Click here to load reader

DECADÊNCIA STJ

  • View
    49

  • Download
    9

Embed Size (px)

DESCRIPTION

DECADÊNCIA STJ. DECLARAÇÃO  FISCO+CONTRIBUINTE (arts. 147 e 148 do CTN)  ITR (até Lei 9393/96). DIRETO OU DE OFÍCIO  FISCO (ART. 149 e ART. 173 do CTN)  TODOS. POR HOMOLOGAÇÃO  CONTRIBUINTE (ART. 150 DO CTN)  ICMS, IPVA, IPI, IR. - PowerPoint PPT Presentation

Text of DECADÊNCIA STJ

  • DECADNCIASTJ

  • MODALIDADES (de procedimento) DE LANAMENTO(grau de colaborao do contribuinte na singularidade procedimental)DECLARAO FISCO+CONTRIBUINTE (arts. 147 e 148 do CTN) ITR (at Lei 9393/96).DIRETO OU DE OFCIO FISCO (ART. 149 e ART. 173 do CTN) TODOS.POR HOMOLOGAO CONTRIBUINTE (ART. 150 DO CTN) ICMS, IPVA, IPI, IR.

  • CONSTITUIO DO CRDITO TRIBUTRIOAutolanamento (lanamento por homologao) + prazo decadencial para homologao (comparao normativa)

    Art. 150 do CTN. O lanamento por homologao, que ocorre quanto aos tributos cuja legislao atribua ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento sem prvio exame da autoridade administrativa, opera-se pelo ato em que a referida autoridade, tomando conhecimento da ATIVIDADE assim exercida pelo obrigado, expressamente a homologa. 4 Se a lei no fixar prazo a homologao, ser ele de cinco anos, a contar da ocorrncia do fato gerador; expirado esse prazo sem que a Fazenda Pblica se tenha pronunciado, considera-se homologado o lanamento e definitivamente extinto o crdito, salvo se comprovada a ocorrncia de dolo, fraude ou simulao

  • LANAMENTO POR HOMOLOGAO (ART. 150 DO CTN)HOMOLOGAO EXPRESSA (Comparao Positiva)HOMOLOGAO TCITA (extingir definitivamente o crdito, seria um ato fiscalizatrio final?)

    CONDIES PARA APLICAO DO Art. 150, 4 do CTNTributo cujo procedimento de lanamento seja por homologao (AUTOLANAMENTO)Data do evento determinvelAtividade a ser homologada (fiscalizada? Comparada?)Ausncia de dolo, fraude ou simulao

  • ART. 150, 4 do CTN PRAZO DE EXAME DA ATIVIDADE DO CONTRIBUINTE DE AUTOLANAMENTO (comparao normativa => criada pelo fisco X criada pelo contribuinte) E NO PRAZO PARA CONSTITUIO DE CRDITO; ESTE CONSTRUDO(construo da norma de lanamento) DO ART. 173 DO CTN.

  • LANAMENTO TRIBUTRIOprocedimento de ofcio Fundamento legal: art. 149, V e VI do CTN Art. 149. O lanamento efetuado e revisto de ofcio pela autoridade administrativa nos seguintes casos:V - quando se comprove omisso ou inexatido, por parte da pessoa legalmente obrigada, no exerccio da atividade a que se refere o artigo seguinte (tributo)VI - quando se comprove ao ou omisso do sujeito passivo, ou de terceiro legalmente obrigado, que d lugar aplicao de penalidade pecuniria (multa)

  • CONSTITUIO DO CRDITO TRIBUTRIOLanamento de ofcio

    Norma geral e concreta => Veculo introdutor de ato-norma administrativo de constituio do crdito tributrio (aspectos procedimentais)

    Norma individual e concreta=> Ato-norma administrativo de constituio do crdito tributrio (lanamento como produto)

  • LANAMENTOArt. 142 do CTN. Compete privativamente autoridade administrativa constituir o crdito tributrio pelo lanamento, assim entendido o procedimento administrativo tendente a (i)verificar a ocorrncia do fato gerador da obrigao correspondente, (ii)determinar a matria tributvel, (iii)calcular o montante do tributo devido, (iv)identificar o sujeito passivo e, sendo caso, (v)propor a aplicao da penalidade cabvel.Pargrafo nico. A atividade administrativa de lanamento vinculada e obrigatria, sob pena de responsabilidade funcional.

