“CHEGAR A SER O QUE SE É”: A DINÂMICA ENTRE MEMÓRIA E

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of “CHEGAR A SER O QUE SE É”: A DINÂMICA ENTRE MEMÓRIA E

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

    CENTRO DE CINCIAS HUMANAS E SOCIAIS

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM MEMRIA SOCIAL

    NILCINIA NEVES LONGOBUCO

    CHEGAR A SER O QUE SE : A DINMICA ENTRE

    MEMRIA E ESQUECIMENTO NA PROPOSTA

    EDUCATIVA DE NIETZSCHE

    RIO DE JANEIRO

    2013

  • NILCINIA NEVES LONGOBUCO

    CHEGAR A SER O QUE SE : A DINMICA ENTRE MEMRIA E

    ESQUECIMENTO NA PROPOSTA EDUCATIVA DE NIETZSCHE

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps-

    Graduao em Memria Social da Universidade

    Federal do Estado do Rio de Janeiro como

    requisito parcial para a obteno do grau de

    mestre em Memria Social. rea de

    concentrao: Memria, subjetividade e criao.

    Orientador: Prof. Dr. Miguel Angel de Barrenechea

    RIO DE JANEIRO

    2013

  • Longobuco, Nilcinia Neves.

    L856 Chegar a ser o que se : a dinmica entre memria e esquecimento na

    proposta educativa de Nietzsche / Nilcinia Neves Longobuco, 2013

    102f. ; 30 cm

    Orientador: Miguel Angel de Barrenechea.

    Dissertao (Mestrado em Memria Social) Universidade Federal do Es-

    tado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

    1. Nietzsche, Friedrich Wilhelm, 1844-1900. 2. Memria (Filosofia). 3. Es-

    quecimento. 4. Educao Filosofia. 5. Memria Aspectos sociais. I.

    Barrenechea, Miguel Angel de. II. Universidade Federal do Estado do Rio

    do Rio de Janeiro. Centro Cincias Humanas e Sociais. Programa de Ps- Gra-

    duao em Memria Social. III. Ttulo.

    CDD 302

  • NILCINIA NEVES LONGOBUCO

    CHEGAR A SER O QUE SE : A DINMICA ENTRE MEMRIA E

    ESQUECIMENTO NA PROPOSTA EDUCATIVA DE NIETZSCHE

    Dissertao apresentada Universidade Federal

    do Estado do Rio de Janeiro, como requisito

    parcial para a obteno do grau de Mestre em

    Memria Social

    Aprovada em: _____/_____/_____

    BANCA EXAMINADORA

    ________________________________________________________

    Prof. Dr. Miguel Angel de Barrenechea Orientador

    PPGMS/UNIRIO

    ________________________________________________________

    Prof. Dr. Denise Maurano

    PPGMS/UNIRIO

    ________________________________________________________

    Prof. Dr. Rosa Maria Dias

    PPGFIL/UERJ

  • Para meus pais, Neuza e Paulo.

    Para minhas filhas, Las e Lvia.

  • AGRADECIMENTOS

    A Miguel Angel de Barrenechea, meu orientador, pelo incentivo, pela parceria, por sua

    dedicao na tarefa educativa e pela amizade, fatores importantssimos na construo

    deste trabalho.

    s professoras Rosa Maria Dias e Denise Maurano pela participao na banca e pelas

    importantes contribuies na qualificao.

    Ao Programa de Ps-Graduao em Memria Social, pela possibilidade de aprimorar

    meus estudos.

    A meus pais, Neuza e Paulo, por terem investido em minha educao e por acreditarem

    em minha capacidade de buscar um caminho por mim mesma.

    minha famlia, principalmente meus irmos, Ana Paula, Fernando e Carlos Roberto, e

    minha prima Elisabete pelo apoio incondicional em todos os momentos.

    s minhas filhas, Lvia e Las, que mesmo to pequenas, souberam respeitar meus

    momentos de estudo.

    A meu marido, Ronaldo, pela pacincia e carinho.

    Aos amigos do grupo de estudos, Enock, Adriana, Lus, Nelson, Daniele, Daniel e

    Mrio, pelas belas trocas.

  • Para ousar ser um si mesmo, preciso antes de mais nada uma

    tarefa educativa.

