CLUDIA DE ALMEIDA MOGADOURO - .Entendemos que, em geral, o cinema © aproveitado como “ilustra§£oâ€‌

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of CLUDIA DE ALMEIDA MOGADOURO - .Entendemos que, em geral, o cinema © aproveitado como...

0

UNIVERSIDADE DE SO PAULO

ESCOLA DE COMUNICAES E ARTES

CLUDIA DE ALMEIDA MOGADOURO

Educomunicao e escola:

o cinema como mediao possvel

(desafios, prticas e proposta)

So Paulo

2011

1

CLUDIA DE ALMEIDA MOGADOURO

Educomunicao e escola: o cinema como mediao

possvel (desafios, prticas e proposta)

Tese apresentada Escola de

Comunicaes e Artes da

Universidade de So Paulo para

obteno do ttulo de Doutora em

Cincias da Comunicao

rea de concentrao: Interfaces

Sociais da Comunicao -

Educomunicao

Orientador: Prof. Dr. Ismar de Oliveira

Soares

So Paulo

2011

2

Autorizo a reproduo e divulgao total ou parcial deste trabalho, por

qualquer meio convencional ou eletrnico, para fins de estudo e pesquisa,

desde que citada a fonte.

Ficha Catalogrfica

Servio de Biblioteca

Escola de Comunicaes e Artes

MOGADOURO, Cludia de Almeida

Educomunicao e escola: o cinema como mediao possvel

(desafios, prticas e proposta)/ Cludia de Almeida

Mogadouro; Orientador Prof. Dr. Ismar de Oliveira Soares

So Paulo, 2011.

Tese (Doutorado) Universidade de So Paulo, 2011.

428 pginas

3

Cludia de Almeida Mogadouro

Educomunicao e escola: o cinema como mediao possvel

(desafios, prticas e proposta)

Banca Examinadora

Presidente:

______________________________________

Prof. Dr. Ismar de Oliveira Soares Membros:

______________________________________

______________________________________

______________________________________

______________________________________

So Paulo, maio de 2011.

4

Dedicatria

Dedico este trabalho minha famlia que sempre considerou o cinema e a

educao como fundamentais para a vida.

Aos meus queridos pais Edmundo (in memorian) e Maria Elza

Aos meus irmos Mnica, ngela e Flvio

E s minha filhas Ceclia, Laura e Alice, que so as razes da minha vida

5

Agradecimentos

Minha eterna gratido, em primeiro lugar, ao Prof. Dr. Ismar Soares, meu orientador, pela

acolhida em um momento muito difcil, pela orientao, apoio, confiana, alegria, calma,

pacincia e puxes de orelha. Sua prtica educomunicativa o meu grande referencial. E que

privilgio ter um orientador psiclogo!

Que bno ter os amigos e a famlia que tenho! Uma tese um trabalho to solitrio e eu,

por ser uma pessoa de tribo e de mltipla personalidade, sofri muito com isso. Se no

fosse o carinhos dos amigos que me socorreram nos quarenta minutos finais do segundo

tempo, essa tese no teria sido concluda. Especialmente os que revisaram e opinaram sobre

meus textos, o que amenizou um pouco minha insegurana com a linguagem acadmica (com

a qual brigo o tempo todo). Nesse aspecto, foi um trabalho coletivo.

Sem palavras para agradecer aos amigos do NCE Bel Leo, Salete Soares, Richard Romancini,

Lucy Ferraz, Carmen Gattaz, Antonia Alves, Patrcia Horta e aos revisores da famlia Lucas

Paolo, Luciano Cossina, Cibele Codonho, Lgia, Leandro Duarte e, especialmente, todo o apoio

irrestrito na etapa final das minhas irms Mnica e ngela e de minhas filhas Ceclia, Laura e

Alice.

Agradeo ainda:

Prof Dr Maria Immacolata Vassallo de Lopes, que iniciou a orientao desta tese, amiga a

quem reservo muita admirao e carinho, responsvel por boa parte de minha formao

acadmica.

Aos professores do exame de qualificao, cujos ensinamentos tentei seguir: Prof. Dr. Eduardo

Morettin e Prof Dr Maria da Graa Jacintho Setton.

s pessoas que cederam seu tempo de alguma forma para me ajudar: Prof Dra. Roslia

Duarte, Prof Dr. Marcos Napolitano, Prof Dr Marlia Franco, Laura Piteri, Las Bodanzky,

Henry Grazinoli, Patrcia Dures e Wolney Mallafaia.

Aos amigos do Grupo Cinema Paradiso, que h tantos anos alimentam minha mente e meu

esprito: Marcos Paulino, Janete Palma, Ronilson, Adriana, Rianete, Elisa, Lucy, Mercedes,

Deborah, Esther, Arcelina, Eliete e tantos outros.

Aos meus amigos doutores por quem sempre nutri muita admirao e me mostraram que

fazer tese no seria um bicho de sete cabeas (mas quase foi!): Adriano Duarte, Renato

Porto Gilioli, Renato Pucci, Bel Orofino, Marco Antnio Bin e Srgio Rizzo.

Aos meus professores do curso de gesto, que foi um marco importante na minha vida

profissional: Prof Dr Cristina Costa, Prof Dr Maria Aparecida Baccega, Prof. Dr. Adilson

Citelli, Prof Dr Roseli Fgaro e, in memorian, Prof. Dr. Octavio Ianni e Prof Dr Maria Lourdes

Motter.

