Desenvolva sua Carreira - Psicologo Hospitalar

  • View
    214

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Psicologo Hospitalar

Text of Desenvolva sua Carreira - Psicologo Hospitalar

  • Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

  • Psiclogo Hospitalar

  • Pgina 4

  • Pgina 5

  • Pgina 6

  • Pgina 7

  • Pgina 8

  • Pgina 9

  • Pgina 10

  • Pgina 11

  • Pgina 13Pgina 12

  • Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

    Pgina 13

  • Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

    Conhecimento das fases do desenvolvimento humano, nos processos sade/doen-a e nas tcnicas dirigidas ao atendimento em psicologia hospitalar.

    Atua em instituies de sade em nveis secundrios e terci-rios, realizando avaliao e acompanhamento nos vrios nveis de tratamento de modo a promover o bem-estar fsi-co e mental do paciente.

    Postura tica, equilbrio emo-cional, responsabilidade, em-patia, respeito pela condio do paciente, saber ouvir e compreender os seus proble-mas.

    Capacidade de observao, anlise, avaliao e compre-enso integral e contextua-lizada dos fenmenos psi-colgicos que envolvem o adoecimento.

    Pgina 15Pgina 14

  • Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

    O Psiclogo Hospitalar pode atuar em hospitais particu-lares, e pblicos por meio de concursos pblicos com vagas abertas em todas as regies do pas ; e projetos dos programas de sade da famlia de modo a promover a sade. Pode atuar tambm como professor da disciplina de psicologia hospitalar nos cursos de graduao em psi-cologia e supervisor de est-gios acadmicos.

    Psiclogo Clnico, Psiclogo Social e Neuropsiclogo.

    Pgina 15

  • Escolher a carreira cer-ta uma deciso difcil para muitas pessoas, e o que pode ser ainda mais complicado saber as metas a serem traadas para alcanar o sucesso profissional. Em muitos casos a pessoa opta por um trabalho apenas pela questo da remunerao, o que pode ocasionar em insatisfao no trabalho e na vida pessoal. Por isso, sempre importante pla-nejar os resultados que se deseja alcanar e traba-lhar para que os abjetivos sejam atingidos, desta forma o profissional con-segue destaque no mer-cado de trabalho e a con-sequente satisfao em todos os segmentos de sua vida. De acordo com Edvaldo de Faras, autor do livro Planejamento e Gesto da Carreira Pro-fissional, fazer planos e tambm saber gerenciar a carreira significa se pro-teger de futuros fracas-sos.

    O termo urgncia psiqui-trica aplica-se a situa-es clnicas emergentes do ramo psiquitrico. Pa-cientes psicticos, quan-do se encontram em uma situao potencialmente perigosa, que apresen-te riscos para si mesmo ou para outros, que no conseguem controlar o comportamento com se-gurana , necessitam de uma interveno ime-diata para estabilizao do quadro, diagnstico preciso e posterior en-caminhamento. O curso voltado a profissionais de enfermagem ou aca-dmicos que pretendem se atualizar nas formas de assistncia aos pa-cientes que apresentam urgncias psiquitricas. O contedo programtico completo fornece a base necessria para atender s principais e mais diver-sas patologias que afe-tam os pacientes.

    A ansiedade um esta-do emocional normal e faz parte da experincia humana. Desta maneira, passa a ser patolgica quando desproporcio-nal ao estmulo ou situ-ao que a desencadeia ou quando no existe um objeto especfico ao qual se direcione. A ansiedade est entre os transtornos mais frequentes na po-pulao geral, alm de configurar como sintoma em diversas outras psi-copatologias. Seu con-ceito est ligado prin-cipalmente ao contexto psicopatolgico. Um tipo de ansiedade patolgica o transtorno de pnico. So diversos transtornos que esto inseridos na psicopatologia da infn-cia e adolescncia. Este curso abranger temas como transtornos de hu-mor, sndromes mentais orgnicas, transtornos de dficit de ateno e hipe-ratividade, transtornos de conduta, transtornos ali-mentares e muito mais.

    Planejamento e Gestode Carreira

    Urgncias Psiquitricas Psicopatologia da In-fncia e Adolescncia

    Pgina 16

  • Embora seja considera-da um mal atual, rela-cionada ao ritmo acele-rado da vida nos dias de hoje, a ansiedade e as sensaes desagradveis que a acompanham tm sido alvo da preocupa-o, curiosidade e do in-teresse humano, desde tempos muito remotos, e tm ocupado o imagi-nrio e a literatura nas mais diferentes culturas e nas mais variadas pocas histricas. Este curso ofe-rece ao profissional o co-nhecimento sobre Bases Neurobiolgicas, Medo X Ansiedade e muito mais. O principal objetivo oferecer e atualizar o co-nhecimento dos partici-pantes do curso sobre os princpios e fundamentos da Neurobiologia da An-siedade.

    As manias, at mesmo as mais esquisitas, so quase sempre inofen-sivas. Em alguns casos, contudo, podem chegar a comprometer o desem-penho profissional, esco-lar e os relacionamentos pessoais. Trata-se de um indicativo da necessidade de ajuda especializada. O que se imagina ser apenas uma mania pode sinalizar um processo de desen-volvimento do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), o segundo distr-bio psquico mais comum no planeta; perdendo apenas para a depresso. Segundo estimativas m-dicas, o TOC atinge entre 2,5% e 3% da populao mundial. No Brasil, esti-ma-se que 4,5 milhes de pessoas sofram com esse transtorno. As manias que se tornam compul-ses costumam funcionar como forma de aliviar a ansiedade e o desconfor-to causados pelos pensa-mentos repetitivos, ideias ou impulsos indesejveis.

