CENÁRIO ECONÔMICO GLOBAL E DOMÉSTICO

Embed Size (px)

DESCRIPTION

CENÁRIO ECONÔMICO GLOBAL E DOMÉSTICO. OCEPAR. MARINGÁ, 19 DE OUTUBRO DE 2012. Felipe Wajskop França Economista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC. CENÁRIO INTERNACIONAL. ESTÁGIOS DA CRISE. CRISE AMERICANA ENCONTRA-SE NO 4º QUARTO. - PowerPoint PPT Presentation

Text of CENÁRIO ECONÔMICO GLOBAL E DOMÉSTICO

PowerPoint Presentation

CENRIO ECONMICOGLOBAL E DOMSTICOMARING, 19 DE OUTUBRO DE 2012Felipe Wajskop FranaEconomista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econmicos - DEPECOCEPAR

2CENRIO INTERNACIONAL2ESTGIOS DA CRISECRISE AMERICANA ENCONTRA-SE NO 4 QUARTOCRISE EUROPEIA ENCONTRA-SE NO 3 QUARTOFRAQUEZA CHINESAJ ESTARIA NO SEU 1 QUARTO?

Recuperao ainda fragilizada pelos ajustes fiscais na Zona do Euro e pela desacelerao em curso na China;EUA tm mostrado sinais mais favorveis, mas retomada lenta e ajuste fiscal ainda ser importante;Desacelerao mundial, inclusive nos pases emergentes;Esforo concentrado dos BCs pode no ser suficiente para estimular uma recuperao mais consistente da economia global; A volatilidade dos mercados deve permanecer elevada. A recesso mundial est descartada, mesmo considerando as diversas incertezas.RISCOS PARA A ECONOMIA GLOBAL7TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB EUROPEUFONTE: FMI/WEOELABORAO E PROJEO: BRADESCO

5FONTE: BLOOMBERGELABORAO: BRADESCOCHINA: PRODUO INDUSTRIAL E EXPORTAO (VARIAO ACUMULADA DE 12 MESES)6

7CHINA: CRESCIMENTO ANUAL DO PIB TRIMESTRAL FONTE: BLOOMBERGELABORAO: BRADESCO

TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB NORTE-AMERICANOFONTE: FMI/WEOELABORAO E PROJEO: BRADESCO

8TAXA BSICA DE JUROS AGREGADA: PASES EMERGENTES X DESENVOLVIDOS 2002 2012FONTE: BLOOMBERGELABORAO: BRADESCO

BALANO DOS BANCOS CENTRAIS US$ BILHES10FONTE: BLOOMBERGELABORAO: BRADESCOTAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - 2012FONTE: FMI/WEOELABORAO E PROJEO: BRADESCO

11

Brasil muito mais sensvel China do que Europa. Mas China muito mais sensvel Europa do que aos Estados Unidos;

Cenrio internacional desinflacionrio para o Brasil;

Ociosidade global na indstria de transformao coloca desafios para a indstria local;

Ambiente de incerteza desfavorvel para a confiana das empresas e, portanto, para a inteno de investimento.PRINCIPAIS CONSEQUNCIAS DO CENRIO GLOBAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA1212ECONOMIA DOMSTICA131314DESACELERAO INDUSTRIAL BRASILEIRA NO SE DIFERENCIA MUITO DA GLOBAL

PERSPECTIVAS PARA CMBIOO REAL TEM SEGUIDO OS MOVIMENTOS LIGADOS AOS FUNDAMENTOS EXTERNOS, TENDO EM VISTA A DETERIORAO DA CRISE EUROPEIA.

ACREDITAMOS, CONTUDO, QUE H ESPAO PARA LEVE APRECIAO AO LONGO DO ANO, COM A MELHORA EXTERNA.

NO ENTANTO, OS NOVOS PATAMARES DA TAXA DE JUROS E DOS PREOS DAS COMMODITIES IMPLICAM UM NVEL MAIS DEPRECIADO PARA A MOEDA BRASILEIRA EM RELAO AO OBSERVADO ANTERIORMENTE. 15

