of 29/29
CONTABILIDADE – NOÇÕES BÁSICAS Prof. José Berbel O QUE É CONTABILIDADE? Diversas são as definições. Entretanto, vamos apresentar algumas, de renomados autores desta ciência: A Contabilidade é uma ciência que permite, através de suas técnicas, manter um controle permanente do patrimônio da empresa. Prof. Osni Moura Ribeiro Podemos definir contabilidade como o sistema de informação que controla o patrimônio de uma entidade. Prof. Clóvis Luís Padoveze A Ciência que estuda o patrimônio de uma entidade, registrando as variações por ele sofridas, apurando resultados e prestando informações aos usuários da informação contábil. Equipe de Professores da FEA/USP É a ciência que se destina a registrar, estudar, controlar e interpretar os fenômenos ocorridos no patrimônio das Entidades, com o objetivo de fornecer informações e orientação sobre o estado desse patrimônio e suas variações. Prof. Hilário Franco Podemos observar que todas tem algo em comum: o controle e a informação sobre o patrimônio. A informação hoje é um dos grandes diferenciais da passagem para o terceiro milênio. Atualmente, o valor está centrado na cabeça e no esforço inteligente. Quem tem informação tem poder. E isto significa que a contabilidade por ser uma ciência cuja aplicação tem por escopo, o controle e a informação, está com alta cotação.

Contabilidade nocoes basicas

  • View
    48.417

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Contabilidade nocoes basicas

  • 1. CONTABILIDADE NOES BSICAS Prof. Jos BerbelO QUE CONTABILIDADE? Diversas so as definies. Entretanto, vamos apresentar algumas, de renomados autores desta cincia:A Contabilidade uma cincia que permite, atravs de suas tcnicas, manter um controle permanente do patrimnio da empresa.Prof. Osni Moura Ribeiro Podemos definir contabilidade como o sistema de informao que controla o patrimnio de uma entidade.Prof. Clvis Lus Padoveze A Cincia que estuda o patrimnio de uma entidade, registrando as variaes por ele sofridas, apurando resultados e prestando informaes aos usurios da informao contbil. Equipe de Professores da FEA/USP a cincia que se destina a registrar, estudar, controlar e interpretar os fenmenos ocorridos no patrimnio das Entidades, com o objetivo de fornecer informaes e orientao sobre o estado desse patrimnio e suas variaes. Prof. Hilrio FrancoPodemos observar que todas tem algo em comum: o controle e a informao sobre o patrimnio. A informao hoje um dos grandes diferenciais da passagem para o terceiro milnio. Atualmente, o valor est centrado na cabea e no esforo inteligente. Quem tem informao tem poder. E isto significa que a contabilidade por ser uma cincia cuja aplicao tem por escopo, o controle e a informao, est com alta cotao. 1 - GRUPOS DE INTERESSE NA INFORMAO CONTBIL ADMINISTRADORES DO PATRIMNIO (administradores, diretores, executivos); TITULARES DO PATRIMNIO ( scios, acionistas, quotistas); FINANCIADORES DA ENTIDADE ( bancos, capitalistas, financiadores, etc.) GOVERNOS ( Federal, Estadual e Municipal ) TODOS AQUELES QUE DIRETA OU INDIRETAMENTE ESTO VINCULADOS ENTIDADE (empregados, clientes, fornecedores, etc.) 2. PESSOA FSICA: Uma pessoa qualquer, uma pessoa natural.

