Congresso de eCografia - SBACV - ?· 7 Ano2 Julho/Agosto/Setembro 2016 Congresso de eCografia FOI sucessO…

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • 7Ano2Julho/Agosto/Setembro2016

    Congresso de eCografia

    FOI sucessO na capItal mIneIra

    de todo o pas e exterIOr

    evento

    especIalIstas

    reUniU

    Pgina 3

    Diretrizes brasileiras so destaque em evento

    Pgina 6

    Sociedades atuam na defesa profissional

  • ANGIOMINAS

    2

    DANIEL MENDES PINTOPALAVRA DO PRESIDENTE

    EXPEDIENTEANGIOMINAS

    cido no s na nossa Regional, mas em outros estados. Ser associado SBACV um mrito que tem sido reconhecido pela sociedade geral. Chamo ateno s demandas judi-ciais. Vrios magistrados, hoje, re-conhecem que aqueles que perten-cem e participam das atividades da sua sociedade de especialistas tm um ntido diferencial sobre os que trabalham isolados.

    Alm da disseminao do conhe-cimento, que nossa funo, outra atividade mestra a defesa profis-sional. A Angiologia e a Cirurgia Vascular cresceram enormemente no Brasil. Dados de consultoria mos-tram que nossas especialidades tive-ram ampliao de mais de 70% de demanda pelos pacientes, na ltima dcada. Num momento que outras especialidades vm seu conjunto de pacientes reduzindo, ns estamos aumentando. Isso nos torna alvo de demanda por servios e cresce nossa responsabilidade. Muitas atividades que so prprias do Cirurgio Vas-cular, hoje, tm sido abordadas por outras especialidades: tratamen-

    presidente: daniel Mendes pintovice-presidente: Josualdo euzbio da silvasecretrio: Mateus alves Borges Cristino vice-secretrio: Jlio armando rivas Yepeztesoureiro: paulo Bastianettovice-tesoureiro: Bruno Lima de CastroDiretor Cientfico: rodrigo daniel MoreialvarVice-diretor Cientfico: Luiz ronaldo g. pereira

    endereo: av. Joo pinheiro, 161 - Centro Belo Horizonte - Mg telefone: (31) 3213-0572

    diretor de Comunicao: tlio pinho navarrovice-diretora de Comunicao: ana Cristina Lo-pes albrickerdiretor de patrimnio: Bruno de Lima navesDiretor de Defesa Profissional: gustavo Braga MurtaVice-diretor de Defesa Profissional: ricardo Soffiatti Mesquita de Oliveira

    revista angioMinasJornalista responsvel: daniela Colen | MtB 6966Jpdiagramaovalria paivaimpresso: premiertiragem: 3.500 exemplaresfotos: douglas Barbosa

    Prezados colegas,O ano de 2016 tem sido intenso

    para nossa Regional. Conclumos o VII Congresso Brasileiro de Eco-grafia Vascular com sucesso. Foi um belo evento, principalmente como atualizao cientfica para os associados. Mritos especiais para a comisso organizadora, nas pes-soas do Adriano de Souza e Ana Albricker. Parabns tambm Pau-la Jorge, nossa secretria adminis-trativa, que gerencia muito bem os eventos.

    Nossa funo criar valor para nossos associados. Isso tem aconte-

    No dia dois de agosto, angio-logistas e cirurgies vasculares se reuniram na sede da Associao Mdica de Minas Gerais (AMMG), em Belo Horizonte, para a reunio cientfica: Uma anlise multidis-ciplinar do laser transdrmico.

    O encontro foi presidido pela especialista Bethania Noveli e con-tou com os debatedores Benjamin Moss e Paulo Bastianetto.

    Laser Transdrmico tema de reunio cientfica

    Em outubro, a reunio cient-fica aconteceu no dia quatro, com o tema Orientao Profissional. J no dia 30 de setembro, os espe-cialistas se reuniram em Ipatin-ga, Hospital Mrcio Cunha, para o V Simpsio de Cirurgia Vascu-lar e Endovascular. A coordena-o foi de Luiz Ronaldo Godinho Pereira.

    Informaes: (31) 3213-0572.

    to de varizes por profissionais no mdicos, tratamentos endovascula-res por profissionais que s sabem tratar por via percutnea, cursos de finais de semana que preparam ina-dequadamente para tratamento das doenas que lidamos diariamente. Atualmente, vemos um invaso de profissionais mdicos que querem tratar artrias perifricas por via endovascular, mas que no conhe-cem as tcnicas atuais, os materiais dedicados e, pior, no sabem a evo-luo da doena.

    Neste cenrio, posso dizer que a SBACV-MG vai continuar a abor-dar estes assuntos de interesse dos associados de maneira direta. A di-retoria est atenta para propiciar a melhora da qualidade do trabalho do especialista em Minas Gerais. Precisamos do retorno dos associa-dos. A melhor maneira de contri-buir para o crescimento de todos participar das atividades cientficas e de orientao profissional. Partici-pemos e construiremos o futuro da especialidade juntos.

    Abraos a todos.

    Bethania Noveli presidiu o encontro de agosto

    EducAo coNtINuAdA

  • ANGIOMINAS

    3

    RESuMO ARTIgOS CIENTfICOS

    O trabalho Espessura Mdiointimal nas Cartidas Comuns e Femorais para Detectar Arteriosclerose em Pessoas Vivendo com o Vrus da Imunodeficincia Hu-mana foi premiado no VII Congresso Brasileiro de Eco-grafia Vascular. Assinam o artigo: Emmanuelle Godoi, Carlos Brandt, Helosa Lacerda, Jocelene Godoi, Dinaldo Oliveira, Gabriela Costa, Gerson Santos Jnior, Kaliene Leite, Juannicelle Godoi e Adriana Vasconcelos.

