Denuncia - Caso YOKI

  • View
    161

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Denuncia - Caso YOKI

1

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA QUINTA VARA DO JRI DA CAPITAL 052.12.003475-3 - Controle 569/12 - IP 1496/12 - DHPP

O MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DE SO PAULO representado pelo Promotor de Justia signatrio, com base no procedimento inquisitrio anexado, feito epigrafado, vem propor ao penal pblica incondicionada, oferecendo denncia em face da indiciada ELIZE ARAJO KITANO MATSUNAGA, portadora do RG 53.673.690-X-SP, qualificada a fls. 332, pela prtica do crime de homicdio doloso, triplamente qualificado, pelo motivo torpe, recurso que impossibilitou a defesa do ofendida e meio cruel, alm de destruio e ocultao de cadver, contra a pessoa de MARCOS KITANO MATSUNAGA, fato ocorrido no dia no dia 19 de maio de 2012, pouco depois das 20h, no interior do apartamento n 172-A do edifcio localizado na Rua Carlos Weber, 1376, Vila Leopoldina, So Paulo._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

2

OS FATOS A indiciada ELIZE ARAJO KITANO MATSUNAGA, que antes fora enfermeira, trabalhando em centro cirrgico, era garota de programa e se apresentava integrantes como do site acompanhante, MClass, rtulo das nessa especializado

atividade, quando conheceu a vtima MARCOS KITANO MATSUNAGA, com quem passou a ter relaes sexuais mediante paga, no final do ano de 2004. Marcos era casado e tinha uma filha, e ante a frequncia com que se relacionavam, se tornaram amantes, por um perodo aproximado de trs anos, at que aquele se divorciou e decidiram se casar, o que aconteceu no dia 8 de junho de 2009, sob o regime da comunho parcial de bens (fls. 253). O casal Marcos-Elize j demonstrava sinais de dificuldade no relacionamento, quando a denunciada engravidou, posteriormente dando luz a criana , em 15 de abril de 2011, e seis meses aps, o relacionamento se deteriorou._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

3

As constantes brigas do casal, com ofensas recprocas e at agresso fsica por parte de Elize, fez com que passassem a dormir em quartos separados no mesmo imvel. Convencida de que Marcos estava tendo um caso, Elize procurou uma agncia de detetives, contratando seus servios para acompanh-lo e comprovar o fato. Antes de efetuar uma viagem ao Estado do Paran, no dia 17 de maio, Elize fez o pagamento de parte do valor ajustado com o detetive, e enquanto estava ausente, conforme combinou com a empregada, esta lhe informava a entrada e sada do marido, e por telefone, monitorava o detetive, quando teve conhecimento de que realmente Marcos estava tendo um caso com uma garota de programa, e que, por coincidncia, era do mesmo site MClass que antes pertenceu. O detetive forneceu os detalhes e os locais onde o marido se encontrava com a nova amante, inclusive realizando filmagens do romance em locais pblicos, fato que gerou o dio incontido. Elize retornou de viagem, no dia 19 de maio, com o plano srdido elaborado. E no mesmo dia o concretizaria._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

4

Oriunda de famlia pobre, auxiliar de enfermagem e garota de programa, depois casada com milionrio, viu cair por terra o casamento e a vida confortvel. Beneficiria nica de seguro de relevante valor (fls. 84), ficando com a filha herdeira do enorme patrimnio do pai, resolveu mat-lo. Conseguiria se vingar e ficaria rica. Exmia atiradora, o executaria. Marcos foi busc-la no aeroporto, junto com a filha e ao adentrarem no apartamento, a denunciada Elize detalhou a este as investigaes j desenvolvidas e as provas materiais. Discutiram, com uma pausa enquanto Marcos desceu portaria para buscar uma pizza, e retornando s 20h02m, conforme consta das gravaes de CFTV do elevador (fls. 443/444). Nesse nterim, armou-se de uma pistola Imbel, calibre 380, n 41655 (uma das quatro armasregistradas em seu nome) com carregador contendo 15

cartuchos e quando Marcos chegou com a pizza, Eliza dele se aproximou e efetuou um nico disparo, na regio da fronte esquerda, orientado de frente para trs e de cima para baixo (fls. 456)._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

5

Tinha que ser assim, pois Marcos, alm muito forte, bem mais alto, era lutador de artes marciais o que inviabilizaria o confronto fsico. No poderia lhe dar qualquer chance de se defender. Enquanto a vtima Marcos agonizava, com o mesmo dio incontido, Eliza armou-se de uma faca, se aproximou de seu pescoo e o seccionou, conseguindo decapit-lo. Marcos veio a bito, cuja causa mortis deveu-se a choque traumtico (traumatismo crneo

enceflico por agente prfuro-contundente projtil de arma de fogo (bala) e associado asfixia respiratria por sangue aspirado devido a decapitao, conforme evidenciado no laudo de exame de corpo de delito (exame necroscpico) constante de fls. 455/457. Excelente atiradora e conhecedora de armas, substituiu o cano da arma utilizada por um outro que mantinha, de molde a inviabilizar definitivamente eventual exame pericial de confronto do projtil com a pistola, bem como comprovao de disparo recente._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