2. 23. PESSOA JURDICA:3.1 SOCIEDADE: Reunio de duas ou mais pessoas ligadas por um contrato, visandoobjetivo comum.3.2 EMPRESRIO: aquela constituda por uma nica pessoa, responsvel ilimitada eindividualmente pela Empresa (ou pelos seus atos), onde o nome da firma ser odo titular.4. PATRIMNIO: o conjunto de bens, direitos e obrigaes pertencentes a umapessoa, seja ela fsica ou jurdica.BENS: Qualquer coisa que possa satisfazer uma necessidade do homem e que seja suscetvel de avaliao econmica, denomina-se bem. Os bens se classificam em tangveis (que tem existncia fsica. Ex. Automvel, imvel, dinheiro, etc.) e intangvel (Considerados os bens abstratos ou imateriais. Ex. Marcas e patentes, direito autoral, etc.)DIREITOS: So bens sobre os quais exercemos domnio, mas que esto sob a posse de terceiros. Aparecem no patrimnio como valores a receber. Ex. Clientes, Duplicatas a receber, Ttulos a receber, etc.OBRIGAES: So bens quem se encontram sob nossa posse, mas o domnio sobre eles exercido por terceiros. Aparecem no patrimnio como valores a pagar. Ex. Fornecedores, Duplicatas a pagar, Ttulos a pagar, Impostos a pagar, etc. 5 . ASPECTOS PATRIMONIAIS 1. Jurdico2. Qualitativo3. EconmicoASPECTO JURDICO*BENS OBRIGAESDIREITOS(*) Condio essencial para que exista um patrimnio. ASPECTO QUALITATIVO* 3. 3Mveis BENS VeculosInstalaes Ttulos a Pagar OBRIGAES FornecedoresContas a PagarDuplicatas a Receber DIREITOS Ttulos a ReceberBancos c/ Movimento(*) a determinao dos elementos que formam o patrimnio. ASPECTO ECONMICO * Mveis 10.000 BENSVeculos 15.000 Instalaes 5.000 Tt. a Pagar 3.200OBRIGAES Fornecedores 2.000 Contas a Pagar 1.000Dupl. a Receber400 INSS a Pagar 800 DIREITOS Ttulos a Rec. 600Bancos c/ Mov. 4.000(*) a avaliao em dinheiro dos componentes patrimoniais.TRABALHO PRTICO - Identificar os componentes patrimoniais abaixo com a letra B (BEM), D (DIREITOS) e com a letra O (OBRIGAES):Automvel Ordenados a Pagar Caminho Impostos Obras de Arte Aluguis a Receber Caixa (dinheiro) Apartamento Contas a Pagar Contas a Receber Duplicatas a Receber Promissrias a Pagar Ordenados a Receber Terras Prestaes a Receber Maquinaria ImveisTRABALHO PRTICO - Classificar no grfico os seguintes componentes patrimoniais: Apartamentos Animais (semoventes) Prestaes a Receber Fornecedores 4. 4 Ttulos a Pagar Impostos a Pagar Veculos Contas a Pagar Aluguis a Pagar INSS a Recolher Duplicatas a Receber P.I.S. a Pagar Letra de Cmbio a Pagar Ordenados a Receber Caixa (Moeda) MercadoriasATIVO *PASSIVO ** BENSOBRIGAES DIREITOS* ATIVO: a parte positiva do patrimnio; considerada a fonte de investimentos. ** PASSIVO: a parte negativa do patrimnio; considerada a fonte de financiamentos.6. SITUAES PATRIMONIAIS A. Patrimnio Lquido= Ativo > ObrigaesB. Passivo a descoberto= Ativo < ObrigaesC. Situao nula ou compensada = Ativo = Obrigaes A) ATIVOPASSIVO OBRIGAESMveis20.000Fornecedores 30.000Veculos36.000Contas a Pagar40.000Mercadorias 14.000Impostos a Recolher 10.000Caixa2.000Sub Total 80.000Bancos c/ Movimento 30.000 Patrimnio Lquido62.000Duplicatas a Receber40.000 142.000Total142.000 ATIVO PASSIVO OBRIGAES 5. 