projetos inovadores que objetivam agregar valor e diferenciao ao fabricante de pet food, George Ben Josef, do Grupo Diana.

    melhor a complexidade dessas interaes. por isso, que h mais

    de dez anos a SPF criou uma atividade de investigao e servio

    dedicado exclusivamente orientao da aplicao do palatabilizante, o

    Aplicalis, que prope s indstrias de pet food algumas aes dirigidas

    que tm se mostrado bastante eficientes ao longo dos anos, atravs de

    uma oferta de mltiplos servios: conferncias e treinamentos tcnicos,

    auditorias, apoio operacional e ensaios feitos sob medida em parceria

    com os clientes, com o objetivo de aperfeioar o desempenho do produto

    adquirido, maximizar seu resultado, eliminar perdas e desperdcios e

    reduzir o impacto do palatabilizante no custo final do produto.

    a tropicalizao nas formulaEs A SPF do Brasil conta com um centro de P&D em sua planta de

    Descalvado (SP). Essa tropicalizao nas formulaes permite SPF

    do Brasil atender as necessidades e expectativas do mercado brasileiro

    com solues especficas. Um entrosamento que s conseguido pela

    proximidade com o cliente, um dos pilares da empresa, juntamente com

    o suporte da estrutura da matriz francesa, trabalhando para aumentar

    os conhecimentos da percepo olfativa e paladar de ces e gatos.

    Essa proximidade com o cliente nos permite ter um conhecimento

    profundo do mercado e suas necessidades. Partindo desse conhecimento,

    desenvolvemos projetos inovadores que objetivam agregar valor e

    diferenciao para o fabricante de pet food, refora o gerente, Josef.

    Atualmente, a gama de produtos da SPF dividida nas seguintes

    linhas: DTech - destinada aos ces, atendendo as premissas de

    competitividade e desempenho; Csens - desenvolvida para as necessidades

    de diferenciao do mercado de alimentos para gatos e a Delice criada

    para assegurar a melhor palatabilidade para os treats e medicamentos.

    Indicadas para biscoitos, snacks semimidos e extrusados, bebidas e

    molhos, alm de produtos especficos para incluso em comprimidos.

    A unidade de negcios do Grupo Diana, Vit2Be, atravs de uma profunda

    anlise e compreenso dos aspectos e funes fisiolgicas de ces e

    gatos, desenvolve uma abordagem especfica, por meio de ingredientes

    funcionais, para trazer aos fabricantes de pet food novos meios de

    diferenciar os seus produtos e deix-los alinhados a tendncia global.

    Boisson, diretor da SPF do Brasil, destaca alguns dos aspectos

    responsveis por tornar a empresa uma das principais a atuar neste ramo

    de negcios. Primeiramente, graas a nossa presena mundial temos a

    possibilidade de compreender a competitividade global do segmento, que

    varia em funo das particularidades de cada mercado; segundo o nosso

    know how adquirido atravs de anos de pesquisa avanada e tecnologia

    restrita a um seleto grupo de empresas nos permite disponibilizar aos

    fabricantes de pet food produtos inovadores em termos tecnolgicos e

    mercadolgicos. Terceiro, o nosso profundo conhecimento dos clientes,

    que chamamos de know how mercadolgico, conquistado atravs da

    proximidade, constitui-se em outra fora competitiva. Somos a nica

    empresa do mercado brasileiro que dispe de um centro de provas

    de palatabilidade local, permitindo a consolidao do processo de

    desenvolvimento de nossos produtos, sem o qual seria praticamente

    impossvel desenvolvermos solues locais de alto padro.

    panElis E a sua atuao no brasil O Centro de Pesquisas em Mensurao da Palatabilidade e Estudo do

    Comportamento Animal Panelis, pertencente ao Grupo Diana, iniciou

    em Descalvado (SP) no ano de 2003 as suas atividades para disponibilizar

    aos clientes do mercado de pet food, de toda a Amrica Latina, mltiplos

    servios relacionados mensurao da palatabilidade, alm de consultoria

    em sua rea de atuao. estudado o comportamento alimentar de ces e

    gatos, desde a atratividade do produto at sua taxa de consumo, passando

    por outras muitas variveis que fazem parte da complexa metodologia

    empregada no centro. Os canis e gatis do complexo so amplamente

    utilizados por empresas do mercado de pet food, realizando testes

    cegos com o propsito de manter-se isento da indstria e conservar sua

    credibilidade. Com esta ferramenta, os fabricantes de alimentos para

    animais de companhia podem atestar como os pets reagem s mudanas

    de formulao, bem como, mensurar a atratividade dos palatabilizantes

    utilizados, garantindo uma boa aceitao dos produtos no mercado,

    destaca Juliana Werneck, responsvel pelo Panelis Amrica Latina.

    O Panelis fornece o suporte necessrio na mensurao da

    palatabilidade de produtos em desenvolvimento ou mesmo para

    o controle de diferentes variveis de produtos em linha, como a

    repetibilidade da performance ou o contnuo monitoramento do

    desempenho dos seus produtos, por exemplo. No poderamos deixar

    de avaliar o comportamento alimentar de ces e gatos, buscando

    evidncias que nos levem a entender e decifrar sinais subjetivos

    emitidos pelos animais, demonstrando, por exemplo, sua satisfao

    ao se alimentar. A interpretao dos resultados pode apresentar-

    se de forma bastante complexa, sendo muitas vezes necessrio um

    Capa

  • 20 21

    conhecimento estatstico para uma perfeita anlise. Dessa forma,

    o Panelis contribui na interpretao dos resultados junto ao cliente,

    para que seu perfeito entendimento possa conduzi-lo deciso mais

    adequada. Por fim, entendemos que a disponibilizao de informaes

    sobre palatabilidade e comportamento alimentar uma de nossas

    atribuies. Dessa forma, buscamos sempre que possvel, interagir

    com o mercado atravs de publicaes e artigos tcnicos nos meios de

    comunicao, alm de palestras proferidas sobre o tema em reunies,

    congressos e simpsios, explica Juliana.

    infraEstrutura O Panelis Amrica Latina est instalado em uma rea de 37

    hectares, possui 10 parques arborizados com bebedouros automticos

    e brinquedos, onde os ces permanecem em grupos definidos de acordo

    com a melhor afinidade e porte dos animais. Vale ressaltar que os

    ces passam em mdia 6 horas por dia em passeios nos diferentes

    locais do Panelis, como a trilha arborizada para passeios, uma pista

    ao ar livre ou na pista de agility. Na hora de dormir, permanecem em

    casais da mesma raa em suas confortveis baias. Animais mantidos em

    condies de estresse apresentam comportamento alimentar alterado

    e os resultados dos testes no demonstram a repetibilidade necessria

    que o tornam confiveis, um dos motivos pelo qual esta grande

    estrutura foi criada, afirma Juliana.

