Cristofani Estudo Biblico Oração

  • View
    13

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Dr. Cristofani Estudo Biblico Oração

Text of Cristofani Estudo Biblico Oração

  • Jesus nos ensina a orarEstudo bblico sobre a orao

    Jos Roberto Cristofani

  • Jesus nos ensina a orar

    Estudo bblico sobre a orao

    Jos Roberto Cristofani

    Boa Nova Educacional

    2015

  • Este um estudo bblico dirigido.

    Voc l.Voc preenche.Voc aprende.

    s clicar nos campos destacados e preench-los.Bom trabalho!

  • Jos Roberto Cristofani 4

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    Introduo

    Nossa vida com Deus uma vida de dilogo. Deus estabeleceu canais para que estivssemos sintonizados com Ele o tempo todo. A Bblia o canal que Deus utiliza para que conheamos sua bendita vontade. A orao o canal que usamos para responder vontade do nosso Pai celestial.

    Atravs da orao que podemos apresentar ao Senhor nossos anseios, nossa splica e nossa ao de graa. por meio da orao, tambm, que podemos interceder pelos nossos irmos e por nossas irms.

    Assim, neste estudo, vamos aprender algumas lies preciosas sobre a orao e seus desdobramentos. E para isso, nada melhor do que iniciarmos pela orao que o Senhor Jesus ensinou aos seus discpulos, a assim chamada Orao Dominical ou, mais propriamente, O Pai Nosso.

    I. E orareis assim ...

    A orao que Jesus ensinou aos seus discpulos foi preservada e transmitida em dois textos: Mateus 6.9-13 e Lucas 11.1-3. Vamos considerar o texto de Mateus em primeiro lugar. Depois trataremos do registro de Lucas.

    9 Pai nosso, que ests nos cus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu reino; faa-se a tua vontade, assim na terra como no cu; 11 o po nosso de cada dia d-nos hoje; 12 e perdoa-nos as nos-sas dvidas, assim como ns temos perdoado aos nossos devedores; 13 e no nos deixes cair em tentao; mas livra-nos do mal pois teu o reino, o poder e a glria para sempre. Amm! (Mateus 6.9-13)

    Ao lermos atentamente essa orao podemos notar que ela gira em torno de duas pessoas: Deus Pai, a quem dirigida as peties, e a comunidade que ora. Com base

  • Jos Roberto Cristofani 5

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    nessa observao, ento, podemos dividir assim a orao:

    Primeiro grupo - Trs peties acerca de Deus Pai:

    1. Santificado _____________________________. 2. Venha _____________________________. 3. Faa-se _________________________________.

    Segundo grupo - Quatro peties a favor da prpria comunidade:

    1. _______________________________________________. 2. _______________________________________________. 3. _______________________________________________. 4. _______________________________________________.

    Cada grupo de peties tem em vista um ensinamento para ns. Assim, o primeiro grupo, as peties acerca de Deus Pai, quer mostrar que a pessoa (teu nome), o projeto (teu reino) e a vontade (tua vontade) de Deus devem ocupar o primeiro lugar em nossas preocupaes e oraes.

    Em sua opinio, o que significa que Deus deva ocupar o primeiro lugar em nossas oraes?

    Escreva uma pequena orao na qual apaream apenas as peties dirigidas a Deus.

  • Jos Roberto Cristofani 6

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    O segundo grupo, as peties a favor da prpria comunidade, quer ensinar que as nossas necessidades de alimento (po nosso), de perdo (dvidas) e de livramento (cair em tentao, livra-nos do mal) so preocupaes legtimas que devemos apresentar diante de Deus.

    Em sua opinio, quais outras necessidades dirias ns deveramos apresentar em orao ao Pai Celeste?

    Note, tambm, que a orao feita toda no plural. Anote quantas vezes aparece o plural.

    Anotou? Ento diga: Em sua opinio o que pode significar o uso do plural nes-sa orao?

    Apesar de o Pai Nosso girar em torno de Deus e da comunidade de f, h outro elemento importante a ser notado. Na segunda petio do segundo grupo, aquela sobre o pedido de perdo, h uma condio para que se possa fazer essa petio.

    Qual essa condio?

    ... assim como ns _____________________________________.

    Uma pequena explicao sobre essa condio dada nos versculos 14 e 15.

    14 Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, tambm vosso Pai celeste vos perdoar; 15 se, porm, no perdoardes aos

  • Jos Roberto Cristofani 7

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoar as vossas ofensas. (Mateus 6.14 e 15)

    Esses versculos explicam a condio para o perdo e ampliam o significado da palavra dvidas. Ao substitui-la por ofensas os vv.14-15 tornam mais abrangente o mbito do perdo, isto , no perdoar apenas as dvidas, mas tambm as ofensas que cometemos contra o nosso prximo. Portanto, para pedir perdo a Deus necessrio estar com a vida em dia com o prximo.

