DESPERTAR ESPERANÇA >>> ?· tenho muitas fraquezas humanas, muitas misérias humanas. (...) Mas Ele…

  • Published on
    03-Dec-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

<ul><li><p>&lt; &gt; S quem sabe ser feliz pode contribuir para a felicidade. - Andr GideExortao Apostolica do Santo Padre Francisco</p><p>GAUDETE ET EXSULTATE (20)</p><p>O culto que mais Lhe agrada104. Poder-se-ia pensar que damos glria a Deus s com o culto e a orao, ou ape-nas observando algumas normas ticas ( verdade que o primado pertence relao com Deus), mas esquecemos que o critrio de avaliao da nossa vida , antes de mais nada, o que fizemos pelos outros. A orao preciosa, se alimenta uma doao diria de amor. O nosso culto agrada a Deus, quando levamos l os propsitos de viver com generosidade. [...]105. Pela mesma razo, o melhor modo para discernir se o nosso caminho de orao autntico ser ver em que medida a nossa vida se vai transformando luz da mi-sericrdia. Com efeito, a misericrdia no apenas o agir do Pai, mas torna-se o critrio para individuar quem so os seus verda-deiros filhos. a arquitrave que suporta a vida da Igreja. [...] Antes de tudo, temos de dizer que a misericrdia a plenitude da justia e a manifestao mais luminosa da verdade de Deus. A misericrdia a chave do Cu.106. Lembro a questo que se colocava So Toms de Aquino ao interrogar-se quais so as nossas aes maiores, quais so as obras exteriores que manifestam melhor o nosso amor a Deus. Responde sem hesitar que, mais do que os atos de culto, so as obras de misericrdia para com o prximo: no praticamos o culto a Deus com sacri-fcios e com ofertas exteriores para proveito dEle, mas para benefcio nosso e do prx-imo: de facto Ele no precisa dos nossos sacrifcios, mas quer que Lhos ofereamos para nossa devoo e para utilidade do prximo. Por isso a misericrdia, pela qual socorremos as carncias alheias, ao favore-cer mais diretamente a utilidade do prximo, o sacrifcio que mais Lhe agrada.</p><p>107. Quem deseja verdadeiramente dar glria a Deus com a sua vida, quem real-mente se quer santificar para que a sua existncia glorifique o Santo, chamado a obstinar-se, gastar-se e cansar-se procuran-do viver as obras de misericrdia. Muito bem o entendera Santa Teresa de Calcut: sim, tenho muitas fraquezas humanas, muitas misrias humanas. (...) Mas Ele abaixa-Se e serve-Se de ns, de ti e de mim, para sermos o seu amor e a sua compaixo no mundo, apesar dos nossos pecados, apesar das nossas misrias e defeitos. Ele depende de ns para amar o mundo e demonstrar-lhe o muito que o ama. Se nos ocuparmos demasiado de ns mesmos, no teremos tempo para os outros.108. O consumismo hedonista pode-nos enganar, porque, na obsesso de diver-tir-nos, acabamos por estar excessivamente concentrados em ns mesmos, nos nossos direitos e na exacerbao de ter tempo livre para gozar a vida. Ser difcil que nos com-prometamos e dediquemos energias a dar uma mo a quem est mal, se no cultivar-mos uma certa austeridade, se no lutar-mos contra esta febre que a sociedade de consumo nos impe para nos vender coisas, acabando por nos transformar em pobres insatisfeitos que tudo querem ter e provar. [...] No meio deste turbilho atual, volta a ressoar o Evangelho para nos oferecer uma vida diferente, mais saudvel e mais feliz.109. A fora do testemunho dos santos consiste em viver as bem-aventuranas e a regra de comportamento do juzo final. [...]Recomendo vivamente que se leia, com fre-quncia, estes grandes textos bblicos, que sejam recordados, que se reze com eles, que se procure encarn-los. Far-nos-o bem, tornar-nos-o genuinamente felizes.