CAPTULO Exigncias nutricionais, ingest£o e crescimento de

  • View
    216

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of CAPTULO Exigncias nutricionais, ingest£o e crescimento de

  • CAPT

    ULO

    Exigncias nutricionais,

    ingesto e crescimento de

    bovinos de corteTiago Zanett Albertini

    Srgio Raposo de MedeirosRodrigo da Costa GomesGeovani Bertochi Feltrin

  • Exigncias nutricionais, ingesto e crescimento de bovinos de corte 109

    Exigncias nutricionais

    Exigncia nutricional definida como a quantidade diria de um nutriente que o animal deve ingerir para alcanar determinado nvel de produo.

    O primeiro passo para oferecer uma correta nutrio para os bovinos o conhecimento de suas exigncias, pois a partir dela se determina a estrat-gia nutricional a ser adotada, desde a simples mineralizao em pastagem at o confinamento. Posteriormente, com o conhecimento sobre as caracte-rsticas dos alimentos disponveis, o nutricionista capaz de trabalhar cada estratgia nutricional visado suprir de forma econmica as necessidades apresentadas de acordo com os objetivos do sistema produtivo.

    Um bovino tem exigncias gerais dirias de gua, energia, protena, minerais e vitaminas. O bovino tambm possui exigncias especficas de alguns nutrientes, tais como fibras, necessrias para o bom funcionamento do trato digestrio. O nutricionista deve se atentar a esta exigncia, mas na maioria das situaes, ela normalmente atendida. Ela crtica, por exem-plo, em confinamento com alta incluso de concentrado.

    A exigncia de um animal varia em funo de fatores como: peso vivo, categoria, estado fisiolgico, uso de promotores de crescimento e fatores ambientais.

    Em geral, as exigncias de todos os nutrientes so tanto maiores quanto mais pesado for o animal. Isto quer dizer que para cada unidade de ganho de peso do animal em crescimento, h uma exigncia diferente. Um exemplo a exigncia de protena necessria para a manuteno do peso corporal do animal. Parte desta protena reciclada diariamente e, como bovinos com maior peso tm mais massa muscular, a reciclagem tambm maior. Da mesma forma acontece para a energia necessria, por exemplo, para manter as funes vitais do organismo. Isto explica em grande parte o maior consumo de alimentos por animais mais pesados e, tambm, a maior neces-sidade de reas de pastagens para animais adultos quando comparados a animais jovens em crescimento.

    As exigncias tambm variam em funo da categoria do animal. Uma novilha e um garrote, de mesma idade e mesma raa, podem ter exigncias diferentes de energia e protena, por estarem em momentos diferentes de suas curvas de crescimento e, consequentemente, composies diferentes do acrscimo corporal em protena e gordura. Isto explica, por exemplo, o ganho de peso de garrotes ser maior que o de novilhas nas mesmas condi-es de pastagens. Alm disso, uma vaca em lactao possui exigncias diferentes de uma vaca no lactante, j que a primeira necessita de nutrien-tes para atender sua manuteno e, tambm, lactao.

    Exigncia dE gua

    Apesar de no poder ser considerado um nutriente, a gua essencial ao organismo e o animal possui uma exigncia diria que deve ser aten-dida. Este atendimento ocorre pela ingesto de forragens midas, porm em quantidade muito menor que a demandada. Portanto, gua fresca e de

  • 110 Exigncias nutricionais, ingesto e crescimento de bovinos de corte

    boa qualidade deve estar disponvel vontade para o bovino. Quando se fala em qualidade, se leva em considerao a questo de contaminao microbiolgica, qumica e fsica.

    A quantidade de gua que deve estar disponvel varia em funo do consumo de alimentos, da temperatura ambiente e da condio fisiolgica do animal. Em geral, para bovinos de corte, considera-se uma exigncia de 10 a 12 litros de gua para cada 100 kg de peso vivo (PV). Conhecer as exigncias de gua importante para o tcnico/produtor poder planejar sua estrutura de bebedouros para fornecimento de gua onde for necessrio.

    nvEis dE Exigncias nutricionais

    As exigncias nutricionais em bovinos de corte so divididas basicamen-te em mantena e produo.

    A exigncia de mantena basicamente uma funo do PV do animal, da raa e do ambiente. Quanto maior o peso, maior a mantena, como j comentado. Quanto raa, diferenas na exigncia de mantena so bem visualizadas quando comparamos animais de origem zebuna e de origem taurina. Por exemplo, comum relatos da necessidade de maiores reas de pastagens para vacas cruzadas e isso devido a:

    Maior exigncia nutricional de animais taurinos quando comparados a zebunos;

    Maior peso corporal das vacas cruzadas (na maioria das vezes). Quanto ao ambiente, valores extremos de temperatura e umidade levam

    o animal a aumentar sua exigncia de mantena para realizar termorregu-lao. importante levar isso em considerao ao se utilizar raas pouco adaptadas ao clima tropical em regies de altas temperaturas e umidade. O ambiente interfere, tambm, no nvel de atividade do animal, principal-mente na locomoo para pastejo, busca de gua e de suplementos. A importncia de ponderar esta questo est no fato de que um maior nvel de atividade aumenta as exigncias de energia para mantena, podendo afetar o desempenho animal.

