of 118/118
MINISTÉRIO DA SAÚDE AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância Curso de Capacitação Tratar a Criança Módulo 4 2.ª edição revista 1.ª reimpressão Série F. Comunicação e Educação em Saúde Brasília – DF 2003

Curso de Capacitação - enf.ufmg.br · MINISTÉRIO DA SAÚDE AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância ... E-mail: [email protected] Brasil. Ministério

  • View
    220

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Curso de Capacitação - enf.ufmg.br · MINISTÉRIO DA SAÚDE AIDPI Atenção Integrada às...

MINISTRIO DA SADE

AIDPIAteno Integrada s Doenas

Prevalentes na Infncia

Curso de Capacitao

Tratar a Criana

Mdulo 4

2. edio revista1. reimpresso

Srie F. Comunicao e Educao em Sade

Braslia DF2003

1999. Ministrio da Sade. permitida a reproduo parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.Srie F. Comunicao e Educao em SadeTiragem: 2. edio revista 1. reimpresso 2003 200 exemplares

Management of Childhood Illness foi preparado pela Diviso de Sade e Desenvolvimento Infantil (CHD), da OrganizaoMundial da Sade (OMS) em conjunto com o Fundo das Naes Unidas para a Infncia (UNICEF), atravs de um contratocom a ACT Internacional, Atlanta, Gergia, USA.A verso em portugus, que corresponde ao Curso de Capacitao sobre Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia,foi preparada pela Unidade de Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia, Programa de Doenas Transmissveis,Diviso de Preveno e Controle de Doenas (HCP/HCT/AIDPC), da Organizao Pan-Americana da Sade/OrganizaoMundial da Sade (OPAS/OMS), em Coordenao com UNICEF-TACRO, Washington, DC, USA, agosto 1996, sendo feitaadaptao s normas nacionais e autorizada a publicao pela OPAS/OMS no Brasil.

Edio, distribuio e informaesMINISTRIO DA SADESecretaria de Ateno Saderea da Sade da CrianaEsplanada dos Ministrios, bloco G, 6. andar, sala 636CEP: 70058-900, Braslia DFTels.: (61) 315 3429/315 2866/315 2407/224 4561Fax: (61) 315 2038/322 3912

Este material foi adaptado com a valiosa colaborao dos consultores e das instituies aos quais o Ministrio da Sade e aOPAS/OMS agradecem o empenho e dedicao.

Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Ficha Catalogrfica

Catalogao na fonte Editora MS

EDITORA MSDocumentao e InformaoSIA, Trecho 4, Lotes 540/610CEP: 71200-040, Braslia DFTels.: (61) 233 1774/2020 Fax: (61) 233 9558E-mail: [email protected]

Brasil. Ministrio da Sade.AIDPI Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia: curso de capacitao: tratar a criana: mdulo 4. / Ministrio da

Sade, Organizao Mundial da Sade, Organizao Pan-Americana da Sade. 2. ed. rev., 1. reimpresso Braslia: Ministrioda Sade, 2003.

118 p.: il. (Srie F. Comunicao e Educao em Sade)

ISBN 85-334-0608-8

1. Sade Infantil. 2. Capacitao em servio. I. Brasil. Ministrio da Sade. II. Organizao Mundial da Sade. III.Organizao Pan-Americana da Sade. IV. Ttulo. V. Srie.

NLM WA 320

SUMRIO

Introduo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Objetivos de aprendizagem . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

1 Selecionar o medicamento de administrao oral apropriado e identificar a dose e o plano de tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

1.1 Dar um antibitico de administrao oral apropriado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6Exerccio A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91.2 Dar um antimalrico de administrao oral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101.3 Dar analgsico/antitrmico contra a febre alta (>38,5C) ou dor de ouvido. . . . . . . . . . . 131.4 Dar vitamina A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131.5 Dar ferro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141.6 Dar mebendazol. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151.7 Dar polivitaminas e sais minerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15Exerccio B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

2 Usar as tcnicas para comunicar-se bem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192.1 Dar recomendaes me sobre como tratar a criana em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192.2 Verificar se a me compreendeu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20Exerccio C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

3 Ensinar a me como dar medicamentos por via oral em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26Exerccio D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30Exerccio E . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

4 Ensinar a me a utilizar tratamento sintomtico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344.1 Secar o ouvido com uma mecha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344.2 Acalmar a tosse com medidas caseiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36Exerccio F . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

5 Administrar estes tratamentos exclusivamente no servio de sade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415.1 Dar um antibitico por via intramuscular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415.2 Dar artemeter injetvel para a malria grave (rea com alto risco de malria) . . . . . . . . . 425.3 Dar medicamentos para tratar a sibilncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

5.3.1 Administrar o tratamento abaixo na unidade de sade e ensinar a me ou o acompanhante a administrar o medicamento oral em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

5.3.2 Preveno da asma e dos fatores desencadeantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 465.3.3 Classificar a asma para definir critrios de encaminhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

5.4 Tratar a criana para prevenir a hipoglicemia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47Exerccio G . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

6 Dar lquidos adicionais para a diarria e continuar a alimentao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 506.1 Plano A: tratar a diarria em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

6.1.1. Primeira regra para o tratamento em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 516.1.2 A segunda regra para o tratamento em casa continuar a alimentao . . . . . . . . . . 556.1.3 A terceira regra para o tratamento em casa quando retornar . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Exerccio H . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

6.2 Plano B: tratar a desidratao com SRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59Exerccio I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63Exerccio J . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 656.3 Plano C: tratar rapidamente a desidratao grave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 666.4 Tratar a diarria persistente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 696.5 Tratar a disenteria, se houver comprometimento do estado geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

7 Vacinar a todas as crianas segundo a necessidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70Exerccio K . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .73

Anexo A: Reidratao nasogstrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75Anexo B: Local para TRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77Anexo C-1: Quando possvel administrar tratamento intravenoso (IV). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79Exerccio: Anexo C-1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85Anexo C-2: Quando h tratamento IV disponvel em um local prximo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87Exerccio: Anexo C-2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88Anexo C-3: Quando h condies para usar sonda nasogstrica (NG) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89Exerccio: Anexo C-3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91Anexo C-4: Quando s possvel administrar o tratamento do Plano C por via oral . . . . . . . . . . . . 93Exerccio: Anexo C-4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96Anexo D: Onde no possvel referir a um hospital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98Anexo E: Esquemas de tratamento de malria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Equipe tcnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

INTRODUO

No mdulo anterior voc aprendeu de quais tratamentos as crianas doentes de 2 meses a 5 anosde idade necessitavam. Freqentemente, o tratamento das crianas doentes comea no servio de sade,sendo necessrio dar-lhe continuidade em casa. No quadro TRATAR A CRIANA so descritos os tratamentos.

Neste mdulo, voc usar o quadro para aprender como administrar cada tratamento. Aprendertambm como ensinar a me a dar o tratamento criana em casa.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Neste mdulo so descritas as seguintes aptides que podero ser praticadas:

Identificar quais so os medicamentos de administrao oral apropriados para a crianadoente, bem como sua dosagem.

Administrar medicamentos por via oral (como antibiticos, antimalricos, analgsicos/antitr-micos, vitamina A, ferro e mebendazol) e ensinar me como e quando dar tais medicamen-tos em casa.

Tratar a infeco local (secreo purulenta no ouvido) e ensinar me como e quando dar osmedicamentos em casa.

Verificar se a me compreendeu o procedimento.

Dar medicamentos que so administrados unicamente no servio de sade.

Prevenir-se contra a hipoglicemia.

Tratar a desidratao correspondente s distintas classificaes e instruir a me sobre os lqui-dos adicionais que so dados em casa.

Vacinar as crianas.

5

1 SELECIONAR O MEDICAMENTO DE ADMINISTRAOORAL APROPRIADO E IDENTIFICAR A DOSE E O PLANODE TRATAMENTO

Use o quadro TRATAR A CRIANA para selecionar o medicamento apropriado e para determinar a dosee o plano de tratamento. Existem alguns detalhes que precisam ser lembrados a respeito de cada medica-mento de administrao oral.

1.1 DAR UM ANTIBITICO DE ADMINISTRAO ORAL APROPRIADO

As crianas que tm sinais das seguintes classificaes necessitam de um antibitico:

PNEUMONIA GRAVE OU DOENA MUITO GRAVE; PNEUMONIA; DESIDRATAO GRAVE COM CLERA NA REGIO; DISENTERIA COM COMPROMETIMENTO DO ESTADO GERAL; MALRIA GRAVE OU DOENA FEBRIL MUITO GRAVE; MASTOIDITE; INFECO AGUDA DO OUVIDO.

Em muitos servios de sade existem vrios tipos de antibiticos disponveis. Voc deve aprendera selecionar o antibitico mais apropriado doena da criana. Se a criana capaz de beber, d-lhe umantibitico de administrao oral.

O antibitico de administrao oral apropriado para cada doena difere de um pas para outro.Osantibiticos que so recomendados para seu pas esto no quadro TRATAR A CRIANA. Veja o quadro da pgi-na seguinte.

6

Administre o antibitico de primeira linha, se estiver disponvel. Ele foi escolhido porque efi-

caz1, fcil de administrar e barato. O antibitico de segunda linha deve ser dado unicamente se no se dis-pe do antibitico de primeira linha ou se a doena da criana no responde ao antibitico de primeiralinha.

1 Pode ser necessrio trocar os antibiticos de primeira e segunda linhas recomendados de acordo com os dados de resistncia.

AMOXICILINA 50 mg/kg/dia

Dar de 8 em 8 horas durante 7 dias*

TRIMETOPRIM +

SULFAMETOXAZOL 40 mg/kg/dia de sulfametoxazol Dar de 12 em 12 horas durante 7

dias*

ERITROMICINA *

40 mg/kg/dia Dar de 6/6 horas durante 7

dias

IDADE OU PESO

Comprimido

250 mg

Suspenso

250 mg por 5,0 ml

Comprimido

80mg trimetoprim + 400mg

sulfametoxazol

Suspenso

40mg trimetoprim + 200mg

sulfametoxazol por 5,0 ml

SUSPENSO

250 mg por 5,0 ml

2 a 11 meses

(4 -

Algumas crianas tm mais de uma doena que devem ser combatidas com antibiticos. Sempreque for possvel, selecione um antibitico que se possa usar no tratamento contra todas as doenas dacriana.

s vezes, possvel administrar um nico antibitico para combater a(s) doena(s).

Por exemplo, pode-se tratar com um nico antibitico uma criana com PNEUMONIA e INFECOAGUDA DO OUVIDO.

Quando examinar uma criana com mais de uma doena que tenha que ser tratada com o mesmoantibitico, no duplique a dose nem prescreva o antibitico por mais tempo.

s vezes, preciso administrar mais de um antibitico para combater a(s) doena(s).

Por exemplo, o antibitico que se usa para no tratamento contra a PNEUMONIA no eficaz contraa DISENTERIA. Nessa situao, uma criana que necessite de tratamento contra a DISENTERIA e contra aPNEUMONIA deve ser tratada com dois antibiticos.

O quadro TRATAR A CRIANA indica o plano de tratamento para administrar o antibitico e adosagem correta que ser dada criana.

O plano de tratamento lhe diz por quantos dias e quantas vezes ao dia o antibitico deve seradministrado. A maioria dos antibiticos pode ser dada por sete dias. Somente nos casos de diarria quetm indicao de antibitico, eles so dados por cinco dias. O nmero de vezes ao dia que o antibiticodeve ser dado varia (2, 3 ou 4 vezes ao dia).