    Com relao aos gatos, o Panelis conta com quatro parques,

    onde os animais encontram fontes com pontos de gua fresca,

    redes e sombra em abundncia. Tambm so mantidos em grupos

    separados por afinidade. Em ambiente interno permanecem em locais

    adequados ao seu descanso e distrao, na companhia de funcionrios

    dedicados socializao destes animais, como por exemplo, sua

    escovao diria. O centro ainda conta com consultrio veterinrio,

    sala de banho e tosa com capacidade para trs pessoas trabalharem

    ao mesmo tempo, alm do prdio administrativo e operacional.

    os tEstEs Os testes realizados diariamente no Panelis so com alimentos

    secos, placebos e petiscos dos mais variados tipos. Com os alimentos

    secos acontecem durante as refeies nas quais os ces ou gatos

    sempre tero duas opes de alimento para escolha. Os animais

    so assistidos um a um durante as refeies para que um protocolo

    pr-definido seja rigorosamente seguido. Observaes como o

    comportamento do animal durante os testes so relatados, assim

    como um conjunto de outras informaes pertinentes so analisadas

    e consideradas nas interpretaes de dados daquele animal. Para

    os petiscos, so oferecidos dois tipos de testes, com a metodologia

    Monadic, na qual se avalia a aceitao do produto e o teste versus,

    no qual ocorre a mensurao da palatabilidade de petisco. O

    tratamento estatstico aplicado aos resultados necessita contar com

    um nmero mnimo de animais e, caso haja alguma demonstrao de

    inquietude ou incmodo por parte dos ces ou gatos, seus dados no

    so contabilizados para a interpretao dos resultados. As anlises

    estatsticas bem feitas podem surpreender, apontando para direes

    imperceptveis a uma anlise realizada de forma amadora. O software

    responsvel por este tratamento estatstico, desenvolvido com

    exclusividade pelo Panelis para atender s necessidades especficas

    deste centro de palatabilidade nos garante uma anlise detalhada e

    precisa dos dados obtidos, afirma Juliana.

    O Panelis est respaldado por uma experincia de mais de 50 mil

    provas de palatabilidade realizadas ao longo de sua histria. Para

    que se tenha uma ideia do volume de informaes tratadas, para um

    estudo conduzido com felinos, mais de 450.000 dados individuais

    de 2007 a 2011 foram coletados e organizados por critrios, tais

    como, o tipo de revestimento de gordura ou a natureza e processo

    de fabricao de aditivos palatabilizantes. Com essas caractersticas

    foram traadas a experincia alimentar exata de cada gato. O grau

    de exposio foi processado estatisticamente utilizando duas formas

    de anlises multivariadas de dados: ACP (anlise de componentes

    principais) e AHCP (agrupamento hierrquico em componentes

    principais). Ao realizar os testes no Panelis, o cliente ter condies

    de avaliar o resultado final do trabalho, conclui Josef, gerente de

    marketing do Grupo Diana.

    O Centro de Pesquisas Panelis, que pertence ao Grupo Diana, j realizou mais de 50 mil provas de palatabilidade.

    Os testes realizados diariamente no Panelis so com alimentos

    secos, placebos e petiscos dos mais variados tipos, Juliana

    Werneck, responsvel pela Panelis Amrica Latina.

    Capa

  • 22 23Entrevista

    Mdica veterinria formada pela Universidade Paulista, com ps-graduao em marketing na ESPM e especializao em negcios pela FGV, Marina Galvo atua no ramo de Agronegcio h 16 anos, tendo passagens nos setores farmacutico, alimentcio e ingredientes para Pet food. Atualmente, por meio da sua empresa Mgalvo, presta servios como consultora nas reas comercial e marketing para empresas do setor PET. Seu foco est no desenvolvimento de produtos, negcios e de marketing. Marina contabiliza passagens em importantes companhias como Kemin, onde atuou como diretora comercial para a Amrica Latina, alm de Basf, Merial e Granfood, nestes como gerente de produtos e responsvel comercial pelos negcios PET. Nossa entrevistada deste ms expe a sua opinio sobre o setor de nutrio animal, aponta as tendncias, enumera os gargalhos deste setor e destaca as particularidades do nosso mercado.

    Revista Pet Food Brasil - Qual a anlise atual

    sobre o mercado brasileiro de nutrio para

    animais de estimao?

    Marina Galvo - O mercado pet cresce de maneira

    constante aumentando a diversificao de produtos

    e servios. O setor de nutrio para pequenos animais

    representa 64% do mercado PET e esse ndice por si

    s j mostra a importncia do segmento, que fatura

    em torno de 11 bilhes de reais por ano no Brasil.

    Outra informao relevante que apesar do

    crescimento do mercado brasileiro, ainda temos mais

    de 50% dos animais de estimao no consumindo

    alimentos industrializados, o que demonstra o

    potencial deste setor.

    Revista Pet Food Brasil - Qual a tendncia de

    mercado quando focamos no setor de nutrio

    animal? Ou seja, o que o mercado est consumindo?

    Marina Galvo - Apesar de ainda 60% do mercado

    consumir alimentos standard, com o aumento

    da renda mdia do brasileiro, a tendncia para a

    humanizao dos animais e a posse responsvel

    contribuem para que haja, ainda que lentamente,

    Marina GalvoPor: Lia Freire

    uma migrao para mercados premium e

    superpremium, assim como mercados especializados,

    como por exemplo, alimentos especficos para

    raas, obesidade, snacks, hipoalergnicos, alimentos

    funcionais etc. Automaticamente isso gera uma

    Destaco como as principais tendncias do mercado, os ingredientes funcionais, naturais e antioxidantes.