    A exigncia de produo dividida em: crescimento, gestao e lac-tao. Assume-se que, para mantena, a energia seria usada com mesma eficincia, mas a energia metabolizvel ingerida acima da exigncia para mantena, usada para produo, tem uma eficincia diferente para cada um desses fins. So, portanto, assim divididas para atender animais com diferentes objetivos de produo.

    Exigncia Em EnErgia

    No contexto de nutrio animal, utilizamos as unidades quilocaloria (kcal), que significa 1 mil calorias e megacaloria (Mcal), que significa 1 mil kcal, para normalmente expressar teores de energia de alimentos e raes (kcal/kg de alimento) e tambm as exigncias de um animal (kcal/dia). A unidade mais usual, contudo, so os nutrientes digestveis totais (NDT).

  • Exigncias nutricionais, ingesto e crescimento de bovinos de corte 111

    O NDT mais facilmente determinado quando comparado a outras me-didas de energia, tais como energia digestvel, metabolizvel ou lquida e, por isso, a forma comumente adotada. Na prtica, alimentos concentrados tm maiores teores de NDT, enquanto volumosos apresentam menores teo-res. Na terminao em confinamento, por exemplo, as dietas normalmente tm contedo de energia mais alto, com uma incluso maior de gros e coprodutos que tem maiores teores de NDT.

    As concentraes de energia lquida de mantena (Elm) de ingredientes, raes, forragens e suplementos so estimadas com base no NDT. Primeiro, o NDT transformado em energia digestvel (ED). O valor de ED, ento, transformado em energia metabolizvel (EM). Por fim, a EM a entrada de uma equao cbica que gera a Elm. As frmulas para as trs transforma-es so mostradas abaixo:

    1 kg de NDT = 4,409 Mcal de Energia Digestvel (ED); 1 Mcal de ED = 0,82 Mcal de Energia Metabolizvel (EM); 1 Mcal de Elm = 1,37*EM 0,138*EM2 + 0,0105*EM3 1,12As exigncias, em geral, so estimadas por frmulas em Elm, como o

    caso do manual americano de exigncias (NRC, 2000), referncia comu-mente utilizada no Brasil.

    Exigncia Em protEna

    Assim como para a energia, a exigncia de protena de mantena ba-sicamente uma funo do peso. Tambm, no estabelecimento das exign-cias do animal, se considera a manuteno do funcionamento do ambiente ruminal, de forma que se disponibilizem ao menos as quantidades mnimas necessrias para manter o processo fermentativo dos microrganismos rumi-nais e, consequentemente, o processo de degradao ruminal do alimento ingerido. Novamente, isto tem destaque em condies de pastagem na poca seca, justificando o uso de suplementos proteinados. Em condies de crescimento, o nvel na dieta de protena degradvel no rmen deve ser ajustado em funo do seu teor de matria orgnica fermentvel de forma a maximizar a produo de protena microbiana de alto valor biolgico. Assim como para a energia, a exigncia uma funo da curva de crescimento do animal e de sua maturidade. Por isso, as exigncias de protena para crescimento so especficas para raa, sexo (condio sexual) e idade.

    Exigncia nutricional dE minErais

    O bovino tem necessidades dirias de macro e microminerais, sen-do hoje 14 os principais minerais considerados para a nutrio animal. Macrominerais exigidos incluem clcio, magnsio, fsforo, potssio, sdio, cloro e enxofre. Os microminerais exigidos so cobalto, cobre, ferro, iodo, mangans, selnio e zinco e, segundo alguns trabalhos, cromo, molibdnio e nquel. Os macrominerais esto presentes em maiores quantidades no organismo dos bovinos, por isso so exigidos em quantidades superiores em relao aos microminerais. Normalmente, as quantidades exigidas de

  • 112 Exigncias nutricionais, ingesto e crescimento de bovinos de corte

    macrominerais variam de 0,1 a 1,0% (1 a 10 g/kg) da matria seca, enquan-to que um microelemento mineral exigido a nveis inferiores de 0,1% da matria seca da dieta.

    Assim como protena e energia, as exigncias so basicamente uma funo do peso vivo do animal e de seu nvel de produo. Um importante conceito a biodisponibilidade dos minerais, fator que afeta a utilizao do mineral fornecido em funo de sua fonte. Em geral, a biodisponibilidade uma funo da solubilidade da fonte, de forma que quanto mais solvel a fonte, mais biodisponvel ela . Outro conceito o da interao antagnica entre minerais, de forma que a biodisponibilidade de alguns minerais dimi-nuda na presena de outros. Um exemplo a diminuio na biodisponibili-dade de cobre em funo da presena de molibdnio.

    ingEsto dE alimEntos

    A ingesto de alimento pelo animal fundamental para a nutrio, pois determina o nvel de ingesto de nutrientes, o qual resultar na produo do animal (carne ou leite). Esta ingesto regulada e limitada pelas exigncias fisiolgicas e metablicas do animal, discutidas adiante.

    Ateno deve ser dada s restries na ingesto da quantidade e/ou na qualidade dos nutrientes os quais constitue