curso hotelaria

  • View
    217

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of curso hotelaria

  • 7/30/2019 curso hotelaria

    1/35

    NOVA ERAHotelaria

    1. HOTELARIA

    1.1 UM GRANDE ESPETCULO!

    Trabalhar em hotel como ser ator de um grandioso espetculo.Com muitos cenrios, figurinos, objetos em cena, dilogos, textos e principalmente muitos atores

    atuando.

    1.2 QUEM O HSPEDE?

    a pessoa de quem depende a existncia do hotel.Quase sempre um viajante, um passageiro, surpreendentemente, imprevisvel e sobretudo um

    desconhecido.

    O tipo de hspede varia de acordo com a personalidade, a maneira de viver e as razes daviagens.

    Ele tem vrias expectativas, vrios desejos, ele quer todas as mordomias, todos os servios, todo opessoal a sua disposio.

    Ele quer assistir ao espetculo pronto. Qualquer falha ser motivo para que saia insatisfeito,falando mal do espetculo, propagando uma imagem negativa.

    1.3 EXPECTATIVA DO HSPEDE

    Quando o hspede entra em nossa casa de

    espetculos, o hotel, ele tem uma srie deexpectativas como:

    Quer ver tudo funcionando a tempo e na hora,tudo bonito, harmonioso, elegante, requintado.

    Quer receber do elenco de profissionais dohotel um trabalho corts, educado, atento,alegre, interessado em satisfazer seusdesejos e necessidades. Rpida e eficiente.

    Quer ter confiana nos profissionais doelenco.

    Quer soluo, como espectador, ele no quersaber dos problemas e dificuldades paracolocar o espetculo em cena.

    1.4 VOC E O HSPEDE

    Voc como funcionrio do hotel desempenhaum papel importante na manuteno de clientes.Representa o ele de ligao entre o hotel e oshspedes.

    Da imagem que voc, funcionrio transmitiraos hspedes depende a imagem do hotel.

    O hspede espera muito dos funcionrios deum hotel seja qual for a funo que ocupa, desdeo mais simples empregado at o gerente.

    Curso Tcnico em Turismo

    1

    HSPEDEHSPEDE

    simptico tmidoagradvel

    bonito

    velho

    homemtristecrianajovem

    mulher

    alegre

    agressivofeio

    resmungo

  • 7/30/2019 curso hotelaria

    2/35

    NOVA ERAHotelaria

    1.5 ATENO! VOC EST EM CENA! Ao cruzar as portas que separam a rea deservio da social, lembre-se:

    Voc est entrando em cena!

    E como bom ator, um ator de sucesso, cuide e aperfeioe sempre o seu visual e o seucomportamento.

    Visual

    Comportamento

    2. EMPRESA HOTELEIRA

    2. 1 O QUE UMA EMPRESA

    HOTELEIRA E MEIOS DEHOSPEDAGEM

    2.1.1 EMPRESA HOTELARIA

    Considera-se empresa hoteleira a pessoajurdica que explore ou administre meio dehospedagem e que tenha em seus objetivossociais o exerccio de atividade hoteleira.

    O regulamento da EMBRATUR estabeleceno seu art. 4:

    I. o conceito de empresa hoteleira, meio dehospedagem e as expresses usualmenteconsagradas no exerccio da atividade;

    II. o processo e os critrios para avaliao eclassificao;

    III. os tipos e categorias em que se classificam osestabelecimentos;

    IV.os requisitos e padres comuns ediferenciados de conforto e servios para ostipos e categorias previstos;

    V. os requisitos exigidos para operao efuncionamento dos estabelecimentos;

    VI.as condies para contratao dos serviosde hospedagem.

    2.1.2 MEIOSDE HOSPEDAGEMDE TURISMO

    Curso Tcnico em Turismo

    2

    VISUALVISUAL

    postura

    expressofisionmica

    aparnciapessoal

    uniformesorriso

    gesticulao

    COMPORTAMENTOCOMPORTAMENTO

    atitudes

    desejo de agradaro hspede

    conversao

    cortesiamaneira defalar

    criatividade

    relacionamento

  • 7/30/2019 curso hotelaria

    3/35

    NOVA ERAHotelaria

    Considera-se meio de hospedagem deturismo o estabelecimento que satisfaa,cumulativamente, s seguintes condies:

    I. seja licenciado pelas autoridades competentespara prestar servios de hospedagem;II. seja administrado ou explorado

    comercialmente por empresa hoteleira e queadote no relacionamento com os hspedes,contrato de hospedagem, com ascaractersticas definidas no regulamento daEMBRATUR e nas demais legislaesaplicveis.

    III. atenda os padres classificatrios previstospela legislao em vigor;

    IV.mantenha permanentemente os padres de

    classificao.

    Os meios de hospedagem de turismooferecero aos hspedes, no mnimo:

    I. alojamento, para uso temporrio do hspede,em Unidades Habitacionais (UH) especficas aessa finalidade;

    II. servios mnimos necessrios ao hspede,consistente em:

    a) recepo / portaria para atendimento e

    controle permanente de entrada e sada;b) guarda de bagagens e objetos de uso pessoal

    dos hspedes, em local apropriado;c) conservao, arrumao e limpeza das

    instalaes e equipamentos.

