Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas ...· Centro Universitário Faculdades Metropolitanas

Embed Size (px)

Text of Centro Universitário Faculdades Metropolitanas Unidas ...· Centro Universitário Faculdades...

  • Centro Universitrio Faculdades Metropolitanas Unidas

    Curso de Direito

    DIREITO DAS SUCESSES NA UNIO ESTVEL

    Michelle Cristina do Amaral Freitas

    R.A. 449.412/3 Turma 3209G

    Tel. 6256-8204 / 8299-8225

    e-mail: michelle-cristina@uol.com.br

    So Paulo

    2005

  • Centro Universitrio Faculdades Metropolitanas Unidas

    Curso de Direito

    DIREITO DAS SUCESSES NA UNIO ESTVEL

    Michelle Cristina do Amaral Freitas

    R.A. 449.412/3

    Prof. Orientador: Joo Ricardo B. Aguirre

    Trabalho de curso apresentado ao Curso

    de Direito da UNIFMU como requisito

    parcial para a obteno do grau de

    Bacharel em Direito.

    So Paulo

    2005

  • Banca Examinadora

    Professor Orientador: __________________________

    Professor Argidor: __________________________

    Professor Argidor: __________________________

  • Dedico este trabalho minha me,

    mulher excepcional, de valor

    incalculvel, forte e doce, que sempre

    encontra uma forma de ajudar e me

    ensinou que posso tudo, desde que me

    empenhe em alcanar meus objetivos.

    Ao meu pai, homem justo e carinhoso,

    pelo apoio e confiana durante toda

    minha trajetria acadmica.

  • AGRADECIMENTOS

    Agradeo ao meu orientador, o professor Joo Ricardo Brando Aguirre

    pela pacincia e confiana no meu trabalho.

    Agradeo tambm ao Promotor de Justia, Dr. Eduardo Carvalho de

    Vasconcellos e aos amigos Helosa Helena Priedols e Estevo Tirone de Almeida

    Castro, pelo cuidado e ateno que me dedicaram durante a realizao deste

    trabalho.

    Finalmente, agradeo ao meu namorado Luiz Henrique Castilho, pelo

    apoio e dedicao.

  • SINOPSE

    O presente trabalho visa explicar o direito das sucesses na unio estvel,

    recentemente regulado pelo Cdigo Civil, Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002, de

    incio dando uma viso geral sobre o direito das sucesses e aps sobre a unio

    estvel, a qual foi instituda pela Constituio Federal de 1988 como entidade

    familiar, e posteriormente regulada pelas leis 8.971 de 29 de dezembro de 1994 e

    9.278 de 10 de maio de 1996, quando finalmente acolhida pelo Cdigo Civil de 2002.

    Com relao ao direito das sucesses na unio estvel, alm da explanao das

    normas, sero encontradas no decorrer da leitura crticas relativas s regras

    estabelecidas ao direito de herana do companheiro na unio estvel, o qual sofreu

    grandes mudanas se comparado s leis anteriores que o regulavam, em alguns

    casos piorando sua situao e em outros melhorando se comparado com a atual

    condio do cnjuge suprstite.

  • SUMRIO

    1. INTRODUO ...................................................................................................... 7

    2. SUCESSO EM GERAL....................................................................................... 9

    2.1 ORDEM DE SUCESSO .......................................................................................11

    2.2 HERDEIROS NECESSRIOS .................................................................................12

    2.3 SUCESSO DO CNJUGE ...................................................................................14

    2.3.1 Meao e Herana...................................................................................16

    2.3.2 Usufruto e Habitao................................................................................17

    3. UNIO ESTVEL................................................................................................ 18

    3.1 CONCEITO ........................................................................................................19

    3.2 REQUISITOS ......................................................................................................20

    3.3 IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS............................................................................26

    3.4 DEVERES DOS COMPANHEIROS ..........................................................................27

    3.5 REGIME DE BENS ..............................................................................................27

    3.6 CONCUBINATO ..................................................................................................28

    4. DIREITO DO COMPANHEIRO SUCESSO HEREDITRIA.......................... 29

    4.1 DIREITO SUCESSO NAS LEIS DA UNIO ESTVEL (8.971/94 E 9.278/96)...........30

    4.2 DIREITO DE HERANA NO CDIGO CIVIL DE 2002 ................................................32

    4.2.1 Companheiro sobrevivente concorrendo com descendentes...................35

    4.2.2 Companheiro sobrevivente concorrendo com ascendentes.....................37

    4.2.3 Companheiro sobrevivente concorrendo com colaterais at o 4 grau ....37

    4.2.4 Companheiro sobrevivente como herdeiro nico .....................................38

    4.3 COMPANHEIRO CASADO E SEPARADO DE FATO....................................................39

    5. CONSIDERAES FINAIS ................................................................................ 41

    BIBLIOGRAFIA....................................................................................................... 43

  • 1. INTRODUO

    Apesar das recentes mudanas ocorridas com o Cdigo Civil de 2002, o

    instituto da unio estvel, principalmente no que concerne ao direito das sucesses,

    ainda muito tmido e parece sofrer de um certo preconceito do legislador.

