of 44/44
O CASAMENTO BÍBLICO 2º Trimestre de 2013 Lição 2 1 Pr. Moisés Sampaio de Paula

Casamento biblico 2013

  • View
    2.703

  • Download
    11

Embed Size (px)

Text of Casamento biblico 2013

  • 1. O CASAMENTOBBLICO2 Trimestre de2013Lio 21Pr. Moiss Sampaio de Paula

2. TEXTO UREO2Pr. Moiss Sampaio de Paula"Portanto, deixar o varo o seupai e a sua me e apegar-se- sua mulher, e sero ambos umacarne (Gn 2.24)."Portanto, deixar o varo o seupai e a sua me e apegar-se- sua mulher, e sero ambos umacarne (Gn 2.24). 3. VERDADE PRTICA3Pr. Moiss Sampaio de PaulaO casamento uma instituiodivina, sendo constitudo pelaunio indissolvel de um homeme de uma mulher: monogmico eheterossexual.O casamento uma instituiodivina, sendo constitudo pelaunio indissolvel de um homeme de uma mulher: monogmico eheterossexual. 4. Pense nisso! A unio entre um homeme uma mulher no somente para aperpetuao da raahumana, mas para aformao da famlia, ainstituio maisimportante de umasociedade.Pr. Moiss Sampaio de Paula 4 5. OBJETIVOS Aps esta aula, o aluno dever estar apto a: Analisar os princpios da monogamia. Explicar os princpios da heterossexualidade. Conscientizar-se da indissolubilidade docasamento5Pr. Moiss Sampaio de Paula 6. Verdade O que a Palavra de Deusensina a respeito docasamento, os princpios epropsitos do todo-Poderoso para omatrimnio no mudaram ejamais mudaro.Pr. Moiss Sampaio de Paula 6 7. O QUE A BBLIA DIZ SOBRE O CASAMENTOGnesis 2.18-24 O casamento uma ideia de DeusGnesis 24.58-60 O compromisso essencial para um casamento bem-sucedido.Gnesis 29.10,11 O romance importanteJeremias 7.34 O casamento proporciona momentos de imensa felicidade.Malaquias 2.14,15 O casamento cria o melhor ambiente para a educao dosfilhosMateus 5.32 A infidelidade quebra o vnculo da confiana, que a base detodos os relacionamentos.Mateus 19.6 O casamento permanenteRomanos 7.2,3 O correto que apenas a morte dissolva um casamentoEfsios 5.21-33 O casamento est baseado nos princpios prticos do amor,no em sentimentos.Efsios 5.23-32 O casamento um smbolo vivo de Cristo e a Igreja.Hebreus 13.4 O casamento bom e honroso.Pr. Moiss Sampaio de Paula 7 8. Palavra chave: Casamento Grupo de pessoasligadas porcasamento,filiao ou adoo.8Pr. Moiss Sampaio de Paula 9. Esboo da Lio9Pr. Moiss Sampaio de PaulaIII. A INDISSOLUBILIDADE DO CASAMENTO1. Uma s carne.2. A porta de entrada para o divrcio.III. A INDISSOLUBILIDADE DO CASAMENTO1. Uma s carne.2. A porta de entrada para o divrcio.II. O PRINCPIO DA HETEROSSEXUALIDADE1. "Macho e fmea os criou".2. "E se unir sua mulher".II. O PRINCPIO DA HETEROSSEXUALIDADE1. "Macho e fmea os criou".2. "E se unir sua mulher".I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA1. Monogamia X Bigamia.2. A poligamia torna-se comum.3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada porJesus e pelo apstolo Paulo.I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA1. Monogamia X Bigamia.2. A poligamia torna-se comum.3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada porJesus e pelo apstolo Paulo. 10. As Escrituras ensinam que homeme mulher foram feitos " imagemde Deus" (Gn 1.27). Aps Deus formar o homem (Gn2.7), formou tambm a mulher(v.22). Essa foi a segunda grandedeciso divina no tocante existncia da humanidade. Deus uniu o homem mulher,instituindo assim o casamento, noapenas para a perpetuao da raahumana, mas para a formao docasal e, consequentemente , detoda a famlia.10Pr. Moiss Sampaio de PaulaINTRODUO 11. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA11Pr. Moiss Sampaio de PaulaA monogamia omodelo de unioarquitetado por Deuspara a humanidade.1. Monogamia X Bigamia.2. A poligamia torna-se comum.3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada por Jesus e pelo apstolo Paulo.1. Monogamia X Bigamia.2. A poligamia torna-se comum.3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada por Jesus e pelo apstolo Paulo. 12. Uma PerguntaPorque o casamento deve seruma relao monogamica?"Pr. Moiss Sampaio de Paula 12 13. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIADEFINIO DE MONOGAMIA A palavra monogamia vem de doisvocbulos gregos: monos (nico) egams (casamento), significando umnico homem para uma nicamulher.13Pr. Moiss Sampaio de Paula1. Monogamia X Bigamia.1. Monogamia X Bigamia. 14. Pense Nisso! Desde o Gnesis, vemosa monogamia como omodelo de unioarquitetado por Deuspara o casamento e aformao da famlia(Gn 2.24).Pr. Moiss Sampaio de Paula 14 15. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIARELATOS BBLICOS SOBRE A BIGAMIA Porm, o primeiro registro da bigamiatambm est no livro dos comeos.lameque, filho de Metusalm (Gn 4.18;5.25), por razes no explicadas, teve maisde uma esposa (Gn 4.19). tempos depois,Esa, filho de Isaque, desobedeceu a Deuse casou-se com duas mulheres heteias (Gn26.34,35). No primeiro livro de Samuel, temos o casode Elcana que tinha duas mulheres. Oresultado no poderia ser outro: invejas,intrigas e brigas (1 Sm 1.4-8).15Pr. Moiss Sampaio de Paula1. Monogamia X Bigamia.1. Monogamia X Bigamia. 16. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA Abrao incorreu nesse grave erro. Porsugesto de sua mulher, Sara, que eraestril, o pai da f uniu-se a Agar, servade sua esposa. Era o concubinatoacontecendo na famlia de Abrao (Gn16), vindo Ismael a nascer como frutodaquela relao: transtornos familiares,histricos e espirituais foraminevitveis naquele cl. O Antigo testamento descreve apoligamia e as suas tragdias na vida deJac (Gn 29.21-23,28-31; 30.1-10) e nados reis de Israel (1 Rs 11.4,7-9). 16Pr. Moiss Sampaio de Paula2. A poligamia torna-se comum2. A poligamia torna-se comum 17. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIAUM BOM EXEMPLO Isaque, considerado filho dapromessa, casou-se aos 40 anos,com uma esposa escolhida por seupai, e preferiu viver umcasamento monogmico,honrando Rebeca, sua esposa, eprincipalmente, honrando aoSenhor.17Pr. Moiss Sampaio de Paula2. A poligamia torna-se comum2. A poligamia torna-se comum 18. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA Os fariseus aproximaram-se deJesus e interrogaram-no se eralcito ao homem repudiar a "suamulher" por qualquer motivo (Mt19.3). A resposta do Senhor remonta sorigens do casamento e da prpriacriao (Mt 19.5,6 cf. Gn 2.24).18Pr. Moiss Sampaio de Paula3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada por Jesus e pelo apstolo Paulo.3. Em o Novo Testamento a poligamia condenada por Jesus e pelo apstolo Paulo. 19. a) Uma esposa e ummarido. No h nada toclaro quanto monogamianos ensinos do apstoloPaulo. Aos corntios, porexemplo, ele ensinou quecada um deve ter a suaprpria mulher e esta o seuprprio marido (1 Co 7.1,2),numa preveno claracontra a prostituio.Pr. Moiss Sampaio de Paula 19I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA 20. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA b) A harmonia conjugal. Naepstola aos Efsios, Paulo ensinaa submisso da esposa ao marido.Ao marido, ele exorta a amar asua esposa, como Cristo amou aIgreja, sacrificando-se por ela (Ef5.25; Cl 3.19). Aqui, a harmoniaconjugal um dos fatores quereforam a monogamia, e ambasso valorizadas conforme o planooriginal de Deus para o casamentoentre um homem e uma mulher.Pr. Moiss Sampaio de Paula 20 21. I. O PRINCPIO DA MONOGAMIA c) A monogamia na lideranacrist. Para os lderes da igreja,Paulo exorta: "Convm, pois, que o bispo sejairrepreensvel, marido de umamulher" (1 tm 3.2 - sem grifos nooriginal). O dicono tambm deve ser"marido de uma mulher" (1 tm3.12). A liderana deve ser oexemplo dos fiis em tudo, e esseexemplo inclui o casamento (1 tm4.12). Pr. Moiss Sampaio de Paula 21 22. II. O PRINCPIO DAHETEROSSEXUALIDADE22Pr. Moiss Sampaio de PaulaDeus uniu o homem e amulher para demonstraro padro divino daheterossexualidade.1. Macho e fmea os criou.2. E se unir sua mulher.1. Macho e fmea os criou.2. E se unir sua mulher. 23. Uma PerguntaO que significa o termoheterossexualidade?"Pr. Moiss Sampaio de Paula 23 24. II. O PRINCPIO DAHETEROSSEXUALIDADE Deus criou "o homem", um ser masculino(Gn 1.26), e tambm fez a mulher, um serfeminino (Gn 1.27). Em outras palavras,Deus no uniu dois machos ou duasfmeas. No! Ele uniu um homem comuma mulher, demonstrando a natureza e opadro divino da heterossexualidade. As Santas Escrituras so claras aocondenarem - assim como o adultrio, aprostituio, a perversidade, a idolatria, amentira, o falso testemunho etc. - aprtica do homossexualismo, quermasculino, quer feminino (lv 18.22; Rm1.26).24Pr. Moiss Sampaio de Paula1. Macho e fmea os criou1. Macho e fmea os criou 25. II. O PRINCPIO DAHETEROSSEXUALIDADE Aps realizar o primeiro casamento, oCriador disse: "Portanto, deixar o varo oseu pai e a sua me e apegar-se- suamulher, e sero ambos uma carne" (Gn2.24). Veja que o Senhor taxativo aofalar ao homem a respeito da sua vocaoheterossexual: "apegar-se- suamulher". Por isso, olhemos para asEscrituras e olhemos para o ciclo da vidahumana e, inequivocamente,concordaremos: se no fosse a unioheterossexual, promovida por Deus,desde o princpio, a raa humana no teriasubsistido.25Pr. Moiss Sampaio de Paula2. E se unir sua mulher2. E se unir sua mulher 26. III. A INDISSOLUBILIDADE DOCASAMENTO26Pr. Moiss Sampaio de PaulaFoi o Criador quemplanejou o matrimnio,uma unio indissolvel epermanente (Gn 2.24).1. Uma s carne..2. A porta de entrada parao divrcio.1. Uma s carne..2. A porta de entrada parao divrcio. 27. Uma PerguntaO que vem a ser aindissolubilidade docasamento?"Pr. Moiss Sampaio de Paula 27 28. III. A INDISSOLUBILIDADE DOCASAMENTO A fim de proporcionar uma vida conjugalabundante, o Criador planejou uma uniohistrica, indissolvel e permanente (Gn2.24). O matrimnio entre homem e mulher seriapara sempre! tristemente, o pecado ruiu oprincpio divino da continuidade docasamento, trazendo o divrcio eseparando famlias. O plano de Deus, entretanto, ainda podeser encontrado nas palavras de Jesus: "oque Deus ajuntou no separe o homem"(Mt 19.6).28Pr. Moiss Sampaio de Paula1. Uma s carne.1. Uma s carne. 