Deficincias e Toxicidades de Nutrientes em 1516-781X Junho, 2004 Documentos231 Londrina, PR 2004 Gedi

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Deficincias e Toxicidades de Nutrientes em 1516-781X Junho, 2004 Documentos231 Londrina, PR 2004...

  • ISSN 1516-781XJunho, 2004

    Documentos231

    Londrina, PR2004

    Gedi Jorge SfredoClvis Manuel Borkert

    Deficincias e Toxicidades de Nutrientes em Plantas de sojaDescrio dos sintomas e ilustrao com fotos

    Empresa Brasileira de Pesquisa AgropecuriaCentro Nacional de Pesquisa de SojaMinistrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento

  • Sfredo, Gedi Jorge Deficincias e toxicidades de nutrientes em plantas de soja / Gedi Jorge Sfredo, Clvis Manuel Borkert. Londrina: Embrapa Soja, 2004. 44p. ; 14cm. - (Documentos / Embrapa Soja, ISSN 1516-781X; n.231)

    1.Soja-Nutriente-Deficincia. 2.Soja-Toxicidade. I. Borkert, Clvis Manuel. II.Ttulo. III.Srie.

    CDD 633.348911

    Exemplares desta publicao podem ser adquiridos na:Embrapa SojaRodovia Carlos Joo Strass - Acesso Orlando AmaralCaixa Postal 23186001-970 - Londrina, PRFone: (43) 3371-6000Fax: (43) 3371-6100Home page: http://www.cnpso.embrapa.bre-mail (sac): sac@cnpso.embrapa.br

    1a Edio1a impresso 06/2004 - tiragem: 2000 exemplares

    Todos os direitos reservados.A reproduo no autorizada desta publicao, no todo ou em parte, constitui violao dos direitos autorais (Lei no 9.610).

    Comite de Publicaes da Embrapa Soja

    Presidente: Joo Flvio Veloso Silva

    Secretria executiva: Regina Maria Villas Bas de Campos Leite

    Membros:Clara Beatriz Hoffmann-CampoGeorge Gardner BrownWaldir Pereira DiasIvan Carlos Corso Dcio Luis GazzoniManoel Carlos BassoiGeraldo Estevam de Souza CarneiroLo Pires Ferreira

    Supervisor editorial: Odilon Ferreira Saraiva

    Normalizao bibliogrfica: Ademir Benedito Alves de Lima

    Editorao eletrnica: Neide Makiko Furukawa

    Capa: Danilo Estevo

    Embrapa 2004

  • Autores

    Gedi Jorge Sfredo, DoutorPesquisador da Embrapa SojaFertilidade do Solo e Nutrio de PlantasRod. Carlos Joo Strass - Acesso Orlando AmaralCaixa Postal 23186001-970 - Londrina, PRsfredo@cnpso.embrapa.br

    Clvis Manuel Borkert, Ph.D.Pesquisador da Embrapa SojaFertilidade do Solo e Nutrio de Plantasborkert@cnpso.embrapa.br

  • Apresentao

    Esta publicao o resultado do esforo conjunto de anos de pesquisa da equipe de Fertilidade do Solo e Nutrio de Plantas da Embrapa Soja, que vem gerando novas tecnologias para a cultura da soja, visando dar sus-tentao tcnica e econmica atravs do manejo racional de adubos e de corretivos do solo.

    A partir destas pesquisas foram determinados os nveis dos nutrientes nas folhas da soja considerados suficientes para o desenvolvimento das plantas e, conse-qentemente, para a maior produtividade. Desta maneira, tambm foi possvel reunir um conjunto de informaes, atravs de trabalhos de campo e de casa de vegetao, com a descrio e sintomas visuais das principais anorma-lidades causadas por deficincia ou excesso de nutrientes ou de elementos qumicos nocivos s plantas.

    O objetivo principal fornecer um manual bsico de identificao e descrio de sintomas de deficincias/toxicidade dos nutrientes aos profissionais da assistncia tcnica ou agricultores, que na sua vida diria se deparam com plantas com caracterstica distintas das consideradas normais, que trazem em seu bojo, dificuldades de inter-pretao e preocupao aos agricultores. Assim, com esta publicao, ser mais fcil, ter uma melhor idia do que est ocorrendo com a nutrio das plantas e conse--quentemente com a lavoura, possibilitando adotar proce-

  • dimentos mais adequados para o diagnstico do estado nutricional da soja e correo dos possveis distrbios.

    Assim, a Embrapa Soja espera, mais uma vez, estar cumprindo sua misso e, contribuindo com informa-es precisas e de fcil utilizao, na busca de solues viveis para o desenvolvimento sustentvel da cultura da soja.

