DETERMINAÇÃO DO ÁCIDO TRANS,TRANS-MUCÔNICO

  • View
    222

  • Download
    2

Embed Size (px)

Transcript

  • BIBLIOTECAFaculdade de Cincias farmacuticaa

    Universidade de So Paulo

    UNIVERSIDADE DE SO PAULO

    FACULDADE DE CINCIAS FARMACUTICAS

    Curso de Ps-graduao em Farmcia

    rea: Toxicologia e Anlises Toxicolgicas

    DETERMINAO DO CIDO TRANS,TRANS-MUCNICO

    URINRIO POR CROMATOGRAFIA LQUIDA DE

    ALTA EFICINCIA VISANDO A BIOMONITORIZAO

    DE TRABALHADORES EXPOSTOS AO BENZENO

    ISARITA MARTINS

    Dissertao para obteno do grau de

    MESTRE

    Orientadora:

    Prof. DfI. MARIA ELISA PEREIRA BASTOS

    DE SIQUEIRA

    So Paulo

    1999

    ;6.269

  • DEDALUS - Acervo - CQ

    11111111111111111111111111111111111111111111111111111111II111111130100002898

    Ficha CatalogrficaElaborada pela ,Diviso de Biblioteca e

    Documentao do Conjunto das Qumicas da USP.

    Martins, lsaritaM386d Determinao do cido trans, trans-mucnico unnano por

    cromatografia lquida de alta eficincia visando a biomonitorizaode trabalhadores expostos ao benzeno I Isarita Martins. -- SoPaulo, 1999.

    l02p.

    Dissertao (mestrado) - Faculdade de Cincias Farmacuticasda Universidade de So Paulo. Departamento de Anlises Clnicase Toxicolgicas.

    Orientador: Siqueira, Maria Elisa Pereira Bastos de

    I. Toxicologia ocupacional3. Anlise toxicolgica I. T.Pereira Bastos de, orientador.

    2. Benzeno: Toxicologia11. Siqueira, Maria Elisa

    615.902 CDD

  • Dedico este trabalho

    a DEUS pois "Ainda que eu conhea todos

    os mistrios e toda cincia... " sem a f em

    um ser Superior eu nada serei,

    aos meus pais Wilberlh e Marina pela

    educao que me indicou o caminho,

    ao Eduardo pela fora e compreenso nos

    momentos difceis que lhe foram impostos.

  • "leUO!Ss!JoJdaleossad0luaw!aSaJanaweJed

    aluea!J!u!SeJ!auewapopU!nqpluoa'0'lelUa!JO

    elad0luaWpapeJea0'leJ!wpe'oljupeanaw0POl

    e.J!8nb!s8psOlsege.J!8.J8deS!l3e!.Jew"eJOjOJdy

  • Agradecimentos

    Aos Coordenadores do Curso de Ps-Graduao em Farmcia, rea de

    Toxicologia e Anlises Toxicolgicas, da Faculdade de Cincias Farmacuticas,

    da Universidade de So Paulo, pela oportunidade;

    Ao Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento -CNPq- pela

    concesso da bolsa de estudo;

    Aos professores do Departamento de Anlises Clnicas e Toxicolgicas,

    pelos valiosos ensinamentos;

    Aos professores Henrique Vicente Della Rosa, Jos Salvador Lepera e

    Mriam Meyer Passarelli, pelas valiosas sugestes feitas no exame de

    qualificao;

    'A bibliotecria Maria Luza, pela elaborao da ficha catalogrfica;

    Aos funcionrios da secretaria de Ps-Graduao, da Faculdade de

    Cincias Farmacuticas, pela dedicao e ajuda;

    Aos funcionrios Dalva, Luzia, Roseli, Helena, Luza, Mrcia pela efetiva

    ajuda na rotina de trabalho;

    Aos colegas do curso de ps-graduao em Toxicologia e Anlises

    Toxicolgicas, pelos momentos bons e ruins que dividimos nessa fase de

    nossas vidas;

  • 'A Cristiane, Lolla e Patrcia Rosa, pela valiosa contribuio na reviso

    final de alguns itens deste trabalho;

    'A Ana Cristina, pela ajuda preciosa nas coletas das amostras;

    'A Janana, pelo contato com a empresa que permitiu a coleta das

    amostras;

    'A Luciane, pelas valiosas sugestes e discusses;

    'A alguns familiares e amigos, por existirem e permanecerem presentes

    nesta fase da minha vida.

