Desapropriação é o ato pelo qual o Poder Público, mediante ... ?· I - CONCEITO - Desapropriação…

Embed Size (px)

Text of Desapropriação é o ato pelo qual o Poder Público, mediante ... ?· I - CONCEITO -...

  • 1

    Belo Horizonte 2009

    DESAPROPRIAO

    Roteiro de Estudos

    PROF. ANDR LUIZ LOPES

    ESCOLA SUPERIOR DOM HELDER CMARA

  • 2

    DESAPROPRIAO

    I - CONCEITO - Desapropriao o ato pelo qual o Poder Pblico, mediante prvio procedimento e indenizao justa, em razo de uma necessidade ou utilidade pblica, ou ainda diante do interesse social, despoja algum de sua propriedade e a toma para si. CELSO ANTNIO BANDEIRA DE MELLO define a desapropriao como o procedimento atravs do qual o Poder Pblico, fundado em necessidade pblica, utilidade pblica ou interesse social, compulsoriamente despoja algum de um bem certo, normalmente adquirindo-o para si, em carter originrio, mediante indenizao prvia, justa e pagvel em dinheiro, salvo no caso de certos imveis urbanos ou rurais, em que, por estarem em desacordo com a funo social legalmente caracterizada para eles, a indenizao far-se- em ttulos da dvida pblica, resgatveis em parcelas anuais e sucessivas, preservado seu valor real.". Da leitura deste conceito, possvel auferir caractersticas importantes sobre o instituto da desapropriao, tais como seus sujeitos, pressupostos e objeto, que sero abaixo discorridos. MARAL JUSTEN FILHO, todavia, discorda parcialmente do conceito acima, vez que entende que a desapropriao no se trata de um procedimento, mas sim de um ato estatal unilateral, que pressupe um procedimento prvio, tratando-se, desta forma, do resultado deste procedimento. unilateral, pois a vontade do poder pblico se impe a do proprietrio do bem, que poder apenas discordar quanto ao valor da desapropriao, mas no dela em si, podendo tal entrave ser resolvido na esfera judicial. Ressalva, ainda, que a desapropriao um ato de duplo efeito, sendo causa de extino e aquisio de domnio, o que no pode ser confundido com transferncia do direito de propriedade. Em outras palavras, o Expropriado perde o seu direito de propriedade, enquanto o poder pblico adquire um novo direito sobre este mesmo objeto sem que, entretanto, eventuais defeitos ou direitos relativos relao jurdica anterior se transfiram. A Constituio Federal em seu art. 5, inciso XXIV, prescreve que a lei estabelecer o procedimento para desapropriao por necessidade ou utilidade pblica, ou por interesse social, mediante justa e prvia indenizao em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituio. Como se pode perceber, alm da ocorrncia de um de seus pressupostos (a utilidade pblica, a necessidade pblica ou o interesse social) imprescindvel, para que ocorra a desapropriao, a justa e prvia indenizao em dinheiro chamada desapropriao ordinria; ressalvando, o constituinte originrio, casos em que a prpria Constituio Federal disponha em contrrio a chamada desapropriao extraordinria. Quanto s Desapropriaes Extraordinrias, vislumbra-se as decorrentes do inadequado aproveitamento do solo urbano, de improdutividade do imvel rural e a confiscatria, previstas, respectivamente, nos arts. 182, 3 e 4, inciso III; 184 e 243, todos da Constituio Federal:

  • 3

    Art. 182. A poltica de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Pblico municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funes sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. (...) 3 - As desapropriaes de imveis urbanos sero feitas com prvia e justa indenizao em dinheiro. 4 - facultado ao Poder Pblico municipal, mediante lei especfica para rea includa no plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietrio do solo urbano no edificado, subutilizado ou no utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de: I - parcelamento ou edificao compulsrios; II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo; III - desapropriao com pagamento mediante ttulos da dvida pblica de emisso previamente aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de at dez anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenizao e os juros legais. Art. 184. Compete Unio desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrria, o imvel rural que no esteja cumprindo sua funo social, mediante prvia e justa indenizao em ttulos da dvida agrria, com clusula de preservao do valor real, resgatveis no prazo de at vinte anos, a partir do segundo ano de sua emisso, e cuja utilizao ser definida em lei. 1 - As benfeitorias teis e necessrias sero indenizadas em dinheiro. 2 - O decreto que declarar o imvel como de interesse social, para fins de reforma agrria, autoriza a Unio a propor a ao de desapropriao. 3 - Cabe lei complementar estabelecer procedimento contraditrio especial, de rito sumrio, para o processo judicial de desapropriao. Art. 243. As glebas de qualquer regio do Pas onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrpicas sero imediatamente expropriadas e especificamente destinadas ao assentamento de colonos, para o cultivo de produtos alimentcios

  • 4

    e medicamentosos, sem qualquer indenizao ao proprietrio e sem prejuzo de outras sanes previstas em lei. Pargrafo nico. Todo e qualquer bem de valor econmico apreendido em decorrncia do trfico ilcito de entorpecentes e drogas afins ser confiscado e reverter em benefcio de instituies e pessoal especializados no tratamento e recuperao de viciados e no aparelhamento e custeio de atividades de fiscalizao, controle, preveno e represso do crime de trfico dessas substncias.

