CONSTRUÇÕES ECOLÓGICAS E SUSTENTÁVEIS: ANÁLISE a-ponte.org.br/modulos/publicacoes/arquivos/ [deir].pdf ·

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of CONSTRUÇÕES ECOLÓGICAS E SUSTENTÁVEIS: ANÁLISE a-ponte.org.br/modulos/publicacoes/arquivos/...

  • CONSTRUES ECOLGICAS E SUSTENTVEIS: ANLISE COMPARATIVA DE CUSTOS ENTRE PAINIS EM

    BAMBU E BARRO COM ALVENARIA DE BLOCO.

    Silva, D.N.A.C. ;Carvalho, R. ; Universidade Federal da Bahia-UFBA-deirwil@hotmail.com, ricardoc@ufba.br

    RESUMO Este trabalho compara custos de painis em bambu e barro com a alvenaria de bloco, analisando a viabilidade econmica do uso de materiais alternativos e ecologicamente sustentveis. A etapa inicial deste estudo enfoca custos de painis j existentes com bambu e barro utilizando a taipa, substituindo a madeira por bambu. Nesta etapa buscam-se coeficientes indicadores de material e mo de obra para criao de composio de preos e custo final do painel. Na segunda etapa feita uma mdia de preos para a execuo do painel e compara-se com a alvenaria de bloco. Estuda-se a viabilidade da construo da taipa em bambu com revestimento em barro para moradias no interior preservando a tcnica tradicionalmente usada e prope a troca da madeira pelo bambu, material que proporciona reflorestamento de matas ciliares, gerao de trabalho e renda para a comunidade local. PALAVRAS-CHAVE: Painis de bambu e barro; coeficientes; composio de preos. INTRODUO

    Atualmente tem aumentado o interesse na investigao de novos materiais alternativos para o uso na construo civil, com o objetivo de tornar a sociedade, e as construes nela inserida, mais sustentveis. Sartori e Pinho[1] dizem que a conscincia social da finitude dos recursos naturais a fonte desse interesse. A atual crise ambiental, para ser superada, exige um novo olhar uma nova trilha, uma diferente direo. Os processos de transformao e de transporte at o local de consumo dos materiais devem ser includas nas avaliaes de impacto ambiental das diversas alternativas tecnolgicas para a construo. O uso de material local, como o barro, dispensa o transporte por longas distncias e as respectivas emisses de carbono na atmosfera. Assim como o uso de material renovvel e seqestrador de carbono, como o bambu, tambm contribui na produo de construes ambientalmente mais adequadas. As construes com terra reduzem a demanda de cimento que hoje promove 8% do aquecimento do planeta, assim como minimiza o transporte, 80% do aquecimento da atmosfera se origina do petrleo.Segundo Macul e Prado[2] trabalhando com materiais disponveis,como a terra e o bambu reduz-se diretamente a compra de produtos e elementos externos, fator proibitivo para a maioria da populao carente. Segundo Troles[3] materiais como a terra crua, bambu e fibras vegetais diversas representam uma excelente alternativa aos materiais industrializados. No so poluentes no exigem grande consumo de energia e o oxignio em seu processo de preparo renovvel e de baixo custo. Suas tcnicas de utilizao ganharam os espaos acadmicos onde se propagam e se aperfeioam.