Para determinar a dosagem correta do antibitico, veja a coluna que lista a concentrao de com-primidos ou de suspenses disponveis no seu servio de sade:

Calcule a quantidade do medicamento a ser dado multiplicando a dose recomendada pelopeso da criana (dose/kg/dia) ou

Escolha a linha do peso ou da idade correspondente criana. O peso melhor que a idadepara eleger a dose correta. A dose correta encontrada na interseo da coluna com a linha.

Seu facilitador repassar como usar o quadro para selecionar o antibitico de administrao oral, oplano de tratamento e a dosagem apropriada.

8

EXERCCIO A

Neste exerccio, voc praticar como usar o quadro Administrar a Primeira Dose de umAntibitico Apropriado. Use o quadro TRATAR A CRIANA. Selecione o antibitico de administrao oral cor-reto e escreva a dosagem e o plano de tratamento para cada um dos casos descritos a seguir.

Assuma que esta a primeira vez que cada criana recebe tratamento contra sua doena e quenenhuma criana tem sinais de outra classificao. Escreva sua resposta no espao em branco.

Uma criana de seis meses de idade (7 kg) necessita de um antibitico para a PNEUMONIA.

Uma criana (10 kg) necessita da primeira dose de um antibitico contra PNEUMONIA GRAVEe uma DOENA FEBRIL MUITO GRAVE, que no podem ser combatidas por via intramuscular.

Uma criana de 2 anos de idade (11 kg) necessita de um antibitico para PNEUMONIA eINFECO AGUDA DO OUVIDO.

Uma criana (16 kg) necessita de um antibitico para DISENTERIA.

Uma criana (5 kg) necessita de um antibitico para DISENTERIA e uma INFECO AGUDA DOOUVIDO.

Uma criana de 36 meses de idade (15 kg) necessita de um antibitico para a PNEUMONIA eDESIDRATAO GRAVE em regio de clera.

DISCUTA SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR QUANDO HOUVER TERMINADO ESTE EXERCCIO.SEU FACILITADOR LHE DIRIGIR UM EXERCCIO, PARA QUE VOC PRATIQUE MAIS COMO SELECIONAR O

ANTIBITICO APROPRIADO, O PLANO DE TRATAMENTO E A DOSAGEM.

9

1.2 DAR UM ANTIMALRICO DE ADMINISTRAO ORAL

Os antimalricos recomendados se encontram no quadro abaixo.

Veja o quadro TRATAMENTO DE MALRIA (via oral) para determinar a dosagem e o plano de trata-mento com um antimalrico de administrao oral, como foi feito com o antibitico de administraooral.*

GRUPOS ETRIOS

Menor de 6 meses (- 5 kg)

6 a 11 meses ( 5 a 9 Kg) 1 a 2 anos

( 10 a 14 kg) 3 a 4 anos

(15 a 19 kg)

5 a 6 anos

7 a 11 anos

12 a 14 anos

15 anos ou mais

P. VIVAX **P. FALCIPARUM *

MEFLOQUINA Dose nica no 1.

o dia

PRIMAQUINA Dose nica no 2.

o dia

COMPRIMIDOS (base 250 mg)

Dose: 15 a 20 mg/kg/diaem 2 tomadas de

12/12h Somente no Dia 1

COMPRIMIDOS 0,5 a 0,75 mg/kg/dia

Somente no Dia 2

Grupos Etrios Dose

ADULTO Base:15mg

INFANTIL Base: 5mg

< 6 m: Clculo em mg/kg - -

1/4 comp. - 1

1/2 comp. 1/2 -

1 comp. 1 -

1 e 1/4 comp. 1 -

7 a 8 anos: 1 e 1/2 comp.

1 e 1/2 -

9 a 10 anos: 2 comp. 1 e 1/2 -

11 a 12 anos: 2 e 1/2 comp.

1 e 1/2 -

13 a 14 anos: 3 comp. 2 -

4 comp. 3 -

CLOROQUINA Dar durante trs dias

PRIMAQUINA Dar durante sete dias

COMPRIMIDOS (base 150 mg)

25 mg/kg/dose total

COMPRIMIDOS Dose: 0,5 mg/kg/dia

Dia 1 ao dia 7

Dia 1 Dia 2 Dia 3 ADULTO > 12 anos base:15mg

INFANTIL

Obs.: a doxiclina e a primaquina no devem ser dadas a gestantes. Nesse caso, usar a tabela de tratamenoalternativo para infeces por P. falciparum com quinina por sete dias.Ver Anexo E.

Para menores de 8 anos e maiores de 6 meses de idade, usar a tabela de tratamento das infecespor P. falciparum com mefloquina e primaquina, na pgina anterior.

Obs.: em reas endmicas, quando no for possvel o diagnstico parasitolgico (reas especiais comoaldeias indgenas, reas longnquas ou de acesso difcil), recomendado o imunoteste (ParaSight-F), o qualidentifica apenas a malria causada pelo P. falciparum. Os doentes com sintomatologia compatvel commalria, cujo imunoteste fornecer resultado negativo, sero tratados para malria por vivax.

Quando no disponvel o diagnstico da malria, seja pelo exame parasitolgico ou peloimunoteste, a presena de sinais e sintomas sugestivos da doena pode ser suficiente para a indicao dotratamento antimalrico (tratamento de caso suspeito). Nesse caso, em reas onde predomina o P. falci-parum, o tratamento ser primeiramente dirigido contra essa espcie. Persistindo a sintomatologia ou agra-vando-se os sinais clnicos, o paciente dever ser encaminhado para uma unidade de sade de maior com-plexidade.

Ver o esquema recomendado para tratamento das infeces mistas por P. vivax e P. falciparum noquadro da pgina seguinte.

dia, para ser usado em maiores de 8 anos de idade.

QUININA

Dar durante trs dias DOXICICLINA

Dar durante cinco dias PRIMAQUINA

Dose nica no 6. dia

GRUPOS ETRIOS

COMPRIMIDOS (base 500mg)

Dose: 25 mg/kg/dia em 2 tomadas de 12/12

horas

COMPRIMIDOS (base 100 mg)

Dose: 3,3 mg/kg/dia em 2 tomadas de 12/12

horas

COMPRIMIDOS INFANTIL

(base 5 mg) Dose:

0,5 a 0,75 mg/kg/dia

1., 2. e 3. dias Do 1. ao 5.o dia Somente no 6. dia

8 a 11 anos 1 e 1/2 1 1

12 a 14 anos 2 e 1/2 1 e 1/2 2

15 anos ou mais 4 3

Tratamento contra a Malria*: Esquema de 1. escolha recomendado para tratamento contra as infeces por P. falciparum com

Quinina em trs dias + Doxiciclina em cinco dias e Primaquina no 6.

2

* Para menores de 8 anos e maiores de 6 meses de idade, usar tabela da pgina anterior.

11

Tabela 3 - Esquema recomendado para tratamento das infeces mistas por P.vivax e P. falciparum com mefloquina em dose unica e primaquina em sete dias

Existem alguns detalhes importantes que devem ser lembrados ao se administrar um antimalricopor via oral:

No incio do tratamento com cloroquina presume-se que a criana no tenha sido tratada comcloroquina antes. Confirme a informao com a me. Pergunte-lhe se j deram ao seu filhoum ciclo de cloroquina para este episdio de febre. Caso j tenham dado o tratamento e acriana ainda assim continuar com febre, considere esta consulta como de retorno. Siga asinstrues do quadro CONSULTA DE RETORNO: PROVVEL MALRIA OU MALRIA no mduloCONSULTA DE RETORNO.

Explicar me que deve prestar cuidadosa ateno criana durante 30 minutos apsadministrar uma dose de cloroquina. Se a criana vomitar dentro de 30 minutos, ela deverepetir a dose e voltar ao servio de sade para receber comprimidos adicionais.

Aps o resultado do teste de gota espessa, continue o tratamento conforme explicao abaixo:- Para P. falciparum, usar comprimidos de mefloquina no primeiro dia (dose diria fracionadade 12/12 horas) e completar com dose nica de primaquina no segundo dia.- Para P. vivax, usar comprimidos de cloroquina, durante trs dias, associados com primaquina, durante sete dias.- Para malria mista (P. falciparum e P. vivax) usar o mesmo esquema de tratamento para P.falciparum, com mefloquina no primeiro dia associada ao uso de primaquina, como por P.vivax, por sete dias.

GRUPOS ETRIOS

*

1/4

1/2

1

1 e 1/4

1 e 1/2

2

2 e 1/2

3

4

* Calcular 15 a 20 mg/kg de peso.A dose diria de mefloquina pode ser dividida em duas tomadas com intervalo de at 12 horas.No usar primaquina em gestantes e menores de 6 meses. Ver Tabela 10, no Anexo E deste mdulo.

-

-

-

-

-

-

-

-

-

2

-

1/4

1/4

1/2

1/2

1

1

2

2

-

-

-

-

-

-

1

1

1 e 1/2

1 e 1/2

2

-

1

1

2

2

1

1

-

-

-

InfantilAdulto

Mefloquinacomprimido

Primaquinacomprimido

Primaquinacomprimido

Drogas e Doses1. dia 2. e 7. dias

InfantilAdulto

Menor de 6 meses

6 a 11 meses

1 a 2 anos

7 a 8 anos

9 a 10 anos

5 a 6 anos

13 a 14 anos

15 ou mais

11 a 12 anos

3 a 4 anos

12

Explicar me qume reaes adversas provocadas pela quinina podem ser boca amarga,zumbido, tontura, tremores e viso turva. Essas queixas costumam parar logo aps o trminodo tratamento ou at mesmo antes.

Explicar me que uma reao adversa de cloroquina pode ser prurido (coceira). No moti-vo de preocupao e persiste enquanto houver uso do medicamento. No deve ser motivo parainterromper o tratamento. A criana no precisa voltar para o servio de sade por esta queixa.

1.3 DAR ANALGSICO/ANTITRMICO CONTRA A FEBRE ALTA (>38,5C) OU DOR DE OUVIDO

Quando uma criana tem febre alta, d-lhe uma dose de analgsico/antitrmico no servio desade.

Caso a criana tenha dor de ouvido, entregue me paracetamol ou dipirona e diga-lhe qued uma dose a cada seis horas ou at que a dor de ouvido tenha desaparecido.

1.4 DAR VITAMINA AA vitamina A deve ser administrada nas crianas com DESNUTRIO GRAVE, se a criana no tiver

recebido vitamina A nos ltimos 30 dias.

Dar Vitamina A Dar uma dose nica.

Dar a primeira dose no Servio de Sade.

VITAMINA A

IDADE SOLUO ORAL 50.000 UI / ampola

DRGEAS 50.000 UI/ drgeas

CPSULAS

At 6 meses* 1 1 --

6 a 11 meses 2 2 100.000 UI

1 a 4 anos 4 4 200.000 UI * Apenas para crianas que no recebam leite materno e sejam residentes em reas onde a hipovitaminose A seja endmica.

Dar Analgsico/Antitrmico contra a Febre Alta (>38,5C) ou Dor de

Ouvido Dar paracetamol ou dipirona de 6 em 6 horas at passar a febre alta ou dor de ouvido.