    Joo Flvio Veloso da SilvaChefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento

    Embrapa Soja

  • Sumrio

    Introduo ......................................................9

    Sintomas de deficincia e de toxicidade de Macro-nutrientes ..................................................... 13 Nitrognio (N) ..................................................13 Fsforo (P) .......................................................15 Potssio (K) .....................................................17 Clcio (Ca) .......................................................24 Magnsio (Mg) .................................................26 Enxofre (S) ......................................................26

    Sintomas de deficincia e de toxicidade de Micro-nutrientes ..................................................... 29 Cobre (Cu) .......................................................29 Ferro (Fe) ........................................................31 Cobalto (Co) ....................................................33 Mangans (Mn) ................................................33 Zinco (Zn) ........................................................37 Boro (B) ...........................................................37 Molibdnio (Mo) ...............................................41 Cloro (Cl) .........................................................42

    Agradecimentos ............................................ 43

    Anotaes .................................................... 44

  • Introduo

    Antes de se fazer um diagnstico do estado nutricional das plantas, por deficincia ou por excesso, torna-se imprescindvel observar algumas informaes para distinguir os sintomas nutricionais de outras possveis causas, tais como: incidncia de pragas ou doenas, distribuio das plantas com sintomas na lavoura, simetria dos sintomas nas folhas com mesma idade fisiolgica, condies climticas e gradiente de desen-volvimento dos sintomas nas plantas. A razo principal pela qual a folha preferencialmente analisada que a mesma o rgo que, de modo geral, reflete melhor o estado nutricional das plantas, ou seja, responde mais prontamente s variaes do suprimento ou falta de um determinado nutriente ou elemento txico existente no solo ou fornecido pelos adubos.

    Deficincias e Toxicidades de Nutrientes em Plantas de Soja

    Descrio dos sintomas e ilustrao com fotos

    Gedi Jorge SfredoClvis Manuel Borkert

  • 10 Embrapa Soja. Documentos, 231

    Os nutrientes apresentam diferenas nas suas funes como constituintes metablicos e estruturais nos rgos vegetais. Isto determina uma variao no grau de trans-porte e redistribuio dos nutrientes, que ocorre predo-minantemente pelo floema, distinguindo-os em grupos de nutrientes mveis, de mobilidade intermediria e pouco mveis, conforme a seguir:

    Alta: N, P, K, Mg e Cl;

    Intermediria: S, Co, Cu, Fe, Mn, Mo e Zn;

    Baixa: Ca e B.

    A maior ou menor mobilidade dos nutrientes no floema tem profunda importncia prtica na identificao visual dos sintomas caractersticos de alguma anormalidade (deficincia ou toxicidade). A localizao da sintomatolo-gia nas folhas ocorrer em funo da redistribuio dos nutrientes para os pontos de crescimento, dependentes de diversos fatores como o estdio de desenvolvimento das plantas, velocidade de movimentao, entre outros. Assim, a localizao das folhas com sintomas (folhas de baixo ou de cima), favorece a separao dos nutrientes pelos grupos de mobilidade e, dessa maneira, aumenta as chances de predio do nutriente causador do sintoma. As-sim, observa-se que os sintomas do nutriente com grande mobilidade (redistribuio) aparecem, primeiramente, nas folhas mais velhas. Por outro lado, para os nutrientes com menor redistribuio, os sintomas de deficincias aparecem nas folhas novas. Em todos os casos possvel identificar

  • 11Deficincias e toxicidades de nutrientes em plantas de soja

    um gradiente de intensidade dos sintomas tpicos. Vale lembrar, que esta classificao tem uma funo muito mais didtica que fisiolgica.

    nutrientes mveis: causam sintomas nas folhas mais velhas (gradiente de aumento dos teores das folhas velhas para as folhas novas);

    nutrientes intermedirios: causam sintomas nas folhas velhas mas, predominantemente, nas folhas novas;

    nutrientes imveis: causam sintomas em folhas mais novas (gradiente de aumento dos teores das folhas novas para as folhas velhas).

    Como aplicao prtica da avaliao da diagnose visual tem-se a possibilidade de identificao da necessidade de aplicao de determinado nutriente que estaria limitando a produo ou, mais amplamente, o ajuste no programa de adubao. Contudo, a deciso final s ser eficientemen-te tomada, a partir da diagnose foliar, atravs da anlise qumica das folhas das plantas com algum sintoma visual, comparado-as com as anlises das folhas das plantas consideradas sadias.

    Finalmente, uma prtica de manejo eficiente, juntamente com a anlise do solo, o diagnstico do estado nutricio-nal das plantas, que deve ser adotado pelos agricultores, independente do aparecimento de sintomas. Para tanto, um aspecto importante a poca de amostragem e a escolha da folha a ser colhida. A poca recomendada quando 50 % das plantas do talho esto no incio do

  • 12 Embrapa Soja. Documentos, 231

    florescimento (fase de desenvolvimento R1), que ocorre com o aparecimento de uma flor aberta em qualquer n da haste principal. Deve-se colher, por talho, em torno de 35 folhas (os trs fololos, sem o pecolo) recm-maduras que, de modo geral, correspondem terceira ou quarta folha a partir do pice da haste principal (Foto 1). Esta prtica, alm de possibilitar o monitoramento da evoluo da la-

    Folha diagnstico3a ou 4a folha

    Foto 1. Terceira ou quarta folha de soja, partindo do pice, a serem colhidas para anlise das folhas, na fase de desenvolvimento R1.

  • 13Deficincias e toxicidades de nutrientes em plantas de soja

    Sintomas de deficincia e de toxicidade de Macronutrientes

    Nitrognio (N)

    O nitrognio um nutriente mvel no floema e absorvido, predominantemente nas condies naturais