6

Dora Machado Lorch, a quem devo tanto pelo meu amadurecimento pessoal.

Ao meu querido professor de Histria do Colgio Equipe Raymundo Bandeira Campos, um dos

responsveis pela minha cinefilia e opo pela Histria.

Aos amigos do corao e dos saraus musicais, cujo carinho, alegria, oraes e paparicao

foram fundamentais: Cris Braga, Mrcio Barbosa Torres, Eliana Severo, Fil Machado, Paulinho

Prado, Luiz Alberto Zakir, Glcia Bezerra e Wania Mallafaia.

Santa Marlene na infra-estrutura da casa, fazendo tantas comidinhas gostosas pra me

sustentar.

Ao importante apoio e pacincia de pessoas muito idealistas e queridas da FDE: Devanil Tozzi,

Eva Margareth Dantas e Mary Kawauchi.

s coordenadoras batalhadoras da Diretoria de Ensino de Marlia: Silmara Lurdes Truzzi e

Maria Mrcia Z. Pedroso que me receberam e me acompanharam to carinhosamente.

s coordenadoras de Arte Slvia Navarro (DE Registro) e Adriana Silvestre (DE

Itaquaquecetuba).

Aos funcionrios da Secretaria de Ps-Graduao e ao Drio, da secretaria do CCA-ECA-USP.

CAPES CNPq , pela importante bolsa de estudos, sem a qual essa tese no teria sido

possvel.

7

Gosto de pensar na experimentao como na vela de um barco. Nunca se pode estar

certo dos ventos, mas com mo segura pode-se manobrar as velas, pode-se ir aonde

quiser; sem isso, no possvel nem mesmo deixar o porto.

Orson Welles

8

RESUMO

MOGADOURO, C. A. Educomunicao e escola: o cinema como mediao possvel (desafios, prticas e proposta). 2011. 428 fls. Tese (Doutorado) Escola de Comunicaes e Artes, Universidade de So Paulo, 2011.

Educomunicao e escola: o cinema como mediao possvel (desafios, prticas e proposta) busca compreender qual o espao que o cinema, entendido como cultura e linguagem artstica, pode ocupar na educao formal. Entendemos que, em geral, o cinema aproveitado como ilustrao dos contedos das disciplinas, perdendo sua dimenso artstica, com potencial para uma prtica educativa humanista e dialgica. Olhamos para relao cinema e educao na perspectiva da Educomunicao, observando experincias passadas e presentes, buscando indicadores que nos auxiliem na construo de uma relao mais igualitria e interdisciplinar entre os dois campos.

Palavras chave: Educomunicao Cinema Educao Audiovisual

Interdisciplinaridade Educao Dialgica Cineclubismo.

9

ABSTRACT

MOGADOURO, C. A. Educomunicao e escola: o cinema como mediao possvel (desafios, prticas e proposta). 2011. 428 fls. Tese (Doutorado) Escola de Comunicaes e Artes, Universidade de So Paulo, 2011.

Educommunication and school: cinema as a possible mediation (challenges, practices and proposals) try to comprehend what is the space that cinema understood as artistic culture and language can achieve in formal education. We understand that, in general, cinema is taken as an illustration of the disciplines content, missing its artistic dimension and its humanistic and dialogic potential. We observed the relation between education and cinema in the perspective of Educommunication, analyzing past and actual experiences, searching for indicators that could help us to develop a much equal and interdisciplinated relation between both areas.

Keywords: Educommunication Cinema Audiovisual Education Interdisciplination Dialogic Education Cineclub.

284

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

ALMEIDA, Guilherme de Coluna Cinematographos O Estado de So Paulo - acervo da Casa Guilherme de Almeida, 09/11/26 http://www.casaguilhermedealmeida.org.br/

ALMEIDA, Milton Jos Imagens e Sons: a nova cultura oral. So Paulo: Cortez, 1994.

ANDRADE, Rud de (org.) Cronologia da Cultura Cinematogrfica no Brasil (Cadernos da Cinemateca-1) So Paulo: Fundao Cinemateca Brasileira, 1962.

BACCEGA, Maria Aparecida (org.) Gesto de Processos Comunicacionais, So Paulo: Atlas, 2002.

BAECQUE, Antoine de Cinefilia. So Paulo: Cosacnaify, 2010.

BENJAMIN, Walter A obra de arte na poca de suas tcnicas de reproduo, in: OS PENSADORES, Abril S.A. Cultural: So Paulo, 1983.

BERGALA, Alain A Hiptese-Cinema: pequeno tratado de transmisso do cinema dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: Booklink, 2008.

BERNADET, Jean-Claude O que Cinema. Coleo Primeiros Passos. Crculo do Livro: So Paulo, 1980.

BOSI, Ecla O Tempo Vivo da Memria, Ateli Editorial: Cotia/SP, 2003

CAMPELO,Tas Cinearte, o cinema brasileiro em revista (1926-1942), 2008. (http://www.mnemocine.art.br/index.php?option=com_content&view=article&id=89:cinearte-o-cinema-brasileiro-em-revista-1926-1942&catid=42:historia-no-cinema-historia-do-