PARACETAMOL OU DIPIRONA 10 mg/kg/dose IDADE OU PESO Paracetamol gotas: 200 mg/ml

1 gota/kg/dose Dipirona gotas: 500 mg/ml -

1gota/2kg/dose

2 a 11 meses (6 - 9 kg) 6 a 9 3 a 5

1 a 2 anos (10 - 14 kg) 10 a 14 5 a 7

3 a 4 anos (15 - 19 kg) 15 a 19 8 a 10

Dipirona: no ultrapassar 1,5g /dia em menores de 6 anos de idade.

13

A vitamina A est disponvel em cpsulas, drgeas e em soluo oral, gotas ou ampola. Use a idade da cri-ana para determinar a dose. De acordo com a apresentao que estiver disponvel no servio, dar uma dosenica no servio de sade. Se a criana apresentar, alm de desnutrio grave, qualquer sinal de xeroftalmia, ela dever receber uma segunda dose 24 horas aps a primeira dose e uma terceira dose quatrosemanas aps a segunda dose. Existem drgeas de 50.000 UI, 100.000 UI, cpsulas de 100.000 e 200.000UI e a soluo oral de 2.000 Ul / ml a 50.000 Ul / ml.

Caso seu servio s tenha vitamina A em ampolas, faa com que a criana beba todo o contedo.

Registre a data no carto da criana cada vez que voc der vitamina A para ela. importante queo faa. Caso d criana que no tenha DESNUTRIO GRAVE doses repetidas de vitamina A em inter-valo inferior a 4 meses, existir o risco de uma superdosagem.

1.5 DAR FERROUma criana com palidez palmar pode ter anemia e precisar de ferro durante um perodo prolon-

gado de trs meses.

D soluo de sulfato ferroso a uma criana menor de 12 meses. Nas crianas maiores, pode-se usarferro em comprimidos.

Fornea a medicao para 14 dias e recomende me que a d em uma dose diria. Lembrar quea vitamina C aumenta a absoro de ferro.

Dar Ferro Dar uma dose por dia, durante 14 dias, no intervalo das refeies, acompanhada de suco de frutas ctricas, se houver disponibilidade. Informar me que as fezes iro ficar escuras.

IDADE OU PESO

SULFATO FERROSO

1 ml = 25 mg de ferro elementar

2 a 3 meses (4 - < 6kg)

2 mg/kg/dia ou 10 gotas ou 0,5 ml/dia

4 a 11 meses (6 - < 10kg)

2 mg/kg/dia ou 20 gotas ou 1 ml/dia

1 a 2 anos (10 - < 14kg)

3 mg/kg/dia ou 30 gotas ou 1,5 ml/dia

3 a 4 anos (14 - 19kg)

3 mg/kg/dia ou 40 gotas ou 2,0 ml/dia

Observao: no caso de baixa aderncia ao tratamento por desconforto gstrico ou intestinal, reduzir a dose metade e dar apenas trs vezes por semana.

Certifique-se de que acriana engoliu todo olquido. No deixe que elacuspa.

14

Oriente a me sobre alimentos ricos em ferro.

1.6 DAR MEBENDAZOLCaso as parasitoses intestinais por ancilstomos ou tricocfalos sejam um problema em sua regio,

uma criana anmica de 1 ano de idade ou mais precisa de mebendazol. Este tipo de infestao contribuipara a anemia por perda de ferro atravs do sangramento intestinal.

O mebendazol est disponvel em comprimidos de 100 mg e suspenso oral de 20 mg/ml.Explicar me como dar o medicamento duas vezes ao dia, durante trs dias, fora dasrefeies.

Se voc no tiver certeza de que a me vai dar o medicamento, neste caso o mebendazol podeser dado em dose nica de 500 mg ou 25 ml no servio de sade.

1.7 DAR POLIVITAMINAS E SAIS MINERAISAs crianas em convalescena da DIARRIA PERSISTENTE devem receber suplementao de

polivitaminas (vitamina A e cido flico) e sais minerais (zinco, cobre e magnsio) na quantidade quecorresponda pelo menos a duas Ingestes Dirias Recomendadas (IDR).

Dar Mebendazol

Dar 100 mg ou 5 ml de mebendazol duas vezes ao dia, durante trs dias, se:

Ancilstomos ou Tricocfalos forem um problema entre as crianas de sua regio;

A criana tiver 1 ano de idade ou mais e A criana no tiver recebido nenhuma dose nos ltimos 6 meses.

Uma alternativa eficaz :

Dar 500 mg de mebendazol no servio de sade como dose nica.

15

Obs.: ler no anexo do Mdulo ACONSELHAR os itens da Portaria n. 40, de 23 de janeiro de 1998,referentes aos nveis de dosagens dirias de vitaminas e sais minerais, em medicamentos, e da Portaria n.32, de 31 de outubro de 1998, sobre os regulamentos para suplementos vitamnicos e minerais, bem comoas diretrizes para tratamento da criana severamente desnutrida (pgina 90 do Mdulo AVALIAR ).

MANTENHA OS MEDICAMENTOS FORA DO ALCANCE DAS CRIANAS.

Dar Polivitaminas e Sais Minerais Usar durante a convalescncia da diarria persistente duas Ingestes Dirias Recomendadas (IDR) de polivitaminas e sais minerais durante duas semanas.

Ingesto Diria Recomendada (IDR) para Crianas Crianas Idade ( em anos) Nutrientes Unidade

0 0,5 0,5 1 1 3 4 6 7 10 Vitamina A mcg 375 375 400cido Flico mcg 25 50 75 100 Zinco mcg 5 5 10 10 10Cobre mcg 0,4 0,6 0,6 0,7 0,7 1,0 1,0 1,5 1,0 2,0 Magnsio mcg 40 80 120 170

500 700 35

60

16

EXERCCIO B

Neste exerccio, voc praticar como usar o quadro TRATAR A CRIANA, para selecionar o medica-mento de administrao oral apropriado e determinar a dose correta e o plano de tratamento. Veja o quadroTRATAR A CRIANA. Selecione a concentrao de cada medicamento disponvel em seu servio de sade.

Assuma que esta a primeira vez que cada criana recebe tratamento para sua doena, a menos quese indique o contrrio. Escreva sua resposta nos espaos em branco.

1. Uma criana pesando 6 kg necessita de um antimalrico por via oral contra a MALRIA por P. vivax.

2. Uma criana de 4 meses de idade necessita de um antibitico contra uma INFECO AGUDA DOOUVIDO.

3. Uma criana pesando 12 kg necessita de um antimalrico por via oral contra a MALRIA por P. vivaxe antitrmico para a febre alta.

4. Uma criana de 9 meses tem DESNUTRIO GRAVE e necessita de vitamina A.

5. Uma criana de 4 anos tem DESNUTRIO GRAVE e necessita de vitamina A.

17

6. Uma criana de 2 anos de idade (11 kg) tem ANEMIA e necessita de ferro e mebendazol. O cartoda criana mostra que lhe foi administrado mebendazol h trs meses.

7. Uma criana de 3 anos de idade (14 kg) tem ANEMIA e necessita de ferro e mebendazol. O cartoda criana mostra que no foi dado mebendazol antes.

8. Uma criana de 6 meses de idade (7 kg) tem ANEMIA e necessita de ferro.

9. Uma criana pesando 16 kg necessita de um antimalrico por via oral contra a MALRIA por P. fal-ciparum e ferro, para a ANEMIA. No h ancilstomos nem tricocfalos na sua regio.

VERIFIQUE SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR, QUANDO VOC TIVER TERMINADO ESTEEXERCCIO. SEU FACILITADOR LHE DIRIGIR UM EXERCCIO, PARA QUE VOC PRATIQUE MAIS COMO

SELECIONAR O MEDICAMENTO DE ADMINISTRAO APROPRIADO E COMO DETERMINAR

O PLANO DE TRATAMENTO E A DOSE.

18

2 USAR AS TCNICAS PARA COMUNICAR-SE BEM

Uma criana que recebe tratamento em um servio de sade precisa seguir com o tratamento emcasa. O xito do tratamento em casa depende da aptido que voc tenha para se comunicar com a me dacriana. Ela precisa saber como dar o medicamento. Tambm precisa compreender a importncia do trata-mento.

Comunicar-se bem importante quando se ensina uma me a dar o tratamento em casa.

2.1 DAR RECOMENDAES ME SOBRE COMO TRATAR A CRIANAEM CASA

Algumas recomendaes so simples. Por exemplo: pode ser necessrio apenas dizer me que voltecom a criana para uma consulta de retorno em dois dias. Outras recomendaes requerem que se ensine ame como fazer alguma tarefa. Para ensinar-lhe como executar uma tarefa, necessrio seguir vrios passos.

Lembre-se de como aprendeu a escrever, cozinhar ou realizar qualquer tarefa que requeira aptidesespeciais. Provavelmente, primeiro lhe deram instrues. Depois, talvez, tenha observado outra pessoa. Porltimo, tentou faz-lo sozinho.

Quando ensinar me como dar o tratamento criana, use trs passos bsicos:

1. Proporcione informaes.

2. Demonstre um exemplo.

3. Deixe-a praticar.

INFORMAR: explique me como deve realizar a tarefa. Por exemplo, explique como:

preparar SRO ou aliviar a tosse.

MOSTRAR UM EXEMPLO: demonstre como a me deve executar a tarefa. Mostre-lhe:

um envelope de SRO e como misturar SRO com o volume de gua correto ou

medidas caseiras para suavizar a tosse, que ela possa preparar em casa.

Faa-lhe perguntas para averiguar o que a me est fazendo para tratar a criana em casa.

Elogie a me pelo que tem feito bem.

Recomende-lhe como tratar a criana em casa.

Estas tcnicas sero descritas a seguir. }

19

DEIXE-A PRATICAR: pea me que pratique a tarefa enquanto voc a observa. Deixe que ela:

misture SRO ou descreva como preparar medidas caseiras para suavizar a tosse.

Pode ser suficiente pedir me que descreva como ir realizar a tarefa em casa.

Deixar que a me pratique a parte mais importante de como ensinar uma tarefa. Quando a merealiza a tarefa enquanto voc observa, poder saber se ela entendeu ou se achou difcil. Ento, poder ajud-la melhor. A me ir recordar mais facilmente da tarefa se praticar, ao invs de apenas escutar.

QUANDO ENSINAR ME:

use palavras que ela consiga compreender;

use materiais auxiliares com os quais ela esteja familiarizada, tais como recipientes para mistu-rar SRO;

quando ela estiver praticando, faa comentrios sobre como ela est se desempenhando. Elogieo que ela fizer bem feito ou corrija os erros. Permita-lhe praticar mais, se for necessrio;

incentive a me a fazer perguntas. Responda-as.

2.2 VERIFICAR SE A ME COMPREENDEUDepois de ensinar a me como tratar seu filho, voc precisa se certificar de que ela entendeu como

administrar o tratamento corretamente. As perguntas de verificao permitem averiguar o que a meaprendeu.

Uma aptido importante para a boa comunicao saber como fazer boas perguntas de verificao.

Uma pergunta de verificao deve ser formulada de tal modo que a me tenha que responder maisdo que um sim ou no. As boas perguntas de verificao requerem que a pessoa que responde descrevao porqu, como ou quando dar o tratamento.

20

Por exemplo, voc ensinou a me como dar um antibitico. Ento pergunte a ela:

Sabe como dar o remdio a seu filho?.

