28
São os passos fundamentais e que devem ser seguidos durante um procedimento cirúrgico. São eles: diérese, exérese, hemostasia e síntese. 1. Diérese    é o rompimento da integridade tecidual com penetração no interior dos tecidos e atingindo áreas anatômicas de interesse do cirurgião. Os métodos de diérese são a incisão e a divulsão; na incisão nós utilizamos a lâmina de  bisturi e o cabo , lembrando que a empunhad ura do bisturi deve s er tricoidal e a incisão deve começar num ponto e ser contínua até seu ponto final, para que não haja perda da continuidade; há diversos tipos de l âmina de bisturi e a mais utilizada é a lâmina nº15 e o cabo nº3 (usa como se fosse utilizar uma caneta), já a lâmina 12 nós uti lizamos quando vai fazer incisão na região retromolar e  precisa de u ma angulação d a lâmina; já a div ulsão é feita principa lmente através da tesoura de Metzembaum, que é quando penetra no tecido e vai rompendo as fibras desse tecido, separando os planos musculares, também pode utilizar uma  pinça Kelly. Pa ra uma incisão a dequada d eve-se ter conhec imento anatômico da região, utilizar uma lâmina de bisturi nova e afiada, fazer incisão de forma contínua e com bordos regulares, com tamanho adequado para uma boa exposição do campo operatório e evitar incisões pequenas que não expõem o campo operatório e promovem tensão exagerada do retalho. 2. Exérese    é a manobra cirúrgica pela qual é retirada parte ou todo o órgão ou tecido, constando muitas vezes no objetivo da cirurgia. Consiste na remoção de lesões patológicas, curetagens, ostectomias e exodontias. Quando se trata de lesões tumorais há dois tipos de biopsia: biopsia incisional (quando apenas parte da lesão é retirada, geralmente é feita quando há suspeita de malignidade pois o CD não pode retirar t oda a lesão, senão o cirurgião oncologista que vai fazer a cirurgia definitiva não vai ter parâmetros, não vai saber o estadiamento do tumor, se precisa ou não fazer esvaziamento linfonodal, etc, por isso o CD apenas tira uma parte da lesão e manda pra o histopatológico pra ver se é maligna ou benigna, se for benigna pode remover a lesão por completo, mas se for maligna tem que encaminhar para o cirurgião de cabeça e pescoço) e a  biopsia excisiona l (é quando to da a lesão é retirada, em ca sos de lesões  benignas, c om ou sem tecido normal subjacente). 3. Hemostasia    é a contenção do sangue no leito vascular. A hemorragia é o extravasamento de sangue DO leito vascular; pode ser de origem venosa (sangue mais escuro, com fluidez como se fosse uma torneira), arterial (sangue mais claro quando comparado ao venoso, sai em jatos) e capilar e pode ocorrer no trans e pós-operatório, e quando ocorre no pós-operatório é classificada em imediata (10 a 20 minutos depois do procedimento) ou tardia (1, 2 ou 3 dias depois do procedimento). Os métodos de hemostasia são: compressão (com gaze), pinçagem (com pinça hemostática Kelly), ligadura (quando rompe um vaso, então ele é pinçado e é feita a ligadura com os fios de sutura), termocoagulaç ão (usa o bisturi elétrico, que corta e ao mesmo tempo cauteriza ou coagula aquele sangue) e substancias hemostáticas (adrenalina, cera para osso, esponja de fibrina    geofoan, hemospon, viatmina K, etc). Requisitos para termocoagulação:  

Cirurgia Buco Maxilo Facial

Embed Size (px)

Citation preview

So os passos fundamentais e que devem ser seguidos durante um procedimento cirrgico. So eles: direse, exrese, hemostasia e sntese.1. Direse o rompimento da integridade tecidual com penetrao no interior dos tecidos e atingindo reas anatmicas de interesse do cirurgio. Os mtodos de direse so a inciso e a divulso; na inciso ns utilizamos a lmina de bisturi e o cabo, lembrando que a empunhadura do bisturi deve ser tricoidal e a inciso deve comear num ponto e ser contnua at seu ponto final, para que no haja perda da continuidade; h diversos tipos de lmina de bisturi e a mais utilizada a lmina n15 e o cabo n3 (usa como se fosse utilizar uma caneta), j a lmina 12 ns utilizamos quando vai fazer inciso na regio retromolar e precisa de uma angulao da lmina; j a divulso feita principalmente atravs da tesoura de Metzembaum, que quando penetra no tecido e vai rompendo as fibras desse tecido, separando os planos musculares, tambm pode utilizar uma pina Kelly. Para uma inciso adequada deve-se ter conhecimento anatmico da regio, utilizar uma lmina de bisturi nova e afiada, fazer inciso de forma contnua e com bordos regulares, com tamanho adequado para uma boa exposio do campo operatrio e evitar incises pequenas que no expem o campo operatrio e promovem tenso exagerada do retalho.2. Exrese a manobra cirrgica pela qual retirada parte ou todo o rgo ou tecido, constando muitas vezes no objetivo da cirurgia. Consiste na remoo de leses patolgicas, curetagens, ostectomias e exodontias. Quando se trata de leses tumorais h dois tipos de biopsia: biopsia incisional (quando apenas parte da leso retirada, geralmente feita quando h suspeita de malignidade pois o CD no pode retirar toda a leso, seno o cirurgio oncologista que vai fazer a cirurgia definitiva no vai ter parmetros, no vai saber o estadiamento do tumor, se precisa ou no fazer esvaziamento linfonodal, etc, por isso o CD apenas tira uma parte da leso e manda pra o histopatolgico pra ver se maligna ou benigna, se for benigna pode remover a leso por completo, mas se for maligna tem que encaminhar para o cirurgio de cabea e pescoo) e a biopsia excisional ( quando toda a leso retirada, em casos de leses benignas, com ou sem tecido normal subjacente).3. Hemostasia a conteno do sangue no leito vascular. A hemorragia o extravasamento de sangue DO leito vascular; pode ser de origem venosa (sangue mais escuro, com fluidez como se fosse uma torneira), arterial (sangue mais claro quando comparado ao venoso, sai em jatos) e capilar e pode ocorrer no trans e ps-operatrio, e quando ocorre no ps-operatrio classificada em imediata (10 a 20 minutos depois do procedimento) ou tardia (1, 2 ou 3 dias depois do procedimento). Os mtodos de hemostasia so: compresso (com gaze), pinagem (com pina hemosttica Kelly), ligadura (quando rompe um vaso, ento ele pinado e feita a ligadura com os fios de sutura), termocoagulao (usa o bisturi eltrico, que corta e ao mesmo tempo cauteriza ou coagula aquele sangue) e substancias hemostticas (adrenalina, cera para osso, esponja de fibrina geofoan, hemospon, viatmina K, etc).Requisitos para termocoagulao: Devem ser removidos todos os metais do corpo do paciente (esse metais podem causar queimaduras, pois a saida de energia ser na prpria pele); O fio terra deve estar em contato com o paciente; A ponta da cauterizao s entra em contato com o vaso sangrante; Devem ser removidos sangue ou fluido acumulado em volta do vaso a ser cauterizado (esse sangue ou fluido acumula energia do eletrodo).Sntese tambm chamada de sutura, conjunto de manobras que visa aproximar os tecidos divididos ou separados durante os atos cirrgicos de inciso ou divulso. importante a correta relao dos tecidos durante e aps a sutura, pois facilita a reparao tecidual, auxilia a hemostasia e diminui a possibilidade de espaos mortos (espao formado pela no observao da continuidade dos planos, que tardiamente vai gerar tecido fibroso e uma cicatriz). Para isso, utilizamos o porta agulha, pina cirrgica (pina de Adson), tesoura cirrgica para sutura e fio de sutura.Os fios de sutura podem ser absorvveis ou no absorvveis.