    Meus ltimos trabalhos tm sido no segmento de

    aditivos e posso afirmar que vem a uma nova gerao

    de antioxidantes com efeitos inovadores que iro revolucionar o mercado.

  • 24 25Entrevista

    Existem no Brasil excelentes faculdades

    de agronomia, veterinria e zootecnia

    e boa parte destas universidades tm enfatizado o estudo

    e pesquisas em nutrio animal.

    procura e um desenvolvimento no segmentos de

    aditivos, embalagens e ingredientes.

    Revista Pet Food Brasil - Em termos de qualidade,

    variedade e inovao, qual a sua opinio sobre o

    mercado brasileiro?

    Marina Galvo - No passado, o mercado brasileiro

    estava distante dos mercados americano, europeu

    e asitico. Hoje o cenrio outro. Gradativamente

    evolumos e sempre pautados na qualidade e

    variedade. Prova disso a taxa de crescimento de

    nossas exportaes, assim como, o crescimento do

    mercado de snacks, enlatados e saches. Ainda no

    temos uma linha completa de produtos como, por

    exemplo, alimentos veganos, 100% orgnicos e

    etc, mas ano a ano h um esforo da indstria no

    lanamento de novos produtos e grande a aposta

    na diversificao.

    Revista Pet Food Brasil - O que tem a dizer a

    respeito das pesquisas, desenvolvimento de novas

    solues e formulaes?

    Marina Galvo - difcil quantificar esses resultados,

    pois por questes estratgicas vrias empresas

    mantm os resultados de seus centros de pesquisa

    em confidencialidade, porm correto afirmar que

    esse um foco da indstria, pois os centros de

    pesquisa em universidades possuem filas de espera

    para realizar testes e experimentos. Isso prova que as

    empresas PET tm trabalhado muito em Pesquisa e

    Desenvolvimento.

    Revista Pet Food Brasil - Sobre o nvel tcnico-

    cientfico dos profissionais brasileiros, qual hoje

    a situao?

    Marina Galvo - Existem no Brasil excelentes

    faculdades de agronomia, veterinria e zootecnia

    e boa parte destas universidades tm enfatizado

    o estudo e pesquisas em nutrio animal, sendo

    excelentes fornecedores de profissionais para o

    mercado de trabalho. O crescimento e o destaque do

    mercado PET por sua vez tambm atraem o interesse

    e talentos para a rea.

    Revista Pet Food Brasil - Voc destacaria qual

    segmento como sendo a bola da vez dentro da

    nutrio animal? Quais as razes para este cenrio?

    Marina Galvo - Sem sombra de dvidas o de

    ingredientes funcionais, naturais e antioxidantes.

    Meus ltimos trabalhos tm sido nesse segmento

    de aditivos e posso afirmar que vem a uma nova

    gerao de antioxidantes com efeitos inovadores

    que iro revolucionar o mercado. Outro ponto de

    destaque so alguns novos ingredientes funcionais

    que vm para atender o novo perfil de consumo do

    mercado brasileiro e mundial de nutrio animal

    com foco na preveno da sade animal.

    Revista Pet Food Brasil - Quais as particularidades

    da indstria brasileira de nutrio animal para

    animais de estimao?

    Marina Galvo - O mercado brasileiro conta h

    muitos anos com a presena de marcas e fbricas

    globais que representam 50% do volume vendido de

    alimento PET. O restante da produo atendido

    por empresas nacionais com alta capacidade de

    adaptao e flexibilidade no lanamento de produtos.

    H uma concorrncia forte em todos os segmentos,

    o que torna o mercado extremamente dinmico e

    diversificado. Isso se reflete nas gndolas onde

    possvel encontrar produtos e marcas conhecidos

    mundialmente at itens regionais, com variaes de

    preo, apresentao e formulao.

    Revista Pet Food Brasil - Sob quais aspectos

    obtivemos importantes evolues neste segmento

    de negcios?

    Marina Galvo - O principal motivador para o

    crescimento do mercado o potencial existente

    entre a populao que ainda no consome

    alimento industrializado. Outro ponto importante

    a conscientizao dos proprietrios com relao

    a uma boa nutrio e a praticidade dos alimentos

    industrializados, isso sem contar com a boa

    orientao vinda dos mdicos veterinrios.

    Revista Pet Food Brasil - Quais pontos voc

    apontaria como os mais problemticos no mercado

    brasileiro?

    Marina Galvo - Sobre o alimento PET produzido

    no Brasil incide uma carga tributria em torno de

    49%, enquanto na Europa essa carga de 18% e

    nos EUA de 7%. Outro desafio da indstria no

    desenvolvimento de fornecedores de ingredientes,

    pois no raro encontrar barreiras ao buscar

    empresas que atendam as especificaes tcnicas de

    alguns produtos.

    Revista Pet Food Brasil - Como est o trabalho

    de marketing das indstrias brasileiras que atuam

    neste setor? O que poderia ser melhorado?

    Marina Galvo - H um trabalho bem desenvolvido

    e estruturado pela indstria, porm nem sempre

    essa mensagem percebida pelo consumidor, pois

    h uma lacuna no ponto de venda. Isso ocorre em

    virtude do posicionamento de alguns distribuidores

    que no esto preparados para repassar a mensagem

    ao pblico-alvo, estando mais focados na venda

    imediata, ao invs de estabelecer a marca e o produto

    no ponto de venda. No podemos generalizar esta

    situao, afinal h timos trabalhos desenvolvidos

    pelos distribuidores, mas nesta relao comercial

    ainda encontramos muitos gargalhos.

    Revista Pet Food Brasil - Como analisa o futuro

    deste mercado?

    Marina Galvo - O mercado brasileiro ainda est em

    crescimento e acompanha as tendncias mundiais. O

    futuro, sem dvida, a preveno da sade animal

    e o desenvolvimento de produtos segmentados,

    sustentveis e naturais, assim como, a migrao para

    produtos premium.

  • 26 27Informe Tcnico

    A fibra diettica pode ser definida como a soma dos polissacrides no amdicos, constituintes da parede celular vegetal

    mais a lignina, compostos indigerveis pelas enzimas do trato

    digestrio dos animais monogstricos. O conceito antigo de que

    fibras so desnecessrias para carnvoros e onvoros como o co e

    o gato est ultrapassado, pois hoje de domnio pblico que fibras

    so necessrias sua sade e digesto.

