CENTRAL DE REGULA‡ƒO MUNICIPAL MANUAL PARA saude. responsabilidade pela capacita§£o do SISREGIII

  • View
    218

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of CENTRAL DE REGULA‡ƒO MUNICIPAL MANUAL PARA saude. responsabilidade pela...

SUS

CENTRAL DE REGULAO MUNICIPAL

MANUAL PARA AGENDAMENTO E REGULAO DE CONSULTAS, EXAMES E PROCEDIMENTOS

AMBULATORIAIS

Dezembro 2008

SECRETARIA MUNICIPAL DA SADE COORDENARIA DE REGULAO E AVALIAO

SUMRIO

1. Introduo................................................................................. 03

2. A Central de Regulao Municipal............................................ 04 3. Servios:

3.1. Consultas Especializadas 3.2. Exames Diagnsticos

3.2.1.Fluxo para o agendamento de exames diagnsticos em Salvador 3.2.2.Fluxo para o agendamento de exames diagnsticos em

outros Municpios 3.2.3.Fluxo de exames diagnsticos em Salvador 3.2.4.Fluxo de exames diagnsticos em outros Municpios

3.3. Fisioterapia 3.4. Oftalmologia

3.4.1. Agendamento de consultas e exames/procedimentos nas Unidades de Sade da Rede Prpria...................... 05 3.4.2. Procedimentos e fluxos nos prestadores..............07

3.5. Oncologia 3.6. Patologia Clnica Exames Laboratoriais

4. Anexos

1. Introduo

A Secretaria Municipal da Sade de Salvador (SMS), atravs da Central de Regulao Municipal, assume a responsabilidade pela organizao do acesso dos usurios do SUS s consultas e exames/procedimentos especializados a fim de garantir um atendimento integral, humanizado e equnime.

O trabalho de regulao da assistncia consiste em conhecer a demanda por servios de sade e disponibilizar, de forma ordenada, a oferta existente. A regulao obedece diretriz da regionalizao, que prioriza a proximidade do local de atendimento residncia do usurio e a hierarquizao do atendimento de acordo com o grau de complexidade exigido pelo problema de sade do usurio.

Este Manual descreve os procedimentos e fluxos para operacionalizao do processo de trabalho a ser realizado nas Unidades de Sade (US) da rede prpria e pelos prestadores de servios. O sistema de regulao SISREG III, disponibilizado pelo Ministrio da Sade, e o sistema CYGNUS, desenvolvido pelo Ncleo de Gesto da Informao da Secretria Municipal da Sade, compem as ferramentas utilizadas no agendamento e regulao dos servios.

A implantao dos sistemas nas US de responsabilidade da SMS e cabe aos prestadores solicitar e implantar os mesmos no seu estabelecimento de sade. Cabe tambm a SMS a responsabilidade pela capacitao do SISREGIII e CYGNUS nas US e prestadores.

Vale ressaltar que a misso da SMS de cuidar de forma

integral da sade do cidado em Salvador, assegurando seus direitos e respeitando as diversidades. Apesar das dificuldades, entendemos que o xito deste trabalho depende de cada um de ns, profissionais e cidados.

Atenciosamente, A equipe da Central de Regulao

03

2 FUNCIONAMENTO E RESPONSABILIDADES DA CENTRAL DE REGULAO MUNICIPAL

1. A Central de Regulao Municipal funciona de segunda a

sexta-feira das 8h s 18h, na avenida Vasco da Gama. Tel: (71) Telefax: E-mail: regulacao.saude@salvador.ba.gov.br.

2. Cabe a Central de Regulao disponibilizar da sua reserva

tcnica as vagas para consultas e exames de maior complexidade com o objetivo de atender fila de espera.

3. A Central de Regulao recebe as solicitaes das US. Essas

solicitaes so avaliadas pelos mdicos reguladores para a definio das prioridades e a devida autorizao, conforme oferta do momento e a liberao da reserva tcnica para atender fila de espera.

4. O prazo para a avaliao das solicitaes dos procedimentos

pelos mdicos reguladores de at 5 (cinco) dias teis. As respostas s solicitaes so encaminhadas s US da rede prpria que comunicam aos usurios sobre o agendamento do procedimento solicitado. Observao: Os procedimentos de alta complexidade (APAC) e eletroneuromiografia sero liberados na dependncia da avaliao dos mdicos reguladores de acordo com a prioridade do caso no excedendo essa resposta o prazo de 15 (quinze) dias.

