Click here to load reader

157controle sejam específicas, procurando-se métodos menos agressivos ao meio ambiente. Em trabalhos realizados na Embrapa Agroindústria Tropical, foram observados, até o momento,

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 157controle sejam específicas, procurando-se métodos menos agressivos ao meio ambiente. Em...

ISSN 1679-6535Junho, 2010Fortaleza, CE

157

1Engenheiro Agrnomo, D. Sc. em Plantas Medicinais, pesquisador da Embrapa Agroindstria Tropical, Rua Dra. Sara Mesquita, 2270, Pici, CEP 60511-110, Fortaleza, CE, [email protected]

2Engenheiro Agrnomo, D. Sc. em Solos e Nutrio de Plantas, pesquisador aposentado da Embrapa Agroindstria Tropical, Fortaleza, CE.3Engenheiro Agrnomo, Ph. D. em Fitopatologia, pesquisador da Embrapa Agroindstria Tropical, Fortaleza, CE, [email protected] do Curso de Agronomia da Universidade Federal do Cear / Bolsista da Embrapa Agroindstria Tropical.

Foto

: J

oo

Ale

ncar

de

Sou

sa Produo de Mudas de Noni (Morinda citrifolia L.)

Joo Alencar de Sousa1

Antnio Renes Lins de Aquino2

Francisco das Chagas Oliveira Freire3

Perptuo Alio Ferreira e Silva Neto4

IntroduoAtualmente, um nmero expressivo de plantas nati-vas e exticas, com potencial socioeconmico para a regio Nordeste do Brasil, est sendo cultivado de maneira emprica. Entre essas espcies, merece ateno especial a Morinda citrifolia L., pertencente famlia Rubiaceae e popularmente conhecida por noni, pelo seu elevado valor de mercado e adapta-bilidade s condies edafoclimticas do Nordeste brasileiro.

O noni, espcie originria do Sudeste Asitico, vem sendo utilizado pelos habitantes da Polinsia h mais de 2.000 anos (LEN e POVEDA, 2000). encontrado em vrias partes do mundo: regies tropicais da frica (Centro e Sul), Caribe, Austrlia, China, Malsia, Indonsia e ndia. uma espcie que se adapta muito bem s regies costeiras, desde o nvel do mar at 400 m de altitude (LBECK e HANNES, 2001). tolerante a solos salinos e condies de seca.

um arbusto com altura que pode variar de 3 m a 6 m, com folhas grandes e perenes, elpticas e de colorao verde escura. As flores so pequenas, brancas e os frutos, de forte odor, so ovais, com muitas sementes, chegando a pesar 800 g.

uma espcie considerada resistente a estresses biticos e abiticos e de boa longevidade. Quando se desenvolve exposta ao sol e sem a presena de ventos frios, dificilmente infectada por doenas ou atacada por insetos (GERMOSN-ROBINEAU, 1995).

Com aproximadamente um ano de cultivo, o noni comea a produzir seus primeiros frutos, sendo considerado uma espcie precoce. Aps ter iniciado a fase de produo de frutos ela se torna constante, produzindo o ano inteiro (XANGAI, 2006).

A cada parte da planta de noni atribuda uma diferente propriedade medicinal. A casca tem propriedade adstringente e utilizada no tratamento contra malria; as folhas so usadas como analgsico e no tratamento de inflamaes externas; as flores so empregadas no tratamento de inflamaes oculares; o extrato das razes reduz a presso sangunea; as sementes so utilizadas como laxante; e os frutos, que possuem a mais ampla utilizao, so usados como antibactericida, analgsico, anticongestivo, antioxidante, expectorante, anti-inflamatrio, adstringente, emoliente, emenagogo, laxativo, analgsico, hipotensor, purificador do sangue, imunoestimulante e tnico (ELKINS, 1997). Tambm atribuda ao fruto, ao anticancergena (RODRGUEZ e PINEDO, 2005).

2 Produo de Mudas de Noni (Morinda citrifolia L.)

Apesar da grande utilizao e demanda internacional pelos produtos oriundos desta espcie, principalmente o suco dos frutos, bastante recente a tentativa de cultivo do noni no Brasil, que realizado empiricamente por pessoas que trouxeram sementes do Caribe ou da Polinsia e se tornaram, via Internet, vendedores de mudas e sementes.

Diante da ausncia de informaes sobre o cultivo dessa espcie no Brasil, particularmente as relacio-nadas propagao, foi realizado um trabalho de pesquisa na Embrapa Agroindstria Tropical com o objetivo de disponibilizar informaes sobre produo de mudas de noni.

Obteno e Preparo de SementesA propagao sexuada, aquela que utiliza a semente, o mtodo que tem sido utilizado para a propaga-o de noni.

Para a seleo de plantas matrizes fornecedoras de sementes, a preferncia dada s plantas com bom aspecto fitossanitrio, ou seja, livres de doenas ou pragas, boa produo de frutos e frutos com bom tamanho e peso.