  • SUMRIO

    1. INTRODUO , 01

    2. EXPOSiO OCUPACIONAL AO BENZENO 05

    2.1 Propriedades fsico-qumicas 05

    2.2 Usos e fontes de exposio 07

    2.3 Toxicocintica 11

    2.4 Toxicodinmica 19

    2.5 Efeitos Txicos 22

    2.6 Monitorizao biolgica 27

    2.7 Avaliaes peridicas do estado de sade dos trabalhadores

    expostos 33

    2.8 Aspecto analtico 34

    3. OBJETIVO E PLANO DE TRABALHO .48

    4. MATERIAL E MTODO .49

    4.1 Material 49

    4.1.1 Reagentes e solventes .49

    4.1.2 Solues-padro e fase mvel : 50

    4.1.3 Vidraria, aparelhos e acessrios 50

    4.2 Mtodo , 51

    4.2.1 Validao do mtodo analtico para a determinao do cido

    trans, trans- mucnico urinrio 51

    4.2.1.1 Otimizao das condies cromatogrficas 54

    4.2.1.2 Linearidade 54

    4.2.1.3 Curva de calibrao 54

    4.2.1.4 Limite de quantificao 55

    4.2.1.5 Limite de deteco " 55

    4.2.1.6 Recuperao 56

    4.2.1.7 Preciso do mtodo analtico 56

  • 4.2.1.8 Estabilidade do analito na amostra 56

    4.2.1.9 Exatido 57

    4.2.1.10 Efeito da matriz 57

    4.2.2 Determinao do cido trans, trans-mucnico (ttAM) em urina

    de trabalhadores que manipulam o benzeno 57

    4.2.2.1 Casustica 57

    4.2.2.2 Anlise do cido trans, trans-mucnico (ttAM)

    urinrio 60

    4.2.3 Determinao da densidade e da creatinina urinria 60

    4.2.4 Anlise estatstica 60

    5 RESULTADOS 61

    5.1 Otimizao das condies cromatogrficas 61

    5.2 Linearidade 63

    5.3 Limite de quantificao 65

    5.4 Limite de deteco 65

    5.5 Recuperao 65

    5.6 Preciso 66

    5.7 Estabilidade do analito na amostra 66

    5.8 Exatido 68

    5.9 Efeito da matriz : 68

    5.10 Determinao do cido trans,trans-mucnico em urina de

    trabalhadores que manipulam benzeno 69

    6. DISCUSSO 74

    7. CONCLUSES 83

    8. REFER~NCIAS BIBLIOGRFiCAS 85

    9. ANEXOS 100

  • LISTA DE TABELAS

    TABELA 1- Trabalhadores afastados, com diagnstico de intoxicao

    benznica, em alguns estados do Brasil, segundo instituies

    pblicas 27

    TABELA 2- Condies analticas utilizadas na determinao de ttAM em

    urina ~ 37

    TABELA 3- Caractersticas da populao avaliada, para a determinao do

    cido trans, trans-mucnico em urina 59

    TABELA 4- Recuperao de cido trans,trans-mucnico (ttAM) adicionado s

    amostras de pool de urina 65

    TABELA 5- Preciso do mtodo analtico para determinao de cido

    trans,trans-mucnico (ttAM) urinrio, expressa em funo dos coeficientes de

    variao (CV) 66

    TABELA 6- Estabilidade do cido trans,trans-mucnico na amostra conservada

    dez dias a 4 C 66

    TABELA 7- Inexatido do mtodo de determinao do cido trans,trans-

    mucnico (ttAM) em urina, expressa em funo de porcentagem (%) 68

    TABELA 8-Valores de cido trans,trans-mucnico (ttAM) em urina de

    trabalhadores que manipulam benzeno numa refinaria : 70

    TABELA 9-Medidas descritivas para as concentraes do cido trans,trans-

    mucnico (mg/g creat.) nos 3 perodos de coleta 71

    TABELA 10- Medidas descritivas para as concentraes do cido trans,trans-

    mucnico urinrio (mg/L) nos 3 perodos de coleta 72