A me provavelmente responder sim, tendo compreendido ou no. Pode ser que se sintaenvergonhada de dizer que no entendeu. Se lhe fizer boas perguntas de verificao, tais como:

Quando dar o remdio a seu filho?,

Quantos comprimidos dar a cada vez? ou

Durante quantos dias lhe dar os comprimidos?

Estar pedindo me que lhe repita as instrues dadas. Fazer boas perguntas de verificao ajudaa comprovar que a me aprendeu e que recordar como tratar de seu filho.

As perguntas seguintes verificam a compreenso da me. As boas perguntas de verificaorequerem que a me descreva como ir tratar seu filho. Estas perguntas comeam com palavras interrogati-vas, tais como por que, o que, como, quando, quantos (quantas). As ms perguntas, que se responde comum sim ou no, no demonstram o quanto a me sabe.

Depois de fazer uma pergunta, faa uma pausa. D me a oportunidade de pensar. No respon-da a pergunta por ela. No faa outra pergunta de imediato.

preciso ter pacincia para fazer perguntas de verificao. Talvez a me saiba a resposta, pormpode ser que fale devagar. Talvez ela at se surpreenda com o fato de voc realmente esperar que ela respon-da. Pode ter medo de dar uma resposta incorreta. Talvez seja tmida para falar com uma autoridade. Esperesua resposta. Encoraje-a.

BOAS PERGUNTAS DE VERIFICAO

MS PERGUNTAS

Como se prepara a soluo de SRO?

Quantas vezes a criana deve ser amamentada de dia e de noite?

Quanto lquido a mais deve dar criana aps cada evacuao?

Por que importante lavar as mos?

Lembra-se de como misturar o soro? Voc deve amamentar o filho? Sabe como dar lquidos a mais?

Lembrar de lavar as mos?

Quandovoc vai darremdio aoseu filho ?

Eu vou dar remdiode manh e de noitenos prximos 5 dias !

Pela resposta da me, voc saber seela entendeu e aprendeu o que vocensinou a respeito do tratamento.Caso ela no possa responder corre-tamente, d-lhe mais informaoou esclarea as instrues.

21

Caso a me responda incorretamente ou diga que no se lembra, tenha o cuidado de no faz-lasentir-se desconfortvel. Volte a ensin-la como dar o tratamento. D-lhe mais informaes, exemplos eoportunidades de praticar, para ter certeza de que ela entendeu os procedimentos. A seguir, faa-lhe maisperguntas de verificao.

possvel que a me entenda, porm, no possa fazer o que lhe pede. Pode ter um problema ouuma objeo. Os problemas mais comuns so a falta de tempo ou de recursos para dar o tratamento. A mepode ter objees por ter sido dado a seu filho um medicamento por via oral, ao invs de uma injeo, oudar-lhe um remdio caseiro, ao invs de um medicamento.

Ajude a me a pensar nas possveis solues para o problema e responda as suas objees. Por exem-plo, caso voc lhe pergunte: quando voc dar o antibitico?, pode ser que a me lhe responda que noestar em casa durante o dia. Talvez diga-lhe que s pode tratar a criana pela manh e noite.

Pergunte se ela pode lembrar de algum (um dos avs ou irmos da criana) que esteja em casadurante o dia e que possa aplicar o tratamento de meio-dia. Ajude-a a fazer planos para que ela ensine a essapessoa como aplicar corretamente o tratamento.

Caso voc lhe pergunte: que recipiente voc ir usar para medir 1 litro de gua para misturar oSRO?, possvel que a me responda que no tem em casa recipientes de 1 litro.

Pergunte-lhe que tipo de recipientes tem em casa. Mostre-lhe como pr uma marca no recipientepara medir 1 litro, com um instrumento apropriado, ou como medir 1 litro usando recipientes menores.

Caso voc lhe pergunte: como ir suavizar a tosse do seu filho em casa?, a me pode responderque no gosta do que foi recomendado. Ao contrrio, esperava que dessem ao seu filho uma injeo oucomprimidos.

Convena-a da importncia de usar medidas caseiras em lugar dos medicamentos convencionais.Seja claro em sua explicao. Talvez ela tenha que explicar a razo do remdio incuo aos membros de suafamlia, que tambm esperavam que a criana fosse tratada de outra forma.

QUANDO VERIFICAR SE A ME COMPREENDEU OS PROCEDIMENTOS:

Faa perguntas que obriguem a me a explicar o que, como, quando, quanto ou o porqu. Nofaa perguntas que possam ser respondidas com um sim ou no.

D tempo me para pensar e a seguir responder.

Elogie a me quando ela responder corretamente.

Caso ela necessite de ajuda, d-lhe mais informaes, exemplos e oportunidades de praticar.

22

EXERCCIO C

Neste exerccio voc repassar as tcnicas para comunicar-se bem. Escreva sua resposta no espaoem branco.

1. A enfermeira Noemi tem que ensinar a me como secar o ouvido de seu filho com uma mecha.

Primeiro, ela explicar o quanto ajudar a criana que lhe seque o ouvido. A seguir, ela mostra me como fazer para secar o ouvido da criana com mechas. Depois, a enfermeira Noemi pede me que pratique como secar o ouvido do seu filho, enquanto a observa e lhe faz comentrios.Antes que a me deixe o servio de sade com seu filho, a enfermeira lhe faz vrias perguntas. Elaquer ter a certeza de que a me entendeu o porqu, como e quando dar o tratamento em casa.

a. Que informao a enfermeira Noemi deu me sobre o tratamento?

b. Sublinhe as oraes no pargrafo acima que descrevem como a enfermeira deu os exemplos.

c. O que a enfermeira fazia enquanto a me praticava?

2. O profissional de sade Beltro tem que ensinar a me como preparar SRO para seu filho, que est comdiarria. Primeiro, ele explica como se deve misturar SRO; a seguir, demonstra. O profissional pergunta me: Entendeu?. A me responde: Sim. Assim, Beltro d um envelope de SRO me e se despededela.

a. Que informao o profissional de sade Beltro deu me a respeito da tarefa?

b. Foi dado algum exemplo?

23

c. Foi pedido que ela praticasse?

d. Como Beltro comprovou que a me havia entendido?

e. Beltro verificou corretamente se a me havia entendido?

f. Como voc comprovaria se a me entendeu?

3. A enfermeira Carolina d me antibiticos de administrao oral para seu filho. Antes de explicar-lhecomo administr-los, Carolina pergunta me se sabe como dar o medicamento. A me consente coma cabea, dizendo que sim. Portanto, Carolina d os antibiticos me e se despede dela.

Quando a me lhe diz que sabe dar um tratamento, o que voc deve fazer?

4. Qual a melhor entre as perguntas de verificao seguintes, depois de haver recomendado me queaumentasse os lquidos durante a diarria? (marque uma).

______ a. Lembra-se de alguns dos lquidos que pode dar a seu filho?

______ b. Tem certeza de que vai dar lquidos extras ao seu filho?

______ c. Quanto lquido vai dar ao seu filho?

24

5. As perguntas seguintes podem ser respondidas com um sim ou um no. Reescreva as perguntas emforma de perguntas de verificao.

a. Lembra-se de quando tem que dar o antimalrico?

b. Entendeu qual a quantidade de xarope que tem que dar ao seu filho?

c. Voc pode secar o ouvido do seu filho com uma mecha?

d. Sabe como chegar ao hospital?

VERIFIQUE SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR, QUANDO VOC TIVER TERMINADOESTE EXERCCIO. SEU FACILITADOR LHE DIRIGIR UM EXERCCIO, PARA QUE VOC

PRATIQUE MAIS COMO FAZER AS PERGUNTAS DE VERIFICAO.

25

3 ENSINAR A ME COMO DAR MEDICAMENTOS POR VIAORAL EM CASA

Os medicamentos de administrao oral citados no quadro so includos por diferentes razes, emdiferentes doses e de acordo com diferentes planos de tratamento. No entanto, a forma de administr-los idntica.

Nesta seo voc aprender os passos bsicos para ensinar as mes a dar os medicamentos por viaoral. Caso uma me aprenda como dar corretamente o medicamento, a criana receber o tratamento apro-priado. Siga estas instrues para cada medicamento que d me.

Decidir quais so os medicamentos apropriados e as doses para a idade ou o peso da criana.

Use o quadro TRATAR A CRIANA para determinar o medicamento apropriado e a dose que serdada criana.

Tentar certificar-se de que a criana no alrgica ao medicamento proposto.

Justificar me o porqu de dar o medicamento criana:

por que est dando o medicamento de administrao oral para o seu filho e;

qual problema est tratando.

Demonstrar como medir as doses.

Obtenha um frasco do medicamento e comprove a data de validade. No use medicamentos venci-dos. Calcule a quantidade de que a criana necessita. Feche o frasco.

Quando estiver entregando os comprimidos me:

Mostre-lhe a quantidade que tem que administrar por dose. Caso necessrio, ensine-lhe apartir um comprimido.

Caso tenha que triturar um comprimido antes de d-lo criana, adicione algumas gotasde gua limpa e espere um minuto mais ou menos. A gua amolecer o comprimido queser mais facilmente triturado.

Se voc est entregando xarope (suspenso) me:

Ensine-a como medir em casa o nmero correto de mililitros (ml) para uma dose. Use ocopo ou colher-medida e mostre-lhe como medir a dose correta.

Na falta de medida adequada, ajuste a dose conforme o quadro abaixo:

Mililitros (ml)

Colheres de ch (cc)

1,25 ml

1/4 cc

2,5 ml

1/2 cc

5,0 ml

1 cc

7,5 ml

1 e 1/2 cc

10,0 ml

2 cc

15,0 ml

3 cc

26

Observar a me enquanto ela mesma pratica como medir uma dose.

Pea me que mea uma dose. Caso a dose esteja em forma de comprimido e a criana no o con-siga engolir, diga me que triture o comprimido. Observe-a enquanto ela pratica. Diga-lhe o que estfazendo corretamente. Caso tenha medido incorretamente a dose, volte a ensinar-lhe como medi-la.

Pedir me que d a primeira dose ao seu filho.

Explique que, se a criana estiver vomitando, a me deve dar o medicamento mesmo que ela ovomite. Diga me que observe a criana durante 30 minutos. Caso a criana vomite o comprimidodurante os prximos 30 minutos (pode-se ver o comprimido ou o xarope no vmito), a me ter que daroutra dose. Caso a criana esteja desidratada e vomitando, espere at que a criana se reidrate, antes de dar-lhe a dose outra vez.

Explicar em detalhes como dar o medicamento; a seguir, etiquete-o e empacote-o.

Diga me quanto remdio deve dar ao filho. Diga quantas vezes ao dia deve dar a dose. Digaquando deve ser dada (por exemplo: pela manh cedo, na hora do almoo, na hora do jantar, antes dedormir) e por quantos dias.

Escreva a informao em uma etiqueta para os medicamentos. Veja o exemplo a seguir.

Para escrever a informao em uma etiqueta para medicamento:

a. escreva o nome completo do medicamento e a quantidade total de comprimidos, cpsulas ouxarope para terminar o plano de tratamento;

b. escreva a dose correta que o paciente deve tomar (nmero de comprimidos, cpsulas, gotas oucolheres). Escreva quando se deve dar a dose (pela manh cedo, na hora do almoo, na hora dojantar, antes de dormir);

c. escreva a dosagem diria e o plano de tratamento, segundo o modelo da pgina seguinte;

d. escreva as instrues claramente de maneira que uma pessoa analfabeta seja capaz de com-preend-las;

NOME DATA

REMDIO QUANTIDADE

DOSE

27

e. ponha a quantidade total de cada medicamento em seu prprio pacote etiquetado (um envelope,pedao de papel, tubo ou frasco). Mantenha os medicamentos limpos. Use recipientes limpos.