    Por sua fermentabilidade desprezvel, as fibras insolveis

    podem ser usadas em concentraes elevadas sem ocasionar efeitos

    digestivos adversos. Fibras insolveis apresentam uma srie

    de benefcios na nutrio de ces e gatos, podendo ser inclusive

    consideradas como ingredientes funcionais, uma vez que podem

    colaborar na preveno e/ou auxilio da obesidade, na manuteno

    do escore fecal e na eliminao das bolas de pelos dos felinos. Alm

    disso, so ingredientes que podem e devem ser contemplados no

    tratamento de vrias doenas gastrintestinais e metablicas.

    Atualmente, uma das principais utilizaes das fibras insolveis

    na luta contra a obesidade. A prevalncia desta enfermidade em

    ces e gatos tem aumentado em propores epidmicas e a taxas

    alarmantes. A fibra insolvel uma grande aliada para o controle

    de peso, agindo na reduo da densidade energtica do alimento e

    ao mesmo tempo mantendo nveis timos de escore fecal, bem como

    ajudando a manter sob controle os nveis de glicemia e da lipidemia.

    Outra questo de grande importncia na nutrio de ces e

    gatos a formao dos tricobenzoares, popularmente conhecidos

    como bolas de pelos em felinos. A eficincia de determinadas fontes

    de fibras como, por exemplo, o Vit2Be Fiber na dissoluo e/ou na

    preveno da formao dos tricobenzoares comprovada.

    Atualmente o mercado de produtos funcionais apresenta uma

    rpida expanso, amparada pela forte tendncia de consumo de

    produtos funcionais e fortificados. Segundo dados do GNPD, na

    Amrica Latina aproximadamente 75% dos produtos lanados para

    ces e 90% para gatos possuem algum tipo de claim funcional ou

    so fortificados com vitaminas e minerais.

    Os nmeros demonstram oportunidades neste mercado,

    corroborando com a forte tendncia de humanizao do segmento

    pet. A busca por produtos diferenciados refora o crescimento de

    fatias de mercado como o teraputico, por exemplo, que apresentou

    crescimento de aproximadamente 60% em seu faturamento nos

    ltimos trs anos no mercado nacional (Euromonitor).

    Outro ponto importante a ser considerado o incremento

    da renda da populao brasileira, impactando positivamente nos

    nmeros dos mercados de bens de consumo, como o alimento pet.

    A busca por produtos de maior valor agregado pode ser observada

    nos quase 300 lanamentos de produtos com claims funcionais

    apontados pela Mintel entre 2009 e 2011.

    Sendo assim, e ciente de sua obrigao de implementar e oferecer

    solues tecnicamente confiveis aos seus clientes, o grupo Diana

    apresentou ao mercado o Vit2Be Fiber que atualmente apresenta-

    se como a melhor opo para o uso de fibras insolveis na dieta de

    ces e gatos. Produzido nos padres de segurana do alimento e

    qualidade assegurada do grupo Diana, o Vit2Be Fiber possui alta

    concentrao de fibras insolveis. Clinicamente testado, possui boa

    aceitao pelos ces e gatos, sendo a sua utilizao respaldada por

    trabalhos cientficos que garantem sua eficincia e segurana.

    Autor: Andr Buck, DVM, M.Sc [email protected] - Fone +55 (19) 3583-9404

    F i bra s i n s o l ve i s em a l ime n t o s p ara c e s e ga t o s

  • 28 29Em Foco 1

    Por : Saul Jorge ZeucknerBacharel em agronegcios

    e Diretor Comercial-Algomix

    Eleies urante esses ltimos dias, tivemos algumas lies

    de vendas e atendimento relacionadas s eleies, aproveitei

    para observar como os seres humanos so capazes de

    mudar, conforme sua necessidade e isso me fez lembrar as

    nossas profisses de vendas.

    Os polticos ou candidatos a polticos, seriam , na sua

    grande maioria, bons vendedores, no que a profisso de

    vendas seja de pessoas falsas, no isso que quero dizer, na

    verdade, estou tentando analisar a capacidade de se adaptar

    s condies adversas e fazer um excelente atendimento,

    porque na verdade os polticos so em essncia, vendedores,

    pois necessitam vender suas ideias, fazer as pessoas

    acreditarem que aquele produto que esto oferecendo,

    a melhor opo que o cliente tem. Como os polticos

    conseguem tamanha melhoria na qualidade de seus

    atendimentos, conseguem ser gentis, cativos, dedicados,

    atendem a todos, cumprimentam todos que encontram,

    do tapinhas nas costas, procuram se preocupar com

    os eleitores(clientes)! Isso facilmente podemos observar

    durante as campanhas polticas, Porque aps as eleies

    esse atendimento ao cliente( eleitor), acaba?

    Isso ocorre conosco em nossa profisso de vendas,

    quando precisamos de nosso cliente, damos ateno,

    tapinha nas costas, somos atenciosos, nos preocupamos

    com eles, mas depois que vendemos, na grande maioria

    dos casos, abandonamos nosso eleitor (nosso cliente).

    Vejam que nossa analogia, faz sentido: somos movidos por

    necessidades, conseguimos nos adaptar conforme o que

    queremos, mas porque quando estamos vendendo bem,

    mudamos nossa caracterstica?

    Acredito que podemos manter esse mesmo nvel

    de atendimento o tempo todo. Isso seria o ideal, mas e

    os polticos teriam capacidade e condies de fazer esse

    atendimento o tempo todo? J imaginaram como seria?

    Todos temos condies de nos adaptar, cabe a ns,

    nos motivarmos, nos esforarmos acima da mdia,

    para que nosso atendimento seja melhorado a cada dia,

    como se estivssemos em busca da reeleio, ou que o

    perodo de eleies estivesse sempre prximo, para que

    fssemos essa pessoa de atendimento especial em todos

    os momentos em que estivermos com nossos clientes,

    independente se j vendemos ou se vamos realizar

    uma venda. Sempre teramos que tratar nosso cliente

    como um eleitor nico, especial e decisivo para o nosso

    sucesso, seja em vendas , ou em eleies.

    Pensem nisso e boas vendas( boas eleies).