    A Lei Maior trouxe ao mundo jurdico novas formas de constituio de

    famlia, formas essas que sempre existiram de fato na sociedade, porm vistas s

    margens do casamento civil como uma famlia ilegtima, a qual no merecia a

    proteo estatal.

    O concubinato, como era denominado at a promulgao da Constituio

    Federal de 1988, estava dividido em puro, a atual unio estvel, e o impuro, hoje

    classificado apenas como concubinato pelo Cdigo Civil. Mesmo o puro no era

    admitido, independente das partes serem desimpedidas de contrair matrimnio e da

    inteno de constituir uma famlia.

    Atualmente houve um avano com relao ao reconhecimento da unio,

    que pode ocorrer, inclusive com pessoas separadas judicialmente e de fato. A Carta

    Magna conferiu a essa entidade familiar especial proteo do Estado e a definiu

    como base da sociedade, por ser mais uma forma de constituio de famlia.

    O mundo est em constante transformao, os costumes da populao

    mudam, evoluem, assim como as relaes afetivas. Tudo est se modernizando.

    No se pode esperar a extino do casamento civil ou sua substituio pelas unies

    estveis, uma vez que o casamento d uma base forte e slida para a famlia,

    contando com o amparo religioso, ainda muito influente na nossa sociedade.

    Essa estrutura no conseqncia da lei, de normas civis que regulem

    uma relao. As regras jurdicas existem para trazer proteo a essas instituies

    familiares, dando a elas suporte no momento de eventuais problemas os quais

    possam acontecer no decorrer da unio.

  • E um desses momentos exatamente sua dissoluo pela morte de um

    dos companheiros, que viviam em unio estvel, situao que ser estudada nos

    captulos a seguir.

    Antes de abordar o tema central, ser de grande valia a leitura dos dois

    captulos preambulares, os quais visam transmitir os conceitos e definies

    necessrios para o perfeito entendimento do tema objeto da pesquisa.

    Inicialmente sero apresentados ao leitor os principais aspectos da

    sucesso em geral, sanando, assim, dvidas que possam existir no que tange

    sucesso legtima e testamentria, ordem de sucesso, herdeiros necessrios e

    sucesso do cnjuge suprstite.

    O prximo tpico tratar da unio estvel, definindo-a conforme

    preceituam nossa Carta Magna e a Lei Civil, elencando seus requisitos, indicando os

    fatos impeditivos de sua constituio e fazendo um breve relato dos deveres

    recprocos, da aplicao do regime legal de bens e, por fim, fazendo a distino

    entre unio estvel e concubinato.

    Vencida a etapa inicial, ser discutida a evoluo da legislao que visa

    garantir o direito do companheiro sucesso hereditria, inclusive com as inovaes

    trazidas pelo Cdigo Civil de 2002, bem como ser objeto de anlise o aspecto da

    separao de fato.

    Importante dizer que este captulo demonstrar como se d a sucesso

    do companheiro em todas as suas hipteses, ou seja, concorrendo com

    descendentes, ascendentes, colaterais e como nico herdeiro do autor da herana.

    Assim, tratar-se- da sucesso do companheiro sobrevivente na unio

    estvel, demonstrando seus aspectos polmicos e seus retrocessos na legislao,

    buscando esclarecer ao leitor a necessidade de alteraes na norma vigente, a fim

    de buscar uma maior igualdade entre os modos de constituio de famlia.

  • 2. SUCESSO EM GERAL

    A sucesso pressupe a morte da pessoa natural, que dever ser

    comprovada atravs de certido de bito, passada pelo Oficial de Registro Civil ou

    da sentena que fixar a data provvel do falecimento no caso de morte presumida

    (art. 7 do Cdigo Civil1).

    A sucesso na morte presumida por ausncia regulada pelos artigos 26 e

    seguintes do Cdigo Civil provisria, podendo ser convertida em definitiva.

    Aberta a sucesso, que ocorre no exato momento da morte do autor da

    herana, e no lugar de seu ltimo domiclio, transmite-se a posse e a propriedade de

    seus bens aos herdeiros necessrios ou testamentrios, que estejam vivos,

    independente de qualquer ato destes, ou seja,