Depois de ter etiquetado e empacotado o medicamento, entregue-o me. Faa-lhe perguntas deverificao, para ter certeza de que ela compreendeu como deve tratar o filho.

Exemplos de Etiquetas de Medicamentos para Tratamentos Distintos

Caso seja necessrio dar mais de um medicamento, obter, contar e empacotar cadamedicamento separadamente.

Obtenha um medicamento por vez. Escreva as instrues na etiqueta. Conte a quantidadenecessria.

Explique que todos os comprimidos ou xaropes prescritos de administrao oral devem ser usados at o tratamento terminar, ainda que a criana melhore.

Explique me que, ainda que a criana fique melhor, o tratamento deve ser continuado. Isso importante porque as bactrias e o parasita da malria podem estar presentes mesmo que os sinais da doenatenham desaparecido.

Recomende-a que conserve todos os medicamentos fora do alcance das crianas. Diga-lhe tambmque guarde os remdios em local seco e escuro, onde no existam ratos nem insetos.

Verificar se a me compreendeu as explicaes, antes de deixar o servio de sade.

Faa-lhe as perguntas de verificao, tais como:

Qual a quantidade que vai dar criana de cada vez?,

Quando deve dar? Por quantos dias?,

Como vai preparar este comprimido? e

Qual medicamento ter que dar trs vezes ao dia?.

Caso ache provvel que a me tenha problemas quando for dar a seu filho o(s) medicamento(s) emcasa, oferea-lhe mais informao, exemplos e oportunidades de praticar. A criana precisa receber o trata-mento correto para melhorar.

NOME DATA: 12 / 7 / 2002

REMDIO QUANTIDADE

Dose : comprimido, duas vezes ao dia, durante sete dias

Sulfametoxazol + Trimetoprim

Flaviana NOME DATA:REMDIO QUANTIDADE

DOSE:

Ctia

Ferro

30 gotas uma vez ao dia, durante14 dias

12 / 7 / 2002

15 ml

28

Em alguns servios de sade existe um encarregado, ou responsvel pelos medicamentos, que tema tarefa de ensinar a me a dar o tratamento e verificar se ela compreendeu. Caso esta seja a sua situao,ensine a este encarregado ou responsvel as tcnicas que voc est aprendendo aqui.

Pea ao responsvel pelos medicamentos que leia e faa os exerccios da seo 2.0: Usar as Tcnicaspara Comunicar-se Bem, e da seo 3.0: Ensinar a Me como Dar os Medicamentos por Via Oral em Casa.Proporcione as informaes, os exemplos e a prtica de que ele necessite.

Comprove se o encarregado ou responsvel pela entrega dos medicamentos est fazendo bem estaimportante tarefa. Faa algumas perguntas de verificao s mes antes que elas deixem o servio de sade.Saber por meio das respostas se o encarregado ou responsvel pela entrega dos medicamentos est ensi-nando como dar o tratamento corretamente.

29

EXERCCIO D

Leia a descrio do caso. Responda as perguntas. Veja o quadro TRATAR A CRIANA e use os medica-mentos recomendados para a sua regio.

Marina, de 7 meses de idade (7 kg), foi trazida ao servio de sade porque est tossindo e pareceestar muito doente. Depois da avaliao inicial, o profissional de sade no encontrou sinais geraisde perigo em Marina, nem tampouco diarria, febre ou problemas de ouvido. Tem tosse com respirao rpida, porm no tem tiragem subcostal nem estridor quando est tranqila. O profissional de sade classificou Marina como tendo PNEUMONIA e PESO NO BAIXO. Oprofissional de sade lhe dar um antibitico de administrao oral.

1. Decida qual o antibitico apropriado, a dose e o plano de tratamento para Marina. Escreva no espaoem branco.

2. Escreva no espao em branco os passos principais para ensinar a me de Marina como dar para a filha oantibitico de administrao oral.

3. Mostre como etiquetaria o envelope para a me de Marina

12 / 7 / 212 / 7 / 2002002NOME DATA:

REMDIO QUANTIDADE

DOSE

30

4. Escreva pelo menos 3 perguntas de verificao que faria me de Marina, para ter certeza de que ela com-preendeu como dar o antibitico por via oral.

5. Quando a me de Marina deve traz-la de volta ao servio de sade para uma consulta de retorno?Quando deve trazer Marina de volta imediatamente?

6. Escreva pelo menos 3 perguntas de verificao que faria me de Marina para estar seguro de que elacompreendeu quando deve traz-la de volta ao servio de sade.

VERIFIQUE SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR QUANDO TIVER TERMINADO ESTE EXERCCIO.

31

EXERCCIO E

Neste exerccio, voc praticar uma dramatizao de como ensinar as mes a administrar medica-mentos por via oral em casa.

Obs.: caso tratar-se de uma rea com risco de malria, considere a classificao de Leonardo comoPNEUMONIA, ANEMIA, PESO NO BAIXO E PROVVEL MALRIA.

A SITUAO O que j aconteceu at o momento:

Leonardo, uma criana de 4 meses de idade (5 kg), vive em uma rea sem risco de malria, ondeno h ancilstomos nem tricocfalos. Sua me o trouxe ao servio de sade porque ele est com febre. Afebre comeou h 4 dias.

Um profissional de sade no encontra sinais gerais de perigo, diarria ou problema de ouvido. Acriana apresenta tosse e respirao rpida. A temperatura de 38,5C, no tem rigidez de nuca, nem coriza.O peso da criana no baixo para a idade e h palidez palmar leve. O profissional classifica Leonardo comoPNEUMONIA, ANEMIA, PESO NO BAIXO e DOENA FEBRIL.

PROFISSIONAL DE SADE:

Para comear a dramatizao, diga me de Leonardo que ele precisa tomar comprimidos deparacetamol, sulfametoxazol trimetoprim (ou cloroquina, caso se tratar de uma rea com risco de malria)e suspenso oral de ferro. Ensine a me como dar os medicamentos em casa por via oral. D me toda ainformao necessria, mostre-lhe como dar os medicamentos e observe-a dando a primeira dose domedicamento para seu filho. A seguir, recomende me quando retornar ao servio de sade imediatamentee quando deve voltar para a consulta de retorno. Verifique se a me compreendeu a recomendao.

ME:

Escute atentamente as instrues que o profissional de sade lhe der. Faa perguntas caso no asentenda. Responda a todas as perguntas que o profissional de sade lhe fizer.

OBSERVADORES:

Observem a dramatizao. No interfiram. Leiam as perguntas seguintes e respondam-nas enquan-to observam:

a. O profissional de sade d recomendaes me sobre porque so importantes os medicamen-tos de administrao oral e como/quando administr-los?

b. O profissional de sade mostra exemplos me de como medir a dose de cada medicamento?

c. O profissional de sade observa a me enquanto:pratica como medir a dose de cada medicamento epratica como dar o medicamento a seu filho?

d. O profissional de sade etiqueta e empacota corretamente os medicamentos?

32

e. O profissional de sade disse corretamente me quando regressar imediatamente? O profissional desade disse corretamente me quando voltar para uma consulta de retorno?

f. O profissional de sade verificou se a me compreendeu as instrues? Que perguntas de verificao oprofissional de sade fez? Que outras perguntas de verificao voc faria?

DEPOIS DA DRAMATIZAO, COMECE UMA DISCUSSO EM GRUPO.

33

4 ENSINAR A ME A UTILIZAR TRATAMENTOSINTOMTICO

Esta seo do mdulo lhe ensinar como aliviar a tosse, tratar ulceraes na boca e infeco noouvido. Voc tambm aprender como ensinar a me ou o acompanhante a tratar as infeces locais emcasa. Quando estiver ensinando, voc dever:

Alguns tratamentos para as infeces locais causam mal-estar. As crianaspodem resistir ao tratamento dos ouvidos e da boca. Portanto, importante segu-rar a criana para que fique quieta. Assim evitar que a criana interfira no trata-mento.

O desenho da direita ilustra a posio correta que se deve segurar a criana. Deite a cabea da criana para trs ao lhe tratar as ulceraes na boca.Incline a cabea da criana para o lado quando estiver lhe secando o ouvido comuma mecha.

No tente fazer a criana ficar quieta at o momento de aplicar o trata-mento.

4.1 SECAR O OUVIDO COM UMA MECHA

Para ensinar a me como secar o ouvido com uma mecha, primeiro diga-lhe que importante man-ter o ouvido bem seco. A seguir, mostre-lhe como secar o ouvido com a mecha.

Secar o Ouvido Usando Mechas

Secar o ouvido ao menos trs vezes por dia.

Torcer um pano absorvente ou leno de papel macio e resistente, formando uma mecha.

Colocar a mecha no ouvido da criana. Retirar a mecha quando esta estiver molhada. Substitua a mecha por outra limpa e repita esses mesmos

passos at que o ouvido esteja seco.

Explicar me ou ao acompanhante qual o tipo de tratamento e por

que deve ser dado. Descrever as etapas do tratamento. Observar como a me administra o primeiro tratamento no servio de

sade (exceto os remdios para tosse). Inform-la sobre quantas vezes deve administrar o tratamento em

casa. Antes de a me deixar o servio de sade, assegurar-se de que ela

tenha compreendido todos os procedimentos anteriores.

34

Quando estiver secando o ouvido da criana com a mecha, diga me que use um panoabsorvente limpo, ou leno de papel suave e forte, para formar a mecha. No use um aplicadorcom algodo na ponta, basto ou papel delgado que se desmancha dentro do ouvido.

Coloque a mecha no ouvido da criana, limpe e retire. .

Troque a mecha usada por uma limpa.

Repita esses passos at que a mecha saia seca de dentro doouvido da criana. Ento o ouvido estar seco.

Observe a me enquanto ela pratica. Faa comentrios sobre o que ela estiver fazendo bem.Quando ela terminar, d-lhe a seguinte informao:

limpe o ouvido com mecha pelo menos trs vezes ao dia;

utilize este tratamento quantos dias forem necessrios at que a mecha j no se umedea mais,quando for tirada do ouvido, e no saia com pus;

no coloque nada no ouvido (nem azeite ou lquido, nem outras substncias) durante o pero-do de tratamento com as mechas. No deixe a criana nadar. No deve entrar gua no ouvi-do da criana.

Faa perguntas de verificao, tais como:

Que materiais usar em casa para fazer a mecha?.

Quantas vezes ao dia vai secar o ouvido com a mecha?.

O que mais vai colocar no ouvido da criana?.

Caso a me ache que ter problemas para secar o ouvido com a mecha, ajude-a a resolv-los.

O desenho ilustra a posio correta que se devesegurar a criana. Incline a cabea da criana parao lado quando estiver secando o ouvido com umamecha.

35

4.2 ACALMAR A TOSSE COM MEDIDAS CASEIRAS Para acalmar a tosse, use medidas caseiras que possam ser feitas em casa ou dadas no servio de

sade. importante que sejam incuas, ou seja, inofensivas. Os remdios caseiros so to eficazes como osque se compram na farmcia.