6

Perpetrado o crime, era o momento de se livrar do indesejvel cadver, e para isso j tinha tambm previamente desenvolvido um plano. esquartej-lo e transport-lo para local distante. Dotada de conhecimento na rea de enfermagem, colocou-o em prtica, dentro de um quarto destinado aos hspedes, para onde arrastou o corpo. Por ter trabalhado em centro cirrgico e conhecedora da anatomia humana, em termos sseos, sabia onde realizar os cortes. Sabia que o joelho preso por cartilagem e ligamento, e assim cortou as pernas. Cortou os braos, com antebrao e mo. Da mesma forma cortou a barriga, na regio da cintura, separando a genitlia e as coxas do tronco, conforme comprovam as fotos de fls. 49/50 e 460/481. Aps o esquartejamento - atividade que lhe consumiu a noite toda - , inseriu as partes, junto com a cabea e as roupas que Marcos usava, em sacos plsticos apropriados para lixo, e acondiciou-os em trs malas de viagem, dividindo o peso, o que lhe facilitaria o transporte._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

Iria

7

Realizada a difcil tarefa, passou a limpar todo o local, com panos e gua. Enquanto a bab ficava em casa com a criana do casal, desceu com as trs malas pelo elevador de servio (no dia 20 de maio de 2012, domingo s 1h30m), conforme comprovam as filmagens de CFTV (fls. 444/445), colocou-as no seu veculo Mitsubishi Pajero, placas EQC-4141 para jogar em local bem distante. Saiu com destino ao Estado do Paran seguindo pela Rodovia Raposo Tavares, mas desistiu da empreitada, retornando para a regio da Grande So Paulo, onde conhecia bem. Alis, muito bem. Assim, livrou-se dos pedaos do corpo. Na Estrada dos Pires, prximo igreja, foram encontradas as mangas da camisa. Na mesma Estrada dos Pires at a Rua Bragana (1,3 km aps), foram encontradas mos e braos. Um pouco mais frente (1 km) estava uma perna e um p. Mais adiante (100 m) estava a cabea. Mais frente (600 m) estava a outra perna. Continuando na Estrada dos Pires, sentido Caucaia do Alto (2,5 km) estavam o tronco e o quadril._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

8

As partes foram sendo jogadas em beira de estrada, em uma distncia percorrida de 4,2 km, conforme comprova o laudo de fls. 395 e os BOs. de fls. 13, 22, 63, 67. Aps toda essa jornada, quando foi fiscalizada e autuada pela Polcia Rodoviria por estar com o licenciamento do auto vencido (fls. 321/323), e ainda com as malas e partes do cadver, Elize retornou ao apartamento apenas s 22h48m (fls. 446). No dia 21de maio (segunda-feira) foi at a agncia de detetives retirar as filmagens feitas com Marcos e a amante, e as levou aos pais dele, cuja mostra visava concretizar a parte final de seu plano, de que a vtima sara de casa porque tinha outra mulher. Enquanto a famlia procurava Marcos, com a mesma finalidade de fugir eventual suspeita de autoria, apanhou um notebook da vtima, e como conhecia sua senha, encaminhou emails para a empresa de sua propriedade, supostamente sendo do falecido, informando que estava tudo bem (fls. 36/39)._______________________________________________________________ 052.12.003475-3 Controle 569/12 5 Vara do Juri 4 Promotor de Justia Elize Arajo Kitano Matsunaga

9

Assim ocorrendo, a indiciada ELIZE ARAJO KITANO MATSUNAGA praticou um crime de homicdio triplamente qualificado. Agiu impelida por motivo torpe,

vingando-se da traio do marido, para evitar que a outra amante fosse a causa da separao e lhe causasse prejuzos sociais e materiais, e com objetivo de ficar com o valor do seguro de vida e a administrao dos bens a serem herdados pela filha. Para a prtica do crime, utilizou de recurso que impossibilitou a defesa da vtima, com o tiro sendo disparado curta distncia, conforme prova a percia (fls. 456), que evidenciou zona de tatuagem e queimadura nas margens do ferimento, e em situao de altura superior, pois mesmo sendo de estatura maior, Marcos recebeu o projtil de cima para baixo, o que seria impossvel de acontecer, caso ambos estivessem em p (fls. 455/457). A morte foi produzida por meio cruel, pela tentativa