CMBIO REAL (BASE PTAX NOMINAL DO LTIMO DIA DISPONVEL) E PROJEO BASEADA EM CDS, DXY, COMM., DIF. DE JUROSFONTE: BLOOMBERGELABORAO: BRADESCODEZEMBRO 2011R$ 1,88 / US$DEZEMBRO 2012R$ 2,00/ US$16DEZEMBRO 2013R$ 2,00/ US$17O QUE ACONTECEU AFINAL COM A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2012?17EFEITOS DEFASADOS DA POLTICA MAIS RESTRITIVA VLIDA AT MEADOS DE 2011DESACELERAO DA DEMANDA EXTERNA E AUMENTO DAS INCERTEZAS GLOBAISFATORES PONTUAIS, COMO SECA NO SUL DO PAS, MUDANA TECNOLGICA DOS CAMINHES, EXPORTAES PARA ARGENTINAFATORES ESTRUTURAIS, COMO AS CONDIES APERTADAS NO MERCADO DE TRABALHOTEMPESTADE PERFEITA - FATORES IDIOSSINCRTICOSPesada seca no Sul e Nordeste (PIB agrcola cai 8,5% no primeiro Tri)Crise do DNIT, travando investimentos de transportesImplantao do Euro 5 para caminhes, jogando para baixo a produoCrise da construo residencial devido a excesso de oferta Crise do endividamento do setor alcooleiro reduzindo a produo de cana;Estagnao da produo e refino da Petrobrs por razes de atrasos operacionais; Problemas com bancos pequenos e mdiosCrise argentina diminuindo as exportaes brasileiras de manufaturados18CONSIDERARAMOS QUE O PIB DE 2012 POSSA TER SIDO AFETADO ENTRE 0,8 E 1 PONTO DE PIB POR PROBLEMAS ATPICOS.19AO MESMO TEMPO NOTAMOS VELOCIDADES MUITO DIFERENTES ENTRE OS DIVERSOS SETORES DA ECONOMIA.20VOLUME DE VENDAS NO COMRCIO VAREJISTA AMPLIADO E PRODUO INDUSTRIAL - MDIA MVEL TRIMESTRAL DAS SRIES DESSAZONALIZADASFONTE: IBGEELABORAO: BRADESCOJaneiro 2003 = 10021

O MERCADO DE TRABALHO SEGUE AQUECIDO, O COMRCIO TEM MOSTRANDO RESULTADOS FIRMES, A RENDA EST PRESERVADA E A CONFIANA DOS CONSUMIDORES PERMANECE ELEVADA.39FONTE: CAGEDELABORAO BRADESCOMDIA MVEL 3 MESES DA GERAO LQUIDA DE EMPREGO FORMAL - DADOS DESSAZONALIZADOS - 2000 - 2011EM POSTOS DE TRABALHO23

FONTE: CAGEDELABORAO E PROJEO: BRADESCOGERAO LQUIDA DE EMPREGO FORMAL 1996 - 2013EM POSTOS DE TRABALHO

24TAXA DE DESEMPREGO NAS SEIS PRINCIPAIS REGIES METROPOLITANAS DO PAS MDIA ANUAL (2002 2012)FONTE: IBGEELABORAO E PROJEO: BRADESCO25

26VARIAO ANUAL MASSA AMPLIADA DE RENDIMENTOS

26NDICE DE CONFIANA DO CONSUMIDOR (ICC) SITUAO ATUAL (DADOS DESSAZONALIZADOS) 2006-2012

FONTE: FGVELABORAO: BRADESCO2728POPULAO ECONOMICAMENTE ATIVA E PESSOAL OCUPADO (VARIAO ANUAL)FONTE: IBGEELABORAO: BRADESCO

CRESCIMENTO ANUAL DO VOLUME DE VENDAS DO COMRCIO VAREJISTA -INCLUINDO AUTOMVEIS, MOTOS, AUTOPEAS E MATERIAL DE CONSTRUO 2005-2012FONTE: IBGEELABORAO E PROJEES: BRADESCO29

VARIAO ANUAL DO CONSUMO DAS FAMLIAS (%) 1996-2012FONTE: IBGEELABORAO E PROJEO: BRADESCO

30

CICLO DE INVESTIMENTOS DEVER SE INTENSIFICAR, FAVORECIDO POR COPA DO MUNDO, OLIMPADAS E PR-SAL. ALM DISSO, AS EMPRESAS CONTINUAM ANUNCIANDO INVERSES, INCLUSIVE PARA ENFRENTAR A CONCORRNCIA MAIS ACIRRADA E A EXPANSO DOS CUSTOS, COMO OS SALARIAIS. 31CRESCIMENTO REAL DA FORMAO BRUTA DE CAPITAL FIXO 1996 - 2013FONTE: IBGEELABORAO E PROJEES: BRADESCOEM %

32PORQUE ACREDITAMOS NA RECUPERAO DA INDSTRIA NO SEGUNDO SEMESTRE?FIM DO CICLO DE ESTOQUES, INCENTIVOS PBLICOS, TAXA DE JUROS BAIXAS, PROTECIONISMO, CMBIO DEPRECIADO ETC.47

