Dialogometropolitano 17

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Dialogometropolitano 17

  • SBADO, 21 DE DEZEMBRO DE 2013 | ANO 1 | NMERO 17 | ALPHA PRIME: 60 ANOS DE JORNALISMO

    DILOGOMETROPOLITANORIO DE JANEIRO

    E MAIS...

    Pacote Bali revigora a OMC

    Andadores, o perigo em nome do conforto

    Conhea a trama da novela Em Famlia

    Universidades recebero verba para investimentos

    Frana espera dobrar intercmbio comercial

    Nmero de fumantes cai 20% no pas em seis anos

    Psicloga d dicas para deixar o cigarro em 2014

    SADEPAG 7

    SADEPAG 7

    DRA. LIVIA GENNARIPAG 7

    ESPORTESPAG 5

    BRASIL E MUNDOPAG 5

    ECONOMIAPAG 3

    A Prefeitura do Rio se prepara para receber os amantes do esporte na Copa do Mundo FIFA 2014 e investe na expanso da rede hoteleira com a construo e adaptao de pelo menos cinco mil novos quartos at 2014. Atualmente, a cidade oferece 34.130 quartos. Para a Copa do Mundo, espera-se alcanar a marca de 39,2 mil quartos, sendo 26,6 mil em hotis e outros 12,6 mil distribudos em apart-hotis, albergues, pousadas e motis. PAG 4

    Tendometade de uma pessoa inteiraIGOR QUIRINOPAG 2

    ESTA EDIO 8 PGINAS | CONFIRA A EDIO DIGITAL NO SITE www.dialogometropolitano.com.br OU NOS NOSSOS APLICATIVOS

    ESPORTES

    Briga de torcidas em Joinville faz times perderem mandos

    Comeou no dia 12 de dezembro a contagem regressiva de 1.000 dias para a realizao dos Jogos Paralmpicos Rio 2016. Para marcar a data, o Centro de Referncia da Pessoa com Deficincia, em Santa Cruz, abriu suas portas para uma cerimnia que reuniu a secretria municipal da Pessoa com Deficincia, em Santa Cruz. PAG 2

    Rio de Janeiro ter cinco mil novos quartos at a Copa de 2014

    CIDADES

    Rio comemora 1.000 dias para os Jogos Paralmpicos de 2016

    A briga entre torcedores no jogo do ltimo final de se-mana pelo Campeonato Brasileiro, na cidade catarinen-se de Joinville, levou o Atltico Paranaense perda de 12 mandos de campo e o Vasco da Gama, de oito. A deciso foi tomada pela 4 Comisso Disciplinar do Su-perior Tribunal de Justia Desportiva (STJD). PAG 6

    ECONOMIA

    Dvida Pblica Federal volta a ultrapassar R$ 2 trilhes

    Influenciada pelo elevado volume de emisso de ttulos pblicos prefixados, a Dvida Pblica Federal (DPF) cresceu em outubro e voltou a ultrapassar a barreira de R$ 2 trilhes. De acordo com dados divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional, a DPF fechou o ms passado em R$ 2,022 trilhes, com alta de R$ 33,6 bilhes em relao ao estoque registrado em setembro. PAG 3

    DANIELLE DENNYPAG 4

    CULTURA

    Especial de Roberto Carlos ser exibido dia 25 pela Rede GloboA cada ano, um novo formato, uma nova histria. E, assim, h quatro dcadas, o especial de fim de ano de Roberto Car-los toca o pblico com um espetculo cheio de emoo e msicas que marcaram geraes. Sucessos como Calham-beque, Estrada de Santos, Eu Te Proponho, entre outros, embalaram as noites dos telespectadores e estavam na lista de canes do primeiro especial do Rei na Globo, exibido em 25 de dezembro de 1974. Desde ento, a atrao marca o Natal das famlias brasileiras e coleciona momentos me-morveis, reunindo grandes nomes da msica do pas e os principais artistas da emissora.