No quadro TRATAR A CRIANA recomendam-se medidas caseiras para as crianas que tm tosse.Caso uma criana se alimente exclusivamente de leite materno, no lhe d outros lquidos ou remdios. Sena sua cidade ainda so usados remdios nocivos, esses devem ser desencorajados, tais como atropina, code-na ou derivados da codena ou lcool. Esses ingredientes podem sedar a criana, podem interferir na ali-mentao, assim como podem interferir na capacidade de a criana expectorar as secrees pulmonares aotossir. Tampouco deve-se usar descongestionantes nasais, ou seja, gotas para o nariz que contenham qual-quer outro ingrediente que no seja sal.

DAR PRIORIDADE S RECOMENDAES

Quando uma criana tem apenas um problema a tratar, d me todas as instrues pertinentes ao tratamento e os conselhos enumerados nos quadros. Quando uma criana tem vrios problemas, as instrues que so dadas me podem ser bastante complicadas. Neste caso, ter que limitar as instrues e dar as que forem mais importantes. Ter que decidir:

Quanta informao esta me poder compreender e recordar?

provvel que volte para a consulta de retorno? Caso afirmativo, alguns conselhos podem esperar at ento.

Que recomendao mais importante para que a criana melhore?

Se a me parece estar confusa ou voc acha que ela no ser capaz de aprender ou recordar todas as instrues do tratamento, selecione somente as instrues que sejam mais indispensveis para a sobrevivncia da criana. Os tratamentos essenciais so os antibiticos e os antimalricos, alm de dar lquidos criana com diarria. Ensine bem a me esses tratamentos e verifique se ela lembrar deles.

Caso seja necessrio, omita o seguinte:

avaliao da alimentao e recomendao a respeito da alimentao; remdios para acalmar a tosse; tratamento com ferro; e antitrmico/analgsico

As demais instrues de tratamento podem ser dadas quando a me voltar para a consulta de retorno.

Aliviar a Tosse com Medidas Caseiras:

Aumentar a oferta de lquidos:

para menores de 6 meses de idade, em regime exclusivo de amamentao materna, oferecer o peito mais vezes.

Utilizar mel de abelha ou outras medidas culturalmente aceitas.

Remdios nocivos a desencorajar:

antiinflamatrios, sedativos da tosse, expectorantes, descongestionantes nasais ou orais e antigripais.

36

37

EXERCCIO F

Neste exerccio, voc responder as perguntas a respeito de como ensinar a me a tratar em casa asinfeces localizadas. Praticar tambm como dar prioridade s recomendaes.

PARTE 1: Ensinar a me a tratar algumas infeces locais em casa.

1. Acalmar a tosse com medidas caseiras.

a. O que significa medidas caseiras? Cite um exemplo.

b. Cite pelo menos dois exemplos de remdios que so nocivos.

c. Quando deve retornar imediatamente ao servio de sade uma criana cujo problema foi classi-ficado como NO PNEUMONIA?

QUANDO TIVER TERMINADO A PARTE 1, VERIFIQUE SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR.

PARTE 2: Praticar como dar prioridade s recomendaes.

O facilitador ler em voz alta a descrio do caso de uma menina chamada Mariana.

1. Escute a descrio do caso de Mariana. Escreva os resultados da avaliao e a classificao de Marianano formulrio de registro da pgina seguinte.

2. Identifique todos os tratamentos para Mariana. Enumere os tratamentos no formulrio de registro.

3. O facilitador continuar lendo a descrio do caso.

4. Repasse sua lista de tratamentos, as instrues e recomendaes de que Mariana necessite. Quais so asmais importantes a serem ensinadas pelo profissional de sade av?

5. Que tratamentos, instrues ou conselhos poderiam ser omitidos ou postergados se a av estiver visivel-mente confusa?

QUANDO TODOS ESTIVEREM PRONTOS, COMECE UMA DISCUSSO DE GRUPO.

38

ATENDIMENTO A CRIANA DE 2 MESES A 5 ANOS DE IDADE

39

_ No ___ _Sim _

Nome: __ Idade: _ __ Peso: ______kg Temperatura: C Data:

PERGUNTAR: Quais so os problemas da criana? Primeira consulta? Consulta de retorno? ___________

AVALIAR (traar um crculo em torno de todos os sinais presentes) CLASSIFICAR

VERIFICAR SE H SINAIS GERAIS DE PERIGO NO CONSEGUE BEBER OU MAMAR AO PEITO LETRGICA OU INCONSCIENTE VOMITA TUDO CONVULSES

H sinal geral de perigo?

Lembre-se de utilizar

os sinais de perigo ao selecionar as classificaes

A CRIANA EST COM TOSSE OU TEM DIFICULDADE DE RESPIRAR?

H quanto tempo? _____ dias A criana apresenta sibilncia ocasional ou freqente?

Contar as respiraes em um minuto. _____ respiraes por minuto. Respirao rpida? Observar se h tiragem subcostal.

A CRIANA EST COM DIARRIA?

H quanto tempo? _____ dias H sangue nas fezes?

Examinar o estado geral da criana. Encontra-se:Letrgica ou inconsciente? Inquieta ou irritada?

Observar se os olhos esto fundos. Oferecer lquidos criana. A criana:

No consegue beber ou no bebe bem? Bebe avidamente, com sede?

Sinal da prega: a pele retorna ao estado anterior: Muito lentamente (mais de dois segundos)? Lentamente?

A CRIANA EST COM FEBRE? (determinada pela anamnese/quente ao toque/temperatura de 37,5C ou mais)

Determinar se o risco de malria : Alto/Baixo/Sem risco

H quanto tempo? ___ dias Se h mais de sete dias, houve febre todos os dias?

Observar e palpar se est com: Rigidez de nuca. Petquias. Abaulamento de fontanela. Coriza.

A CRIANA EST COM ALGUM PROBLEMA DE OUVIDO?

Est com dor de ouvido? H secreo no ouvido?

Se houver, h quanto tempo? ____ dias

Observar se h secreo purulenta no ouvido. Palpar para determinar se h tumefao dolorosa atrs do ouvido.

A SEGUIR, VERIFICAR SE H DESNUTRIO OU ANEMIA

Observar se h emagrecimento acentuado. Verificar se h edema em ambos os ps. Observar se h palidez palmar. ela: Leve/Grave Determinar o peso para a idade:

Muito Baixo/Baixo/No Baixo

Avaliar se h ganho insuficiente de peso.

VERIFICAR A SITUAO DAS VACINAS DA CRIANA Traar um crculo em torno das vacinas a serem dadas hoje.

Retornar para a _

_ _ _ _ _ _ _ _

_ VcHB - DTP 1

1

VOP- 2 2 VcHib- DTP-

VcHib - VAS ou VcSRC DTP- 4 prxima vacinao:

_________VcHB-1 VOP- VcHib- DTP- VOP- VcHB- VcFA- VOP-

(Data)

AVALIAR O ESTADO DE ALIMENTAO DA CRIANA (se estiver anmica, com peso muito baixo, peso baixo, ganho insuficiente ou se tiver menos de 2 anos de idade)

Voc alimenta sua criana ao peito? Se amamenta, quantas vezes no perodo de 24 horas? ___ vezes. Amamenta noite? Sim

A criana come algum outro alimento ou toma outros lquidos? Se a resposta for sim, que alimento ou lquidos?

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Quantas vezes ao dia? ___ vezes. Usa o qu para alimentar a criana?_______________________________________________ Se o peso for baixo para a idade: Qual o tamanho das pores?_________________________________________________

A criana recebe sua prpria poro? _____ Quem alimenta a criana e como?________________________________________

Durante esta doena houve mudanas na alimentao da criana? Se houve como?_________________________________________________________________________________

Problemas de Alimentao:

AVALIAR OUTROS PROBLEMAS E AS DOENAS DE NOTIFICAO COMPULSRIA:

_ _ _ _ _ _ _ 3

3 3 4

3

2

2

1 1

_ No ___ __ No ___ _Sim _

_ No ___ _Sim _

_ No ___ _Sim _

Sim _

___

______ ___

___

______

BCG- D 1

Verificar se h estridor ou sibilncia.

Sim ___ No _

Sim ___ No _

Sim ___ No _

Sim ___ No _

TRATAR

Lembrar de referir qualquer criana que apresente pelo menos um sinal de perigo sem estar em outra classificao:

Regressar para reavaliao e acompanhamento em:_____________________ Instruir a me sobre quando retornar imediatamente:____________________ Administrar todas as vacinas previstas para hoje, segundo o Cronograma de Vacinao: ___________________________________________________ Recomendaes sobre a alimentao:________________________________

40

5 ADMINISTRAR ESTES TRATAMENTOS EXCLUSIVAMENTENO SERVIO DE SADE

No mdulo IDENTIFICAR O TRATAMENTO, voc aprendeu a referir ao hospital uma criana com umaclassificao grave. Pode ser necessrio administrar no servio de sade um ou mais dos seguintes trata-mentos antes que a criana v para o hospital.

Antibitico intramuscular (se no for possvel por via IM, dar o antibitico por via oral).

Antimalrico intramuscular para malria grave, aps confirmao por meio do teste de gotaespessa.

Leite materno ou gua aucarada para preveno contra a hipoglicemia.

Administrar um broncodilatador por via inalatria.

Quando dado um antibitico ou antimalrico injetvel, deve-se:

5.1 DAR UM ANTIBITICO POR VIA INTRAMUSCULARUma criana pode precisar de um antibitico antes de ir para o hospital. Se esta criana:

no capaz de beber ou mamar ao peito ou

vomita tudo o que ingere ou

tem convulses ou

est letrgica ou inconsciente ou

tem algum outro sinal para classificao de doena grave.

D-lhe uma dose nica de cloranfenicol ou penicilina G procana por via intramuscular. Depois, refira-aurgentemente ao hospital. Caso no haja antibitico intramuscular, procure dar o antibitico via oral.

Explicar me ou ao acompanhante a razo de dar o medicamento. Determinar a dose apropriada para o peso da criana (ou a idade) Utilizar agulha e seringa descartveis. Medir a dose com preciso. Administrar o medicamento sob a forma de injeo IM. Se a criana no puder ser referida, siga as instrues do Anexo E.

41

Use o quadro abaixo para determinar a dose do medicamento:

O cloranfenicol geralmente vem em forma de p, em ampolas de 1g. Adicione 5,0 ml de gua des-tilada ampola de 1.000 mg de cloranfenicol. Obter assim uma concentrao de 5,6 ml de cloranfenicola 180 mg/ml.

Calcule a dose usando a dosagem por quilo multiplicada ao peso da criana ou selecione a dose dalinha do quadro que contenha o peso (ou idade, se no souber o peso da criana) que mais se aproxime dopeso da criana a ser tratada.

5.2 DAR ARTEMETER INJETVEL PARA A MALRIA GRAVE (REA COM ALTO RISCO DE MALRIA)

Uma criana com DOENA FEBRIL MUITO GRAVE pode ter malria grave. Para diminuir aparasitemia o mais rapidamente possvel, aps confirmao por meio do teste de gota espessa, d umainjeo de artemeter antes de referir (se no for possvel IM, dar antimalrico por via oral).

