criminologia delegado

  • View
    276

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of criminologia delegado

A CRIMINOLOGIA NO SCULO XXI Eduardo Luiz Santos Cabette, Delegado de Polcia, Especialista em Direito Penal e Criminologia, Mestre em Direito Social (enfoque em Processo Penal), Professor de Direito Penal, Processo Penal, Legislao Penal e Processual Penal Especial e Criminologia na graduao e ps graduao da Unisal. RESUMO: O texto apresenta a evoluo do pensamento criminolgico, passando pelos suas diversas fases at a moderna configurao crtica. Pe em destaque especialmente os momentos de alterao epistemolgica no trato dos problemas criminais, desde o surgimento do interesse nos estudos criminolgicos at o desenvolvimento desse pensamento de acordo com novos paradigmas de conhecimento. SUMRIO: 1. Introduo - 2. Conceito e objeto da criminologia - 3. A evoluo do pensamento criminolgico: 3.1 Preliminares; 3.2 A escola liberal Clssica do Direito Penal; 3.3 O Positivismo e o nascimento da criminologia: Criminologia Clnica e Criminologia Sociolgica; 3.3.1 O Positivismo; 3.3.2 Criminologia Clnica e Criminologia Sociolgica; 3.3.3 Teorias Estrutural - Funcionalistas; 3.4 A Nova Criminologia: Criminologia Crtica, Dialticas, Radical, Interacionista ou da Reao Social; 3.4.1 Preliminares; 3.4.2 "Labeling Approach" ou Teoria da Reao Social; 3.4.3 A Sociologia do Conflito e a Criminologia - 4. Concluso - 5. Referncias Bibliogrficas. PALAVRAS - CHAVE: Criminologia - Criminologia Clnica - Criminologia Sociolgica - Criminologia Crtica - Criminologia Integrada - Positivismo - Direito Penal - Estrutural Funcionalismo - "Labeling Approach" - Reao Social - Defesa Social - Sociologia Criminal - Sociologia do Conflito.

1 - INTRODUO

O estudo do fenmeno criminoso sempre esteve em pauta e na atual fase do desenvolvimento social, marcada por uma forte heterogeneidade a acirrar os ensejos de conflito, torna-se tema obrigatrio e de alta relevncia. A cincia em qualquer de seus ramos deve contextualizar-se e tomar conscincia do seu papel social, pois que ela "est no mago da sociedade e, embora bastante distinta dessa sociedade, inseparvel dela, isso significa que todas as cincias, incluindo as fsicas e biolgicas, so sociais."1 preciso ter em mente o enorme potencial transformador do conhecimento e do trato cientfico dado a um problema. Um modelo ou uma espcie de abordagem imprimidos a determinadas questes levar a conseqncias prticas positivas ou negativas. Morin adverte para essa realidade ao asseverar: "E, no entanto, essa cincia elucidativa, enriquecedora, conquistadora e triunfante, apresenta- nos, cada vez mais, problemas graves que se referem ao conhecimento que produz, ao que determina, sociedade que transforma. Essa cincia libertadora traz, ao mesmo tempo, possibilidades terrveis de subjugao. Esse conhecimento vivo o mesmo que produziu a ameaa do aniquilamento da humanidade. Para conceber e compreender esse problema, h que acabar com a tola alternativa da cincia 'boa', que s traz benefcios, ou da cincia 'm', que s traz prejuzos. Pelo contrrio, h que, desde a partida, dispor de pensamento capaz de conceber e de compreender a ambivalncia, isto , a complexidade intrnseca que se encontra no cerne da cincia."2 Transportando estas observaes para a questo do pensamento criminolgico, constata-se a necessidade de buscar a construo de um saber complexo, evitando reducionismos, preconceitos e idealizaes que distoram a realidade e produzam concluses que orientem aes meramente simblicas,1 2

Edgar MORIN, Cincia com conscincia, p. 20. Ibid., p. 16.

incapazes de ensejarem transformaes efetivas, mas, ao contrrio, atuando como elementos reprodutores e perpetuadores de um quadro social marcado pela violncia e desigualdade. No decorrer deste trabalho procurar-se- expor sumariamente o caminho percorrido pelo pensamento criminolgico, desde o seu surgimento at a atualidade, propiciando a constatao dos frutos (positivos e negativos) produzidos em conformidade com o referencial terico adotado para o estudo do fenmeno criminal.

2 - CONCEITO E OBJETO DA CRIMINOLOGIA

A conceituao e a delimitao do campo de atuao da criminologia apresenta uma variao de acordo com o modelo de interpretao do surgimento do fenmeno criminal. Etimologicamente, criminologia deriva do latim "crimino" (crime) e do grego "logos" (tratado ou estudo).3 Trata-se, portanto, consensualmente, do estudo do crime. Entretanto, podem variar as naturezas das abordagens aplicadas a este estudo, de modo a implicarem em diversas concepes da cincia criminolgica. Pode-se falar de um verdadeiro divisor de guas entre uma concepo tradicional da criminologia e a revoluo que emergiu com o florescimento da chamada "Nova Criminologia" ou "Criminologia Crtica". Essa guinada conceitual constitui, em verdade, o cerne da evoluo criminolgica e o principal tema desta exposio. Tradicionalmente o crime era encarado como uma realidade em si mesmo, ou seja, ontologicamente considerado. O criminoso como um indivduo diferente, anormal ou at mesmo patolgico. Desse modo todos os esforos eram alocados para as pesquisas em torno dos fatores produtores da delinqncia e os