    II - OBJETO - Podem ser objeto de desapropriao as coisas passveis de direito de propriedade, ou seja, todo bem mvel ou imvel, pblico ou privado, corpreo ou incorpreo, incluindo-se aqui at mesmo direitos em geral, com exceo aos personalssimos - art. 2 do Decreto-Lei n 3.365/41.

    Art. 2 Mediante declarao de utilidade pblica, todos os bens podero ser desapropriados pela Unio, pelos Estados, Municpios, Distrito Federal e Territrios. 1 A desapropriao do espao areo ou do subsolo s se tornar necessria, quando de sua utilizao resultar prejuzo patrimonial do proprietrio do solo. 2 Os bens do domnio dos Estados, Municpios, Distrito Federal e Territrios podero ser desapropriados pela Unio, e os dos Municpios pelos Estados, mas, em qualquer caso, ao ato dever preceder autorizao legislativa. 3 vedada a desapropriao, pelos Estados, Distrito Federal, Territrios e Municpios de aes, cotas e direitos representativos do capital de instituies e empresas cujo funcionamento dependa de autorizao do Governo Federal e se subordine sua fiscalizao, salvo mediante prvia autorizao, por decreto do Presidente da Repblica.

    Ocorre, no entanto, como bem ressaltado pelo ilustre doutrinador JOS DOS SANTOS CARVALHO FILHO, que H, entretanto, algumas situaes que tornam impossvel a desapropriao. Pode-se agrupar tais situaes em duas categorias: as impossibilidades jurdicas e as impossibilidades materiais. Impossibilidades jurdicas so aquelas que se referem a bens que a prpria lei considere insuscetveis de determinado tipo de desapropriao. Como exemplo, temos a propriedade produtiva, que no pode ser objeto de desapropriao para fins de reforma agrria, como emana o art. 185, inciso II, da CF (embora possa s-lo para desapropriao de outra natureza). Entendemos que a tambm se situa a hiptese de desapropriao, por um Estado, de bens particulares situados em outro Estado; a desapropriao poder jurdico que est associado ao fator territrio, de modo que permitir esse tipo de desapropriao implicaria vulnerao da autonomia estadual sobre a extenso de seu

  • 5

    territrio. De outro lado, impossibilidades materiais so aquelas pelas quais alguns bens, por sua prpria natureza, se tornam inviveis de ser desapropriados. So exemplos dessas impossibilidades a moeda corrente, porque ela o prprio meio em que se materializa a indenizao; os direitos personalssimos, como a honra, a liberdade, a cidadania; e as pessoas fsicas ou jurdicas, porque so sujeitos, e no objeto de direitos. Ademais, figura-se possvel a desapropriao de bens pblicos, desde que, alm de ser precedida de autorizao legislativa da pessoa jurdica Expropriante, seja observada a direo vertical das entidades federativas, isto , a Unio pode desapropriar bens dos Territrios, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios, e os Estados podem desapropriar bens do Municpio, desde que este esteja situado em sua dimenso territorial, conforme previsto no art. 2, 2, do Decreto-Lei n 3.365/41. O art. 2, 3 do Decreto-Lei n 3.365/41, acrescentado pelo Decreto-Lei n 856, de 11 de agosto de 1969, probe a desapropriao, pelos Estados, Distrito Federal, Territrios e Municpios, de aes, cotas e direitos representativos do capital de instituies e empresas cujo funcionamento dependa da autorizao do Governo Federal e se subordine sua fiscalizao, salvo mediante prvia autorizao, por decreto do Presidente da Repblica. No que pertine desapropriao para reforma agrria, verifica-se que seu objeto o imvel rural que no atende sua funo social, conforme estatudo no art. 186 da Constituio, proibindo, no entanto, o art. 185 da Carta Magna, que essa modalidade de desapropriao incida sobre a pequena e mdia propriedade rural, assim definida em lei, desde que seu proprietrio no possua outra, e a propriedade seja produtiva.

    J o art. 182, 4 da Constituio Federal (desapropriao decorrente de inadequado aproveitamento do solo urbano) tem incidncia to somente sobre solo urbano no edificado, subutilizado ou no utilizado, e desde que seu proprietrio no cumpra as exigncias do Poder Pblico, referenciadas no mesmo dispositivo. III - SUJEITOS - Pode figurar no plo ativo da desapropriao o ente federativo, ou seja, o Poder Pblico, sendo possvel a delegao de sua competncia, com exceo quanto produo do ato expropriatrio, sendo este denominado Expropriante. J no plo passivo, denom