Absorvveis: sofrem grande reao tissular, por isso no indicados em suturas em pele, geram um processo inflamatrio maior e retardam cicatrizao. Categute simples e cromado sofre digesto por enzimas proteolticas, o simples fica cerca de 7 a 10 dias at reabsorver e o cromado fica cerca de 15 a 20 dias pois protegido por uma camada de sais de prata que faz com que as enzimas demorem mais para degrad-lo; cido poligliclico e poligalactina 910 hidrlise lenta e so posteriormente absorvidos por macrfagos.No absorvveis: podem ser naturais ou sintticos. Naturais seda, linho e algodo, so fios traados, multifilamentados (quando passa a agulha o fio continua cortando o orifcio podendo lacerar o tecido); Sintticos nylon, polister e polipropileno, so monofilamentados.As agulhas de sutura so constitudas de ao inox e compostas de corpo, ponta ativa e uma parte terminal que se une ao fio de sutura. A agulha de sutura ideal para procedimento odontolgico aquela que possui uma curvatura de 3/8 de um crculo e, para regio posterior, do crculo. O porta agulha empunhado com o polegar e o anelar e os outros dedos servem de apoio. H a sntese de primeira inteno, que quando as bordas da ferida ficam em contato e demora cerca de 7 dias pra fechar; a sntese de segunda inteno, que quando as bordas da ferida ficam aproximadas e demora de 2 a 3 meses pra fechar; e h ainda a sntese de terceira inteno, que quando faz uma sntese de segunda inteno e depois de um tempo faz outro procedimento para terminar de fechar a ferida.A distancia de um bordo de um lado da leso tem que ser a mesma distancia do lado oposto do ponto de vista clnico, se isso no levado em considerao as bordas da ferida podem se sobrepor e ai no ter uma cicatrizao adequada. Quando for suturar deixar o mnimo de espao morto pois aquele sangue que fica ali serve de escape para bactrias que podem se proliferar.Objetivos da sutura: manter as bordas da ferida aproximadas, estabilizao dos tecidos e do cogulo, evitar formao de espao morto, auxiliar na hemostasia, prevenir penetrao de microorganismos.Tcnicas bsicas de sutura: Ponto simples (isolado); Sutura em X ou em 8; Contnua simples; Contnua festonada; Sutura em U horizontal; Sutura em U vertical.ASPECTOS IMPORTANTES NA ABORDAGEM MEDICAMENTOSA NO TRATAMENTO ODONTOLGICO27tera-feiramar 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 Deixe um comentrioNs j temos um resumo publicado sobre alguns desses frmacos, vale a pena conferir antes de ler esse post :http://resumosdosegunda.wordpress.com/2011/10/09/anti-inflamatorios-nao-esteroides-e-hormonais/http://resumosdosegunda.wordpress.com/2011/10/08/opioides/Os medicamentos utilizados em cirurgia so do grupo dos analgsicos, antiinflamatrios e antibiticos. ANALGSICOS NO OPIIDES tem propriedades analgsicas, antitrmicas e antiinflamatrias (exceto dipirona e paracetamol que no tem efeito antiinflamatorio). Todo antiinflamatrio tem propriedade analgsica, mas nem todo analgsico tem propriedade antiinflamatria. Eles atuam por inibio da COX1(constitutiva responsvel pela formao de secrees protetoras do organismo, como o muco que protege a mucosa do estomago do suco gstrico, por exemplo, por isso no se pode tomar analgsicos ou antiinflamatrios por um perodo maior que 72h) e COX2(indutiva). As COXs, principalmente a 2, so responsveis pela formao de prostaglandinas, tromboxanos e prostaciclinas. As prostaglandinas e protaciclinas participam de reaes imunolgicas do organismo, j o tromboxano um precursor da cascata de coagulao, responsvel pela fomao de trombos. As protaglandinas sensibilizam os nociceptores ao da histamina (reao inflamatria local) e bradicinina (estimula terminaes nervosas).Salicilatos e outros melhor resposta com tratamento precoce;Posologia doses fixas nas dores de leve a moderada (caso a dor seja severa deve-se prescrever analgsicos opioides).Mais conhecidos: acido acetilsaliclico (simples, revestido e tamponado), dipirona, ibuprofeno*, diclofenaco*, piroxican*, tenoxican*.*antiinflamatrios. Toxicidade relativa; Comodidade no esquema teraputico; Experincia acumulada pelo profissional; Resposta positiva prvia apresentada pelo paciente (quando o paciente j est acostumado a tomar certo medicamento o profissional preserva esse medicamento, at mesmo para efeito psicolgico); Metabolismo heptico e excreo renal (maioria).Caractersticas farmacolgicas: Paracetamol baixo custo, poucas reaes alrgicas, toxicidade entre 10 a 15g dirias, metabolismo heptico (cuidado com pacientes etilistas), mais utilizados em pacientes peditricos, no apresentam efeito antiinflamatrio; Tylex paracetamol 500mg + codena 30mg (ao aumentada pela codena); Dipirona baixo custo, no apresenta efeito antiinflamatrio, induz agranulocitose (diminuio da formao de clulas de defesa) e aplasia medular. Foi abolido nos EUA e em outros pases. Tratamento prolongado pode levar a zumbidos, lceras gstricas, doenas renal e hepticas; AAS 500mg duplica o tempo de sangramento por 4 a 7 dias (quando for fazer cirurgia deve suspender o uso cerca de 72h antes); AAS pode ser prescrito a gestantes, irritativo para pele e mucosas, acentua a hipoglicemia junto a insulina; A associao de analgsicos no opioides produz comprometimento renal e gastrintestinais, competem pelo mesmo sitio nas protenas plasmticas; Ansiolticos, antidepressivos e miorrelaxantes centrais podem reforar o efeito analgsico. ANALGSICOS OPIOIDES extrados da papoula, principalmente morfina, codena e papaverina para uso clnico. Utilizados para tratamento de dores agudas de moderadas a intensas; no caso de dores crnicas h risco de tolerncia e dependncia fsica. Agem aumentando o limiar de excitao do crebro a dor (o individuo suporta mais a dor, no inibe COX). Em pacientes terminais o risco de dependncia passa a ser secundrio.Tipos agonistas puros, parciais e antagonistas. Ligam-se a receptores opioides endgenos localizados no SNC e rgos perifricos. A naloxona a antagonista puro dos receptores um, kappa e delta.Ao analgsica resulta da depresso dos mecanismos centrais da nocicepo (transmisso medular e reforo do sistema eferente inibitrio). No eliminam a sensao dolorosa, mas minimizam o sofrimento que a acompanha. Em doses convencionais no compromete tato, viso audio ou funcionamento intelectual e tambm tem propriedades antitussgenas, antidiarreicas e sedativas; Seleo: dores agudas intensas trauma severo e ps-operatrio (morfina tem efeito adverso muito grande: nusea e vomito); Meperidina comparada a morfina, porm sua meia vida mais curta e provoca tremor, abalos musculares e at convulses nas superdosagens ou insuficincia renal; Tramau usado quando a codena no est sendo suficiente para o tratamento; Dores moderadas (dentais, esquelticas e tecidos moles) codena e associao com analgsicos no-opiodes; Morfina no apresenta limitao da dosagem, enquanto a codena tem efeito teto com 60 a 90mg de 4/4h; Codena melhor utilizada pela via oral;Efeitos adversos: Sedao; Depresso respiratria; Prurido; Constipao intestinal; Nuseas e vmitos; Hipossalivao; Pele quente e eritematosa; Hipotenso arterial; Reteno urinria; Depresso respiratria tratada com 0,4mg de naloxona diluda em 10ml de soro via IV. ANTIINFLAMATRIOS num processo inflamatrio, o que se observa clinicamente dor, rubor, calor, edema e perda de funo. Histologicamente ocorre em cerca de 24h, vai haver vasodilatao, aumento da permeabilidade, migrao celular, acmulo de macrfagos. Entre 36 e 48h ocorre migrao leucocitria, sinais de regenerao e reconstruo da matriz conjuntiva. A inflamao responsvel pela reparao tecidual; em caso de trauma e infeco s usa antiinflamatorio quando o processo mrbido da inflamao supera o benefcio da sua ocorrncia (dor, perda de funo, deficincia na mastigao). Usa-se preferencialmente analgsico junto com antibitico e deve-se indicar repouso, como compressa fria nas primeiras 48h e calor depois (o calor diminui o edema), tambm fisioterapia.Antiinflamatrios no-esteroidais (AINES) so analgsicos, antitrmicos, antiinflamatrios e antitrombticos. Sua ao antiinflamatria resulta da inibio da sntese de prostaglandina por inativar COX1 e COX2. Usa quando h dor, edema e disfuno. Em processos infecciosos NO usar antiinflamatrios + antibiticos.Critrios para escolha dos AINES: Toxicidade relativa; Convenincia de uso; Custo; Experincia de emprego.Efeitos adversos: lcera gstrica; Dispepsia; Nusea; Vmito; Problemas renais e hepticos; Anorexia; Diarreia; Perda de sangue pelo tubo digestivo; Reaes sanguneas.Antiinflamatrios esteroidais uma modificao da estrutura qumica do hormnio original; so os corticoides. Ligam-se a receptores esteroides citoplasmticos controlando a funo celular (enzimas estimuladoras ou inibitrias); produxem vasocortina elipocortina (a vasocortina inibe formao de edema e a lipocortina inibe a fosfolipase A). causam inibio do edema, vasodilatao e efeito quimiottico dos leuccitos. Em alatas concentraes impedem a liberao de enzimas proteolticas. So os mais eficazes antiinflamatrios existentes; Em odontologia tem 24 a 72h de uso; Atua como coadjuvante nas medidas que visam debelar o choque anafiltico; Tem atividade mineralocorticoide pode causar retenlo de Na2+ e gua (aumento de peso); Uso sistmico e tpico. ANTIBITICOS critrios para uso: Diagnostico clinico de infeco; Estado mrbido do hospedeiro defesa imunolgica do organismo, lacolizao anatmica da infeco, etilogia microbiana comunitria hospitalar; Planejamento teraputico carga inicial, dosagem e quantidade de dias que vai usar.H vrios tipos de agentes infecciosos (gram +, gram -, anaerbios e aerbios).Escolha dos ATBs: Hipersensibilidades; Esquema teraputico; eficcia e segurana Custo.Limitaes do paciente: Idade; Gestao; Insuficiencia renal ou heptica; Imunocompetencia; Imunodepresso; Outras.Situaes que requerem antibioticoterapia: Mordedura por animais e humanos; Infeces odontognicas; Angina de Ludwig; Traumatismos dentais; Fraturas sseas com soluo de continuidade; Osteomielite; Feridas no limpas.PROTOCOLOS TERAPUTICOS MEDICAMENTOSOS BSICOS:EXTRAES SIMPLES NO COMPLICADAS OU TECIDOS MOLES: Apenas analgsicos:Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias);Dipirona 500mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, por via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias).EXTRAES COMPLICADAS SEM OSTECTOMIA EXTENSA: Antiinflamatrio e analgsicos:Diclofenaco sdico 50mg 9 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 8 em 8 horas, por trs dias);Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias).EXTRAES COMPLICADAS COM OSTECTOMIA EXTENSA: Antibitico, antiinflamatorio e analgesico:Amoxicilina 500mg 21 cpsulas (tomar 1 capsula, via oral, de 8 em 8 horas, por sete dias);Diclofenaco sdico 50mg 9 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 8 em 8 horas, por trs dias);Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias).TERCEIROS MOLARES INFERIORES: TOTALMENTE INCLUSOS:Amoxicilina 500mg 4 capsulas (tomar 4 capsulas, via oral, 1h antes da cirurgia) colocar horrio;Para pacientes alrgicos a penicilina: clindamicina 300mg 2 capsulas (tomar 2 capsulas, via oral, 1h antes da cirurgia) colocar horrio.Dexametasona 4mg 3 comprimidos (tomar 2 comprimidos, via oral, 1h antes da cirurgia; tomar 1 comprimido, via oral, 24 h depois de primeira dose) colocar horrio;Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias) ou dipirona 500mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias). SEMI-INCLUSOS:Amoxicilina 500mg 21 capsulas (tomar 1 capsula, via oral, de 8 em 8 horas, por sete dias);Para pacientes alrgicos a penicilina: clindamicina 300mg 21capsulas (tomar 1 capsula, via oral, de 8 em 8 horas, por sete dias);Dexametasona 4mg 3 comprimidos (tomar 2 comprimidos, via oral, 1 hora antes da cirugia; tomar 1 comprimido, via oral, 24 aps a primeira dose) colocar horrio;Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6horas, por dois dias) ou dipirona 500mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias).TERCEIROS MOLARES SUPERIORES: TOTALMENTE INCLUSOS:Dexametasona 4mg 3 comprimidos (tomar 2 comprimidos, via oral, 1 hora antes da cirurgia; tomar 1 comprimido, via oral, 2 horas aps a primeira dose) colocar horrio;Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias) ou dipirona 500mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias). SEMI-INCLUSOS:Diclofenaco sdico 50mg 9 comprimidos (tomar 1 comprimido, por via oral, de 8 em 8 horas, por trs dias);Paracetamol 750mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias) ou dipirona 500mg 8 comprimidos (tomar 1 comprimido, via oral, de 6 em 6 horas, por dois dias).TCNICAS EXODNTICAS Suzymille Sandes27tera-feiramar 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 2 ComentriosPara se realizar uma exodontia, necessrio saber princpios de anatomia, tcnicas anestsicas, princpios cirrgicos, fundamentos de fsica, semiologia e planejamento pr-operatrio.tcnicas_exodnticas_-_portal_-_2012-1Etapas para realizar exodontia: Pr-operatria anamnese (ver se o paciente est apto para realizar a cirurgia, se h alguma condio sistmica que contra indique o procedimento), exame fsico(observar se o dente indicado para exodontia), radiografia(como a anatomia do dente a ser extrado); Trans-operatria tcnica exodontica; Ps-operatria teraputica medicamentosa, cuidados ps-operatrios, retorno para reavaliao e remoo de sutura.Indicaes da exodontia: Cries