Os frutos, quando fisiologicamente maduros encon-tram-se no ponto ideal para retirada das sementes. Contudo, a colheita realizada quando os frutos ainda esto com a polpa firme (de vez), o que dificulta a extrao das sementes, sendo necess-rio aguardar a completa maturao por um perodo de trs a quatro dias, para a retirada das sementes (Figura 1).

No Municpio de Trairi, CE, o peso mdio dos frutos produzidos foi de 166 g, o comprimento mdio de 101 mm e a largura mdia de 56 mm. O rendi-mento de polpa foi em torno de 80% e de semen-tes, 4%. Dessa forma, em um quilo de fruto, foram obtidos, aproximadamente, 40 g de sementes, com peso variando de 0,023 g at 0,044 g, ou seja, com peso mdio de 0,033 g por semente. Portanto, para cada quilo de fruto, foram obtidas em torno de 1.200 sementes.

As sementes so obtidas aps a extrao da polpa. Para isso, os frutos so macerados mecanicamente, utilizando-se uma peneira e gua corrente para a retirada de toda a polpa. Em seguida, as sementes so colocadas para secar sobre papel jornal, em local som-breado e com boa ventilao, por um perodo de trs a

Figura 1. (A) Fruto verde; (B) de vez, ponto de colheita; (C) maduro, ponto ideal para retirada das sementes.

quatro dias, ficando com um teor de umidade em torno de 9%. Recomenda-se a utilizao das sementes com, no mximo, um ms aps a secagem, quando a ger-minao ainda est acima de 60%.

Em trabalhos desenvolvidos pela equipe da Embrapa Agroindstria Tropical, observou-se a necessidade de empregar tratamentos pr-germinativos para abreviar o tempo, aumentar e uniformizar a germina-o das sementes de noni. Foram, ento, realizados experimentos utilizando-se os seguintes tratamentos: imerso em cido sulfrico concentrado (98%) por 1 (1); 5 (2); 10 (3); 15 (4); 20 minutos (5); imerso em gua quente (80C) por 1 (6); 2 (7); 3 minu-tos (8); imerso em gua temperatura ambiente por 24 horas (9) e controle (sem tratamento) (10), sendo avaliados a porcentagem de emergncia e o ndice de velocidade de emergncia. O tratamento pr-germinativo que mais favoreceu a emergncia das plntulas foi a imerso em gua temperatura ambiente por 24 horas. Este tratamento, porm, no superou ao controle (sem tratamento), indicando a necessidade de novos estudos.

ViveiroAs mudas devem ser produzidas em local com 50% de sombreamento, para tanto, deve-se usar tela de sombrite ou cobertura com palha. Aps a germina-

C

BA

Foto

s: Jo

o A

lenc

ar d

e Sou

saFo

to: E

bene

zer

de O

livei

ra S

ilva

3Produo de Mudas de Noni (Morinda citrifolia L.)

o das sementes, diminui-se gradativamente o n-mero de palhas da cobertura, ou retira-se o sombrite nas horas mais frias do dia, at a total retirada do sombreamento. No piso do viveiro deve ser coloca-da uma camada de 5 cm a 10 cm de brita ou seixo, para melhorar o escoamento da gua excedente da irrigao. O comprimento dos canteiros dimensio-nado conforme a quantidade de mudas, porm, a largura deve ser de 1 m, devendo ficar a 50 cm de distncia um do outro, facilitando as operaes de manuteno durante o perodo de enviveiramento das mudas.

SubstratoO substrato indicado para se obter plantas vigoro-sas a mistura de esterco de gado (curtido) com casca de arroz queimada e solo esterilizado, nas propores de 1:1:1, respectivamente. Para cada 20 L desta mistura, acrescentar 500 g da formula-o 4:14:8 (NPK). Caso essa formulao no esteja disponvel, recomendvel a utilizao de 45 g de uria, 390 g de superfosfato simples e 67 g de clo-reto de potssio, tambm para 20 L da mistura.

SemeaduraA semeadura foi feita diretamente em sacos pretos de polietileno, nas dimenses de 15 cm de largura e 28 cm de comprimento, sanfonados e com furos. Devem ser colocadas duas sementes por saco, na profundidade de 0,5 cm.

A germinao teve incio 30 dias aps a semeadura, com 70% das geminaes ocorrendo at os 60 dias, podendo se estender at mais de 120 dias aps a semeadura. Aps a germinao, deve ser eliminada em cada saco a plntula com menor vigor. Quando se deseja uniformidade das mudas, recomenda-se descar-tar as que se formaram aps 60 dias.

IrrigaoA irrigao foi realizada diariamente, mantendo-se o substrato mido. No incio do desenvolvimento das mudas, as irrigaes foram mais frequentes, em intervalos de tempo menores, trs ou quatro irrigaes com 10 a 15 minutos. Com o decorrer do tempo e o desenvolvimento das mudas, alm das con-dies climticas, diminuiu-se o nmero e aumen-tou-se o tempo das irrigaes dirias, at trs dias antes do transplantio para o campo, quando, ento, foi realizada apenas uma nica irrigao por dia.