PARA CRIANAS REFERIDAS COM MALRIA GRAVE OU DOENA FEBRIL MUITO GRAVE Dar a primeira dose de artemeter IM, aps confirmao por meio do teste da gota espessa, e

referir urgentemente a criana ao hospital

IDADE OU PESO

ARTEMETER POR VIA INTRAMUSCULAR Ampola 1 ml = 80mg

3,2 mg/kg/dose (1. dose) < 2 meses (< 4 kg) 0,1 a 0,2 ml 2 a 4 meses ( 4 a < 6kg) 0,2 a 0,3 ml 4 a 11 meses ( 6 a

SE NO FOR POSSVEL REFERIR Usar o artemeter por via IM, na dose de 3,2 mg/kg/peso, em dose nica no primeiro dia. Aps

24 horas, aplicar 1,6 mg/kg/peso a cada 24 horas por quatro dias, totalizando cinco dias detratamento.

Completar o tratamento com clindamicina, 20 mg/kg/dia por cinco dias, dividida em duastomadas de 12 em 12 horas, via oral, ou doxiciclina, 3,3 mg/kg/dia, dividida em 12/12 horas,por cinco dias, via oral, ou mefloquina, 15 a 20 mg/kg/peso, em dose nica via oral.

Estes medicamentos devem ser administrados ao final do tratamento com derivados deartemisinina.

A doxiciclina no deve ser administrada a gestantes e menores de 8 anos. A mefloquina nodeve ser usada em gestantes no primeiro trimestre.

Orientaes sobre outros esquemas de tratamento de malria grave, ver anexos (Quando nofor possvel referir).

Procedimentos para aplicar injees de cloranfenicol, penicilina G procana e artemeter.

Siga estes passos quando aplicar uma injeo de artemeter ou cloranfenicol.

1. Use o quadro TRATAR A CRIANA para selecionar a dose apropriada. Comprove a concentrao disponvelno seu servio de sade.

2. CLORANFENICOL: prepare-o. Ele pode estar contido em forma de p em uma ampola com tampa de bor-racha de 1.000 mg. Adicione 5 ml de gua destilada. Agite at que fique transparente.

3. Use agulha e seringa descartveis para aplicar a injeo.

Injees de cloranfenicol e penicilina G procana: a ilustrao a seguir mostra o tipo de seringa que se usapara as injees de cloranfenicol. Mea as doses com preciso.

Injees de artemeter: use uma seringa com graduaes finas, como, por exemplo, uma seringa de tuber-culina. Mea a dose com preciso.

4. A criana deve estar deitada.

5. Administre o medicamento por via intramuscular (artemeter intramuscular) profunda no quadrantesuperior externo nas ndegas. No menor de 6 meses de idade, aplicar na parte anterior da coxa.

6. Refira urgentemente a criana a um hospital. A criana deve ser levada nos braos. Mantenha-a deitada.

43

5.3 DAR MEDICAMENTOS PARA TRATAR A SIBILNCIAAo ser detectada a sibilncia, a conduta teraputica a ser adotada administrar na criana uma

droga broncodilatadora, por via inalatria nebulizao com salbutamol ou fenoterol ou por meio deaerossis, sprays ou bombinhas. Siga os seguintes passos:

Explicar me ou ao acompanhante o porqu de dar o medicamento;

Determinar e medir a dose apropriada com preciso para o peso da criana e misturar omedicamento ao soro fisiolgico;

Administrar o broncodilatador por via inalatria. Se depois da primeira nebulizao a crianano melhorar, repetir a nebulizao a cada 20 minutos;

Se a criana melhorar da sibilncia, seguir as instrues na tabela de dosagem.

5.3.1 ADMINISTRAR O TRATAMENTO ABAIXO NA UNIDADE DE SADE E ENSI-NAR A ME OU O ACOMPANHANTE A ADMINISTRAR O MEDICAMENTOORAL EM CASAA dose a ser usada uma gota para cada 3 kg/dose, diluda em 4 ml de soro fisiolgico, que pode

ser repetida, caso no haja resposta satisfatria, em 20 a 30 minutos. A dose mxima recomendada de 10gotas.

Depois de cada nebulizao, a criana dever ser reavaliada segundo o quadro A criana est comTosse ou Dificuldade para Respirar?, para ver se a criana melhora da sibilncia. Avaliar tambm a freqn-cia respiratria, quando alterada, e a tiragem subcostal.

Se depois da primeira nebulizao melhorar a sibilncia, continuar com a classificao no quadroe seguir as instrues para os cuidados da criana.

Se depois da primeira nebulizao a criana no melhorar, repetir a nebulizao a cada 20 minutos, em um mximo de duas vezes, fazendo uma reavaliao da criana em cada vez.Proceder segundo a classificao obtida no quadro.

A via inalatria sempre prefervel para uso nas unidades de sade, em razo de sua eficcia. Amedicao oral est indicada para uso domiciliar e nos perodos intercrticos. Uma alternativa de tratamentopode ser a administrao por via subcutnea de adrenalina 1:1000, na dose de 0,01ml/kg/dose, se houverimpossibilidade de utilizar a nebulizao.

44

ADMINISTRAR O TRATAMENTO ABAIXO NA UNIDADE DE SADE E ENSINAR A MEOU ACOMPANHANTE A ADMINISTRAR O MEDICAMENTO EM CASA

Uso de Broncodilatadores

Broncodilatador de Ao Rpida ( B2)*: Via Inalatria

Nebulizao Tempo Dose Dose mxima recomendada

Fenoterol: 5 mg/ml 5 a 10 minutos

1 gota para cada 3 kg/dose diluda em 3 ml de soro fisiolgico

10 gotas

Broncodilatador Oral (Salbutamol): trs vezes ao dia, durante cinco dias Idade ou peso

(0,1 mg/kg/dose) Comprimido

de 2 mg Comprimido

de 4 mg Suspenso

2 mg em 5 ml 2 a 11 meses

(< 10kg) 1/2 1/4 2,5 ml

De 1 a 4 anos (10 a 19 kg)

1 1/2 5,0 ml

* Quando voc no dispuser de broncodilatador (B2) por via inalatria, usar adrenalina subcutnea, soluo 1:1000, em dose nica de 0,01 ml/kg.

Se a criana melhorar da sibilncia:

Para aquelas crianas cujos problemas sejam classificados como PNEUMONIA ou NO PNEUMONIA, manter o tratamento com broncodilatador por cinco dias, trs vezes ao dia; usar a via oral se a via inalatria no for disponvel.

Se a criana no melhorar da sibilncia: Referir a criana ao hospital.

TRATAR A SIBILNCIA

Criana em crise de sibilncia.

Administrar um broncodilatador (B2) por via inalatria. Usar tratamento via oral se a via inalatria no for disponvel.

Melhora da sibilncia. Ver abaixo No melhora

Repetir a nebulizao a cada 20 minutos, duas vezes no mximo.

No melhora: referir a criana ao hospital

45

5.3.2 PREVENO DA ASMA E DOS FATORES DESENCADEANTES

Cuidados em Casa (principalmente no quarto da criana):

evitar fumaa de cigarro, mofo, poeira, animais domsticos; bichinhos de pelcia, objetos que acumulem poeira; produtos com cheiro forte, tais como perfumes, talcos, inseticidas e produtos de limpeza; o

colcho e o travesseiro devem ser cobertos com plstico. Se no for possvel, coloc-los no soluma vez por semana. Trocar a roupa de cama duas vezes por semana; quando lav-las, secar asroupas ao sol e pass-las com ferro bem quente; e

a limpeza da casa dever ser feita somente com pano mido ou aspirador. No usar vassoura,pano seco ou espanador.

Cuidados no Dia-a-Dia: evitar fumaa de cigarro, de foges de lenha ou de derivados de petrleo;

no limitar atividade fsica;

lidar com os aspectos emocionais; e manter o aleitamento materno nos primeiros 6 meses de vida.

Cuidados individuais: manter acompanhamento mdico peridico.

5.3.3 CLASSIFICAR A ASMA PARA DEFINIR CRITRIOS DE ENCAMINHAMENTO

ENCAMINHAR AO ESPECIALISTA: casos moderados e graves; quando acompanhados por rinite ou sinusite graves, que no melhoram com controle

ambiental e medicao; e crianas que apresentem deformidade torcica ou respirao bucal.

Classificao da Asma Severidade Quadro Clnico Leve

Moderada Crises durante mais do que um dia por ms, ou mais de uma crise por ms, mas no

requerendo cursos repetidos de corticides sistmicos para controle, idas emergncia sem internaes, atividades prejudicadas com algumas faltas escola ou creche, sono interrompido menos do que duas vezes por semana e mais do que duas vezes por ms, uso de BD para alvio mais do que duas vezes por semana.

Grave

Crises com risco de morte, necessitando de internaes ou cursos freqentes de corticides sistmicos, atividades usuais prejudicadas com faltas freqentes escola ou creche, sono interrompido por asma duas ou mais vezes por semana, uso de BD para alvio dos sintomas duas vezes ao dia.

(Adaptado do Jornal de Pneumologia 24 (4): Jul/Ago. 1998 II Consenso Brasileiro no Manejo da Asma 1998).

Crises durando um dia, ou menos, por ms ou uma crise, ou menos, por ms, controladas por broncodilatador (BD) e sem idas emergncia, atividades em geral normais, sem perda de mais do que um dia ocasional de escola ou creche, sono em geral normal ou interrompido por asma duas vezes, ou menos, por ms, uso de BD para alvio menos do que duas vezes por semana.

46

5.4 TRATAR A CRIANA PARA PREVENIR A HIPOGLICEMIAPrevenir-se contra a baixa taxa de acar no sangue um tratamento urgente, prvio ao referimen-

to ao hospital para tratar as crianas contra a MALRIA GRAVE, DOENA FEBRIL MUITO GRAVE OU DESNU-TRIO GRAVE.

A baixa taxa de acar no sangue se apresenta durante as infeces graves, como a malria grave, ameningite ou a desnutrio grave. Tambm se apresenta quando a criana no tem podido comer pormuitas horas. perigosa porque pode causar dano cerebral.

Dar um pouco de leite materno ou gua aucarada proporciona certa quantidade de glicose paratratamento ou preveno contra a baixa taxa de acar no sangue. Esse tratamento administrado apenasuma vez antes de a criana ser referida ao hospital.

Caso a criana no possa engolir e voc tem condies de passar a sonda nasogstrica (NG)2, d-lhe 50 ml de leite (extrado da me ou, se a criana no mamar, oferecer outro leite) ou gua aucarada pelasonda NG.

2 Caso esteja capacitado a usar uma sonda NG, os passos 1 a 8 do Anexo A descrevem como inserir a sonda NG.

Tratar a criana para evitar a Hipoglicemia

Se a criana consegue mamar no peito:

Pedir me que a amamente no seio.

Se a criana no consegue mamar no peito, mas consegue engolir:

Dar leite materno ordenhado da prpria me ou, na impossibilidade, d outro leite. Se no houver nenhum destes disponveis, dar gua aucarada. Dar 30-50ml de leite ou gua aucarada antes de a criana ser encaminhada ao hospital. Para preparar gua aucarada, dissolver 4 colheres de ch rasas de acar (20 gramas) em uma xcara com 200 ml de gua potvel.

Se a criana no consegue engolir:

Dar 50 ml de leite ou gua aucarada atravs de conta-gotas ou sonda nasogstrica.

47

EXERCCIO G

Neste exerccio, voc determinar a dose correta e praticar como medir doses distintas de medica-mentos.

Parte 1: Pratique como determinar a dose correta.

1. Que dosagem daria a estas crianas?

2. Sebastio, uma criana de 12 meses de idade (10 kg), foi trazido ao servio de sade hoje de manhporque est tendo febre h dois dias e no come desde ontem.