extensas; Necrose pulpar; Doena periodontal avanada; Razes ou fragmentos dentrios; Razes ortodnticas principalmente pr-molares hgidos, incisivos e 3s molares; Dentes mal posicionados; Fraturas dentarias quando o fragmento coronrio for maior que 1/3 da raiz, em fraturas no longo eixo do dente; Razes protticas; Dentes supranumerrios; Dentes inclusos; Dentes associados a leses patolgicas principalmente restos radiculares associadaos a cistos; Dentes em reas a sofrerem radioterapia devido a osteorradionecrose; Dentes envolvidos em traos de fratura no caso de trauma; Fatores scio-econmicos.Contra indicaes relativas so aquelas que pode ser feita uma adequao para poder realizar o procedimento. Existem as locais e as sistmicas:Locais: Danos excessivos as estruturas vizinhas; reas submetidas a radioterapia pois h dificuldade de cicatrizao, principalmente em mandbula; Dentes associados a leses malignas; Inflamao aguda pericoronarite grave nesse caso tem que ter cuidado para que no haja disseminao da infeco, ento deve primeiro tratar para diminuir a infeco local; Infeces trismo severo limitao da abertura bucal.Sistmicas: Doenas metablicas no controladas diabete, doena cardio-vascular, discrasias sanguneas, doena heptica; Gestantes evitar procedimentos no 1 e 3 trimestre; Uso de medicamentos anticoagulantes, etc.Etapa pr-operatria avaliao do dente a ser extrado:Avaliao clnica: Acesso ao dente: Trismo; Posio ver se tem lugar para adaptar o frceps; Localizao ver se de fcil acesso. Mobilidade do dente: Anquilose nesse caso o dente est soldado no osso; Deona periodontal quando est muito avanada pode-se tirar o dente apenas com uma gaze. Condies da coroa: avaliar se a coroa tem condies de apoiar o frceps ou elevador, caso ela no tenha, eu devo buscar outra tcnica para realizar o procedimento. Cries extensas; Restauraes extensas de amlgama podem quebrar quando for adaptar o frceps; Coroas protticas. Avaliao radiogrfica: Configurao das razes ver se so cnicas, convergentes, divergentes, se tem dilacerao, etc; Espao do ligamento periodontal se h obliterao desse espao significa que o dente est anquilosado; Relao com estruturas adjacentes ter cuidado com o canal mandibular (onde passa o feixe vasculo nervoso alveolar inferior) e seio maxilar (pra no causar comunicao buco-sinusal); Presena de leses patolgicas cistos ou granulomas, por exemplo; Dentes decduos avaliar a relao com o permanente.Classificao das tcnicas exodonticas, segundo Graziani, 1968: Tcnica primeira usa o frceps, nesse caso h coroa para apoi-lo; Tcnica segunda usa os elevadores, em caso de raiz residual, por exemplo; Tcnica terceira retalho, faz quando no consegue acessar, ento faz uma inciso, corta um retalho para poder chegar ao dente.Deve ser feita a avaliao do dente a ser extrado, para ento se escolher a tcnica adequada, se fechada (no precisa de retalho, usa o frceps, elevador ou os dois juntos) ou aberta (precisa de um retalho muco periosteal), para poder escolher o instrumental e, se necessrio, utilizar os frceps e/ou elevadores.No caso da realizao de exodontia com ostectomia ou odontosseco (por via no alveolar), utiliza-se alta rotao e brocas ou ainda cinzel e martelo (mas esses causam um trauma maior para o paciente).Etapas para exodontia a frceps: Anestesia; Sindesmotomia o descolamento da mucosa; Luxao do dente com elevadores; Adaptao do frceps ao dente; Luxao do dente com o frceps; Remoo do dente do alvolo; Cuidados com o alvolo; Sutura.Etapas da exodontia com elevadores: Anestesia; Sindesmotomia; Luxao do dente com elevadores; Remoo do dente do alvolo com elevadores; Cuidados com o alvolo; Sutura.Para se realizar a exodontia necessrio romper as fibras do ligamento periodontal, fazer a dilatao das paredes do alvolo e, se necessrio, fazer ostectomia ou odontosseco.Posicionamento do profissional paciente: o profissional deve estar sentado ou de p, de forma que o peso seja distribudo nas duas pernas. Maxila plano oclusal maxilar formando um ngulo de 45 a 60 com o solo, e a altura da cadeira abaixo do cotovelo do cirurgio; Mandbula plano oclusal mandibular paralelo ao solo e altura da cadeira no mesmo nvel do cotovelo do cirurgio.Para um campo operatrio adequado, necessrio boa iluminao, afastamento e uma adequada sindemostomia.Etapas da exodontia:1. Sindesmotomia consiste no descolamento do tecido gengival ao redor dos dentes para fazer a desinsero das fibras gengivais; para uma melhor visualizao, o ideal descolar as duas papilas adjacentes; esse descolamento permite a adaptao do frceps o mais apical possvel sem lacerar a gengiva, o que faz com que as foras sejam melhor transmitidas do frceps para o dente); faz inciso intrasulcular prvia; usa o descolador de Molt, a esptula 7 ou o descolador de Freer.2. Luxao do dente com elevadores permite a expanso e dilatao do alvolo, o rompimento do ligamento periodontal; para isso utiliza-se os elevadores Seldin retos ou reto goiva.3. Adaptao do frceps ao dente deve-se escolher o frceps adequado (maxila: 150 e 1 para incisivos, caninos e pr-molares / 18R para molares do lado direito / 18L para molares do lado esquerdo / 69 e 65 para restos radiculares; mandbula: 151 para incisivos, caninos e pr-molares / 16 e 17 molares / 44 restos radiculares). A ponta ativa deve ficar nas faces vestibular e lingual/palatina, o mordente do frceps deve ficar paralelo ao longo eixo do dente, primeiro deve ser posicionado por lingual/palatina e a ponta ativa deve ficar o mais apical possvel. Deve-se ter cuidado para no apoiar a ponta do frceps na crista alveolar. A Mao oposta deve ficar apoiada nas tabuas sseas por vestibular e lingual, pois servir para percepo sensorial da expanso da tbua ssea e estabilizao da mandbula/maxila.4. Luxao do dente com o frceps visa a expanso e dilatao das paredes do alvolo e rompimento das fibras do ligamento periodontal, devem ser feitos movimentos progressivos, aumentando a fora lenta e gradualmente, e deve forar mais para o lado da tbua ssea mais fina (vestibular, exceto em molares inferiores onde a tabua ssea mais fina a lingual), recolocar o forceps o mais apicalmete possvel e continuar os movimentos de luxao, tendo cuidado para no machucar os lbios do paciente.Tipos de movimentos do frceps: Impulso ou presso apical melhora a adaptao do mordente do frceps ao dente, desloca o centro de rotao do dente para apical, melhorando aasim a transmisso da fora, pois quanto mais apical o frceps ficar, melhor ser a transmisso de foras do frceps para o dente, rompendo as fibras do ligamento periodontal e dilatando o alvolo; Lateralidade causa expanso das tbuas sseas do alvolo, realizado de forma lente a gradual, com aumento progressivo da