of 26 /26
Projecto – Descobrir a floresta Tema – A floresta e a Biodiversidade Escola EB 2,3 Dr. António Francisco Colaço – Castro Verde

Criando Raízes

  • Upload
    turma8b

  • View
    410

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Criando Raízes

Page 1: Criando Raízes

Projecto – Descobrir a florestaTema – A floresta e a Biodiversidade

Escola EB 2,3 Dr. António Francisco Colaço – Castro Verde

Page 2: Criando Raízes

Decidimos descobrir a floresta do nosso concelho.

Descobrir que espécies existem ou vivem no concelho onde habitamos.

A região de Castro Verde é constituída por extensas zonas de colinas.

Concelho de Castro Verde

Castro Verde é um concelho pertencente ao Distrito de Beja, região do baixo Alentejo.

O concelho de Castro Verde tem 567,2 km2.

Page 3: Criando Raízes
Page 4: Criando Raízes

- É uma Zona de Protecção Especial - uma determinada área de importância comunitária no território nacional.

- Nesta zona aplicam-se medidas necessárias para a manutenção ou restabelecimento do estado de conservação das populações das espécies de aves selvagens inscritas no anexo A-I do Decreto Lei nº 140/99, 24 de Abril e dos seus habitats.

Page 5: Criando Raízes

É uma região de peneplanície vocacionada para a agricultura e

pecuária extensiva.

O que predomina são áreas agrícolas extensivas, desprovidas

de vegetação arbóreo-arbustiva.

Existem montados de azinho de densidade variável, charnecas

dominadas por estevais e olivais tradicionais.

Recentemente tem aumentado a área florestal devido a

florestações recentes de pinheiro manso e azinho.

Page 6: Criando Raízes

Resulta da do cultivo extensivo do cereal de sequeiro, em

regime de rotação com pousios que podem funcionar como

pastagens naturais. Esta paisagem ocupa 82% do concelho.

O Montado de Sobro e Azinho – 13% da área do concelho;

Matas – 4% da área do concelho;

Zonas Húmidas – junto a linhas de água e pequenas albufeiras.

Vamos então à descoberta Vamos então à descoberta da flora e fauna do concelho!da flora e fauna do concelho!

Page 7: Criando Raízes

A azinheira é uma árvore característica de Portugal, no Alentejo.

Vive: Encontra-se em Portugal desde Trás- os-Montes até ao Algarve, mas principalmente no Alentejo interior.

Altura: pode atingir os 20 metros

O Sobreiro é uma árvore característica de Portugal, no Alentejo.

Idade máxima: 350 anos

Semente: Bolota ou lande

Page 8: Criando Raízes

Fruto: bolota ou glande

Idade máxima: até aos 1000 anos

Atenção: Protegida por lei

Espécie folhosa de folha persistente

Fruto: Bolota ou lande

Altura: Pode atingir 20 metros

Atenção: Protegido por lei

Page 9: Criando Raízes

Os buracos das árvoresSão inúmeras as espécies que aproveitam os

buracos de árvores para se abrigarem ou

fazer o ninho.

Page 10: Criando Raízes

As árvores fornecem alimento

Os Sobreiros e as Azinheiras mais velhas

proporcionam excelentes orifícios que atraem

muitas espécies.

Page 11: Criando Raízes

o As folhas são persistentes, lanceoladas, com 3–10 cm de comprimento e 1–2 cm de largura, verde escuro na face superior e mais claro na inferior.

o As flores têm 5–8 cm de diâmetro, com 5 pétalas brancas finas, normalmente com um ponto vermelho a castanho na base de cada uma, rodeando os estames e pistilos amarelos.

o Toda a planta apresenta-se recoberta com um exsudado de resina aromática.

o Tojo ou mato é o nome comum das plantas pertencentes ao género botânico Ulex.

o São plantas típicas da flora atlântica da península Ibérica e de toda a Europa temperada.

Page 12: Criando Raízes

O O rosmaninho é um arbusto pequeno e lenhoso.O Este arbusto pode atingir 1,8m de altura e 1,5

largura.O Nascem no Inverno e na primavera em grupos

de 2 ou 3.O Esta planta e originada nas regiões do

mediterrânio, cresce em zonas muito áridas e secas em solos rochosos e arenosos.

O Este arbusto suporta bem o calor e os Invernos menos chuvosos.

Page 13: Criando Raízes

RépteisCobra-rateira – Malpolon monspessulanos

Mede entre 160 a 230 cm.Alimenta-se de pequenos animais, mamíferos, aves e répteis.É venenosa e vive sobretudo em lugares secos, rochosos e arbustivos

Cobra – ferradura – Coluber hippocrepis

O seu nome é devido a uma mancha escura, em forma de ferradura, localizada na zona posterior da cabeça, o seu comprimento é normalmente de 180 cm e pode ser encontrada normalmente em zonas urbanas.

Page 14: Criando Raízes

BatráquiosSapo – Discoglossus galgon

Os adultos podem atingir os 18 centímetros e a sua pele tem uma aparência verrugosa. Alimenta-se de invertebrados como insectos, aranhas, lesmas…

Rã – verde – Rana perezi

O seu habitat natural são as florestas e matagais temperados, rios e ribeiros, pântanos, terrenos de cultivo, áreas urbanas e etc.