  • No interior do Nordeste, construir moradias com taipa, principalmente pau a pique, utilizando a terra como material de construo, faz parte da cultura popular, seja pela facilidade de construir, ou pelos recursos que se encontram no local: terra e madeira. Observa-se que muitas edificaes do nosso patrimnio histrico foram executadas at meados do sculo passado com essas tcnicas, algumas perduram at hoje com variadas condies de conservao. A substituio das tcnicas tradicionais foi decorrente da oferta de materiais industrializados como os blocos cermicos e o cimento. A informao e conhecimento sobre as tcnicas de construo com o barro foram sendo abandonados pela construo formal, mas mantidas no domnio popular, transmitidas oralmente. A estagnao do desenvolvimento tecnolgico e o aumento do estigma de construes inadequadas aumentam, as restries s tcnicas de construo com terra. Como conseqncia, observa-se que as aes das organizaes governamentais so restritivas construo com terra, por um lado estimula-se as demolies das construes com terra e por outro estimula, organiza ou, financia, apenas as construes com materiais industriais tradicionais. Arajo[4], apresenta estudos que ilustram o uso popular do conhecimento da construo com terra usando a tcnica da taipa. Existe uma carncia muito grande de moradias no Brasil, cerca de 7,2 milhes de famlias so desabrigadas, uma grande parte dessas famlias encontram-se no interior, alm disso, existem milhes de moradias imprprias ou precrias no Nordeste, por falta de programas de financiamento, em regies onde no existe renda suficiente para o investimento segundo Macul e Prado[2]. Mas a questo socioeconmica no deve ser a nica a ser estudada, optar pelos estudos de materiais e tcnicas construtivas alternativas e diversificadas pode ser a opo para o dficit habitacional do pas, barateando o investimento e sugerindo novas maneiras de construir, como por exemplo, a auto-gesto com repasse de recursos financeiros diretamente da prefeitura ou governo para associaes comunitrias com o aporte de assessoria tcnica, oramento participativo ou a construo atravs de mutiro diz Troles[3] As condies de salubridade so aspectos que devem ser considerados nos estudos de qualquer tipologia construtiva. Embora construo com terra seja correntemente associada doena de chagas, transmitida pelo barbeiro, Figueiredo e Casbur[5] apresentam trabalho que demonstram a inexistncia de relao significativa entre a ocorrncia epidemiolgica da Doena de Chagas e a tipologia das construes com barro. Segundo Figueiredo e Casbur[5] populaes que habitam casas com vedaes verticais em alvenarias no rebocadas, tambm esto sujeitas ocorrncia epidemiolgica da Doena de Chagas. Berndsen e Casagrande[6] dizem que explorao irracional das reservas florestais naturais alm da busca de matria prima renovvel e ecologicamente correta tem estimulado a pesquisa de alternativas. O uso da madeira nas casas de taipa extrativista, geralmente o prprio morador constri sua casa e retira a madeira para compor o painel, provocando desmatamento, principalmente das matas ciliares, promovendo degradao do ambiente e maior evaporao das guas dos rios. O bambu um material alternativo ao uso da madeira como estruturante dos painis das vedaes de taipa e, tambm um material de origem vegetal, renovvel. Existem vrias espcies de bambu que podem ser usados na construo civil, o mais usado e com vrias obras com grande projeo o gadua angustiflia, muito usado na Colmbia, pas onde a construo com bambu totalmente difundida e largamente utilizada. Essa espcie existe no Brasil e j comea a ser difundida, sendo indicada pelos especialistas como uma das melhores espcies para construo, pois no muito atacada pelos insetos e muito resistente. Na Bahia e grande parte do Nordeste o Bambusa Vulgaris (bambu comum) a espcie mais encontrada. A cura um tratamento de secagem imprescindvel, que aumenta a vida til do bambu em at 25

  • anos, alm disso, preciso usar algum tipo de preservativo contra os insetos, j que essa a espcie mais atacada, por ser a que tem mais amido. Arajo[1] estudou a construo com taipa na regio de So Sebastio do Pass na Bahia e pesquisou a ocorrncia da taipa com bambu, mas concluiu que no existe a cultura de construir com o bambu, apesar da regio ter bastante da gramnea bambusa vulgaris, na pesquisa ele constatou que somente 4,17% em um universo de 24 casas j usou o bambu na taipa, 45,83% conhece quem j usou e 29,17% usaria na sua casa. O objetivo do presente trabalho elaborar composies de custos de painis em barro e bambu, para confeco do entranado, ou estrutura do painel. Esse estudo contribui para viabilizar instrumento de planejamento na construo de prottipo de baixo custo e ambientalmente adequado, sendo o recurso economizado na construo de moradias, usado para bens e equipamentos pblicos. Na presente proposta sugere-se a construo do pau a pique com o bambu, incluindo plantaes de matas, reflorestando o entorno dos rios. Essa proposta dever ser inicialmente aplicada em regies onde j exista o bambu, partindo da para novas reas, onde inicialmente ser feito o reflorestamento, buscando inclusive espcies de bambu mais resistentes, como o Gadua. Esse reflorestamento pode ser promovido por rgos Governamentais, Prefeituras, Ongs e etc, para depois construir moradias populares aproveitando o bambu e a terra. METODOLOGIA Para obteno dos ndices de consumo das composies de preo foram realizadas pesquisas bibliogrficas, poucos dados foram encontrados, pois a tcnica ainda no muito utilizada. A primeira referncia encontrada foi executada em curso de treinamento para alunos, e outra na construo de casa em ambiente rural, foi construda um prottipo para obteno do terceiro painel com a inteno de termos uma mdia de trs painis para analise comparativa com painel em alvenaria convencional. Painel Ibiosfera Em entrevista ao arquiteto Francisco Lima da Arquidomus Arquitetura encontramos essa tcnica aplicada, na construo da sede da ong Ibiofera, um galpo em painel de bambu e barro em So Paulo, esse painel foi executado por alunos do curso ministrado pelos arquitetos para ensinar tcnicas de construo com o bambu.

    FIGURA 1-Painel Ibiosfera estrutura em bambu e enchimento com barro (taipa) fonte: site ong Ibiosfera

    Na entrevista o arquiteto forneceu alguns dados para chegar a coeficientes para construo do painel. O bambu da espcie bambusa tuldides foi retirado no terreno da construo sem custo e

  • tratado a seco na touceira. O barro foi retirado no entorno da obra. Os painis foram rebocados com barro cal e areia. Calculo dos coeficientes de consumo de material para o painel - Ibiosfera: Foi considerado para o calculo dos coeficientes somente o bambu usado na estrutura do painel(entramado), sem considerar os montantes da estrutura, o painel tem 4m de comprimento por 2,30 de altura, e que a espessura da parede de barro de 16 cm, os montantes foram chumbados a cada 40 cm na fundao pr-existente, afastada do solo para proteo do bambu. Para as taliscas as varas de bambu foram cortadas em 2 partes com comprimento de 4 m