of 18 /18
Capítulo 2 Etiopatogênese geral das lesões Lesão e adaptação celular

Capítulo 2 Etiopatogênese geral das lesões Lesão e adaptação celular

Embed Size (px)

Text of Capítulo 2 Etiopatogênese geral das lesões Lesão e adaptação celular

  • Slide 1
  • Captulo 2 Etiopatognese geral das leses Leso e adaptao celular
  • Slide 2
  • Objetivos Explicar o conceito de leso Descrever o mecanismo de ao dos agentes agressores Explicitar as classificaes das leses Avaliar os processos de hipxia e anxia Analisar os tipos de adaptaes
  • Slide 3
  • Introduo Vdeos Sugeridos para melhor aprendizado: http://www.youtube.com/watch?v=2kMpcOyVC1I http://www.youtube.com/watch?v=6AEmKHZbMLU&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=--fEOyNvgAw&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=oOopXuJ6oZo&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=bn-2CRwiivU Leso o conjunto de alteraes morfolgicas, moleculares e/ou funcionais que surgem nos tecidos aps agresso. A variedade e possveis mecanismos de leso celular so quase infinitos, mas as respostas celulares a vrios tipos de leso so relativamente estereotipadas. Na verdade, muitas respostas leso so comuns a quase todos os tipos de clulas, embora o grau da resposta provocada varie muito entre diferentes tipos celulares. As diferentes categorias de leso tendem a resultar em respostas relativamente semelhantes em tipos individuais de clulas, embora alguns tecidos ou rgos possam ter respostas nicas e caractersticas para algumas formas de leso. Processos Patolgicos
  • Slide 4
  • Mecanismo de ao dos agentes agressores Mecanismo de ao dos agentes agressores Ao diretaAo indireta
  • Slide 5
  • Carboidratos Classificao das leses 1. LESES CELULARES Leses no letais So aquelas compatveis com a recuperao do estado de normalidade aps cessada agresso. Leses letais Representada pela necrose e apoptose. Letalidade/no letalidade est freqentemente ligada qualidade, intensidade, a durao da agresso, bem como o estado funcional ou tipo da clula atingida.
  • Slide 6
  • Carboidratos Classificao das leses 2. ALTERAES DO INTERSTCIO (Matriz extracelular MCE) Constituio: - Protenas fibrosas: Colgeno, elastina; - Protenas de aderncia: fibronectina, laminina; -Glicosaminosglicanos; -Proteoclicanos Funo: - Preencher espaos no ocupado por clulas - Conferir resistncia aos tecidos - Constituir meio pelo qual aportam nutrientes e se eliminam dejetos; - fixao celular; - Migrao celular
  • Slide 7
  • Carboidratos Classificao das leses Alterao de protenas do interstcio: -Defeitos genticos que comprometem estruturas, sntese e degradao. -Alteraes adquiridas que interferem na sntese e na degradao. Transformao do interstcio -Hialina (hialinoses): acmulo de protenas proveniente de plasma; -Mucide: aumento no contedo de proteoglicanas -Fibrinides: Acmulo de fibras ntegras ou degradadas de colgeno e fibrina; -Quelide: Formao excessiva de tecido conjuntivo por deposio irregular de colgeno
  • Slide 8
  • Classificao das leses Distrbios da circulao 3. Distrbios da circulao Aumento, diminuio ou cessao do fluxo sanguneo para os tecidos (Hiperemia, oligoemia e isquemia) Coagulao do sangue no leito vascular (Trombose) Aparecimento na circulao do sangue substncias que no se misturam ao sangue e causam ocluso vascular (Embolia) Sada do sangue do leito vascular (Hemorragia) Alterao das trocas de lquidos entre o plasma e o interstcio (Edema)
  • Slide 9