04

3.2 EXAMES DIAGNSTICO 3.2.1 FLUXO PARA O AGENDAMENTO DE EXAMES DIAGNSTICOS EM SALVADOR

O projeto atual da Secretaria Municipal de Sade descentraliza o recebimento de laudos de APAC, entre as Unidades de Sade de Rede Prpria Municipal ( UBS, USF, CAPS, etc). Estas foram escolhidas aps sugesto dos seus gestores e das visitas tcnicas realizadas pela Equipe da Central Municipal de Regulao (CMR) e do Ncleo de Gesto em Informtica (NGI) da Secretaria Municipal de Sade (SMS). Todas as unidades pertencem rea de abrangncia dos Doze (12) Distritos Sanitrios pertencentes a Salvador. O fluxo atual deve ser realizado da seguinte forma: 1- Os usurios devem entregar laudo/relatrio mdico nas Unidades de Sade da rede prpria na rea de abrangncia dos Distritos Sanitrios dos seus bairros onde so protocolados, solicitados/digitados e enviados para a CMR, recebendo um protocolo de entrega do exame; 2-Os laudos/relatrios mdicos sero periodicamente avaliados e priorizados via sistema pelos Mdicos Reguladores em: URGENTES, ELETIVOS e NO PERTINENTES; 3 Se o laudo/relatrio mdico for considerado URGENTE, o exame do usurio tem at 15 dias para ser agendado/marcado e o usurio ser informado nesse perodo; 4 - Se o laudo/relatrio mdico for considerado ELETIVO, o exame vai para fila de espera e o usurio ser informado na UBS, que ter que aguardar vagas para ter seu exame agendado/marcado; 5 Se laudo/relatrio mdico for considerado NO PERTINENTE este ser negado e a UBS informar ao usurio o motivo da negativa/devoluo. 6 Anexo 5 o modelo de APAC para solicitao de Ressonncia Magntica, Tomografia Computadorizada, Densitometria ssea e Bipsia/Puno. 7 Anexo 6 a solicitao de Eletroneuromiografia.

3.2.2 FLUXO PARA O AGENDAMENTO DE EXAMES DIAGNSTICOS DE OUTROS MUNICPIOS 1 - O usurio do interior entrega laudo/relatrio mdico na Secretaria Municipal de Sade do seu prprio municpio; 2 - O municpio solicita o laudo/relatrio mdico no sistema; 3 Estes laudos/relatrios mdicos sero avaliados e priorizados pelos mdicos da Central de Regulao Municipal em: URGENTES, ELETIVOS e NO PERTINENTES; 4 O laudo/relatrio mdico que for considerado URGENTE, o exame do usurio tem at 30 dias para ser agendado/marcado pela Central Municipal de Regulao e o municpio informar ao mesmo; 5 - O laudo/relatrio mdico que for considerado ELETIVO, o exame vai para fila de espera e o usurio ser informado pelo municpio que ter que aguardar vagas para ter seu exame agendado/marcado ; 6 - O laudo/relatrio mdico que for considerado NO PERTINENTE, este ser negado cabendo ao municpio verificar periodicamente no sistema sua posio e informar ao usurio; 7- So usados os mesmos Anexos 5 e 6.

3.2.3 - FLUXO DE EXAMES DIAGNSTICOS EM SALVADOR

3.2.4 - FLUXO DE EXAMES DIAGNSTICOS DE OUTROS MUNICPIOS

VIA SISTEMA

VIA SISTEMA

USURIO US CRM

USURIO DE OUTROS MUNICPIOS

SECRETARIAS MUNICIPAIS DE

OUTROS MUNICPIOS

CRM

3.4 OFTALMOLOGIA 3.4.1- PROCEDIMENTOS E FLUXOS PARA O AGENDAMENTO NAS UNIDADES DE SADE DA REDE PRPRIA

1. As consultas e exames do formulrio (ANEXO 1) so agendados no prestador e nas US informatizadas. Nas US o agendamento realizado pelo solicitante que possui as informaes necessrias para o mesmo. 2. Os DS esto distribudos geograficamente em trs regies assistenciais e cada uma delas h oferta na mdia e alta complexidade. Os prestadores que atendem procedimentos de mdia complexidade podem realizar consultas, exames e cirurgias ambulatoriais. Os prestadores habilitados na alta complexidade devem realizar consultas, exames, procedimentos e cirurgias. 3. Percentuais de agendamento:

Consultas: 50% - US 50% - Prestador

Exames do formulrio: 50% - US 50% - Prestador.

Nas US os exames devem ser agendados, de preferncia, para o prestador onde o usurio realizou a consulta, salvo aqueles que o prestador no realiza. OBS: Os exames de tonometria, gonioscopia e mapeamento de retina no necessitam ser agendados. O oftalmologista poder realiz-los no ato da consulta conforme sua programao oramentria.

4. A consulta pode ser solicitada pelo usurio diretamente nas US por demanda espontnea, bem como pelo mdico assistente. O formulrio deve ser preenchido com o CID, assinatura e carimbo do mdico. 5. O responsvel pelo agendamento registra os dados do usurio no SISREGIII e o sistema fornece uma senha com local, data e horrio da sua consulta.

6. O usurio deve ser informado quais so os prestadores

de referncia da US, inclusive os mais prximos de sua residncia. Caso este solicite ou j seja acompanhado em outro estabelecimento o solicitante realizar o agendamento para o local desejado, desde que haja disponibilidade de vaga. A Central de Regulao poder fazer uso da reserva tcnica de acordo com a necessidade do usurio, liberando a fila de espera.

7. No havendo disponibilidade de vaga no momento do

agendamento, o usurio orientado a retornar no prazo de uma semana.

8. O agendamento deve ser feito pessoalmente pelo usurio ou familiares, ou ainda em casos de impossibilidade, pelos agentes comunitrios. Dados do RG, carto SUS e endereo so necessrios.

9. Caso o usurio necessite de uma consulta com

especialista em: retina, catarata, estrabismo, glaucoma, o agendamento ser feito para um Prestador de Referncia (ANEXO 2).

10. Relao de contatos dos prestadores. (ANEXO 3)

Lista de Espera nas US.

Disponibilizada a consulta pela Central de Regulao, a US emite a autorizao para o usurio.

05

3.4.2 PROCEDIMENTOS E FLUXOS NOS PRESTAD