    Em 2013, o especial 40 anos. Juntos, com previso de exibi-o no dia 25 de dezembro, celebra as Bodas de Rubi desta parceria de sucesso entre o cantor, a emissora e o pblico com uma noite de gala.

    PAG 5

    PAG 5

    Aps violncia, governo discute padronizar segurana

  • DIRETORAMnika Santos Ferreira

    EDITOR CHEFEJnatas Mesquita | MTb 63370jonatas@dialogometropolitano.com.br

    REDAORaul Ramoscontato@dialogometropolitano.com.br

    REVISOBianca Montagnana

    DIAGRAMAORoberta Furukawa Bartholomeu

    COLUNISTASDanielle Denny, Hamilton Rosa Jr., Hamilton Vasconcellos, Igor Quirino, Lvia Gennari, Reinaldo Costa, Renata Palmier e Thell de Castro.

    PROJETO GRFICO E EDITORIALNews Primewww.newsprime.com.brcontato@newsprime.com.br

    REDAOAvenida das Amricas, 3.500Bloco 05 | Sala 313 | Rio de Janeiro | RJ

    IMPRESSOGrfica Lance

    DILOGO METROPOLITANOPUBLICADO PELA ALPHA PRIME EDITORA E JORNALISMO LTDA.ALPHA PRIME: 60 ANOS DE JORNALISMO

    PENSANDOIgor Quirino | Publicitrio

    Tendo metade de uma pessoa inteira

    2 DILOGOMETROPOLITANORIO DE JANEIRO

    CIDADES

    Rio comemora 1.000 dias para os Jogos Paralmpicos de 2016

    Ele sempre a desejou. Em suas noites, enquan-to sua cabea estava no travesseiro, estava tam-bm, ao mesmo tempo, nela e nem quando a ti-rava, ela saia. Ela mesmo!Diz a boa prtica popu-lar de vivncia que no devemos guardar um sentimento conosco. Faz mal, cria cncer. Ento, melhor falar. Mas ele no jogou no ar para o uni-verso como se estivesse rezando e tambm no foi numa folha de papel. Foi para ela que o moo decidiu desabafar.Por que assim quando estamos apaixonados, fi-camos de quatro, aberto e nu para uma pessoa, pois enxergamos nela um futuro e, um relacio-namento sem cumpli-cidade, no relacio-namento, necessrio dividir para somar, ne-cessrio confiar.O rapaz estava disposto a isso, mas num primeiro momento que entregou a metade da sua ma, no recebeu a outra me-tade que viria dela. Ago-ra o monseigneur no

    estava completo, estava quebrado, pois em vez de tentar recuperar a sua pr-pria metade, continuou se doando demais para uma metade que no era sua e foi perdendo o resto que lhe sobrava.Agora ele no tinha mais o que oferecer e a ela no interessava um zero, um nulo. Tomou, ento, a sbia deciso de seguir em fren-te, fazer uma incurso s mais frteis terras, ou me-lhor, a sua terra, a nossa, ao mundo. Foi viver, conhecer pessoas, se encher de ex-perincias, se abastecer de algo que lhe faltava, o amor prprio. E nesse mundo deu voltas.E esse mundo d voltas, por que a vida incrvel, no pelo o que estaria por vir. Por que foi a vez dela de entregar seu lado para ou-tro algum e no receber de volta a sua parte. Mas a garota desconhecia o amor prprio, por que ela poderia recorrer a outros amores que doaria sua vida pra ela. Sim, aquele rapaz que foi sincero, que ficou de quatro e confiou num futuro a dois. Dessa vez ele estava firme,