    TABELA 11- Medidas descritivas para as concentraes do cido trans,trans-

    mucnico urinrio, em mg/g creat nos trs diferentes perodos de coleta, de

    acordo com o hbito de fumar 73

    TABELA 12- Medidas descritivas para as concentraes do cido trans,trans-

    mucnico urinrio, em mg/g creatinina nos 3 perodos de coleta, de acordo com

    ingesto de bebidas alcolicas 73

  • LISTA DE FIGURAS

    FIGURA 1- Produo, destino e consumo do benzeno no Brasil. 10

    FIGURA 2- Biotransformao do benzeno 17

    FIGURA 3- Fluxograma da tcnica de determinao do cido trans,trans-

    mucnico urinrio 53

    FIGURA 4- Cromatogramas (CLAE) referentes a solues-padro 62

    FIGURA 5- Curva de linearidade do cido trans,trans-mucnico (ttAM) em

    urina 63

    FIGURA 6- Cromatogramas (CLAE) referentes s amostras de urina 64

    FIGURA 7- Estabilidade do cido trans,trans-mucnico (0,2 mg/L) em amostra

    de urina conservada a - 20C por sete semanas 67

    FIGURA 8- Estabilidade do cido trans,trans-mucnico (2,0 mg/L) em amostra

    de urina conservada a - 20C por quinze semanas 67

    FIGURA 9- Representao grfica da curva de calibrao do cido trans,trans-

    mucnico (ttAM) em gua e em urina, nas concentraes de 0,2 a 5,0 mg/L. ..68

    FIGURA 10- Representao das concentraes de cido trans,trans-mucnico

    urinrio (mg/g creatinina) nos trs perodos de coleta das amostras 71

    FIGURA 11- Representao das concentraes de cido trans,trans-mucnico

    urinrio (mg/L) nos trs perodos de coleta das amostras 72

  • LISTA DE QUADROS

    QUADRO 1- Comparao entre o diferentes bioindicadores para a exposio a

    baixas concentraes ambientais do benzeno o o o o o 0 o 0.0. o .32

  • RESUMO

    o benzeno um solvente comprovadamente cancergeno e, parasubstncias com tal caracterstica, no h limites de exposio considerados

    seguros. Em vista disso, as discusses internacionais e nacionais visam a

    diminuir, cada vez mais, os nveis de exposio ocupacional permitidos. O cido

    trans, trans-mucnico (ttAM) , um produto de biotransformao do benzeno, tem

    sido preconizado como um bioindicador sensvel da exposio ao solvente.

    Este trabalho foi desenvolvido com o propsito de validar mtodo capaz de

    detectar o ttAM em urina de indivduos expostos ao benzeno, bem com

    estabelecer o melhor perodo de coleta das amostras. A tcnica escolhida foi a

    cromatografia lquida de alta eficincia (CLAE) com coluna de fase-reversa,

    Lichrosorb RP 18, e detector de ultra-violeta. O mtodo mostrou-se linear entre

    0,2 a 5,0 mg/L (~ = 0,9943). Os limites de deteco e de quantificao obtidos

    foram, respectivamente, 0,1 e 0,2 mg/L. A porcentagem de recuperao

    absoluta mdia foi de 77,1% e de inexatido de 27,9%. Os coeficientes de

    variao mdios foram, para a preciso intra-ensaio 7,7 % e, para a interensaio

    10,6%. O analito permaneceu estvel na matriz por um perodo de 6 semanas

    para a concentrao de 0,2 mg/L e de 15 semanas. para a 2,0 mg/L, se

    armazenada em freezer (-20C) e por at dez dias sob refrigerao (4C) para

    os adicionados de 0,2, 2,0 e 5,0 mg/L. Com estes resultados, a validao foi

    cons