Crimes Eleitorais - Marcos Ramayama

Embed Size (px)

Text of Crimes Eleitorais - Marcos Ramayama

Aulas do Marcos Ramayama ((2011)) CRIMES ELEITORAIS Os crimes eleitorais tem previso no cdigo eleitoral do art. 289 ao 354 se eu no me engano. So crimes eleitorais do cdigo. Outra parte tambm que est deficiente. E ns temos tambm crimes eleitorais na lei 6091/74, no art. 11. Essa lei uma lei que nesse artigo 11, e especialmente nesse inciso 3, tem uns crimes que so de transportes de eleitores residentes em zonas rurais, mas serve tambm para as zonas urbanas, no dia das eleies. Isso acontece aqui em Campo Grande, Santa Cruz, Bangu, uma vez at prendi um cara numa Combi, em Vigrio Geral. Eu fui com o juiz Grandineti que hoje desembargador atrs de uma Combi e encontramos uma empresa de transporte do Estado que prestava servios ao governo, fazendo transporte de eleitores para o candidato. crime. O Grandineti foi na frente, bateu na porta, e disse eu sou juiz abre a porta. O cara perguntou: O Sr. tem mandado? Ele disse: No, eu sou o mandado. Eu sou juiz, estou fiscalizando aqui. O cara daqui a pouco abriu a porta e saiu correndo. Eu e o juiz dentro de Vigrio Geral, onde houve aquela chacina, antes da chacina, de palet e gravata ali. Tinha uma cara com a gente, o motorista, de Furnas, que era requisitado, dirigindo uma Parati velha, e a gente em Vigrio Geral atrs das Combis. Quando abriu a porta veio um cachorro em cima do juiz, depois que a gente fechou a porta, veio a polcia federal em nosso apoio. A cercamos tudo e prendemos o material de propaganda. Ou seja, a lei 6091/74 tem esse crime de transporte de eleitores no dia da eleio. No pode o candidato fornecer esse transporte e ali colocar alimentos propaganda etc. crime eleitoral. Ns temos um crime na lei complementar 64/90, no art. 25, que a lei das inelegibilidades, que um crime de entrar com essas aes temerariamente, propor a AIJE de forma temerria. um crime para amedontrar o litigante. Hoje voc tem no CPC a litigncia de m-f, ento voc pode aplicar subsidiariamente o CPC, mas est l na LC. E temos crimes na Lei 9504, que uma lei importantssima, que inclusive no art. 39, 5, incisos I e II, o crime de boca de urna. Divulgao, no dia da eleio, de propagandas ilegais. Ns temos, portanto, que observar que os crimes eleitorais no esto apenas em uma lei. A NATUREZA JURDICA DOS CRIMES ELEITORAIS. Os crimes eleitorais so considerados crimes comuns.

Eles no so crimes polticos, embora quando ocorre um crime eleitoral, haja uma tendncia de se dizer que houve um crime poltico. Mataram um vereador, matar um vereador um prefeito, praticar um crime assim de homicdio contra um candidato no homicdio privilegiado nem qualificado, um homicdio que pode ser privilegiado ou qualificado, em razo das circunstncias, mas no h uma especificidade no art. 121 sobre isso. Matar autoridade. E isso no crime eleitoral. Mataram na ltima eleio de vereador o marido da prefeita de Mag, a a imprensa disse: Crime Poltico em Mag . No crime poltico. Claro que por trs poderia ter uma inteno de propaganda, mas o crime de homicdio em si no . Outra coisa: os crimes polticos no Brasil esto na lei de segurana nacional. LSN, que ainda no foi revogada. E na Lei de Segurana Nacional, lei 7170 de 1983, no art. 2 adotada a teoria mista do direito italiano de Vincenzo Manzini, que considera crime poltico no Brasil, o bem jurdico atingido pelo delinqente, pelo infrator, e a inteno de subverter o regime poltico. Ou seja, h muitos anos foi pego um ex coronel do exrcito que tinha muitos seguidores e que estava morando em uma regio de mata no Brasil, e ele foi pego com granadas, armas, um plano estratgico para invadir Braslia, tipo um Bin Laden. Queria explodir aquilo, tomar conta e instituir um novo regime poltico no Brasil. Esse caso foi enquadrado na lei de segurana nacional, porque a inteno dele era subverter o regime. Ento a lei de crime poltico isso: subverter o regime. adotada essa teoria mista. Isso que eu estou falando, est no Damsio, Greco, Cezar Roberto Bittencourt, esses autores todos. Na Alemanha, a teoria objetiva de Franz Von Liszt, que tem at traduzido no Brasil. Como os alemes adoram durante muito tempo o nazismo, l o crime poltico jogar uma pedra, atingir o bem jurdico, no interessa a inteno, se eu jogar uma pedra no carro do Hitler crime poltico. L adotada a teoria objetiva do crime poltico, basta atingir o carro do presidente. Na Espanha adotada a teoria subjetiva. L tem o Luiz Jimnez de Asa, que o penalista citado no Brasil. No crime poltico, apenas a inteno que avaliada. No Brasil Nelson Hungria trouxe a doutrina italiana pra c. Ento ns adotamos a teoria italiana. Na teoria mista da lei de segurana nacional. Ento o crime eleitoral um crime comum e tambm embora esteja em leis penais especiais ele tambm considerado um crime especial. Mas no crime de responsabilidade luz da Constituio. A Constituio faz a distino entre crimes de responsabilidade e crimes comuns. Ento o eleitoral sendo um crime comum, embora esteja em uma lei penal especial, ele considerado um crime comum para fins de diviso da Constituio. Porque a Constituio no tem crime especial, comum ou de responsabilidade. Se tivesse, o crime eleitoral seria um crime especial.