    Introduo:

    Pessoas que vivem com HIV (PVHIV) tm condio de vida diferente da populao livre de infeco, no que diz respeito morbimortalidade por arteriosclerose e eventos cardiovasculares a ela associados. A doena cardiovascular (DCV), particularmente aterosclertica, mais prevalente e precoce em PVHIV, quando se com-para populao sem infeco. A medida da espessura mdiointimal (EMI) um marcador no-invasivo e pre-coce da arteriosclerose, que pode refletir no aumento do risco cardiovascular.

    A medida da EMI um preditor de DCV independen-te dos fatores de risco clssicos e pode ser considerada como marcador para avaliao de arteriosclerose sub-clnica, inclusive nas PVHIV. As artrias femoral comum e a subclvia direita tambm vm sendo estudadas como stios para a medida da EMI. O ndice tornozelo-brao (ITB) um mtodo simples, no-invasivo, de alto valor preditivo para doena arterial perifrica. Valores inferiores a 0,9 esto associados a um significativo au-mento do risco cardiovascular, independente de outros fatores de risco. A deteco precoce de arteriosclerose em PVHIV possibilitaria tratar pacientes com maior ris-co de desenvolver eventos cardiovasculares.

    objetIvos:

    O primrio foi avaliar a prevalncia de arteriosclero-se atravs da medida da espessura mdiointimal (EMI) das cartidas comuns, femorais e do ndice tornozelo-brao (ITB).

    O secundrio foi estudar eventuais associaes entre tais medidas e fatores de risco clssicos para arterios-clerose e especficos das pessoas que vivem com HIV.

    MetodologIa:

    Estudo transversal, prospectivo e analtico, que en-volveu 80 pessoas com HIV [40 fazem uso de inibidores da protease (IP) e 40 no] e 65 voluntrios saudveis (controles).

    As medidas da EMI foram feitas em todas as pessoas inscritas de acordo com a tcnica padro. Realizada a medio automtica da EMI nas artrias cartidas co-muns e femorais comuns e calculado o ITB. Neste estudo

    Estudo premiado em Congresso Brasileiro de Ecografia

    foi calculado o percentil 75 (EMI). Os testes estatsticos foram utilizados para detectar diferenas nos valores da EMI entre as pessoas com HIV (com IP e sem IP) e con-troles. O valor de p 0,05 foi significativo.

    resultados:

    A anlise comparativa da EMI nas cartidas comuns foi realizada entre controles, HIV sem e com IP e revelou 0,59 mm 0,11 vs 0,63 mm 0,11 vs 0,71 mm 0,28, respectivamente (p = 0,014).

    Quanto ao espessamento em femoral no houve di-ferena significante entre os grupos controle e HIV 0,74 mm+ 0,30 vs 0,79 mm+ 0,33 (p=0,351). Quanto ao ITB houve diferena significante entre o controle versus HIV sem IP (1,08 x 1,17) (p=0,015).

    ConCluses:

    A medida da EMI na cartida comum foi maior no grupo de HIV do que no grupo controle. Este um mar-cador importante de risco cardiovascular e precisa ser considerado para que medidas preventivas possam ser adotadas. A cartida comum continua a ser o melhor local de medida da EMI para a deteco de arterioscle-rose, quando comparada a outros stios.

    No VII Congresso Brasileiro de Ecografia Vas-cular tambm foram premiados os trabalhos:

    2o lugar - Associao entre Variao Anatmica da Veia Safena Magna e Insuficincia Venosa em Pacientes Submetidos Ultrassonografia Vascular dos Membros Inferiores.Autor principal: Ana Cristina Lopes Albricker. Coautores: Danila Almeida, Jaider Matheus de An-drade, Gisely Almeida, Ane Graziela Andrade, Pao-la Souza dos Santos, Mrcio Vincius Lins Bar.

    3o lugar - Correlao Entre Suspeita de TVP e Especialidade Mdica Solicitante de Ultrassom Doppler Vascular em Hospital Universitrio.Autor principal: Dbora Yuri Sato. Coautores: Gleison Russeff, Carolina Cunha, Daniel Mique-lin, Andr Miquelin, Selma de Oliveira Raymundo, Luiz Fernando Reis, Fernando Reis Neto, Danielle Moura.

    As diretrizes brasileiras tambm tiveram desta-que no encontro. Relacionadas ultrassonografia das artrias cartidas e vertebrais e doena no territrio aorto-ilaco foram publicadas em 2015 e 2016, respectivamente.

  • ANGIOMINAS

    4

    CAPA CONgRESSO BRASILEIRO

    Brasileiro de Ecografia surpreendeu participantes

    uma oportunidade nica para atualizao do que h de mais recente na ecografia vascular. um evento que aliou avan-os da especialidade e esclarecimentos perti-nentes ao dia a dia do profissionalAdriano Jos de Souza

    Mais de 400 mdicos prestigiaram o VII Congresso Brasileiro de Ecogra-fia Vascular realizado em Belo Horizonte, de sete a 10 de setembro.

    No primeiro dia de evento, ocorreu o Curso Interativo Venoso presidido pelo especialista Nicos Labropoulos (EUA) e com a presena dos profes-sores convidados Luis Leon (EUA), Nick Sikalas (USA) e Ignacio Escotto Sanchez (Mxico).

    A abertura oficial do Congresso contou com a presena do presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Ivansio Merlo, e do presidente da Associao Mdica de Minas Gerais (AMMG), Lincoln Lopes Ferreira.

    O especialista Alberto Loureno-