5 Mveis 10.000Fornecedores 80.000 Veculos 30.000Contas a Pagar 50.000 Caixa 5.000Impostos a Pagar 70.000 Mercadorias40.000 Bancos 50.000 Ttulos a Receber15.000 150.000 Passivo a descoberto 50.000 200.000200.000 C) ATIVOPASSIVOOBRIGAES Mveis10.000Fornecedores80.000 Veculos30.000Contas a Pagar50.000 Caixa5.000Impostos a Pagar40.000 Mercadorias 40.000 Bancos50.000 Ttulos a Receber 35.000170.000170.000 TRABALHO PRTICOApure a situao do patrimnio abaixo e inscreva o resultado obtido, sob o ttulo Patrimnio Lquido ou Passivo a Descoberto.ATIVO PASSIVO BENS OBRIGAES Casa Residencial 10.000Prestao a Pagar900 Automvel 4.000Contas a Pagar 200 Mveis e Utenslios 1.000Promissria a Pagar1.900 Dinheiro500 DIREITOS Ord. a Receber 800 Gratificao a Receber 400 Aluguel a Receber300 Soma_______________________Soma___________________________Passivo a Descoberto __________Situao Lquida ___________ _______TOTAL________________ _______TOTAL___________________ _______7 . CONTAAs operaes de uma empresa ocasionam aumentos e diminuies no ativo, no passivo e no patrimnio lquido; sendo que esses aumentos e diminuies so registrados em contas especficas. Utilizam-se contas separadas para representar cada tipo de 6. 6 elemento do ativo, do passivo e do patrimnio lquido. Cada uma dessas contas ser distinguida das demais pela sua denominao.Portando, conta o ttulo que qualifica um componente do patrimnio ou uma variao patrimonial.Sua funo acumular de forma ordenada, os dbitos e crditos da mesma natureza, de maneira que seu saldo represente, no momento considerado, a situao do elemento patrimonial ou da variao patrimonial a que se refere. Dividem-se em:Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo e Patrimnio Lquido) Contas de Resultado (Receitas e Despesas) 8. PLANO DE CONTASO plano de Contas composto de quatro grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS 7. 7Estes grupos por sua vez tambm se dividem em sub grupos, os quais passaremos a analisar: CIRCULANTE (Bens e direitos realizveis num prazo inferior a 365 dias) ATIVOREALIZVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 365 dias)PERMANENTE (Investimentos e bens destinados produo) Como j vimos anteriormente o ATIVO representa a fonte de investimentos (BENS E DIREITOS). CIRCULANTE (Obrigaes exigveis num prazo inferior a 365 dias) PASSIVOEXIGVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a365 dias)RESULTADO DE EXERCCIOS FUTUROS (Receitas recebidas antecipadamente)PATRIMNIO LQUIDO (Capitais prprios) Como j vimos anteriormente o PASSIVO representa a fonte de financiamentos (OBRIGAES). ADMINISTRATIVASDESPESAS: FINANCEIRASVENDASDESPESAS NO OPERACIONAISDespesas: Todo gasto empregado na atividade da empresa. VENDAS RECEITAS:PRESTAO DE SERVIOSFINANCEIRASRECEITAS NO OPERACIONAIS Receitas: Todo valor obtido decorrente da venda dos produtos e servios da sua atividade. MODELO DE UM PEQUENO PLANO DE CONTASATIVOCIRCULANTE(at 360 dias) Caixa Bancos c/ Movimento Duplicatas a Receber Ttulos a Receber Adiantamento a terceiros 8. 