    Faa uma comparao do que acabamos de afirmar entre Mateus 5.23-24 e Marcos 11.25.

    23 Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmo tem alguma coisa contra ti, 24 deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmo; e, ento, voltando, faze a tua oferta. (Mateus 5.23-24)

    25 E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra al-gum, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas. (Marcos 11.25)

    O que podemos concluir dessa comparao?

    O texto de Lucas 11.1-3 traz uma verso modificada da orao do Pai Nosso que encontramos em Mateus.

    1 De uma feita, estava Jesus orando em certo lugar; quando ter-minou, um dos seus discpulos lhe pediu: Senhor, ensina-nos a orar como tambm Joo ensinou aos seus discpulos. 2 Ento, ele os ensinou: Quando orardes, dizei: Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; 3 o po nosso cotidiano d-nos de dia em dia; 4 perdoa-nos os nossos pecados, pois tambm ns perdoamos a todo o que nos deve; e no nos deixes cair em tentao. (Lucas 11.1-3)

  • Jos Roberto Cristofani 8

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    Colocando as duas oraes lado a lado voc seria capaz de apontar as dife-rena entre as duas?

    As diferenas apontadas acima indicam, entre outras coisas, que possvel fazer variaes na orao a partir de um modelo bsico.

    II. E no orareis assim ...

    O texto de Mateus sobre a orao tem, tambm, um lado negativo, ou seja, ele ensina como no devemos orar. Para mostrar isso o texto apresenta dois exemplos de orao feita de maneira errada. A primeira forma a seguinte:

    5 E, quando orardes, no sereis como os hipcritas; porque gostam de orar em p nas sinagogas e nos cantos das praas, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles j receberam a recompensa. 6 Tu, porm, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orars a teu Pai, que est em secreto; e teu Pai, que v em secreto, te recompensar.(Mateus 6.5-6)

    Segundo sua compreenso dos versculos acima qual o problema com a orao dos hipcritas? O modo (em p nas sinagogas e ... praas) ou a motivao (para serem vistos)?

  • Jos Roberto Cristofani 9

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    Explique:

    Jesus faz uma crtica em relao motivao dos hipcritas, pois gostam de ser vistos pelos homens. Assim, j receberam sua recompensa que a admirao e os aplausos da plateia.

    H, no texto, alguma indicao de como essa prtica pode ser evitada?

    ( ) sim ( ) no

    Qual? _______________________________________________________.

    Em sua opinio, mesmo uma pessoa estando a ss no quarto possvel que ela tenha uma motivao errnea para orar?

    Explique:

    A segunda maneira errada de orar expressa nos versculos 7-8:

    7 E, orando, no useis de vs repeties, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar sero ouvidos. 8 No vos asse-melheis, pois, a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que ten-des necessidade, antes que peais a ele. (Mateus 6.7-8)

  • Jos Roberto Cristofani 10

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    Qual o problema na orao dos gentios?

    Mateus 26.44 registra que Jesus estava orando e ...foi orar pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras.

    Comparando os dois textos de Mateus, podemos entender que vs repeties no se referem insistncia na orao, e, sim, ao uso de palavras desnecessrias e vazias de significado. Talvez vs repeties se refiram, tambm, s frmulas de rezas que os fariseus faziam na poca de Jesus.

    Pense nisso: Se Deus sabe do que necessitamos antes que lhe peamos, para que orar?

    Se a orao no para informar a Deus sobre nossas necessidades, pois Ele as conhece todas, no seria, ento, a orao a expresso da nossa dependncia de Deus?

    O que voc acha?

    Outra maneira errada de orar pode ser encontrada em Tiago.

    1 De onde procedem guerras e contendas que h entre vs? De onde, seno dos prazeres que militam na vossa carne? 2 Cobiais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lu-tar e a fazer guerras. Nada tendes, porque no pedis; 3 pedis e no recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres. (Tiago 4.1-3)

    Deste texto podemos aprender duas lies. Primeiro, que o resultado de uma

  • Jos Roberto Cristofani 11

    Jesus nos ensina a orar Estudo bblico sobre a orao

    orao feita de forma errnea devastador. Segundo, que o problema desse tipo de orao no saber pedir.

    Diga com suas palavras qual o motivo que impede Deus de responder a nossa orao?

    Qual o resultado dessa orao?

    Em sua opinio, como possvel evitar as consequncias descritas no texto de Tiago?

    Podemos acrescentar mais um texto para aprender como no se deve orar.

    9 Props tambm esta parbola a alguns que confiavam em si mes-mos, por se considerarem justos, e desprezavam os outros: 10 Dois homens subiram ao templo com o propsito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano. 11 O fariseu, posto em p, orava de si para si mesmo, dest