  • Classificao das leses Inflamao 4.Inflamao a leso mais complexa que envolve todos os componentes teciduais. a reao que acompanha a maioria das leses iniciais produzidas por diferentes agentes lesivos. 5.Alteraes da inervao O sistema nervoso perifrico (nervos) e o central (medula) so geralmente lesionados por compresso pelas estruturas adjacentes ou estiramento. Quando h compresso, h deformao mecnica das fibras nervosas e isquemia local. A deformao mecnica e a isquemia levam perda das propriedades mecnicas e funcionais das fibras nervosas devido a vrios mecanismos: obstruo local do movimento, inflamao e fibrosamento, proteo reflexa muscular local, excesso de tenso ao longo de um trajeto da fibra, alm de outros mecanismos ainda no compreendidos. - Uma leso local em um nervo afeta todo o nervo, provavelmente pela diminuio do fluxo axoplasmtico (alm do efeito mecnico de m distribuio de tenso ao longo do nervo). O nervo fica susceptvel a leses em outros locais. Esse fenmeno conhecido como double crush. - A leso implica em alteraes das funes do nervo. A alterao da conduo eltrica implica em distrbios sensoriais (dor, parestesias), motores (distonias, fraqueza...) e autonmicas (vasomotoras, pilomotoras). A alterao do fluxo axoplasmtico implica em disfunes trficas e inflamao (inflamao neurognica) dos tecidos inervados pelo nervo. - Portanto, uma leso nervosa implica em alteraes de suas propriedades mecnicas (movimento e elasticidade) e fisiolgicas (alterando sua nerodinmica, portanto) que por sua vez, sustentam ou agravam a leso. Tais leses podem resultar em disfunes nas estruturas que recebem sua inervao. Como conseqncia, estruturas msculo- esquelticas podem estar comprometidas numa disfuno de origem neural.
  • Slide 10
  • Causas de Leses Exgenas = Meio ambiente: agente qumico, fsico, biolgico e nutricional. Endgenas = Prprio organismo: patrimnio gentico, resposta imunolgica e fatores emocionais. Criptogentica, idioptica ou essencial = no se conhece as causas.
  • Slide 11
  • Hipxia e anxia Hipxia: a reduo do fornecimento de oxignio s clulas. Anxia: a parada total do fornecimento de oxignio s clulas. Resposta imunitria na origem e amplificao de leses Quando o agente agressor antignico, o sistema imunitrio o reconhece e monta uma resposta que ao invs de defender o hospedeiro contra a agresso pode gerar leses.
  • Slide 12
  • Hipxia e anxia
  • Slide 13
  • Radicais livres Toda molcula que possui um eltron mpar em sua rbita externa, no emparelhado. Este eltron livre favorece a recepo de outras molculas, o que torna os radicais livres extremamente reativos. Os radicais livres tm vida mdia de milsimos de segundos, mas eventualmente podem tornar-se estveis, produzindo reaes biolgicas lesivas.
  • Slide 14
  • Respostas s agresses Resposta Localizadas aps agresses So as modificaes no metabolismo do tecido agredido que iro determinar essas respostas, inclusive o surgimento de leso. Essas respostas locais so inespecficas e aparecem independentemente do tipo de agressor ou de leso apresentada. Respostas sistmicas s agresses localizadas Consiste em reaes inespecficas destinadas adaptao do organismo frente a uma agresso, seja por facilitar os mecanismos de fuga fsica, seja por eliminar o agressor ou tentar minimizar seus efeitos lesivos. Apresentando envolvimento hormonal e alteraes em vrios nveis: LESO CELULAR - Sntese protica - Alteraes Metablicas - Alteraes do Apetite e do sono - Febre - Resistncia a dor - Alterao na atividade fagocitria - Modulao da resposta imunitria
  • Slide 15
  • Agentes causadores de leso 1. Fsicos Fora mecnica, variao da presso atmosfrica, variao de Temperatura e radiaes. 2. Biolgicos Vrus, bactrias. 3. Qumicos Substncias txicas, medicamentos.
  • Slide 16
  • Adaptaes
  • Slide 17
  • O rim esquerdo apresenta hiperplasia e hipertrofia
  • Slide 18
  • Adaptaes Leses Reversveis Irreversveis Necrose e Apoptose