Um profissional de sade avaliou Sebastio e viu que ele estava inconsciente. Classificou Sebastiocomo tendo MALRIA GRAVE OU DOENA FEBRIL MUITO GRAVE e PESO NO BAIXO. Realizou em Sebastioo teste de gota espessa, que confirmou malria por P. falciparum.

O profissional de sade administrar a Sebastio artemeter IM. Tambm lhe dar gua aucaradapela sonda nasogstrica para preveni-lo contra a hipoglicemia. Em seguida, o profissional referir Sebastiourgentemente ao hospital mais prximo.

Especifique a dose de cada tratamento que Sebastio receber.

Artemeter ________________________________________gua aucarada por sonda NG _______________________

QUANDO TIVER TERMINADO A PARTE 1, VERIFIQUE SUAS RESPOSTAS COM UM FACILITADOR.

Peso da criana

Se precisa de cloranfenicol (180 mg/ml)

Se precisa de artemeter (80 mg/ml)

5 kg

7 kg

13 kg

18 kg

48

Parte 2: Pratique como preparar a dosagem dos medicamentos de administrao oral e intramuscular.

1. Seu facilitador preparou uma bandeja com uma variedade de medicamentos. Observe que comprimidostm um aspecto parecido e poderiam causar confuso na hora de se dispensar vrios medicamentos.Discuta sobre os medicamentos com um facilitador.

2. Usando uma soluo oral de vitamina A da bandeja, mostre ao facilitador ou a outro participante comoir administrar a vitamina A a uma criana de 8 meses de idade que no pode engolir a cpsula. Pode-seusar um copo como se fosse a boca da criana.

3. Prepare as doses indicadas abaixo. Para preparar os medicamentos de administrao intramuscular, diluao p em gua destilada e tire a quantidade correta com a seringa apropriada.

Anote cada dose no espao reservado. Pea a um facilitador que verifique cada uma das doses.

Escreva as doses nos quadros a. Trimetoprim + sulfametoxazol para uma

criana de 6 kg

b. Cloroquina para uma criana de 9 kg

c. Ferro para uma criana de 12 kg

d. Cloranfenicol para uma criana de 6 kg

e. Salbutamol para uma criana de 11 kg

f. Mebendazol para uma criana de 3 anos

g. Analgsico/antitrmico para uma criana de 14 kg

49

6 DAR LQUIDOS ADICIONAIS PARA A DIARRIA E CONTINUAR A ALIMENTAO

Voc aprendeu a avaliar uma criana com diarria, a classificar a desidratao e selecionar um dosseguintes planos de tratamento:

Plano A - Tratar a Diarria em CasaPlano B - Tratar a Desidratao com SROPlano C - Tratar Rapidamente a Desidratao Grave

Os trs planos proporcionam lquidos para repor gua e sais minerais perdidos por causa da diar-ria. Uma forma excelente tanto de reidratar como para prevenir a desidratao, em uma criana, dar-lheuma soluo a base de sais de reidratao oral (SRO). Deve-se administrar na criana uma soluo por viaIV exclusivamente nos casos de DESIDRATAO GRAVE.

Os nicos tipos de diarria que devem ser combatidos com antibiticos so a diarria comDESIDRATAO GRAVE, quando h clera na regio, e a DISENTERIA com comprometimento do estado geral3.Os antibiticos para a clera e a DISENTERIA so descritos nas sees 1.1 e 6.5.

Agora voc aprender a administrar os Planos A, B e C.

6.1 PLANO A: TRATAR A DIARRIA EM CASANesta seo se descreve o PLANO A para o tratamento de uma criana que tem diarria, porm

SEM DESIDRATAO. As trs regras de tratamento em casa so:

1. DAR LQUIDOS ADICIONAIS (tanto quanto a criana consiga aceitar)2. CONTINUAR A ALIMENTAO3. QUANDO RETORNAR

Nesta seo se descreve como recomendar me sobre a primeira regra de tratamento em casa: darlquidos adicionais. Voc ensinar a me a prevenir a desidratao, dando criana lquidos adicionais.Lquidos adicionais significam mais lquidos do que de costume. A informao a respeito de comocontinuar a alimentao da criana descrita no mdulo ACONSELHAR A ME OU O ACOMPANHANTE. Vocaprendeu quando uma me deve retornar ao servio de sade no mdulo anterior, IDENTIFICAR O TRATA-MENTO.

O plano A um plano de tratamento importante. As crianas com diarria que chegam ao profis-sional de sade com a classificao SEM DESIDRATAO so tratadas com o Plano A. As crianas comdesidratao precisam ser reidratadas com o Plano B ou C e a seguir tratadas com o Plano A. Ao final, todasas crianas com diarria recebero o Plano A.

3 Os antibiticos no so eficazes no tratamento da diarria. Raramente ajudam e algumas crianas pioram de estado. O uso desnecessrio dosantibiticos pode aumentar a resistncia de alguns patgenos. Alm do mais, os antibiticos so caros. Geralmente se desperdia o dinheiro emtratamentos ineficazes. Portanto, no d antibiticos sistematicamente. Nos casos de diarria, d antibiticos exclusivamente quando houverDESIDRATAO GRAVE com clera na regio e DISENTERIA, com comprometimento do estado geral.

Nunca administre antidiarricos e antiemticos s crianas. Raramente ajudam a tratar a diarria e alguns so perigosos. Os medicamentos peri-gosos so os antiespasmdicos (por exemplo, codena, tintura de pio, difenoxilato e loperamida) ou os medicamentos para tratar o vmito (porexemplo, clorpromazina). Alguns desses medicamentos nocivos podem causar paralisia do intestino ou deixar a criana anormalmente sonolenta.Alguns podem intoxicar as crianas. Outros antidiarricos, ainda que no sejam perigosos, no so eficazes para tratar a diarria. Estes so osadsorventes, como, por exemplo, caolin, atapulgita, semectita e carvo ativado. Usar medicamentos antidiarricos pode retardar o tratamentocom o SRO.

50

O Plano A consiste em recomendar me as trs regras de tratamento em casa. Portanto, suasaptides para ensinar e recomendar so muito importantes para o Plano A. Agora, estude um pouco sobreele.

6.1.1 PRIMEIRA REGRA PARA O TRATAMENTO EM CASADAR LQUIDOS ADICIONAIS

DIZER ME A:

Dar criana tanto lquido quanto esta possa aceitar. O propsito de dar lquidos extras repor os lquidos perdidos durante a diarria e, assim, prevenir a desidratao. A medida maisimportante dar mais lquidos do que de costume, to logo a diarria inicie;

Dar o peito criana com freqncia e durante mais tempo por vez. Explique-lhe tambm quedeve dar outros lquidos. A soluo de SRO um dos vrios lquidos que se recomenda paraprevenir a desidratao em casa.

Caso uma criana se alimente exclusivamente de leite materno, importante que seja dado o peitoa essa criana com mais freqncia do que de costume. D-lhe tambm soluo de SRO. Para as crianasdoentes menores de 4 meses, alimentadas exclusivamente com leite materno, primeiro oferea-lhes o peitoe depois SRO.

Plano A: Tratar a Diarria em Casa

Recomendar me ou ao acompanhante as trs regras do tratamento domiciliar: dar lquidos adicionais, continuar a alimentar, quando retornar. 1. DAR LQUIDOS ADICIONAIS (tanto quanto a criana aceitar)

RECOMENDAR ME A: amamentar com freqncia e por tempo mais longo a cada vez; se a criana se alimentar exclusivamente de leite materno, dar SRO alm do leite materno; se a criana no estiver em regime exclusivo de leite materno, dar a ela um ou mais dos

seguintes preparos: soluo SRO, lquidos caseiros (tais como caldos, gua de arroz, soro caseiro) ou gua potvel.

especialmente importante dar SRO em casa quando: durante esta visita a criana receber o tratamento do Plano B ou do Plano C; a criana no puder retornar a um servio de sade se a diarria piorar.

ENSINAR A ME A PREPARAR A MISTURA E A DAR SRO. ENTREGAR UM PACOTE

DE SRO ME PARA UTILIZAR EM CASA, SE NECESSRIO. MOSTRAR ME A QUANTIDADE DE LQUIDOS ADICIONAIS A DAR EM CASA ALM

DOS LQUIDOS DADOS HABITUALMENTE: At 1 ano 50 a 100ml depois de cada evacuao aquosa 1 ano ou mais 100 a 200ml depois de cada evacuao aquosa

Recomendar me ou ao acompanhante a: administrar freqentemente pequenos goles de lquidos de uma xcara; se a criana vomitar, aguardar 10 minutos e depois continuar, porm mais lentamente; e continuar a dar lquidos adicionais at a diarria parar.

2. CONTINUAR A ALIMENTAR

3. QUANDO RETORNAR

Consultar o Quadro ACONSELHAR A ME OU O ACOMPANHANTE

51

Se a criana no estiver em regime exclusivo de leite materno, d-lhe um ou mais dos seguinteslquidos:

soluo de SRO; lquidos elaborados com alimentos; e lquidos caseiros (soro caseiro, gua, etc.).

Na maioria dos casos, uma criana que no est desidratada, na realidade, no necessita da soluode SRO. D-lhe lquidos adicionais preparados com alimentos, como, por exemplo, sopa, gua de arroz,iogurte e gua pura (de preferncia junto com os alimentos).

O Plano A prev duas situaes em que a me deve administrar a soluo de SRO em casa:

1. A criana foi tratada com o Plano B ou C durante esta visita. Em outras palavras, a criana foi redrata-da. Esta criana deve beber a soluo de SRO para evitar que volte a se desidratar.

2. A criana no pode retornar ao servio de sade caso a diarria piore. Por exemplo, a famlia vive muitolonge ou a me tem um emprego ao qual ela no pode faltar.

ENSINAR A ME COMO PREPARAR A MISTURA E DAR SRO CRIANA.ENTREGAR-LHE 1 PACOTE DE SRO PARA UTILIZAR EM CASA, SE NECESSRIO.

Quando voc der SRO para a me, mostre-lhe como misturar a soluo de SRO e d-la ao seufilho. Pea me que pratique enquanto voc observa.

Os passos para fazer a soluo de SRO so:

Lave as mos com gua e sabo.

Esvazie todo o p de um pacote em um recipiente limpo.

Use qualquer recipiente disponvel, como um frasco, um copo ou uma garrafa.

Mea 1 litro de gua pura (ou a quantidade correta para o pacote que estiver usando). melhorferver e esfriar a gua; porm, se no for possvel, use a gua pura mais limpa que tiver.

Coloque a gua em um recipiente. Misture bem at que o p se dissolva completamente.

Explique me que ela deve preparar a soluo de SRO todos os dias, em um recipiente limpo,deve manter o recipiente coberto e jogar fora o que restou da soluo do dia anterior.

D me um pacote de SRO para usar em casa.

52

MOSTRAR ME QUANTO LQUIDO ELA DEVE OFERECER CRIANA ALM DOQUE ESTA EST ACOSTUMADA A INGERIR:

Explique me que seu filho deve beber os mesmos lquidos que bebe diariamente, porm devetomar quantidades de lquidos extras. Mostre-lhe quanto lquido extra ela deve dar depois de cadaevacuao diarrica:

At 1 ano 50 a 100 ml depois de cada evacuao aquosa 1 ano ou mais 100 a 200 ml depois de cada evacuao aquosa

Explique me que a diarria deve cessar logo. A soluo de SRO no deter a diarria. O bene-fcio da soluo de SRO o de rep