</p><p>2018| 27.08 a 02.09AnoXV|n 707|boletim inter-paroquial</p><p>Areias STS| Avidos e Lagoa VNF</p><p>Pe. Manuel Antnio 963 283 615pdremantonio@hotmail.com</p><p>iparquiaDESPERTAR ESPERANA</p><p>Tu tens palavras de vida eternaTu as les paroles de l avie ternelleYou have words of eternal lifeDu hast Worte des ewigen Lebens</p><p>26 de AgostoXXI Domingo Comuma hora de escolher</p><p>&gt;&gt;&gt;A f no se adquire de uma vez para sempre. As tribos de Israel </p><p>devem redizer o seu consentimento Aliana concluda antigamente no Sinai. Os discpulos de Jesus </p><p>devem testemunhar os sinais feitos por Jesus mas eles tambm devem renovar a sua f nas suas palavras. </p><p>Hoje tu s acolhido pelo Senhor na sua casa. Uma vez mais, respondes </p><p>ao seu chamamento. Mas para que a tua presena aqui no seja rotina, sabe, maneira de Pedro, renovar </p><p>a tua f no Senhor, a fim de lhe dar fidelidade cada dia. </p></li><li><p>&lt; &gt; S quem sabe ser feliz pode contribuir para a felicidade. - Andr Gidequinta-feira, 30 de agosto de 2018 Martrio de So Joo Batista19:00 Eucaristia Irmos da Confraria SCJesus e SSSacra-mento Avidos </p><p>Alberto Quintas Ferreira e filho - esposa AN. Domingos Sousa Marques - esposa Intenes de Leonor Carneiro Jos Carlos Dinis da Silva e avs - tio Fer-nando</p><p>Olinda de Sousa Moreira - CSBMCarreira </p><p>sbado, 01 de setembro de 2018 XXII Domingo Comum18:30 Eucaristia Dominical VespertinaGuilherme da Silva Dias e pai - me Joo Fernando, Joo Silva, Branca dos Remdios </p><p>Joaquim Lobo - pessoa amiga Jos Ferreira Silva, Jlia Dias e Jlia Fernan-da - filha</p><p>Maria de Lurdes Rebelo Silva e marido - filhos</p><p>domingo, 02 de setembro de 2018 XXII Domingo Comum09:30 Eucaristia DominicalAlbertina Oliveira Fernandes Figueira e fam-lia - marido </p><p>Avelino Augusto Alves Gil e sogros - esposa Familiares de Celina Justino da Silva, esposa e sogros - filhos Marcelina Azevedo Sampaio, pais, irmos e cunhada - famlia </p><p>Zulmira Martins Correia, marido e filho - filhos</p><p>17:00 Matrimnio e BatismoMarco Arajo e Vera CastroGuilherme Arajo</p><p>Limpeza da Igreja de AvidosPedimos ao lugar de Tojeda, Serufe, Caste-los e Esqueiro para se organizar e vir fazer a limpeza da Igreja durante o ms de setem-bro. A Igreja a nossa primeira casa!</p><p>Atendimento ParoquialDurante o ms de agosto e setembro no se realiza o atendimento paroquial. Em caso de necessidade, fale na sacristia ou ligue com o Proco a fim de marcar uma hora de aten-dimento: Pe. Manuel Antnio 963283615, pdremantonio@hotmail.com</p><p>Escola de Ministrio Arciprestal e de MsicaEsto abertas as inscries para o prximo ano lectivo 2018/2019, na Escola de Minis-trios do Arciprestado. A oferta lectiva da Escola de Ministrios do Arciprestado tem como objectivo fornecer aos seus alunos as competncias necessrias para o exerccio dos vrios ministrios litrgicos, nomeada-mente o ministrio de salmista, de organista e de director coral, bem como Leitores, Ac-litos. As inscries (presenciais) decorrem entre 08 e 30 de Setembro, e o ano lectivo arranca dia 01 de Outubro. As inscries para o prximo ano lectivo 2018/2019 na Escola de Msica da Fun-dao j se encontram abertas. A oferta lectiva da Escola passa pelo curso bsico e geral de msica litrgica, pela iniciao musical para crianas e ainda pela iniciao/aperfeioamento musical para adultos. As inscries devero realizar-se at dia 15 de Setembro, via e-mail: fundacao.real.colegio.landim@hotmail.com. </p><p>CatequistasConvoco os catequistas para uma reunio na prxima sexta-feira, dia 31 de Agosto, s 21:00h no Centro Social Paroquial de Avidos. Agenda: Programa Pastoral Dioce-sano 2018/2019, organizao dos anos de catequese, eleio do coordenador e vice, consideraes para a participao dos pais nos trs primeiros anos, inicio voluntrio da inter-paroquialidade da catequese e organi-zao, Parquia de Santa Maria de Abade de Vermoim, outros assuntos.