    (Rosa Dias. Nietzsche, educador)

  • RESUMO

    Esta dissertao tem por objetivo investigar a relao entre memria e esquecimento na

    proposta educativa de Friedrich Nietzsche. O filsofo alemo - ancorado no aforismo de

    Pndaro - estabelece a mxima chegar a ser o que se , princpio primordial de sua

    proposta educativa. Para Nietzsche, tornar-se quem se pressupe um processo

    educativo: a educao de si; nesta proposta, o filsofo sugere que o homem eduque a si

    mesmo, harmonizando e hierarquizando foras corporais, em meio das quais est a

    memria e o esquecimento. Estas faculdades so entendidas como atividades do corpo,

    ambas com a mesma importncia. Nesse sentido, o filsofo critica a tradio metafsico-

    religiosa que despreza o corpo e coloca o esquecimento em segundo plano em

    detrimento da memria. Assim como tambm investe contra a cultura moderna, que de

    acordo com Nietzsche, vive uma doena, algo que afasta o homem moderno de

    expressar sua singularidade. Segundo o filsofo alemo, a educao institucional

    deveria estimular a educao de si, o cultivo da singularidade, porm o que se v, na

    modernidade, o empenho em moldar comportamentos, tornar o homem cada vez mais

    gregrio e passivo. Como forma de se contrapor essa tendncia e alertar para a

    necessidade de se moderar o excesso de conhecimento histrico o que pressupe um

    excesso de memorizao, to valorizado na educao e na cultura moderna -, Nietzsche

    prope uma luta contra esses valores, defende que o homem busque a superao dos

    valores decadentes de sua poca expressando a sua autenticidade. O caminho para

    tornar-se quem se s pode ser trilhado por um processo educativo, no qual

    Nietzsche enfatiza o esquecimento como uma fora plstica modeladora, capaz de

    moderar o excesso de memria, dando abertura ao novo, num permanente processo de

    criao: o homem memorioso d lugar ao homem criativo, numa constante dinmica

    entre o lembrar e o esquecer.

    PALAVRAS-CHAVE: Memria. Esquecimento. Educao de si. Nietzsche.

  • ABSTRACT

    This thesis aims to investigate the relationship between memory and forgetting in

    educational proposal of Friedrich Nietzsche. The German philosopher - anchored in the

    aphorism Pindar - sets the maximum "to become what one is" overriding principle of his

    educational proposal. For Nietzsche, become who you are requires an educational

    process: education itself; this proposal, the philosopher suggests that men educate

    yourself, harmonizing body and forces a hierarchy, which is in the midst of memory and

    forgetting. These colleges are understood as activities of the body, both with the same

    importance. In this sense, the philosopher criticizes the metaphysical-religious tradition

    who despises the body and puts the wayside in the background at the expense of

    memory. As well as lunges modern culture, which according to Nietzsche, lives a

    "disease", which removes the modern man to express your uniqueness. According to the

    German philosopher, institutional education should foster education itself, the

    cultivation of the singularity, but what you see in modernity's commitment to shaping

    behaviors, making man increasingly gregarious and liabilities. In order to counter this

    trend and alert to the need to moderate the excess of historical knowledge - which

    implies an excess of memorization, so valued in education and modern culture -

    Nietzsche proposes a struggle against these values, argues that the Man seeks to

    overcome the declining values of their time expressing their authenticity. The way to

    "become who you are" can only be followed by an educational process in which

    Nietzsche emphasizes the wayside as a force shaping plastic, able to moderate the

    excess memory, giving the new opening, in a permanent process of creating: memorious

    man gives way to creative man, a constant dynamic between remembering and

    forgetting.

    KEYWORDS: Memory. Oblivion. Education itself. Nietzsche.

  • SUMRIO

    1 INTRODUO ..........................................................................................................3

    2 NIETZSCHE E A MEMRIA SOCIAL ..................................................................8

    2.1 UM FILSOFO INTEMPESTIVO ...........................................................................8

    2.2 MEMRIA, INDIVDUO E SOCIEDADE: A CONSTRUO SOCIAL DA

    MEMRIA .....................................................................................................................13

    2.2.1 A memria mtica dos gregos ............................................................................14

    2.2.2 O surgimento da memria na perspectiva nietzschiana .................................19

    2.2.2.1 Conscincia, m conscincia e a vida gregria ..................................................22

    2.2.2.2 Atividade e reatividade: a questo do ressentimento .........................................25

    2.3 NIETZSCHE E UM NOVO OLHAR SOBRE O HOMEM ...................................28

    2.3.1 A retomada de uma viso trgica e imanente...................................................32

    3 EDUCAO E A CRTICA NIETZSCHIANA AO EXCESSO DE

    CONHECIMENTO HISTRICO...............................................................................34

    3.1 A RELAO MEMRIA-ESQUECIMENTO NA SEGUNDA CONSIDERAO

    INTEMPESTIVA..............................................................................................................35

    3.1.1 O passado como fonte do presente......................................................................38

    3.1.2 A crtica ao historicismo......................................................................................