8Adiantamento a empregadosMercadorias - EstoqueDespesas do exerccio seguinteREALIZVEL A LONGO PRAZO (acima de 360 dias)Ttulos a ReceberAdiantamentos a terceirosTtulos e valores mobiliriosPERMANENTEInvestimentos Aes de outras companhias Terrenos e Imveis para futura utilizao Imveis no de uso ImobilizadoMveis e UtensliosInstalaesVeculosMarcas e Patentes(-) Depreciao Acumulada DiferidoGastos pr - operacionaisGastos de Implantao de Sistemas e MtodosGastos de Reorganizao(-) Amortizao Acumulada PASSIVOCIRCULANTE (at 360 dias) Ttulos a Pagar Financiamentos Bancrios a curto prazo Duplicatas a Pagar Imposto s/ servios a Recolher INSS a Recolher Imposto de Renda a pagar FGTS a recolher Ordenados a Pagar PIS a Pagar Fornecedores EXIGVEL A LONGO PRAZO(acima de 360 dias) Emprstimos Bancrios Credores Hipotecrios Ttulos a Pagar RESULTADO DE EXERCCIOS FUTUROSReceitas de exerccios futurosCustos e Despesas correspondentes s ReceitasPATRIMNIO LQUIDO Capital 9. 9 Capital Social (-) Capital a IntegralizarReservas de capital Reserva para aumento de Capital Doaes e SubvenesReservas de lucros Reserva legal Reservas EstatutriasPrejuzos acumulados Lucros/Prejuzos Acumulados DESPESAS DESPESAS ADMINISTRATIVASSalrios e OrdenadosFrias13 SalrioINSSF.G.T.S.Aviso Prvio e IndenizaesAssistncia MdicaSeguro Vida em grupoSeguro Acidente do TrabalhoHonorrios da DiretoriaAluguelEnergia EltricaguaTelefoneCorreiosSegurosFretes e CarretosViagens e RepresentaesMaterial de EscritrioRevistas e PublicaesDonativosServios Profissionais de TerceirosDESPESAS FINANCEIRASDescontos concedidosDespesas bancriasJuros pagosDESPESAS NO OPERACIONAISPerdas de Capital - Alienao de ImobilizadoPerdas de Capital - Alienao de InvestimentosRECEITAS RECEITAS COM MERCADORIAS E SERVIOSVendas de MercadoriasReceitas de Servios(-) Dedues da Receita Devolues e Abatimentos 10. 10 Impostos sobre Vendas (-) Custo das Mercadorias e ServiosCusto das Mercadorias vendidasCusto dos Servios prestados RECEITAS FINANCEIRAS Descontos Obtidos Juros Recebidos RECEITAS NO OPERACIONAIS Ganhos de Capital - Alienao de Imobilizado Ganhos de Capital - Alienao de Investimentos Recuperao de Despesas.Obs. Assim como o construtor precisa de uma planta para fazer uma casa, o contador precisa do plano de contas para fazer a contabilidade. TRABALHO PRTICO Do plano de contas da Cia A constavam as contas abaixo relacionadas. Classifique-as em contas do ATIVO, do PASSIVO, de RECEITAS, de DESPESAS.CONTASCONTAS Imveis no de usoMercadorias - Estoque Capital Fretes e Carretos Contas a PagarDonativos Vendas de Mercadorias Juros Recebidos Descontos Obtidos Juros Pagos Salrios e OrdenadosReserva Legal FornecedoresINSS Ttulos a Receber (at 360 dias)Recuperao de Despesas Duplicatas a PagarOrdenados a Pagar 11. 11 InstalaesFGTS a Recolher Descontos Concedidos Bancos c/ Movimento Duplicatas a Receber Material de Escritrio CaixaPrestao de Servios Lucros AcumuladosPrejuzos Acumulados Credores HipotecriosDespesas do Exerccio Seguinte Mveis e UtensliosPIS a Pagar Imposto de Renda a Pagar FriasTRABALHO PRTICO Escreva ao lado de cada componente patrimonial o ttulo da conta a ser utilizada para represent-lo na escriturao contbil.COMPONENTES PATRIMONIAIS TTULO DA CONTA Dinheiro Terreno Mesas e cadeiras de escritrio Apartamentos Mquinas de Escrever Dinheiro depositado no Banco Caminho Direito representado por Duplicata Obrigao representada por Promissria Contas de Luz e gua a Pagar Arquivos de ao Animais Prdio usado pela empresa Prateleiras Divises fixas de ambientes Mquinas registradoras Aes de outras Cias Lucro do Exerccio Mercadorias no ltimo dia do ano9 . LANAMENTOS CONTBEIS O registro de uma operao no livro dirio, denomina-se Partida de Dirio ou Lanamento contbil. Ao conjunto dos lanamentos denominamos ESCRITURAO CONTBIL. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO LANAMENTO: 1. Local e data 2. Conta devedora 3. Conta credora, precedida da preposio a 4. Histrico 5. Valor 12. 12 FRMULAS DE LANAMENTOS: 1. Uma conta devedora e uma credora 2. Uma conta devedora e mais de uma credora 3. Mais de uma devedora e uma credora 4. Mais de uma devedora e mais de uma credora. NOES DE DBITO E CRDITO Alertamos os alunos iniciantes, para no confundir termos da linguagem comum, quando usados na terminologia contbil.Dbito na linguagem popular, significa: - dvida - situao negativa - algum devendo para algum, etc.Quando falarmos na palavra dbito procure no ligar o seu significado do ponto de vista tcnico com o que ela representa na linguagem comum.Na terminologia contbil, essa palavra tem significado antagnico. Quando o aluno principiante no se conscientiza disso, dificilmente aceita que dbito pode representar elementos positivos, o que prejudica sensivelmente a aprendizagem. Portanto, muito cuidado com a terminologia.Crdito na linguagem coloquial, significa: - Situao positiva. - Possuir crdito na praa, poder comprar a prazo, etc.Na terminologia contbil, a palavra crdito tambm possui significado oposto. As mesmas observaes que fizemos para a palavra dbito aplicam-se palavra crdito. MTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS FREI LUCA PACIOLI 1494 - VENEZA ITLIAPOSTULADONo poder haver um devedor sem um credor. A cada dbito contrapem-se um crdito.Sempre que surgir um devedor surgir um credor. O princpio de fcil compreenso; imaginemos que Joo deve $1.000 a algum que o credor; assim temos que: Joo deve $1.000 a Pedro. Como se v, o princpio sobre o qual se assenta o mtodo da Partidas dobradas de fcil compreenso, de comprovao simples e ao alcance de todos.Toda vez que debitarmos uma conta, estar ocorrendo uma das seguintes situaes: Aquisio de direitos; Cessao de obrigaes; 13. 13 Registro de uma despesa; Entrada de bens materiais. Toda vez que creditarmos uma conta, estar ocorrendo uma das seguintes situaes: Aquisio de obrigaes; Cessao de direitos; Registro de uma receita; Sada de bens materiais Representao grfica:DBITO: DIREITOSDESPESASENTRADA DE BENS MATERIAISCRDITO: ODRECEITASSADA DE BENS MATERIAISA) EXEMPLOS: Pela constituio de uma empresa = capital $100.000,00 1. Entrada de dinheiro = Caixa = Debitada 2. Aquisio de Obrigao = Capital = CreditadoB) Venda de mercadorias a prazo: $50.000,00 1. Aquisio de direitos - Duplicatas a Receber - Debitada 2. Sada de mercadorias - Vendas - CreditadaC) Pagamento da Duplicata 001 - $20.000,00 1. Cessao de Obrigao - Fornecedores - Debitada 2. Sada de dinheiro - Caixa - CreditadaD) Folha de Pagamento - $20.000,00 1. Despesa - Salrio e Ordenados - Debitada 2. Aquisio de Obrigao - Salrios a Pagar - CreditadaTRABALHO PRTICO Efetuar os lanamentos abaixo, justificando o porque das contas devedoras e credoras. a) Pagamento ao Contador (autnomo) - $2.000,00 b) Depsito junto ao Banco do Brasil S/A - $50.000,00 c) Emisso do cheque 001 - $1.000,00 - reforo de caixa d) Investimento Fundo de Curto Prazo - Bradesco - $10.000,00 e) Recebimento de comisses atravs de crdito em conta corrente junto ao Banco do Brasil -$1.000,00 f) Compra de um micro computador a prazo - $2.500,00 g) Compra de mercadorias, vista - $60.000,00 h) Venda de mercadorias, vista - $100.000,00 i) Pagamento de duplicata - $25.000,00 j) Compra de mercadorias, a prazo - $30.000,00 k) Recebimento de duplicata - $30.000,00 l) Venda de mercadoria, a prazo - $40.000,00 m)Recebimento por servios prestados - $80.000,00 n) Pagamento de ordenados - $120.000,00TRABALHO PRTICO 14. 