    A Psicossomtica procu-ra um entendimento da afinidade mente-corpo e dos mtodos de ado-ecimento. Ela parte da observao de distrbios fsicos nos quais os pro-cessos emocionais de-sempenham certo papel, ou de situaes clnicas nas quais uma perturba-o psicolgica aumenta o risco de desenvolver ou agravar determinada doena fsica. Este curso busca contribuir para a compreenso do homem de forma integral, rela-cionando aspectos biol-gicos, afetivos e emocio-nais; preparando o aluno para reconhecer os pos-sveis aspectos que con-tribuem para os sintomas de adoecimento. O obje-tivo principal atualizar sobre a psicossomtica, a influncia das emoes nas doenas do corpo e da mente.

    Neurobiologia da An-siedade

    Transtorno Obsessivo Compulsivo

    Psicossomtica

    Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

    Pgina 17

  • Considerada como uma epidemia, os transtornos alimentares so comuns em todas as faixas etrias, mas atinge principalmen-te as mulheres. As vtimas, nesse caso, populao fe-minina, representam um sinal de alerta como um problema mundial, todos os problemas relativos a transtornos, como bu-limia, anorexia, e outras doenas, atingem cerca de 1% entre as mulheres de 18 a 40 anos. A doen-a obsessiva pode levar morte, mas que s agora comea a receber a aten-o devida no Brasil. Por isso, estudar sobre o co-nhecimento para detectar esses transtornos, podem ajudar a amenizar os da-nos sade humana.

    Muita gente no sabe e deve at se assustar com a seguinte informao: O maior sistema pblico de sade do mundo em termos de cobertura po-pulacional e de risco do Brasil. Desde 1988 com a criao do SUS, a questo da sade brasileira me-lhorou. Bons exemplos podem ser destacados como o combate Aids e inmeros outros, po-rm, nem tudo so flores. Basta olharmos para o cotidiano dos servios e aes de sade e notar-mos as deficincias desse sistema como superlota-o das emergncias, fal-ta de leitos nos hospitais, escassez de recursos nas unidades de sade, entre outros.

    A Psicologia da Sade aplicada ao ambiente hospitalar uma rea que est em pleno desenvol-vimento, abrindo novas portas para a atuao do psiclogo, no Brasil e no exterior. As funes do psiclogo em um hospi-tal esto dirigidas me-lhora da qualidade dos cuidados ao paciente e sua famlia e a facilitar o entendimento por parte da equipe de sade de situaes que, dentro da cultura da doena geral-mente grave, so psicolo-gicamente complexas. O curso de Psicologia Hos-pitalar traz orientaes sobre os primeiros passos no atendimento psicol-gico dentro do hospital, a apresentao pessoal, o local de atuao, o pron-turio mdico, o concei-to, tcnicas e etapas da interconsulta.

    TranstornosAlimentares

    O Sistema de Sade Pblica no Brasil

    Psicologia Hospitalar

    Psiclogo Hospitalarrea: Psicologia

    Pgina 18

  • Arte terapia um pro-cesso teraputico que se serve do recurso expres-sivo a fim de conectar os mundos internos e ex-ternos do indivduo, por meio de sua simbologia. Variados autores defini-ram a Arteterapia, todos com conceitos semelhan-tes no que diz respeito autoexpresso. a arte livre, unida ao processo teraputico, que transfor-ma a Arteterapia em uma tcnica especial. A Arte-terapia um caminho por intermdio do qual cada indivduo pode encontrar possibilidades de expres-so para, por meio de tcnicas e materiais ar-tsticos, processar, elabo-rar e redimensionar suas dificuldades na vida. Este curso trata da arte como forma de expresso hu-mana e de sua utilizao no contexto teraputico. Aborda a relao da arte com vrias abordagens psicolgicas e como uti-liz-la no trabalho tera-putico, sob diversas for-mas de expresso da arte.

    Na sua busca do conhe-cimento da dimenso hu-mana a Psicologia dialoga com reas como a Neu-rologia, Filosofia, Cin-cias Sociais e Psiquiatria. Considerando-se a sub-jetividade humana como um processo em cons-tante formao, a Psico-logia pode ser conside-rada tambm como uma cincia em construo, levando o psiclogo necessidade de constan-te atualizao e formao de seu conhecimento. O curso de Psicologia Clni-ca visa abordar a histria da Psicologia e seus prin-cipais estudiosos; define o que psicologia clnica, o que sade e transtor-no mental e as principais reas de atuao do psi-clogo.

    O psicodiagnstico , como o prprio nome diz, um diagnstico psi-colgico e pode ser reali-zado com o uso de meto-dologia especfica aps a solicitao ao psiclogo, objetivando clarificar al-guma dvida ou dificul-dade no tratamento de um paciente. Apenas o psiclogo tem autoriza-o exclusiva para a rea-lizao do psicodiagns-tico. Um exemplo