fora, ampliando o movimento, lembrando de deslocar mais para o lado da tbua ssea mais fina (vestibular, exceto em molares inferiores lingual). A ponta ativa deve bater na coroa para transmitir melhor as foras; Rotao promove pouca ou nenhuma dilatao das paredes do alvolo, mas proporciona o rompimento das fibras do ligamento periodontal; indicado em dentes unirradiculares, com razes cnicas e sem dilaceraes apicais; no deve ser feito em dentes multirradiculares (pr-molares superiores e molares), em caninos de idosos pode fazer rotao para no fraturar a tabua ssea; Trao a remoo do dente do alvolo.Elevadores: so instrumentos utilizados para luxar o dente.Indicaes do uso de elevadores: Luxao inicial do dente; Falta de apoio para o frceps no caso de restos radiculares ou dentes com grande destruio da coroa;Princpios do uso de elevadores: Empunhadura dgito-palmar; Dedo indicador sobre a haste; Ponto de apoio deve ser em tecido duro; A lamina da parte ativa deve estar voltada para o dente a ser extrado; A fora deve ser aplicada preferencialmente na distal e na mesial, de forma controlada, evitando a vestibular e palatina/lingual (risco de fratura maior); Inserir o elevador no espao do ligamento periodontal; Evitar usar o dente vizinho como apoio (pra no fraturar).Tipos de movimento dos elevadores: Cunha elevador inserido no espao do ligamento periodontal, paralelo ao longo eixo do dente, sendo realizado um movimento de maia rotao (usa o elevador 301, enquanto vai se aprofundando, a tendncia que o dente saia); Alavanca nesse movimento usa um ponto de apoio e joga o dente pra cima, apoia na crista ssea alveolar, na maioria das vezes feito com o elevador reto; Eixo e roda (sarilho) elevador inserido no espao do ligamento periodontal, PERPENDICULAR ao longo eixo do dente, sendo que o cabo funciona como um eixo e a lamina como uma roda que eleva o dente ao se realizar um movimento de rotao, normalmente usa o elevador Seldin reto, principalmente em raizes residuais de molares, coloca a ponta no espao do ligamento periodontal.1. Cuidados com o alvolo faz a inspeo do alvolo com a cureta (no se deve raspar porque desse jeito vai romper as fibras do ligamento periodontal, dificultando a cicatrizao), faz curetagem de leses periapicais e/ou periodontais, regularizao das espculas sseas com a lima para osso ou pina goiva (alveoltomo) e remove o tecido mole em excesso /papilas; deve ser feita irrigao com soro fisiolgico visando a limpeza do alvolo e remoo de corpos estranhos, mas no se deve irrigar demais para no remover as fibras do ligamento periodontal e causar alveolite; se for exodontia de um dente hgido no precisa irrigar. Deve-se cortar o bisel da agulha e curv-la um pouco. Pode ser feita tambm a manobra de Chompret, que a compresso digital das paredes do alveolo que foram dilatadas, mas deve-se ter cuidado para no comprimir demasiadamente e causar perda de largura ssea, pois essa largura importante para a instalao de implantes; deve-se esperar a formao do cogulo, ou seja, o preenchimento total do alvolo com sangue, NO se deve deixar o alvolo preenchido com soro ou saliva ou seco; em seguida pode suturar e faz compresso com gaze para promover hemostasia.Sutura promove a estabilizao do cogulo e hemostasia, usa fio de seda 3-0 ou 4-0 (o fio de seda acumula mais biofilme), e deve ser removida em 5 a 7 dias. Nem sempre vai haver cicatrizao por primeira inteno, que quando junta as paredes do alvolo, nesse caso o alvolo fica aberto, mas fica cheio de coagulo (cicatrizao por segunda inteno), a sutura ir impedir que o cogulo saia. O porta agulha deve ser empunhado com quatro dedos, o nico dedo que fica de fora o indicador. A agulha deve ser posicionada na ponta do porta agulah, perpendicular a esta, e deve penetrar o mais perpendicular possvel no tecido.Remoo da sutura 5 a 7 dias aps o procedimento, cortar o fio prximo a superfcie da mucosa para no haver contaminao interna com biofilma; usa tesoura Goldman, pina clinica e espelho e luva de procedimento.EXODONTIA A RETALHO nesse caso no h via alveolar para retirar o dente, ento, para uma exposio adequada do campo operatrio, necessrio realizar uma inciso, e uma ostectomia ou odontosseco para ento fazer a exodontia. Geralmente se opta por odontosseco por remover uma menor quantidade possvel de osso.Indicaes: Razes residuais sem apoio para o frceps/elevador; Dentes anquilosados; Dentes com razes volumosas ou divergentes; Dentes com hipercementose; Dentes inclusos.Nesse caso a inciso pode ser intrasulcular ou triangular (quando faz uma inciso de alvio por vestibular). Em seguida faz o descolamento (caso tenha sido feita uma inciso relaxante, inicia pela papila dessa inciso), em seguida faz o afastamento, para ento fazer a ostectomia ou odontosseco.Ostectomia remove osso em quantidade suficiente para se obter apoio para o frceps ou para os elevadores, realiza-se com alta rotao e brocas (tronco cnica 702 ou esfrica 6), ou ainda com cinzis (promovem maior trauma para o paciente); lembrar que deve estar sempre irrigando com soro fisiolgico.Odontosseco nesse caso diminui a resistncia ssea a exodontia, promove menor remoo do tecido sseo. indicado para dentes multirradiculares com coroa destruda, razes divergentes e volumosas, dentes decduos com germe do permanente entre suas razes.PREPARO DA CIRURGIA colocar a radiografia no negatoscpio, fazer anti-sepsia intra oral com clorexidina 0,12% (bochecho). Posicionar paciente e profissional, colocar os instrumentais e materiais na sequencia em que devem ser utilizados para a realizao do procedimento.Ps-operatrio deve-se lembrar de limpar o rosto do paciente, descartar perfuro cortante na caixa adequada, materiais contaminados com sangue saliva devem ser descartados no lixo branco, materiais no contaminados no lixo comum, instrumental sujo devem ser depositados na cuba com detergente enzimtico, orientar o paciente a no se levantar bruscamente, erguer o encosto da cadeira lentamente. Lembrar de dar as orientaes ps-operatrias verbalmente e tambm por escrito, assim como teraputica medicamentosa deve ser orientada verbalmente e tambm por escrito.Arsenal Cirrgico26domingofev 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 Deixe um comentrioARSENAL_CIRURGICO_PORTAL Slide da Aula Antissepsia a assepsia de um tecido vivo, feita extra-oral e intra-oral. A extra-oral se faz utilizando uma gaze estril com polvidine iodine degermante ou clorexidine 2% degermante, que tem sabo em sua composio, removendo assim os microorganismos de maneira mecnica e qumica. J a intra-oral feita com clorexidina 0,12% ou ainda clorexidina 0,2%. Os instrumentais usados so: Pina Collin oval; Pina Pean; Pina Cherron (usada para fazer antissepsia em centro cirrgico ambiente hospitalar). Anestesia seringa carpule; Inciso dos tecidos faz parte da direse (inciso + descolamento), que quando expe o tecido para chegar ao objetivo. Nessa etapa so utilizados: Cabo de bisturi n 3 ( o mais utilizado); Cabo de bisturi n 7; Lmina de bisturi n 15, 12, 11 e 10 (a mais utilizada a lmina n 15, j a lmina 12 mais utilizada na dentstica para remover resina da cervical); Descolamento do peristeo a parte da direse chamada divulso. Nessa etapa so utilizados os chamados decoladores, so eles: Molt (semelhante a esptula n 7, com ele faz a sindesmotomia, que a desinsero das fibras do ligamento periodontal, que deve ser feita pois o frceps deve sempre ser encaixado na juno amelo-cementria para que a coroa no frature. Para a sindesmotomia, usamos a poro mais pontiaguda do descolador. Lembrando que o ideal que se tenha dois descoladores na caixa, podendo ser os dois de Molt ou ainda um de Molt e um de Freer); Freer ( mais delicado que o de Molt); Mead (forma de cinzel e lana); Descolador J (utilizado para afastar a base da mandbula); Sverzut (afasta regio do processo coronide); Cureta de Molt; Ruginas / destaca peristeo (as ruginas so mais grosseiras e so utilizadas em procedimentos com anestesia geral). Controle da hemorragia a chamada hemostasia. Lembrando que o primeiro ato para hemostasia a compresso com gaze, caso no pare com a compresso, deve-se pinar os vasos que esto sangrando, ou seja, amarra a luz do vaso, essas pinas tambm servem para fazer divulso (separao dos tecidos); o ideal ter duas pinas na caixa. So utilizados: Pina hemosttica Kelly (tem ranhuras diagonais, h a reta e a curva, sendo que a curva chega mais longe que a reta); Pina hemosttica Crile (no tem ranhuras diagonais); Pina halstead mosquito (extremamente pequena para procedimentos delicados). Apreenso dos tecidos as pinas utilizadas possuem uma cremalheira na poro posterior, que a parte que trava; servem para biopsias, alveoloplastias, apreenso de cistos, etc. So elas: Pina de Allis (mais usada, entre 13 e 15 cm); Pina de Kocher (serve para manipular tecidos mais pesados, semelhante a pina hemosttica Kelly, mas tem duas garras); Pina de Backaus (serve para apreenso do campo cirrgico); Pina de Adson (auxiliar na sutura, no tem cremalheira). Remoo ssea tambm chamada alveoloplastia ou osteotomia. So usadas: Pinas goivas / alveoltomo (Luer, curvo, serve para regularizao do rebordo alveolar, corta o osso); Limas para ossos; Cinzel e martelo (o cinzel chamado Lucas e o martelo o Mead; o cinzel serve para seccionar dentes podem ser monobizelados, que cortam o osso, e ainda bibizelados, que separam razes, e tambm o goivo); Brocas para alta / baixa rotao (so mais utilizadas as para alta rotao, so elas a n 6 ou 8 esfrica, a tronco-cnica 702 e 703, que servem para odontoseco. As brocas devem trabalhar sempre sob refrigerao, esta feita com soro fisiolgico esterilizado e uma seringa de 20 ml); Cinzel Alexander; Cinzel Wagner. Remoo de tecidos moles cureta de Lucas (usa para curetar capuz coronrio de 3 molar, cisto dentgero, algum fragmento de dente). Afastamento de tecidos moles so usados: Abaixador de lngua de Bruenings ( menor para causar menos nsia de vmito ao paciente); Abaixador de lngua de Wieder (muito grande, usado em procedimento com anestesia geral); Abridor de boca (abritec e Molt, usa em procedimentos longos, para no cansar a musculatura do paciente, o de Molt usado quando o procedimento sob anestesia geral); Expandex (afastador de lbio); Afastador de Minesota (deve-se ter dois na caixa); Afastador de Farabeuf; Afastador de Obwegeser (maior que Minesota, empunhadura mais firme); Afastador de Wolkman; Afastador de Sean Miller (mais delicado); Afastador de Bauer (usado quando h fratura de mandbula). Luxao e avulso dental so usados: Elevadores de Seldin (movimentos de alavanca, roda e cunha); Elevadores apicais (movimentos de alavanca, podem ser curvos e retos); Elevadores Heidbrink (usa para restos de razes); Elevadores de Pott (forma de empunhadura); Frceps (01 usados para incisivos e caninos superiores, so retos, sem curvatura nenhuma; 150 usados para pr-molares superiores, pode tirar tambm incisivos e caninos; 151 pr-molares inferiores, pode tirar tambm incisivos e caninos inferiores; 16 molares inferiores com furca, possui garras que encaixam na furca; 17 molares inferiores sem furca, com raiz fusionada; 18 L molares superiores esquerdos, a face plana se adapta na raiz palatina e a face pontiaguda se adapta na face vestibular; 18 R molares superiores direitos, a face plana se adapta na raiz palatina e a face pontiaguda na face vestibular; 69 razes residuais; 68 razes residuais inferiores; 65 e 32 razes residuais).Lembrar que devemos sempre trabalhar com a mo esquerda apoiando por vestibular e palatino para que possamos sentir a dilatao do osso e impedir que o frceps solte e machuque o paciente. Sntese (sutura) so usados: Porta agulha de Mayo Hegar (parte ativa menor e mais larga que pina hemosttica, no gira quando trava a cremalheira, quando tem o cabo dourado significa que a ponta de videa, no possui desgaste e sua tenso perfeita, podendo pegar um fio de sutura extremamente fino); Porta agulha de Mathieu (usa na periodontia); Porta agulha de Castroviejo (usa na periodontia); Tesoura Iris ( reta, para cortar o fio, h tambm as curvas para fazer divulso).A sutura deve ser feita por planos e o n no deve ficar no meio do ferimento para no causar contaminaes. Na hora do corte apreende o n e corta a parte que est mais prxima dele para evitar que mais fio contaminado passe pela ferida. A empunhadura do porta agulha deve ser feita com o anelar e o polegar e indicador e mdio servem de apoio.ANESTESIA EM PACIENTES SITEMICAMENTE COMPROMETIDOS por Suzymille Sandes24sexta-feirafev 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 3 ComentriosCIRURGIA IAtualmente, pacientes com doenas crnicas esto tendo uma sobrevida maior e uma melhor qualidade de vida. Esses pacientes tambm procuram tratamento dentrio e o profissional deve ter conhecimento para atender de forma segura esses pacientes.Quais so os pacientes aptos para receber anestesia local? Todos aqueles que possuam capacidade ou habilidade de tolerar, tanto fisicamente quanto psicologicamente, a anestesia.Objetivos do atendimento odontolgico: Estabelecer um diagnstico; Conhecer as condies mdicas pr-existentes; Descobrir doenas concomitantes (comorbidades); Controlar as emergncias; Tratar os pacientes.Fatores de risco para doena coronariana: Doena vascular perifrica; Diabetes mellitus; Hipertenso arterial sistmica.O dentista deve verificar, rotineiramente, a