Qual a concluso prtica disso? No CP, art. 74, II, diz que o crime poltico (e tamb os militares) no gera reincidncia. Ento sendo o crime eleitoral um crime comum ele acarreta a reincidncia. Isso uma boa pergunta para o concurso. O crime eleitoral gera reincidncia? Gera. Porque ele um crime comum, no um crime poltico. Ento se eu pratiquei um crime de boca de urna e fui condenado e no prazo de 5 anos, sem ocorrer a prescrio da reincidncia eu voltei a delinqir, vai contar isso pra fins de reincidncia. Existe uma classificao dos crimes eleitorais. Porque o problema do crime eleitoral outro erro do legislador. Ele no se preocupou, como no CP, crimes contra a vida, crimes contra o patrimnio, crimes contra a Administrao Pblica. O legislador eleitoral passou por cima disso. Ele foi colocando os delitos em uma ordem seqencial, mas no separou por ttulos. Ento os autores apresentam uma classificao no sentido de enquadrar os delitos em um bem do direito jurdico eleitoral atingido. Crimes contra o alistamento eleitoral, por exemplo, o crime do 289 do cdigo eleitoral. Art. 289. Inscrever-se fraudulentamente eleitor: Pena - Recluso at cinco anos e pagamento de cinco a 15 dias-multa. Aquela histria de 200 eleitores morando num poste. Voc est atingindo a fase do alistamento. Ns temos crimes contra a propaganda. Por exemplo a boca de urna, o 39, 5, inciso II, da lei 9.504. Art. 39. A realizao de qualquer ato de propaganda partidria ou eleitoral, em recinto aberto ou fechado, no depende de licena da polcia. 5 Constituem crimes, no dia da eleio, punveis com deteno, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestao de servios comunidade pelo mesmo perodo, e multa no valor de cinco mil a quinze mil UFIR: I - o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoo de comcio ou carreata; II - a distribuio de material de propaganda poltica, inclusive volantes e outros impressos, ou a prtica de aliciamento, coao ou manifestao tendentes a influir na vontade do eleitor. II - a arregimentao de eleitor ou a propaganda de boca de urna; (Redao dada pela Lei n 11.300, de 2006)

III - a divulgao de qualquer espcie de propaganda de partidos polticos ou de seus candidatos, mediante publicaes, cartazes, camisas, bons, broches ou dsticos em vesturio. (Includo pela Lei n 11.300, de 2006) III - a divulgao de qualquer espcie de propaganda de partidos polticos ou de seus candidatos. (Redao dada pela Lei n 12.034, de 2009) Ns temos crimes contra a votao, por exemplo, temos um crime muito interessante, que at cai muito em prova: crime de atentado. O que crime de atentado? quando o tipo penal prev a tentativa e equivale tentativa ao crime consumado. No cdigo eleitoral ns temos tentar votar ou votar em lugar de outrem , ento se pune a tentativa com a mesma pena do crime consumado. Critica-se essa questo do crime de atentado, porque viola, me parece o princpio da proporcionalidade da pena. Agora me faltou o princpio. Temos crimes contra a Administrao da Justia Eleitoral, por exemplo, no atender s requisies do TRE, corregedoria, ns temos o crime do art. 347, do cdigo eleitoral que a desobedincia as instrues e ordens. Art. 347. Recusar algum cumprimento ou obedincia a diligncias, ordens ou instrues da Justia Eleitoral ou opor embaraos sua execuo: Pena - deteno de trs meses a um ano e pagamento de 10 a 20 dias-multa. Existem certas questes, por exemplo, s vezes as sees eleitorais ficam em bancos etc. E aquelas empresas so obrigadas a ceder espao para a justia eleitoral sob pena de configurar crimes que vo afetar a administrao dos trabalhos da justia. Temos o crime de mesrio faltoso, que o 344, por exemplo. Crimes que atingem esses bens jurdicos. Art. 344. Recusar ou abandonar o servio eleitoral sem justa causa: Pena - deteno at dois meses ou pagamento de 90 a 120 diasmulta. Temos crimes de falsidade tambm, falsidade ideolgica, 350, falsidade documentais, o Tiririca estava at suspeito disso porque ele teria falsificado um documento. Em Paraba do Sul, eu no sei se eu falei disso aqui. Quatro vereadores tentaram falsificar certificado para comprovar que no era analfabeto, teve gente que falsificou documento para poder ser candidato. Voc tem, por exemplo, falsificao de endereo. Certos documentos, falsificar o ttulo. Ns apreendemos alguns ttulos falsos. Tanto que agora o TSE est adotando o sistema de biometria. A identificao biomtrica.

Ento gente, quanto classificao s isso, por ora. Ns no temos tempo. Se tiver mais um tempo de aula, ns voltamos a tratar dos crimes em espcie do processo penal. FIM

Bom dia a todos. Olha aqui, eu queria fazer o seguinte com vcs. Hoje a ltima aula, presta ateno! Hoje, ns vamos falar dos crimes, no isso? J estvamos falando, n? Faltou os crimes em espcie (alguns) e o processo penal. Mas antes, eu queria, aqui d