Conhecimentos Bancrios - Aula 01

  • View
    4.699

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Conhecimentos Bancrios - Aula 01

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE

Ol pessoal! Estamos aqui para a nossa primeira aula de Conhecimentos Bancrios. Como j falei, o Sistema Financeiro Nacional o conjunto de regras que regulamentam a transferncia de recursos dos agentes superavitrios para os agentes deficitrios. Boa parte da aula ser a exposio da legislao. Sei que a matria chata, mas necessria. Tentarei passar a matria de uma forma mais simples, mas sempre respeitando a formalidade que muitas vezes o examinador exige. Vocs vero que uma boa parte das questes uma cpia simples da Legislao. As crticas ou sugestes podero ser enviadas para: cesar.frade@pontodosconcursos.com.br.

Prof. Csar Frade JANEIRO/2012

Prof. Csar de Oliveira Frade

www.pontodosconcursos.com.br

1

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE

3. Organograma Completo do Sistema Financeiro Nacional

Prof. Csar de Oliveira Frade

www.pontodosconcursos.com.br

2

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE Entende-se como rgos reguladores os Conselhos, ou seja, o Conselho Monetrio Nacional, o Conselho Nacional de Seguros Privados e o Conselho Nacional de Previdncia Complementar. Entende-se como entidades supervisoras o Banco Central do Brasil, Comisso de Valores Mobilirios, Superintendncia de Seguros Privados e Superintendncia de Previdncia Complementar. Por sua vez, os Conselhos ou Cmaras de Recursos so os rgos recursais de ltima instncia da esfera administrativa. Tanto os rgos reguladores quanto as entidades supervisoras fazem parte daquilo que denominado subsistema normativo. Essas entidades supervisoras so as responsveis pela fiscalizao dos produtos em seus mercados. Esses produtos so comercializados pelos agentes que fazem parte do subsistema de intermediao ou subsistema de distribuio. So utilizadas essas duas nomenclaturas.

4. Conselho Nacional de Seguros Privados CNSPO Conselho Nacional de Seguros Privados CNSP foi criado pelo Decreto-Lei no 73/66 e o principal rgo normativo das atividades de seguros no Pas. Na poca de sua criao tinha como objetivo bsico fixar as diretrizes e normas da poltica governamental para os segmentos de Seguros Privados e Ttulos de Capitalizao. Entretanto, a partir de 1977 suas atribuies foram estendidas Previdncia Privada Aberta. Assim como o Conselho Monetrio Nacional, ao longo dos anos sua composio foi sendo alterada. Atualmente, o CNSP tem possui seis membros, quais sejam: Ministro de Estado da Fazenda ou seu representante Presidente; Superintendente da Superintendncia de Seguros Privados VicePresidente; Representante do Banco Central; Representante da Comisso de Valores Mobilirios;www.pontodosconcursos.com.br

Prof. Csar de Oliveira Frade

3

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE Representante do Ministrio da Previdncia Social; Representante do Ministrio da Justia.

Sei que no to simples memorizar as pessoas que fazem parte do CNSP mas a vai uma dica valiosa. Dois dos seis cargos so de pessoas especficas, ou seja, um cargo ocupado pelo Ministro da Fazenda (mas pode mandar representante) e o outro cargo ocupado pelo Superintendente da SUSEP. Observe que a estrutura do CNSP est sob o comando do Ministrio da Fazenda, logo, o Ministro o Presidente. E como o rgo fiscalizador das normas emanadas pelo CNSP a SUSEP, seu superintendente (cargo mais alto na instituio) o vice-presidente. Os outros quatro cargos so ocupados por representantes de rgos importantes. Lembre-se que tanto o mercado de seguro quanto o mercado de previdncia privada arrecadam, anualmente, um montante enorme de recursos. Esses recursos fazem parte da poupana popular e, nos dois casos, sero aplicados e guardados pelas instituies que gerenciam os contratos para uma possvel futura devoluo ou indenizao, dependendo da natureza. Portanto, h uma quantidade muito grande de recursos que invadem o mercado financeiro. Dessa forma, representantes do Banco Central BACEN e Comisso de Valores Mobilirios CVM so importantes para auxiliar na normatizao. Tendo em vista o fato de o CNSP regular o mercado de Previdncia Privada Aberta, h tambm um representante do Ministrio da Previdncia Social. Alm desses representantes ainda h um do Ministrio da Justia. Acredito que essa seja a forma mais simples de memorizar a composio do CNSP. O mesmo Decreto-Lei que cria o CNSP tambm institui o Sistema Nacional de Seguros Privados SNSP e determina que ele ser constitudo pelos seguintes integrantes: Conselho Nacional de Seguros Privados CNSP; Superintendncia de Seguros Privados SUSEP; Resseguradores; Sociedades autorizadas a operar em Seguros Privados; e Corretores habilitados

Segundo a Legislao, compete privativamente ao CNSP:Prof. Csar de Oliveira Frade www.pontodosconcursos.com.br