    2.2 HOSPEDAGEM COMEQUIPAMENTO TURSTICO

    Os servios tursticos so oferecidos porprofissionais que vivem do turismo e

    exclusivamente voltados para o turista. Aprestao desses servios se faz dentro dasinstalaes tursticas, com infra-estrutura eequipamento adequados, com servio deagenciamento e hotelaria, assim como o trabalhodos guias de turismo e dos recreadores comequipamentos de locomoo, tais como lanchas,trenzinhos, charretes etc.

    Dentre os equipamentos que compem ainfra-estrutura turstica, os meios de hospedagemse destacam por serem imprescindveis viabilizao do turismo em qualquer uma de suas

    modalidades.

    A falta de uma rede hoteleira organizada edefinida quanto a acomodaes, facilidades epreos variados, em funo da diversidade dademanda, pode fazer com que uma regio com

    grande potencial turstico no se desenvolva,permanecendo em seu estado potencial,embrionrio, sem nenhum impacto junto aopblico consumidor do turismo.

    As mudanas do conceito e dos tipos dehospedagem, ao longo da histria dosdeslocamentos humanos, so bastanteesclarecedoras quanto importncia daconsolidao de um setor hoteleiro forte, comosuporte ao desenvolvimento e expanso doturismo. Vejamos um pouco dessa histria.

    2.3 A HOTELARIA: AS PRIMEIRASINICIATIVAS

    Ningum sabe ao certo quando e comosurgiu a atividade hoteleira no mundo. Supe-se,entretanto, que tal atividade tenha-se originadoda necessidade natural que tm os viajantes deprocurar abrigo, apoio e alimentao durantesuas viagens.

    A primeira notcia sobre a criao de umespao destinado especificamente

    hospedagem vem de alguns sculos antes daera crist, quando na Grcia antiga, no santuriode Olmpia, eram realizados os jogos olmpicos.Para esses eventos, foram construdos o estdioe o pdio, onde se homenageavam osvencedores e ficava a chama olmpica. Maistarde, foram acrescentados os balnerios e umahospedaria, com cerca de 10 mil metrosquadrados, com o objetivo de abrigar ovisitantes. Essa hospedaria teria sido o primeirohotel de que se tem notcia.

    A evoluo da hotelaria sofreu grande

    influncia dos gregos e romanos,especificamente desses ltimos, que tendo sidotimos construtores de estradas, propiciaram aexpanso das viagens por todos os seusdomnios e, conseqentemente, o surgimento deabrigos para os viajantes.

    Como naquela poca os meios de transporteno percorriam mais de 60 quilmetros dirios,as viagens quase sempre duravam alguns dias.Disso resultou o estmulo criao dashospedarias que, em Roma, obedeciam a regrasmuito rgidas; por exemplo, um hoteleiro no

    poderia receber um hspede que no tivesseuma carta assinada por uma autoridade,

    Curso Tcnico em Turismo

    3

  • 7/30/2019 curso hotelaria

    4/35

    NOVA ERAHotelaria

    estivesse ele viajando a negcios ou a servio doimperador.

    2.4 HOTELARIA MODERNA

    Julgamos interessante abordar o crescimentoda atividade hoteleira mundial, comeando pelosEstados Unidos, tendo em vista suaspeculiaridades.

    Inicialmente, a hotelaria americana obedeceuaos critrios europeus, em especial os ingleses.Mais tarde, com a ocupao do Oeste do pas,foram-se formando pequenas vilas em lugaresinspitos, surgidas com as descobertas de ourocelebrizadas pelo cinema. Nesses vilarejos, quemuitas vezes se transformaram em grandes

    cidades, apareceram os saloons, originariamentebares que ofereciam comida, bebida e diversoaos fregueses. Com o passar do tempo, ossaloons passaram a ter tambm alojamentos, emgeral no segundo andar, ficando no trreo o salo-teatro, algumas vezes mesas para jogo, o bar, umacozinha e o escritrio.

    Tambm nos Estados Unidos as dilignciastiveram grande impulso como meio de transporte,sendo essenciais durante longo tempo. Emconseqncia, muitas fazendas que ficavam narota das diligncias precisavam dispor de abrigospara os viajantes. Entretanto, a exemplo do queocorreu na Europa, a chegada das ferrovias levouao desaparecimento das diligncias, e os hotistiveram que adaptar-se aos novos tempos.

    Uma caracterstica prpria da hospedagemnos EUA foi o surgimento, ao longo dos riosnavegveis, de hotis de apoio aos bancos fluviais embarcaes freqentemente luxuosas e quetambm ofereciam hospedagem, cassinos ediverses aos clientes. Como esses barcoscostumavam apresentar problemas mecnicos,

    que demoravam alguns dias para serem sanados,tornou-se necessrio construir hospedarias.Os primeiros grandes hotis norte-americanos,

    porm, surgiram na costa do Atlntico, j quenaquela regio a navegao martima possibilitavaum intenso movimento de passageiros.

    2.5 A HOTELARIA NO BRASIL

    No Brasil, o turismo como fenmeno socialteve seu marco inicial com a criao dasociedade brasileira e turismo, e 1923, que

    depois se tornaria o Touring Club do Brasil.

    Em razo de sua enorme dimensogeogrfica e de sua localizao privilegiada, oBrasil possui uma grande variedade de climas. Aisso se soma o relevo, que permite uma

    explorao turstica muito variada, j quedispomos de grande extenso de litoral, cidadeslocalizadas em regies montanhosas e reascomo o Pantanal Matogrossense e a Amaznia,locais que atraem cada vez mais turistas de todoas procedncias.

    Assim, a