histria de cada paciente, em busca de qualquer acontecimento, condio ou medicao que possam afetar significativamente o plano de tratamento bucal pr-estabelecido.Por que conhecer as condies sistmicas? Abordagem individualizada; Adequar doses e o tratamento do paciente; No agravar o quadro clnico pregresso; Evitar possveis emergncias e complicaes; Economiza tempo precioso durante uma real emergncia; Participao em equipes multidisciplinares.O profissional deve ter sempre medicao que possa ser usada para a desordem sistmica, e a medicao nmero 1 o oxignio.Quais os valores normais? Nvel de conscincia consciente, orientado; Temperatura entre 35,9 e 36,9C; PA 120/80mmHg; FR entre 10 a 20 resp/min; Pulso 60 a 100bpm; Exames laboratoriaisClassificao do estado de sade segundo a ASA: acrescentar a letra E a qualquer classe para cirurgias de emergncia. ASA I paciente saudvel, sem anormalidade, sem ansiedade; a conduta seguir os cuidados de rotina, sem alteraes; ASA II paciente com doena sistmica moderada ou significante fator de risco; as sesses devem ser mais curtas, deve ser feito o controle da ansiedade, posio da cadeira o mais confortvel possvel; nessa categoria esto includos pacientes idosos saudveis, paciente saudavel com histrico de alergias, gestantes saudveis, portadores de desordens controladas; ASA III paciente com doena sistmica severa, mas no incapacitante; deve-se evitar procedimentos complexos e longos e controlar rigorosamente a ansiedade; deve-se tambm trocar informaes com o mdico; nesse caso o tratamento eletivo no est contra-indicado, mas h maior risco no atendimento; alguns exemplos clnicos so: pacientes com angina de peito estvel, paciente com histrico de infarto do miocrdio a mais de seis meses, sem sinais residuais, insuficincia cardaca congestiva, doena pulmonar obstrutiva crnica, diabtico bem controlado e insulinodependente, asmticos, com crise induzida por exerccio fsico; ASA IV paciente com doena sistmica severa com risco de vida; procedimento eletivo postergado, cuidados apenas de urgncia e emergncia para controle da dor ou infeco; tratamento em ambiente hospitalar; alguns exemplos clnicos so: paciente com histrico de infarto agudo do miocrdio e AVC a menos de seis meses, paciente com angina de peito instvel, com crises repetitivas, diabticos no controlados, insuficincia heptica, renal ou pulmonar avanada; ASA V paciente moribundo, esperado o bito em 24 horas, com ou sem tratamento; procedimentos odontolgicos eletivos so contra-indicados, urgncias odontolgicas podem receber tratamento paliativo, como no caso de dor; so feitos apenas cuidados para manuteno da vida; alguns exemplos clnicos so: paciente com doena renal ou heptica em estgio final, cncer terminal, paciente com sangramento interno incontrolvel; ASA VI paciente com morte cerebral, em ventilao controlada e perfuso, para doao de rgos.Pacientes aptos para tratamento ASA I, ASA II (indicao mais precisa para cada caso), ASA III e, possivelmente, ASA IV.Risco de morte: ASA I e II menor que 1%; ASA III entre 1,8 e 4,3%; ASA IV entre 7,8 e 23%; ASA V entre 9,4 e 51%.ANESTSICOS LOCAIS: so frmacos capazes de impedir, de forma reversvel, a conduo do impulso nervoso em determinado local do corpo pela depresso da excitao das terminaes nervosas ou pela inibio do processo de conduo nos nervos perifricos, sem perda de conscincia.Pontos importantes quanto mais anestsico eu injetar no paciente, maior ser a toxicidade, pois eu j tenho droga circulante.A barreira que o anestsico tem que apresentar de glicoproteina, ou seja, sua carga 0, logo, para que o anestsico consiga atravessar essa barreira, sua carga tambm deve ser 0. Entretanto, o efeito anestsico s acontece quando a soluo tem carga +, pois ela atua na bomba de Na/K. Quando o local que vai ser anestesiado tem inflamao, a acidez maior, ou seja, vai haver maior quantidade de H e o anestsico ficar com carga +, mas no ir conseguir passar pela membrana, logo, haver menos droga circulante para causar o efeito.Anestsico sem vasoconstrictor nesse caso, a grande quantidade da droga que deveria ficar retido para causar o efeito vai embora devido ao fluxo sanguineo, causando uma pobreza na tividade anestsica e curta durao do efeito da anestesia. J quando o anestsico tem vasoconstrictor, essa substncia ir causar uma diminuio na luz do vaso, logo, menos sangue ir passar, menos droga ir sair e o efeito anestsico ser maior, causando uma diminuio da absoro do anestsico pelo sistema cardiovascular, longa durao da anestesia e uma anestesia mais profunda.Todos as drogas anestsicas so vasodilatadoras, mas h duas que so MENOS vasodilatadoras, so elas a MEPIVACAINA e a PRILOCANA, isso significa que podem ser usadas sem vasoconstrictor.A segurana e eficcia dos anestsicos locais depende: Dosagem recomendada; Tcnica correta; Anamnese previamente reduzida; Precaues adequadas; Rapidez e habilidade do profissional na interveno nos casos emergenciais.A toxicidade causada por: Injeo intravascular; Dose total elevada (hipersaturao); Retardo na eliminao; Combinao desses fatores.Fatores relacionados a resposta do anestsico: Variaes de paciente para paciente; Tcnica anestsica correta; Variaes anatmicas; Presena ou no de vasoconstrictores.Fatores responsveis pela seleo do anestsico: Tipo de procedimento (cirugia? 1 ou mais quadrantes?); Eletivo ou urgncia; Durao do procedimento / tratamento (geralmente uma consulta inicial dura cerca de 40 a 50min, enquanto o atendimento especializado dura cerca de 30 a 40 min); Caractersticas do anestsico; Possibilidade de hemostasia (hemostasia o controle da hemorragia; o vasoconstrictor usado para caus-la a ADRENALINA ou epinefrina);Caractersticas no anestsico local: Durao do anestsico h anestsicos de curta (30 min, procaina e clorprocaina), mdia (1 hora, lidocaina, prilocaina, mepivacaina e articaina) e longa durao (3 horas, bupivacaina, etidocaina e tetracaina). A bupivacaina anestesia por mais tempo, sendo 12 horas em tecido mole e 3 horas na polpa; Dose mxima por consulta lembrar do clculo:Exemplo 1 (sal anestsico): lidocana 2%, significa que eu tenho 2g de lidocaina em 100ml de soluo, logo devo calcular a quantidade de lidocaina em um tubete.2g 100ml = 2000mg 100ml = 20mg/ml1tubete = 1,8ml, logo, se eu tenho 20mg em 1ml, eu terei 36mg em 1,8ml, ou seja, em um tubete eu tenho 36mg de lidocana.Exemplo 2 (vasoconstrictor): adrenalina 1:200.000, significa que eu tenho 1g de adrenalina para 200.000ml de soluo, ento quanto eu terei em 1 tubete?1g 200.000ml = 1000mg 200.000ml = 1mg 200ml = 0,005mg/ml1tubete = 1,8ml, logo, se eu tenho 0,005mg de adrenalina em 1ml, eu terei 0,009mg de adrenalina em 1,8ml (1tubete).Quais as