4

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE I - Fixar as diretrizes e normas da poltica de seguros privados; II - Regular a constituio, organizao, funcionamento e fiscalizao dos que exercerem atividades subordinadas a ste Decreto-Lei, bem como a aplicao das penalidades previstas; III - Estipular ndices e demais condies tcnicas sbre tarifas, investimentos e outras relaes patrimoniais a serem observadas pelas Sociedades Seguradoras; IV - Fixar as caractersticas gerais dos contratos de seguros; V - Fixar normas gerais de contabilidade e estatstica a serem observadas pelas Sociedades Seguradoras; VI delimitar o capital das sociedades seguradoras e dos

resseguradores; VII - Estabelecer as diretrizes gerais das operaes de resseguro; VIII - disciplinar as operaes de co-seguro; IX - (Revogado pela Lei Complementar n 126, de 2007) X - Aplicar s Sociedades Seguradoras estrangeiras autorizadas a funcionar no Pas as mesmas vedaes ou restries equivalentes s que vigorarem nos pases da matriz, em relao s Sociedades Seguradoras brasileiras ali instaladas ou que nles desejem estabelecer-se; XI Prescrever os critrios de constituio das Sociedades

Seguradoras, com fixao dos limites legais e tcnicos das operaes de seguro; XII - Disciplinar a corretagem de seguros e a profisso de corretor; XIII - (Revogado pela Lei Complementar n 126, de 2007)Prof. Csar de Oliveira Frade www.pontodosconcursos.com.br

5

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE XIV - Decidir sbre sua prpria organizao, elaborando o respectivo Regimento Interno; XV - Regular a organizao, a composio e o funcionamento de suas Comisses Consultivas; XVI - Regular a instalao e o funcionamento das Bolsas de Seguro. XVII - fixar as condies de constituio e extino de entidades autorreguladoras do mercado de corretagem, sua forma jurdica, seus rgos de administrao e a forma de preenchimento de cargos administrativos; XVIII - regular o exerccio do poder disciplinar das entidades autorreguladoras do mercado de corretagem sobre seus membros, inclusive do poder de impor penalidades e de excluir membros; XIX - disciplinar a administrao das entidades autorreguladoras do mercado de corretagem e a fixao de emolumentos, comisses e quaisquer outras despesas cobradas por tais entidades, quando for o caso. Por outro lado, o stio da Superintendncia de Seguros Privados informa que so atribuies do CNSP: Fixar diretrizes e normas da poltica de seguros privados; Regular a constituio, organizao, funcionamento e fiscalizao dos que exercem atividades subordinadas ao Sistema Nacional de Seguros Privados, bem como a aplicao das penalidades previstas; Fixar as caractersticas gerais dos contratos de seguro, previdncia privada aberta, capitalizao e resseguro; Estabelecer as diretrizes gerais das operaes de resseguro; Conhecer dos recursos de deciso da SUSEP e do IRB; Prescrever os critrios de constituio das Sociedades Seguradoras, de Capitalizao, Resseguradores, Entidades com de Previdncia dos limites Privada legais e Aberta tcnicos e das 6 fixao

respectivas operaes;Prof. Csar de Oliveira Frade www.pontodosconcursos.com.br

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE Disciplinar a corretagem do mercado e a profisso de corretor.

Juntamente com o CNSP, assim como no CMN, funcionaro Cmaras Consultivas. Veja o que determina a Legislao: Art 34. Com audincia obrigatria nas deliberaes relativas s respectivas finalidades especficas, funcionaro junto ao CNSP as seguintes Comisses Consultivas: grifo meu I - de Sade; II - do Trabalho; III - de Transporte; IV - Mobiliria e de Habitao; V - Rural; VI - Aeronutica; VII - de Crdito; VIII - de Corretores. 1 - O CNSP poder criar outras Comisses Consultivas, desde que ocorra justificada necessidade. 2 - A organizao, a composio e o funcionamento das Comisses Consultivas sero regulados pelo CNSP, cabendo ao seu Presidente designar os representantes que as integraro, mediante indicao das entidades participantes delas.

5. Conselho Nacional de Previdncia Complementar CNPCEm 2009, a Lei 12.154/09 determinou que o Conselho de Gesto de Previdncia Complementar que era um rgo integrante do Ministrio da Previdncia passaria a se chamar Conselho Nacional de Previdncia Complementar, continuaria a ser um rgo integrante da estrutura bsica do Ministrio e exerceria a funo de rgo regulador do regime de previdncia

Prof. Csar de Oliveira Frade

www.pontodosconcursos.com.br

7

AULA 01 CONHECIMENTOS BANCRIOS BANCO DO BRASIL PROFESSOR CSAR FRADE complementar complementar. A Lei define que o CNPC possui 8 integrantes com direito a voto, sendo que cada um tem dois anos de mandato e possvel a reconduo ao cargo. So integrantes do CNPC: 5 integrantes do poder pblico; 3 indicados, respectivamente: a) pelas entidades fechadas de Previdncia Complementar; b) pelos patrocinadores ou instituidores; c) pelos participantes e assistidos. Alm destes oito integrantes, a Lei