</p><p>Uma injustia social de Jesus?Estes ltimos trabalharam s uma hora, e no entanto tratou-os como ns, que supor-tmos o peso do dia e do calor (Mateus 20,12). A parbola evoca, como muitas vezes acontece na pregao de Jesus, a concretude de uma situao social amarga-mente constante na histria da humanidade. A palavra de Cristo no nem etrea nem area, plantando-se antes solidamente no terreno da existncia humana. O desempre-go e a precariedade so preocupaes de sempre. Como sabido, na praa do mer-cado, a principal da cidade, estacionavam os jornaleiros, espera de que um proprie-trio de terras ou mediador os levasse para trabalhar ao dia.Sabemos o desenvolvimento da parbo-la, narrada apenas por Mateus (20, 1-16), retalhada na subdiviso do dia segundo o relgio do tempo. Comea-se com a auro-ra, que a ltima parte da noite e a primeira do dia, continua-se com a hora tera, ou seja, s nove, passa-se para a sexta (meio-dia) e para a nona (trs da tarde), chegan-do-se hora dcima primeira, na prtica as cinco da tarde, no umbral do entardecer e da noite. O pagamento combinado de um denrio de prata, a unidade monetria romana que representava o salrio jornaleiro de um operrio e o custo mdio de um dia, como se diz na parbola do bom samaritano (Lucas 10, 35). O denarius tinha a efgie do imperador: explica-se assim a cena do tributo a Csar narrada nos Evangelhos (Mateus 22, 19).Estritamente falando, aquele patro que paga a todos um denrio, reservando-o inclusive a quem trabalhou uma s hora da tarde, age, por um lado, corretamente, na base do contrato separado estipulado com cada um; mas por outro lado no certa-mente um modelo de justia nas relaes industriais. Qual , ento, o sentido da parbola, tendo em mente que no pode ser orientado para a injustia social? A lio de ndole religiosa e existencial. O propriet-rio da vinha abre caminho a Deus, que no lesa a justia (o contrato era justo), mas nas suas relaes com a humanidade introduz </p><p>a superioridade do amor, cuja generosida-de vai para alm da rgida norma do que devido.A humanidade , com efeito, constituda por pessoas diferentes quanto s qualidades e dons recebidos: desde quem tem cinco talentos quele que s tem um, para usar ainda uma imagem monetria de outra conhecida parbola de Jesus. H a pessoa simples que tem poucas capacidades, e quem, ao contrrio, se destaca por dons extraordinrios; h quem seja doente e fr-gil, e quem tenha uma sade de ferro e seja um portento de fora; h quem tem uma modesta dotao intelectual e quem um gnio; h a pessoa frgil, que cai em erros e pecados, e h o justo capaz de resistir firmemente s tentaes; h quem pertence a uma nao evoluda e privilegiada (Jesus podia pensar nos judeus, os primeiros), e quem tenha nascido numa regio deprimida e num povo miservel e de escassas dispo-nibilidades culturais e sociais (os pagos, os ltimos).O importante, diz Jesus, que se entre no campo da vida com pleno compromisso pessoal. Deus, na sua recompensa final, no adota o rgido critrio que se funda nos resultados, mas escolhe a via do amor, que premeia inclusive quem avana trazendo nas suas mos um pequeno fruto do seu modesto mas real trabalho. A verdadeira imparcialidade a do amor que coloca ao mesmo nvel que recebeu muito e quem pouco teve da vida mas que se consagrou autenticamente sua vocao, ainda que simples. Card. Gianfranco Ravasi</p></li></ul>