14 Dado os lanamentos abaixo, pede-se informar o fato ocorrido. a) Caixaa Bancos c/ Movimentoa Banco do Brasil S/A 5.000,00b) Fornecedoresa Caixa 2.000,00c) Ordenadosa Caixa 25.000,00d) Caixaa Aluguis Ativos 10.000,00e) F.G.T.S.a Bancos c/ Movimentoa Banco do Brasil S/A 1.000,00f) Caixaa Duplicatas a Receber20.000,00g) Mveis e Utensliosa Fornecedores8.000,00 h) Aesa Bancos c/ Movimentoa Banco do Brasil S/A 40.000,00i) Bancos com Movimentoa Caixa 20.000,00 10. LIVRO DIRIOO livro Dirio obrigatrio, exigido pelo Cdigo Comercial Brasileiro em seu artigo n 11; livro essencialmente cronolgico registra, em ordem de dia, ms e ano, todas as operaes contabilizveis verificados na existncia de uma pessoa jurdica. 10.1 INSTRUES DE PREENCHIMENTOA) No incio de cada pgina de dirio ou nas mudanas de ms, a data ser sempre por extenso,sem obedecer s colunas do livro dirio;B) A Conta debitada colocada sempre na margem esquerda do desenho do livro;C) Para significar que a conta esta sendo creditada, a mesma dever conter sempre a sua frente aletra a (minscula). Essa letra a, ser sempre colocada na primeira coluna da esquerda dodesenho do livro dirio;D) Histrico: a discrio sumria da operao que est sendo contabilizada.E) Valor: Para escriturao dos valores, devero ser utilizadas as trs colunas direita da pgina;da seguinte forma: 15. 15 1) Destina-se a registrar valores que fazem parte do histrico do lanamento, tambm chamada de coluna auxiliar do histrico e somente poder ser utilizada nesses casos.2) utilizada quando temos em um nico lanamento mais de uma conta debitada ou mais de uma conta creditada. Nestes casos, os valores debitados ou creditados a cada uma das contas, sero lanados nesta coluna, a soma dos valores ser sempre efetuada na 3 coluna.3) Destina-se sempre a receber o valor total do lanamento, seja qual for a frmula da partida dobrada adotada. Modelo do livro Dirio: 11. LIVRO RAZONo passado as contas eram registradas nas pginas de um livro chamado razo. Hoje so registradas em fichas ou folhas soltas ou em registros especiais, pelo sistema de processamento eletrnico de dados; mas o seu conjunto, mantidas em arquivo, continuam com a mesma denominao razo. Para cada conta deve existir pelo menos uma ficha de razo. Modelos de folhas do livro razo:Conta:Data Contra Partida HistricoDbitoCrditoSaldoD/C Conta:Data Contra Partida HistricoDbitoCrditoSaldoD/C 16. 16 Para simplificar, iremos usar uma representao grfica de conta denominada razonete em T ou simplesmente razonete. (Ttulo da Conta) Lado do Lado doDbitoCrdito O lado esquerdo de uma conta chamado lado do dbito e o lado direito lado do crdito.A diferena entre o total de dbitos e o total de crditos feitos em uma mesma conta em determinado perodo denominado Saldo.Se o valor dos dbitos for maior que o valor dos crditos, a conta ter saldo DEVEDOR, caso ocorrer o contrrio, a conta ter saldo CREDOR. Obs. Convencionou-se, desde o inicio da contabilidade como ns a conhecemos hoje, que todos os itens