29. III. A INDISSOLUBILIDADE DOCASAMENTO H situaes em que a falta deunio e de amor no casamento,talvez motivados peladesobedincia a Deus, pelo orgulhoe pela falta de perdo, fazem aconvivncia do casal tornar-se umagrande fachada. Por convenincia, o casal apresenta-se sociedade ou igreja localnuma aparente alegria matrimonial,mas na intimidade, a unio tornou-se insuportvel. 29Pr. Moiss Sampaio de Paula2. A porta de entrada para o divrcio.2. A porta de entrada para o divrcio. 30. Da indissolubilidade A natureza indissolvel do casamento vem desde asua origem: Portanto, deixar o varo o seu pai e a sua me eapegar-se- sua mulher, e sero ambos uma scarne (Gn 2.24). O Senhor Jesus Cristo disse que essapassagem bblica significa a indissolubilidade docasamento: Assim no so mais dois, mas uma scarne. Portanto, o que Deus ajuntou no separe ohomem (Mt 19.5,6). uma unio ntima entre duas pessoas de sexosopostos que assumem publicamente o compromissode viverem juntas; uma aliana solene, um pactosagrado, legal e social. No existe no universo, entreos seres vivos inteligentes, uma intimidade maior doque entre marido e mulher, exceto apenas entre astrs pessoas da trindade. Pr. Moiss Sampaio de Paula 30 31. At que a morte nos separe O voto solene de fidelidade um ao outro atque a morte os separe, que se ouve dosnubentes numa cerimnia de casamento, no mera formalidade. Isso tem implicaesprofundas diante de Deus: Porque o SENHORfoi testemunha entre ti e a mulher da tuamocidade (Ml 2.14). O compromisso que osnoivos assumem diante de Deus,independentemente de o casal ser ou nocrente em Jesus. Isso diz respeito aocasamento per si, vinculado de maneiraintrnseca sua natureza, pois assim Deusestabeleceu essa aliana at que a morte ossepare.Pr. Moiss Sampaio de Paula 31 32. O matrimnio umaaliana divina, umsacramentoindissolvel.Pr. Moiss Sampaio de Paula 32Pense nisso! 33. Casamento sob ataque Em nossa sociedade, leis e normas queatentam contra a lei de Deus e aocasamento heterossexual so elaboradassob o argumento de que o Estado laico. Edeve ser mesmo! Mas entre ser laico edesrespeitar princpios ordenados por Deusdesde a criao h uma grande distncia.Pr. Moiss Sampaio de Paula 33 34. O casamento temsido atacadoviolentamente peloDiabo. O nmero dedivrcios, atmesmo entre oscrentes, vemaumentando.Pr. Moiss Sampaio de Paula 34Pense nisso! 35. O trabalho da Igreja necessrio que a Igrejaesteja pronta para auxiliaros casais que passam porcrises conjugais, e motiv-los sempre apermanecerem unidos emum amor no fingido, massolidificado e resistente scontrariedades quepossam existir no dia adiaPr. Moiss Sampaio de Paula 35 36. Concluso Assim, defendemos que ocasamento monogmico,heterossexual eindissolvel deva serincentivado, apoiado ehonrado nas esferaspblicas derelacionamento.Pr. Moiss Sampaio de Paula 36 37. Pense nisso! A Igreja do Senhor Jesus,como "coluna e firmezada verdade" devetrabalhar em favor dafamlia, defendendo ocasamento monogmico,heterossexual eindissolvel.Pr. Moiss Sampaio de Paula 37 38. O que Estado Laico Estado laico significa um pas ou nao com uma posioneutra no campo religioso. Tambm conhecido como Estadosecular, o Estado laico tem como princpio a imparcialidadeem assuntos religiosos, no apoiando ou discriminandonenhuma religio. O Brasil oficialmente um Estado laico,pois a Constituio Brasileira e outras