    D

  • 30 31

    m setembro passado, em So Paulo, aconteceu a

    apresentao do ranking das 250 Pequenas e Mdias Empresas

    que mais crescem no pas e a IMEVE S.A., indstria de

    medicamentos veterinrios, f icou com a 106 posio.

    Segundo os organizadores, o ranking baseado na expanso

    da receita lquida entre 2009 e 2011. Se inscreveram as

    companhias com faturamento entre R$ 3 e 300 milhes, com

    sede no Brasil e que operaram ao longo dos ltimos cinco anos.

    Para participar, as empresas responderam a um questionrio com

    dados atuais e planejamentos futuros, elaborado pela consultoria

    Deloitte e por Exame PME.

    Apenas duas empresas do segmento de produtos veterinrios

    figuraram no ranking. Destas, a IMEVE foi a que teve melhor

    colocao, reforando seu esprito empreendedor e mostrando

    um novo posicionamento mercadolgico.

    E

    Investimento, crescimento e

    reconhecimento. IMEVE S.A. est entre as 250 pequenas e mdias

    empresas que mais crescem no pas

    Em Foco 2

    um imenso orgulho ver nossa empresa crescendo e se

    destacando no cenrio nacional. Tivemos que preencher vrios

    requisitos, em meses de avaliao. Trabalhamos muito, nos

    esforamos e conseguimos atingir este objetivo, explica Daniel

    Nacata Garcia, diretor executivo da empresa.

    Com um crescimento de mais de 90% nos ltimos dois anos, a

    IMEVE S.A. tem um faturamento aproximado de R$ 6 milhes/

    ano e tem investido pesado em pesquisa, desenvolvimento de

    novos produtos, contratao de profissionais e ampliao da

    estrutura fsica.

    Com a entrada do fundo investidor, a empresa cresceu. Tivemos

    injeo de recursos e com isso planejamos um crescimento agressivo,

    porm, consciente. Temos por meta crescer significativamente em,

    no mximo, trs anos. Em 2013, com certeza, estaremos melhor

    ranqueados na pesquisa, conclui Nacata.

  • 32 33

    C

    32

    antibiticos, anticoccidianos, oligoelementos, emulsificantes,

    aromatizantes, palatabilizantes e etc.

    Visando garantir a cadeia produtiva e as autoridades de

    fiscalizao o efetivo controle sobre seu uso, os aditivos so

    classificados no Brasil (IN n 13 de 30/11/2004, do MAPA,

    seguindo as orientaes do Codex Alimentarius) da seguinte forma:

    Aditivos nutricionais - vitaminas, provitaminas e substncias

    quimicamente definidas de efeitos similares; oligoelementos

    ou compostos de oligoelementos (microminerais); aminocidos,

    seus sais e anlogos; ureia pecuria e seus derivados. Aditivos

    tecnolgicos - adsorventes; glomerantes; antiaglomerantes;

    antioxidantes; antiumectantes; conservantes; emulsificantes;

    estabilizantes; espessantes; gelificantes; regulador da acidez e

    umectantes; e Aditivos sensoriais - corantes e pigmentantes;

    aromatizantes e palatabilizantes.

    Os corantes so substncias que conferem ou intensificam

    a cor dos produtos destinados alimentao, podendo ser:

    naturais, corante caramelo e artificiais. Segundo o artigo 10 do

    Decreto n55 871, de 26 de maro de 1967 (BRASIL, 2002b),

    considera-se corante natural o pigmento ou corante incuo

    extrado de substncia vegetal ou animal. Corante caramelo o

    produto obtido a partir da reao de Maillard de acares. J o

    corante artificial a substncia obtida por processo de sntese

    (com composio qumica definida). Muito utilizados pelos seres

    humanos, os corantes tm cada vez mais significativa presena

    na alimentao animal devido forte tendncia de humanizao

    na relao entre os pets e os seus donos.

    Atenta evoluo e s tendncias do segmento de nutrio

    animal, que busca melhorar a aparncia e qualidade dos produtos,

    a Doce Aroma Ind. E Com. Ltda atua misturando as cores

    primrias, buscando novas tonalidades e nuances que aproximam

    ao mximo o alimento industrializado do alimento in natura.

    Para atingirmos este objetivo, disponibilizamos ao mercado

    os corantes naturais que agregam maior valor nutricional e os

    corantes sintticos ou artificiais, que auferem uma colorao

    mais intensa e viva aos alimentos industrializados. Cada

    corante apresenta vantagens e desvantagens, portanto, um breve

    estudo do processo de fabricao, bem como das caractersticas

    do item a ser fabricado, deve ser feito para verificar qual o melhor

    tipo de corante a ser adicionado na formulao do alimento

    industrializado a fim de obter o melhor resultado final. Observo

    que no caso dos corantes naturais, houve um considervel

    aprimoramento em termos de sua resistncia e estabilidade

    durante o processo de industrializao do alimento. Dentro

    do contexto dos corantes naturais, o carmim de cochonilha

    um dos mais consumidos no mundo por sua versatilidade e boa

    estabilidade ao calor, luz e oxidao, esclarece Helo Blanco,

    executiva da Doce Aroma.

    Para a produo dos corantes naturais, a empresa tem

    realizado significativos investimentos, especialmente no

    que se refere formulao de novas tonalidades para atender

    s novas tendncias de mercado. A Doce Aroma possui trs

    laboratrios sendo um deles voltado exclusivamente para

    aplicao e desenvolvimento dos corantes naturais e artificiais;

    onde realiza todos os testes de aplicao antes dos lanamentos.

    Para meados de 2013 ampliaremos nossas instalaes, com uma

    nova planta, que j est em fase adiantada de construo. Esta

    unidade triplicar nossa capacidade produtiva e nos possibilitar

    maior rea de armazenagem, alm de contarmos com novos

    laboratrios de pesquisa e desenvolvimento, afirma Helo.

    a dEmanda pElos corantEs naturais A Vogler dentro da diviso Vogler Systems desenvolve

    misturas de corantes de acordo com as necessidades do mercado e

    das exigncias de seus clientes. Trabalhamos com os Innocolors

    de tonalidades marrom e verde. Tambm oferecemos opes

    como os corantes amarelos (crepsculo e tartrazina), vermelhos

    (amaranto, ponceau e alura), azul (indigotina e brilhante),

    dixido de titneo, corantes lipossolveis, corante caramelo,

    clorofila, antocianina, betacaroteno, lutena, cantaxantina etc.