do lado esquerdo tero saldo denominado devedor e todos os itens do lado direito tero saldo denominado credor. importante que em termos didticos, ningum se prenda a essa nomenclaturas. O que vale saber que item patrimonial est sendo alterado, e se esse item est sendo aumentado ou diminudo.Dessa forma, fcil concluir que dbito um lanamento que aumenta um saldo devedor e crdito um lanamento que aumenta um saldo credor. Assim, podemos agora colocar as regras bsicas para lanamentos de dbitos e crditos:DEVEDOR INVERSO DE CREDORTudo o que aumenta um saldo DEVEDOR um dbito Tudo o que diminui um saldo DEVEDOR um crditoTudo o que aumenta um saldo CREDOR um crdito Tudo que diminui um saldo CREDOR um dbitoDEVEDOR = DBITO CREDOR = CRDITODBITO INVERSO DE CRDITO A escriturao do livro razo no oferece nenhuma dificuldade. um trabalho mecnico, de simples transcrio dos dados do Dirio. Exige, apenas, um pouco de ateno. 17. 17Ex.: So Paulo, 18.01.X0Bancos c/ Movimento Banco do Brasil S/A a Caixa Nosso depsito n 001 no Banco do Brasil 20.000,00Bancos c/ Movimento Caixa Banco do Brasil 20.000,0020.000,00 TRABALHO PRTICO Damos alguns lanamentos abaixo os quais devero ser transcritos no livro razo. a) Instalaesa Caixa 5.000,00 b) Duplicatas a Pagara Caixa 650,00 c) Bancos c/ Movimento (Banco do Brasil)a Caixa1.000,00d) Caixaa Duplicatas a Receber 800,00e) Caixaa Capital 10.000,00f) Duplicatas a Recebera Vendas N.F. 001... 5.000,00 OBS. A pessoa que se dedica escriturao contbil deve possuir, ou desenvolver, esprito de ordem; ser metdica e disciplinada na execuo dos trabalhos, para no ter aborrecimento na hora de apurar os 18. 18 resultados. Transcrever no livro Razo um lanamento por vez e na ordem em que esto no dirio. Nunca pular um lanamento. Registra-se no Razo, primeiro, a conta que, no Dirio, foi debitada; depois, a que foi creditada; repete-se o mesmo com o lanamento seguinte e assim sucessivamente. 12. BALANCETE DE VERIFICAO Vimos que cada operao envolve, geralmente, duas contas: uma ser debitada e a outra creditada sempre pelo mesmo valor; da se conclui que, somando os dbitos de todas as contas, teremos um total que ser igual soma dos crditos de todas as contas. Essa comprovao se faz com o uso do balancete de verificao, se a soma dos dbitos se igualar soma dos crditos, significar que os registros feitos no Dirio e transcritos para o Razo esto corretos. A representao grfica fundamental do balancete de verificao a seguinte:MOVIMENTO DO MS SALDOSCONTAS DBITO CRDITODEVEDORCREDOR Na coluna Contas sero relacionadas todas as contas do livro Razo movimentadas ou no no perodo que se deseja verificar. Na coluna Dbito o total debitado em cada conta. Na coluna Crdito o total creditado em cada conta, durante o perodo. Na seo de colunas Saldos, ser colocado o saldo correspondente a cada conta; conforme a natureza do saldo (devedor ou credor), seu valor ser registrado na coluna adequada.EXEMPLO:BALANCETE DE VERIFICAO EM 31 DE MARO DE 20X0MOVIMENTO DO MSSALDOS CONTAS DBITOCRDITODEVEDORCREDOR Dupl. a Receber20.00015.0005.000 19. 