Page 15: Criando Raízes

Estas três espécies são altamente vulneráveis e encontram-se ameaçadas a nível nacional e internacional.

Page 16: Criando Raízes

Nome científico: Nome científico: Otis tardaAve com o maior peso da Europa. Mais de 80% da população nacional encontra-se na ZPE de Castro Verde.

Utilizada como mascote em diversas situações no nosso concelho. Exemplo: Jogos concelhios.

Nome científico: Nome científico: Tetrax tetrax

Na ZPE de Castro Verde regista-se a maior densidade populacional de Sisão do Oeste da Europa.

Nome científico: Nome científico: Falco naumanni

Pequeno falcão migrador que tem na ZPE de Castro Verde as maiores colónias do País.

Page 17: Criando Raízes

Nome científico: Nome científico: Coracia garrulusCoracia garrulusA ZPE de Castro Verde é a principal de área de reprodução do rolieiro em Portugal.

Nome científico: Nome científico: Circus pygargusCircus pygargus

Também conhecido por tartaranhão-caçador.Os voos suaves do Tartaranhão-caçador dominam as searas durante a Primavera.

Nome científico: Nome científico: Pterocles orientalisPterocles orientalisEm Portugal é actualmente uma espécie rara e ameaçada, que apenas sobrevive em certas regiões remotas do interior.

Page 18: Criando Raízes

Nome científico: Nome científico: Grus grusGrus grusExistem quatro zonas onde a espécie se pode considerar regular: as planícies de Castro Verde, as zonas de Moura e Mourão, as planícies de Évora e área de Campo Maior.

Nome científico: Nome científico: Melanocorypha calandraMelanocorypha calandra

As Planícies de Castro Verde são a zona onde é mais abundante, mas também pode avistar-se no vizinho concelho de Mértola e ainda nas zonas de Elvas, Alter do chão, Évora, Mourão e Cuba.

Nome científico: Nome científico: Clamator glandariusClamator glandarius

Alguns dos locais onde surge com mais frequência são: a zona de Nisa, Barragem da póvoa, região de mourão e as Planícies de Évora e Castro Verde.

Page 19: Criando Raízes

Os espojadouros são os locais escolhidos pelo Javali para praticarem os seus banhos de lama. Perseguem cobras. O aumento de javalis tem levado à diminuição das cobras existentes.

A Geneta possui uns olhos

grandes e dilatados, uma

cauda longa e o corpo com

pelagem malhada, que a

faz passar despercebida na

copa das árvores.

Page 20: Criando Raízes

▫ A Lebre aparece em grande densidade no Alentejo.

▫ O seu abrigo é feito nas ervas, consistindo numa pequena depressão aberta ou coberta por herbáceas mais compridas, normalmente designada por cama.

▫ Espécie cinegética de pêlo, bastante apreciada pelos caçadores portugueses, pois era, até meados do século passado, muito abundante.

Page 21: Criando Raízes

No dia 4 de Maio de 2011, realizámos uma saída de campo.

Page 22: Criando Raízes

Na nossa saída de campo vimos azinheiras e sobreiros.

Page 23: Criando Raízes

A nossa foto de grupo ( 8ºB e 8ºA) para finalizar.

Page 24: Criando Raízes

A entidade que actua no nosso concelho, e que foi nosso parceiro

neste projecto é a LPN – Liga para a Protecção da Natureza.

O objectivo principal da LPN principal é contribuir para a conservação

do património natural, da diversidade das espécies e dos

ecossistemas.

A LPN possui um Centro de Educação Ambiental em Castro Verde no

Vale, Gonçalinho.

A LPN procura preservar o habitat existente através de parcerias com

a Câmara Municipal e a Associação de agricultores.

Page 25: Criando Raízes

No nosso concelho a floresta é de montado de azinho e sobro.

Apesar da maior da maior parte do concelho ser uma estepe

cerealífera verificamos que é um concelho muito rico em

biodiversidade, principalmente em aves.

Por essa razão tornou-se uma área protegida.

Page 26: Criando Raízes

Bibliografia/WebgrafiaSeguimento de aves via satélite. Disponível em: http://seguimentodeaves.domdigital.pt/ Visitado em: 05-05-2011

Life estepárias. Disponível em: http://www.lifeesteparias.lpn.pt/. Visitado em 28-04-2011

Aves de Portugal. Disponível em: http://www.avesdeportugal.info . Visitado em 28-04-2011

Câmara de Castro Verde . Disponível em: http://www.cm-castroverde.pt/. Visitado em 28-04-2011

Blogue sobre animais em vias de extinção . Disponível em: http://realturma6f.blogspot.com/ Visitado em 5-05-11

Blogue de fotos online. Disponível em: http://olhares.aeiou.pt/azinheira_foto452730.html Visitado em 7-04-11

Wikipédia cobra rateira. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cobra-rateira Visitado em 7-04-11

Wikipédia rã verde. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/R%C3%A3-verde Visitado em 28-04-11

Wikipédia sapo-comum. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sapo-comum Visitado em 05-05-11

Wikipédia cobra-ferradura. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cobra-ferradura Visitado em 05-05-11

Castro Verde – Olhar sobre a planície. Edição LPN.