PRODUO E EMPLACAMENTOS DE AUTOMVEIS E COMERCIAIS LEVES (DADOS DESSAZONALIZADOS)FONTE: ANFAVEA, FENABRAVEELABORAO: BRADESCO34

FONTE: ANFAVEAELABORAO: BRADESCOESTOQUES TOTAIS DE VECULOS EM DIAS DE VENDAS (DOMSTICAS NACIONAIS + IMPORTAES + EXPORTAES)3536

TAXA NOMINAL DE JUROS (SELIC) 2008-2012FONTE: BCBELABORAO E PROJEO: BRADESCO37

TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 360 DIAS DEFLACIONADO PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 M) EM 2008 e 2012FONTE: BCB, BLOOMBERGELABORAO: BRADESCO38

FONTE: IBGEELABORAO E PROJEES: BRADESCOPRODUO INDUSTRIAL: TAXA DE VARIAO ANUAL 2002 - 2013EM %

3940A AGRICULTURA TRAR UMA GRANDE CONTRIBUIO AO CRESCIMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRAG:\Area Economica\BBV\Regina \ complexo automotivo - 03 exportaes do complexo automotivo.xlsRENDA AGRCOLA ARROZ, ALGODO, FEIJO, MILHO, TRIGO E SOJA (2002 2013)SOURCES: CONAB, DERALPREPARATION: BRADESCO

FONTES: CONAB e DERALELABORAO: BRADESCOVARIAO DA RENDA AGRCOLA DE GROS POR REGIO SAFRA 2012/13G:\Area Economica\BBV\Regina \ complexo automotivo - 03 exportaes do complexo automotivo.xls

VARIAO DO PIB DO BRASIL1984 - 2013em %FONTE: IBGEELABORAO E PROJEO: BRADESCO

4344

CENRIO PARA A INFLAO BENIGNO, REFLEXO DA QUEDA DOS PREOS DE COMMODITIES E DA DESACELERAO DA ATIVIDADE. 44FONTE: IBGEELABORAO: BRADESCOEVOLUO IPCA EM 12 MESES 2004-2013 FONTE: IBGEELABORAO E PROJEES: BRADESCO 45

FONTE: IBGEELABORAO: BRADESCOEVOLUO IPCA SERVIOS E BENS (SEMI DURVEIS E DURVEIS) ACUMULADO EM 12 MESES 2003-2012* FONTE: IBGEELABORAO E PROJEES: BRADESCO

46RECONHECEMOS QUE ALGUNS VETORES DE CRESCIMENTO DOS LTIMOS ANOS ESTO MUDANDO:MOBILIDADE SOCIAL, REAL APRECIADO, FORTE CRESCIMENTO DA CHINA, ELEVADA ARRECADAO FISCAL.68

VARIAO DO NMERO DE PESSOAS NAS CLASSES SOCIAIS EM 2000, 2010 E 2020* (PROJEO), EM MILHES DE PESSOASFONTE: IBGEELABORAO: BRADESCO

* cortes das classes em valores de setembro de 20104849BNUS DEMOGRFICO 1980 - 2050FONTE: IBGEELABORAO: BRADESCO

NA BUSCA POR MAIOR EFICINCIA MICRO E MACROECONMICA, AINDA H LIES DE CASA A SEREM FEITAS: EDUCAO E INFRAESTRUTURA COM PAPEL DE DESTAQUE.PRINCIPAL FONTE DE CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO A PRODUTIVIDADE.50BRASIL: ANOS DE EDUCAO FORMAL DA POPULAO ACIMA DE 25 ANOS DE IDADE - 2003 2010*

FONTE: IBGEELABORAO: BRADESCO51POR FIM, ACREDITAMOS QUE ESTE NOVO PATAMAR DA TAXA DE JUROS SEJA SUSTENTVEL E POSSA SER EQUIVALENTE A UMA GRANDE REFORMA ESTRUTURAL.72DEPEC-BRADESCO: CENRIO MACROECONMICO (2008-2020)Projees obtidas a partir de informaes disponveis at 3 de agosto de 201253

Felipe Wajskop Frana

Depec-Bradesco

+55 11 3684-49894968.felipew@bradesco.com.br

WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BRO DEPEC BRADESCO no se responsabiliza por quaisquer atos/decises tomadas com base nas informaes disponibilizadas por suas publicaes e projees. Todos os dados ou opinies dos informativos aqui presentes so rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas no devem ser tomados, em nenhuma hiptese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliaes, julgamentos ou tomadas de decises, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequncias ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou anlises desta publicao so assumidas exclusivamente pelo usurio, eximindo o BRADESCO de todas as aes decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informaes implica a total aceitao deste termo de responsabilidade e uso.54