19 Capital 20.00020.000 Caixa 15.000 9.2005.800 Instalaes2.2002.200 Bcos c/ Movimento4.0004.000 Veculos 3.0003.000 Mercadorias6.4006.400 Dupl. a Pagar 7.7007.700 Mveis e 1.3001.300 Utenslios TOTAL 51.90051.90027.70027.700 TRABALHO PRTICO Levantar o balancete de verificao das seguintes contas: Bcos c/ MovimentoMveis e Utenslios Capital 3.0001.0005.000 600 1.600Mercadorias Duplicatas a Pagar Duplicatas a Receber 6.0002.2006.000 1.300 400 1.3001.0009006.0003.5007.0002.500 Caixa 5.0006002.2003.000 400 7.600 3.6004.000BALANCETE DE VERIFICAO EM 30 DE ABRIL DE 20X0MOVIMENTO DO MSSALDOS CONTAS 20. 20DBITOCRDITODEVEDOR CREDOR 13. BALANO PATRIMONIAL vista das informaes constantes do balancete de verificao que se levanta o Balano Patrimonial. As contas patrimoniais com saldos devedores representam os componentes patrimoniais ativos e as contas com saldos credores representam os componentes patrimoniais passivos. Assim, com os dados do Balancete de Verificao levantado em 31 de maro, pode-se montar o Balano Patrimonial, classificando cada conta no respectivo grupo, assim:BALANO PATRIMONIAL EM 31 DE MARO DE 20X0 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTECaixa5.800 Duplicatas a Pagar 7.700Bcos c/ Movimento4.000Mercadorias6.400PATRIMNIO LQUIDODuplicatas a Receber 5.000 21.200Capital 20.000ATIVO PERMANENTEInstalaes2.200Veculos 3.000Mov. e Utenslios1.3006.500 27.70027.700 A soma do Balano ser sempre igual soma das colunas Saldos do Balancete de Verificao, pois os elementos so tirados dessas colunas. Se a soma do Balano no coincidir com as somas das colunas Saldos do Balancete as causas podero ser as seguintes: a) erro nas somas parciais dos grupos; b) erro nas somas gerais; c) erro na transcrio de importncias do Balancete para o Balano. TRABALHO PRTICO Levante o Balano Patrimonial vista do Balancete de verificao levantado em 30 de abril de 20X0:BALANO PATRIMONIAL EM 30 DE ABRIL DE 20X0ATIVOPASSIVO 21. 21 A empresa obrigada a elaborar um Balano por ano; o empresrio pode, entretanto, alm desse Balano anual, levantar quantos Balanos quiser durante o ano e nas pocas que quiser.Recapitulando tudo o que at aqui foi explicado, podemos concluir que o roteiro da escriturao contbil, desde o documento da operao, at o Balano Patrimonial, o seguinte: DOCUMENTOS DIRIO RAZO BALANCETE DE VERIFICAO BALANOEsse o roteiro da escriturao contbil de uma empresa; e exatamente nessa ordem que ela deve ser executada: a operao registrada no Dirio vista do documento comprovante; do Dirio os elementos so transcritos para o Razo; do Razo extrai-se o Balancete de Verificao e pelo Balancete, elabora-se o Balano Patrimonial. 14.1. CONSIDERAES SOBRE O BALANO O Balano consiste em se verificar o equilbrio existente entre o Ativo e o Passivo de um determinado patrimnio. O patrimnio pode apresentar-se sobre dois aspectos:a) Aspecto Dinmico: quando se acha em movimento durante a gesto do exerccio. b) Aspecto Esttico: quando se encontra parado para fins de verificao. 22. 22 O estudo no para todos. O estudo requer alm de investimento financeiro; sacrifcios e renncias Prof. Jos Divanil Spsito Berbel BIBLIOGRAFIA:CONTABILIDADE INTRODUTRIA Equipe de Professores da FEA/USP Editora: Atlas MANUAL DE CONTABILIDADE BSICA Clvis Lus Padoveze Editora: Atlas CONTABILIDADE GERAL Hilrio Franco Editora: Atlas CONTABILIDADE BSICA FCIL Osni Moura Ribeiro Editora: Saraiva CONTABILIDADE BSICA Nelson Gouveia Editora McGRAW-HILL CURSO BSICO DE CONTABILIDADE Marcelo Cavalcanti Almeida Editora: Atlas CONTABILIDADE BSICA Joo Anglico Editora: Atlas