  • LANAMENTO DE OFCIOArt. 142 do CTN. Compete privativamente autoridade administrativa constituir o crdito tributrio pelo lanamento, assim entendido o procedimento administrativo tendente a:(i)verificar a ocorrncia do fato gerador da obrigao correspondente => Anlise das PROVAS e possvel SUBSUNO (parte procedimental)(ii)determinar a matria tributvel => Descrio/Construo do Fato Gerador (Fato Jurdico Tributrio)(iii)calcular o montante do tributo devido => Descrio/Construo do aspecto quantitativo (base de clculo, alquota)(iv)identificar o sujeito passivo e, sendo caso, (v)propor a aplicao da penalidade cabvel (construo da norma sancionatria em Auto-de-infrao).

  • PRAZOS CONTRA O FISCO (DECADNCIA PARA LANAR DE OFCIO)Art. 173. O direito de a Fazenda Pblica constituir o crdito tributrio extingue-se aps 5 (cinco) anos, contados:I - do primeiro dia do exerccio seguinte quele em que o lanamento poderia ter sido efetuado;

    Qual a significao de exerccio? O ano seguinte? O perodo de apurao seguinte?

  • DECADNCIAUMA VISO: FATO-NORMA RETIRANDO A POSSIBILIDADE DE CRIAO NORMATIVA (FATO IMPEDITIVO) ou FATO-NORMA EXTINGINDO O CRDITO TRIBUTRIO (FATO EXTINTIVO).Processo de Positivao =>ROMPE PROCESSO ANTECEDENTE => TEMPO + INRCIA DO TITULARCONSEQUENTE => RELAO JURDICA EXTINTIVA (ou impeditiva)

  • CASOS DE DECADNCIADECADNCIA => forma extintiva (ou impeditiva) do direito de constituir o crdito tributrio ou o dbito do Fisco.

    DECADNCIA DO DIREITO DO FISCOart. 150, 4 - para HOMOLOGAR (comparao normativa positiva)

    art. 173 do CTN para CONSTITUIR o crdito tributrio

  • DECADNCIA do Direito do Fisco de lanar ART. 173, I, DO CTNInaplicvel a norma especial do art. 150, a nica conseqncia a de no haver prazo para ter efeito jurdico o reexame de possvel atividade do contribuinte.Se existir, pelas provas, crdito a ser constitudo, a sim, deve-se contar o prazo de decadncia do direito (OU DEVER ?) do fisco de lanar atravs da norma veiculada pelo art. 173, I; tomando-se como dies a quo no mais a data do fato gerador (evento); mas, sim, o primeiro dia do exerccio seguinte quele em que o lanamento poderia ter sido efetuado (qual a significao de exerccio? O ano seguinte? O perodo de apurao seguinte?) .

  • CASOS PRTICOSPROBLEMA SOBRE A ATIVIDADE DO CONTRIBUINTE. Que atividade esta? pagamento? normativa? Atividade de se colocar como sujeito ativo ou passivo?Crdito indevido => ausncia de atividade normativa colocando-se como sujeito passivo => na norma de crdito o contribuinte sujeito ativo => art. 173, I do CTNControle paraleto => ausncia de atividade normativa a ser homologada (comparada) => art. 173, I do CTNImportao => mesmo sem pagamento h atividade normativa => 150, 4 do CTNLevantamento fiscal => indeterminao da data do FG (evento) => 173, I do CTN

  • DECADNCIA do Direito do Fisco de lanar ART. 173, I, DO CTN Inaplicvel a norma especial do art. 150, a nica conseqncia a de no haver prazo para ter efeito jurdico o reexame de possvel atividade do contribuinte. Se existir, pelas provas, crdito a ser constitudo, a sim, deve-se contar o prazo de decadncia do direito (OU DEVER ?) do fisco de lanar atravs da norma veiculada pelo art. 173, I; tomando-se como dies a quo no mais a data do fato gerador (evento); mas, sim, o primeiro dia do exerccio seguinte quele em que o lanamento poderia ter sido efetuado (qual a significao de exerccio? O ano seguinte? O perodo de apurao seguinte?) .