    Observamos uma procura crescente por corantes naturais.

    Esta demanda deve-se, sobretudo, tendncia da populao

    por uma alimentao mais saudvel o que ref lete de maneira

    direta no alimento dos animais de estimao, visto que estes so

    Neste complexo processo de humanizao observado na relao entre os animais de estimao e os seus donos, os corantes ganham destaque na alimentao para pets

    onsiderado um aditivo sensorial, assim como os

    aromatizantes, palatabilizantes, f lavorizantes e pigmentantes, os

    corantes so usados na alimentao para melhorar ou modificar

    as caractersticas visuais dos alimentos ou as propriedades

    organolpticas (como a cor, o brilho, o paladar, o odor etc).

    Os aditivos podem ser classificados de diversas formas, de

    acordo com os critrios estabelecidos por rgo reguladores de

    cada pas. Por exemplo, o MAPA Ministrio da Agricultura,

    Pecuria e Abastecimento diz que aditivos so substncias

    ou micro-organismos adicionados intencionalmente, que

    normalmente no se consomem como alimento, tenham ou

    no valor nutritivo, que afetem ou melhorem as caractersticas

    do alimento ou dos produtos animais. J o Food and Drug

    Administration (FDA), rgo regulatrio dos EUA, define

    aditivo a substncia adicionada ao alimento dos animais com a

    finalidade de melhorar seu desempenho, passvel de ser utilizada

    sob determinadas normas e desde que no deixem resduo no

    produto de consumo humano. Enquanto isso, a European Food

    Safety Autorithy (EFSA), rgo de regulao de alimentos

    da Comisso Europeia, descreve aditivos so substncias ou

    preparados dessas substncias que, incorporados nos alimentos

    dos animais, so suscetveis de inf luenciar as caractersticas

    desses alimentos ou a produo animal. Finalmente, a

    Organizao Mundial do Comrcio (OMC), em texto aceito pela

    Receita Federal do Brasil, diz aditivos so elementos nutritivos

    funcionais, que incluem vitaminas ou provitaminas, aminocidos,

    Em Foco 3

    CorantesAs cores na nutrio animal

    Por: Lia Freire

    CorantesAs cores na nutrio animal

    a docE aroma produz E comErcializa corantEs artificiais E naturais. so ElEs:

    corantEs naturais

    Urucum: possibilita uma variedade que vai do tom alaranjado ao

    avermelhado

    Crcuma: tonalidade amarelada

    Clorofila: tom esverdeado

    Carmim de cochonilha: tonalidade que vai do vermelho ao rosa

    Caramelo: variao do marrom escuro ao caramelo claro

    corantEs sintticos ou artificiais

    Amarelo crepsculo

    Amarelo tartrazina

    Azul brilhante

    Azul indigotina

    Vermelho bordeaux ou amaranto

    Vermelho eritrosina

    Vermelho ponceau 4R

    Vermelho 40

    Verde folha

    Marrom M

    Roxo aa e roxo uva

  • 34 35

    segmento da Vogler.

    A gerente da Vogler acrescenta que h duas vertentes quando

    se analisa a aplicao dos corantes na nutrio animal: primeiro

    que nas linhas Premium e Super Premium, j no se utilizam

    mais corantes; segundo, nos alimentos econmicos e standard

    tm tido um crescimento do uso de corantes, em busca de

    tonalidades mais fortes em relao ao que se utilizava no passado

    e, com isso, a incluso de corantes por tonelada de alimento

    produzido aumentou consideravelmente.

    Os cuidados com a qualidade dos corantes oferecidos levou

    a Vogler ndia para conferir pessoalmente os produtos da

    Roha, marca que representa atualmente. Para homologar este

    fornecedor fomos conhecer a sua planta e ficamos atentos para

    verificar a concentrao dos corantes e se havia a presena

    de impurezas. A Vogler exige teores de chumbo, arsnio e

    metais pesados inferiores aos da legislao brasileira vigente,

    sempre nos baseando nas leis mundiais mais restritas. Alm

    disso, esporadicamente enviamos os corantes para anlise em

    laboratrios, a fim de garantirmos e assegurarmos a qualidade

    dos produtos que fornecemos, acrescenta Tatiane.

    Para o seu futuro neste segmento de corantes, a Vogler

    deseja crescer com responsabilidade, fornecendo ao mercado um

    produto que agregue qualidade e, sobretudo, que proporcione ao

    animal de estimao segurana ao consumi-lo. Este o grande

    diferencial da nossa empresa, refora Tatiane.

    A Doce Aroma tem realizado significativo investimento na produo dos corantes naturais, especialmente no que se refere formulao de novas tonalidades, Helo Blanco.

    Observamos uma procura crescente por corantes naturais. Esta demanda deve-se, sobretudo, a tendncia por uma alimentao mais saudvel, Tatiane Graciano Domingues, da Vogler.

    a voglEr comErcializa as sEguintEs opEs Em corantEs:

    Innocolors de tonalidades marrom e verde

    Amarelo crepsculo

    Amarelo tartrazina

    Vermelho amaranto

    Vermelho ponceau

    Vermelho alura

    Azul indigotina

    Azul brilhante

    Dixido de titneo

    Corantes lipossolveis

    Corante caramelo

    Clorofila

    Antocianina

    Betacaroteno

    Lutena

    Cantaxantina, entre outros.

    considerados membro da famlia. importante salientar apenas

    o alto custo para aplicao dos corantes naturais nos alimentos

    para animais de estimao. Estes corantes so extremamente

    sensveis e o processo de extruso bastante agressivo, alm de

    terem o custo bem mais elevado quando comparado aos corantes

    artificiais, analisa Tatiane Graciano Domingues, gerente de

  • 36 37Segurana Alimentar

    Contaminao por metais pesadosChumbo

    1. mEtais pEsadosMetais pesados so elementos qumicos com pesos atmicos entre

    63.6 a 207.9 e densidade >5.0 g/cm3 (Tabela 1). Entre os principais

    metais pesados que podem contaminar os alimentos, a gua e o meio

    ambiente (inclusive alimentos para pets, produzidos com ingredientes

    contaminados) e causar srios danos sade, esto o chumbo (Pb),

    arsnico (As), cdmio (Cd), mercrio (Hg), cromo (Cr), cobre (Cu) e

    mangans (Mn). As principais fontes de exposio de animais e humanos

    a esses metais so os alimentos. Atravs deles os metais so absorvidos

    pelo organismo sendo difcil elimin-los. Ao contrrio dos contaminantes

    orgnicos, os metais pesados no so biodegradveis e tendem a se

    acumular nos organismos vivos, sendo txicos e carcinognicos quando

    em diferentes concentraes (Srivastava; Majumder, 2008).