legislaes preveem aliberdade de crena religiosa aos cidados, alm de proteoe respeito s manifestaes religiosas.Pr. Moiss Sampaio de Paula 38No artigo 5 da Constituio Brasileira (1988) est escrito:VI - inviolvel a liberdade de conscincia e de crena, sendoassegurado o livre exerccio dos cultos religiosos e garantida, naforma da lei, a proteo aos locais de culto e a suas liturgias; 39. Situao do MundoPr. Moiss Sampaio de Paula 39EstadoslaicosEstadosno-laicosAmbguoousemdados 40. Laico - Definio Laico - significa o que ou quem no pertenceou no est sujeito a uma religio. O termolaico tem sua origem etimolgica no Gregolaiks que significa do povo. Est relacionado com a vida secular(mundana) e com atitudes profanas que nose conjugam com a vida religiosa. Um comportamento secular o oposto de umcomportamento eclesistico,direcionado paraatividades da Igreja.Pr. Moiss Sampaio de Paula 40 41. Relacionamento Sexual Fora daVontade de Deus O que apresentado abaixo no da vontade de Deus: Homem + homem = HOMOSSEXUALISMO Homem + animal = BESTIALISMO Solteiro + solteiro = FORNICAO Solteiro + casado = ADULTRIO Homem com ele mesmo = MASTURBAO(FORNICAO/ADULTRIO)Pr. Moiss Sampaio de Paula 41 42. Algumas definies PROSTITUIO - Ato ou prtica de relaes sexuais promscuas,especialmente por dinheiro. Vrias palavras so usadas para a mulher quese engaja em atividade sexual ilcita por dinheiro, incluindo meretriz, vadiae prostituta. Um tipo de meretriz era a prostituta do templo, que realizavaatos sexuais no templo pago (Os. 4.12-14). Os cultos prostituio tantomasculina quanto feminina eram dirigidos nesses templos. Todas as vezesque Jud foi governada por um rei justo, tal rei buscou retirar asprostitutas do templo de sua terra (2R 23.4-14). ADULTRIO - Ato intencional de manter relaes sexuais com outrapessoa que no o marido ou a esposa. Jesus expandiu o significado doadultrio, incluindo-lhe a lascvia: "Qualquer que olhar para uma mulhercom inteno impura, no corao, j adulterou com ela" (Mt. 5.28).Pr. Moiss Sampaio de Paula 42 43. Algumas definies ABRASAMENTO - Na lingua portuguesa, significa queimar,destruir, esquentar muito; inflamar, excitar. No sentidobblico como pecado sexual, significa incapacidade decontrolar o desejo sexual, pensamento vicioso e obsessivo porsexo. LASCVIA - Comportamento indisciplinado e desregrado; emparticular, um flagrante desprezo pelas restries sexuais.(Mc. 7.22 ; 2Co 12.21). A palavra grega traduzida por lascviasignifica "Conduta Ultrajante", demostrando que ocomportamento lascivo ou licencioso vai alm do pecado eenvolve o desprezo pelo que certo. Ou seja, lascvia so ospensamentos ou atos totalmente imorais.Pr. Moiss Sampaio de Paula 43 44. Algumas definies FORNICAO - Relacionamento sexual fora dos laosmatrimoniais. A distino tcnica entre fornicao eadultrio que este envolve pessoas casadas enquanto afornicao envolve pelo menos uma pessoa no casada. Noentanto, o Novo Testamento usa, frequentemente, o termode forma genrica para se referir a qualquer tipo de ausnciade castidade. Das sete listas de pecados nos escritos dePaulo, a palavra "fornicao" encontrada em cinco delas(Rm 13.13 ; 1Co 5.11 ; Gl 5.19 ; Ef 5.3 ; Cl 3.5). No livro deApocalpse, a fornicao smbolo de como a idolatria e areligio pag corrompem a verdadeira adorao a Deus (Ap.14.8 ; 17.4)Pr. Moiss Sampaio de Paula 44