  • STJTRIBUTO SUJEITO A HOMOLOGAO. PAGAMENTO A MENOR. REVISO. PRAZO DE DECADNCIA. Esta Corte entende que, nos termos dos art. 145, III, e 149, VIII, e pargrafo nico, ambos do CTN, a reviso do lanamento tributrio perfeitamente possvel desde que realizada dentro do prazo decadencial. O lanamento tributrio foi efetivado por meio de auto de infrao em 25/2/2003, ocorrendo termo de reviso do referido auto em 20/12/2004, cujos fatos geradores se deram nos anos de 01/1999 a 12/1999. O prazo decadencial para a reviso do lanamento o mesmo para o lanamento revisado; no presente caso, por se tratar de tributo com lanamento por homologao e havendo pagamento a menor, aplica-se a regra prevista no art. 150, 4, do CTN, ou seja, cinco anos contados do fato gerador. Foi extrapolado o prazo decadencial dos dbitos referentes de 01/1999 a 11/1999, j que o termo de reviso deu-se em 20/12/2004. AgRg no AREsp 397.178/ES, DJ 20/02/2014.Pagamento a menor => houve atividade normativa de constituio de crdito (150, 4 do CTN)

  • STJICMS. TRIBUTO SUJEITO A LANAMENTO POR HOMOLOGAO. AUSNCIA DE PAGAMENTO ANTECIPADO. DECADNCIA. TERMO INICIAL. ART. 173, I, CTN. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. A Corte local decidiu conforme pacfica jurisprudncia desta Corte, que j firmou a orientao de que, nos casos de tributos sujeitos a lanamento por homologao, em que no ocorre pagamento antecipado, o prazo decadencial deve ser computado segundo as disposies do art. 173, I do CTN, ou seja, ser de 5 anos, contados do primeiro dia do exerccio seguinte quele em que o lanamento poderia ter sido efetuado. 2. No se aplica o enunciado no art. 150, 4o. do CTN, porquanto o Tribunal de origem afirmou, expressamente, que no houve pagamento a menor, em relao ao ICMS objeto do auto de infrao que deu origem a presente execuo fiscal, hiptese em que, a contagem do prazo decadencial se iniciaria com ocorrncia do fato gerador. AgRg no AREsp 237317, DJ 19/08/2013.Ausncia de pagamento=> NO houve atividade normativa de autoconstituio de crdito tributrio (173, I do CTN para constituir)

  • STJ

    ICMS. LANAMENTO SUPLEMENTAR. CREDITAMENTO INDEVIDO. PAGAMENTO PARCIAL. DECADNCIA. TERMO INICIAL. FATO GERADOR. ART. 150, 4, DO CTN. 1. O prazo decadencial para o lanamento suplementar de tributo sujeito a homologao recolhido a menor em face de creditamento indevido de cinco anos contados do fatogerador, conforme a regra prevista no art. 150, 4, do CTN. Precedentes: AgRg nos EREsp 1.199.262/MG, Rel. Ministro Benedito Gonalves, Primeira Seo, DJe 07/11/2011; AgRg no REsp 1.238.000/MG, Rel. Ministro Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, DJe 29/06/2012. AgRg no REsp 1.318.020/RS, DJ 27/08/2013.

    DIVERGNCIA TIT-SP Ausncia da atividade prevista no art. 150 do CTN (contribuinte como sujeito ativo no crdito) => 173, I do CTN)

  • Conselho Administrativo MGCRDITO TRIBUTRIO DECADNCIA. Imputao fiscal de importao do exterior de diversas mercadorias sem recolhimento do imposto devido na operao, ao abrigo indevido do regime de Drawback, uma vez que descumpridas as condies previstas no item 64, Parte 1 do Anexo I do RICMS/02. No entanto, encontrava-se decado o direito da Fazenda Pbl

Search related