3

Newton FERNANDES, Valter FERNANDES, Criminologia integrada, p. 24.

mecanismos capazes de prevenir, reprimir e corrigir as condutas desviantes. Crime e criminoso vistos como entes naturais, embora deletrios. A Criminologia Crtica abandona definitivamente tais concepes e desmistifica a crena no crime como realidade ontolgica e natural, bem como a ideologia da figura do criminoso como um anormal. "A considerao do crime como um comportamento definido pelo direito, e o repdio do determinismo e da considerao do delinqente como um indivduo diferente, so aspectos essenciais da nova criminologia."4 Essa mudana de enfoque possibilita a concluso crucial para um estudo mais realista, de que "o delito no um ente de fato, mas um ente jurdico". "O delito um ente jurdico porque sua essncia deve consistir, indeclinavelmente, na violao de um direito."5 Durkheim assinala que o crime um fato rotineiramente tomado como patolgico pela maioria dos criminologistas, devido a uma atitude precipitada e irrefletida. Afinal de contas o crime no encontrvel somente em certas sociedades com estes ou aqueles caracteres. Trata-se de algo presente em toda e qualquer sociedade; um elemento constante. Nem mesmo a evoluo social conduz, juntamente com o seu maior nvel organizativo, a um decrscimo nos ndices de criminalidade. Na verdade, opera-se justamente o oposto: nas sociedades mais complexas ocorre um avano da criminalidade. "No h, portanto, fenmeno que apresente de maneira mais irrefutvel todos os sintomas de normalidade, dado que aparece como estreitamente ligado s condies de qualquer vida coletiva. Transformar o crime numa doena social seria admitir que a doena no uma coisa acidental mas que, pelo contrrio, deriva, em certos casos, da constituio fundamental do ser vivo; seria eliminar qualquer distino entre o fisiolgico e o patolgico"6 Tendo em vista essa alterao do enfoque epistemolgico, observar-se- uma grande diferena entre os conceitos tradicionais de criminologia e aquele hoje preconizados pelos autores crticos.4 5

Alessandro BARATTA, Criminologia Crtica e crtica do Direito Penal, p. 30. Francesco CARRARA, Apud, Ibid., p. 36. 6 mile DURKHEIM, As regras do mtodos sociolgico, p. 82 - 83.

Em um primeiro plano pode-se destacar alguns conceitos que bem ilustram a concepo tradicional: Edwin H. Sutherland define a criminologia como "um conjunto de conhecimentos que estudam o fenmeno e as causas da criminalidade, a personalidade do delinqente, sua conduta delituosa e a maneira de ressocializlo."7 Em sintonia com esse modelo tambm pode-se arrolar a definio de Newton Fernandes e Valter Fernandes: "Criminologia a cincia que estuda o fenmeno criminal, a vtima, as determinantes endgenas e exgenas, que isolada ou cumulativamente atuam sobre a pessoa e a conduta do delinqente, e os meios labor - teraputicos ou pedaggicos de reintegra-lo ao agrupamento social".8 Ainda nesta mesma linha de pensamento apresenta-se a conceituao de Frederico Marques, para quem "a criminologia a cincia que cuida das leis e fatores da criminalidade, consagrando-se ao estudo do crime e do delinqente, do ponto de vista causal - explicativo".9 Estes so apenas alguns exemplos de conceituao fulcradas na aceitao do crime como entidade natural e do criminoso como sujeito anormal. Verifica-se claramente um intento de obter uma determinao daquilo que causaria o fenmeno da criminalidade, seja como fator intrnseco no ser - humano, seja como algo proporcionado pelo ambiente. De qualquer forma, opera-se um corte epistemolgico artificial entre o crime (pretensamente tomado como realidade ontolgica) e as normas jurdicas produzidas pela vida social, afora a total ausncia de preocupao com a atuao do sistema penal. Enfim, desconsiderase a caracterstica fundamental do fenmeno criminal, ou seja, sua realidade essencialmente normativa. Considerando essa concepo tradicional, o objeto de estudo da criminologia cinge-se basicamente etiologia e profilaxia do crime.

7 8

Apud, Newton FERNANDES, Valter FERNANDES, Criminologia integrada, p. 24. Ibid., p. 25. 9 Jos Frederico MARQUES, Curso de Direito Penal, Volume 1, p. 52.

Por seu turno, a "Nova Criminologia" apresenta conceituaes bastante diferenciadas, ensejando uma ingente reformulao na conduo dos estudos do fenmeno criminal. Zaffaroni e Pierangeli conceituam a criminologia como "a disciplina que estuda a questo criminal do ponto de vista biopsicossocial, ou seja, integra-se com as cincias da conduta aplicadas s condutas criminais".10 Para os criminologistas radicais ou crticos a criminologia a cincia que estuda a gerao do fenmeno delinqencial pela ordem social, buscando uma prtica social transformadora, com profundas e radicais alteraes nas estruturas sociais como meio para o equacionamento do problema do crime e da criminalidade.11 Dessa forma, no s o conceito, mas tambm o obje