doses mximas de cada anestsico? Lidocaina: dose mxima = 4,4mg/kg e dose mxima absoluta = 300mg (nunca se pode ultrapassar a dose mxima ansoluta, mesmo que depois do clculo com o peso do paciente a dose mxima seja maior);Exemplo: vou usar lidocaina 2% em um paciente de 60 kg, quantos tubetes posso utilizar?R: sabemos que em um tubete de lidocaina a 2% h 36mg de lidocaina e que sua dose mxima de 4,4mg/kg, mas sem ultrapassar a mxima absoluta de 300mg. Logo, se posso usar 4,4mg para 1kg, para 60kg posso usar 264mg, o que menor que a dose mxima. Para saber at quantos tubetes posso usar, basta dividir 264 por 36 (quantidade de lidocaina em 1 tubete), que dar 7,3. Logo, nesse paciente posso utilizar at 7,3 tubetes de lidocana 2% durante um procedimento. Mepivacaina: dose mxima = 4,4mg/kg e dose maxima absoluta = 300mg; Bupivacaina: dose mxima = 1,3mg/kg e dose mxima absoluta = 90mg; Prilocaina: dose mxima = 6mg/kg e dose mxima absoluta = 400mg; Articaina: dose maxima = 7mg/kg e dose maxima absoluta = 500mg.O que influencia na dose mxima: Durao do tempo de aplicao; Co-morbidades; Extremos da idade (devemos estar atentos a administrao de drogas em crianas e idosos; para calcular a dose que deve ser dada em uma criana, pode-se utilizar a equao de clark, onde se divide o peso da criana pelo peso de um adulto que iria receber aquela dose e o resultado multiplica pela dose);Pacientes com doena sistmica usar prilocana;Articaina a melhor soluo para infiltrao ssea;Felipressina no indicada para grvidas, pois esse vasoconstritor semelhante a ocitocina, podendo levar a contrao uterina;A adrenalina sensvel luz, mas o tubete transparente e para estabilizar a soluo necessrio usar os sulfitos ou o metilparabeno, que acabam sendo responsveis pela maioria das hipersensibilidades.O que fazer para prevenir uma complicao: No exceder a dose mxima; Fazer o clculo; No aplicar o tubete de uma nica vez; Usar anestsico com vasoconstrictor quando o procedimento envolver 2 ou mais quadrantes; Aplicao lenta; Aspirao; Observar paciente durante 5 a 10min; Deixar o equipamento de oxignio pronto.Rotina: Historia mdica; Exame fsico; Tcnica anestsica perfeita.Quais so os viles: Overdose os primeiros sinais so sonolncia, convulses (15min) e depresso respiratria; o profissional deve fazer P (posio, se est inconsciente deve ser posio supina com os ps levemente elevados; se est consciente deve ser baseada no conforto do paciente), A (desobstruir vias areas superiores, hiperextendendo o pescoo e elevando o mento), B (respirao, ver, ouvir e sentir; caso esteja inconsciente deve-se avaliar e ventilar, se necessrio; se estiver consciente deve avaliar a respirao), C (circulao, caso esteja inconsciente, deve-se avaliar e realizar compresso cardaca externa; se estiver consciente deve-se avaliar a circulao) e D (tratamento definitivo, com drogas de emergncia e/ou assistncia);Ajustes devem ser feitos em grvidas (uso supervisionado) e em idosos. Alergia inicia cerca de 5min depois da injeo e dura de 30min a 1h, se trata de uma reao de anafilaxia do tipo I, que mediado por mastcitos IgE, causando um aumento da permeabilidade vascular que levar a um edema e contrao da musculatura lisa; geralmente relacionadas ao ester e no a amida e tamb relacionadas ao metilparabeno e bossulfitos utilizados como conservantes na soluo anestsica.Como agir com paciente algico? Devemos sempre acreditar no paciente, descobrir quais as manifestaes, como ele trata a alergia e o que est prescrito e tambm o nome e contato do mdico que o acompanha.Como controlar o stress: Sedao na noite anterior e na manh da consulta; Controle efetivo da dor; Consulta pela manh; No exceder a tolerncia de tempo do paciente.Contra-indicaes: Hipersensibilidade; Alteraes de PA (pacientes hipertensos devem ter a presso arterial aferida a cada consulta e o tratamento deve ser baseado sempre na ltima aferio); Antidepressivos tricclicos (esses medicamentos podem potencializar as aes cardiovasculares de vasopressores administrados exogenamente, a administrao de levonordefrina e noradrenalina absolutamente contra-indicado); Fenotiazinas; Pacientes com risco de metemoglibinemia ( a hemoglobina que foi oxidada e no pode mais se ligar ao oxignio para transport-lo; a medida que os nveis sanguineos de metemoglobina aumentam, sinais e sintomas clnicos de cianose podem ser notados, o paciente fica letrgico, com dificuldade respiratria, mucosas azuladas e cianticas; pode ser produzida pela prilocana, estando relacionada com a dose).Pontos importantes: Pacientes ASA III e ASA IV e pacientes com hipertireoidismo, a dose mxima recomendada de 0,04mg/consulta (pois hipertenso e disrritmia cardaca so comuns no excesso do hormnio tireoidiano); A dose mxima para ASA III ou ASA IV de felipressina de 0,27UI ou 9ml de soluo de 0,03UI/ml; A metemoglobinemia pode ser revertida dentro de 15min quando usadas 1 a 2mg/kg de soluo de azul de metileno e por via endovenosa dentro de 5 min.Efeitos colaterais da epinefrina: Aumento de temor e ansiedade; Tenso, agitao, cefalia pulsatil; Fraqueza, tremor, tontura, palidez; Dificuldade respiratria e palpitao.Contra-indicaes dos vasoconstrictores: Pacientes ASA IV (angina instvel, infarto do miocrdio recente, cirurgia de revascularizao cardaca recente, arritmias refratrias, insuficincia cardaca congestiva intratvel ou no controlada, hipertenso grave no tratada ou no controlada; hipertireoidismo no controlado; diabete melito no controlada; feocromossitoma; hipersensibilidade a sulfito) CONTRA-INDICAO ABSOLUTA! Usuarios de antidepressivos tricclicos, usuarios de inibidores de MAO (podem ocorrer interaes com a fenilefrina), fenotiazinas, beta bloqueadores adrenrgicos no seletivos e dependentes de cocaina (pode produzir hipersensibilidade as catecolaminas) CONTRA-INDICAO RELATIVA!Gestao e anestsicos locais usar lidocana ou mepivacana (sem vasoconstrictor), no usar prilocaina devido ao risco de causar metemoglobinemia no feto. No afetam lactentes.Como realizar o clculo do nmero mximo de tubetes anestsicos? Video23quinta-feirafev 2012Publicado por Rafael Nobre em Anestesia, Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 Deixe um comentriohttp://www.odontologiaconcursos.com.br/videos_odontologia_concursos.php?video=23Resumo da Inervao na Maxila22quarta-feirafev 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 Deixe um comentrio

Avaliao Pr-operatria do Paciente candidato a cirurgia oral (Power Point)22quarta-feirafev 2012Publicado por Rafael Nobre em Cirurgia Buco-Maxilo Facial 1 Deixe um comentrioSlide em Power Point Dispobinilizado por Mylane Lins, Muito obrigado!Avaliaao pre operatoria do paciente candidato a cirurgia Oral