    Os metais so considerados os agentes txicos mais antigos

    conhecidos pelo homem. H aproximadamente 2000 a.C., grandes

    quantidades de Pb eram obtidas de minrios, como subproduto da fuso

    da prata e isso provavelmente tenha sido o incio da utilizao e causa

    de intoxicao por esse metal. Os metais pesados ocorrem naturalmente

    no ecossistema com grandes variaes na concentrao e diferem de

    outros agentes txicos porque no so sintetizados nem destrudos. Sua

    presena pode estar associada localizao geogrfica, nestes casos, a

    contaminao pode ser controlada, limitando o uso de produtos agrcolas

    e proibindo a produo de alimentos em solos contaminados (Salgado,

    1996; Salazar et. al., 2012).

    Portanto todas as formas de vida so afetadas pela presena de metais,

    dependendo da dose e da forma qumica. Alguns metais so essenciais para

    o crescimento dos seres vivos (cobalto-Co, Cu, Mg, molibdnio, vandio,

    estrncio e zinco-Zn) para a realizao de suas funes vitais. Porm

    nveis excessivos desses elementos podem ser extremamente txicos.

    Por outro lado, outros metais, denominados pesados (tais como: Hg, Pb

    e Cd) no possuem nenhuma funo no organismo e a seu acmulo pode

    provocar graves doenas, sobretudo nos mamferos (pets, animais de

    produo, humanos). Alm disso, nveis elevados de metais pesados em

    resduos do descarte de alimentos e outros dejetos eliminados no ambiente

    (pilhas, lmpadas, baterias, ligas metlicas) so pontos importantes na

    poluio ambiental (Cayir; Coskun, 2010). Quando lanados atravs de

    resduos industriais, na gua, no solo ou no ar, esses elementos podem ser

    absorvidos pelos vegetais e animais das proximidades, provocando graves

    intoxicaes ao longo da cadeia alimentar (Tabela 2).

    2. mEtais EssEnciais E micro-contaminantEs dE alimEntos Os metais so classificados em: (1) elementos essenciais (sdio,

    potssio, clcio, ferro-Fe, Zn, Cu, nquel-Ni e Mg; (2) micro-

    contaminantes ambientais (As, Pb, Cd, Hg, alumnio, titnio, estanho

    e tungstnio) e (3) elementos essenciais e simultaneamente micro-

    contaminantes (Cr, Zn, Fe, Co, Mg e Ni). Os metais contaminantes no

    so necessrios para as atividades metablicas normais e so txicos para

    clula, mesmo em baixas concentraes. Esses metais so reconhecidos

    como os mais agressivos e so geralmente chamados de metais pesados.

    Os distrbios causados por metais pesados (Hg) na intoxicao

    aguda so anria e diarreia sanguinolenta, decorrentes da ingesto.

    Atualmente, ocorrncias de intoxicao a mdio e longo prazo com nveis

    menores do metal (intoxicao sub-aguda e crnica, respectivamente)

    tm sido as mais observadas e as relaes causa-efeito podem ser pouco

    evidentes e quase sempre sub-clnicas. Os efeitos so difceis de serem

    distinguidos, pois podem ser provocados por outras substncias txicas

    ou por interaes entre agentes qumicos. A manifestao dos efeitos

    txicos est associada dose e pode distribuir-se por todo o organismo,

    afetando vrios rgos, alterando os processos bioqumicos, organelas

    e membranas celulares (Fu; Wang, 2011). A Tabela 2 apresenta fontes

    de contaminao e toxicidade de alguns metais pesados que podem ser

    Tabela 1 Exigncia de vitaminas para ces por 1000 kcal de energia metabolizvel

    IUPAC, (2005) * ponto de fuso: 327C

    MetaisCHUMBO (Pb)

    CDMIO (Cd)

    MERCRIO (Hg)

    COBRE (Cu)

    CROMO (Cr)

    Fontes de contaMinaoAlimentos enlatados, vegetais tratados com agrotxicos, fgado

    bovino, poluio do ar, utilizao de agrotxicos com residuos

    na pastagem, fertilizantes, tintas, combustveis, gs contendo Pb,

    papel de jornal e anncios coloridos.

    Alimentos, efluentes gasosos industriais, fertilizantes, agrotxicos,

    frutos do mar, farinha de ossos, materiais cermicos, solda.

    Acar, tomate e pescado contaminados, Termmetros,

    agrotxicos, gua, polidores, ceras, tintas, lmpadas fluorescentes

    de Hg, derivados de petrleo.

    Indstria de refratrios e qumica, efluentes gasosos industriais,

    pilhas de rejeito.

    Efluentes gasosos industriais, curtume, indstria de refratrios

    e qumica, soldagens, produo de ligas ferro-cromo, cromatos,

    dicromatos, pigmentos e vernizes.

    PrinciPais sinais de intoxicaoDanos ao sistema nervoso central, rins, fgado e sistema reprodutivo.

    Alteraes dos processos celulares bsicos e funes cerebrais. Podem

    provocar anemia, insnia, dor de cabea, tontura, irritabilidade,

    fraqueza muscular, alucinao e danos renais (SALGADO, 1996).

    Provoca elevao da presso sangunea e aumento de rgos (corao

    e prstata). Reduo da imunidade. Carcinognico. Enfraquecimento

    sseo, dores nas articulaes, anemia, enfisema pulmonar,

    osteoporose e perda de olfato. Danos renais e em altos nveis letal

    (NASEEM; TAHIR, 2001).

    Causa danos no SNC, disfuno pulmonar e renal, dor torcica e

    dispneia (NAMASIVAYAM; KADIRVELU, 1999).

    Provoca vmitos, clicas, convulses e at a morte (PAULINO et al.,

    2006).

