Curitiba Apresenta # 74 - agosto 2013

  • View
    247

  • Download
    10

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Entrevista com Alberto Manguel, Litercultura, Cultura na Rua - Siba e Trombone de Frutas na Boca Maldita, HQ de José Aguiar, Guilherme Pupo, Cão Baleia

Text of Curitiba Apresenta # 74 - agosto 2013

  • APOIO

    AGOSTO 2013

    LITERCULTURA Festival literrio toma conta do Centro Histrico

    CULTURA NA RUAFCC leva Siba e Trombone de Frutas para a Boca Maldita

    CURI

    TIBA

    APR

    ESEN

    TA |

    n 7

    4 | d

    istrib

    uio

    gra

    tuita

    | IS

    SN

    223

    6-14

    13

  • CURITIBA APRESENTA : : AGOSTO 2013 1

    EDITORIAL

    A Redao

    Agosto do poeta. O ms de nascimento de Paulo Leminski comemorado h muito tempo. Mas entre 1989 e 2005 a comemorao era acompanhada de um grande evento: o Perhappiness, tema do especial dos 40 anos da Fundao Cultural de Curitiba, nesta edio do Curitiba Apresenta.

    Os encontros deixaram de acontecer, mas em compensao a capital ganha, este ano, outra festa das letras: o Litercultura Festival Literrio, que ir reunir grandes autores. Um deles, o cidado do mundo Alberto Manguel, d uma mostra, em entrevista exclusiva ao Guia, do que nos ensinar em sua visita cidade, sobre como o ato de ler pode mudar nossas vidas.

    Mas a literatura no o nico destaque. Nessa terra em que nem a neve (ou a chuva congelada) so capazes de manter as pessoas em casa, a FCC decidiu montar, de novo, o palco do Cultura na Rua, na Boca Maldita. Dessa vez, o pernambucano Siba traz um pouco do calor nordestino ao Centro, seguido da salada curitibana do Trombone de Frutas.

    E no devemos esquecer do restante de uma intensa programao musical, interessantes peas de teatro e dana, variadas exibies e exposies (muitas gratuitas), o incio da Bienal Internacional no ltimo dia do ms e at uma conveno de fs do j folclrico Star Trek.

    Tudo isso pra manter bem aquecida a cultura de Curitiba.

    Boa leitura!

    02

    04

    07

    12

    23

    27

    38

    44

    5458606064

    68

    69

    70

    ENTREVISTA Alberto Manguel ......................................

    O MS NA CULTURA Agosto: para relembrar e saber mais ......

    TEATRO E CIRCO O extraordinrio e estranho cotidiano ........

    LITERATURA A celebrao da literatura ......................

    DANA Uma jornada xamnica ..............................

    MSICA Siba e Trombone de Frutas na Boca Maldita ......................................

    CINEMA Fs de Jornada nas Estrelas promovem a 17 TrekCon ..........................

    ARTES VISUAIS O cosmos sobre os ombros ......................

    PATRIMNIO CULTURALCuritiba Protesta: a voz e o olhar das ruas ..

    REGIONAIS ......................................

    REGIO METROPOLITANA ....

    OUTRAS REAS ...........................

    FCC 40 ANOS .................................

    HQJos Aguiar ..............................................

    OPINIO Guilherme Pupo .......................................

    ENDEREOS E CONTATOS ....

  • 2 CURITIBA APRESENTA : : AGOSTO 2013

    ENTREVISTA | ALBERTO MANGUEL

    Ele sinnimo de leitura. De prazer de ler e de ensinar a ler. De escrita elegante e sedutora. Nos seus livros, o maravilhoso e o fantstico tm lugar garantido. Desde um dicionrio de lugares imaginrios a uma antologia de contos de mistrios do Canad, seu pas. Seu pas? Tanto quanto Israel, a Argentina ou a Frana, onde vive. Alberto Manguel, o grande autor da Uma Histria da Leitura (e de dezenas de outros livros), far a conferncia de abertura do Festival Litercultura, no dia 16. Nesta entrevista exclusiva para o Curitiba Apresenta, ele diz como escreve seus livros, quais os seus favoritos, e do idioma em que sonha.

    Ler e escrever. Borges dizia orgulhar-se mais dos livros lidos que dos que ele havia escrito. No entanto Fernando Pessoa parece colocar a escrita como mais importante: no poema Liberdade: "Ai que prazer no cumprir um dever/ ter um livro pra ler e no o fazer/ ler maada/ estudar nada", e tambm numa nota autobiogrfica: "Descobri que a leitura uma forma servil de sonhar. Se tenho de sonhar, porque no sonhar os meus prprios sonhos?" Para voc, o que representa ler e escrever?

    MANGUEL Diferentemente de Pessoa (mas por isto mesmo ele era Pessoa e eu no), eu prefiro a imaginao dos outros minha, e os sonhos dos outros aos meus. Confesso que me deixei tentar pela vaidade de publicar meus prprios sonhos, mas no a ponto de crer que meus livros valem o mesmo que os de Machado de Assis, Lygia Fagundes Telles, Pessoa...

    Teme ao homem de um livro. Em compensao, na atualidade, h milhes e milhes de livros, e muitos continuam sem ler, ainda que o saibam. Qual o mais importante: ler muito poucos livros ou todos os best-sellers da moda?

    MANGUEL Depende de quem esse leitor. H os que se definem pelo que est na moda, e, portanto, necessitam ler os best-sellers. Existe hoje nos Estados Unidos o ofcio de best-seller reader, algum encarregado de ler as ltimas novidades populares e resumi-las para certos senhores e senhoras que logo brilham nos cocktails de gala. Da mesma maneira, no sculo XIX, os aristocratas ingleses ordenavam aos seus valets que usassem seus sapatos novos, para no ter que amold-los eles mesmos.