Controle FitossanitrioAssim como as plantas adultas, as mudas resistem ao ataque de insetos ou fitopatgenos. Contudo, necessrio ficar atento a ataques de insetos que possam diminuir a rea fotossinteticamente ativa das plntulas e, consequentemente, o desenvolvimento das mudas. No caso de doenas, a primeira atitude recomendada a diminuio da irrigao e a remoo do sombreamento, caso as mudas ainda estejam sombreadas. Alm disso, a eliminao imediata das plntulas doentes outra medida a ser tomada. Caso venha a ser observado um ataque de insetos ou patgeno nas mudas do viveiro, importante que o inseto ou patgeno seja devidamente identificado para que as medidas de controle sejam especficas, procurando-se mtodos menos agressivos ao meio ambiente.

Em trabalhos realizados na Embrapa Agroindstria Tropical, foram observados, at o momento, ape-nas sintomas leves de antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) em plantas de noni. No entanto, foi observada a morte de plantas adultas de noni, em virtude da associao entre nematoides-das-galhas (Meloidogyne incognita e M. javanica) e o fungo Lasiodiplodia theobromae (Figura 2).

Figura 2. (A) Planta de noni doente em campo; (B) sistema radicular exibindo galhas; (C) fmea adulta de M. javanica; (D) necrose em

caule e ramos de noni causados pelo fungo L. theobromae.

CBA D

Foto

s: Fr

anci

sco

das

Cha

gas

O.

Frei

re

4 Produo de Mudas de Noni (Morinda citrifolia L.)

Exemplares desta edio podem ser adquiridos na:Embrapa Agroindstria TropicalEndereo: Rua Dra. Sara Mesquita 2270, Pici, CEP 60511-110 Fortaleza, CEFone: (0xx85) 3391-7100Fax: (0xx85) 3391-7109 / 3391-7141E-mail: [email protected]

1a edio: on line (2010)

Comit de Publicaes

Expediente

ComunicadoTcnico, 157

Presidente: Antonio Teixeira Cavalcanti Jnior Secretrio-Executivo: Marco Aurlio da R. Melo Membros: Diva Correia, Marlon Vagner Valentim Mar-tins, Arthur Cludio Rodrigues de Souza, Ana Cristina Portugal Pinto de Carvalho, Adriano Lincoln Albuquer-que Mattos e Carlos Farley Herbster Moura

Supervisor editorial: Marco Aurlio da Rocha Melo Reviso de texto: Jane Maria de Faria Cabral Editorao eletrnica: Arilo Nobre de OliveiraNormalizao bibliogrfica: Rita de Cassia Costa Cid

Ministrio daAgricultura, Pecuria

e Abastecimento

A anlise dos sistemas radiculares das plantas re-velou que a infestao pelos nematoides-das-galhas ocorreu, ainda, no estdio de muda, provavelmente em virtude do substrato arenoso utilizado j estar infestado com ovos e juvenis de segundo estdio. Mesmo que tenha sido um conhecido fitopatgeno, provvel que o fungo L. theobromae j estivesse associado s plantas, aproveitando-se de suas con-dies fisiolgicas resultantes do ataque dos nema-toides. Portanto, fica evidenciada a necessidade de se ter muito cuidado com o preparo do substrato das mudas, com relao infestao por nematoi-des, que podem ser controlados por meio da solari-zao do substrato, antes do plantio, ou mesmo por meio do tratamento do substrato com manipueira fresca.

Referncias ELKINS, R. Noni (Morinda citrifolia) la hierba preciada del pacfico sur. Pleasant Grove: Woodland. 1997. 31 p.

GERMOSN-ROBINEAU, L. Haca una farmacopea caribea. Santo Domingo: Tramil 7. 1995. 696 p.

LEN, J.; POVEDA, L. Nombres comunes de ls plantas em Costa Rica. San Jos: Guayacn. 2000. 870 p.

TransplantioO transplantio das mudas de noni para local definitivo dever ocorrer entre 60 e 70 dias aps a semeadura, quando apresentaram de quatro a seis pares de folhas definitivas (Figura 3). As mudas devem estar sadias e vigorosas. No momento do transporte, indispensvel tomar o mximo cuidado, transportando as mudas preferencialmente em veculo protegido contra o vento. O substrato no deve estar encharcado, nem seco. Alm disso, muito importante o cuidado com os danos aos sacos de mudas para evitar a exposio das razes aos ventos e raios solares, que provocariam danos ao sistema radicular e, consequentemente, ao desenvolvimento inicial das plantas.

LBECK, W.; HANNES, H. Noni el valioso tesoro de los mares del sur. Madrid: EDAF. 2001. 173 p.

RODRGUEZ, F. J. M.; PINEDO, D. M. Mito y realidad de Morinda citrifolia L. (noni). Disponvel em: . Acesso em: 19 dez. 2005.

XANGAI, J. Noni o fruto de mil e uma utilidades. Disponvel em: < http://www2.uol.com.br/pagina20/29072006/c_0229072006.htm>. Acesso em: 29 ago. 2006.

Figura 3. (A e B) Mudas de noni na fase inicial e (C e D) mudas de noni aptas para transplantio.

C

BA

D

Foto

s:

Joo

Ale

ncar

de

Sou

sa