    Causa acumulo na cadeia alimentar, provoca graves irritaes na pele

    a carcinoma de pulmo (KHEZAMI; CAPART, 2005).

    tabela 2. Fontes de contaMinao e toxicidade de alguns Metais Pesados eM aliMentos Pets

    IUPAC, (2005) * ponto de fuso: 327C

    encontrados em alimentos para pets.

    Considerando que os metais pesados possuem caractersticas

    diferenciadas, bem como efeitos txicos variados (Tabela 2), sero

    abordados separadamente na Coluna da presente Revista. O primeiro a

    ser abordado nessa edio ser o Pb, seguido pelo Hg, Cd, Cu e Cr, nos

    prximos nmeros.

  • 38 39Segurana Alimentar

    Figura 1. Rota de contaminao pelo Pb na exposio animal e humana (IPCS, 1995).

    Figura 2. Contaminao de rio por chumbo e cdmio prximo afbrica de baterias com vazamento na provncia de Zhejiang, China.

    3. chumbo O Pb tem largo uso industrial devido as suas caractersticas fsico-

    qumicas (ponto de fuso elevado, maleabilidade, altamente dieltrico,

    resistncia a radiaes ionizantes e formao de ligas com outros metais).

    Portanto muito utilizado na fabricao de pilhas, baterias, ligas metlicas,

    fertilizantes, alguns agrotoxicos, combustveis, pigmentos cermicos,

    inclusive em papel de jornal e anncios coloridos. Pode, portanto, chegar

    ao alimento animal e humano atravs da contaminao do ambiente em

    que (a) esse alimento (vegetal) produzido e (b) animais de produo se

    alimentam de pastagens da regio (Iupac, 2005; Reilly, 1991).

    extremamente txico, acumula-se no organismo principalmente

    nos ossos e os compostos de Pb so igualmente nocivos aos animais.

    Desde 400 a.C., Hipcrates descreveu uma doena a qual chamou de

    saturnismo, com sintomas de clica paralisia, contrado por homens que

    trabalhavam com Pb (Reilly, 1991). O Pb encontrado no meio ambiente

    como resultado da sua ocorrncia natural e da sua utilizao industrial,

    apesar de no ser um elemento comum nas guas naturais facilmente

    introduzido no meio ambiente por uma srie de processos e produtos

    humanos como: plsticos, tintas, pigmentos, indstrias metalrgicas,

    incineradores e aditivos da gasolina. As Figuras 1 e 2 apresentam as

    vias de contaminao e caso especifico de rio contaminado por Pb e Cd

    devido a vazamento de fbricas de baterias na China, respectivamente.

    Mesmo em baixas concentraes pode comprometer o sistema

    nervoso, o sangue e os rins. Durante os ltimos anos fontes de

    contaminao ambiental por Pb tm diminudo tanto pela abolio do

    seu uso na gasolina, como tambm pelo fato de serem banidas as soldas

    em embalagens de alimentos e bebidas (Nascimento et al., 2006).

    Alimentos tais como frutas, vegetais, carnes, visceras (figado), gros,

    frutos do mar, bebidas leves e vinhos podem conter Pb, originado da

    gua de preparo ou plantas e animais criados em locais contaminados. A

    alimentao com estes contaminantes pode provocar o acmulo na cadeia

    alimentar por ingesto pelos animais e pelo homem. Muitos vegetais,

    gros e carnes presentes nas raes para pets podem estar contaminados

    por este elemento qumico e ocasionar graves problemas de sade.

    3.1 mEcanismo dE ao do chumbo A intoxicao por Pb, tanto por exposies a longo prazo quanto

    em episdios isolados, acarreta em uma diversidade de prejuzos ao

    organismo do animal. Devido a sua habilidade de inibir ou imitar minerais

    como o clcio e o Zn (ambos importantes para a funcionalidade das

    clulas), altera os nveis desses elementos no organismo. Causa, portanto,

    distrbios relacionados ao metabolismo celular afetando diversos rgos

    e sistemas do organismo. A toxicidade do Pb resulta, principalmente, de

    sua interferncia no funcionamento das membranas celulares e enzimas,

    formando complexos estveis com ligantes contendo enxofre, fsforo,

    nitrognio ou oxignio (grupamentos -SH, -H2, PO3, -NH2 e -OH) que

    funcionam como doadores de eltrons (Saryan; Zenz, 1994).

    Aps absorvido, o Pb no distribudo de forma homognea no

    organismo. No sangue, esse contaminante est quase sempre associado aos

    eritrcitos, sendo em seguida distribudo aos tecidos moles (fgado e rins)

    e aos minerais (ossos e dentes). As maiores concentraes so encontradas

    nos ossos, onde o metal fica estocado na forma de trifosfato, porm os

    efeitos de sua exposio tm maior impacto no sistema nervoso, medula

    ssea e rins. A principal manifestao clnica do efeito da intoxicao no

    sistema hematopoitico a anemia, acarretada pela inibio da sntese da

    Animais/Humanos

    Grupo BCOrganizaes Empresariais Baltazar de Castro

    Grupo BCOrganizaes Empresariais Baltazar de Castro

    BC Participaes e EmpreendimentosGoinia (GO) - Administrao Geral

    Fone: (62) 3243-5100

    Sebo Industrialleo de Frango e leo de Peixe

    BC Participaes e EmpreendimentosBC Participaes e EmpreendimentosGoinia (GO) - Administrao Geral

    BC Participaes e Empreendimentos

    Farinha de Carne EsterilizadaFarinha de Sangue

    Farinha de Ossos CalcinadoFarinha de Penas

    Farinha de VscerasFarinha de Peixe

    Produtos de Higiene e LimpezaSabo e Derivados

    Nutrio AnimalNutrio Animal

    Gordura AnimalGordura Animal

    Higiene e LimpezaHigiene e Limpeza

    Farinha de Carne Esterilizada

    Farinha de Ossos Calcinado

    Nutrio AnimalNutrio AnimalNutrio AnimalNutrio AnimalNutrio Animal

    Reciclagem - Amiga da [email protected] [email protected]

    ReBras - Reciclagem Brasileira de Resduos [email protected]@rebras.ind.br

    Nordeste Industrial [email protected]

    [email protected]

    [email protected]

    AR Nutrio [email protected]

    [email protected]@argroup.com.br

    Sabao [email protected]

    leo de Frango e leo de Peixe