    As pessoas inteligentes escolhem seus livros segundo seus gostos, inclinaes e necessidades. Os livros sero poucos ou muitos, como nossos amigos.

    A linguagem dos sonhos*Mario Helio Gomes ,especial para o Guia Curitiba ApresentaALBERTO MANGUEL | Foto: Isolde Ohlbaum

  • CURITIBA APRESENTA : : AGOSTO 2013 3

    ENTREVISTA

    Os aparatos de livros digitais tambm se chamam leitores. Voc tem algum leitor de livro eletrnico? Qual sua opinio sobre esse advento e o futuro?

    MANGUEL No. E porque no os utilizo, no posso julg-los. Mas se parecem perigosamente com todos os outros gadgets que mudam com as modas, de estao em estao.

    No difcil tema de "o que se deve ler", o que aconselharia, por exemplo, a um jovem leitor? Todos os livros valem a pena?

    MANGUEL No me preocupo que um livro proponha coisas ms. Os Cantos de Maldoror propem a tortura de um belo adolescente, e um poema de Aragon sugere que se deve sair rua com uma pistola e disparar contra a multido. Preocupa-me se esto mal escritos. Um livro bem escrito no admite nunca uma proposio absoluta, boa ou m; a literatura no dogma e no d ordens. Por outro lado, no diria nunca que livros valem a pena: um livro vale a pena para mim, e se no conheo o leitor com quem estou falando, prefiro me abster. Recomendar um livro dizer ao outro: "Este livro , na minha opinio, teu espelho; isto o que eu penso que tu s."

    Sabemos quo precrio fazer listas ou cnones, mas, se um jovem lhe pedisse que

    indicasse os livros mais importantes de sua vida, aqueles que leu e continua a ler com muito prazer?

    MANGUEL: Responderia ao jovem (ou ao velho) que isso depende da hora do dia e do meu estado de esprito. s vezes responderia A Divina Comdia, O Rei Lear, Alice no Pas das Maravilhas, os poemas de San Juan de la Cruz; outras vezes Brs Cubas, Fices, As Cidades Invisveis, A Morte de Virgilio; outras A Fera Deve Morrer, Pedro Pramo, O Livro do Desassossego, os poemas de Rimbaud.

    H Alberto Manguel do ensaio e da fico. Como escolhe seus temas? Como prefere escrever e desde quando utiliza o computador para isso? Escreve mais em ingls? Como sonhar em diferentes idiomas, como dizia Borges?

    MANGUEL: Escolho meus temas segundo meus gostos e meus caprichos. Mudam com o tempo, como eu, e s vezes no me reconheo em certas escolhas de minha juventude. Escrevo minhas notas mo, e, desde 1985, passo ao computador os textos. O computador minha mquina de escrever, mais sofisticada que a mquina antiga. Escrevo quase exclusivamente em ingls, que meu primeiro idioma. Aprendi o castelhano somente aos oito anos. No me dou conta do idioma em que sonho. Sonho sem dvida nos idiomas que

    conheo, mas talvez tambm em algum que s aprendi nos sonhos e que me esqueo ao despertar.

    *Mario Helio Gomes jornalista, editor, mestre em Histria pela Universidade Federal de Pernambuco, doutor em Antropologia pela Universidade de Salamanca, na Espanha e curador do Festival Litercultura.

  • 4 CURITIBA APRESENTA : : AGOSTO 2013

    O MS NA CULTURA

    AGOSTO Para relembrar e saber mais

    7 DE AGOSTO> Nascimento de Caetano Veloso (1942)

    9 DE AGOSTO> Dia Internacional dos Povos Indgenas

    10 DE AGOSTO> Nascimento do escritor Jorge Amado

    (1912-2001)

    12 DE AGOSTO> Dia Nacional das Artes

    15 DE AGOSTO> Em 1996 era inaugurado o Memorial de Curitiba

    DE 15 A 20 DE AGOSTO DE 1977> Nana Caymi e Ivan Lins se apresentavam em

    Curitiba, no Teatro Guara, como parte do Projeto Pixinguinha, que reunia as melhores duplas de MPB com ingressos a preos populares

    17 DE AGOSTO> Dia Nacional do Patrimnio Histrico> Em 1987, o Cine Luz promovia mostra de

    cinema japons com a presena do diretor Mitsuo Yanagimachi. Na foto o filme Adeus, Terra Adorada (Saraba Itoshiki Daichi), 1982

    CAETANO VELOsO NO "shOw dO hABITAT" (1995), NA PEdREIRA PAULO LEMINskI | Foto: denise Zanini

    MEMORIAL dE CURITIBAFoto: Alice Rodrigues

  • CURITIBA APRESENTA : : AGOSTO 2013 5

    O MS NA CULTURA

    Para relembrar e saber mais

    24 DE AGOSTO> Nascimento do poeta e escritor Paulo

    Leminski (1944-1989)> Em 24 de agosto de 1989 a antiga pedreira

    municipal transformou-se em espao cultural com a apresentao do espetculo Parceiros de Paulo Leminski. O evento integrava o programa Perhappiness, em homenagem ao poeta. Leia mais sobre o Perhappiness no especial FCC 40 anos na pgina 64

    19 DE AGOSTO> Dia Internacional da Fotografia

    e Dia do Artista de Teatro

    21 DE AGOSTO> Nascimento do escritor

    Cristvo Tezza (1952)

    22 DE AGOSTO> Dia do Folclore

    29 DE AGOSTO> Nascimento do artista mineiro Aleijadinho

    (1730-1814)

    PROFETA OsEIAs, dE ALEIjAdI