    centrado, diferente dela. Mas no ponto de vista ainda tinha um dbito a cobrar.A moa achou justo se entregar e o rapaz, pelo aprendizado, nem tanto, mas deu um pedao.Agora, com a cabea no travesseiro, se per-guntava onde estava a garota por quem real-mente tinha se apaixo-nado. Faltavam algumas coisas nela e isso no o agradava. Com ela no aprendia, dela no saiam palavras que o pudessem fazer sorrir, nela no existia vonta-de que os fizessem sair para viver o inusitado. Por que se fosse para no ter ela inteira, nem compensava ter. A outra metade que era sua por direito ainda no chega-ra, claro, estava com ou-tra pessoa, ainda.Mas guardar rancor tam-bm faz mal e perdoar alivia. Ele ento beijou a sua testa e disse: Que-ro te ver inteira, comple-ta, mesmo que isso sig-nifique ser inteira sem a minha metade.

    Os artigos assinados so de responsabilidade de seus autores, no refletindo, necessa-riamente, a opinio do jornal

    Comeou no dia 12 de dezembro a contagem re-gressiva de 1.000 dias para a realizao dos Jogos Pa-ralmpicos Rio 2016. Para marcar a data, o Centro de Referncia da Pessoa com Deficincia, em Santa Cruz, abriu suas portas para uma cerimnia que reuniu a secretria municipal da Pessoa com Deficincia, Georgette Vidor, o presi-dente do Comit Paralm-pico Internacional (IPC), Philip Craven, o presiden-te do Comit Paralmpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, e a presidente da Empresa Olmpica Munici-

    pal (EOM), Maria Silvia Bas-tos Marques.

    O ponto alto da solenida-de ficou por conta da pre-sena de atletas do Time Rio Paralmpico, que se emo-cionaram com homenagem prestada por 1.000 alunos da rede municipal de ensi-no, que depositaram men-sagens de incentivo para os atletas, com desenhos e tex-tos inspirados nos valores bsicos da educao e do esporte, como superao, respeito e amizade. Estas mensagens sero lidas, uma por dia, at o dia da abertura dos Jogos, em 7/9/16.

    Com 12 dias de durao

    (seu encerramento est marcado para 18/9), os Jo-gos Paralmpicos Rio 2016 sero marcados como a maior edio da histria, uma vez que reuniro 4.350 atletas de 164 pases, alm de 25 mil voluntrios e 7.200 profissionais de mdia credenciada. Ao dar incio cerimnia, Georgette Vidor incentivou os jovens a bus-car o melhor de cada um e a comear, desde j, a pre-parao para o evento es-portivo:

    - Mil dias parecem muita coisa, mas passa muito r-pido. Se os atletas querem obter bons resultados nos

    Jogos Paralmpicos pre-ciso comear a preparao agora. Trata-se de um mo-mento de foco e empenho.

    Em seguida, o presidente do Comit Paralmpico In-ternacional, Philip Craven, falou sobre a importncia do evento e parabenizou a Prefeitura do Rio pelo tra-balho realizado em Santa Cruz. Segundo ele, os jogos daro um novo impulso para a cidade no que diz respei-to mudana de atitude da populao:

    - Tenho absoluta certe-za de que este evento vai transformar a mentalidade de todos que vivem aqui,

    uma vez que acordaro para o fato de que, se estes atletas podem fazer, todos podem. Alm disso, estou impressionado com o que vi hoje no Centro de Refern-cia. O trabalho de incluso da prefeitura fantstico. Este centro, por exemplo, conta com instalaes de primeira grandeza e equi-pes capacitadas, alm de usurios satisfeitos.

    J a presidente da Em-presa Olmpica Municipal, Maria Silvia, classificou os Jogos Olmpicos e Para-lmpicos como uma opor-tunidade de crescimento, tanto no que diz respeito infraestrutura quanto mu-dana de atitude. Para ela, os Jogos Paralmpicos se-ro fundamentais para que se atente sobre a necessi-dade de se promover a in-cluso e a acessibilidade.

    O Time Rio Paralmpico foi apresentado na cerim-nia pelo presidente do Co-mit Paralmpico Brasileiro, Andrew Parsons. Aps o hasteamento das bandei-ras (nacional, da cidade e a olmp